México encontra agrotóxicos em sangue de crianças após décadas de desastre ambiental

pesticidas-Salamanca-996x567Desde o fechamento da unidade industrial, o governo federal investiu mais de 21 milhões de pesos mexicanos (pouco mais de US$ 1 milhão hoje) no Plano Salamanca para remediar os danos. No entanto, seus objetivos permaneceram inacabados. Crédito da imagem: Ministério do Meio Ambiente e Recursos Naturais do México.

Embora na maioria das amostras (solo e sangue) analisadas no estudo , os níveis de agrotóxicos foram observados abaixo do limite de detecção e a dose estimada de exposição diária (calculada de acordo com a concentração de diclorodifeniltricloroetano no solo) não ultrapassou o nocivo, alertam pesquisadores que décadas depois os contaminantes persistem no meio ambiente e nas pessoas, mesmo aquelas que não foram diretamente expostas.

A fonte, segundo o estudo publicado na revista Environmental Geochemistry and Health, seria a unidade industrial da empresa Tekchem SAB de CV que fechou em 2007 por pressão de ativistas ambientais que exigiam a reparação dos danos causados ​​por um vazamento químico que ocorreu em 11 de setembro de 2000.

Os efeitos dessas toxinas no neurodesenvolvimento infantil é um problema que afeta vários países da América Latina e Caribe. Diana Olivia Rocha, pesquisadora da Universidade de Guanajuato e uma das autoras do estudo, disse ao SciDev.Net que em outras regiões do México onde foi registrada a presença de agrotóxicos organoclorados, “o DDT foi usado mais para o controle de vetores como a malária”, mas na realidade na zona de Salamanca esta doença “não está presente”.

Por esse motivo, os autores estimam que a fonte mais provável dos contaminantes são os restos que permaneceram após o fechamento da planta industrial da Tekchem. O toxicologista José Dórea, que não participou da investigação, explicou ao SciDev.Net que a exposição de menores a esse tipo de substância pode afetar seu neurodesenvolvimento e causar atrasos no aprendizado. “Meninos e meninas são a população mais afetada”, destaca.

“O DDT foi usado mais para o controle de vetores como a malária, [mas na realidade na área de Salamanca esta doença] não está presente”

Diana Olivia Rocha, pesquisadora da Universidade de Guanajuato

Agrotóxicos como o DDT são de especial relevância por terem a característica de aderir ao tecido adiposo dos seres vivos. Além disso, esses tipos de substâncias são considerados Poluentes Orgânicos Persistentes, ou seja, possuem uma vida útil muito longa.

Devido a isso, mesmo em países como México e Brasil onde seu uso já foi proibido, esse contaminante pode continuar sua distribuição pela cadeia alimentar.

Além disso, se uma mulher que foi exposta a esses tipos de contaminantes engravidar, seu bebê também poderá receber esses agrotóxicos através do leite materno.

De acordo com uma compilação publicada por Dórea, essa vulnerabilidade para bebês foi documentada no México, Brasil, Nicarágua, Equador e Guatemala. “Por isso falamos de um legado de agrotóxicos organoclorados”, destaca o especialista.

Sobre o desastre ambiental ocorrido em Salamanca, a professora e ativista ambiental Maura Alicia Vázquez Figueroa disse ao SciDev.Net que “a vida mudou para muitas pessoas como resultado dessa contingência ambiental”. Ela estava em Salamanca quando ocorreu o vazamento e lembra que a primeira coisa que notou foi um aroma penetrante.

“O cheiro é semelhante ao alho, mas podre e bastante concentrado.” A professora foi uma das primeiras a documentar o ocorrido a pedido da Frente Zapatista de Libertação Nacional, da qual ela era integrante. Junto com o marido, ela foi aos bairros adjacentes à unidade industrial para coletar seus depoimentos em vídeo.

À frente da associação civil “Humanos por Amor à Mãe Terra”, Vázquez e seus colegas começaram a organizar os Toxitours e o Toxifest, onde fizeram um tour pela área afetada como forma de protesto.

Suas ações chamaram a atenção da imprensa e ela acredita que foi uma das principais razões pelas quais a Tekchem foi fechada. A professora destaca a reportagem publicada pela jornalista Marcela Turati no jornal Excelsior, onde caracteriza Salamanca como a “cidade do veneno”.

Após o fechamento da unidade industrial, o governo do ex-presidente Enrique Peña Nieto investiu mais de 21 milhões de pesos mexicanos (pouco mais de US$ 1 milhão hoje) no Plano Salamanca para remediar os danos. No entanto, seus objetivos permaneceram inacabados.

Em 22 de novembro de 2021, por decreto presidencial do presidente Andrés Manuel López Obrador, a remediação continuou. De acordo com os pedidos de informação consultados, como resultado do decreto, mais de 31 milhões de pesos mexicanos (cerca de US$ 1,5 milhão) foram alocados para esse fim.

Este artigo originalmente escrito em espanhol foi produzido pela edição da América Latina do  SciDev.Net e publicado [Aqui!].