Estudo do Insper constata relação entre discurso na internet e ‘dia do fogo’ na Amazônia

Aumento da procura por termos precedeu série de incêndios em agosto de 2019

fogo
Por Insper – Assessoria de imprensa 

A drástica elevação de queimadas na Amazônia Legal, em agosto de 2019, foi precedida por um aumento de buscas na internet por termos relacionados a ataques do presidente do Brasil a nações estrangeiras que financiam a proteção da floresta tropical brasileira.

Em torno do episódio que ficou conhecido como “dia do fogo”, em 11 de agosto de 2019, na Amazônia brasileira, o pesquisador Marco Antonio Leonel Caetano indagou se a celeuma despertada por Jair Bolsonaro ao criticar Alemanha e Noruega, doadoras do Fundo Amazônia de proteção à floresta, pode ter servido de incentivo a ações incendiárias naquele período.

Variações súbitas no interesse de internautas por certos assuntos, detectadas por ferramentas como o Google Trends , têm sido exploradas na investigação acadêmica para projetar acontecimentos e comportamentos em saúde , eleições e nos mercados financeiro , de trabalho e consumidor , entre outros.

Para tanto, o professor do Insper avaliou como evoluíram as buscas no Google pelos termos “Alemanha”, “Noruega” e “fogo + Amazônia”, de um lado, e os alertas diários de novos focos de incêndio na região informados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) naquele período, do outro.

Sua pesquisa incluiu registros do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Os do primeiro mostravam a ocorrência de chuvas em Altamira e Belém, no Pará, Manaus e Lábrea, no Amazonas, e Rio Branco, no Acre, todas cidades que fazem parte da região conhecida como Amazônia Legal. Já os do segundo se referiam ao orçamento do órgão e à fiscalização e punição relacionadas a incêndios ilegais.

Ao todo, os pontos de dados analisados e processados somaram mais de 3 milhões.

A fim de amortecer o peso de sazonalidades, como fenômenos climáticos, nos incêndios florestais e focalizar os ciclos da política, foram utilizadas a mediana -valor que divide as observações em duas metades iguais- e as volatilidades com o desvio padrão, que cria bandas de confianças de previsão ao longo dos anos, do quadriênio encerrado no ano de interesse, além de leituras auxiliares que permitem enxergar a dispersão dos dados.

Por esse método, o estudo constatou uma tendência de queda nos incêndios florestais na Amazônia Legal de 2010 até 2013, seguida, a partir de 2015, de um movimento de alta. Considerados apenas os meses de agosto, a mediana de queimadas no quadriênio 2016-2019 superou em 87% o que foi registrado no período 2012-2015.

O argumento da gestão Bolsonaro de que um período excepcional de seca teria contribuído para o surto de queimadas do segundo semestre de 2019 não se comprovou no estudo de Caetano. Por meio da análise de variância (Anova), técnica estatística que permite concluir se três ou mais grupos de observações diferem significativamente entre si, o pesquisador não detectou contraste entre os níveis pluviométricos do Inmet de julho e agosto ao longo dos anos de 2017, 2018 e 2019.

Outra técnica estatística, a correlação cruzada, foi empregada na pesquisa para testar a força e a dilação temporal entre as buscas na internet pelos termos de interesse e a eclosão de focos de queimada na Amazônia Legal.

Para a expressão “Alemanha”, a análise constatou correlação de 55,7% com defasagem temporal de sete dias -resultados acima de 50% indicam uma forte tendência de ligação entre os acontecimentos observados. A curva de queimadas acompanhou mais intensamente a de buscas com uma semana de atraso.

O resultado é compatível com a diferença de dias entre os ataques de Bolsonaro à Alemanha e à sua chanceler, Angela Merkel, concentrados de 2 a 9 de agosto, e o “dia do fogo” (11) -explosão de queimadas supostamente conduzidas por apoiadores do presidente brasileiro como demonstração de força. A alta de incêndios na Amazônia Legal entre os dias 4 e 11 de agosto foi de 73%.

Verificou-se correlação maior, de 72,87%, nas buscas por “Alemanha” e “Altamira+fogo+BR163”. O interesse relacionado à cidade paraense ganhou força em 3 de agosto de 2019, embora a localidade ainda não estivesse em destaque na imprensa em razão das queimadas. A procura voltaria a se intensificar nos dias 9 e 10. Apenas no dia 11 a região acumularia seu maior número de focos de incêndio.

Segundo Caetano, os dados indicam, com 95% de confiança, que a troca de palavras sobre a Alemanha e o Brasil incentivou os episódios que culminariam no “dia do fogo”.

O desaparelhamento da fiscalização na Amazônia sai reforçado do estudo como hipótese para explicar a elevação das queimadas ilegais nos últimos anos. Enquanto os focos de incêndio na região crescem desde 2015, as autuações por queimadas ilegais feitas pelo Ibama, a autoridade ambiental federal, marcham na contramão.

Sobre o Insper

O Insper é uma instituição independente e sem fins lucrativos, que busca ser referência em educação e geração de conhecimento por meio do ensino de excelência e pesquisas nas áreas de Administração, Economia, Direito, Engenharia, Políticas Públicas e Comunicação. No portfólio, cursos para várias etapas de uma trajetória profissional: graduação (Administração, Economia e Engenharias), pós-graduação lato e stricto sensu (Certificates, MBAs, programas da área de Direito, Mestrados Profissionais e Doutorado) e Educação Executiva (programas de curta e média duração, e customizados de acordo com as necessidades das empresas). No âmbito da produção de conhecimento, o Insper atua por meio de cátedras e centros de pesquisa que reúnem pesquisadores em estudos e projetos dirigidos a políticas públicas, agronegócio, educação, inovação, finanças e gestão. Tem as certificações de qualidade da Association to Advance Collegiate Schools of Business (AACSB), Association of MBAs (AMBA) e Associação Nacional de MBA (Anamba).

WWF-Brasil alerta sobre riscos ao Pantanal, a maior área úmida brasileira

No Dia Mundial da Água, instituição aponta as principais ameaças à segurança hídrica devido aos impactos da ação humana no Pantanal

pantanal-queimada

Conhecida como reino das águas, a maior área úmida do planeta, que fica nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e partes da Bolívia e Paraguai, tem sua segurança hídrica cada vez mais ameaçada. Esse é o alerta do WWF-Brasil no Dia Mundial da Água. Uma combinação de fatores que têm se intensificado ao longo dos anos – que vão das mudanças climáticas às queimadas, passando pelo crescente número de barragens que modificam o fluxo das águas – está alterando a dinâmica das águas do Pantanal, que se tornou especialmente vulnerável este ano. Níveis historicamente baixos do Rio Paraguai podem ocasionar uma nova temporada de queimadas como nos últimos anos, que pode trazer consequências irreversíveis.

Isso porque o Pantanal cumpre várias funções, entre as quais conservação de solo e da biodiversidade, estabilização do clima e fornecimento de água. Segundo o Serviço Geológico do Brasil, o Rio Paraguai, principal indicador das condições de inundação do Pantanal, apresenta uma tendência de seca para este ano de 2021. Especialmente as regiões de Cáceres e Porto Conceição, ambas no Estado de Mato Grosso, apresentam níveis historicamente baixos no Rio Paraguai. No Mato Grosso do Sul, em Forte Ladário e Coimbra também são previstos níveis historicamente baixos. Os modelos de previsão indicam que a seca continuará nos próximos períodos, com uma interrupção da recuperação do nível do rio. Os gráficos no fim do texto mostram o nível do rio fora da zona de normalidade.

“Mesmo que o regime de precipitação se normalize, é pouco provável que o Rio Paraguai e o Pantanal tenham cheias significativas, mantendo-se em níveis historicamente baixos. Além disso, o fogo e as mudanças no uso do solo tendem a afetar a própria precipitação na região. Com a diminuição da cobertura vegetal, a tendência é que haja menor evapotranspiração, menor umidade no ar, e, logo, menor índice de chuvas. Temos um cenário de mudanças climáticas aliado à falta de controle ambiental e infraestrutura para combate a incêndios, isso traz sérias ameaças à biodiversidade do Pantanal, assim como a segurança hídrica da região. Há o risco de haver uma nova catástrofe em razão dos incêndios e uma, como aconteceu em 2019 e 2020”, alerta Cássio Bernardino, analista de conservação do WWF-Brasil.

O equilíbrio do Pantanal depende basicamente do baixar e subir de suas águas. Esse ciclo se repetia todo ano com certa regularidade, possibilitando a renovação constante da fauna e flora e formatando a cultura pantaneira. Porém, desde a década de 1970, a bacia do Alto Paraguai registra uma progressiva mudança em suas paisagens por causa do intenso uso e ocupação do solo. O bioma já perdeu em torno de 18 % de sua cobertura natural, que se converte geralmente em pastos e terras aráveis. O ano passado foi especialmente danoso: em 2020, 22.119 focos de incêndios, cerca de 120% a mais que no ano anterior. Estima-se que mais de 2,1 milhões de hectares foram atingidos pelas queimadas em 2020.

Paralelamente, a ação humana está impondo outro obstáculo ao fluxo natural das águas: existem mais de 100 pequenas centrais hidrelétricas planejadas na região do Pantanal e bacia do Alto Araguaia. Segundo o relatório Alternativas Energéticas Renováveis da Bacia do Alto Paraguai, do WWF-Brasil, todas esses projetos de barramento poderiam ser substituídos por fontes renováveis que têm capacidade de gerar cerca de três vezes a potência nominal das PCHs planejadas para serem construídas na Região Hidrográfica do Paraguai. Essa energia poderia ser gerada a partir de recursos disponíveis na região, tais como biomassa de cana-de-açúcar, dejetos animais, resíduos sólidos urbanos, particularmente das duas principais cidades da região (Cuiabá e Campo Grande), além da energia dos efluentes líquidos (esgoto) e a energia solar. A mudança evitaria os impactos ambientais que podem comprometer o equilíbrio da região e afetar atividades econômicas importantes, como turismo e pesca, além de gerar empregos duráveis.

“Neste Dia Mundial da Água é importante chamar a atenção para a necessidade da criação de uma estrutura robusta de combate, prevenção e previsão de incêndios, mas também para o desenvolvimento de alternativas de desenvolvimento sustentável na região”, ressalta Bernardino.

Abaixo, gráficos mostram o nível do Rio Paraguai fora da zona de normalidade nas regiões de Cáceres, Porto Conceição (MT), Forte Ladário e Coimbra (MS).

pantanal 1Pantanal 2Pantanal 3Pantanal 4

 
Sobre o Pantanal: O bioma ocupa os estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bolívia e Paraguai, uma área de 170.500.92km², equivalente ao tamanho de 4 países juntos: a Bélgica, Holanda, Portugal e Suíça. O bioma é morada de 4,7 mil espécies de animais e plantas e cumpre diversas funções: conservação da biodiversidade, conservação do solo, estabilização do clima e fornecimento de água.

Na época da cheia 80% do Pantanal é alagado, as enchentes se concentram entre dezembro e janeiro. Nesse período, cerca de 180 milhões de litros são despejados por dia nos rios pantaneiros. O equivalente a 72 piscinas olímpicas. Em 1988 o Pantanal foi decretado Patrimônio Nacional, e no ano 2000 foi reconhecido como Patrimônio da Humanidade e Reserva da Biosfera, pelas Nações Unidas.

Sobre o WWF-Brasil

O WWF-Brasil é uma organização não-governamental brasileira e sem fins lucrativos que trabalha para mudar a atual trajetória de degradação ambiental e promover um futuro em que sociedade e natureza vivam em harmonia. Criado em 1996, atua em todo Brasil e integra a Rede WWF. Apoie nosso trabalho em wwf.org.br/doe

No Pantanal, a instituição vem atuando de forma emergencial, por conta dos incêndios desde setembro de 2020, com apoio da Rede WWF, para atender pessoas e animais atingidos.
Algumas ações realizadas:

– Criação de 6 brigadas comunitárias com treinamento e equipamentos de proteção individual;
– Doação de 630 itens para ações de combate ao fogo;
– Doação de 105 cestas básicas para indígenas;
– Doção de 5 armadilhas fotográficas e 1 veículo para monitoramento da Arara-Azul;
– 35 caixas de analgésicos e anestésicos;
– 19 equipamentos de captura de animais;
– 5 caixas de transporte de animais.

Floresta Amazônica: de salvador a fonte de perigos

A maior área de floresta tropical do mundo está causando o aquecimento global devido à exploração excessiva

floresta queimadaUma floresta tropical queimada não pode mais absorver dióxido de carbono. Foto: imagens imago / Photoshot / Balance

 Por Norbert Suchanek para o Neues Deutschland

A Amazônia, a maior região de floresta tropical do mundo, se desenvolveu de um ecossistema que retarda o aquecimento global para um produtor líquido de gases e partículas prejudiciais ao clima. Este é o resultado de um estudo de uma equipa internacional que acaba de ser publicado na revista científica “Frontiers in Forests and Global Change”.

Em estudos anteriores comparáveis ​​que identificaram a Amazônia como sumidouro de carbono e como aliada contra as mudanças climáticas, apenas os dados do gás de efeito estufa dióxido de carbono (CO2) foram levados em consideração. Como resultado, a floresta tropical foi um dos maiores sumidouros de CO2 do mundo – esse é o nome dado aos reservatórios naturais que absorvem e armazenam carbono temporariamente. No novo estudo, os mais de 30 pesquisadores ambientais participantes dos EUA, Canadá, Grã-Bretanha, Colômbia, Peru, Suécia e Brasil também examinaram todas as outras emissões e efeitos da radiação que impulsionam o aquecimento global pela primeira vez. Apesar de algumas incertezas »chegamos à conclusão de que o aquecimento atual de gases de efeito estufa não-CO2, em particular metano e óxido nitroso, na bacia amazônica, em grande parte compensa e muito provavelmente excede a contribuição positiva para o clima por meio da absorção de CO2 atmosférico ”, escrevem os autores do estudo “Carbon and Beyond: The Biogeochemistry of Climate in a Rapidly Changing Amazon”. “Também descobrimos que a maioria das influências antropogênicas aumenta o potencial de radiação da bacia”.

Os pesquisadores destacam que, por um lado, a capacidade da região amazônica como armazenamento de carbono vem diminuindo gradativamente nas últimas décadas devido ao desmatamento. E isso está abrangendo cada vez mais países: “Historicamente, o arco do desmatamento brasileiro no sul e sudeste da Amazônia, impulsionado principalmente pela pecuária e plantações de soja, foi o epicentro do desmatamento na região”, segundo o estudo . Nos últimos anos, no entanto, outros estados amazônicos, como Peru e Bolívia, também sofreram extenso desmatamento. A criação de plantações de dendezeiros e garimpeiros são os principais responsáveis ​​pelo rápido desmatamento no Peru, enquanto a Amazônia boliviana é mais afetada pela produção de soja.

A derrubada e queimada e desmatamento para pastagens de gado e plantações de soja, mineração e construção de barragens não apenas reduzem o armazenamento de carbono, mas também aumentam as emissões de CO2 e de outros gases de efeito estufa, como metano, óxido nitroso, ozônio e que afetam o clima micropartículas como a fuligem.

A Amazônia sempre foi um dos grandes produtores naturais de óxido nitroso do mundo. É liberado por microrganismos da floresta tropical. No entanto, segundo os pesquisadores, as emissões aumentaram devido à drenagem de áreas úmidas e à compactação do solo causada pelo desmatamento. Outra fonte são as pastagens artificiais para gado, principalmente nos meses de chuva. Além disso, há emissões de óxido nitroso dos reservatórios das usinas hidrelétricas, que também são produtoras de CO2 e metano. “A inundação após a construção da barragem diminui o teor de oxigênio na água e aumenta a decomposição livre de oxigênio de substâncias orgânicas, o que significa que quantidades consideráveis ​​de metano são lançadas na atmosfera”, afirma o estudo. Este efeito é possivelmente dez vezes mais forte nos trópicos do que em reservatórios em latitudes temperadas. Mais de 190 barragens já represam os rios da bacia amazônica. Outras 246 barragens estão planejadas ou em construção. Estudos anteriores mostraram que as usinas hidrelétricas na Amazônia liberam mais gases de efeito estufa no longo prazo do que as usinas movidas a combustíveis fósseis com a mesma produção de eletricidade.

Outra causa do efeito estufa na Amazônia é o ozônio altamente reativo, que desempenha um papel importante na química da atmosfera e ali atua como um gás de efeito estufa. Segundo o estudo, seus precursores químicos aumentaram “com o aumento da combustão da biomassa, o desmatamento, a conversão da floresta em terras agrícolas e a rápida urbanização na região amazônica”.

Mesmo que muitas questões ainda não tenham sido completamente esclarecidas e os dados subjacentes ainda não tenham sido confirmados, o estudo deixa uma coisa clara: se a humanidade quer vencer a luta contra o aquecimento global, maior desenvolvimento da Amazônia com represas, corte raso, pastagens artificiais de gado, plantações de soja e dendê, construção de estradas e mineração, bem como exploração de petróleo, não tem como continuar.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo “Neues Deutschland” [Aqui!  ].

Pantanal: busca pelo termo cresce mais de 1500% no país

Panorama levantado pela SEMrush analisa o crescimento na busca por questões ambientais; queimadas e animais são alguns dos mais pesquisados

pantanal

São Paulo, novembro de 2020 – O ano de 2020 trouxe consigo muitos desafios. Um dos que chama atenção em nível nacional e internacional são as questões ambientais que tem tomado grandes proporções na mídia. Um ano marcado por queimadas no Pantanal, aumento do desmatamento e morte de muitos animais em seu habitat natural fizeram com que a SEMrush, líder global em marketing digital, realizasse um levantamento para compreender se os brasileiros vêm buscando mais sobre o assunto na internet. E sim: os dados apontam que, de janeiro de 2020 a setembro do mesmo ano, a busca pela palavra ‘Pantanal’ teve um aumento de 1561%, com 673 mil buscas apenas em setembro.

Com isso, os brasileiros também aumentaram seu interesse por outras questões ambientais durante o mês de setembro de 2020. Como por exemplo a busca por queimadas, que somam 74 mil acessos no mês. Outro desdobramento desse interesse foi a pesquisa por animais queimados, com 1,9 mil buscas, e até mais específicos como onça pintada, com 2,9 mil. Os biomas nacionais mais afetados também despertaram mais interesses, e Cerrado e Mata Atlântica totalizam 135 mil e 90,5 mil, respectivamente, incluindo um aumento médio nas buscas por desmatamento, de 60,5 mil.

Veja abaixo os termos com maior crescimento nas buscas:

1) Animais do pantanal: aumento de 1976%
2) Onça do pantanal: aumento de 1605%
3) Pantanal: 1561 %
4) Queimadas: aumento de 1021%
5) Animais queimados: aumento de 804%
6) Desmatamento: 646%
7) Conservação Ambiental: aumento de 519%
8) Poluição: aumento de 401%
9) Mata Atlântica: aumento de 400%
10) Cerrado: aumento de 398%
*média mensal de janeiro de 2020 a setembro de 2020

Outras preocupações ambientais também foram alvo do interesse dos brasileiros em suas pesquisas. O levantamento apontou um aumento de 401,5% na busca pela palavra poluição, seguida de um aumento de 516% por poluição da água. Outra pesquisa relevante que aumentou nesse período foi a pergunta “o que é meio ambiente?” que se desdobrou para a pergunta “o que é aquecimento global?”, ambas com um aumento de 516% e 825%, respectivamente. Todo esse contexto para saber mais sobre as questões ambientais presentes no Brasil também fizeram com que o interesse dos brasileiros aumentasse em 519% sobre a conservação ambiental.

“A preocupação com o que acontece com o meio ambiente não é mais uma questão que as pessoas estão deixando de lado. O aumento da busca por informação relevante é uma tendência que vai crescer com o passar dos anos, e quem quer se posicionar como um provedor de conteúdo de qualidade deve se focar no perfil dos comportamentos de buscas. Importante salientarmos que dados estratégicos são um aliado importante para quem quer ajudar e fazer a sua parte frente a questões sensíveis como o meio-ambiente”, conclui Fernando Angulo, Head of Communications da SEMrush.

Desmatamento e queimadas na Amazônia e no Pantanal causam perdas equivalentes a três estados do RJ

De janeiro a novembro, foram destruídos pelas chamas 116.845 km² do território da Amazônia e do Pantanal, área equivalente a quase três estados do Rio de Janeiro. Dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) também mostram que a Amazônia perdeu, em um ano, 11.080 km² em área desmatada —maior índice da década.

A devastação ambiental tornou-se uma marca registrada do Brasil no exterior. A imagem do Brasil é cada vez pior, resultando até em isolamento internacional. 

Reportagem de Danielle Brant e Renato Machado na Folha de São Paulo mostra que no Pantanal, o principal problema foram as queimadas, que devastaram 40.171 km², o equivalente a um quarto de todo o bioma.

O governo de Jair Bolsonaro tem responsabilidade direta sobre as queimadas  e o desmatamento. Atuou contra os órgãos de fiscalização ,ao ponto de o titular do executivo afirmar que o “Ibama não atrapalha mais”, assinala a reportagem.

Por sua vez, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, falou em usar gado para evitar queimadas (o “boi bombeiro”) e, na expressão mais célebre, defendeu aproveitar a comoção com a Covid-19 para “passar a boiada” na legislação ambiental.

O Ministério do Meio Ambiente é omisso, silencia e faz pouco caso das críticas internas e internacionais. Já o Ministério da Defesa, limita-se a dizer que apoia a fiscalização ambiental.  

Este artigo foi inicialmente publicado pelo site Brasil 247 [Aqui!].

 

2020 se consolida com recordes de desmatamento e queimadas

Enfraquecimento de órgãos de controle, como o IBAMA, favoreceu a alta de números

Ao longo de 2020, o Brasil viu recordes no aumento da devastação, nas queimadas e um avanço da destruição em áreas protegidas – como Terras Indígenas e Unidades de Conservação. Os dados indicam claramente que a tendência para 2021 é que esses problemas se agravem ainda mais, caso não haja uma mudança efetiva de comando e controle.

É o que aponta a Nota Técnica “Desmatamento e queimadas na Amazônia brasileira: números, causas e tendências”, elaborada pela equipe de Ciências do WWF-Brasil. O desmantelamento dos Órgãos e mecanismos de controle e as mensagens dúbias do Governo Federal com relação ao problema contribuíram para potencializar o aumento do desmatamento, com uma percepção generalizada de impunidade entre os grupos que investem na invasão e desmatamento de terras públicas.

De acordo com o sistema DETER, do INPE – que é utilizado para guiar as ações de fiscalização – somente entre agosto e dezembro de 2020, foram identificados 3.399 mil Km² de desmatamento na Amazônia. Ou seja, 2021 terá uma alta taxa total de desmatamento, seguindo a atual tendência. Os dados do DETER costumam sinalizar tendências posteriormente confirmadas pelo sistema PRODES, também do INPE, que gera os dados oficiais de desmatamento no país.

Segundo o PRODES, o desmatamento em 2020 aumentou, mesmo em relação aos números elevados de 2019: foram 11.088 km2 de desmatamento na Amazônia no primeiro período em que o desmatamento medido pode ser totalmente atribuído ao atual governo, entre agosto de 2019 e julho deste ano. O crescimento foi de 9,5%. a mais do que no ano anterior, que havia sido o maior dos últimos doze anos. (Veja explicação neste link: https://www.wwf.org.br/?72382/Dados-do-Inpe-sobre-desmatamento-sao-solidos-e-confiaveis-nota-de-posicionamento)

Embora apenas 3,4% do desmatamento de 2020 na Amazônia Legal tenha ocorrido dentro de território indígena, isso é muito maior do que historicamente vinha ocorrendo: em 2017 esse número era de pouco mais de 1%. O desmatamento ocorrido em 2020 é 55% superior à média de desmatamento dos últimos 10 anos (2009-2019). Nas Unidades de Conservação, o desmatamento permaneceu preocupantemente alto em 2020, mantendo-se no patamar de 1.1 mil km². Com as invasões e iniciativas para reduzir e desmembrar áreas de UCs, a situação está em rápida mudança. Quase 10% (1.100 km²) de todo o desmatamento de 2020 mostrado pelo Prodes caiu em uma UC.

O agravamento da situação do desmatamento em 2020 levou o Brasil a descumprir a própria legislação nacional e o compromisso apresentado no Acordo de Paris. As metas assumidas pelo Brasil incluíam alcançar em 2020 um desmatamento menor do que 4 mil km2. Em função do absoluto descontrole atual, o Brasil chega em 2020 com um patamar de desmatamento quase 3 vezes maior do que a meta com a qual se comprometeu.

Mariana Napolitano, gerente de Ciências do WWF-Brasil afirma que “os altos índices de desmatamento e queimadas observados nas áreas protegidas desde 2019 e mantidos em 2020 são um triste sinal de que seguimos numa rota de degradação ambiental, desrespeito aos direitos humanos e desconfiguração das estruturas e políticas de proteção da Amazônia”.
Figura 1 – Desmatamento em Unidades de Conservação. Fonte: PRODES/INPE. https://terrabrasilis.dpi.inpe.br/app/dashboard/deforestation/biomes/legal_amazon/increments

Enfraquecimento do Ibama

Historicamente o combate a crimes ambientais, sobretudo desmatamento, é efetuado em nível federal pelo IBAMA. Em 2020, no entanto, isso mudou. A partir da autorização dada pelo Governo, em maio, para que as Forças Armadas pudessem atuar dentro do território nacional em ações de fiscalização e punição a crimes ambientais (Operação de Garantia da Lei e da Ordem – GLO), o Ibama passou a ter que submeter suas operações de fiscalização, que sempre foram autônomas, ao comando das Forças Armadas. Em resumo, os militares passaram a cumprir o papel legal destinado ao Ibama, que vinha sofrendo com seguidos cortes orçamentários e falta de pessoal.

Apesar dos baixos resultados de 2019, quando operação semelhante não impediu o maior desmatamento em uma década, o Governo Federal destinou para a operação militar Verde Brasil 2 um total de R﹩ 418,6 milhões. As Forças Armadas previram gastar R﹩ 60 milhões por mês no combate ao desmatamento na Amazônia. Esse é o mesmo valor que o Ibama tradicionalmente gasta em um ano para cumprir a mesma função, no país inteiro .

A cobrança das multas aplicadas também foi totalmente paralisada – algo inédito na história – por conta de um decreto de Jair Bolsonaro, publicado em 2019, que criou uma etapa adicional no procedimento administrativo que julga infratores ambientais: a audiência de conciliação. Na prática, desde outubro de 2019 nenhuma multa ambiental aplicada pelo IBAMA teve seu processo concluído, nenhuma foi paga.

Queimadas

O ano de 2020 viu o número de queimadas crescer, na esteira do aumento do desmatamento. No total, segundo o Inpe, de 1 de janeiro a 01 de dezembro de 2020 foram registrados 101.292 focos de queimadas, 16% a mais que o mesmo período do ano passado – a segunda maior marca da década, menor apenas que 2010, ano excepcionalmente seco. Em termos de área, foram 76.674 km², 5,8% a mais que a área queimada em todo o ano de 2019.

Na Amazônia, as grandes queimadas estão estreitamente relacionadas à remoção de áreas naturais – os desmatadores deixam as árvores derrubadas secarem por alguns meses e depois provocam a queimada para “limpar” o terreno. Um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia – IPAM demonstrou que, em 2019, 34% das queimadas ocorreram em áreas recém desmatadas, ou seja, como forma de “limpeza” de áreas extensas. Outros 30% dos incêndios ocorreram em áreas florestais, como instrumento de degradação para posterior desmatamento e apenas 36% ocorreram em áreas agrícolas já estabelecidas.

Isso demonstra que 2/3 das queimadas na Amazônia está associada a conversão de florestas para áreas agrícolas ou, em menor escala, mineração. Esse dado é corroborado por recente estudo feito pelo Instituto Socioambiental (ISA), que revela que 75% dos focos de calor detectados na bacia do Xingu em 2020 foram detectados em áreas desmatadas recentemente, entre 2018 e 2020.

Exposição virtual de fotos mostra vida, morte e renascimento do Pantanal após queimadas

No Dia do Pantanal (12 de novembro), o WWF-Brasil lança uma exposição internacional de fotos da maior planície úmida do planeta. O conceito da coleção de imagens é mostrar o bioma em três momentos cruciais vividos em 2020: em seu esplendor, durante as queimadas e na fase subsequente, quando o bioma tenta se recuperar. “Pantanal: Vida, Morte e Renascimento” acontece em ambiente virtual e, portanto, está acessível à população dos três países pelos quais o bioma se estende: Brasil, Bolívia e Paraguai.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A exposição reúne imagens poderosas e emblemáticas da riqueza da biodiversidade e sua emocionante resiliência capturadas pelas lentes de renomados fotógrafos brasileiros, bolivianos e paraguaios, como Araquém Alcântara, André Zumak, Nathália do Valle e Reynaldo Leite Martins Júnior (Brasil), Alejandro de los Rios e Stefflen Reichle (Bolívia) e Lourdes Matoso Mendez e Tatiane Galluppi Selich (Paraguai).

Em seu conjunto, as 24 fotos narram a tragédia que se abateu na região pela conjunção da ação da natureza, na forma da maior seca já registrada desde 1973, com a ação humana, que iniciou os incêndios. Embora exaustivamente expostas pela imprensa, as imagens do período de queimadas ainda são uma forte denúncia da exploração insensata da natureza – denúncia esta que se torna ainda mais forte frente ao contraste de como o bioma se encontrava antes das queimadas.

Mas a exposição visa também ressaltar a capacidade regenerativa do Pantanal e a consequente importância de preservação desse bioma nos próximos anos, notadamente as áreas destruídas em 2020. No acumulado dos dez meses deste ano, 4,2 milhões de hectares foram queimados no Pantanal, equivalentes a quase um terço do bioma – uma área que agora precisa de tempo para se recompor. Diversas imagens da exposição mostram que esse renascimento já começou e alimentam a esperança de que o Pantanal recupere sua pujança.

A exposição também mostra a resiliência dos povos da região. A brasileira Nathália do Valle optou por mostrar os rostos das pessoas que moram no bioma como símbolo de esperança e renascimento. Tatiane Galluppi Selich, por sua vez, retratou um mito da cultura Yshir Ybytoso, que só existe no Pantanal paraguaio e que, assim como o bioma, está ameaçado.

Para os Yshir, Nemurt é um ser poderoso que representa o equilíbrio do mundo através da bengala que ele segura sobre os ombros: se ele ficar cansado e o abaixar, os seres humanos deixarão de existir. A fotógrafa incluiu esta imagem para mostrar a necessidade de respeito pela cultura e tradições ancestrais, que também precisam ser preservadas.

A exposição é realizada em parceria com a Sciacco Studio (https://www.instagram.com/sciaccostudio/) e ficará disponível de 12/11 a 27/11 na plataforma https://bit.ly/ExpoPantanal

O Brasil está pegando fogo – e o ministro do Meio Ambiente ‘Exterminador do Futuro’ está acabando com as proteções ambientais

 

Fires Ravage the Pantanal

Uma vista aérea em Poconé, Brasil, da fumaça subindo durante um incêndio no Pantanal em 24 de setembro de 2020.  Buda Mendes – Getty Images

Por Ciara Nugent para a revista Time

Letícia Larcher teve um ano difícil. Como coordenadora técnica em um instituto de conservação no vasto Pantanal do oeste do Brasil, Larcher passou 2020 lidando com uma onda recorde de incêndios florestais que destruíram impressionantes 22% do Pantanal – uma área cerca de 12 vezes o tamanho de Rhode Island repleta de vida selvagem rara incluindo onças e araras. Ela também assistiu a outra devastadora temporada de incêndios rasgando a parte do Brasil na floresta amazônica , a pior em uma década.

E para coroar tudo, na segunda-feira, o ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, acrescentou mais uma das paisagens únicas do país à lista de preocupações de Larcher. Salles anunciou o fim de duas proteções legais para manguezais e florestas de restinga costeira, argumentando que as proteções eram “excessivamente restritivas” e “sufocavam o desenvolvimento econômico”.

Sua decisão foi rapidamente suspensa por um tribunal federal, depois que uma ação foi movida alegando que ela viola o direito constitucional dos brasileiros a um meio ambiente ecologicamente equilibrado. Ainda assim, a mudança abriu um novo campo de batalha em uma das guerras mais duramente travadas no Brasil sob o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro .

“É muito frustrante”, diz Larcher, observando que ela estudou manguezais e florestas de restinga para seu doutorado antes de se juntar aos esforços de conservação no Pantanal. Ambos consistem em plantas arbustivas e resistentes que os cientistas consideram vitais para proteger a terra da erosão costeira, protegendo a biodiversidade e sequestrando carbono da atmosfera para reduzir o efeito estufa. “Salles é o ministro do Meio Ambiente: seu papel é tomar decisões para o meio ambiente, não para outros grupos.”

Não é exatamente inesperado de Salles, que é apelidado de ‘O Exterminador do Futuro’ entre os ativistas brasileiros do clima. Nomeado por Bolsonaro em dezembro de 2018, o jovem de 45 anos liderou uma campanha decisiva para reformar as instituições ambientais do Brasil e relaxar as regulamentações.

Pictures of the Week in Latin America & Caribbean Photo GalleryUm voluntário trabalha para apagar um incêndio na Transpantaneira, a estrada que corta o Pantanal, perto de Pocone, no estado brasileiro de Mato Grosso, em 11 de setembro.  Andre Penner — AP

BRAZIL-PANTANAL-ENVIRONMENT-FIREBombeiros trabalham para apagar um incêndio na região de Porto Jofre em 14 de setembro.  Mauro Pimentel — AFP / Getty Images

BRAZIL-PANTANAL-ENVIRONMENT-FIRE

Uma garça-real em uma seção danificada do Pantanal em 13 de setembro.  Mauro Pimentel — AFP / Getty Images

Em maio, um vídeo de uma reunião ministerial, publicado como parte de uma investigação da Suprema Corte sobre o Bolsonaro , capturou Salles dizendo ao presidente que eles deveriam aproveitar a preocupação da mídia com a pandemia COVID-19 “para forçar e mudar todas as regras e simplificar as normas. ” Em julho, o Ministério Público Federal entrou com um pedido de destituição de Salles sob o argumento de que ele está “violando seu dever de proteger o meio ambiente”. O caso ainda não foi revisado e os promotores o encaminharam para um tribunal federal na segunda-feira.

Os ativistas dizem que Salles está trabalhando para apaziguar certos setores empresariais que formam uma parte crucial da base de apoio do presidente . “Ele está fazendo exatamente o trabalho que foi designado para fazer”, diz Rômulo Batista, porta-voz da campanha do Greenpeace na Amazônia. “Como resultado, ele é de longe o pior ministro do Meio Ambiente desde que o Brasil voltou à democracia”, há mais de 30 anos. ”

Ondas de fumaça saem de incêndios perto da estrada Transpantaneira em 14 de setembro.Ondas de fumaça saem de incêndios perto da estrada Transpantaneira em 14 de setembro. Mauro Pimentel — AFP / Getty Images

Em outubro, um ativista do clima de 17 anos irrompeu em uma audiência pública no congresso do Brasil para entregar um troféu a Salles . Dizia ‘ O Exterminador do Futuro’ – o nome brasileiro para o filme pós-apocalíptico de 1984 O Exterminador do Futuro Outros usaram esse nome para se referir ao trabalho de Salles como ministro antes, incluindo a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, quando ela e sete outros ex-ministros do Meio Ambiente – que serviram em governos brasileiros em todo o espectro político – alertaram para a velocidade com que Bolsonaro e Salles estão desfazendo seu trabalho.

Antes de sua nomeação para o governo federal, Salles serviu como chefe da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, onde foi condenado por um tribunal estadual por “improbidade administrativa”, em parte por sua atuação na alteração de mapas em um plano ambiental estadual em benefício empresas de mineração. Na época, ele disse que planejava apelar da decisão. 

Ricardo Salles, ministro do meio ambiente do Brasil, fala a jornalistas em São Paulo em agosto de 2019. Ativistas dizem que Salles está trabalhando para apaziguar certos setores empresariais que formam uma parte crucial da base de apoio do Bolsonaro.Ricardo Salles, ministro do meio ambiente do Brasil, fala a jornalistas em São Paulo em agosto de 2019. Ativistas dizem que Salles está trabalhando para apaziguar certos setores empresariais que formam uma parte crucial da base de apoio do Bolsonaro.  Rodrigo Capote — Bloomberg / Getty Images

Até agora neste ano, Salles usou menos de 0,4% do orçamento do ministério do meio ambiente para iniciativas de política federal, de acordo com um estudo do Observatório do Clima, uma rede de grupos da sociedade civil brasileira. O ministro demitiu um grande número de funcionários, incluindo aqueles que discordam de decisões polêmicas, e deixou cargos vagos. Nos últimos meses, meios de comunicação ambientais como o Mongabay relataram que funcionários de órgãos ambientais foram intimidados por falarem com a mídia. Em maio deste ano, Salles tentou transferir o direito de ceder áreas florestais a empresas privadas do ministério do meio ambiente para o ministério da agricultura; a ação foi bloqueada por um tribunal federal que disse que era necessária a aprovação legislativa. Enquanto isso, o Ibama, órgão ambiental que reporta ao ministério de Salles, flexibilizou as regras que permitem a exportação de madeira extraída ilegalmente – um dos principais motores do desmatamento na Amazônia.

Abordando seu mais recente retrocesso em manguezais e restingas, Salles disse à CNN Brasil na segunda  feira que as proteções existentes para áreas costeiras eram um “exemplo típico” de “políticas construídas a partir de um certo tipo de radicalismo” que ele vem tentando desfazer desde que entrou no governo. Para ele, as complexas regras burocráticas do Brasil sobre meio ambiente restringem o desenvolvimento do país e precisam ser simplificadas. Ele argumenta que as restrições aos manguezais e restingas realmente estimulam o crime e a destruição ilegal do meio ambiente, limitando as oportunidades econômicas das comunidades e deixando as áreas sem a presença humana para policiá-las. Citando o ministro da Economia do Bolsonaro, Paulo Guedes, Salles disse à emissora: “A pobreza é o pior inimigo do meio ambiente”. (O escritório de Salles não respondeu ao pedido de comentário da TIME.)

Outro pilar da filosofia do ministro sobre meio ambiente é a crença de que, se a comunidade internacional está preocupada com a destruição do meio ambiente no Brasil, deve pagar para impedi-la. Como o presidente Bolsonaro – que no ano passado disse à chanceler alemã Angela Merkel para “reflorestar a Alemanha” em vez de se preocupar com a Amazônia – ele atacou estrangeiros que intervêm nos negócios ambientais brasileiros. Em setembro, depois que Leonardo DiCaprio compartilhou um vídeo criticando o desmatamento da Amazônia, Salles disse a ele no Twitter para “colocar seu dinheiro onde sua boca está” e patrocinar um parque brasileiro. Esta semana ele anunciou ele criaria um novo mercado privado de carbono nesta semana, no qual empresas europeias pagarão ao Brasil para fazer projetos de conservação a fim de compensar suas emissões de carbono – uma ideia que os especialistas em clima consideram profundamente problemática.

Para os críticos, a agenda de Salles visa apenas servir a grupos que apoiam politicamente seu chefe. De acordo com Marcio Astrini, diretor-executivo do Observatório do Clima, esses grupos incluem incorporadores e interesses do agronegócio que se beneficiariam com a flexibilização da regulamentação fundiária, bem como grupos que buscam ocupar ilegalmente terras na Amazônia para cultivar ou garimpar ouro. A mídia brasileira noticiou que Salles manteve reuniões com grileiros ilegais e garimpeiros de ouro durante seu mandato. 

Um cervo é cuidado em 17 de setembro.Um cervo é cuidado em 17 de setembro. Mauro Pimentel — AFP / Getty Images

Os presos organizam comida para ser distribuída aos animais no dia 19 de setembro.Os presos organizam comida para ser distribuída aos animais no dia 19 de setembro.  Mauro Pimentel — AFP / Getty Images 

Agricultores aguardam reunião com políticos no dia 19 de setembro para discutir os incêndios recordes no Pantanal durante a estação seca.Agricultores aguardam reunião com políticos no dia 19 de setembro para discutir os incêndios recordes no Pantanal durante a estação seca. Mauro Pimentel — AFP / Getty Images

Batista, do Greenpeace, diz que a política vinda de Brasília contribui diretamente para os incêndios que assolam a Amazônia e o Pantanal. Movimentos como o enfraquecimento das regulamentações sobre madeira e o fracasso em financiar os esforços de conservação têm um impacto claro. Mas também, diz ele, Salles agravou uma “[cultura] de impunidade que temos no Brasil para quem comete crimes ambientais”. Menos de 5% das multas aplicadas pelo Ibama acabam sendo pagas, afirma.

No Pantanal, tanto governos estaduais quanto órgãos federais enviaram bombeiros para ajudar no combate às chamas. (O Instituto Homem Pantaneiro, onde Larcher trabalha, está arrecadando dinheiro para sustentar um corpo permanente de combate a incêndios para cuidar do Pantanal, visto que a mudança climática provavelmente agravará os incêndios do ano futuro.)

Mas muito mais poderia ter sido feito para evitar a devastação deste ano, de acordo com Larcher. O governo não financiou adequadamente medidas como a eliminação da vegetação morta em áreas públicas, diz ela, o que teria retardado a propagação dos incêndios. “O Parque Nacional do Pantanal Matogrossense tem 135.000 hectares e tem [poucos] funcionários. Como eles farão sozinhos todo o trabalho, gerenciamento e prevenção para garantir que essas áreas não peguem fogo? ”

 Doze promotores assinaram o pedido de julho para destituir Salles do cargo, que acusa o ministro de tentar “desmantelar as estruturas institucionais e normativas dos órgãos federais de proteção ambiental”. O Ministério do Meio Ambiente julgou os promotores de Justiça como detentores de “evidente viés político-ideológico em uma clara tentativa de interferir nas políticas públicas do Governo Federal”. O caso ainda não foi ouvido.

Mas Astrini, do Observatório do Clima, diz que tirar Salles do cargo provavelmente não resolverá os problemas ambientais do Brasil. “Salles é um funcionário muito bom. É muito importante que tentem removê-lo, mas se ele for, Bolsonaro escolherá outra pessoa para cumprir sua agenda. ”

A maior esperança dos ambientalistas brasileiros de manter as proteções pode estar no judiciário. A Justiça Federal bloqueou uma mudança de regra pelo órgão do governo de direitos indígenas, FUNAI, que teria permitido que grileiros em terras indígenas registrassem oficialmente sua propriedade. Grupos ambientalistas e partidos políticos estão contestando várias decisões de Salles nos tribunais – incluindo a falta de uso dos fundos disponíveis para ele, o relaxamento do Ibama nas regulamentações sobre madeira e, agora, a remoção de proteções para áreas úmidas costeiras.

A dead alligator in the wetlands on Sept. 12.Um crocodilo morto no pantanal em 12 de setembro. Mauro Pimentel — AFP / Getty Images

A pressão internacional também está se mostrando outra ferramenta importante. Em julho, 29 empresas globais enviaram carta aberta ao vice-presidente Hamilton Mouraou alertando que não poderiam investir no Brasil se houvesse “um risco inaceitável de contribuir para uma grave degradação ambiental ou violações dos direitos humanos”. Logo depois de se reunir com um grupo de executivos das empresas, o governo anunciou uma proibição de 120 dias de provocar incêndios na Amazônia, o dobro da moratória inicialmente implementada em 2019. A proibição não foi aplicada o suficiente para evitar quase 30.000 incêndios se espalhando pela floresta tropical em agosto. O risco de perder um acordo comercial com a União Europeia, no entanto, pode forçar novas concessões, com vários Estados membros da UE expressando preocupação em setembro sobre as implicações para a Amazônia.

Dadas as declarações públicas de Bolsonaro e Salles sobre o judiciário e a comunidade internacional, Astrini diz, tal pressão não alterará fundamentalmente sua agenda. “Não vamos mudar suas opiniões reais sobre o meio ambiente”, diz Astrini. “Mas, com pressão suficiente, podemos neutralizar os contratempos ambientais que eles estão criando”.

Para Larcher, ao pesquisar a destruição no Pantanal, o futuro do ambientalismo no Brasil parece sombrio. “É muito difícil ser otimista no momento”, diz ela. “Não somos muitas pessoas sem muito dinheiro e com muito trabalho. O fogo faz você pensar, onde isso vai acabar?

fecho

Esta reportagem foi escrita originalmente em inglês e publicada pela revista Time [Aqui!].

Floresta Amazônica brasileira sofre os piores incêndios em uma década

fogoFumaça e chamas aumentam de um incêndio ilegalmente aceso em uma reserva da floresta amazônica, ao sul de Novo Progresso, no estado do Pará, Brasil, em agosto. Fotografia: Carl de Souza / AFP / Getty Images

Por Agência Reuters-Brasília e publicado pelo jornal “The Guardian”

Incêndios na Amazônia brasileira aumentaram 13% nos primeiros nove meses do ano, em comparação com um ano atrás, como a região da floresta experimenta sua pior onda de chamas em uma década, os dados da agência de pesquisa espacial Inpe tem mostrado.

Os satélites em setembro registraram 32.017 hotspots na maior floresta tropical do mundo, um aumento de 61% em relação ao mesmo mês de 2019.

Em agosto do ano passado, incêndios crescentes na Amazônia conquistaram as manchetes globais e geraram críticas de líderes mundiais, como o francês Emmanuel Macron, de que o Brasil não estava fazendo o suficiente para proteger a floresta tropical.

Na terça-feira (29/09), o candidato presidencial democrata dos EUA, Joe Biden, pediu um esforço mundial para oferecer US$ 20 bilhões para acabar com o desmatamento na Amazônia e ameaçou o Brasil com “consequências econômicas” não especificadas se não “parasse de derrubar a floresta”.

O presidente Jair Bolsonaro criticou o comentário de Biden como uma “ameaça covarde” à soberania do Brasil e um “claro sinal de desprezo”.

Dados do Inpe divulgados nesta quinta-feira (01/10) mostraram que, em 2019, os incêndios aumentaram em agosto e diminuíram consideravelmente no mês seguinte, mas o pico deste ano foi mais sustentado. Agosto e setembro de 2020 igualaram ou ultrapassaram a alta do mês anterior.

“Tivemos dois meses com muito fogo. Já está pior do que no ano passado ”, disse Ane Alencar, diretora científica do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam).

“Pode piorar se a seca continuar. Estamos à mercê da chuva. ”

A Amazônia está passando por uma estação de seca mais severa do que no ano passado, o que os cientistas atribuem em parte ao aquecimento no Oceano Atlântico Norte tropical puxando a umidade da América do Sul.

Toda a Amazônia, que se estende por nove países, tem atualmente 28.892 incêndios ativos, de acordo com uma ferramenta de monitoramento de incêndios financiada em parte pela agência espacial norte-americana Nasa.

Os incêndios de setembro não estão apenas queimando áreas recentemente desmatadas e terras agrícolas, onde os fazendeiros os mandaram limpar, mas também estão queimando cada vez mais a floresta virgem, uma tendência preocupante que sugere que a floresta tropical está se tornando mais seca e sujeita a incêndios.

Aproximadamente 62% dos principais incêndios na Amazônia ocorreram nas florestas em setembro, em comparação com apenas 15% em agosto, de acordo com uma análise de imagens de satélite da organização sem fins lucrativos Amazon Conservation, dos Estados Unidos.

O aquecimento do Atlântico Norte também está ajudando a impulsionar a seca no Pantanal brasileiro, a maior área úmida do mundo, que sofreu mais incêndios neste ano do que o registrado anteriormente, segundo dados do Inpe.

Uma análise da Universidade Federal do Rio de Janeiro descobriu que 23% das áreas úmidas, que abrigam a maior população de onças-pintadas do mundo, foram queimadas.

“O Brasil está em chamas”, disse Cristiane Mazzetti, uma ativista florestal do grupo de defesa Greenpeace Brasil, em um comunicado.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal The Guardian [Aqui!].

Enquanto o Pantanal ardia em chamas, o governo Bolsonaro pouco fez para ajudar

ap 1

Por TATIANA POLLASTRI e DAVID BILLER para a Associated Press

PORTO JOFRE, Brasil (AP) – Depois de horas navegando no Pantanal brasileiro em busca de onças no início deste mês, Daniel Moura encalhou seu barco para avaliar os danos causados ​​pelo fogo. Em todas as direções, ele viu apenas devastação. Sem vida selvagem e sem apoio das autoridades federais.

“Costumávamos ver onças aqui o tempo todo; Certa vez, vi 16 onças-pintadas em um único dia ”, disse Moura, um guia dono de uma unidade de ecoturismo, à beira do rio, no Parque Estadual Encontro das Águas, que este ano viu 84% da vegetação destruída.

“Onde estão todos aqueles animais agora?”

Maior área úmida tropical do mundo, o Pantanal é popular para a observação de felinos furtivos, juntamente com jacarés, capivara e muito mais. Este ano está excepcionalmente seco e queimando a uma taxa recorde. Os incêndios têm sido tão intensos que a certa altura a fumaça atingiu São Paulo, a 1.400 quilômetros de distância.

ap 2Uma onça-pintada se agacha em uma área recentemente queimada por incêndios florestais no parque estadual Encontro das Águas, no Pantanal próximo a Pocone, Mato Grosso, Brasil, domingo, 13 de setembro de 2020. (AP Photo / Andre Penner)

ap 3Incêndio consome uma área próxima à rodovia Trans-Pantanal no Pantanal perto de Pocone, estado de Mato Grosso, Brasil, sexta-feira, 11 de setembro de 2020. (AP Photo / Andre Penner)

O governo do presidente Jair Bolsonaro afirma que mobilizou centenas de agentes federais e militares para apagar as chamas. No entanto, ao longo da única rodovia que atravessa o Pantanal norte, dezenas de pessoas – bombeiros, fazendeiros, guias turísticos e veterinários – disseram à Associated Press que o governo exagerou em sua resposta e há poucas botas federais no local.

A pouca assistência concreta veio principalmente de aviões lançando água de cima, disseram os moradores, mas isso só aconteceu após um grande atraso e teve como alvo principalmente fazendas em vez de áreas protegidas. Para piorar as coisas, várias aeronaves permaneceram paradas no início do inferno.

“Não consigo ver muita ajuda federal; somos basicamente nós aqui ”, disse Felipe Augusto Dias, diretor executivo do SOS Pantanal, um grupo ambientalista.

ap 4Turistas sentam-se na grade de uma ponte depois que seu ônibus turístico de pesca esportiva ficou preso em uma ponte danificada por incêndios florestais, na rodovia Trans-Pantanal no Pantanal perto de Pocone, estado de Mato Grosso, Brasil, sexta-feira, 11 de setembro de 2020. (AP Foto / Andre Penner)

Os dois lados da Rodovia Trans-Pantanal – área que deveria apresentar poças de água, mesmo na época da seca – estava seca. Até domingo, quase um quarto do Pantanal – uma área maior que o tamanho de Maryland – havia sido consumido pelo fogo, de acordo com imagens de satélite da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A vegetação do Pantanal pode se regenerar rapidamente com a chuva, mas os animais selvagens que sobrevivem ficam presos sem habitat.

Ao longo dessa paisagem chamuscada estavam animais feridos e desorientados, além de cadáveres carbonizados de outros. No rio, Moura passou por uma sucuri morta de 2 metros de comprimento, enroscada em um galho de árvore caído. Um cervo, perdido e sozinho em meio a arbustos queimados, olhou para o barco. O céu era de uma laranja apocalíptica.

Os incêndios no Pantanal começaram a queimar intensamente em julho e continuaram até setembro. O número de incêndios até agora este ano – mais de 17.000 – ultrapassa o total de 12 meses para todos os anos registrados, desde 1998, e é o triplo da média anual, de acordo com dados da agência espacial do governo, que usa satélites para conte as chamas.

ap 5Um veado ergue-se às margens do rio Piqueri no Parque Encontro das Águas perto de Pocone, estado de Mato Grosso, Brasil, sábado, 12 de setembro de 2020. (AP Photo / Andre Penner)

Os incêndios, quer sejam intencionalmente ou resultantes de quedas de raios, podem facilmente sair de controle na estação seca. Uma investigação da Polícia Federal indica incêndios para limpar pastagens em quatro fazendas espalhadas por 25.000 hectares (quase 100 milhas quadradas), disse o detetive Alan Givigi. O incêndio queimou áreas de preservação e um parque nacional.

Discursando na Assembleia Geral das Nações Unidas na semana passada, Bolsonaro disse que o Brasil foi alvo de uma campanha de desinformação e comparou a vulnerabilidade do Pantanal à da Califórnia – sem notar que os incêndios florestais no Pantanal deste ano destruíram uma área duas vezes maior que as da Califórnia.

“Grandes incêndios são consequências inevitáveis ​​da alta temperatura local, além do acúmulo de matéria orgânica em decomposição”, disse ele em sua mensagem pré-gravada.

Com a grande ausência de agentes do governo, os bombeiros e voluntários esculpiram aceiros e usaram baldes e mangueiras para combater paredes de chamas. Em uma estrada de terra ao largo do Trans-Pantanal, um homem carregando uma bacia de água correu de seu caminhão-pipa improvisado até um trecho de vegetação em chamas. Teve pouco efeito, pois o vento redirecionou as chamas em direção a uma árvore, fazendo-a explodir como se tivesse sido encharcada com gasolina.

ap 6Abutres estão perto da carcaça de um jacaré nas margens do rio Cuiabá no parque estadual Encontro das Águas, no Pantanal próximo a Pocone, estado de Mato Grosso, Brasil, sábado, 12 de setembro de 2020. (AP Photo / Andre Penner)

Uma garça sobrevoa um jacaré nas margens do quase seco rio Bento Gomes, no Pantanal próximo a Pocone, Mato Grosso, Brasil, segunda-feira, 14 de setembro de 2020. (AP Photo / Andre Penner)

Um jacaré surge de um campo verde enquanto um incêndio consome uma área próxima à rodovia Trans-Pantanal no Pantanal perto de Pocone, estado de Mato Grosso, Brasil, sexta-feira, 11 de setembro de 2020. (AP Photo / Andre Penner)

O Ministério da Defesa do Brasil disse à AP que os números variam de dia para dia, mas em 14 de setembro, a Marinha tinha 172 militares no Pantanal em Mato Grosso, junto com 139 agentes federais e 11 aeronaves. No mesmo dia, o Corpo de Bombeiros do Estado de Mato Grosso informou que a contagem de Marinha e agentes era de apenas 60 e havia apenas um avião.

Durante os cinco dias que os jornalistas da AP percorreram o Pantanal neste mês, eles não viram um único membro das Forças Armadas do Brasil.

O ministério da defesa não respondeu às perguntas da AP sobre a disparidade entre seus números e os dos bombeiros.

O Instituto Chico Mendes, que administra os parques federais para o Ministério do Meio Ambiente, contratou cinco aviões para lançar água em Mato Grosso, informou um comunicado do ministério.

ap 8

Mas os pilotos reclamaram que não tiveram permissão para voar quando chegaram em meados de agosto, quando os incêndios já estavam queimando há semanas, apesar de visibilidade suficiente para fazê-lo.

“Os pilotos disseram claramente: se aqueles cinco aviões lutassem durante aquela semana, não teria havido um grande incêndio”, disse Mario Friedlander, ambientalista e fotógrafo que trabalha na região há 40 anos e veio como voluntário, disse à AP. “O incêndio teria sido drasticamente controlado.”

Um piloto disse que a missão estava atrasada porque os responsáveis ​​queriam esperar a chegada do ministro do Meio Ambiente. Mas, quando o pânico se instalou, ele disse que os aviões foram ordenados a decolar para apagar incêndios em pontes no Trans-Pantanal e depois mandados parar novamente.

Só depois da chegada do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, em 18 de agosto, os voos começaram com certa regularidade, disse o piloto, que pediu anonimato por temer perder o emprego.

O ministério do meio ambiente se recusou a responder aos repetidos pedidos de comentários. No entanto, uma fonte do Instituto Chico Mendes disse que jogar água de aviões só ajuda se houver apoio de solo, o que às vezes não existia. Caso contrário, voar pode ser ineficaz, disse a fonte, que falou sob condição de anonimato porque não estava autorizado a falar publicamente.

Enquanto isso, com o aumento dos incêndios, animais foram feridos, deslocados ou morreram. Os bombeiros e a secretaria de meio ambiente de Mato Grosso criaram um centro de resgate de animais.

ap 9Um jacaré fica em um campo verde enquanto um incêndio consome uma área próxima à rodovia Trans-Pantanal no Pantanal perto de Pocone, estado de Mato Grosso, Brasil, sexta-feira, 11 de setembro de 2020. (AP Photo / Andre Penner)

ap 10A veterinária Karen Ribeiro segura um jabiru, enquanto outros veterinários examinam a asa do pássaro ferido, em um centro criado para animais feridos em incêndios no Pantanal perto de Poconé, estado de Mato Grosso, Brasil, sexta-feira, 11 de setembro de 2020. (AP Photo / Andre Penner)

“Tentamos ter esperança de resgatar os poucos animais que pudermos”, disse a veterinária Karen Ribeiro após tratar a asa ferida de um jabiru – uma ave enorme que é um símbolo do Pantanal.

Dias, o diretor do SOS Pantanal, também disse que os voluntários começaram a se concentrar menos no combate a incêndios do que em resgatar animais, deixando frutas em lugares onde criaturas perdidas podem encontrá-las.

Depois de oito horas de busca, Moura, o guia, finalmente encontrou uma onça. Ele estava mancando; provavelmente ele havia queimado as patas, disse ele. Eventualmente, ele se deitou em um local de vegetação parcialmente queimada.

No início deste mês, o governo brasileiro aprovou 13,9 milhões de reais (cerca de US $ 2,5 milhões) para combater os incêndios, embora a maior parte do dinheiro dependa de Mato Grosso obter a aprovação de projetos antes do prazo de 90 dias. Há uma semana, enviou 43 bombeiros da guarda nacional para a região.

Os novos fundos e tropas chegaram quase dois meses após o início das chamas no Pantanal e pouco antes das chuvas serem previstas.

Moura disse duvidar que o dinheiro chegue a tempo de fazer alguma diferença.

“Infelizmente, é essa a situação”, disse Moura. “Eles agem como se estivessem apagando o fogo, e nós agimos como se acreditássemos nisso”.

ap 11Pássaros passam voando enquanto um incêndio consome uma área próxima à rodovia Trans-Pantanal no Pantanal perto de Pocone, estado de Mato Grosso, Brasil, sexta-feira, 11 de setembro de 2020. (AP Photo / Andre Penner)

___

Biller contribuiu do Rio de Janeiro. Mauricio Savarese contribuiu de São Paulo.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Associated Press [Aqui!].