Prisões na Alerj e no (des) governo Pezão revelam mais participantes da farra que assolou a política fluminense

alerj

Os principais veículos da mídia corporativa fluminense e nacional informam que hoje está ocorrendo mais uma rodada de prisões envolvendo deputados estaduais e um dos secretários mais poderosos do (des) governo Pezão [1, 2 &3]. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Entre os deputados presos os mais “ilustres” são André Corrêa (DEM) e Chiquinho da Mangueira (PSC) [que acabaram de ser reeleitos], mas as prisões do secretário de governo, Affonso Henriques Monnerat Alves da Cruz e do presidente do DETRAN, Leonardo da Silva Jacob, deverão deixar outros deputados que ainda não foram presos ou sequer ligados publicamente aos esquemas do ex (des) governador Sérgio Cabral de cabelos em pé.

É que as prisões de hoje decorrem da delação premiada do economista Carlos Miranda, uma espécie de gerente do esquema de propinas comandado por Sérgio Cabral.  Como existem outras delações sendo processadas pela justiça, o mais provável é que ainda tenhamos outros deputados presos, inclusive alguns que foram reeleitos.

Uma curiosidade a mais é que o deputado André Corrêa (DEM) vinha se apresentando como uma espécie de nome de consenso para presidir a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) a partir de janeiro de 2019. Com a sua prisão no dia de hoje, o mais provável é que ele vá passar mais tempo tentando se livrar dos seus problemas na justiça do que tentando angariar votos para presidir a Alerj.


[1] https://extra.globo.com/noticias/brasil/pf-esta-na-ruas-para-prender-deputados-da-alerj-ligados-ao-esquema-cabral-23219512.html

[2] https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/11/pf-cumpre-dez-mandados-de-prisao-contra-deputados-estaduais-do-rj.shtml

[3] https://oglobo.globo.com/rio/pf-esta-nas-ruas-para-prender-deputados-da-alerj-ligados-ao-esquema-cabral-23219501

 

A quem interessa o banimento do Blog do Garotinho? A Eduardo Paes, é claro!

Acabo de ler no “Diário do Centro do Mundo”  que a justiça eleitoral retirou do ar o Blog do Garotinho, com o argumento de que o candidato a governador do Estado do Rio de Janeiro utilizava o veículo para promoção pessoal, e em detrimento dos adversários [1].

paes garotinho 

A matéria explica ainda que o banimento do “Blog do Garotinho” se deveu às suas contínuas denúncias contra o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) que reinou solene na cadeira de prefeito da cidade do Rio de Janeiro em função da sua ligação umbilical com o hoje prisioneiro e ex- (des) governador Sérgio Cabral (MDB). 

cabral paes

A verdade é que Anthony Garotinho” tem sido uma pedra no sapato não apenas de Sérgio Cabral e seu grupo, mas também de Eduardo Paes que hoje, graças ao silêncio da mídia corporativa, anda cometendo todo tipo de ilegalidade para levar à frente sua campanha, apesar de ser considerado inelegível pela mesma justiça eleitoral que decidiu banir o seu blog.

Curiosamente a mídia corporativa não está dando a repercussão devida a um ato que fere diretamente o exercício da livre expressão, um direito constitucional. É que, gostando ou não das ideias e práticas políticas de Anthony Garotinho, o seu blog é acessado diariamente por milhares de pessoas, as quais agora estão impedidas de fazê-lo à guisa de garantir os direitos de um candidato que, a grosso modo, não poderia nem estar fazendo campanha.

Como o meu próprio blog volta e meia é o alvo de pressões judiciais de quem desejar impedir que possa veicular minhas opiniões e/ou fatos devidamente documentados, não posso deixar de manifestar minha integral solidariedade a Anthony Garotinho e à equipe do seu blog. 

E deixo aqui a minha expectativa de que a decisão que implicou nesse banimento absurdo seja rapidamente derrubada em instâncias superiores.


[1] https://www.diariodocentrodomundo.com.br/justica-tira-do-ar-blog-do-garotinho-e-eduardo-paes-tem-caminho-aberto-para-a-eleicao-por-joaquim-de-carvalho/

Porto do Açu, suas desapropriações escabrosas, e a difícil arte de produzir alimentos em estado de sítio

Desde que postei o vídeo abaixo mostrando a destruição de cultivos de jiló e maxixe por funcionários do Porto do Açu, tenho recebido inúmeras manifestações indignadas com o que as pessoas entendem ser uma ação absurda e despropositada já que as terras em disputa são de propriedade de fato e de direito das famílias que tiveram os seus plantios destruídos.


Pois bem, com certeza o senso de indignação vai aumentar ainda mais com as imagens abaixo que mostram tudo o que era plantado e colhido numa área de meros 0,3 ha cobertas por solos arenosos e com forte presença salina.

Este slideshow necessita de JavaScript.


Mas mais importante do que mostrar o resultado da produção, resultado de uma forma altamente adaptada às condições ecológicas existentes no V Distrito de São João da Barra, é mostrar a face do agricultor Alexandro Alvarenga que cultivava uma porção da propriedade que foi tomada de sua família pelos decretos de expropriação promovidos pelo (des) governador Sérgio Cabral em favor dos interesses do ex-bilionário Eike Batista, e que foi algemado na estranha ação de “reintegração de posse” em favor da Porto do Açu Operações S/A.

IMG-20180823-WA0057
É graças ao processo de resistência produtiva que é realizado por Alecsandro e tantos outros agricultores que tiveram suas terras expropriadas que o V Distrito continua sendo uma espécie de berço agrícola do município de São João da Barra.
E aí eu pergunto, quem está invadindo as terras de quem? E mais importante ainda, qual a fome que deve ser saciada: a de terras do fundo privado transnacional que hoje controla o Porto do Açu ou a nossa?

Em visita surpresa, Eduardo Paes e Comte Bittencourt vêem de perto o caos criado pelo (des) governo Pezão na UENF

O campus Leonel Brizola da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) foi hoje palco de uma inesperada (e não comunicada) visita da chapa ao governo do Rio de Janeiro formada por Eduardo Paes (DEM) e Comte Bittencourt (PPS) (ver imagem abaixo).

IMG-20180823-WA0075

Essa visita é daquele tipo do carrasco que visita a vítima, já que Eduardo Paes esteve até recentemente no PMDB de Sérgio Cabral e Pezão que colocaram a Uenf na maior crise financeira e acadêmica da sua jovem história de 25 anos. Já Comte Bittencourt, presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, passou ao comportamento “tô vendo, mas finjo que não” desde que o seu partido, o PPS, o mesmo do prefeito Rafael Diniz, entrou para a base do (des) governo Pezão.

A coisa foi tão de sopetão (providencialmente, aliás) que a reitoria da Uenf nem usou a intranet da universidade para informar sobre a presença dos “ilustres visitantes”. Talvez para evitar algum tipo de manifestação desairosa por parte da comunidade universitária.

Mas como desse mato não deverá sair coelho caso os dois sejam, sabe-se lá como, eleitos para governar o Rio de Janeiro, fica o registro da presença que certamente foi autorizada pelo Tribunal Regional Eleitoral, sempre tão cioso da presença de políticos em repartições públicas durante campanhas eleitorais.

O silêncio seletivo em torno da lista de Carlos Miranda, o “operador” de Sérgio Cabral

O portal G1 publicou ontem (18/08) uma matéria assinada pelos jornalistas Arthur Guimarães, Leslie Leitão e Paulo Renato Soares dando informações sobre os implicados na delação do Sr. Carlos Miranda, também conhecido como o “operador” de Sérgio Cabral. A matéria deu detalhes de quanto foi alocado para cada “beneficiário” das “operações” de captação ilegal de recursos junto a empreiteiras, com a finalidade de financiamento de campanhas eleitorais [1].

carlos miranda lista

Pois bem, como há pelo menos um político com base no município de Campos dos Goytacazes citado na lista de Carlos Miranda, resolvi verificar qual a repercussão dada na mídia campista impressa e eletrônica sobre o assunto. Mesmo levando em consideração que nem sempre tal repercussão é imediata, surpreendentemente encontrei apenas dois veículos que citaram a matéria do G1 [2 & 3].

Aí é que eu pergunto: será que teríamos o mesmo comportamento de “a lerda” em relação a esta verdadeira bomba de neutrons jogada sobre a cabeça dos citados se os denunciados fossem Anthony Garotinho ou o ex-presidente Lula?

Acredito que os leitores deste blog já sabem bem a resposta à pergunta acima e sobre o que isto revela sobre a forma seletiva com que o combate à corrupção é feito pela mídia, aqui e alhures. E é desta seletividade que devemos desconfiar sempre quando formamos as nossas opiniões sobre a realidade onde estamos envolvidos.


[1] https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2018/08/18/em-delacao-operador-de-cabral-diz-que-40-politicos-do-rj-receberam-caixa-2-e-que-paes-pediu-dinheiro-para-o-mdb.ghtml

[2] http://www.tribunanf.com.br/operador-de-cabral-delata-40-politicos-do-estado-deputado-de-campos-entre-os-delatados/

[3] https://www.clickcampos.com/delator-diz-que-joao-peixoto-recebeu-r-1-milhao-em-propina-durante-campanha/

Porto do Açu: carta denuncia violações de direitos dos agricultores expropriados

IMG_9206

Este blog vem acompanhando desde 2010 as idas e vindas do processo de expropriação de terras que foi promovido pelo (des) governo de Sérgio Cabral em prol do conglomerado de empresas pré-operacionais do hoje ex-bilionário Eike Batista, e que atingiu os direitos de propriedade e o próprio modo de vida de centenas de famílias de agricultores famíliares no V Distrito de São João da Barra, e que terminaram nas mãos da Prumo Logística Global, atual controladora do Porto do Açu.

Os motivos para se preocupar com o tratamento desigual dado aos agricultores em relação ao que tem sido oferecido às corporações que controlaram ou controlam o megaempreendimento do Porto do Açu são inúmeros, começando com a negação objetiva de que os expropriados recebam o ressarcimento devido pela tomada de suas terras.

Nesse sentido, é que compartilho abaixo a carta denúncia emanada do Núcleo de Estudos sobre Trabalho, Cidadania e Desenvolvimento (Netrad) da Universidade Federal Fluminense de Campos dos Goytacazes sobre os últimos acontecimentos no V Distrito de São João da Barra, envolvendo a retirada de gado pertencentes aos agricultores expropriadas do imenso latifúndio que foi criado com as terras que lhes foram tomadas pelo (des) governo de Sérgio Cabral.

 

Carta Denúncia: violações no Açu

Vimos por meio dessa carta, que se encontra anexada, questionar onde está a Ampla Defesa? O Contraditório? E ao mesmo tempo alertar a sociedade de mais essa injustiça praticada em nome da acumulação, concentração e centralização da riqueza nessa região e no país. Que simplesmente, em uma década, o domínio privado das terras, já alcança quase que 30 mil hectares de terras em função do projeto Minas Rio, somando terras privadas e unidades de conservação (em que parte é terra pública, mas com destinação vinculada ao empreendimento) em Conceição de Mato Dentro/MG, no Açu em São João da Barra/RJ e nas áreas de servidão de todo o percurso dos 525 quilômetros do mineroduto das cavas para exploração do minério nas Montanhas em Minas Gerais, até os mares, para exportação, até então do minério no Porto do Açu. 

Solicitamos ampla divulgação.

Há braços em luta

carta denúncia açu

(Des) governador Pezão assina decreto anticorrupção: suprema ironia ou certeza de impunidade?

Resultado de imagem para pezão corrupção

Uma notícia publicada pelo jornal Folha da Manhã deveria merecer receber o Prêmio Pulitzer pela manchete mais irônica do século XXI. A mesma diz com suprema capacidade síntese “Pezão publica lei anticorrupção no Rio de Janeiro” [1].  

pezao anticorrupção

Vamos lá, será que sou o único a ver a suprema ironia na promulgação desse decreto que visa punir empresas envolvidas em atos de corrupção que firam a economia e a administração pública? 

É que sendo Pezão o herdeiro natural de um governador (no caso o hoje desgraçado Sérgio Cabral Filho) que está preso por ter cometido os mais graves crimes contra o tesouro estadual de que se tem notícia, ver a agora o (des) governador assinar um decreto anticorrupção é algo que 1) coloca o tal descrédito em imediata suspeição e 2) mostra que a luta contra a corrupção é uma daqueles agendas que servem a qualquer propósito, inclusive a de limpar a barra de quem é pego na necessidade de oferecer sérias explicações sobre o que fez ao longa da última década.

Finalmente, há que se ressaltar que a própria matéria da Folha da Manhã nota a contradição entre o (des) governador Pezão ter assinado um decreto anticorrupção enquanto é  citado em delações da Lava Jato,  e é investigado em auditoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE).  Tudo isso por suspeita, sim isso mesmo, de envolvimento em atos de corrupção.

E antes que eu me esqueça: julho está passando e nem notícias do pagamento da metade do 13o. salário de 2018 dos servidores públicos estaduais. Será que milhares de servidores vão ter o mesmo tipo de tratamento que tiveram nos últimos anos por parte do (des) governador Pezão? 


[1] http://www.folha1.com.br/_conteudo/2018/07/politica/1236654-pezao-publica-lei-anticorrupcao-no-rio-de-janeiro.html