Rio de Janeiro em crise? Seletiva, é claro!

Confrontados com evidências objetivas de que escolas e hospitais públicos estão funcionando em condições abaixo do mínimo aceitável, representantes do (des) governo Pezão/Dornelles usam a surrada explicação de que as finanças do Rio de Janeiro estão em condição crítica por causa da queda no recolhimento das receitas dos roaylties do petróleo.

Se isso é verdade, como se explica então que prossigam todos os tipos de generosidades fiscais com o dinheiro do contribuinte fluminense? É que, como mostra o blog Transparência  RJ, apenas no mês de julho, um total de R$ 7.221.040,30 foram enttegues a diferentes empresas na forma de isenções fiscais (Aqui!) (ver tabela abaixo com o nome das empresas e o montante de recursos concedidos).

generosidades

Um “incentivo” dessa lista que me chamou particularmente a atenção foi dado à empresa Direcional Distribuidora de Derivados de Petróleo, com sede no município de Duque de Caxias, que recebeu R$ 500.000,00 para apoiar o projeto intitulado “Americano Futebol Clube Campeonato Carioca 2016”. Até onde eu saiba, o Americano Futebol Clube em questão está localizado em Campos dos Goytacazes que dista quase 300 km da sede Direcional, o que torna esse apoio curioso.  Mas há que se notar que nesta lista de “generosidades fiscais”, este não foi o único a beneficiar projetos futebolísticos! Suponho que seja a alta capacidade do secretário estadual de esportes, Marco Antonio Cabral, que esteja gerando tanta vontade apoiar o famoso esporte bretão.

De toda forma, diante de mais essa rodada milionária de “generosidades fiscais” fica provado que se há de fato uma crise abalando o tesouro estadual, a mesma possui um caráter muito, mas muito mesmo, seletivo.

 

Crise no Rio de Janeiro: em mais uma prova da seletividade, (des) governo Pezão entrega milhões para um torneio de tênis

Em plena crise, sem conseguir pagar os servidores, com a saúde em estado lastimável e sem investimentos em educação, o (des) governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando pezão, abriu mão de mais de R$9 MILHÕES para um torneio internacional de tênis. As isenções saíram da secretaria do filho do ex-governador Sérgio Cabral.

E os beneficiários dessas isenções: CLARO, ORTOBOM E AMBEV.  A imagem produzida pelo mandato do deputado estadual Eliomar Coelho (PSOL) mostra de forma didática a distribuição de mais essa “generosidade” do (des) governo Pezão com o dinheiro público.

crise seletiva.png

Agora, prezados leitores deste blog, a propalada crise que impede o pagamento de salários de servidores e o correto financiamento de hospitais, escolas e universidades é seletiva ou não?

Juca Kfouri e o descobrimento do Brasil

Descobrindo o Brasil

Por  Juca Kfouri

IMG_2906.JPG

Este jovem, de 23 anos, estudante de Direito na PUC carioca, é o novo secretário de Esportes do Rio de Janeiro, o estado que receberá os Jogos Olímpicos de 2016.

De cara boa, o menino se elegeu deputado federal nas últimas eleições.

Marco Antonio Cabral, este o nome do garoto, é filho do ex-governador fluminense de triste memória, Sérgio Cabral.

Um dos primeiros atos do mancebo foi ir beijar a mão dos cartolas da CBF.

Imagine o que fará quando se encontrar com os do COB.

Pastores da IURD/PRB em Brasília, em São Paulo, Minas Gerais e no Ceará, no ministério e nas secretarias de Esportes.

No Rio, um inexperiente menino estudante do PMDB.

Mais um Cabral para descobrir o que já está mais que descoberto: esporte, no Brasil, é troco.

FONTE: http://blogdojuca.uol.com.br/2015/01/descobrindo-o-brasik/

Mário Magalhães nota o “dois pesos, duas medidas” na indicação do filho de Cabral para ser secretário de Pezão

Imagine se um filho ou neto de Lula fosse nomeado ministro aos 23 anos…

Por  Mário Magalhães
mac

O ex-presidente Lula foi o antecessor e padrinho de Dilma Rousseff na ascensão ao Planalto.

O ex-governador Sérgio Cabral foi, igualmente, o antecessor e padrinho de Luiz Fernando Pezão na ascensão ao Palácio Guanabara.

Imagine o escândalo nacional, esgoelado em prosa, verso e palavrões, que seria a nomeação, por Dilma, de um filho ou neto de Lula para ministro de Estado. Com tal ministro na flor dos 23 anos de idade.

Escândalo merecido, barulho muito seria pouco, digna indignação.

Não, nenhum Silva Junior ou Silva Neto foi consagrado ministro pela presidente, amém.

Mas o governador Pezão escalou para o seu secretariado Marco Antônio Neves Cabral, filho do antigo governador Sérgio Cabral. No último aniversário, Marco Antônio completou… 23 anos. No Facebook, o secretário informa ser “formando em Direito”.

Ele não pegou qualquer rebotalho de governo, mas a Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude. Isto é, a pasta que cuidará das ações estaduais para a Olimpíada de 2016 no Rio.

Entretanto, não se viu, leu e escutou brados esconjurando escândalo algum, além dos justos, porém reduzidos protestos de sempre.

Haverá quem relativize o apadrinhamento como critério de escolha de gestor público, pois Marco Antônio se elegeu deputado federal _119.584 votos ao custo de pelo menos R$ 6,7 milhões bancados por empresas como JBS e Andrade Gutierrez (leia aqui sobre o financiamento da campanha).

Mas também haverá quem possa indicar uma centena de gestores mais qualificados que Marco Antônio, que talvez até seja um cara bacana, contudo só se tornou secretário devido aos vícios da política.

Como não é filho do Lula e imperam pesos e medidas diferentes, a grita foi pequena aqui no Rio.

Só para lembrar: o Império, quando o poder passava legalmente de pai para filho, despediu-se em 1889.

FONTE: http://blogdomariomagalhaes.blogosfera.uol.com.br/2015/01/02/imagine-se-um-filho-ou-neto-de-lula-fosse-nomeado-ministro-aos-23-anos/