Venda do futuro: aqui não, lá sim? Haja contradição!

garotinho

Inicialmente quero indicar minha posição contrária à estratégia de se empenhar as rendas futuras dos roaylties do petróleo como está fazendo a prefeita Rosinha Garotinho. Por uma, se não tivessem se comportado como novos ricos e gastado como cigarras que não se preocuparam com o inevitável inverno, talvez pudéssemos estar nos defrontando com o sucesso de uma forma de gerir a coisa pública em meio a uma tempestade global. Mas como não foi esse o caso, não restou à administração liderada de fato por Anthony Garotinho senão embarcar na fórmula de vender o que não se tem para tocar a máquina municipal. E, pior, sem que se corrijam alguns dos defeitos que nos levaram à bancarrota.

Resumida a minha posição sobre a venda do futuro via entrega antecipada dos recursos dos royalties, vou me dedicar a um exercício mais fácil, que é o de explicitar a profunda contradição em que se encontram aqueles que dentro do parlamento municipal ou na imprensa local criticam a estratégia de captação idealizada pelo grupo político que comanda a Prefeitura de Campos dos Goytacazes. É que condenando a “venda do futuro” no plano municipal, essas mesmas forças políticas se calam rotundamente, e alguns até votam a favor na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, pelo uso do mesmo artifício, só que utilizando o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação , o nosso velho amigo, o ICMS pelo (des) gvoernador Luiz Fernando, o Pezão.

A contradição é tão profunda que permite ao ex-deputado Garotinho nadar de braçadas na discussão sobre a entrega dos royalties e, além disso, tecer uma estratégia de desmoralização política para amaciar o caminho da reeleição do seu grupo para continuara Prefeitura de Campos dos Goytacazes em 2016.

Aí é que a situação o imperado romano Júlio César e sua mulher Pompéia quando de um escândalo amoroso, onde o monarca teria dito que “minha esposa não deve estar nem sob suspeita“. É que aqui não há nem suspeita de profunda relativização do que é bom ou ruim para o nosso futuro. A contradição é flagrante demais até para ser ignorada por quem mais conta, os eleitores campistas.

Secretário de Defesa Civil ou de Defesa da Prefeita?

Chuva-7

Hoje sintonizei acidentalmente a Rádio Educativa e tive a oportunidade de ouvir o fim de uma “entrevista” com o Sr. Henrique Oliveira, secretário municipal de Defesa Civil no programa animado pelo ex- governador e ex-deputado federal Anthony Garotinho. Nesse ponto, o secretário se ocupava de ocupar como a prefeita conseguiu acabar com os alagamentos que se sucediam às chuvas aqui na cidade de Campos. Como tive que dirigir recentemente no meio de um oceano que se formou após poucos mais de 15 minutos de chuva intensa, achei essa declaração, no mínimo, exagerado.

Mas pensando bem, o problema pode ter mais a ver com a real natureza do cargo ocupado pelo Sr. Henrique Oliveira. Vá lá que apesar do nome ser “defesa civil”, a nomeação seja realmente para “defesa da prefeita”. Aí sim faria mais sentido!