O manifesto da “Coalizão do Evangelho” e os riscos da sugestão de “endeusamento da Ciência” em tempos de pandemia

popeMais de 11 milhões de pessoas assistiram ao papa Francisco entregar uma bênção em uma Praça de São Pedro durante a celebração da Missa da Páscoa de 2020 por causa da pandemia da COVID-19.

Enquanto o espectro mortal da COVID-19 avança por todos os lados no Brasil, e nosso país já ocupa o sexto lugar no número de mortos em nível mundial, as placas tectônicas da relação entre religião e ciência começam a se mover de forma mais clara. Um exemplo disso é o manifesto intitulado “Pela Pacificação da Nação em Meio à Pandemia” que acaba de ser lançado pela chamada “Coalizão do Evangelho“, onde são tecidas considerações sobre o que seriam desencontros e confusões que decorreriam de um suposto endeusamento da ciência (ver imagem abaixo).

endeusamento da ciência

Uma coisa que precisa ser dita inicialmente sobre essa assertiva é que se há uma esfera do conhecimento humano onde não há espaço para endeusamento, esse é o da ciência, em que pesem alguns pesquisadores se acharem “deuses”. É que o método científico em suas múltiplas formulações parte do pressuposto da “falibilidade”, o que, convenhamos, não é conducivo ao endeusamento, pois para os deuses (ou no caso do grupo em questão, de Deus) não há sequer a  possibilidade de que sejam falíveis.

Outro aspecto levantado no mesmo parágrafo é de que existe dentro da comunidade científica conflitos acerca dos dados e interpretações sobre como tratar a pandemia. Aqui há uma inverdade objetiva, pois não dentro da comunidade científica qualquer diferença significativa sobre a natureza do novo coronavírus ou, tampouco, sobre a sua letalidade.  O que de fato existe são lacunas que estão sendo preenchidas dentro do furor da batalha sobre como o coronavírus se difunde e de como evolui dentro de seus hospedeiros humanos, o que leva a variações de concepções sobre quais medicamentos podem amenizar a evolução da COVID-19, de modo a salvar vidas. Além disso, há uma corrida frenética, por exemplo, para a produção de uma vacina que possa preparar os organismos infectados para impedir que o coronavírus produza os efeitos que já estão em processo de identificação em meio a esta pandemia.

Desta forma, os líderes religiosos que assinam o manifesto “Pela Pacificação da Nação em Meio à Pandemia” estão incorrendo em um pecado que, reconheço, pode ser compreensível: criticam a Ciência e seus limites epistemológicos,  mas se esquecem de criticar os que têm efetivamente inviabilizado a aplicação do conhecimento científico já existente sobre o novo coronavírus para impedir o avanço da pandemia. É que afora a crítica a um inexistente endeusamento da ciência, a única crítica é feita para a mídia que está cobrindo a pandemia, por não possuir a “credibilidade que outrora desfrutava”. 

Por outro lado, a única menção ao sistema política  é sobre uma suposta “infindável luta ideológica e de poder” que tornaria difícil para o brasileiro comum viver “vida tranquila e mansa”.  A primeira coisa aqui é que a dificuldade para o brasileiro comum viver “vida tranquila e mansa” já estava posta há muito tempo, a começar pela falta de empregos e pelo encurtamento das proteções sociais.  Além disso, falar de infindável luta ideológica e de poder sem falar como os governantes estão agindo para combater ou não o avanço da pandemia serve apenas para aprofundar a polarização. Sem colocar o dedo na ferida e com essa vagueza de sentido, fica bem evidente para qual lado essas lideranças estão apontando o dedo. E isso,  é preciso que se informe aos signatários do manifesto, dificilmente nos levará à vida tranquila e mansa que eles parecem desejar.

Sugiro para quem desejar conhecer um pouco dos meandros com que os fundadores da Ciência moderna tiveram para percorrer para nos oferecer o caminho das luzes que leiam a obra do filósofo italiano Paolo Rossi intitulada “A ciência e a filosofia dos modernos“. Com essa leitura poderão ver que quando se acusa a ciência de endeusamento, está se apontando para o questionamento da própria existência do pensamento científico, que nos moveu para além da chamada “Idade das Trevas”.

Finalmente, quero lembrar que o Papa Francisco, na missa da segunda-feira de Páscoa, pediu orações para que governos, cientistas e políticos pudessem encontrar soluções justas para a crise de COVID-19, a favor do povo. Essa tarefa, disse ele em sua homilia, dependerá da escolha entre a vida das pessoas e o “Deus dinheiro”.  Pensando bem, nesse caso, apesar de não ser católico, fico com o Papa Francisco.

A evolução não é acaso e o criacionismo não é ciência

science_faith_evolution_creationism

Por Leonardo Blogiato

Muitos não entendem o processo evolutivo, como criacionistas que fazem espantalho sobre a evolução dizendo que é impossível de ser verdadeira por ser obra do “acaso”, mas essa afirmação é incorreta já que a evolução não é um fruto totalmente do acaso.

A evolução depende de fatores para acontecer, como variabilidade, pressão do ambiente, seleção e hereditariedade. De fato, as mutações ocorrem de forma aleatória e elas geram variabilidade, essas mutações que ocorrem nas células germinativas serão passadas adiante e o meio ambiente seleciona essas mutações. Se um ser vivo tiver uma característica que lhe dê vantagem em um determinado ambiente, ele estará mais adaptado e terá maior chance de sobrevivência e passará seus genes adiante. Por isso, certamente, sabemos que a seleção não é uma obra do acaso. Ela tem causas, porém não tem intencionalidade.

A evolução é um fato. Por isso, também é aceita na comunidade científica. Ela é ensinada nas escolas e universidades porque a Teoria da Evolução é a única que consegue explicar a biodiversidade.

Outro argumento fraco que os criacionistas utilizam é que ninguém estava no passado para observar se houve evolução ou criação, como se ambas fossem questões de fé. Esse argumento é fácil de refutar e vou usar até uma analogia: imagine que ocorra um crime sem nenhuma testemunha, a polícia investiga e soluciona o caso através de investigação, procurando por evidências, como, por exemplo, vestígios que o assassino deixou, coletando amostras de DNA, como acontece em áreas forenses, etc. É mais o menos assim com a evolução.

Existe uma investigação dos vestígios deixados na natureza, como fósseis, comparações no DNA entre os seres vivos dando graus de parentesco entre os grupos de animais, plantas e bactérias. Um exemplo fácil de explicar é que o homo sapiens e o chimpanzé possuem uma similaridade de 98% em relação ao DNA. Com base na genética, podemos observar que somos muito próximos dos chimpanzés, porque fazemos parte da linhagem dos primatas, e isso era previsto pela Teoria da Evolução.

Darwin e Wallace não tinham o conhecimento sobre genética e todas as evidências corroboram que eles estavam corretos na maioria das coisas. Todas as formas descendem de um ancestral em comum. Por isso, compartilhamos genes em comum com todos os seres vivos. Por exemplo, nós, os homo sapiens, temos 98% do DNA idêntico com chimpanzé porque compartilhamos um ancestral em comum que deu origem a nossa linhagem, mas certamente compartilhamos genes em comum com as aves. Porém, somos parentes mais distantes das aves e mais próximo dos primatas.

A evolução é um processo ramificado, imagine uma árvore com um tronco e vários galhos — é basicamente isso. A evolução não depende de fé como o criacionismo, porque ela é baseada em evidências. Se o criacionismo fosse verdadeiro e o mundo tivesse sido criação em 6 dias, não se encontrariam fósseis em camadas diferentes, que evidencia períodos geológicos diferentes, e isso é outra evidência para evolução. Não convivemos com dinossauros, como alguns religiosos acreditam, porque são tempos geológicos diferentes, e isso é comprovado pelos métodos de datação, e, sim, a evolução pode ser observada, como em bactérias.

Referências:

  1. PRÜFER, Kay et al. “The bonobo genome compared with the chimpanzee and human genomes”; Nature, 2012. Acesso em: 14 fev. 2017.
  2. PAGE, Michael Le. “Evolution myths: Evolution is random”; New Scientist. Acesso em: 14 fev. 2017.
Este texto foi originalmente publicado no site Ciencianautas [Aqui!].

Associações científicas publicam nota em defesa do ensino laico nas escolas brasileiras

educação-laica-ebc

NOTA DE ESCLARECIMENTO

As Associações Científicas abaixo assinadas vêm por nota reiterar seu posicionamento em defesa da laicidade da educação brasileira, princípio constitucional e entendida como requisito indispensável para uma educação pública, plural, inclusiva, democrática e de qualidade.

É com preocupação que verificamos a circulação em meio a representantes de órgãos educacionais oficiais do governo federal, de posicionamentos que equiparam ideias de cunho religioso a conhecimentos científicos, quando se trata de explicar a origem e diversificação da vida e do universo. Por isso, vimos reafirmar que o Criacionismo e o Design Inteligente não podem ser entendidos como alternativas científicas às teorias evolutivas, nem devem ser lecionados nas aulas de Ciências e de Biologia. Tais explicações não são científicas, pois, além de não serem resultado de investigações pautadas em atitudes, procedimentos, técnicas e métodos da Ciência, ainda abordam dimensões relacionadas a fenômenos sobrenaturais – o que a ciência não comporta com objeto de estudo.

O Criacionismo e o Design Inteligente (DI) são interpretações dogmáticas, uma vez que seus problemas e incoerências não originam novas questões para pesquisa que possam ser investigadas e discutidas por uma comunidade que segue os critérios científicos. Além disso, essas visões religiosas para explicar o surgimento e as mudanças da vida já contam com espaços de divulgação e discussão nos diferentes locais de culto ou templos religiosos e não cabe à instituição escolar apresentá-las.

Também convém observar que, embora nos posicionemos veementemente contrários aos discursos que afirmam que as explicações criacionistas deteriam o mesmo status
epistemológico que os conhecimentos científicos das teorias evolutivas, compreendemos que o cotidiano escolar é vivo e valorizamos sua diversidade.

Sendo assim, diferentes atores, praticantes ou não de religiões, circulam pelos espaços escolares e devem ter respeitado o direito de expressarem suas crenças, inclusive em aulas de Ciências e Biologia. Afinal, em um Estado laico e democrático não cabe censura ou violência à nenhuma religião ou à falta dela. Por outro lado, também não é aceitável a promoção de determinadas crenças religiosas em detrimento de outras, nem que elas sejam lecionadas como se equivalessem a conhecimentos científicos.

25 de janeiro de 2020.

Associação Brasileira de Ensino de Biologia – SBEnBio
Observatório da Laicidade da Educação – OLÉ
Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências – ABRAPEC
Sociedade Brasileira de Ensino de Química – SBENQ
Associação Nacional de História – ANPUH
Associação Nacional de Pós-Graduação em Filosofia – ANPOF
Fórum Nacional de Diretores de Faculdades, Centros de Educação ou Equivalentes das Universidades Públicas Brasileiras – FORUMDIR FORPIBID-RP

Fala-se muito em escola sem partido, mas e as igrejas podem ter partido?

bolsonaro-igreja-batista-atitude

Por vários anos temos visto a ação agressiva de grupos políticos que desejam impor uma agenda conservadora para a educação brasileira, a maioria abrigada e dinamizada sob a alcunha de “Escola Sem Partido”.  A ação desses grupos logrou aprovar várias leis inconstitucionais em estados e municípios que foram posteriormente declaradas ilegais e não lograram, felizmente, entrar em vigor.

Mas este fenômeno deverá se agravar agora que a extrema direita elegeu bancadas fortes em vários estados e também na Câmara Federal. Não deverão demorar para tentar impor planos pedagógicos que impeçam o ensino da Teoria da Evolução de Charles Darwin e também do conhecimento já existente sobre as mudanças climáticas em curso na Terra e que deverão trazer efeitos devastadores para diversas regiões brasileiras.

Pois bem, mas a questão que eu quero abordar é outra. É que enquanto se fala muito na “Escola Sem Partido”, o atual ciclo eleitoral está mostrando a clara atuação das principais lideranças religiosas do protestantismo, principalmente aqueles ligadas ao que se convenciona denominar de Neopentecostalismo, em favor de uma dada candidatura, numa clara desobediência do que estabelece a Constituição Federal Brasileira.

Não bastasse o apoio dado em púlpitos e corredores, cenas como as mostradas abaixo mostram como a disseminação da cultura do ódio está solapando até as bases fundamentais do que se convenciona chamar de religião cristã que se baseia na solidariedade, no perdão e no amor ao próximo.

Diante do que estamos presenciando é que, independente do resultado das eleições, há que se debater também a essência dessa politização da religião, e de como isso não deve ser tolerado até para aqueles que são religiosos sejam protegidos de líderes inescrupulosos que os usam para atingir objetivos bastante terrenos.

Uenf realiza seminário sobre Religião, Política e Sociedade nos dias 29 e 30/05

seminario

Os programas de pós-graduação em Políticas Sociais e Sociologia Política da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) estão dando suporte à realização do “Seminário – Religião, Política e Sociedade” nos dias 29 e 30 de Maio.

Abaixo segue vídeo explicativo produzido pelos dois organizadores do evento,  Fábio Py e Roberto Dutra, sobre os objetivos e características do evento.

É importante lembrar que a inscrição e presença neste evento são gratuitas.         

 

Marketing acadêmico: Uenf promove seminário sobre religião, política e sociedade nos dias 29 e 30/05

Já estão abertas as inscrições para o Seminário “Religião, Política e Sociedade”  que será realizado pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), nos dias 29 e 30 de maio, na Sala de Multimídia do Centro de Ciências do Homem.

Inscrições pelo email: seminarioreligiaopolitica@gmail.com.

seminario

E se Eduardo Cunha fosse ateu?

cunhaassembleia

Uma das coisas que mais causa horror a muitas pessoas com que converso sobre minhas posições acerca da religião é exatamente o fato de que eu não possuo uma.  Parece que a mim falta alguma coisa fundamental para que eu alcance os critérios éticos com que as pessoas pensam se guiar.  Não sei o que é pior na reação das pessoas: o asco ou o dó que vejo em suas faces em face da minha falta de afiliação religiosa.

Mas como nunca tive religião, essa postura não me incomoda, pois entendo a perspectiva da qual a maioria dos religiosos partem para se posicionarem, qual seja, que a afiliação religiosa concede um certo tipo de selo de garantia moral à pessoa que se declara convencido de que há um ser sobrenatural que rege nossas vidas e destinos. 

Pois bem,  a curiosa situação do deputado Eduardo Cunha que acaba de ser pego em um complexo enredo de contas secretas na Suíça que teriam abastecidas com recursos oriundos de fontes ilegais parece confirmar a minha percepção de que aos que declaram ser religiosos sempre cabe uma tolerância que aos ateus não é dispensada.  O pior é que mesmo em face de todas as provas enviadas pelo Ministério Público da Suiça, o silêncio protetor permanece.

Aí é que me ocorre perguntar aos leitores deste blog: o que aconteceria se em vez de religioso declarado, Eduardo Cunha se revelasse um ateu? Será que haveria tanta tolerância às suas incongruências entre o que prega e o que pratica?

Ricardo Melo: Ateu, graças a deus

inquisição - morte aos hereges

Durante quase 700 anos, a Inquisição católica espalhou o terror pelo mundo, torturando e matando judeus, muçulmanos, bruxas, gays ou quem se atrevesse a pensar diferente

Ricardo Melo, na Folha de S. Paulo

A barbárie estampada na chacina parisiense suscita inúmeras questões. O ponto de partida: sob nenhum ponto de vista é possível justificar o ataque dos fanáticos contra a Redação do Charlie Hebdo. Agiram como facínoras, quaisquer que tenham sido suas motivações. Não merecem nenhum tipo de comiseração. Invocar atenuantes é renunciar aos (poucos) avanços que a civilização humana proporcionou até agora.

“A religião é o ópio do povo”, diz uma frase de velhos pensadores. Permanece verdadeira até hoje. Qual a diferença entre as Cruzadas, a Inquisição e o jihadismo atual? Nenhuma na essência. Tanto uns como outros usaram, e usam, a religião como justificativa para atrocidades desmedidas.

Tanto uns como outros servem a interesses que não têm nada a ver com o progresso da civilização e a solidariedade humana. Todos glorificam o sofrimento como bênção maior, em nome de um além cheio de felicidade e redenção. Se você é pobre, está abençoado. Se você é rico, dê uns trocados no semáforo para conquistar o passaporte para o céu.

Com base em conceitos simplórios como estes, milhões e milhões de homens e mulheres são amestrados para se conformar com a exploração, as injustiças e o sofrimento cotidiano. Sejam cristãos, islamitas ou evangélicos. Por trás dessa retórica, sempre haverá um califa, um Paul Marcinkus, um bispo evangélico, um papa pronto para amealhar os benefícios do rebanho obediente.

A figura de deus, em minúscula mesmo, é recorrente em praticamente todas as religiões. Com nomes diferenciados, ajudou a massacrar islamitas, montar alianças com o nazismo e dar suporte a ditaduras mundo afora. Na outra ponta, serviu, e serve, de “salvo conduto” para desequilibrados assassinarem jornalistas, cartunistas ou inocentes anônimos numa lanchonete ou ponto de ônibus.

Um minuto de racionalidade basta para destruir estes dogmas. A Igreja Católica combate a camisinha quando milhões de africanos morrem como insetos por causa da Aids. Muçulmanos fundamentalistas aceitam estupros como “adultério” e subjugam as mulheres como seres inferiores em nome de Maomé.

Certo que, paradoxalmente, o obscurantismo religioso algumas vezes serviu de combustível para mudanças sociais. Khomeini, no Irã, é um exemplo, embora o resultado final não seja exatamente promissor. Já a primavera árabe atolou num inverno sem fim. Hosni Mubarak, ditador de papel passado, recentemente foi absolvido de todos os seus crimes contra o povo do Egito. Os milhões que se reuniram na praça Tahrir para denunciar o autoritarismo em manifestações memoráveis repentinamente viraram réus. Tão triste quanto isso é saber que a grande maioria deles conforma-se com o destino cruel. “É o desejo do profeta”, em minúscula mesmo.

A história registra à exaustão a aliança espúria entre religiosos e um sistema que privilegia desigualdade e opressão. O Estado Islâmico foi armado até os dentes por nações “democráticas”. Bin Laden e sua seita de fanáticos receberam durante muito tempo o apoio da CIA. Hitler, Mussolini e sua gangue mereceram a complacência do Vaticano em momentos cruciais. Binyamin Netanyahu, o algoz dos palestinos e carrasco da Faixa de Gaza, posou de humanitário numa manifestação em Paris contra o “terror”.

Respeitar credos é uma coisa; nada contra a tolerância diante das crenças de cada um. Mas, sem tocar na ferida da idiotia religiosa como anteparo para interesses bem materiais, o drama de Charlie Hebdo será apenas a antessala de novos massacres abomináveis.

FONTE: http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/ricardo-melo-ateu-gracas-deus.html