A morte de Fabian Tomasi, ativista argentino anti-agrotóxicos, cujo corpo se tornou uma arma

“Meu corpo está consumido”, disse o argentino de 53 anos, responsável por encher os tanques dos pulverizadores com herbicidas.

ARGENTINA-AGRICULTURE-GLYPHOSATE

Fabian Tomasi em sua cozinha em Basavilbaso,  na região de Entre Rios,  em fevereiro de 2018.

Por Charlotte Chabas para o Le Monde*

O seu corpo se tornou uma arma. Suas salientes costelas de onde dois braços magros escapam é que já não sabemos o quão bem eles estavam lá, sua espinha empolada pela escoliose, os olhos ainda brilhantes, suas bochechas emaciadas e cobertas com uma barba densa. E no meio, uma boca negra, bem aberta, parecendo se esforçar para respirar. Era o grito da Argentina poluída, uma réplica moderna da obra-prima de Edvard Munch. Aos 53 anos, Fabian Tomasi, que se tornou um símbolo da luta contra os agrotóxicos na Argentina, morreu sexta-feira, sete de setembro.

edward

Quadro “O Grito” de Edward Munch.

Aos 23 anos, este nativo de Basavilbaso começou a trabalhar para uma fazenda na região de Entre Rios (centro-leste). O jovem era responsável por preencher os tanques de herbicidas aviões espalhando o veneno sobre os vastos campos de soja na província, que gradualmente substituíram o gado tradicionais. Nestes grandes tanques, palavras que ele ainda não conhecia: Glifosato, Tordon, Propanil, Endosulfan, Cipermetrina, 2-4D, Metamidofos, Clorpirifós, adjuvantes, fungicidas, Gramoxone.

Diabético crônico, Fabian Tomasi muito rapidamente começou a sentir dor no final dos dedos. Nenhuma proteção era dada pela empresa a esses trabalhadores agrícolas que estavam na linha de frente. Um médico diagnosticou-o com neuropatia e colocou-o sob analgésicos.

Mas era uma espiral que não tinha fim: perda de elasticidade da pele, diminuição da capacidade pulmonar, perda de peso severa, infecções nos cotovelos e joelhos… é finalmente uma polineuropatia tóxica grave que é diagnosticada, uma síndrome neurológica que atinge 80% do seu corpo, e inclui um conjunto de doenças inflamatórias e degenerativas que afetam o sistema nervoso periférico. “Neste momento, meu corpo está consumido, cheio de crostas, quase sem mobilidade e à noite tenho dificuldade em dormir por causa do medo de não acordar”, escreve ele em carta aberta ao site militante La Poderosa. .

Ele não é o único a sofrer. Ao seu redor, em 2014, seu irmão Roberto, que também vive sob a pulverização de aviões, morreu de câncer no fígado, após semanas de agonia. Em sua região, o número de cânceres é quase três vezes maior do que nas cidades, segundo a rede de médicos fumigados da aldeia, que até fala de “epidemia”.

Então, Fabian Tomasi decidiu falar e começou uma briga para que fosse reconhecida a ligação entre sua doença e seu trabalho. “Não haverá mais ninguém. Toda a terra que temos não será suficiente para enterrar todos os mortos”, previu.

Em breve, o país conheceria este camponês que posava diante dos fotógrafos da imprensa internacional, no meio de campos ou na pequena cozinha azulejada onde morava com a mãe, a esposa e a filha. “Nós não somos ambientalistas, somos afetados por um sistema de produção que se preocupa mais em preencher alguns bolsos do que a saúde das pessoas”, dizia Fabian Tomasi, regularmente convidado em reuniões para explicar os efeitos dos agrotóxicos sobre a saúde humana.

“Para essas substâncias afetarem você, pode levar meia hora ou três anos. Não depende do tempo, mas do contato com substâncias destinadas a matar.”

Foi particularmente contra o glifosato que Fabian Tomasi entrou guerra, este produto usado a uma taxa de 300.000 toneladas por ano por uma Argentina dopada com soja transgênica. Alguns meses antes de morrer, o ex-trabalhador agrícola havia declarado à Agence France-Presse que a molécula de Monsanto era “uma armadilha que nos foi dada por pessoas muito poderosas“.

Não há doença livre de veneno e não há veneno sem essa conivência criminosa entre corporações multinacionais, a indústria da saúde, governos e o judiciário. Hoje, mais do que nunca, devemos detê-los e, para isso, devemos lutar, mesmo nos piores cenários, porque nosso inimigo se tornou muito forte. “

Apesar de sua luta, Fabian Tomasi não terá direito a julgamento. Tampouco conseguirá garantir que a Argentina adote legislação nacional para regulamentar o uso de agrotóxicos. Mas nos últimos anos, ele ajudou a tornar alguns prefeitos a promulgar estatutos para regular a pulverização, sob a pressão de seus cidadãos.

Em meados de agosto, Fabian Tomasi saudou as condenações dos EUA da Monsanto a US $ 289,2 milhões (248 milhões de euros) em benefício de um jardineiro americano, Dewayne “Lee” Johnson. “Eu não preciso de dinheiro no momento. Eu preciso da vida, ele disse. Eles não são empresas, são operadores.

Publicado originalmente em francês pelo jornal “Le Monde” [Aqui!]

Brasil é descrito como “faroeste do século 21” pelo jornal Le Monde

Por RFI

mediaEcologistas são vítimas de assassinatos em série no Brasil, denuncia Le MondeReprodução

 

O jornal francês Le Monde traz em sua edição deste domingo (26) uma reportagem sobre o assassinato de ecologistas no Brasil. O jornal relata que 61 militantes foram mortos apenas em 2016.

A reportagem da correspondente do vespertino no Brasil começa contando a história de Waldomiro Costa Pereira, assassinado no hospital de Paraupebas, no Pará. O texto explica que o militante ecologista – que já tinha sido vítima de um ataque – era membro de um “um desses batalhões de brasileiros em guerra contra a voracidade dos grandes latifundiários, dos gigantes agrícolas e dos grupos de mineração”.

O texto traz dados da Ong Global Witness, que afirma que 207 militantes ecologistas e defensores dos direitos humanos foram assassinados no Brasil entre 2010 e 2015: “um recorde mundial”, analisa o jornal francês, lembrando que em Honduras, que também vive esse tipo de problema, cerca de 100 assassinatos foram registrados no mesmo período. Porém, como ressalta o vespertino, o país da América Central tem uma população 25 vezes menor que a brasileira. Segundo Danicley Aguiar, militante do Greepeace citado pelo jornal francês, casos como a morte de Waldomiro representam “um crime bárbaro e inaceitável, mas que se tornou banal”.

“E o fenômeno se amplifica”, continua a reportagem, que fala do Brasil como um “Faroeste do século 21”. “Trinta anos após a morte do militante sindical Chico Mendes, a violência parece continuar enraizada no interior do país”, analisa.

A correspondente do Le Monde também explica que a região amazônica não é a única a sofrer com esse tipo de violência. A reportagem lista casos recentes no Rio Grande do Sul ou ainda no Rio de Janeiro.

Para a jornalista, esses assassinatos revelam a cobiça pelos recursos naturais abundantes do Brasil. “Desde os anos 1990, o país, que enfrenta a desindustrialização, preferiu se concentrar em uma política de desenvolvimento baseada na exportação de matérias-primas, o que estimula as disputas pela terra e a resistência dos agricultores”, tenta explica Danicley Aguiar.

O texto também comenta o papel da Justiça, que além de ser lenta, não se aprofunda nas investigações e registras baixas taxas de condenação dos crimes cometidos. Baseada nos testemunhos de especialistas, a reportagem do Le Monde alerta para os riscos de piora desse “panorama que já é apocalíptico”, principalmente por causa da crise econômica que sacode o país desde 2015 e “incita o Estado a defender as multinacionais”. 

FONTE: http://br.rfi.fr/brasil/20170326-brasil-e-descrito-como-faroeste-do-seculo-21-pelo-jornal-le-monde

Manchete síntese do LeMonde: no Brasil, o reino da impunidade

O jornal Le Monde publicou no dia 28/02 uma matéria assinada pela jornalista Claire Gatinois sobre a situação política no Brasil e a condição deplorável do governo “de facto” que merece entronizada pela sua capacidade de síntese da nossa realidade política, começando pelo título “Au Brésil, le règne de l’impunité“, o que em português equivale a algo como “No Brasil, o reino da impunidade” (Aqui!).

lemonde

A matéria aborda a crise que engolfa o (des) governo Temer por causa da sua implicação no em casos de corrupção e também pela táticas consideradas ambíguas para responder ao processo de desgaste popular que isto implica, e sobra ainda uma menção para a indicação do tucano Alexandre de Moraes para ocupar a vaga  aberta pela morte de Teori Zavasck no Supremo Tribunal Federal.

Esta matéria e outras que estão circulando na imptensa internacional representam um duro golpe na capacidade de sobrevivência do (des) governo Temer menos pelo aspecto político interno, onde as panelas dos coxinhas continuam guardadas, mas mais pelo desgaste que isto causa na confiabilidade que o Btasil possui para atrair os tão necessários investimentos internacionais que poderiam alavancar um processo de retomada econômica. É que a não ser por aqueles setores que se aproveitam da exploração de commodities agrícolas e minerais e internalizam os riscos políticos na forma de taxas grandiosas que acarretam degração ambiental e regressão de direitos sociais, poucos se interessam em estar num país com um governo tão impopular e desacreditado como é o liderado pelo presidente “de facto” Michel Temer.

 

Le Monde traz nova matéria sobre as diversas facetas em torno TsuLama da Samarco

le monde

O jornal francês Le Monde publicou na sua edição deste domingo (21/02) uma nova matéria sobre o TsuLama da Mineradora (Vale+ BHP Billiton) onde são abordados diversos aspectos da situação criada pelo despejo de lama no Rio Doce.

Para mim continua sendo muito interessante verificar que, ao contrário da mídia nacional, o TsuLama continua sendo objeto de reportagens em vários órgãos da mídia internacional e que continuam oferecendo uma cobertura mais adequada ao tamanho do desastre que continua ocorrendo em Bento Rodrigues.

Uma das possíveis razões para que o assunto não tenha morrido fora do Brasil é a criação de grupos independentes de pesquisadores e de ativistas sociais que continuam fornecendo as informações que estão sendo ignoradas internamente.

Deslizamento de terra tóxica:  Estado brasileiro exige uma compensação recorde

Por Claire Gatinois

bento 1

A pequena localidade de Bento Rodrigues , no estado de Minas Gerais no Brasil engolida pelo deslizamento de terra . FELIPE DANA / AP

Pouco mais de cem dias após um dos piores desastres ambientais que o Brasil já conheceu, a mineradora Samarco, suspeita de negligência culposa no colapso de duas barragens no estado de Minas Gerais, em 5 de Novembro de 2015, deve concluir um acordo antes do final de fevereiro com o governo brasileiro. O desastre causou uma carga avalanche de lama de rejeitos derramada em mais de 600 quilômetros, engolindo a pequena localidade de Bento Rodrigues, devastando a vida selvagem e flora, e mudando a coloração do Rio Doce.  Além disso, dezenove pessoas morreram

A empresa de propriedade de 50-50% do grupo brasileiro Vale e da australiana BHP Billiton, pode ter que pagar até 20 bilhões de reais (4,45 bilhões de euros) para realizar, em dez anos, a reparação e a compensação do desastre. No futuro imediato, a empresa vai pagar 2 bilhões de reais. Um desastre único, quantidade sem precedentes. O estado brasileiro nunca exigiu  uma quantia dessas. Em 2000, após o vazamento de óleo na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro,  a Petrobras, causadora do desastre, foi obrigado a pagar apenas algumas dezenas de milhões de reais.

 Processos

O acordo, para levar deve primeiro superar a última resistência do negócio, além de um processo penal contra a Samarco. Um pouco menos de uma dúzia de membros da administração da empresa, incluindo Ricardo Vescovi, diretor da empresa na época, são acusados ​​de crime ambiental. A administração do grupo também pode ser acusada de homicídio.

A Samarco é  vista como tendo sido imprudente, especialmente ao não acionar as sirenas que teriam salvo vidas. Pior, a empresa  tinha conhecimento desde 2014  sobre as falhas das duas barragens, afirma Joaquim Pimenta de Ávila, que trabalhou como consultor para o grupo de mineração. Ouvido pela polícia , o engenheiro disse ter informado a Samarco do risco de fratura, informou o jornal Folha de São Paulo em 19 de janeiro.  O que a Samarco fez em seguida? Mistério. Quando questionada, a empresa nega rotundamente afirmando que o “consultor de Joaquim Pimenta de Ávila nunca nos alertou para o risco de falha da represa” e têm acordo precisa com o Estado de Minas Gerais a adotar medidas preventivas adicionais reforçar a robustez das infra-estruturas.

Até o momento, nenhuma evidência formalmente acusa o grupo. “Um julgamento é prematuro”, diz Carlos Henrique Medeiros, do Comitê Brasileiro de Barragens (CBDB) organização responsável pela melhoria do desempenho dos edifícios. “A barragem é uma estrutura de complexo e vulnerável. Risco zero não existe “ , lembra ele. ” É um acidente complexo “ , insiste a Samarco.

As causas da ruptura de duas barragens localizadas perto da cidade turística de Mariana, permanecem desconhecidas. Uma investigação está em andamento, com resultados esperados no prazo de seis meses ou um ano, mas diferentes hipóteses estão circulando. Entre elas a ocorrência de um pequeno tremor sísmico ou uma possível sobrecarga. Dúvidas também persistem sobre o grau de toxicidade do lodo derramado no rio Doce.

Inação do governo

bento 2

Uma vista aérea do Rio Doce , que estava coberto de lama, no ponto em que encontra o mar , no estado do Espirito Santo no dia 23 de novembro de 2015. RICARDO MORAES / REUTERS

Só a justiça irá determinar a culpa ou não da Samarco. Mas a empresa já está marcada pela sua falta de vontade ou por uma espécie de indiferença para com esta tragédia ecológica. Em 27 de janeiro, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) rejeitou a proposta mordaz da Samarco para a reabilitação das áreas danificadas. O conteúdo do documento tinha sido considerado mais do que “superficial” e a empresa teve que fornecer uma nova versão em 17 de fevereiro.

Além da raiva focada na Samarco, organizações não-governamentais estão incomodadas com a inércia dos governos. “Segurança de barragens é assumida pelas empresas de mineração si mesmos, sem controle externo! “ salienta Nilo d’Ávila, coordenador do Greenpeace Brasil. ” A lei sobre as minas e barragens deve ser melhorada, mas não há nada a prever que ele vai mudar “ , disse ele, lembrando que as empresas de mineração financiam de forma abundante as campanhas eleitorais dos partidos políticos.

Nos últimos dias, a Samarco lançou uma campanha publicitária nacional para elogiar as medidas tomadas para reparar o dano. “No estado de Minas Gerais como eles estão anunciando a dizer que a água é potável”, diz Dante Pavan, membro do Giaia, um grupo independente de pesquisadores que se organizou para medir os danos ambientais da catástrofe. Ainda assim, este deslizamento de terra espetacular, que arruinou muitos agricultores e pescadores do Rio Doce, marcou os espíritos. A imagem da Samarco não escapa incólume. E a imagem da acionista, a Vale, cujo nome original era “Vale do Rio Doce”, também poderia estar contaminada.

FONTE: http://www.lemonde.fr/planete/article/2016/02/21/coulee-de-boue-toxique-l-etat-bresilien-exige-une-indemnisation-record_4869102_3244.html

Desigualdade no Brasil lembra Europa do século 19, diz Le Monde

Por RFI

 

media

A reportagem do Le Monde traz uma imagem da comunidade de Paraisópolis, com os prédios do bairro do Morumbi ao fundo. lemonde.fr

O jornal Le Monde que chegou às bancas na tarde desta terça-feira (2) traz reportagem de página inteira sobre a crise brasileira. O texto explica que apesar dos esforços feitos nos últimos anos para combater a pobreza, diante da recessão, a luta contra a pobreza deixou de ser a prioridade do governo e a desigualdade social continua flagrante.

A reportagem é ilustrada com a história de uma moradora de Paraisópolis, em São Paulo, que vive em situação de extrema pobreza. “O cheiro de urina se mistura ao odor de fritura das cozinhas nas vizinhança, em meio ao barulho ininterrupto que gera a promiscuidade”, descreve a correspondente do Le Monde no Brasil, lembrando que esse cenário pode ser visto a poucos metros dos apartamentos “valendo milhões de reais, com piscina, varanda e sauna”, do bairro do Morumbi.

A jornalista explica que a comunidade de Paraisópolis é um exemplo “do contraste chocante e das desigualdades vertiginosas” existentes no país, confirmando as estatísticas que apontam que, no Brasil, a repartição das riquezas é equivalente à da França e do Reino Unido no século 19. “Como na época dos clássicos ‘Os Miseráveis’, de Victor Hugo, ou dos romances de Charles Dickens”, enfatiza a correspondente, em alusão a uma comparação feita recentemente pela revista Carta Capital. O texto continua sua análise lembrando que, segundo a ONG Oxfam, 62 bilionários possuiriam metade das riquezas do planeta, e que dois desses super-ricos são brasileiros: o empresário e ex-campeão de tênis Jorge Paulo Lemann e o banqueiro Joseph Safra.

Distribuição de riquezas não mudou com abolição da escravidão

A correspondente do Le Monde ouviu a opinião do pesquisador Marc Morgan Mila, que explica que uma das razões dessa desigualdade é um sistema de impostos, que dá ao Brasil ares de paraíso fiscal. “A renda dos lucros das empresas, paga a pessoas físicas, não é tributável; os impostos sobre o patrimônio são quase inexistentes; os sobre as heranças são muito fracos e o imposto de renda, pouco progressivo, com um limite de pagamento de 27,5%, contra 40% na França”, diz o especialista, que prepara uma tese sobre as desigualdades no Brasil. Além disso, ressalta o texto, a maior parte das receitas fiscais é fruto de impostos indiretos, vindos do consumo, o que faz com que ricos e pobres sejam tributados “de forma idêntica e desigual”.

Já André Calixtre, diretor de estudos do IPEA, lembra que desde a abolição da escravatura, em 1888, o Brasil não teve uma verdadeira reforma agrária. “Congelamos as desigualdades de riquezas, de gênero e de raça”, explica o pesquisador. “Os latifundiários, brancos, transformaram suas fortunas agrárias em patrimônio industrial, financeiro e imobiliário, enquanto os descendentes de escravos foram mantidos na pobreza”, completa Calixtre.

Luta contra a desigualdade perdeu força com a crise

O Brasil, que era a estrela dos países emergentes, vinha perseguindo, desde o início dos anos 2000, um modelo de desenvolvimento que beneficiava principalmente os mais modestos, analisa a reportagem. No entanto, “a recessão, a inflação de dois dígitos e o aumento de desemprego relançam o temor de um retrocesso”, diz Le Monde.

Diante da situação, a presidente Dilma Rousseff deixou de lado, desde de 2014, sua política social baseada no modelo implementado por Lula, bifurcando para uma estratégia de rigor. “Até os gastos sagrados do carnaval foram revistos para baixo”, assinala o jornal. “Essas medidas de austeridade podem se mostrar positivas se Brasília conseguir reformar um Estado pouco eficaz e que gasta demais, mas também pode ter um resultado negativo se os cortes no orçamento forem realizados de forma precipitada, afetando os programas sociais, a ponto de comprometer a ambição brasileira de fundar uma sociedade mais igualitária”, conclui a correspondente do Le Monde no Brasil.

FONTE: http://br.rfi.fr/brasil/20160202-desigualdade-no-brasil-lembra-europa-do-seculo-19-diz-le-monde

E agora, Narloch? Reportagem do Le Monde diz que o tempero preferido dos brasileiros são os agrotóxicos

“O tempero preferido dos brasileiros são os pesticidas”, diz Le Monde

Reportagem do jornal Le Monde edição de 30/10/2015.

Reportagem do jornal Le Monde edição de 30/10/2015. Reprodução
Por RFI

O posto de maior consumidor mundial de produtos químicos na agricultura conquistado pelo Brasil é destaque na edição do jornal francês Le Monde que chegou às bancas na tarde desta quinta-feira (29). A reportagem do jornal visitou uma das poucas fazendas de produtos orgânicos do país, em São Paulo, para denunciar que apenas 1% das propriedades rurais se dedicam a este tipo de plantação “mais limpa”.

 A Fazenda Santa Adelaide, a cerca de 100 km da capital paulista, segundo o Le Monde, é uma gota orgânica em um oceano de plantações regadas a pesticidas e transgênicos. O jornal destaca estatísticas recentes que apontam que 31% das frutas e legumes comercializadas no Estado de São Paulo estão contaminados por pesticidas, chegando a 90% do caso dos pimentões. Já nas lavouras industriais de soja – um dos motores do crescimento do PIB na última década – 94,2% das sementes são do tipo transgênico.

“Mas o Brasil, que optou pela agricultura intensiva e autorizou os transgênicos em 2003, parece estar se dando conta aos poucos dos malefícios dessa escolha”, diz a repórter Claire Gatinois. “Na época, a cultura dos transgênicos e dos pesticidas era vista como o futuro”, explica ao jornal Cassio Trovato, funcionário do Ministério do Desenvolvimento Agrário, em Brasília.

Apesar dos números alarmantes de produtos químicos, “as autoridades não fazem nada ou fazem muito pouco”, segundo o jornal, que destaca o fato de que nenhuma multa foi aplicada desde 2002. O Monde também cita entrevista do engenheiro agrônomo Marco Antonio Moraes à Folha de S. Paulo em que ele diz que “a repressão não dá resultados e é aleatória, é quase uma ficção”. Segundo o jornal francês, dizer que “o tempero preferido dos brasileiros são os pesticidas” vidou uma piada comum no país.

Rainha do Agrobusiness

Outra fonte ouvida pelo jornal francês é Josiana Aripol, da ONG Ética da Terra, que avalia que “os brasileiros estão se envenenando” e para quem a progressão dos casos de câncer está ligada ao uso desmoderado de pesticidas. A aposta na agricultura industrial ao longo dos últimos 15 anos elevou o Brasil ao posto de maior importador e maior consumidor de pesticidas do mundo.

Segundo o Le Monde, a postura do governo brasileiro diante desse problema de saúde pública é “esquizofrênica”. “Em Brasília cohabitam uma ministra da Agricultura, Katia Abreu, chamada de ‘Rainha do Agrobusiness’, e um ministro do desenvolvimento agrário ligado aos pequenos produtores”.

Mas nem tudo são trevas: o jornal francês destaca a política que obriga escolas públicas e universidades a utilizar 30% de alimentos da agricultura familiar em suas cantinas. “O Brasil é a fazenda do mundo, com clima e terra extremamente propícios para a cultura. Nós devemos nos tornar o maior produtor de alimentos saudáveis do planeta”, afirma ao jornal o especialista em pesticidas Cleber Folgado.