Caso Chequinho: não gostou da mensagem? Atire no mensageiro

Resultado de imagem para do not like the message shoot the messenger

As revelações trazidas pelo SBT Rio têm trazido algumas repercussões curiosas no plano da mídia corporativa de Campos dos Goytacazes. Como não se pode mais manter intacta a narrativa construída para dar sustentação à perseguição midiática-jurídica-policial, agora estou vendo tentativas de descaracterizar a capacidade dos jornalistas do SBT Rio de produzirem jornalismo de boa qualidade, em que pesem estar trabalhando na emissora comandada pela família Abravanel.

sbt rio

Esse procedimento é clássico por parte daqueles que não têm como desconstruir (ou seria destruir?) a mensagem passam a atacar o mensageiro. O problema é que nesse caso o mensageiro tem mais público e mais capacidade de continuar produzindo matérias que definitivamente tirarão o embate existente no plano paroquial para o nacional. É que certamente as idas e vindas da Operação Chequinho ainda vão parar no jornalismo nacional do SBT. E quem pode culpar os produtores dos programas jornalísticos da tv do Silvio Santos se o material sendo levantado é, digamos, deveras importante?

Por último, eu tenho a impressão que se forem estabelecidas as devidas conexões entre o que aconteceu e está acontecendo em Campos dos Goytacazes com o grupo político do ex-governador Anthony Garotinho com o que está se passando no plano nacional com o ex-presidente Lula, vamos poder assistir ao desabamento de um castelo de cartas muito maior do que os produtores do jornalismo do SBT Rio imaginaram que iriam tocar num primeiro momento. É que tudo está muito parecido para ser apenas acidente. 

O irônico é perceber que os destinos de Anthony Garotinho e Lula, que faz tempo não são lá grandes amigos, se encontrarem de forma tão curiosa já que os ingridientes da saga em que suas vidas se transformaram parecem ser basicamente os mesmos.

Matéria “nitroglicerina” do SBT Rio deve agitar cenário político, policial e judicial em Campos dos Goytacazes

Resultado de imagem para nitroglicerina pura

A matéria do SBT Rio sobre os bastidores da chamada “Operação Chequinho” foi ar como anunciada e traz uma série de elementos que deverão agitar o cenário político, policial e judicial em Campos dos Goytacazes, ao menos pelas próximas semanas.

É que há ali uma série de ingredientes que colocam em xeque autoridades e suas ações cujas repercussões ainda são sentidas, principalmente no meio político.

Agora é esperar para ver os próximos capítulos dessa saga que deve ainda ter desdobramentos importantes.

Abaixo o vídeo com a reportagem que foi ar na edição das 12 horas.

Matéria do SBT Rio promete fazer a terra tremer em Campos dos Goytacazes

Imagem relacionada

Acabo de ler a chamada de uma matéria que o SBT Rio levará ao ar no dia de hoje e aproveito para reproduzir seu conteúdo logo abaixo:

Exclusivo: Reviravolta no Caso da Operação Chequinho, que investiga um suposto esquema de compra de votos na eleição de Campos, no interior do estado. Documentos obtidos pelo SBT Rio revelam que a própria chefe da Delegacia da Polícia Federal de Campos denunciou várias irregularidades que teriam sido cometidas durante o processo. Entre elas, prisões ilegais, coação de testemunhas e até delegado elaborando decisão judicial.

Bom, boa parte dos fatos que serão veiculados pelo SBT Rio já tinham sido fartamente denunciados pelo ex-governador Anthony Garotinho e seus apoiadores. A novidade aqui é que as denúncias agora partem aparentemente da delegada chefe da delegacia de Campos dos Goytacazes. Esta “novidade” certamente é inesperada para muitos, inclusive para mim e adiciona uma pitada explosiva no imbróglio em que se tornou a chamada Operação Chequinho.

Ah, sim, outra novidade anunciada é a participação de um delegado da Polícia Federal na elaboração de decisão judicial. Como decisão judicial é algo que só juízes podem legalmente redigir, resta esperar a veiculação da matéria do SBT Rio para saber qual decisão judicial teria sido escrita por qual delegado da Polícia Federal.

Por isso é que seguindo a Lei de Murphy que eu digo “não há nada que não esteja tão ruim que não possa piorar”. 

SBT-Rio revela bastidores da corrupção com o (des) governador Pezão ocupando o insólito papel de pacificador das propinas

 

O SBT-Rio levou ao ar hoje o que promete ser  apenas o início de mais uma daquelas séries que o canal vem se notabilizando a partir da cobertura do caso do Porto do Açu.  É que nesta segunda-feira (03/04), o SBT-Rio mostrou uma matéria onde são apresentados detalhes da delação premiada do ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

E, pasmemos todos nós, segundo o que teria delatado Jonas Lopes Filho, o (des) governador Pezão teria transformado o seu apartamento no bairro do Leblon numa espécie de APP (Apartamento da Propina Pacificadora), pois em pelo menos um caso ele teria agido para “pacificar” os ânimos exaltados por causa da cobrança e distribuição de propinas. E pensar que nesses anos todos eram as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) que ganharam notoriedade! Qual nada,  o negócio do (des) governo do Rio de Janeiro parece ter sido por para funcionar vários APPs!

A matéria vai ao detalhe de informar que o cardápio teria incluído o oferecimento de um caríssimo vinho português, o Barca-Velha, para os comensais se deliciarem enquanto discutiam a divisão do butim obtido a partir de obras públicas. Apenas para se ter uma ideia do fausto, o preço de um garrafa gira do Barca-Velha pode começar em torno de “módicos” R$ 1.348,62, mas pode chegar a “salgados R$ 3.346,20 (Aqui!)!

Abaixo o vídeo com a matéria completa que foi levada ao ar pelo SBT-RIO

E com essa matéria tendo ido ao ar,  já podemos ao menos saber que quando o (des) governo Pezão declarou que não conhecia o lado corrupto de seu mentor político, o hoje presidiário ex (des) governador Sérgio Cabral, ele no mínimo cometeu uma injustiça com o amigo de fé. 

Agora, vejamos como ficará o clima dentro não apenas do (des) governo Pezão, mas também na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).  Certamente não haverá clima para que se saboreie um Barca-Velha. Ou haverá?

Depois do Açu, SBT-RIO desvela conexões íntimas entre políticos do PMDB no Porto Sudeste

charlinho

A equipe de reportagem do SBT-RIO que realizou uma série de reportagens sobre o Porto do Açu parece ter tomado gosto por desvelar as partes mais obscuras dos negócios do ex-bilionário Eike Batista.  Assim, ao longo desta semana o SBT-Rio apresentou uma série de reportagens sobre o Porto Sudeste, o megaempreendimento iniciado por Eike Batista na Baía de  Sepetiba, mais precisamente no município de Itaguaí.

Estou postando abaixo o “episódio” que foi ao ar ontem (24/03) onde ficam explícitas as relações comerciais que envolvem o prefeito de Itaguaí, Carlos Busatto Junior,  Charlinho, (PMDB), e o presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, deputado Jorge Picciani (PMDB), bem como a ausência de retornos sociais pelo vultosos que foram realizados na construção do Porto Sudeste..

Assim, como no caso do Porto do Açu, o que temos é o envolvimento de políticos do PMDB com negócios envolvendo Eike Batista, o que reforça o fato de que essas coisas não são mera coincidiência, mas fizeram parte de acordos mais amplos e que, provavelmente, envolveram outros megaempreendimentos relacionados ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Outra coincidência envolvendo os portos do Açu e do Sudeste é que após o colapso do Grupo EBX ambos foram adquiridos por fundos de investimentos internacionais, EIG Global Partners e Mubadala, o que implica na desnacionalização dessas duas unidades portuárias.

Essa rede de conexões promete ter ainda muitos outros desdobramentos já que as reportagens do SBT-RIO estão apontando para muitas ramificações envolvendo estes personagens de proa da política fluminense. A ver!

Porto do Açu: quarta reportagem do SBT RIO trata da criação de uma CPI para analisar irregularidades

eike-batista-e-o-sbt

A quarta e penúltima reportagem da série “Porto da desilusão” que foi produzida pelo SBT RIO abordou, entre outras coisas, a possível criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para averiguar as irregularidades cometidas durante o processo de implantação do Porto do Açu.

Além disso, a reportagem abordou de forma prática a discrepância existente as promessas de um ciclo virtuoso de desenvolvimento no Norte Fluminense, especialmente no município de São João da Barra, e o que está efetivamente acontecendo.

Ambos aspectos da reportagem são importantes, pois há ainda existe uma grande falta de conhecimento sobre os reais impactos (positivos e negativos) que o Porto do Açu trouxe para São João da Barram, e especialmente para os habitantes do V Distrito.

 

Porto do Açu: terceira reportagem do SBT RIO aborda problemas ambientais causados pelo empreendimento de Eike Batista

sal

A terceira reportagem (de uma série de cinco), o SBT RIO mostrou hoje os problemas ambientais causados pela forma de implantação do Porto do Açu com foco nos processos de remoção da vegetação de restinga, salinização de águas e solos, e erosão costeira.

No papel de entrevistado abordei os problemas envolvendo o modelo de “licenciamento ambiental Fast Food” que foi aplicado no processo de emissões de licenças pelo Instituto Estadual do Ambiente (INEA) e das consequências mais perceptíveis que foram a salinização e a erosão costeira. Entretanto, a questão da remoção de uma ampla faixa de restinga também apareceu na matéria.

Aliás, é sempre bom lembrar que em 2016 foi concluída com êxito a dissertação de mestrado da minha então orientanda no Programa de Ecologia e Recursos Naturais da UENF, Juliana Ribeiro Latini, onde ela abordou de forma rigorosa os problemas ambientais envolvendo a implantação do Porto do Açu (Aqui!).

Após assistir a matéria o que me deixou perplexo foi a insistência tanto do INEA como da Prumo Logística em negar os problemas que já foram cientificamente comprovadas e de se abster pelas responsabilidades em torno da inexistência de medidas de mitigação para os mesmos.  

Mas essa negação da realidade objetiva foi desmantelada pelo processo de investigação jornalística que o SBT RIO realizou.  Por isso mesmo é que negar o objetivo está ficando, digamos, bastante “démodé”.  É que ainda faltam duas reportagens para a série e outras facetas envolvendo a forma pela qual o Porto do Açu foi implantada vão aparecer.