Por trás do alimento: uma iniciativa jornalística para aumentar o conhecimento sobre os agrotóxicos em nossa comida

As organizações jornalísticas Agência Pública e Repórter Brasil, que, juntas, têm mais de 60 prêmios de jornalismo nacionais e internacionais,  acabam de lançar o site “Por Trás do Alimento”, uma iniciativa jornalística que visa investigar como são produzidos os alimentos produzidos pela agricultura brasileira, sejam para consumo interno ou para exportação [1].

agrotóxicos por trás dos alimentos

Essa é uma iniciativa fundamental, na medida em que a maioria dos brasileiros desconhece o fato de que desde 2008 somos o país que mais consome agrotóxicos no mundo.  Assim, essa iniciativa permitirá um maior conhecimento sobre os sistemas de produção de alimentos e os produtos químicos que são utilizados para manter um sistema que causa graves danos ao ambiente e à saúde humana.

O artigo de lançamento do “Por trás do alimento” é do jornalista José Brito e aborda o fato de que agrotóxicos proibidos na Europa são campeões de venda no Brasil [2].  Um dado impressionante sobre esta situação é que cerca de um terço dos ingredientes liberados para uso no Brasil estão proibidos na União Européia.  Entre estes produtos estão o paraquate, a atrazina e o acefato, todos conhecidos por causarem graves danos à saúde das pessoas que entram em contato com elas.

Lamentavelmente, a situação deverá se agravar agora que temos uma combinação trágica entre os ministros que comandarão os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, ambos conhecidos por defenderem regras ainda mais flexíveis para o uso de agrotóxicos que estão sendo banidos em todo o planeta.

Por outro lado, com o “Por trás do alimento”, poderemos ter o necessário acesso à informações importantes sobre os interesses econômicos e políticos em torno do uso de agrotóxicos na agricultura brasileira.


[1]https://portrasdoalimento.info/

[2] https://portrasdoalimento.info/2018/12/10/agrotoxicos-proibidos-na-europa-sao-campeoes-de-vendas-no-brasil/

 

Carne, Osso: documentário sobre moedor de gente da indústria da carne no Brasil

Para quem está ficando penalizado com a situação das empresas da indústria da carne flagradas adulterando seus produtos para manter suas fantásticas taxas de lucro, estou postando abaixo o documentário “Carne, Osso” produzido pela ONG  Repórter Brasil para mostrar as condições absurdamente duras que prevalecem no trabalho cortidiano dentro 

dos s frigoríficos brasileiros de abate de aves, bovinos e suínos (Aqui!).

O documentário mostra que quem trabalha em um frigorífico se depara diariamente com uma série de riscos que a maior parte das pessoas sequer imagina. Tais riscos incluem a exposição constante a facas, serras e outros instrumentos cortantes; realização de movimentos repetitivos que podem gerar graves lesões e doenças; pressão psicológica para dar conta do alucinado ritmo de produção; jornadas exaustivas até mesmo aos sábados; ambiente asfixiante e, obviamente, frio – muito frio.

 Ao longo de dois anos, a equipe da ONG Repórter Brasil percorreu diversos pontos nas regiões Sul e Centro-Oeste à procura de histórias de vida que pudessem ilustrar esses problemas.  O filme alia imagens impactantes a depoimentos que caracterizam uma realidade que deve ser encarada com a devida seriedade pela iniciativa privada, pela sociedade civil e pelo poder público.

Talvez após assistir a este documentário, possamos ter um debate mais qualificado sobre o consumo da carne e seus impactos sociais e ambientais no Brasil. E além disso, espero que ninguém mais caia na ladainha de que os donos dessas empresas representam algum tipo de injustiçado social após a ação da Polícia Federal.

 

Escravidão é uma das peças chaves na destruição da floresta Amazônica

Ontem abordei neste blog o envolvimento de representantes de diferentes esferas de governo no estado de Rondônia no roubo de terras no interior da reserva indígena dos Uru-Eu-Wau-Wau (Aqui! ). Mas numa demonstração que os problemas que estão ocorrendo em toda a Amazônia brasileira são mais amplos, hoje o site UOL publicou uma extensão reportagem assinada pelas jornalistas Ana Aranha e Tânia Caliari do Repórter Brasil onde fica demonstrada a relação direta entre a prática do trabalho escravo e a extração ilegal de madeira dentro de áreas florestais no estado do Pará (Aqui! ).

illegal loging 2
Ainda que eu tenha sempre desconfiado da versão fantasiosa propagada durante o período em que os presidentes Lula e Dilma Rousseff governaram o Brasil, as revelações que emergem desta reportagem das jornalistas Ana Aranha e Tania Calliari mostra que o problema está atingindo um nível alarmante no governo “de facto” de Michel Temer e do seu folclórico ministro do Meio Ambiente, Zequinha Sarney. É que ma ausência de medidas mais amplas de repressão aos madeireiros ilegais, não apenas o desmatamento está atingindo níveis alarmantes, como também a prática do trabalho escravo está se disseminando.

ilegal logging
Além disso, a matéria também demonstra que as áreas indígenas no Pará, como em Rondônia, também estão sob forte pressão de grupos que atuam à margem da lei. Essa revelação também serve para reforçar a impressão de que os discursos como o do ministro Osmar Serraglio que já condenado pelo Conselho Indígena Missionário (CIMI (Aqui!) estão, na verdade, sendo interpretados como uma autorização tácita para o avanço dos madeireiros sobre as áreas onde vivem os povos originais, os quais têm cumprido um papel fundamental na preservação da floresta Amazônica.

ilegal logging 1
Agora, quem pensa que o problema da extração ilegal de madeira e a prática do trabalho escravo estão desconectado das grandes corporações nacionais e multinacionais que atuam no Brasil e no exterior, pense de novo. É que a reportagem também mostra uma direta conexão entre esses fenômenos e grandes empresas, sendo que a Tramontina foi apontada explicitamente como uma das beneficiárias do saque que está sendo promovido nos recursos florestais amazônicos a partir do uso do trabalho escravo (Aqui!).

Um elemento bastante importante que merece ser analisado com mais profundidade é sobre o impacto deste tipo de atividade sobre a capacidade dos ecossistemas amazônicos continuarem prestando os importantes serviços ambientais que a eles estão sendo associados, a começar pelo controle climático que é propiciado por suas florestas. Ao serem degradadas e depois removidas via “corte raso”, o que se faz é aumentar os desequilíbrios ambientais que estão sendo sentidos dentro e fora da Amazônia, como é o caso dos ciclos de chuva na região centro sul do Brasil.