Professores portugueses entregam em greve contra a precarização da sua profissão

professores

Desde ontem entrei em contato direto com a capacidade de mobilização dos sindicatos portugueses.  O primeiro encontro foi no dia ontem e se deu em função da greve dos ferroviários que decidiram realizar um movimento paredista para exigir a contratação de mais trabalhadores para atender a malha ferroviária portuguesa.  O segundo encontro está sendo hoje com a greve por tempo determinado dos professores das escolas públicas que realizam um movimento para exigir a contagem correta do seu tempo de serviço que foi congelado durante os anos de reinado dos governos controlados pela Troika,  mudanças nos horários de trabalho e no tempo de trabalho para aposentadorias [1].

Um detalhe importante sobre a situação do número de professores nas escolas portugueses é que durante os 9 anos de governos associados à Troika, o número de servidores desta área diminui, e a situação não alterada após a entrada no governo da chamada “Geringonça” que removeu o governo ultraneoliberal comandado por Pedro Passos do Partido Social Democrático (PSD) (ver figura abaixo). Nesse sentido,  pauta da greve dos professores representa um desafio para os membros da aliança de esquerda que governa Portugual neste momento. 

professores portugal

Agora uma coisa interessante é que em ambas as greves, a cobertura que os jornais portugueses estão dando seria vista como de esquerda no Brasil polarizado pela atual campanha eleitoral onde o deputado federal Jair Bolsonaro já apontou que seria favorável à implantação do ensino à distância desde o ensino básico.

Já a população portuguesa parece aceitar as greves como algo inerente ao  funcionamento da sua democracia. Algo que os coxinhas brasileiros que estão por aqui devem estar estranhando bastante.


[1] https://observador.pt/2018/09/19/professores-marcam-nova-greve-para-outubro/

A Uenf e sua insustentável aparência de rotina retomada

uenf 1
Às vésperas de completar um mês do retorno às aulas na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), já se pode ver que a rotina que muitos anseiam por ter está restabelecida, ao menos na superfície. Há aquele característico ir e vir de estudantes e professores por corredores mal iluminados, entrando e saindo de salas de aula em que o calor insuportável é uma das marcas principais, junto com a falta de ventiladores, é claro. Ah, sim, e no meu caso há também a verificação de que todo o clamor por aulas não se traduziu em frequência nas mesmas após sua retomada.
Por outro lado, as juras feitas por grupos de professores e estudantes desafetos do movimento de greve parecem ter tomado um rumo ignorado, tal qual um pistoleiro solitário rumando em direção do pôr-do-sol num daqueles filmes de western que fizeram a gloria de John Wayne e Edward Dew. Fica evidente que todo o ruído feito era simplesmente para o restabelecimento da rotina, a qual mesmo tendo sido precariamente obtida, já é suficiente para que se esqueçam as promessas de mobilização e resistência.
Aliás, a única coisa nova nessas 3 semanas de aula foi a ocorrência de uma campanha de denúncia de ocorrência de assédios moral e sexual contra estudantes por parte do autodenominado Coletivo Uenfiano de Mulheres. Mas mesmo essa campanha não motivou nenhum esforço mais sério de reflexão sobre o estado de coisas dentro da Uenf.
Mas afinal qual é o estado atual da Uenf? Para quem não sabe, até hoje a espetaculosa vitória (de Pirro) obtida na chamada PEC 47 não garantiu ainda o aporte de recursos financeiros que permitam à universidade voltar a funcionar com um mínimo de normalidade. Restou aos professores que ainda não viram a cor do seu 13º. salário de 2017 voltarem a colocar a mão no bolso para bancar pequenos consertos e compras de materiais essenciais para suas atividades profissionais. Em outras palavras, os professores da Uenf, cansados de guerra ou não, voltaram a usar seus salários como único mecanismo de financiamento de atividades básicas, repetindo uma rotina que tornou marca registrada a partir de 2015 quando o (des) governo Pezão iniciou seu processo deliberado de asfixia financeira de uma das melhores universidades brasileiras.
Como não há qualquer garantia que os salários não voltarão a atrasar ao longo de 2018, a Uenf hoje está sentada (ou assentada) sobre uma bomba relógio. É que se os atrasos voltarem, mesmo que a greve não retorne, mesmo a precária estabilidade existente não será mantida.
Interessante notar que agora que a Uenf não é mais palco de uma greve, aqueles veículos de mídia que ganharam agrados do (des) governo Pezão para achincalhar a greve de professores e servidores sem salários perderam completamente o interesse em cobrir o cotidiano da universidade. É que certamente não há interesse em se noticiar como a sabotagem feita pelo (des) governo Pezão causa prejuízos quase irreparáveis ao tripé ensino-pesquisa-extensão e, por consequência, na capacidade da Uenf de responder aos múltiplos desafios colocados pela atual conjuntura política e econômica, especialmente no município de Campos dos Goytacazes.
A mim resta a certeza de que o processo de insurgência contra o desmonte da Uenf que foi sintetizado pela greve de 6 meses serviu para criar um caldo de cultura que servirá para os inevitáveis que ainda ocorrerão em 2018. É que se dependêssemos das juras de amor dos inimigos das greves, a coisa já estaria perdida.
Finamente, que ninguém se iluda com os festejos oficiais de 25 anos que estão sendo promovidos pela reitoria da Uenf. É que não há qualquer motivo para festejar seja o que for neste momento. Nosso tempo e energia serão melhor gastos se forem utilizados para organizar a defesa da Uenf contra os seus muitos inimigos.

Justiça suspende demissões da Universidade Metodista de São Paulo

Justiça suspende demissão de professores da Universidade Metodista de São Paulo

Ação do Sindicato dos Professores do ABC – Sinpro ABC foi acatada parcialmente

A 8ª Vara do Trabalho de São Bernardo do Campo deferiu, nesta terça-feira (09/01), parecer parcialmente favorável à Ação Civil Pública com pedido de liminar proposta pelo Sindicato dos Professores de Santo André (Sinpro ABC), suspendendo a dispensa dos empregados, nos moldes em que esta era procedida. 66 docentes (50 do ensino superior e 16 da educação básica) haviam sido demitidos, até a data da distribuição da ação.

A ação do Sinpro ABC solicitava a suspensão das demissões e de possíveis novas dispensas; readmissão dos professores demitidos; pagamento dos vencimentos atrasados; abstenção de novas demissões coletivas; e informação nominal de possíveis novos demitidos e as razões dos motivos do desligamento.

Na decisão, a juíza Dra. Valéria Pedroso de Moraes deu como suspensas as demissões, solicitando que, em um prazo de cinco dias, a mantenedora da instituição informe nominalmente ao Juízo o nome dos professores demitidos, além daqueles que podem ser futuramente dispensados, inclusive esclarecendo o motive de cada uma das demissões. Também fica estipulada multa de 10 mil reais por profissional a partir de agora dispensado, a impossibilidade de novas demissões coletivas sem prévio aviso e negociação com o sindicato da categoria.

A conclusão do parecer da juíza pode ser acessada, na íntegra, neste link.

Contexto: demissões em massa em dezembro de 2017

A Universidade Metodista de São Paulo, referência em educação na região do ABC paulista, demitiu em dezembro passado cerca de 70 professores, mestres e doutores, das três unidades localizadas na cidade de São Bernardo do Campo (SP). Dentre os cursos afetados estão a graduação e a pós-graduação (mestrado e doutorado) de Administração, Psicologia, Ciências da Religião e Comunicação, um dos mais atingidos pelas mudanças.

“Muitos alunos estão perdendo seus orientadores, provocando insegurança na comunidade acadêmica devido à dimensão do problema que a universidade vem passando. No mestrado em Comunicação, por exemplo, há teses a serem defendidas nos próximos meses e alunos que seriam encaminhados ao exterior por seus orientadores para cursar o doutorado. As demissões têm sido arbitrárias e não demonstram respeito por esses profissionais. Trata-se de mais um exemplo de descaso com a educação e com a produção científica no País”, afirma Carlos Ferreira, representante dos alunos da pós-graduação em Comunicação da Metodista.

O curso de pós-graduação em Comunicação Social, que faz 40 anos em 2018 e é referência em pesquisa científica na área, foi praticamente “desmontado” após as demissões. Todos os professores dispensados possuem título de doutorado e extensa produção científica. Aproximadamente 90% do corpo docente do mestrado e do doutorado em Comunicação foi demitido.

A instituição alega corte de gastos e perda de 3 mil alunos para justificar as demissões. Funcionários e docentes alegam estar recebendo os salários com atraso há meses e, em alguns casos, o FGTS não é depositado desde 2015.

Outras universidades no País passam por crises semelhantes a da Metodista de São Bernardo do Campo. No Rio de Janeiro, a Universidade Estácio já demitiu centenas de professores. Na Unimep, Universidade Metodista de Piracibaca (SP), o cenário é parecido. O Centro Universitário Sant’Anna, de São Paulo (SP), também passa por crise, prejudicando as atividades acadêmicas de de vários alunos.

Informações e fontes: Carlos Ferreira 11 94817 1999,  Renata Nascimento 11 99648-9757

As ameaças sobre a Uenf vão muito além dos que seus inimigos querem que vejamos

uenf

A Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) passa hoje por um sufoco inédito em sua história de 24 anos, fruto da política de asfixia financeira que vem sendo deliberadamente imposta pelo (des) governo Pezão. Os efeitos desse sufoco que já dura mais de 2 anos são os mais variados possíveis, mas permanecem invisíveis para a maioria das pessoas que não vivenciam o seu cotidiano. Aliás, arrisco a dizer que nem para um número significativo de pessoas que experimentam os efeitos da política de extermínio impetrada por Luiz Fernando Pezão, as condições críticas que estão afetando o funcionamento da Uenf ficam suficientemente claras.

Apenas à guisa de rápidos exemplos, posso mencionar o fato de que se alguém quiser se comunicar via telefone dentro do campus Leonel Brizola, essa pessoa terá que usar seu próprio aparelho. É que após um defeito catastrófico, a central telefônica parou de funcionar e depois de mais um mês, não há qualquer sinal de que será consertada.  Mas se não há telefone, há sempre a via da comunicação via internet, certo? Errado! É que também a rede interna está funcionando a passo de tartaruga (de pata quebrada, grifo meu) e usar a internet se tornou um exercício de completa paciência. Já está ruim o suficiente? Tentemos verificar como andam o processo de manutenção de aparelhos milionários que seguram pesquisas de ponta. Aí se verificará que a cada dia que passa, uma dessas máquinas é desligada porque foi atingida por algum defeito banal, mas que inviabiliza a sua operação e, por consequência, o andamento de alguma pesquisa importante. Não bastasse essas dificuldades operacionais, quase todos os dias se detectam roubos de equipamentos e atos de vandalismo que comprometem a infraestrutura. Nem as tampas de bueiro escapam disso, visto que os ladrões já verificaram que é só entrar e pegar o que quiserem, já que inexiste qualquer tipo de estrutura de segurança que possa proteger o patrimônio público da Uenf.

Em suma, se somarmos os três exemplos básicos acima, podemos dizer sem medo de errar que a Uenf está sendo lentamente levada à insolvência. E isso, friso, faz parte de um projeto deliberado de destruição da condição de instituição pública e gratuita voltada para a formação de capital social e criadora de conhecimento estratégica que sintetiza a existência da Uenf desde a sua fundação em 1993.

Então por que toda a narrativa oficial que envolve a Uenf reduz os seus problemas se reduz à culpar a greve dos professores pela alteração da normalidade institucional? Isso se deve por uma combinação de esforços dos inimigos internos e externos da Uenf que espertamente isolam a greve dos professores (esquecendo, inclusive, que os servidores técnicos também estão realizando o mesmo tipo de movimento) do contexto em que ela se dá, de forma a pressionar os docentes para que continuem trabalhando sem que seus salários sejam pagos. Essa é uma tática esperta que tenta colocar a culpa em quem resiste contra o desmanche em curso.  De quebra, se paralisa toda a reação que deveria estar sendo feita para pressionar o (des) governo Pezão para que encerre o cerco financeiro que tem feito contra a Uenf.

Em meio a essa conjuntura, outro elemento que complica toda a situação é o inevitável sentimento de desânimo que se abate sobre quem está acumulando dívidas pessoais, enquanto tenta manter algum tipo de normalidade nas atividades que vão além do oferecimento de aulas. É que até recentemente eram os salários dos docentes que estavam suprindo a ausência das verbas negadas pelo (des) governo Pezão. Agora com o confisco salarial que já alcança novamente quase 4 meses, muito professores estão tendo que se preocupar com coisas mais essenciais como o pagamento da escola de seus filhos, o plano de saúde e a mensalidades de seus empréstimos da casa própria e por ai vai.  Arrisco-me ainda a dizer que brevemente assistiremos ao início de um êxodo de profissionais de determinadas áreas em direção ao exterior. Essa fuga de cérebros está se tornando quase inevitável a cada dia que passa frente ao cerco montado por uma combinação de ações entre os (des) governos de Michel Temer e Luiz Fernando Pezão e deverá atingir áreas estratégicas dentro da Uenf e de muitas outras universidades brasileiras.

Se alguém me perguntar se há uma fórmula que possa impedir o assassinato de uma jovem instituição como a Uenf, eu responderia que na vida só não há saída para a morte. Entretanto, não me parece que haja uma saída fácil que possa magicamente nos retornar rapidamente a uma situação de conforto. É que os inimigos das universidades públicas são numerosos e, neste momento, estão com as rédeas do processo nas mãos.  Dito isso, para que seja possível começar a formular estratégias de saída, há primeiro que se reconhecer a complexidade do problema e suas múltiplas facetas. Passada esta fase de reconhecimento nos restará continuar o processo de resistência em curso, de preferência com o uso de ferramentas de arregimentação de aliados que extrapolem os limites conhecidos. É que numa condição tão precária, a primeira coisa que precisaremos fazer é vencer preconceitos e buscar aliados onde eles estiverem.

Finalmente, há que ficar claro o papel que a Uenf ocupa e deve continuar ocupando para colocar o Norte Fluminense no rumo de saídas estratégicas para a dependência econômica dos royalties do petróleo.  Sem a Uenf e as demais instituições públicas de ensino superior que existem na região, o futuro continuará sendo uma mera reprodução do presente e do passado que precisamos superar.

Notícias da Aduenf: Comando de Greve dos professores divulga agenda de mobilizações

ADUENF divulga agenda de mobilizações para pressionar o governo Pezão

AGENDA DE MOBILIZAÇÃO ADUENF

A UENF é de todos: alunos, mães, crianças, pais, professores, técnicos. É da comunidade norte-fluminense. É pública, gratuita e muito bem colocada em rankings nacionais de pesquisa e ensino. Além disto realiza um trabalho exemplar na área de extensão. A greve é um instrumento de luta legítimo diante da destruição proposta por Pezão. E não se enganem, esta crise não está restrita ao Rio e suas Universidades Estaduais. Participe de nossa agenda da mobilização e sigamos defendendo a UENF.

-Dia 31 de outubro às 16 horas no cinema do Centro de Convenções – exibição do filme O Jovem Marx.

-Dia 7 de novembro – Roda de Conversa no CBB às 10 horas “A questão do financiamento público na Universidade e a falácia do sucesso americano”.

-Dia 8 de novembro: Debate no bandejão: Defender a UENF, crise e perspectivas.

-Dia 10 de novembro – Dia Nacional de Paralisações e greves.

-Dia 16 de novembro – Ciranda de Conversa na Villa às 16 horas. Tema: Modelos Universitários.

-Dia 21 de novembro – Ciclo de debates ADUENF  “Futuro da Ciência do Brasil em Risco”  Jean Remy Guimarães e Maurício Tuffani Monteiro. 

 

 

Notícias da Aduenf: comunicado sobre greve na UERJ e evento na UENF

ADUENF emite comunicado sobre a retomada da greve na UERJ e inicio de ciclo debates

COMUNICADO DO COMANDO DE GREVE

O Comando de Greve da ADUENF vem registrar a retomada do processo de greve pelos docentes da UERJ nesta 3ª. Feira (03/10). Alertamos que a retomada da greve na UERJ é resultado direto do não pagamento do salário de Agosto e da ausência das condições mínimas de funcionamento.

O Comando de Greve entende que a retomada da paralisação das atividades acadêmicas na UERJ, somada ao que também já havia ocorrido nas escolas da rede Faetec, demonstra a correção da manutenção de nosso movimento de greve.

O fato é que compartilhamos dos mesmos problemas que resultam de uma política deliberada imposto pelo governo Pezão para avançar a proposta de extingui a oferta de ensino público superior pelo estado do Rio de Janeiro.  Nesse sentido, não é acidental que estejamos sofrendo o mesmo tipo de ataques, tornando inevitável que avancemos os mesmos  instrumentos de luta. 

Lembramos a todos que na próxima segunda-feira (09/10) ocorrerá o primeiro evento do ciclo “O Futuro da UENF em debate” com a presença dos deputados estaduais Flávio Serafini e Marcelo Freixo. O Comando de Greve solicita a todos que participem deste evento, de modo a não apenas demonstrar a força política do nosso sindicato, mas também para que possamos iniciar o necessário debate sobre as formas de resistência que serão adotadas para impedir o avanço dos planos de privatização da UENF.

Campos dos Goytacazes, 03 de Outubro de 2017.

COMANDO DE GREVE DA ADUENF

FONTE: http://aduenf.blogspot.com.br/2017/10/aduenf-emite-comunicado-sobre-retomada.html

Os “detalhes” que faltaram na última matéria da Folha da Manhã sobre a greve na Uenf

A edição do jornal Folha da Manhã que circulou ontem e hoje (02/10) traz uma matéria sobre a greve em curso na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) sob o título “Alunos preocupados com a greve” [1], onde são entrevistados 3 estudantes descontentes com  o movimento. 

greve folha

Um detalhe é que essa matéria nasceu de um diálogo que mantive com um número maior de estudantes dentro de um grupo, o UENF, existente na rede social Facebo acerca do movimento.  As trocas de opinião que ali ocorreram motivaram então essa matéria.

Ao ler a matéria, verifiquei que há uma grande lacuna na forma que a mesma foi construída. É que ficaram ausentes da matéria uma análise mínima da situação dramática em que a instituição se encontra após quase 2 anos de falta de verbas de custeio (lembremos que foi em Outubro de 2015 que o (des) governo Pezão entregou essas verbas à Uenf) e o responsável por isso, o (des) governador Luiz Fernando Pezão.

É importante notar que a matéria produz uma relação falaciosa (falo aqui no sentido estatístico) entre os prejuízos na pesquisa que a greve estaria causando. A verdade é que no Canal que a Aduenf mantém no Youtube [2] existem vários depoimentos de que o processo de destruição dos projetos de pesquisa existentes na Uenf se deve ao sucateamento da Faperj pelo mesmo (des) governo Pezão, e também na crise instalada pelo governo “de facto” de Michel Temer no CNPq.

Ao relacionar a greve com prejuízos no funcionamento cotidiano e omitir o papel central do (des) governo Pezão na crise instalada nas universidades estaduais e nas escolas da Faetec, o que esta matéria faz é jogar a culpa nas vítimas enquanto deixa os culpados livres para continuarem seus ataques contra servidores e contra instituições esratégicas para que o Rio de Janeiro possa sair da crise em que foi colocado por uma mistura de corrupção, farra fiscal e incompetência administrativa.

Finalmente, há que se salientar que, ao contrário do que a matéria afirma, esta não é uma das greves mais longas que foram impostas à Uenf pelo (des) governo que é comandado pelo PMDB há mais de uma década. Mas certamente esse movimento paredista é um dos mais atacados e sabotados de todos os que participei em quase 20 anos na Uenf. Os motivos para este ataque são muitos, mas o principal parece ser o de quebrar o processo de resistência que a greve colocada em marcha contra o processo de privatização da Uenf e das demais unidades que oferecem ensino superior público gratuito.  Entender a natureza desse ataque é fundamental para que se fortaleça a resistência a esse projeto maior.

E como eu disse em muitas das minhas interações no Grupo UENF no Facebook, é preciso que se saia do processo de guerra cibernética contra os professores  e um movimento legítimo para uma pressão direta sobre o (des) governador Pezão, o real culpado pela crise instalada na Uenf.  


[1] http://www.folha1.com.br/_conteudo/2017/09/geral/1225393-alunos-preocupados-com-a-greve.html.

[2] https://www.youtube.com/channel/UC-uMY_uzGefUpoKHZ3yqBmw/videos?sort=dd&shelf_id=0&view=0