Dois ângulos da destruição da Praia do Açu

Estive na tarde desta sábado em uma nova visita á Praia do Açu e o que vi realmente foi chocante, mesmo para quem vem estudando o processo nos últimos anos. É que além da destruição completa da Avenida Atlântica, pude ainda ver o risco em que muitas construções, inclusive uma igreja, se encontram  neste momento de ter o mesmo destino da avenida.

Como imagens valem mais do que mil palavras, escolhi dois ângulos da seção da Praia do Açu que venho acompanhando para comparar a situação em duas datas do ano de 2015, e os resultados são mostrados abaixo.

12052015

Sentido Lagoa do Açu para final da Avenida Atlântica – 12/05

26092015

Sentido Lagoa do Açu para o final da Avenida Atlântica – 26/09

praia 1

Sentido final da Avenida Atlântica para Lagoa do Açu – 12/05

IMG_5899

Sentido final da Avenida Atlântica para Lagoa do Açu – 12/05

Ainda que existem pequenas diferenças de ângulos, a diferença visual deixa claro que uma grande quantidade de areia foi removida da Praia do Açu.  Aliás, conversando com moradores da Praia do Açu durante essa visita, me foi narrado que no recente episódio que destruiu a Avenida Atlântica, a principal sensação que acometeu todos que foram ver a ação do mar foi de completo abandono. 

Diante do cenário que se devela nas imagens acima, outra sensação que captei entre os moradores foi de que as soluções estão sendo proteladas para que ninguém seja responsabilizado pelo já foi destruído. É que, segundo este raciocínio, a completa destruição da Barra do Açu vai acabar justificando a omissão por parte de quem tem a responsabilidade pela situação. Pensando bem, não posso culpar os moradores por pensarem assim. É que até onde eu saiba, a Natureza continua sendo apontada como a única culpada pela destruição. Pobre natureza: tão judiada e tão difamada.

Erosão na Praia do Açu: leitor recomenda uso de ferramenta do Google Earth para encerrar controvérsia

Praia do Açu 4

O processo erosivo que hoje corrói a Praia do Açu tem sido motivo de inúmeras contribuições de leitores deste blog que tentam me auxiliar a mostrar a relação direta que a construção do Porto do Açu tem sobre esse fenômeno.

Pois bem, um leitor me enviou as imagens abaixo tiradas de uma série histórica do Google Earth que mostram dois momentos na entrada do Canal de Navegação do Porto do Açu: a primeira com uma imagem produzida em 11/08/2013, e a segunda com uma que foi produzida no dia 10 de Setembro de 2014. Além disso, o leitor me sugeriu que medisse o aumento da faixa de areia em um dos “molhes internos”, coisa que acabei fazendo com outra ferramenta do próprio Google Earth. 

Vejamos então o resultado!

Molhes 20052013

Imagem do dia 11/08/2013, com marcação de uma estrada interna, e com a faixa de areia com extensão de 60 metros.

Molhes 2014

Imagem do dia 10/09/2014, com a mesma marcação da estrada interna, e com a faixa de areia com extensão de 230 metros.

Há que se ressaltar que a principal modificação na porção assinalada da imagem foi exatamente a inserção de uma quebra mar para proteger a porção norte da entrada do Canal de Navegação do Porto do Açu. 

Agora, até uma pessoa leiga no tópico de deposição e remoção de sedimentos praiais vai fazer a conta que fecha a equação. É que se tem areia acumulando no entorno dos quebra mares, há uma forte chance de que seja o mesmo material que está faltando na Praia do Açu.

Agora, a pergunta que poderá valer vários milhões de dólares. Se com o simples uso de uma ferramenta de domínio público, podemos detectar o aumento da faixa de praia no entorno dos quebra-mares do Porto do Açu, por que é nos seus comunicados oficiais, a Prumo Logística Global ainda teima em negar o óbvio? Como não lhe devem técnicos capacitados ou advogados altamente especializados em direito ambiental, a ausência de respostas práticas para conter erosão não é por falta de expertise.

Finalmente, eu fico me perguntando por que não ouvimos ainda manifestações da Secretaria Municipal de Ambiente de São João da Barra ou do Instituto Estadual do Ambiente sobre o que uma simples análise temporal de imagens disponíveis no Google Earth torna aquele tipo de óbvio que Nelson Rodrigues rotulava de “ululante”? Como também aqui não é por falta de expertise, a resposta deve estar em outro departamento.

Enquanto isso, a população trabalhadora da Barra do Açu permanece sobressaltada e, pior, relegada ao abandono completo por parte das autoridades e, como não, da Prumo Logística Global.

Erosão na Praia do Açu: as previsões confirmadas do Rima do estaleiro da OSX

Recebi a arte abaixo de um leitor e colaborador deste blog que possui um profundo conhecimento do processo erosivo que hoje consome a área litorânea ao sul do Terminal 2 do Porto do Açu. Uma coisa que salta aos olhos neste artefato é a confirmação das previsões que constam do Relatório de Impacto Ambiental (Rima) que foi preparado para que a OS(X) obtivesse as licenças ambientais necessárias para a construção do seu estaleiro no interior do Complexo Industrial Portuário do Açu!

Trecho do RIMA - Explicação da Erosão

Como o que a imagem mostra é, para mim, o que de fato está ocorrendo, realmente é de se lamentar que estejamos presenciando a negação do óbvio em relação ao processo erosivo em curso na Praia do Açu. É que se as medidas necessárias para conter o processo erosivo tivessem sido tomadas quando os primeiros sinais apareceram, não estaríamos hoje colocados num cenário tão preocupante, especialmente para os moradores da Barra do Açu.

Agora o que poderia ter saído mais barato, quase certamente sairá mais caro. Simples assim!

E, sim, continuo aguardando o momento que os responsáveis pelo oferecimento de respostas práticas sairão da negação do óbvio para a ação.

Erosão na Praia do Açu: Folha da Manhã produz matéria de página inteira, mas Prumo continua a negar o óbvio

FM Açu capa

A edição deste domingo (20/09) do jornal Folha da Manha traz em manchete e matéria que ocupa a totalidade da página 5 onde é tratado de forma bastante abrangente a situação criada pelo avanço da erosão na Praia do Açu. Justiça seja feita, a matéria aborda vários aspectos cruciais do problema que angustia centenas de famílias que residem na localidade da Barra do Açu.

Lamentavelmente em nota, a Prumo Logística Global, atual gestora do Porto do Açu, persiste no padrão já conhecido que embola a negação de responsabilidades pela agudização do fenômeno com a suposta preparação de um estudo complementar que visaria em tese “a proteção da linha de costa na localidade afetada pelo avanço do mar”.

É interessante notar que a nota do Prumo Logística enfatiza a participação do Prof. Paulo Rosman, reconhecidamente “uma das maiores autoridades técnicas em engenharia costeira no país” na preparação deste estudo.

Pois bem, como a linha oficial para ser a da continuidade da negação em relação à contribuição dos terminais 1 e 2 e do Canal de Navegação do Porto do Açu no aprisionamento dos sedimentos que estão faltando na Praia do Açu, sugiro aos leitores deste blog (sejam eles membros da população ou das agências de governo responsáveis por aplicação da legislação ambiental) que assistam o vídeo abaixo que mostra uma matéria levado ao ar pelo “Fantástico” da Rede Globo no 22 de Agosto de 2010. É que ali o Prof. Rosman parece dar uma opinião técnica que confirma diretamente a impressão da população da Barra do Açu (mais precisamente a partir dos 5:20!)

E como o Prof, Rosman é o expert citado pela Prumo Logística em seu informe, melhor opinião sobre o assunto não há. Ou há?

TV Terceira Via faz matéria sobre erosão na Praia do Açu

paralelepípedos

A TV Terceira Via produziu uma matéria com um conteúdo que considero interessante sobre o avanço do processo erosivo que está consumindo a Praia do Açu, e hoje ameaça a localidade da Barra do Açu que ficam na área de influência direta do Porto do Açu.

Insisto que um aspecto que me causa estranheza total é a insistência da negação causal entre a construção do Canal de Navegação e do Terminal 2 do Porto do Açu no processo de desequilíbrio ambiental que hoje causa grave preocupação na comunidade da Barra do Açu.

Abaixo segue o vídeo que mostra a matéria. Mais do que assistir, é importante divulgar principalmente o testemunho dos moradores que hoje assistem com grande preocupação a aproximação do fenômeno que ameaça consumir suas residências e estabelecimentos comerciais.

E, sim, continuo esperando a implementação das ações que visem mitigar o processo de erosão. Com a palavra o INEA e a Prumo Logística Global.

Jornal Terceira Via informa sobre primeiras interdições de residências e estabelecimentos comerciais na Praia do Açu

praia do açu 3

A matéria abaixo foi produzida ontem pelo Jornal Terceira Via e seu elementos mais importante é mostrar que chegamos a uma nova fase no processo erosivo na Praia do Açu que é a da interdição de residências e estabelecimentos comerciais como, aliás, eu já havia anunciado que ocorreria. Não é preciso muito cálculo científico para se chegar à conclusão de que isso ocorreria. Eu só estou surpreso com a velocidade com que chegamos a essa nova fase.

A pérola desta matéria ficou por conta do coordenador da Defesa Civil que sugeriu que a erosão na Barra do Açu é irreversível. O fato é que essa situação possui causas razoavelmente estabelecidas e existem sim opções para conter ou mesmo reverter o avanço da erosão. Agora, não vai ser com propostas pífias de colocar os moradores da localidade para se transferirem para abrigos públicos que vai se chegar à soluções que sejam justas para quem está ameaçado de perder tudo.  Aliás, eu me pergunto sobre o local onde fica o tal abrigo mencionado pelo coordenador da Defesa Civil.

De toda forma, o que realmente interessa e ainda não vejo sinais de que vai ocorrer é a tomada de responsabilidade por parte dos entes públicos (Prefeitura de São João da Barra, Inea, Ibama) e a Prumo Logística Global para que sejam iniciadas as obras de engenharia que são necessárias para conter o avanço da erosão. Simples, mas aparentemente elusivo.

Erosão no Açu se agrava e casas são interditadas

A energia elétrica ainda precisou ser cortada na Avenida Atlântica nesta terça-feira (14)

AÇU

Três casas precisaram ser interditadas e um poste de energia foi removido (Foto leitor)

A situação da população que reside em Barra do Açu ficou ainda mais complicada no último final de semana. As chuvas e a ressaca, típicas desta época do ano, fizeram com que o mar avançasse ainda mais. A Avenida Atlântica agora já faz parte da faixa de areia da praia e três residências com estabelecimentos comerciais tiveram que ser interditadas pela Defesa Civil na segunda-feira (14). Nesta terça, a concessionária Ampla cortou o abastecimento de energia elétrica desses imóveis porque o poste que abriga a fiação está perto de ser tomado pelo mar.

Na última semana, a reportagem do jornal Terceira Via esteve na localidade, que pertence o município de São João da Barra, e conversou com os moradores. Na ocasião, o mar já estava mais próximo das casas e a principal avenida também estava tomada pela areia, mas ainda era possível caminhar pelo local. No sábado (12), com a intensidade da chuva, a situação se agravou: o mar avançou cerca de dez metros e o paredão de areia que foi formado começou a erodir.

A Defesa Civil de SJB esteve no local na segunda-feira, interditou as residências e as vias de acesso, colocou placas de sinalização e orientou os moradores da área a saírem dos imóveis. Eles seriam levados para um abrigo da prefeitura na sede do município até que agentes do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) fizesse a análise dos perfis daquelas famílias e as enquadrasse no Aluguel Social. No entanto, nenhum dos moradores aceitou a medida.

“Eles preferiram permanecer nas casas, mesmo sabendo do risco que correm. Nós até entendemos o receio que eles têm de abandonar seus imóveis, mas é importante lembrar que a erosão do mar em Barra do Açu é irreversível. Estamos prestando assistência, dando suporte e vamos tomar todas as providências necessárias para evitar que o pior aconteça, mas os moradores precisam colaborar”, destacou o coordenador de Defesa Civil, Adriano Assis. Segundo ele, as famílias que tiveram suas casas interditadas assinaram um termo de responsabilidade.

Paulo César Ribeiro de Almeida, de 58 anos, foi ouvido pela reportagem do Terceira Via na semana passada e nesta terça-feira (15) foi novamente procurado. A casa em que ele reside foi interditada, mas o morador não concorda com a saída emergencial. “Eu não vou ficar em abrigo e nem em casa paga pela prefeitura. Eu construí essa casa e só sairei daqui quando eu puder construir outra que seja realmente minha. Estamos muito apreensivos, mas vamos resistir enquanto for possível”, disse.

O coordenador da Defesa Civil orientou à população e os visitantes da localidade a respeitarem a sinalização colocada na praia. Ele acrescenta que a ressaca deve terminar até o final desta semana, mas qualquer ocorrência pode ser comunicada por meio do telefone 199.

FONTE: http://www.jornalterceiravia.com.br/noticias/campos_dos_goytacazes/75116/erosao-no-acu-se-agrava-e-casas-sao-interditadas…#prettyPhoto

Erosão na Praia do Açu: um ano depois, Prefeitura se resume a “pescar” paralelepípedos no mar

Venho acompanhando de perto o avanço da erosão na Praia do Açu desde o final de 2013 quando o fenômeno começou a se agravar. Desde então, venho fotografando a área regularmente. Confesso que apesar de ter previsto, a velocidade do fenômeno tem me surpreendido.

Vejamos a foto abaixo que eu tirei no dia 06 de setembro de 2014.

IMG_0751

Imagem do dia 06/09/2014 mostrando ainda a presença de trecho intacto da Avenida Atlântica e a rede de eletricidade.

Agora, comparemos o mesmo ponto na manhã desta 3a. feira (15/09) para ver como a situação mudou drasticamente em exatos 374 dias.

paralelepípedos

Imagem mostrando o mesmo ponto da Praia do Açu no dia 15/09/2015 já sem a presença da Avenida Atlântica.

Neste período, o que tivemos em termos da tomada de responsabilidades por parte dos governos estadual e municipal, bem como da Prumo Logística Global pode ser sintetizado na ação de servidores da Prefeitura Municipal de São João da Barra para “salvar” os paralelepípedos que cobriam o que um dia foi a Avenida Atlântica. 

Agora, qual será a próxima ação dos responsáveis? Recolher os entulhos em que vão se transformar as edificações que já deveriam ter sido protegidas e agora vão enfrentar o mesmo destino da Avenida Atlântico? E ainda tem gente que tem coragem de chamar esse processo todo de “desenvolvimento”. 

Avanço da erosão cria situação de caos na Praia do Açu

praia do açu antes

Vista panorâmica da Praia do Açu antes da construção do Porto do Açu, Seta indica área mostrada nas imagens do dia de hoje que estão no final desta postagem.

O caos anunciado desde o início de 2014 está se materializando rapidamente na Praia do Açu nos últimos dias de maré alta e ventos fortes. Como poderá ser observado nas várias imagens que recebi de moradores da Praia do Açu, o pouco que restava da faixa da Avenida Atlântica já foi tragado pelo mar, e agora a frente erosiva já está próxima das primeiras residências que existem na área.

Como não poderia deixar de ser, os informes que estou recebendo dão conta que os moradores estão vivendo momentos extremamente tensos, pois muitos depositou anos de trabalho em estruturas residências e comerciais que agora correm o perigo de serem simplesmente destroçadas pelo avanço do mar.

E o mais intrigante é que este processo erosivo é de conhecimento da Prefeitura de São João da Barra, da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Rio de Janeiro (Codin), do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e da Prumo Logística Global que é a atual gestora do Porto do Açu, empreendimento ao qual este processo erosivo está ligado por um Relatório de impacto Ambiental (Rima) que foi produzido para que fossem emitidas as licenças ambientais necessárias para a construção da unidade de Construção Naval (UCN) da OS(X) e do Canal de Navegação do Porto do Açu.

Assim, toda a inércia e o jogo de empurra que ocorreu desde que o problema foi detectado inicialmente é inaceitável. Agora que a queda das primeiras casas é uma questão de tempo, não será de se estranhar que a situação se transfira das esferas da blogosfera e da mídia corporativa para a da justiça. É que certamente os moradores da Barra do Açu não vão assistir inertes à destruição do seu patrimônio. E nunca é demais dizer que não chegamos a este ponto por falta de avisos!

Mas como imagens valem mais que mil palavras, posto abaixo algumas das imagens que me chegaram hoje.praia do açu 1 praia do açu 3 Praia do Açu 4 Praia do Açu 5 Praia do Açu 6 Praia do Açu 7 Praia do Açu 8 praia do açu

 

Erosão na Praia do Açu: moradores entregam nova denúncia no MPF

IMG_5492

Cansados de esperar por respostas objetivas para conter o avanço do mar, um grupo de moradores da Praia do Açu organizou um abaixo assinado e o protocolou, acompanhado de relatórios técnicos e imagens de satélite, no Ministério Público Federal em Campos dos Goytacazes como mostra a imagem abaixo.

denuncia mpf

Essa demonstração de ação organizada da comunidade da Barra do Açu vem colocar mais pressão sobre a Prumo Logística e o (des) governo do Rio de Janeiro que já se encontram envolvidos no conflito agrário gerado pelo escabroso processo de desapropriação de terras no V Distrito de São João da Barra cujo capítulo mais recente foi a ocupação de diversas propriedades desapropriadas cujos donos ainda não foram ressarcidos pela perda de suas terras.

Além disso, há que se lembrar que o Ministério Público Federal em Campos dos Goytacazes já possui um inquérito relativo ao processo de erosão na Praia do Açu. Assim, esta entrega de documentos pela comunidade atingida pelo avanço do mar na Praia do Açu poderá ter sérias repercussões num futuro não muito distante.

Mas, como em outros casos relativos ao processo de implantação do Porto do Açu, o que está na gênese de todos estes conflitos é a falta de disposição por parte do Estado e das corporações privadas de oferecerem soluções práticas para os problemas que surgiram em diversas frentes.  E novamente não foi por falta de aviso que estamos chegando a esta situação de impasse.

Agora, uma coisa é certa. Não vai ser com meros discursos em palanques que vai se acalmar a demanda por reparações que estão surgindo na população do V Distrito. E quanto mais cedo se oferecerem respostas efetivas, menos dinheiro terá de ser gasto. Simples assim!

Erosão na Praia do Açu: prefeito Neco está preso entre as explicações e as promessas

IMG_5442

O vídeo abaixo mostra o prefeito de São João da Barra, o Sr. José Amaro Martins de Souza (Neco) do PMDB, dando explicações durante um evento comemorativo do dia 7 de setembro na localidade da Barra do Açu que se encontra ameaçada pelo processo erosivo em curso na sua faixa de praia. As declarações que aparecem no vídeo são importantes porque são as primeiras que sei terem sido feito diretamente à população daquela localidade.

Agora, o discurso que misturou explicações tardias com promessas imprecisas, levanta algumas questões importantes.  As que eu consegui identificar foram as seguintes:

1. Quem pagou pelo  estudo que o prefeito Neco afirmou que está sendo realizado e que será apresentado brevemente em audiência pública  à população da Praia do Açu?
2 –  Quem vai pagar pelas obras que deverão criar estruturas de proteção para a Praia do Açu? Se depender de recursos governamentais (municipal, Estadual ou Federal) a situação ficará ainda pior, dada a profunda crise financeira por que passam os diferentes níveis de governo. Isso quer dizer que a Prumo Logística vai assumir essa responsabilidade?;
3 – O prefeito Neco afirmou que é preciso fazer estudos até da areia que será colocada na Praia do Açu. Eu acho isso estranho, pois basta que se lembre que a areia que estava na Praia do Açu atualmente está depositada junto ao quebra-mar Sul do Terminal 2 (T2) do Porto do Açu, e  só seria preciso que se transportasse de volta para se começar a resolver o problema.
4 – Será que as licenças ambientais a serem emitidas pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea) para a recuperação da Praia do Açu vão sair de forma tão rápida quanto as que liberaram a construção da Canal de Navegação e do Terminal 2 que, afinal, são os prováveis causadores da destruição em curso?
 
Uma coisa que me parece importante lembrar ao prefeito Neco e seus secretários é que os aplausos que foram ouvidos ao final de sua fala poderão se transformar em vaias caso as obras prometidas não ocorram antes que as primeiras casas comecem a ser devoradas pelo mar na Praia do Açu.  E vaias certamente serão traduzidas em negação de renovação de mandato em 2016.  E há que se lembrar que não se chegou a esta situação por falta de aviso. Simples assim!