Glauber Braga reage a pedido de Luiz Eduardo Soares para que manifestantes pró-democracia evitem sair às ruas

O deputado Glauber Braga (PSOL/RJ) reagiu ao “alerta” do cientista político Luiz Eduardo Soares sobre a possibilidade dos protestos pró-democracia abrirem o caminho para um golpe de estado no Brasil

No dia de ontem, o  cientista político Luiz Eduardo Soares fez soar uma espécie de alerta para que os manifestantes pró-democracia não saiam às ruas no próximo domingo sob pena de facilitar a realização de um auto golpe por parte do presidente Jair Bolsonaro que poderia usar os protestos para infiltrar provocadores visando a implantação de um estado de sítio no Brasil.

Eu particularmente me achei incomodado com o tom do alerta emitido, pois o chamado de Luiz Eduardo Soares soou para mim como um misto de alarmismo e covardia política, pois em sua “carta aos democratas”, o cientista político não ofereceu nenhuma saída objetiva para a realização de protestos de rua. Aliás, ofereceu sim, indicou que o caminho é aderir ao manifesto pela democracia que ele e milhares de outras personalidades públicas fizeram publicar no último domingo em jornais de grande circulação. 

Já o deputado federal Glauber Braga (PSOL/RJ) foi além do incômodo e lançou uma réplica a Luiz Eduardo Soares em página oficial na rede social Facebook que eu considero bastante objetiva em termos dos desafios que se colocam para a defesa da democracia no Brasil. O texto de Glauber Braga segue abaixo em sua íntegra.

Ao Luiz Eduardo Soares:

Com todo respeito, eu gostaria muito de saber o que você propõe Luiz Eduardo? Porque a sua tese nos leva a esperar as próximas eleições, se é que elas acontecerão. Ou temos dúvidas de que Bolsonaro vai sempre ameaçar com fechamento de regime? Quem estava ou vai pra rua não o faz por duvidar do que Bolsonaro possa fazer. Faz exatamente por considerar a necessidade presente, a urgência e o que possa estar por vir. Pergunto. Se houver recuo do lado de cá, Bolsonaro vai recuar do lado de lá? Não.  Se houver recuo do lado de cá, por conta das ameaças, Bolsonaro segue avançando do lado de lá? Tudo indica que sim. Então não restam tantas opções assim. Entendendo todas as dificuldades, vou seguir com as torcidas antifascistas. A não ser que me apresente uma proposta melhor. Por enquanto só vi uma carta incentivando ao não movimento, sem nenhuma proposta de ação concreta.

Com o argumento dos efeitos da pandemia eu não reajo da mesma forma. Ao contrário. Acho que  traz uma reflexão importante que devemos mesmo considerar e pensar muito. Não é uma decisão fácil.

Reajo ao seu texto Luiz Eduardo por trazer argumento que não deixa outra opção além do recuo frente às ameaças. E faz mais: coloca a responsabilidade em quem não adota a sua tese pelas prováveis consequências que desenha. Eu poderia apontar o dedo pra você e dizer: a responsabilidade é sua que não está fazendo o que deveria e etc, etc… mas aí sim eu estaria sendo um irresponsável e não entendendo a complexidade do cenário e a sua autonomia pra tomar o rumo que considere mais eficaz no combate ao fascismo. Não quero convencer você Luiz Eduardo a estar na rua, mas que não venha querer responsabilizar pelo fechamento de regime quem foi ou estará. O responsável pelo fechamento de regime, se ele vier a acontecer, é Jair Bolsonaro. Quem está se colocando em risco na rua o faz também porque está preocupado com essa possibilidade iminente.

Deputado federal Glauber Braga (PSOl/RJ)