Marcelo Crivella decreta luto por mortes no Rio de Janeiro, mas cortou o orçamento para combate a enchentes e deslizamentos

Este slideshow necessita de JavaScript.

A cidade do Rio de Janeiro amanheceu hoje se ressentindo de mais um evento meterológico extremo, contando seus mortos e verificando os pesados danos ocorridos em diferentes partes do seu extenso território.  O prefeito Marcelo Crivella (PRB) rapidamente decretou um luto oficial de 3 dias por conta da morte de pelo menos cinco pessoas por conta das fortes chuvas que atingiram a cidade durante a noite de quarta-feira (6).

CRIVELLA-696x348

Prefeito Marcelo Crivella (PRB) decretou luta pelas mortos das chuvas de ontem no Rio de Janeiro, mas cortou o orçamento para combate a enchentes e deslizamentos.

O prefeito do Rio ainda anunciou a existência de “estágio de crise na cidade” e orientou que os habitantes de áreas de risco saiam de suas casas. O que Marcelo Crivella ainda é que  sob o seu governo, desde 2018 houve um corte inexplicável nas verbas destinadas ao combate a enchentes e deslizamentos. O impressionante é que em 2 anos de governo, Marcelo Crivella deixou de gastar R$ 564 milhões do orçamento alocado para este tipo de atividade, um valor que representa apenas 22% do total alocado que foi de R$ 731 milhões.

Para complicar ainda mais a situação do dublê de bispo da Igreja Universal do Reio de Deus (Iurd) e prefeito do Rio de Janeiro no dia 25 de Janeiro ele participou de uma pseudo inspeção na famigerada “Ciclovia Tim Maia” e assegurou que a mesma estava sergura e que “não caía mais“. O problema é que, como mostra o vídeo abaixo, a ciclovia construída por Eduardo Paes (DEM) e que Marcelo Crivella pretendia reativar foi uma das primeiras estruturas a terem mais um trecho destruído pelas chuvas de ontem. Mas, felizmente, a ciclovia estava fechada e desta vez nenhum inocente morreu.

 

Como estamos em um período de fortes mudanças climáticas na Terra e as previsões da comunidade científica é de que cada vez mais teremos a ocorrência de eventos meterológicos extremos, torna-se inconcebível que os governantes mantenham atitudes que apenas postergam a transformação estrutural que as nossas cidades vão requerer para estarem minimamente preparadas para o que virá pela frente nas próximas décadas.

Um bom começo seria redirecionar verbas de propaganda para a reestruturação dos nossos aparelhos urbanos. Do contrário, o que teremos são cenas como a mostra abaixo com pessoas, e não apenas carros e outros bens materaisi, sendo literalmente levadas pelas força das águas das chuvas.