Candidata do PSOL envia resposta sobre como ficará contrato com a concessionária “Águas do Paraíba”

No dia 21 de outubro lancei neste blog uma pergunta dirigida aos 11 candidatos a prefeita ou prefeita do município de Campos dos Goytacazes sobre o que será feito em relação ao contrato de concessão dos serviços municipais de água e esgotos do qual hoje a empresa “Águas do Paraíba” é a detentora, com efeitos conhecidos em termos do campista pagar por uma das tarifas mais caras da América Latina, sem que haja uma contrapartida visível pela universalização do acesso a estes serviços.

Passados cinco dias de que a pergunta foi publicada, eis que recebi a primeira resposta a uma questão que deveria estar mobilizando todos os candidatos e, aparentemente, até agora não está.  A responsável pela resposta até aqui solitária é a Professora Natália Soares, candidata a prefeita pelo PSOL.

Abaixo posto na íntegra a resposta que me foi enviada pela candidata do PSOL, e fico no aguardo dos demais.

natália soares

No dia 21 de outubro de 2020, o professor Marcos Antonio Pedlowski fez a seguinte pergunta em seu blog:  “caso seja eleita ou eleito, o que fará para rever os termos do contrato firmado pelo Município de Campos dos Goytacazes com a concessionária dos serviços de água e esgoto “Águas do Paraíba”, especialmente no que tange à definição dos preços cobrados à população?” 

O nosso programa logo de início sinaliza para a grande desigualdade no nosso país, e Campos dos Goytacazes não é uma exceção, sendo fruto da herança colonialista e escravocrata que visa principalmente o lucro de uma elite que sistematicamente atinge diretamente a classe trabalhadora e mais pobre. Um dos exemplos é exatamente a concessão para comercialização das águas e tratamento dos esgotos, tendo sido Campos dos Goytacazes um dos primeiros municípios a realizar este tipo de procedimento para prestação de serviços. 

Não é possível que após 20 anos de concessão tenhamos 1.472 famílias sem banheiro nas suas moradias e 18.841 não tendo acesso à rede pública de água, e ainda dependente de poços ou nascentes em suas residências. Portanto, sob nossa gestão estaremos cumprindo a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas que prevê e assegura a disponibilidade e gestão sustentável das águas e saneamento para todos (Objetivo 6). Inclusive cabe ressaltar que o nosso município aparentemente está em desacordo com muitos dos itens inclusive no que tange a proteger e restaurar ecossistemas relacionados com a água, incluindo montanhas, florestas, zonas úmidas, rios e lagos que estavam previstos como meta para 2020.

Em nosso plano de governo citamos explicitamente que iremos revisar o contrato com a empresa “Águas do Paraíba” por entender que precisamos redimensionar os preços que tem sido cobrado à população, iremos estabelecer o controle social do serviço de água e esgoto, e fiscalizar o cumprimento dos termos do contrato dentro do município como um todo. O comitê de gestão das águas (Comitê do Baixo rio Paraíba do Sul) deverá incluir representação dos pescadores, trabalhadores sem terra e pequenos agricultores, previstos na Agenda 2030, mas hoje controlado principalmente pelos grandes proprietários rurais. 

Por último, o nosso Plano de Gestão Municipal inclui o conceito de Saúde Única que reconhece a conexão entre saúde humana, animal e o ecossistema. E sob esta perspectiva, a qualidade das águas de abastecimento, para agricultura e recreação será fundamental para a saúde e bem-estar da população. Afinal, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) cada real investido em água e saneamento resulta em uma economia de 5 reais na saúde. Portanto, conservar os recursos hídricos resulta em economia, saúde e bem-estar para toda população.

Pergunta para os 11 candidatos a prefeito de Campos dos Goytacazes: vai rever uma das tarifas mais caras de água da América Latina?

conta-esgoto

Confesso que ando tentando separar o joio do trigo na atual campanha eleitoral, especialmente no que tange aos elementos fundamentais para a melhoria das condições de vida da maioria da população de Campos dos Goytacazes. Mas observo que uma das características pouco atraentes da maioria das campanhas é que elas falam pouco daquilo que realmente importa para a maioria de nós que sustentamos o funcionamento da prefeitura com os nossos impostos.

Por isso, aproveitando a possibilidade de possuir um blog, venho enviar de forma pública a todos os 11 candidatos a ocupar a cadeira de prefeito de Campos dos Goytazes uma singela pergunta:

– caso seja eleita ou eleito, o que fará para rever os termos do contrato firmado pelo município de Campos dos Goytacazes com a concessionária dos serviços de água e esgoto “Águas do Paraíba, especialmente no que tange à definição dos preços cobrados à população?

É que todos os candidatos, inclusive o prefeito que tenta a reeleição (aliás, especialmente ele) sabem que a população de Campos dos Goytacazes paga hoje uma das tarifas mais altas da América Latina para obter serviços de água e esgoto que, convenhamos, não estão nem um pouco à altura dos serviços oferecidos.

Inauguro assim minha tribuna eletrônica que está à disposição de todos os candidatos para que eles respondam a uma pergunta que desperta profundo interesse em seus eleitores, a maioria cansada de pagar demais para receber de menos.  Aos candidatos interessados em responder, sugiro envio para o e-mail do Blog do Pedlowski (marcospedlowski@gmail.com).  Estou no aguardo das respostas!

Agiotagem legalizada: Bancos ganham R$ 72 bi somente com tarifas

Cobrança de serviços cobre cerca de 80% das despesas com pessoal e administrativas

jb_26-5903

Jornal do Brasil, GILBERTO MENEZES CÔRTES, gilberto.cortes@jb.com.br

Eles são “discretos e silenciosos”. Mas não são como os “alquimistas” de Jorge Benjor, “ativos e perseverantes” na arte de tentar transformar, com “seus preciosos cadinhos”, matéria em ouro. Os bancos brasileiros, se superam. Mesmo com o PIB em queda, a retração de empréstimos às grandes empresas e a inadimplência de 63,4 milhões de pessoas, conseguem transformar os “cadinhos” das tarifas em fonte de lucro bilionário.

Só no primeiro semestre, as receitas com tarifas e serviços financeiros dos 10 maiores bancos do país superaram os R$ 72,3 bilhões. Não só um aumento muito acima da inflação em 12 meses. Na Caixa, Itaú, Bradesco, Santander e Banco do Brasil, as receitas com contas correntes e cartões de crédito/débito seguem crescendo na faixa de dois dígitos.

jb 1_bancos-5933

No balanço semestral dos grandes bancos salta aos olhos outra questão. Os ganhos das receitas e tarifas já cobrem cerca de 80% das despesas com pessoal e administrativas, que incluem os investimentos em tecnologia. Eis aí o segredo dos ganhos desses alquimistas. Nos últimos cinco anos, quando o país atravessava a maior recessão da história, investiram pesado em informática e tecnologia, enxugaram o pessoal e passaram a ter custos operacionais cada vez menores.

Quem banca isso? Você, meu caro leitor, leitora. Quanto mais informatizada for sua relação diária com o seu banco, mais lucro você transfere ao banco em forma de “cestas especiais de tarifas”. Faça um balanço de quantos talões de cheque e extratos impressos você tira mensalmente. Com os negócios cada vez mais no ambiente on line ou via celular, estimulados pelas campanhas publicitárias do Itaú, Santander e Bradesco, que criou a “Bia”, você esquece de se perguntar o porquê das taxas crescentes.

Mas seu banco não esquece e, a depender do status da conta corrente, lhe debita de R$ 20 a R$ 90 todos os meses. Por ano, o valor vai de R$ 140 a R$ 1.080. Fora a anuidade daquele cartão de crédito que o gerente lhe ofereceu com gratuidade por 12 meses e você aceitou. Isso foi planejado, como os bancos destacaram em 2017 o “planejamento de tarifas especiais”. Um bote calculado no seu bolso.

Fundos de Investimento

Se você consegue economizar um pouco do salário mensal e faz investimentos, há tarifas mais silenciosas. As taxas de administração dos fundos de investimento (ações, DIs e Renda Fixa) fazem uma diferença tremenda: descontos que variam de 1,2% a 1,7% podem garantir rendimentos real ou perdas para a inflação. As frações nas taxas de administração foram o sucesso de algumas instituições não bancárias que atrairam grandes investidores com tarifas zero de T.A. Os grandes bancos perderam fatias importantes ao longo de 2016 e 2017. Diante disso, o maior deles, o Itaú Unibanco, resolveu comprar metade da XP Investimentos, a mais bem sucedida boutique financeira do país. Mantendo tarifas zero, tomaria clientela da concorrência e esperava assumir o controle total em 2020. Mas o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) entrou em campo. Ao ver risco de maior concentração bancária, fez objeções que levaram o Banco Central a impor restrições à escalada do Itaú no capital da XP, uma instituição que não cobrava tarifa.

Imagine que ganhos você transfere ao banco nos seus investimentos quando mal se sabe quanto lhe cobram de tarifas? Na conta do telefone ou da TV a cabo, é mais ou menos claro o que está sendo cobrado e o que, de fato, é usado. É possível, por exemplo, reduzir o pacote do SMS.

O terreno das tarifas bancárias é misterioso como a ação dos alquimistas. Nenhum gerente apresenta uma cesta mais em conta. Apenas ampliam as franquias, pouco ou nada usadas, e as cobranças mensais, com resultados extraordinários, para os bancos.

Veja a comparação com o Orçamento de 2018. De janeiro a junho, os bancos arrecadaram R$ 72,3 bilhões em receitas de tarifas e taxas de administração. O Orçamento da Educaçã é de, R$ 89 bilhões. O gasto da União com a Saúde é de R$ 119,2 bilhões.

Sao gastos financiados com os impostos indiretos — que incidem no consumo, da energia elétrica e combustíveis até bebidas e cigarros, que têm as maiores alíquotas —, além do Imposto de Renda na fonte e impostos estaduais e municipais. Uma das críticas à questão tributária brasileira, injusta e regressiva, que taxa mais a renda dos mais pobres e alivia a dos mais ricos, é a falta de transparência. E as tarifas bancárias?

Não há um detalhamento de cada conta. Assim, discretos e silenciosos, os banqueiros seguem acumulando fortunas bilionárias, por juros escorchantes ou tarifas abusivas. Nas barbas do Banco Central.

FONTE: http://www.jb.com.br/_conteudo/economia/2018/08/765-agiotagem-legalizada-bancos-ganham-r-72-bi-somente-com-tarifas.html#.W4K70cCjAKw.facebook

Resposta do PT e do PMDB à luta por mobilidade: bombas e violência policial

Na virada do ano, o PT e o PSDB decidiram formar uma aliança em São Paulo para sufocar a demanda por mobilidade urbana para a juventude e a classe trabalhadora. A retomada das manifestações de rua está sendo “saudada” pelos dois partidos com bombas e violência policial. Essa aliança nada santa expressa a opção por manter a segregação social , enquanto beneficiam os tubarões do transporte.

Felizmente a reação está vindo de dentro da própria população, o que vem surpreendendo até os organizadores dos atos. Essa disposição para a luta é que deverá tornar 2015 um ano marcado por enfrentamentos, não apenas em torno da questão da mobilidade, mas pela defesa dos diferentes direitos que estão sendo atacados, tanto em nível federal como estadual.

Abaixo um vídeo da primeira manifestação feita em São Paulo contra o escorchante preço das passagens imposto pelo governo de Fernando Haddad do PT, que é apoiado por Geraldo Alckmin (PSDB).