Brasil é descrito como “faroeste do século 21” pelo jornal Le Monde

Por RFI

mediaEcologistas são vítimas de assassinatos em série no Brasil, denuncia Le MondeReprodução

 

O jornal francês Le Monde traz em sua edição deste domingo (26) uma reportagem sobre o assassinato de ecologistas no Brasil. O jornal relata que 61 militantes foram mortos apenas em 2016.

A reportagem da correspondente do vespertino no Brasil começa contando a história de Waldomiro Costa Pereira, assassinado no hospital de Paraupebas, no Pará. O texto explica que o militante ecologista – que já tinha sido vítima de um ataque – era membro de um “um desses batalhões de brasileiros em guerra contra a voracidade dos grandes latifundiários, dos gigantes agrícolas e dos grupos de mineração”.

O texto traz dados da Ong Global Witness, que afirma que 207 militantes ecologistas e defensores dos direitos humanos foram assassinados no Brasil entre 2010 e 2015: “um recorde mundial”, analisa o jornal francês, lembrando que em Honduras, que também vive esse tipo de problema, cerca de 100 assassinatos foram registrados no mesmo período. Porém, como ressalta o vespertino, o país da América Central tem uma população 25 vezes menor que a brasileira. Segundo Danicley Aguiar, militante do Greepeace citado pelo jornal francês, casos como a morte de Waldomiro representam “um crime bárbaro e inaceitável, mas que se tornou banal”.

“E o fenômeno se amplifica”, continua a reportagem, que fala do Brasil como um “Faroeste do século 21”. “Trinta anos após a morte do militante sindical Chico Mendes, a violência parece continuar enraizada no interior do país”, analisa.

A correspondente do Le Monde também explica que a região amazônica não é a única a sofrer com esse tipo de violência. A reportagem lista casos recentes no Rio Grande do Sul ou ainda no Rio de Janeiro.

Para a jornalista, esses assassinatos revelam a cobiça pelos recursos naturais abundantes do Brasil. “Desde os anos 1990, o país, que enfrenta a desindustrialização, preferiu se concentrar em uma política de desenvolvimento baseada na exportação de matérias-primas, o que estimula as disputas pela terra e a resistência dos agricultores”, tenta explica Danicley Aguiar.

O texto também comenta o papel da Justiça, que além de ser lenta, não se aprofunda nas investigações e registras baixas taxas de condenação dos crimes cometidos. Baseada nos testemunhos de especialistas, a reportagem do Le Monde alerta para os riscos de piora desse “panorama que já é apocalíptico”, principalmente por causa da crise econômica que sacode o país desde 2015 e “incita o Estado a defender as multinacionais”. 

FONTE: http://br.rfi.fr/brasil/20170326-brasil-e-descrito-como-faroeste-do-seculo-21-pelo-jornal-le-monde

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s