Na CNN, João Dória chama Jair Bolsonaro de “psicopata despreparado”

bolsodoria

Em entrevista dada em um inglês até razoável, o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), aproveitou o espaço dado pela cadeia CNN para literalmente classificar o presidente Jair Bolsonaro como “psicopata despreparado” que está causando um grave desastre sanitário (ver vídeo abaixo).

Dória afirmou ainda que Bolsonaro causou uma série de erros inacreditáveis ao se colocar contra os governadores que estavam tentando controlar a pandemia, além de incitar seus seguidores a desobedecerem as regras de isolamento social e o uso de máscaras. Dória lembrou ainda que Jair Bolsonaro classificou a COVID-19 como uma “gripezinha”.

Segundo Dória, a situação no Brasil neste momento beira o completo colapso com hospitais superlotados, enquanto Bolsonaro assiste a situação de braços cruzados.

Ainda que se possa recordar que João Dória jogou um papel importante na vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018, esse pronunciamento em uma das principais cadeias de comunicação do mundo deverá servir para piorar ainda mais a imagem do presidente brasileiro. Como resultado disso, o isolamento em que nos encontramos neste momento deverá se aprofundar.

Início da vacinação no Brasil é duplo desastre de relações públicas para o presidente Bolsonaro

Jair Bolsonaro espera em vão pelas entregas da AstraZeneca da Índia. Seu arquiinimigo político, o governador do estado de São Paulo, entretanto, inicia a vacinação com uma vacina chinesa

posePose de vitória após a vacinação: A enfermeira Mônica Calazans, 54, do estado de São Paulo, é a primeira pessoa no Brasil a ser vacinada contra o coronavírus. O governador do estado comemora a vacinação com uma vacina chinesa. Carla Carniel / AP

Por Thomas Spleen, Rio de Janeiro, para o Neue Zürcher Zeitung

Mônica Calazans, 54, é a primeira pessoa no Brasil a ser vacinada contra o coronavírus. A enfermeira de uma unidade de terapia intensiva da COVID-19 do maior estado de São Paulo recebeu a vacina CoronaVac no domingo, poucos minutos após a aprovação emergencial pela autoridade da Anvisa. O governador do estado, João Doria, foi festejado na ocasião. Com os dedos estendidos para marcar a vitória, ele falou de um “dia V” histórico como “vacina, vitória, verdade, vida” – “vacinação, vitória, verdade e vida”. Doria planeja concorrer contra o presidente Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2022. As fotos do sucesso do início da vacinação são úteis para ele.

Doria fazia campanha para o instituto de vacinas do Butantan, em São Paulo, para colaborar com a fabricante chinesa Sinovac desde meados do ano passado. Desde o final de novembro, já chegam a São Paulo transportes com latas do produto CoronaVac da Sinovac, onde já estão armazenados seis milhões de vacinas e a matéria-prima para a produção de mais cinco milhões delas. No entanto, a agência federal Anvisa atrasou a aprovação da vacina. Para pressionar a autoridade, Doria anunciou em dezembro que iniciaria a vacinação em São Paulo em janeiro.

Desde o início, o presidente Bolsonaro sabotou os esforços de Doria, seu mais feroz adversário político. Bolsonaro tentou jogar tacos burocráticos entre as pernas de Doria para atrasar o início da vacinação em São Paulo com o CoronaVac. No final do ano passado, o ex-militar anunciou que em hipótese alguma a população do Brasil seria vacinada com a vacina chinesa. Bolsonaro ordenou ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que rescindisse o contrato já fechado com São Paulo para a entrega de 46 milhões de doses do CoronaVac para os postos de vacinação estaduais. Em hipótese alguma quis conceder a Doria e aos chineses, a quem acusava de causadores da pandemia, o triunfo da imunização da população brasileira com o CoronaVac

Bolsonaro apostou com AstraZeneca

Em vez disso, o governo federal do Brasil assinou um contrato com a fabricante anglo-sueca AstraZeneca e a Oxford University para a entrega de milhões de doses e transferência de tecnologia para futura produção da vacina no Brasil. O governo rejeitou as ofertas da Pfizer/Biontech por razões de custo. Mas Bolsonaro apostou fora. Porque as entregas prometidas da AstraZeneca para o Brasil continuam atrasadas. A tentativa desesperada de coletar rapidamente dois milhões de doses da vacina AstraZeneca na Índia no sábado falhou. Precisamos das doses de vacinação para nossa própria população, foi o motivo alegado pelas autoridades indianas.

Desastre de relações públicas do Bolsonaro

Bolsonaro e seu ministro da saúde Eduardo Pazuello, um general rígido e de aparência hostil que organizou a logística para os Jogos Olímpicos de Verão no Rio de Janeiro em 2016, mas não tem experiência no setor de saúde, teve que assistir a primeira vacinação  de João Doria Brasil no domingo. Além do CoronaVac, a Anvisa também emitiu a vacina AstraZeneca com aprovação emergencial neste domingo. Mas como não é certo quando a vacina britânica pode ser esperada, o governo central terá que iniciar sua campanha de vacinação nacional com o CoronaVac.

Em frente à imprensa no domingo, um ministro da Saúde visivelmente irritado, Pazuello, pediu ao governo de São Paulo que entregasse todas as seis milhões de doses do CoronaVac ao governo central. Isso vai distribuir as vacinas em todo o país na segunda-feira, para que as vacinações em massa possam começar simultaneamente em todas as regiões na quarta-feira. A vacinação em massa só pode ser realizada no Brasil pelo sistema público de saúde SUS, que é subordinado ao Ministério da Saúde, e os estados individuais não podem fazer isso sozinhos, disse Pazuello. Todas as doses de vacinas fabricadas ou armazenadas no Brasil teriam que ser entregues exclusivamente ao governo central.

No entanto, João Doria não pensa em fazer isso. Já nesta segunda-feira, ele quer iniciar as vacinações em massa sob sua direção nos hospitais de São Paulo. De acordo com a proporção da população de São Paulo em relação à população total do Brasil, 20% das vacinas CoronaVac serão retidas. Os restantes 80 por cento serão colocados à disposição do Ministério da Saúde em solidariedade. O ministro da Saúde, Pazuello, já anunciou que entrará com ações judiciais contra a suspensão das vacinas, se necessário.

Bolsonaro nega os perigos da Covid-19

O presidente Bolsonaro tem que aceitar outro revés. No início da pandemia, ele disse que a Covid-19 era uma gripe menor e se manifestou contra as restrições e bloqueios. Ele se recusou a usar uma máscara ou seguir as regras de distância. Ele também afirmou que não queria ser vacinado. Você não poderia saber se isso o transformaria em um crocodilo. Nesse ínterim, cerca de 210.000 pessoas morreram de Covid-19 no Brasil. Somente nos Estados Unidos há mais mortes por pandemia. É crescente o descontentamento da população com a passividade do governo no combate à pandemia.

A situação é atualmente particularmente crítica na metrópole amazônica de Manaus. Os hospitais de lá estão sem oxigênio para os ventiladores há uma semana. Além disso, centenas de leitos de terapia intensiva estão desaparecidos e muitas pessoas morrem sem chance de atendimento médico em casa. Bolsonaro colocou a culpa pelo caos no governo local. No entanto, disse que já havia pedido ajuda ao governo central e a outros Estados membros semanas atrás

Hidroxicloroquina em vez de oxigênio

O ministro da Saúde, Pazuello, havia visitado Manaus apenas no início da semana passada. No entanto, sua visita não era para fornecer o oxigênio urgentemente necessário. Em vez disso, Pazuello promoveu o uso do medicamento contra a malária, a hidroxicloroquina. Bolsonaro havia anunciado a droga como uma “arma milagrosa divina” na luta contra a COVID-19. Embora cientistas de todo o mundo duvidem da eficácia do medicamento contra a COVID-19, Pazuello insiste que os médicos em hospitais públicos tratem os pacientes com o medicamento. Enquanto há falta de oxigênio em Manaus, milhares de embalagens do medicamento antimalária produzida pelos militares estão armazenadas sem uso.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo jornal suíço Neue Zürcher Zeitung [Aqui! ].