Floresta envenenada: latifundiários jogam agrotóxicos para acelerar desmatamento ilegal na Amazônia

Soja e pecuária foram responsáveis pelo despejo de agrotóxicos com uso de avião sobre floresta amazônica e outros biomas em área do tamanho de 30 mil campos de futebol

floresta envenenada

Por Hélen Freitas – Repórter Brasil/Agência Pública 

Para acelerar o desmatamento de grandes áreas e abrir espaço para a soja e o gado, fazendeiros estão jogando grandes quantidades de agrotóxicos de avião sobre a floresta Amazônica e outros biomas. Levantamento inédito feito pela Repórter Brasil e Agência Pública revela que, nos últimos 10 anos, cerca de 30 mil hectares de vegetação nativa foram literalmente envenenados. A área corresponde a 30 mil campos de futebol. 

Esses foram os casos que caíram na fiscalização do Ibama, que aplicou mais de R$ 72 milhões em multas de 2010 a 2020 especificamente em casos de desmatamento com pulverização aérea de agrotóxicos. Com o desmonte da fiscalização ambiental promovida pelo governo Bolsonaro, o problema tende a ser maior do que os dados apontam.

Como todos esses casos ocorreram sem autorização dos órgãos ambientais, não é possível saber se os responsáveis tiveram o cuidado de tirar os animais e as pessoas que circulavam por essas áreas enquanto o avião jogava os químicos. 

O processo lembra aquele usado pelo exército norte-americano durante a guerra no Vietnã, quando aviões americanos despejaram o agente laranja, um agrotóxico que tinha a função de “ neutralizar” a floresta, usada como refúgio do exército local. Além de matar a vegetação vietnamita, que até hoje contém resíduos desses tóxicos, o agente laranja continua fazendo vítimas. Após quase 50 anos do fim da guerra, muitas crianças no país nascem com deficiências como síndrome de Down, paralisia cerebral e desfiguração facial extrema.

Um dos agrotóxicos que faziam parte da composição do agente laranja, o 2,4-D, foi encontrado pelos fiscais na fazenda que usou veneno para destruir a maior área de floresta. O caso ocorreu em Paranatinga, no Mato Grosso, estado que lidera o ranking de envenenamento da floresta.

wp-1637092822277

Caso milionário

Em janeiro de 2018 os fiscais do Ibama começaram a notar, via satélite, as primeiras clareiras na mata de Paranatinga. A fiscalização ocorreu oito meses depois, quando o estrago já estava feito. Na ocasião, encontraram três estradas recém abertas cortando a fazenda de 37 mil hectares, um grande estoque de sementes de pastagem, um avião que realizava a pulverização aérea e os agrotóxicos glifosato e 2,4-D – que estão entre os mais vendidos no Brasil.

Laudos realizados pelo Instituto também verificaram a presença do herbicida Alacloro, classificado moderadamente tóxico pela Anvisa e do inseticida Carbossulfano, classificado como altamente tóxico. Devido aos riscos, os dois são proibidos para uso em pulverização aérea.

(Foto: pixabay)

Pelo caso, o pecuarista Edio Nogueira, dono da Agropecuário Rio da Areia, foi multado em R$ 52 milhões por jogar agrotóxicos e assim destruir 23 mil hectares – 22 mil campos de futebol – de floresta. A sua fazenda, conhecida como Cristo Rei, fica em território tradicional indígena reivindicado na Justiça pela etnia Ikpeng. O grupo foi deslocado pelos irmãos Villas Boas na época da criação do Parque Nacional do Xingu, que fica a 18km do local. 

Edio Nogueira já é conhecido pelos fiscais do Ibama. Dono de sete fazendas espalhadas pelo Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, possui outras multas por desmatamento tanto por fogo quanto por uso de agrotóxicos – inclusive na própria fazenda Cristo Rei – somando mais de R$ 7 milhões em multas. 

Ouvida pela reportagem, Mariella Maccari, advogada que representa Nogueira na ação, confirmou que seu cliente provocou o desmatamento da área. “Por mais que ele tenha desmatado, ele tem a reserva legal dele conservada, inclusive a maioria [das suas propriedades] possui um superávit de reserva”.

No processo, porém, seus advogados negam o fato e tentam provar a inocência de Nogueira para retirar o embargo imposto à área. Um laudo apresentado por eles mostra que não foram encontrados resquícios de agrotóxicos e que a vegetação está preservada. Os advogados argumentam que o embargo está prejudicando o empreendimento, por isso deveria ser suspenso até a audiência de conciliação. Mas os negócios de Nogueira não estão parados. Com alguma frequência os gados da fazenda Cristo Rei são vendidos em leilões online.

Abertura de pastos e venda de madeira

Um ano após o ato criminoso em Paranatinga, uma área de cerca de 2 mil hectares da Floresta Amazônica também virou um campo aberto. O caso ocorreu em Juína (MT), a 745 km de Cuiabá.

Após fiscais do Ibama detectarem via satélite o desmatamento de uma grande área na cidade, fizeram uma vistoria no local e constataram a presença de resíduos de dois agrotóxicos: clorpirifós e tebuconazol, que podem ser utilizados em diversas culturas, inclusive, para a preservação de madeira. Ou seja, os venenos preservam a madeira para que seja vendida de modo ilegal. O clorpirifós foi banido nos EUA por estar associado a problemas de desenvolvimento neurológico, principalmente em crianças.

O Ibama embargou a área e aplicou uma multa de cerca de R$ 10 milhões a Edimilson Antonio Bravo, apontado pelo órgão como dono da área onde houve o desmatamento. Segundo fonte ouvida pela Repórter Brasil, Bravo é um grande empresário e fazendeiro da região, tendo como principais atividades a construção de pré-moldados e estruturas metálicas, a pecuária e a venda de madeira. A reportagem não encontrou informações oficiais sobre os seus negócios com a venda de madeira.

O advogado de Bravo é evasivo sobre as atividades de seu cliente. Por telefone, confirmou que ele é produtor agropecuário. “O tamanho, se ele é grande, médio, pequeno [produtor], se ele mexe com extração de madeira, esses detalhes eu não tenho”. Ele nega que seu cliente seja responsável pela área onde houve o envenenamento da floresta, afirmando que enviou as provas ao Ministério Público do Estado. Marcelo Linhares, promotor de justiça cível responsável pelo caso, porém, nega que as tenha recebido e diz que planeja entrar com uma ação civil pública contra o fazendeiro e enviar seu caso à promotoria criminal.

Segundo Linhares são poucas as autuações relacionadas a agrotóxicos em Juína, apesar de a pulverização aérea ser bastante comum na região.

Agrotóxico no arco do desmatamento

Essa é a primeira vez que se revela o número significativo de casos de agrotóxicos sendo usados para desmatar. Mas a relação entre o uso dessas substâncias e a destruição da floresta não é surpresa. O atlas Geografia da assimetria: o ciclo vicioso de pesticidas e colonialismo na relação comercial entre o Mercosul e a União Européia mostra o avanço das propriedades agrícolas que usam agrotóxicos na região da Amazônia Legal. As propriedades que mais usam pesticidas foram relacionadas com o avanço do desmatamento na região que é conhecida como “arco do desmatamento” na Amazônia.

A impunidade e a falta de fiscalização são motores desse avanço. Até hoje apenas 3 multas foram pagas das 14 aplicadas por desmatamento com uso de agrotóxicos. A expectativa é que a maioria nunca seja quitada. Via de regra no Ibama, quanto maior a multa, menor a chance de ser julgada e o pagamento acontecer. Um levantamento feito pela Universidade Federal do Paraná mostra que apenas 1 entre 28 multas do órgão com valor acima de R$ 1 milhão entre 2008 e 2017 foi paga.

“A expectativa é que o uso de agrotóxicos para desmatamento vai se intensificar no próximo período, porque está mais fácil, mais acessível e mais consolidado”, afirma Naiara Bittencourt, advogada do Terra de Direitos.

O estudo mostra ainda que há um vazio de fiscalização para agrotóxicos em regiões de grandes produtores, como Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais. As fiscalizações também não acontecem no mesmo ritmo do avanço das fronteiras agrícolas nas regiões Norte e Nordeste e dentro dos estados mais atuantes, Rio Grande do Sul e São Paulo, onde a fiscalização é altamente concentrada em municípios específicos. 

No Mato Grosso, primeiro do ranking denunciado pela reportagem e maior consumidor de agrotóxicos do Brasil, apenas 5 cidades têm bases do Instituto, além de 10 unidades de fiscalização da secretaria de meio ambiente estadual, muitas vezes comandada por suspeitos de infração ambiental.

Em 2005, a atual secretária do Meio Ambiente do Mato Grosso, Mauren Lazzaretti foi presa na Operação Curupira. Na época, ela trabalhava na antiga Fundação Estadual de Meio Ambiente. Sua prisão, revogada dias depois pela justiça, estava relacionada à investigação de crimes de corrupção envolvendo funcionários da pasta e foi considerada abusiva pela Ordem de Advogados do Brasil (OAB) no estado. Em 2016, Lazzaretti virou secretária adjunta de Licenciamento Ambiental no estado a convite do então secretário Carlos Fávaro, ex-presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Mato Grosso (Aprosoja). 

Para ela, as fiscalizações no estado são mais do que suficientes. “Eu não tenho que ter 500 pessoas, cada uma a um quilômetro para conseguir apurar uma infração. Além disso, todas as nossas autuações têm como insumo tecnológico as imagens [de satélite]”. 

Esta reportagem faz parte do projeto Por Trás do Alimento, uma parceria da Agência Pública e Repórter Brasil para investigar o uso de agrotóxicos. Clique para ler a cobertura completa no site do projeto.

compass

Este texto foi inicialmente publicado pela Repórter Brasil [Aqui! ].

Pastagens brasileiras ocupam área equivalente a todo o estado do Amazonas

Área de pastagens cresceu 200% na Amazônia nos últimos 36 anos. Neste período a quantidade de pastagens severamente degradadas caiu pela metade em todo o país

pastagens

O principal uso dado ao solo brasileiro é a pastagem: ela ocupa 154 milhões de hectares de norte a sul do país, com presença em todos os seis biomas. Essa área praticamente equivale a todo o Estado do Amazonas, que tem 156 milhões de hectares. Ou 6,2 estados de São Paulo. Ou mais de duas vezes e meia o tamanho da Bahia. Os dados fazem parte de um mapeamento inédito do MapBiomas que será apresentado nesta quarta-feira, 13 de outubro, a partir de 10h30, pelo YouTube.

A área destinada à pecuária é ainda maior se considerar que a ela se somam parte das áreas de campos naturais, principalmente no Pampa e Pantanal, que cobrem 46,6 milhões de hectares no país, e áreas de mosaico de agricultura e pastagem onde o mapeamento não permitiu a separação ou elas ocorrem de forma consorciada, e que cobrem 45 milhões de hectares.

A análise das imagens de satélite entre 1985 e 2020 permitiu também avaliar a qualidade das pastagens brasileiras e constatar uma queda nas áreas com sinais de degradação de 70% em 2000 para 53% em 2020. No caso das pastagens severamente degradadas houve uma redução ainda mais expressiva; representavam 29% das pastagens em 2000 (46,3 milhões de hectares) e agora representam 14% (22,1 milhões de hectares). Essa melhora foi identificada em todos os biomas, sendo que os que apresentaram maior retração nas áreas severamente degradadas foram Amazônia (60%), Cerrado (56,4%), Mata Atlântica (52%) e Pantanal (25,6%).

“A qualidade das pastagens tem importância estratégica para o produtor e para o país. Para o produtor, pela relação direta com a produtividade do rebanho, seja ele de corte ou de leite. Para o país, pela capacidade das pastagens bem manejadas de capturar carbono das. Por outro lado, pastagens degradadas agravam a contribuição do setor agropecuário para as emissões dos gases que estão alterando o clima, com efeitos perversos sobre a própria atividade agropecuária”, explica Laerte Laerte Ferreira, professor e pró-reitor de Pós-Graduação (PRPG) da Universidade Federal de Goiás e coordenador do levantamento de pastagens do MapBiomas.

De 1985 a 2020, pelo menos 252 milhões de hectares são ou já foram pastagem. A partir da análise de imagens de satélite foi possível detectar duas fases distintas no processo de conversão que transformou quase um terço do país em pastagens nesse período. Ele foi mais intenso entre 1985 e 2006, quando se registrou um crescimento de 46,3% na extensão ocupada por pastagens, que passou de 111 milhões de hectares para 162,4 milhões de hectares. Em meados dos anos 2000, a área total de pastagem parou de crescer e até encolheu, registrando uma retração de 5% de 2005 a 2020.

qualidade pastagem

Sobre o MapBiomas

O MapBiomas é uma iniciativa multi-institucional que reúne universidades, ONGs e empresas de tecnologia que se uniram para contribuir para a compreensão das transformações do território brasileiro a partir do mapeamento anual da ocupação e uso do solo no Brasil. Em agosto de 2021, foi publicada a Coleção 6 de MapBiomas com mapas de cobertura e uso do solo do Brasil de 1985 a 2020. A ferramenta desenvolvida pela MapBiomas para todas as suas iniciativas disponibiliza informações geradas com resolução espacial de 30 metros. Os dados são processados usando algoritmos de classificação automática por meio de informações na nuvem do Google Earth Engine. https://mapbiomas.org/

Na Amazônia, área destinada para a agropecuária cresce enquanto número de empregos cai

Novo estudo mostra descolamento entre o crescimento da atividade na região e a geração de empregos. Desde 2012, agricultores não qualificados foram os que mais perderam espaço.
gado
Na Amazônia legal, a agropecuária demite trabalhadores ao mesmo tempo em que aumenta a área destinada a pastagens e cultivos. É o que revela um novo estudo, conduzido por pesquisadores do projeto Amazônia 2030. O trabalho mostra que entre 2012 e 2019, a agropecuária na região perdeu cerca de 322 mil postos de trabalho: uma queda de 16%. O desempenho contrasta com o cenário geral da região onde, no mesmo período, foram criados mais de 500 mil empregos (um crescimento de 5% em sete anos.)

As conclusões foram sintetizadas no relatório “Dinamismo Recente do Emprego na Amazônia Legal – Agropecuária”. O documento é o primeiro de uma série, ainda em preparação, destinada a examinar como se comportaram os empregos e os salários na Amazônia – quais ocupações empregaram mais, e quais mais demitiram – durante o período analisado. A pesquisa é liderada pelo economista Gustavo Gonzaga, da Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-Rio)

Para avaliar o dinamismo do mercado de trabalho na Amazônia, os pesquisadores analisaram dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (PNAD contínua). Os números se referem a um cenário econômico que precede a crise deflagrada pelo novo coronavírus.

Nos sete anos examinados pela equipe, enquanto os postos de trabalho na agropecuária minguavam, a área ocupada pela atividade cresceu: um aumento de 8,4%, de acordo com dados do MapBiomas. No mesmo período, a região registrou recordes de desmatamento: nos anos analisados, a área desmatada aumentou significativamente de 4.571 km2 para 10.129 km2.

Menos empregos e alta informalidade

A agropecuária envolve um conjunto de atividades que incluem agricultores com diferentes níveis de qualificação, pecuaristas e extrativistas florestais.

Hoje, o setor está entre os que mais ocupam pessoas na Amazônia: 1,7 milhão de trabalhadores, ou 15,9% das pessoas ocupadas. Mas faz uma curva descendente.

Segundo o relatório, a maioria dos ocupados – 81% – é de trabalhadores informais. Além disso, os salários são baixos. Em 2019, o trabalhador do setor recebeu, em média, R﹩829,00 mensais. Menos da metade da média para a Amazônia Legal, de R﹩1692,00.

Os números mostram ainda que, nos sete anos analisados:

– Caiu o número de agricultores não qualificados ocupados na região. Agricultores não qualificados são aqueles cujas atividades não exigem qualificações específicas. Essa foi a categoria que mais perdeu postos de trabalho: uma perda de 59%. Sua diminuição é reflexo da crescente mecanização das lavouras.

– Agricultores qualificados também perderam espaço: uma queda de 6,7% no número de trabalhadores ocupados.

– O número de extrativistas florestais em atividade seguiu trajetória semelhante: decréscimo de 28%.

– O contraste fica à cargo da pecuária. Aumentou o número de pessoas ocupadas pela atividade: um acréscimo de 2%. Tímido, comparado à queda geral no número de pessoas ocupadas.

– Para entender a dinâmica da ocupação da agropecuária na região, é importante olhar para dois estados em especial: Mato Grosso e Pará. Juntos, eles reúnem 48% do número total de pessoas ocupadas na Amazônia Legal. Têm realidades muito díspares: em 2019, no Mato Grosso, o rendimento médio do trabalhador da agropecuária era de R﹩1.790, 142% maior do que o rendimento médio no Pará (R﹩ 739), o que provavelmente reflete um grau de mecanização e de qualificação da mão-de-obra superior neste setor no Mato Grosso.

Sobre o Amazônia 2030

O projeto Amazônia 2030 é uma iniciativa conduzida por pesquisadores brasileiros para desenvolver um plano de ações para a Amazônia. Seu objetivo é apontar caminhos para que a região dê um salto de desenvolvimento econômico e humano, mantendo a floresta em pé, nos próximos dez anos.

O projeto é uma iniciativa do Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e do Centro de Empreendedorismo da Amazônia, ambos situados em Belém, com a Climate Policy Initiative (CPI) e o Departamento de Economia da PUC-Rio, localizados no Rio de Janeiro.

Começando em 2020, e seguindo até meados de 2022, os cientistas do projeto vão publicar relatórios e estudos baseados na melhor evidência sobre a Amazônia brasileira. Conhecimento produzido na academia e aliado às experiências dos povos da floresta, empresários, empreendedores e agentes públicos. Esses documentos reunirão recomendações práticas, que poderão ser aplicadas por agentes privados e públicos.

Leia o estudo completo [Aqui!].

Os pulmões doentes da Amazônia

A região amazônica “tombou” devido ao desmatamento desenfreado. Agora ele emite mais dióxido de carbono do que absorve. Isso já está tendo efeitos devastadoresgado queimada

Desmatamento colossal, monoculturas, secas, incêndios. A floresta amazônica está gravemente ameaçada (rebanho de gado durante um incêndio florestal na região de Nova Fronteira, 3 de setembro de 2019). Por Leo Correa / AP / dpa

Por Norbert Suchanek, Rio de Janeiro, para o Junge Welt

Meados de julho de 2021. Durante o segundo ano da pandemia de COVID-19, o calor catastrófico e o inferno de fogo no oeste dos Estados Unidos e Canadá, bem como as inundações do século na Alemanha e na Bélgica, competem pela maior manchete com o voo espacial do o multibilionário Jeffrey Bezos na floresta de folhas da mídia de massa global. Enquanto isso, a notícia do século 21 que é mais importante para a humanidade está lentamente sendo registrada pela grande mídia e empurrada para o final da página: a Amazônia tombou. O sumidouro de carbono aparentemente infinito que absorve as emissões de gases do efeito estufa dos países industrializados e compensa o efeito estufa não existe mais.

Certamente não faltaram avisos. Há décadas, pesquisadores e ambientalistas brasileiros e internacionais vêm reivindicando o fim do desmatamento da floresta amazônica. A maior região de floresta tropical do planeta, importante para o clima global, pode perder sua função de armazenamento de carbono e frear o aquecimento global. Mas a mudança de governos do Brasil – responsável pela maior parte da Amazônia – deixou a questão da boca para fora e ignorou ecologistas e pesquisadores do clima, apesar de duas conferências ambientais da ONU no Rio de Janeiro em 1992 e 2012. Agora, seus piores medos parecem ter se tornado realidade.

Superexploração por apenas 50 anos

A bacia amazônica tem uma área de cerca de 7,25 milhões de km2 e é mais de vinte vezes o tamanho da Alemanha. A área original da floresta amazônica, que se desenvolve há 50 milhões de anos, é estimada em cerca de 5,3 a mais de seis milhões de km2. Cerca de 60% da Amazônia, 4,2 milhões de km2, está no Brasil.

Ao contrário da crença popular, o desmatamento da Amazônia não começou com a conquista europeia da América Latina no século XVI. Por quase 500 anos, a exploração econômica da maior região de floresta tropical do mundo foi essencialmente limitada aos abundantes recursos florestais naturais e renováveis, como cacau, borracha e castanha do Brasil, que leva o nome do estado brasileiro do Pará.

A destruição da floresta em grande escala só começou na década de 1970 com estradas como a lendária Transamazônica e programas de colonização e subsídios que atraíram milhões de colonos, principalmente do sul do Brasil, e investidores internacionais. O governo militar brasileiro da época e seus especialistas em economia viam o uso de produtos naturais da floresta, que eram costumeiros até então, como “atrasado”. Substituíram uma economia sustentável que alimentava a população amazônica e ao mesmo tempo trouxeram divisas com corte implacável, pastagens artificiais de gado e monoculturas: uma política econômica de destruição da floresta tropical com o sul e sudeste da Amazônia, o chamado desmatamento arco, formado pelos estados de Maranhão, Pará, Mato, que continua até hoje Grosso, Rondônia e Acre, como a primeira vítima.

Independentemente dos povos indígenas e grupos populacionais tradicionais, pelo menos 19 corporações multinacionais hackearam mais de sete milhões de hectares de terras para extração de madeira, pecuária, agricultura e especulação imobiliária em 1982, de acordo com os pesquisadores franceses Hervé Théry e Jean Eglin em seu relatório »O Saque da Amazônia «(Le Pillage de l’Amazonie). Até mesmo áreas altamente produtivas de castanheiras foram derrubadas e a população da floresta, que vivia dela de maneira sustentável por séculos, mergulhou na pobreza ou foi levada ao êxodo.

“As causas diretas do desmatamento na região são predominantemente a agricultura industrial em grande escala (principalmente soja) e a pecuária extensiva”, resume o relatório de 2015 “Desmatamento na Amazônia (1970-2013)” da Rede Amazônica para dados sócio georreferenciados -informações ecológicas (RAISG). O desmatamento está intimamente ligado à construção de estradas pelo governo, explica o pesquisador da Amazônia Philip M. Fearnside. “Com a construção e expansão de estradas rurais e uma rede de estradas de acesso, mais colonos estão invadindo a área e aumentando drasticamente o desmatamento.” Ao mesmo tempo, a presença de colonos na floresta aumenta a pressão política para a construção de estradas ainda mais pavimentadas e melhores. Especulação de terras, barragens,

De acordo com dados do estudo de 1997 “Desmatamento e meios de subsistência na Amazônia brasileira” da Universidade de São Paulo, havia apenas 292 empresas madeireiras em toda a região amazônica no início da década de 1970. Só no estado do Pará, já eram mais de 2.000 em 1995. De acordo com dados do Instituto de Pesquisas Espaciais do INPE, responsável pelo monitoramento florestal por satélite, entre 1978 e 1988, uma média de cerca de 20 mil quilômetros quadrados de floresta tropical foi desmatada a cada ano apenas na Amazônia brasileira. Os piores anos de desmatamento ainda estavam por vir. Em 1995, o Brasil perdeu 29.000 km2, em 2003 mais de 25.000 e em 2004 quase 28.000 km2 da floresta amazônica.

Em 2013, o INPE calculou o desmatamento total em 762.979 km2 desde 1973. Isso significa que, de acordo com o relatório de 2017 “O clima futuro da Amazônia” da Amazônia e do pesquisador de clima Antonio Donato Nobre, mais de 42 bilhões de árvores foram destruídas nos últimos 40 anos, milhões por dia. Convertido para o tamanho de um campo de futebol, isso equivale a 12.635 campos de futebol limpos por dia, 526 campos de futebol por hora.

Em 2019, a especialista em Amazônia Kirsten Thonicke do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático (PIK) alertou: “Ainda hoje, 20 por cento dos 5,3 milhões de km2 de floresta tropical foram desmatados.” Esta área é maior do que toda a União Europeia e foi resultou em um aquecimento de 0,8 a 0,9 graus na região e estendeu a estação seca. Outros cientistas presumem uma destruição de amônia ligeiramente menor de 17%.

Mas, independentemente de ser 17 ou 20%, é muito. Isso é especialmente verdadeiro para o Pará e Mato Grosso, com uma perda total de floresta tropical de 34,42% e 32,35%, respectivamente, de acordo com os últimos dados do INPE de maio de 2021.

Emissor líquido de CO2

Até agora, a ciência assumiu que a Amazônia, apesar do desmatamento das últimas décadas, continuaria a equilibrar o clima global e neutralizar o efeito estufa, removendo milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) da atmosfera todos os anos e armazenando-o em a forma de carbono em sua massa vegetal em crescimento. Mas obviamente não tem sido assim há pelo menos dez anos. Pelo contrário: operações de corte e queima e cortes rasos transformaram a maior floresta tropical em produtora líquida de CO2. É o que mostra pela primeira vez o estudo “A Amazônia como fonte de carbono ligada ao desmatamento e às mudanças climáticas”, publicado em julho na revista Nature , por uma equipe internacional de cientistas liderada pelo Instituto Brasileiro de Pesquisas Espaciais INPE.

De 2010 a 2018, os pesquisadores sobrevoaram a região amazônica em quatro regiões representativas do nordeste ao sudoeste em pequenas aeronaves a cada quinze dias e mediram as concentrações de CO2 a uma altura de 300 a 4.400 metros acima do dossel. Isso foi seguido por uma avaliação de dados de dois anos. “A primeira notícia muito ruim é que as operações de corte e queima produzem cerca de três vezes mais CO2 do que a floresta absorve”, explica Luciana Gatti, pesquisadora do INPE e autora principal do estudo. “A segunda má notícia é que as emissões de CO2 em regiões onde o desmatamento é de 30% ou mais são dez vezes maiores do que em áreas com desmatamento inferior a 20%.”

Especificamente, a área de floresta tropical emitiu em média 1,51 bilhão de toneladas de CO2 na atmosfera, principalmente por corte e queima, enquanto absorve apenas 450 milhões de toneladas de CO2 e o armazena em sua biomassa. “É uma notícia terrível”, disse Luciana Gatti. Porque isso torna a Amazônia um produtor líquido de 1,06 milhão de toneladas de dióxido de carbono por ano, o que coloca tantas nações industrializadas na sombra. Em vez de desacelerar a mudança climática, a região da floresta tropical da América do Sul tem aquecido a atmosfera muito mais do que a Alemanha, por exemplo, que conseguiu reduzir laboriosamente suas emissões anuais de CO2 de 1,05 bilhão de toneladas em 1990 para 644 milhões de toneladas no ano passado.

O principal culpado por esta “catástrofe climática” é o Brasil. A parte brasileira da Amazônia emite a maioria das emissões líquidas de CO2 da Amazônia em 870.000 toneladas anuais. O pior é a situação na região sudeste da Amazônia, especialmente no Pará e Mato Grosso, onde mais de 30% da floresta já foi destruída. O desmatamento levou a uma mudança climática regional com uma estação seca mais longa, seca e quente. Os pesquisadores registraram um aumento de temperatura de mais de dois graus nos meses de agosto, setembro e outubro, com uma diminuição simultânea na precipitação de cerca de 25%. Esse estresse climático leva a um círculo vicioso de produção de CO2 que queima as florestas com mais facilidade e faz com que as árvores morram mais cedo.

Devido à seca, explica Gatti, as folhas das árvores geralmente perenes da floresta tropical ficaram marrons e começaram a cair. As árvores param a fotossíntese e não absorvem mais CO2, mas continuam respirando. Esse estresse climático não só leva à redução do armazenamento de carbono, mas, no pior dos casos, à morte das árvores, que posteriormente liberam mais CO2 devido ao processo de apodrecimento de sua biomassa.

Gatti afirma que “o que está acontecendo no sul do Pará e no norte do Mato Grosso é que as espécies de árvores mais sensíveis morrem e apenas as mais resistentes sobrevivem. Ainda hoje, mais árvores morrem no sudeste da Amazônia do que voltam a crescer ”. Isso significa que a floresta dessa região, mesmo que não esteja pegando fogo, emite mais carbono do que absorve a cada ano. Menos árvores levam a menos chuva e temperaturas mais altas, o que aumenta a estação seca e o estresse climático para a floresta remanescente: uma espiral contínua que pode causar grandes círculos”.

“Rios voadores” secam

O naturalista e pioneiro das pesquisas amazônicos Alexander von Humboldt já havia adivinhado a ligação entre floresta tropical, umidade e clima no século 19, que os cientistas de hoje finalmente confirmaram e descreveram com mais detalhes. Estudos mostram que uma grande árvore da floresta tropical pode bombear mais de mil litros de água do solo e permitir que evapore em um único dia. Essa evapotranspiração remove energia do ambiente e, portanto, resfria o clima local, enquanto a água evaporada sobe para as camadas mais altas do ar. Calculado para uma Amazônia intacta, seus mais de 400 bilhões de árvores emitem mais de 20 bilhões de toneladas de água na atmosfera todos os dias e, portanto, produzem um rio atmosférico ou “voador” que é maior do que o poderoso rio Amazonas,

Os ventos carregam essas enormes quantidades de água que produz chuvas de leste a oeste, não apenas por toda a bacia amazônica, mas também até as regiões mais altas dos Andes, onde formam as geleiras, cujo degelo, por sua vez, alimenta os rios do lado pacífico andino. O “rio voador Amazonas” também flui de norte a sul e traz chuvas para o centro e oeste do Brasil nos planaltos do Cerrado e Pantanal, assim como para o sul e sudeste do Brasil, para Bolívia, Paraguai, Uruguai e Argentina.

A cada novo corte da árvore amazônica, essas regiões são ameaçadas por um clima desértico. O estudo de Luciana Gatti sugere que esse ciclo vicioso já está em andamento. Mesmo na bacia amazônica ocidental praticamente intacta, com um desmatamento estimado em onze por cento, a equipe de pesquisa registrou queda nas chuvas e aumento nas temperaturas, em parte provocadas pelo desmatamento no leste. Embora essa mudança climática ainda seja menor do que nas partes mais desmatadas da Amazônia, ela também aumenta a mortalidade das árvores e reduz a capacidade de fotossíntese, ou seja, o armazenamento de carbono.

Um estudo publicado em 2019 pela Universidade da Califórnia usou dados de satélite dos 20 anos anteriores para determinar a evolução do conteúdo de umidade na atmosfera sobre a floresta amazônica. Ela também chegou à conclusão: “Nas últimas duas décadas, a atmosfera amazônica ficou cada vez mais seca.” Além disso, há eventos mais extremos. Após a forte seca, especialmente no Norte da Amazônia em 1998, a região amazônica voltou a registrar uma seca extrema em 2005, conhecida como a “seca do século”. Apenas cinco anos depois houve uma seca ainda maior, que foi substituída por outra seca do século na Amazônia em 2015, que agora atingiu o sudeste do Brasil. “O Brasil está secando: a pior seca das últimas décadas”, era a manchete da época.

A Amazônia também experimentou uma seca extrema em 2020. “Agosto, setembro e outubro em particular parecem ser os mais secos em mais de 20 anos”, relatou o Woodwell Climate Research Center. O sul da Amazônia foi particularmente afetado. Em 2020, o Pantanal também experimentou uma drástica escassez de água e incêndios florestais catastróficos como nunca antes. Secas e incêndios florestais também ocorreram na região florestal do Chaco, na Argentina e no Paraguai. Outra indicação de uma espiral girando em direção ao abismo.

O ciclo de secas de cinco anos sugere uma influência do efeito El Niño. Mas essa não é a única causa. O pesquisador do INPE Antonio Donato Nobre: ​​“Antes do intenso desmatamento na Amazônia, as chuvas eram tão abundantes que se dizia que havia apenas duas temporadas na bacia amazônica, uma úmida e outra ainda mais úmida. Hoje existe uma estação seca acentuada, e a duração da estação chuvosa está diminuindo cada vez mais. ”As sucessivas secas extremas neste século já em 2018 deixaram o pesquisador da NASA Sassan Saatchi com o até então válido“ paradigma de pesquisa que a Amazônia , independente de quanto dióxido de carbono nós (os países industrializados) emitimos, grande parte dele é absorvido, com dúvidas.

O documento de pesquisa “Rastreando os impactos da seca e do fogo do El Niño nas florestas amazônicas modificadas pelo homem”, também publicado em julho de 2021, confirmou os temores de Saatchi. A equipe de pesquisa do Brasil, Grã-Bretanha e Suécia examinou as consequências da seca na Amazônia de 2015, que matou cerca de 447 milhões de árvores maiores e 2,5 bilhões de menores na região afetada do baixo Tapajós. Como resultado da seca e dos incêndios florestais resultantes, dizem os pesquisadores, a região liberou mais carbono do que países industrializados como o Reino Unido por pelo menos três anos. Nos três anos após a seca, o crescimento da planta só foi capaz de absorver cerca de um terço das emissões.

Para Luciana Gatti, uma coisa é certa: a Amazônia agora é fonte de carbono. Uma descoberta científica que deveria realmente interessar e sacudir o mundo mais do que o voo de onze minutos para o espaço, prejudicial ao clima, por um empresário implacável chamado Jeffrey Preston Bezos, que nomeou sua empresa de comércio na Internet, que foi fundada em 1994, produzindo fluxos globais de mercadorias depois do rio mais rico em água da terra: a Amazônia ou na Amazônia alemã.

Em seu artigo sobre a pesquisa de Gatti, a jornalista climática Ciara Nugent, da Time Magazine, colocou desta forma: “É um barra alta, mas este é um dos fatos mais deprimentes que já li como jornalista climático: A floresta amazônica – uma região conhecida como ‘o pulmão do mundo’ – agora emite mais carbono do que absorve. “

Guerra contra a ignorância

Mas nem tudo está perdido ainda. Segundo Luciana Gatti, o processo ainda pode ser revertido. Gatti propõe uma moratória ao desmatamento e corte e queima por pelo menos cinco anos em toda a região amazônica, especialmente na região sudeste, que teria que ser reflorestada além da parada imediata do desmatamento. “Nesse cenário, acredito que haja possibilidade de reversão”, diz a pesquisadora.

Mas os sinais do governo Jair Bolsonaro prometem exatamente o contrário. Não há como parar o desmatamento e nem os incêndios florestais à vista. Em junho passado, 2.308 incêndios ocorreram na floresta amazônica brasileira e 4.181 no cerrado. Somente no estado da soja de Mato Grosso, os satélites contabilizaram 2.185 disparos. Esses números recordes de junho não falam a favor de uma reviravolta, mas de um desmatamento contínuo – até que a última árvore seja derrubada ou queimada.

Para Antonio Donato Nobre, que pesquisa na e sobre a Amazônia há mais de 30 anos e conhece as consequências ecológicas melhor do que quase qualquer outro cientista, uma política de desmatamento zero no Brasil era uma necessidade urgente já nos anos 1990. Embora o fim do desmatamento seja obrigatório, inevitável e há muito esperado hoje, não será suficiente para reverter as tendências climáticas ameaçadoras, alertou Nobre em 2017. “Temos que restaurar tudo o que foi alterado e destruído na medida do possível. O reflorestamento em tão grande escala requer a reversão do uso da terra em grandes áreas atualmente ocupadas. ”Dado o cenário atual, no entanto, isso é muito improvável.

“No entanto, apenas uma pequena parte da sociedade esteve e está diretamente envolvida na destruição das florestas”, diz o pesquisador da Amazônia. É uma minoria que empurra o Brasil e a América Latina para o abismo climático. Para combater isso, o primeiro passo é uma campanha semelhante a um esforço de guerra, uma “guerra” contra a ignorância. “Um esforço sem precedentes para educar a sociedade. E que visa principalmente aqueles que ainda se agarram ao equívoco de que a destruição de florestas é inofensiva. “

fecho

Este artigo foi inicialmente escrito em alemão e publicado pelo “Junge Welt” [Aqui!]. 

Diminuição da chuva causada pelo desmatamento na Amazônia pode levar a quase US$200 bilhões em perdas para pecuaristas e sojeiros

deforestation_2074483b

As indústrias de carne bovina e soja na região sul da Amazônia brasileira correm o risco de quase US $ 200 bilhões de perdas de produtividade devido ao desmatamento na Amazônia, de acordo com um novo estudo científico . O estudo, publicado na Nature Communications em maio de 2021, examinou a relação entre o desmatamento e as chuvas. Também avaliou o impacto dos cenários de política de desmatamento sobre as receitas agrícolas, descobrindo que a perda de floresta em áreas de fronteira no norte da Amazônia pode resultar em reduções alarmantes de chuvas no sul da Amazônia. O sul da Amazônia é uma região agrícola altamente desenvolvida que responde pela maior parte das áreas de cultivo e pastagens no Brasil. A maior parte da produção agrícola na área é alimentada pela chuva.

Em um cenário de “governança ambiental fraca”, os cientistas projetam perdas de receita associadas à produtividade de US$5,6 bilhões para o cultivo da soja e US $ 180,8 bilhões para a produção de carne bovina. De acordo com os autores, “o Brasil pode ter ultrapassado um limite no qual mais desmatamento na Amazônia se traduz em dano econômico direto”. Conclui que a atual trajetória de expansão para áreas florestadas coloca em risco a produtividade agrícola de todo o país. Em entrevista à Thomson Reuters, um coautor do estudo, Argemiro Teixeira, disse que a proteção florestal pode apoiar o setor agrícola do Brasil. “[É] possível e necessário melhorar a indústria preservando o meio ambiente”, afirmou.

O estudo quantificou o risco financeiro em um dos mais prementes riscos físicos crônicos de desmatamento para os setores de commodities agrícolas. Conforme descrito em janeiro 2021 da CRR papel em seu quadro TCFD alinhado para avaliar os riscos de desmatamento, perda de floresta é a maior risco de mudanças climáticas da agricultura. Com as altas taxas atuais de desmatamento do Brasil e o papel substancial do país nos mercados globais de commodities leves, as mudanças no padrão de chuvas podem ter um efeito cascata nos sistemas globais de alimentos.

As partes interessadas em todas as cadeias de abastecimento de carne bovina e soja são as que correm maior risco. Os produtores agrícolas serão os mais diretamente afetados pelas perdas de produtividade quantificadas neste estudo. Mas a oferta reduzida e os preços flutuantes também podem afetar as empresas mais abaixo na cadeia de abastecimento. Por exemplo, os preços do gado no Brasil já aumentaram 60 por cento no último ano. Isso resultou na paralisação temporária da produção nos frigoríficos para ajustar a oferta à demanda , com supostas consequências financeiras para os frigoríficos do Brasil. A redução da produtividade do gado, desencadeada por desmatamento futuro, pode exacerbar muito esses impactos.

Da mesma forma, as instituições financeiras com participações nesses setores enfrentam maior exposição ao risco e podem ter que mitigar os riscos climáticos físicos decorrentes do desmatamento. Empresas como o UBS, que recentemente formou uma joint venture com o Banco do Brasil com foco no agronegócio, afirmam que “é possível lidar com o agronegócio brasileiro sem se envolver em problemas ambientais”. No entanto, qualquer cliente UBS localizado no sul da Amazônia brasileira pode enfrentar tais problemas ambientais, mesmo sem estar diretamente envolvido no desmatamento da floresta.

O risco físico de mudanças no padrão de chuvas aumenta os riscos de transição decorrentes da mudança global em direção a uma economia de baixo carbono. Os setores de carne bovina e soja do Brasil enfrentam uma série de riscos de transição:

  • Os avanços tecnológicos permitem que fontes alternativas de proteína vegetal, como hambúrgueres vegetarianos, concorram com o preço da carne bovina ;
  • A preferência do consumidor por opções vegetarianas está crescendo no Brasil , China , UE e em outros lugares;
  • Empresas downstream, incluindo Nestlé , H&M , VF Corporation , Grieg Seafood , Bremnes Seafood Gårdsand , excluíram o Brasil ou fornecedores brasileiros específicos de suas compras em resposta a preocupações com o desmatamento.
  • Os investidores têm pressionado por políticas corporativas de desmatamento zero mais rigorosas, arquivando resoluções dos acionistas (por exemplo, na Bunge , JP Morgan e Procter & Gamble), emitindo cartas públicas e iniciando processos de engajamento colaborativo .
  • Os estados estão colocando requisitos de due diligence de desmatamento mais rigorosos para suas empresas domiciliadas (por exemplo , França , Alemanha e Reino Unido) ou estão endurecendo as restrições de importação de mercado (por exemplo, União Europeia). Nos Estados Unidos, os esforços diplomáticos do presidente Biden podem ser complementados pela expansão da Lei Lacey para incluir a proibição da importação de commodities cultivadas em terras desmatadas ilegalmente. Os Estados Unidos também podem exigir que as empresas informem sobre o desmatamento em sua cadeia de suprimentos ou banir as importações relacionadas ao desmatamento.

Apesar dessas tendências notáveis, os riscos de transição relacionados ao desmatamento até agora não impactaram os resultados das principais empresas nas cadeias de abastecimento de carne bovina e soja. O lucro líquido, os preços das ações e as margens de lucro dos principais frigoríficos e comerciantes de soja no Brasil não viram mudanças significativas. Ao contrário do setor de óleo de palma, as evidências da materialidade financeira dos riscos de desmatamento permanecem teóricas nas indústrias de carne e soja. Apesar de tais perdas financeiras não se materializarem no curto prazo, impactos climáticos e naturais sobre a produtividade agrícola são esperados nos próximos anos.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e foi publicado pela Chain Reaction Research [Aqui!].

Com a precarização do licenciamento ambiental, Brasil abre caminho para mais desastres e violência

batatas

Ao aprovar por esmagadora maioria uma lei que fragiliza enormemente o processo de licenciamento ambiental ao isentar, por exemplo, e licenciamento ambiental sistemas e estações de tratamento de água e de esgoto e usinas de triagem de resíduos sólidos, além de pecuária extensiva, semi-intensiva e intensiva de pequeno porte e cultivos agrícolas, a Câmara Federal também declarou guerra aos povos indígenas e quilombolas que agora terão suas terras ainda mais acossadas por uma série de atores que veem nas suas terras preservadas como um obstáculo à predação desenfreada da natureza no Brasil.

Curiosamente, esse projeto anti-ambiental começou a tramitar tendo como autor o deputado federal Luciano Zica (PT/SP) e teve sua costura final realizada pelo deputado Neri Geller (PP-MT), ex-ministro da Agricultura no governo de
Dilma Rousseff (PT).  Assim, ainda que se fale que a passagem desse projeto de destruição ambiental foi operada com inaudita maestria por Arthur Lyra (PP/AL), as digitais petistas estão presentes nessa verdadeira declaração de guerra ao meio ambiente e às comunidades que o defendem enquanto forma de preservação suas formas peculiares de produção e reprodução social.

Um dos detalhes mais vexaminosos dessa aprovação é que essa fragilização ocorre na esteira de dois grandes desastres ambientais causadas pela mineração de ferro em Minas Gerais (i.e., Mariana e Brumadinho), estado que hoje vive a antessala de novos mega desastres ambientais causados pela forma relaxada com que o processo de licenciamento ambiental tem sido aplicado pelo governo estadual daquele estado, em clara combinação com o governo federal, independente de quem seja o presidente.

A ideia de que o processo de licenciamento ambiental é uma barreira ao processo de desenvolvimento econômico reflete apenas uma forma primitiva de retirar recursos dos sistemas naturais. Já está mais do que demonstrado que o que se precisa mesmo é de sistemas de proteção ambiental que tenham processos técnicos rígidos para impedir que atividades poluidoras causem prejuízos sociais e ambientais maiores do que a renda que eventualmente os empreendimentos aprovados possam gerar. 

Um bom exemplo local, e que eu tive o desprazer de olhar “in loco” como tem sido realizado o licenciamento ambiental do Porto do Açu, que teve e continua tendo um processo de avaliação de impactos altamente fracionado e com praticamente qualquer salvaguarda para sequer monitorar os danos ambientais que estão ocorrendo no V Distrito de São João da Barra. A simples ideia de que vários dos componentes ainda em fase de planejamento sendo dispensados de licenciamento torna o Porto do Açu em uma espécie de bomba relógio que irá explodir bem longe dos especuladores financeiros que controlam o fundo de “private equity” que controla a Prumo Logística, o chamado EIG Global Partners cuja sede se localiza em escritórios para lá de confortáveis em Washington DC.  Este conforto que é negado a centenas de famílias de agricultores familiares que não só tiveram suas terras tomadas, como hoje tem que conviver com a salinização de suas águas.

Um fato que os deputados federais e os grupos que impulsionaram este ataque frontal à regulação ambiental é de que a maioria das grandes corporações hoje é obrigada a responder a sistemas internas de governança que impedem o seu envolvimento direto em projetos que degradem o ambiente.  Assim, restará para o Brasil depender de empresas que não possuem estes sistemas  e que por isso tendem ter menos freios para os danos ambientais que suas atividades causa. Além disso, a passada de boiada ambiental significará o aumento dos conflitos sociais nas áreas mais sensíveis ecologicamente para onde se quer levar o gado e a soja. Tudo isso somente aumentará o isolamento político e econômico do Brasil. Mas por hoje que se repita o que dizia o personagem Quincas Borba do livro “Memórias Póstumas de Brás Cubas” de Machado de Assis “Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas“.

Relatório da ‘Repórter Brasil’ sobre trabalho escravo na pecuária tem repercussão internacional

Investigações que mapearam os casos de trabalho análogo ao de escravos ligam fazendas flagradas aos maiores frigoríficos do Brasil

Reportagens de veículos estrangeiros destacaram o abismo entre o lucro bilionário dos frigoríficos brasileiros e as recorrentes condições de trabalho degradantes em fazendas fornecedoras (Foto: Marcio Isensee e Sá/Repórter Brasil)

Por João Cesar Diaz para a Repórter Brasil

A oitava edição do relatório o “Monitor”, da Repórter Brasil, traz uma análise aprofundada da relação entre o trabalho escravo contemporâneo e a pecuária no Brasil – com casos de fazendeiros que usaram escravidão contemporânea e forneciam inclusive para gigantes do setor, como a JBS. O relatório teve repercussão internacional, com matérias publicadas no jornal britânico The Guardian, na agência de notícias estadunidense Bloomberg e na Reuters Foundation.

As histórias levantadas no relatório destacam como, após mais de 10 anos de políticas corporativas sendo anunciadas para enfrentar o trabalho escravo em fazendas de gado, a situação de muitos trabalhadores não mudou.

Historicamente, a maior parte dos casos de trabalho escravo acontece na região rural, e a pecuária é o setor onde o problema é bem evidente e documentado. De acordo com dados do Governo Federal sistematizados pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), mais da metade dos casos de trabalho escravo flagrados no Brasil entre 1995 e 2020 aconteceu nas atividades relacionadas à pecuária.

Dez anos de escravidão

O relatório se aprofunda em diversos estudos de caso, incluindo um envolvendo seis trabalhadores – quatro deles migrantes paraguaios, resgatados de condições análogas às de escravo em 2019 da Fazenda Rodoserv IV, no município de Caracol, no Mato Grosso do Sul.

Carne para alimentação dos trabalhadores na fazenda Rodoserv IV era armazenada em baldes (Foto: Equipe de fiscalização/Divulgação)

Na propriedade de Amarildo Martini, sócio do grupo “Rodoserv” – rede de postos de combustíveis e restaurantes de estrada –, os trabalhadores tinham de se abrigar em barracas improvisadas com retalhos de lona e galhos reunidos por eles mesmos. Sem acesso à água potável ou a banheiros, quatro dos funcionários da fazenda passaram dez anos submetidos a essas condições degradantes.

Segundo dados revelados pela apuração da Repórter Brasil, a fazenda forneceu gado diretamente ao frigorífico da JBS na região durante os meses de janeiro e outubro de 2019 (ano do resgate dos trabalhadores) e em fevereiro e abril do ano seguinte. 

Repercussão internacional

Com essa base, a Bloomberg, publicou a reportagem Slave Labor at Brazilian Cattle Farms Focus of New Report (“Trabalho escravo em fazendas de gado no Brasil é o foco de novo relatório”, em tradução livre), destacando as dezenas de violações trabalhistas graves encontradas. A matéria ressalta a ligação entre fazendas flagradas utilizando trabalho escravo e as grandes companhias de frigoríficos brasileiras – especialmente a JBS, a maior do mundo. A agência também levantou o paralelo entre a taxa crescente de desmatamento na região amazônica e a expansão das áreas de pastagem (legais e ilegais). 

“Fazendas de gado brasileiras ‘usaram trabalhadores em condições análogas à escravidão’” ou, no original em inglês, Brazilian beef farms ‘used workers kept in conditions similar to slavery, foi o título da matéria do The Guardian – veículo parceiro da Repórter Brasil em matérias investigativas no campo. 

A reportagem questiona a falta de rastreabilidade da carne processada nos frigoríficos da JBS e Minerva, citando casos de trabalho escravo em fazendas que forneceram carne para as companhias, e cobra respostas sobre a responsabilidade e a transparência das empresas na escolha de seus fornecedores.

Já a reportagem da Reuters, “JBS entre frigoríficos vinculados a fazendas contaminadas pela escravidão no Brasil” (JBS among meat firms linked to slavery-tainted ranches in Brazil, no original em inglês) enfatizou o abismo entre os bilhões de dólares de lucro dos frigoríficos brasileiros e as recorrentes condições degradantes que trabalhadores das fazendas que alimentam essa cadeia produtiva são submetidos.

fecho

Este artigo foi publicado inicialmente pela Repórter Brasil [Aqui!].

Investigação da Global Witness revela ligação da JBS, Marfrig e Minerva com o desmatamento ilegal na Amazônia

Novo relatório da Global Witness mostra como as três maiores empresas de carne do Brasil não conseguem evitar o envolvimento de suas cadeias produtivas com grandes áreas desmatadas na Amazônia, e como isso não foi identificado nas auditorias feitas por DNV-GL e Grant Thornton, conhecidas empresas internacionais de auditoria. Ao mesmo tempo, grandes bancos como Santander, Barclays e Morgan Stanley continuam a apoiar as gigantes da carne, apesar dos muitos avisos sobre suas práticas destrutivas

BOI GREENWASHING

A organização internacional Global Witness revelou a extensão do desmatamento ligado às cadeias produtivas de algumas das maiores empresas de carne bovina do mundo: JBS, Marfrig e Minerva. A investigação constatou que entre 2017 e 2019, apenas no estado do Pará, essas empresas compraram gado de 379 fazendas com mais de campos de futebol de desmatamento ilegal, infringindo os termos de ajuste de conduta firmados com o Ministério Público Federal e as suas obrigações legais. Avaliações erradas feitas pelos auditores internacionais DNV-GL e Grant Thornton para monitorar o cumprimento dessas obrigações não foram capazes de identificar esses casos, mas foram usadas pelas empresas para dar um “greenwash” (verniz ecológico) em suas credenciais ambientais.

A pesquisa também mostra como essas gigantes da carne bovina falharam em monitorar mais de 4.000 fazendas no Pará inseridas em suas cadeias produtivas, e com um total estimado de 140.000 campos de futebol de desmatamento, para evitar que gado dessas fazendas chegasse a seus frigoríficos. Ademais, JBS e Marfrig compraram gado de pecuaristas acusados pelo Ministério Público Federal de grilagem de terras, abusos de direitos humanos de povos indígenas e ativistas dos direitos à terra, além do assassinato de representantes de movimentos de trabalhadores sem terra.

Essas falhas foram recompensadas por grandes bancos da UE e dos EUA, que financiaram as empresas de carne bovina em quase R$ 14 bilhões no período analisado. Nomes tradicionais como Santander, Deutsche Bank, Barclays, Morgan Stanley, BNP Paribas, ING e HSBC aparentemente falharam em fazer a due diligence de seu envolvimento com essa destruição e continuam a apoiar as empresas de carne bovina, apesar de muitos avisos sobre seus problemas. Grandes bancos brasileiros também estão envolvidos, com Bradesco e Banco do Brasil, que facilitaram mais de R$ 6 bilhões para as empresas no período.

A nova investigação da Global Witness, Carne Bovina, Bancos e Amazônia Brasileira, mostra como a ausência de leis em países consumidores e centros financeiros como a Europa e os EUA significa que as empresas de carne bovina, os bancos e investidores que as apoiam e os importadores e supermercados que compram sua carne podem continuar lucrando com o desmatamento desenfreado sem arcar com as consequências.

“Nossa investigação demonstra claramente que um setor privado não regulamentado e com políticas voluntárias de não desmatamento não conseguiu lidar com a destruição da floresta e os abusos dos direitos humanos relacionados. Isso pode contribuir para a perda permanente da floresta amazônica”, diz Chris Moye, Investigador Sênior da Amazônia na Global Witness. “Todos os envolvidos – fazendas que criam gado, gigantes da indústria da carne brasileira, auditores internacionais, financiadores tradicionais, supermercados, importadores e redes de fast-food – estão destruindo florestas tropicais, ou são cúmplices, com auditorias falhas realizadas por auditores americanos e europeus”, acrescenta.

“Existe uma alternativa. Governos em todo o mundo devem tomar medidas e garantir que as empresas, incluindo bancos, sejam responsabilizadas por seu papel na destruição da Amazônia, exigindo due diligence obrigatória sobre riscos de desmatamento. Isso teria um impacto real na viabilidade do modelo de negócios destrutivo das empresas de carne bovina e as obrigaria a enfrentar o desmatamento e os abusos de direitos humanos em suas cadeias produtivas”, conclui Moye.

A equipe da Global Witness usou diversas técnicas investigativas, incluindo imagens de satélite, análise geoespacial, mineração de dados, documentos publicamente disponíveis e entrevistas com fontes. A investigação fornece provas detalhadas de todas as alegações, com imagens de satélite para cada uma das 379 fazendas incluídas no relatório. Seis estudos de caso originais também ilustram como essas empresas de carne compraram de pecuaristas acusados de fraudes, grilagem de terras e violações de direitos humanos, ou que foram multados pelo Ibama por desmatamento ilegal.

Essas descobertas vêm à tona enquanto a Amazônia está sendo destruída a taxas alarmantes, com a revogação de proteções florestais pelo governo Bolsonaro, redução da fiscalização durante a COVID-19 e outra devastadora temporada de incêndios, criando o pior cenário possível. O desmatamento da Amazônia aumentou dramaticamente ao longo de 2019 e 2020, resultando na maior taxa de desmatamento desde 2008. No Brasil, 70% dessa destruição foi causada pelo desmatamento de terras para a pecuária. Sozinha, a produção de carne bovina no Brasil é considerada a principal causa de emissões provenientes de desmatamento na América Latina.

Preservar as florestas tropicais é fundamental para ajudar a interromper a degradação do clima e proteger as comunidades locais e os povos indígenas que dependem delas e as defendem. Além disso, a pandemia de COVID-19 destacou a importância de preservar os hotspots de biodiversidade, como a Amazônia, para prevenir a propagação de zoonoses.

A Global Witness está convocando os países que importam, financiam ou investem em commodities de risco florestal, como a carne bovina brasileira, a aprovar legislação exigindo que todas as empresas, incluindo instituições financeiras, identifiquem, previnam, mitiguem e relatem riscos de desmatamento e direitos humanos relacionados às florestas.

A Global Witness também pede que JBS, Marfrig e Minerva adotem total transparência em suas cadeias produtivas, a fim de permitir o escrutínio público das fazendas das quais essas empresas compram gado. Até que tais medidas sejam implementadas, nenhum financiador ou comprador pode confiar nas garantias das empresas de que seus compromissos relacionados à floresta estão sendo respeitados.

O Governo Federal do Brasil deve assegurar que dados independentes e publicamente disponíveis que rastreiam o ciclo de vida do gado sejam facilmente acessíveis, como as guias de trânsito animal que mostram de quais fazendas as empresas de carne compram.

Todas as empresas de carne bovina, bancos e auditores apresentados no relatório foram procurados para comentários (consulte as notas ao editor abaixo).

Leia a íntegra do relatório da Global Witness clicando aqui.

 

Dados oficiais sobre focos de incêndio e rebanho bovino desmentem a falácia do “boi bombeiro” no Pantanal

boi

Enterrando de vez a falácia do “Boi Bombeiro” reiteradamente usada pelos ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente?)  Thereza Cristina (Agricultura) para se eximir da destruição em curso no bioma Pantanal, o  gráfico abaixo mostra que cada ponto azul representa um município e o número de cabeças de gado obtidos pelo IBGE e o número de focos de calor do Monitoramento de Queimadas fornecido pelo Inpe  no respectivo município).

fogo gado

A conclusão da observação deste gráfico é  que existe uma relação direta entre o aumento do número de focos de incêndio e o tamanho do rebanho bovino no Pantal, onde quanto maior o rebanho, maior será o número de focos de calor, e não o contrário.

Assim, qualquer tentativa do governo Bolsonaro de se eximir das responsabilidades da pecuária extensiva em relação à destruição do bioma Pantanal deve ser ignorado, pois não passa de mais uma “fake news” bolsonarista.

Novas queimadas na floresta detectadas antes do Dia da Amazônia alcançam número assustador

Números alarmantes de novas queimadas foram detectadas na Amazônia brasileira, aponta a Anistia Internacional. As autoridades públicas seguem omissas na proteção da terra e dos direitos humanos dos povos da floresta amazônica.

amazon-1

Antes do Dia da Amazônia, celebrado neste 5 de setembro, cerca de 63 mil focos de incêndios foram identificados este ano, até 31 de agosto, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O Exército brasileiro está posicionado na Amazônia, desde maio, ostensivamente para combater o desmatamento e os incêndios ilegais.

A Anistia Internacional também destacou que o desmatamento aumentou em 43,5% entre agosto de 2019 e julho de 2020, comparado com o mesmo período de 2018 a 2019, destruindo um total de 9.205 km² de floresta. A destruição recente pode, na realidade, ser muito maior, depois que os dados forem corrigidos para levar em conta um erro de satélite que afetou a captura de alguns focos de incêndio desde 16 de agosto.

“Com os incêndios novamente se multiplicando rapidamente nesta estação de queimadas, está mais do que claro que as forças armadas brasileiras não possuem a experiência ou habilidade técnica necessária para barrar a ação daqueles que ateiam fogo na floresta e promovem invasões ilegais de terras protegidas”, disse Richard Pearshouse, diretor de Meio Ambiente e Crises da Anistia Internacional.

Richard continua: “O envio de forças do Exército encobre a estratégia do governo brasileiro de intencionalmente enfraquecer a capacidade operacional de seus próprios órgãos ambientais, com a finalidade de abrir a Amazônia para a exploração comercial”.

“O governo deveria devolver o controle da fiscalização ambiental e implementação das leis ambientais às autoridades civis apropriadas. A única maneira de proteger a maior floresta tropical do mundo é o governo demonstrar apoio político inequívoco à proteção ambiental civil na Amazônia, começando por restabelecer as verbas e outros recursos e apoiar as agências governamentais para que implementem a legislação ambiental”, explica ele. 

Ao todo 74% dos focos de incêndios detectados pelo INPE foram registrados depois do governo brasileiro ter proibido queimadas, em meados de julho de 2020. Os incêndios muitas vezes são iniciados intencionalmente por grileiros, indivíduos que desmatam áreas de floresta e invadem as terras para convertê-las, posteriormente, em pastagem. Essa atividade ilegal sustenta a multibilionária indústria pecuarista brasileira.

Imagens de satélite captadas nos últimos dois meses também revelaram a existência de novos incêndios nas três áreas protegidas que a Anistia Internacional visitou recentemente no Estado de Rondônia: o território indígena Uru-Eu-Wau-Wau e as reservas extrativistas do Rio Jacy-Paraná e Rio Ouro Preto.

Fazendas de gado ilegais alimentam a destruição da Amazônia

A pecuária bovina é o principal fator causador das invasões e ocupações ilegais de terras em reservas extrativistas e territórios indígenas da Amazônia brasileira, alimentando o desmatamento e pisoteando os direitos dos povos indígenas e moradores tradicionais dessas áreas.

A região amazônica é palco do maior crescimento da lucrativa indústria pecuarista no Brasil. Desde 1988, o número de gado criado na região quase quadruplicou, chegando a 86 milhões de animais em 2018, ou seja, 40% do rebanho nacional total. Parte dessa expansão vem destruindo grandes áreas de floresta protegida em territórios indígenas e reservas extrativistas.

Ao todo 63% da área desmatada entre 1988 e 2014 tornou-se pastagem de gado – uma área cinco vezes maior que a superfície de Portugal. A Anistia Internacional documentou esse processo em detalhes em um relatório publicado , em novembro de 2019.

De acordo com dados governamentais, os territórios indígenas da Amazônia brasileira perderam 497km² de floresta entre agosto de 2018 e julho de 2019 – um aumento de 91% em relação ao período correspondente de um ano antes.

Gado criado ilegalmente em áreas protegidas é encontrado na cadeia de fornecimento da JBS

Em investigação recente , a Anistia Internacional constatou que gado criado ilegalmente em áreas protegidas da Amazônia brasileira foi identificado na cadeia de fornecimento da JBS, a maior empresa de processamento de carnes.

A Anistia Internacional não encontrou evidências que indicassem envolvimento direto da JBS com violações dos direitos humanos, mas a organização está pedindo à JBS que implemente um sistema de fiscalização efetivo, incluindo de seus fornecedores indiretos, até o final de 2020, para assegurar que nenhum bovino criado ilegalmente em áreas protegidas ingresse em sua cadeia de fornecimento.

A Anistia Internacional lançou uma petição online, “Diga não ao gado criado ilegalmente na Amazônia”, que pode ser assinada aqui.

Sobre a Anistia Internacional

A Anistia Internacional é um movimento global de mais de 7 milhões de pessoas que encaram a injustiça como algo pessoal. A organização realiza campanhas para que direitos humanos internacionalmente reconhecidos sejam respeitados e protegidos no Brasil e no mundo. Criada em 1961, pelo advogado britânico Peter Benenson, teve sua sede inaugurada no Brasil em 2012.