Índia foca nas universidades para reprimir as revistas predatórias

Mas acadêmicos dizem que os incentivos do governo para publicar são parte do problema.

ministro indianoPrakash Javadekar,  ministro responsável pelo Ensino Superior, diz que as universidades devem ajudar o governo a impedir a publicação predatória. Crédito: Vipin Kumar / Hindustan Times / Getty

Por Subhra Pryiadarshini para a revista “Nature” [1]

A maioria dos acadêmicos considera as revistas predatórias como irritantes – se não uma ameaça – à ciência. Mas na Índia, algumas universidades recomendaram a inclusão de tais publicações na “lista branca” de periódicos aprovados no país. Agora o governo está reprimindo esta prática, que os cientistas dizem que surgiu como resultado de incentivos perversos do próprio governo.

“Vamos acabar com essa ameaça dos periódicos predatórios”, disse Prakash Javadekar, ministro responsável pelo Ensino Superior, no mês passado. As universidades agora têm até o final de agosto para revisar suas recomendações para a lista branca de revistas para evitar publicações predatórias, que ativamente solicitam manuscritos e cobram taxas pesadas dos autores sem fornecer os serviços que anunciam, como edição e revisão por pares.

Revistas predatórias são um problema porque o financiamento da pesquisa é desperdiçado em editores enganosos que não cumprem o que prometeram. Uma grande investigação jornalística internacional, publicada em vários meios de comunicação no mês passado, estimou que o número de artigos publicados por cinco grandes editores predatórios triplicou desde 2013 – passando para cerca de 175.000 artigos.

Link de desempenho

Muitas editoras que hospedam revistas predatórias suspeitas estão baseadas na Índia. E vários estudos descobriram que uma alta proporção de artigos em tais periódicos vem de acadêmicos que atuam no país.

Muitos acadêmicos indianos atribuem essa situação ao sistema nacional de avaliação do desempenho acadêmico. Em 2010, a agência reguladora e de financiamento do ensino superior da Índia, a University Grants Commission (UGC), introduziu um sistema para avaliar os acadêmicos chamado Indicador de Desempenho Acadêmico, que coloca um peso considerável no número de publicações de pesquisa. As universidades devem usar o indicador para contratar e promover membros do corpo docente. Mas cientistas reclamaram que isso encoraja acadêmicos e universidades a se concentrarem na quantidade de publicações, e não em sua qualidade.

Para reduzir a prática de publicação em periódicos abaixo do padrão, o UGC divulgou em janeiro de 2017 uma lista branca de periódicos aprovados. A lista continha aproximadamente 32.000 publicações indexadas em bancos de dados de citações científicas, como Web of Science e  Scopus, além de mais de 5.000 publicações recomendadas pelas universidades. Mas os pesquisadores rapidamente apontaram que esta lista também incluía revistas predatórias.

Virander Singh Chauhan, que preside o comitê de CGU que avalia e credencia instituições de ensino superior e que supervisionou a lista, diz que as revistas predatórias foram recomendadas por algumas universidades, e que a UGC só tinha conhecimento disso depois. A menos que as universidades parem de fazer isso, “nada pode se livrar de revistas fajutas na Índia”, diz Chauhan. Atualmente, diz ele, as universidades podem simplesmente recomendar revistas e fazer um esforço mínimo para verificar a qualidade de uma publicação.

Maior consciência

Em maio, o UGC removeu 4.305 periódicos da lista por motivos de má qualidade, ou porque foram fornecidas informações incorretas ou insuficientes sobre os periódicos removidos . (O grupo atualizará a lista com as recomendações revisadas das universidades.) Chauhan diz que a introdução de critérios mais rígidos para o registro de periódicos na lista do UGC reduzirá o número de publicações predatórias.

O astrofísico Ajit Kembhavi diz que o plano do governo de reprimir periódicos propostos pela universidade é um bom primeiro passo, mas que o maior problema é como as universidades são avaliadas e financiadas.

Uma solução mais permanente seria dissociar as avaliações acadêmicas do número de publicações de um pesquisador, diz Kembhavi, do Centro Interuniversitário de Astronomia e Astrofísica de Pune, um dos sete consórcios universitários criados pelo UGC para permitir que as universidades compartilhem infraestrutura e serviços. Recursos.

Kembhavi diz que mais precisa ser feito para promover uma maior conscientização dos periódicos predatórios entre os acadêmicos da Índia e para educá-los sobre ética em pesquisa.

Na China, onde algumas universidades recompensam os acadêmicos com base no número de publicações, o governo está trabalhando em uma lista negra de revistas que considera de baixa qualidade ou criadas apenas para fins lucrativos. As pesquisas publicadas nessas revistas não contarão para pedidos de promoção ou concessão, e os autores também receberão uma advertência.

Bhushan Patwardhan, biólogo da Universidade Savitribai Phule Pune e crítico ferrenho de práticas de publicação duvidosa, diz que o governo indiano também deve mostrar tolerância zero em relação aos acadêmicos que publicam nesses periódicos. Atualmente, não há repercussões para acadêmicos que fazem isso. Ele diz que o governo deve introduzir regras semelhantes às introduzidas para detectar e punir o plágio nas universidades, que entraram em vigor em julho. “Se os membros do corpo docente estão autorizados a saírem ilesos de tais práticas, o que os impediria de fazer isso de novo?”, diz Patwardhan.

[1] Este artigo foi originalmente publicado em inglês pela revista “Nature” [Aqui!]

Em meio ao silêncio sepulcral da comunidade científica, trash science chega ao nirvana

Imagem relacionada

Depois de terem se livrado da incômoda lista produzida por  Jeffrey Beall, usando para isto sabe-se lá quais mecanismos de convencimento, os editores de  revistas de “trash science” devem estar mais felizes do que nunca. 

É que venho constatando cada vez mais a inclusão de artigos publicados por tradicionais editoras de trash science em minha própria contagem de citações na tradicional  base de dados de citação conhecida como “Web of Science”, e que foi criado pelo Institute for Scientific Information (ISI), que foi propriedade da Thomson Reuters, e que hoje está sob o controle da empresa Clarivate Analytics [1].

O primeiro efeito dessa entrada das revistas de “trash science” no Web of Science é, mais do que certamente, o encarecimento das publicações do chamado “open access” que ganharam uma importante chancela de legitimidade ao serem incluídas em uma plataforma que antes estava reservada a revistas que, em tese, publicavam ciência que tivesse passado pelo crivo do sistema de “peer review” (ou revisão por pares em português) . Nesse caso, os proprietários das editores de “trash science” são os claramente vencedores, visto que seus lucros deverão aumentar de forma estratosférica.

O segundo efeito é o que considero mais nefasto para a ciência enquanto um campo intelectual em que os elementos de rigor deveriam guiar aquilo que é publicado. É que a validação dada a revistas de “trash science” implica também na validação daquilo que elas publicam. Tal fato tornará basicamente o artigo científico em algo não apenas ultrapassado em termos de divulgação científica, mas principalmente em um veículo de de divulgação não de resultados científicos que tenham passado pelas provas de acurácia e precisão, mas daquilo que muitas vezes falhou nestas duas dimensões essenciais para que algo seja considerado uma verdade científica.

Um terceiro efeito é que, especialmente em países onde esses índices são usados para decidir a alocação de recursos públicos em fomento à ciência, teremos cada vez mais a premiação de pesquisadores que se sirvam das editoras predatórias para turbinar seus currículos para aumentar indevidamente as suas chances de obterem suporte para seus projetos de pesquisa. Tal efeito será desastroso não apenas para o avanço da ciência pura, mas também da aplicada, representando um vexaminoso exemplo de desperdício de recursos públicos.

O assombroso, ao menos para mim, é o completo silêncio que está cercando a chegada das editoras “trash science” ao nirvana dos indexadores de citação como é o caso do Web of Science.  Este silêncio é mais do que uma simples omissão, mas representa uma opção de cumplicidade em relação ao processo de validação do que pode ser considerado ou não como sendo ciência de qualidade.

E viva o trash science!


[1] https://clarivate.com/

Índia remove 4.305 revistas científicas de baixa qualidade da lista de publicações aceitas para avaliar desempenho acadêmico

Lucas Vallecillos/Alamy Stock Photo

A agência de consultoria de ensino superior na Índia está removendo revistas consideradas de baixa qualidade do seu registro de revistas aprovadas, mas acadêmicos dizem que a lista deve ser abolida.

Por Smriti Mallapaty*

A University Grants Commission (UGC), que financia e supervisiona o ensino superior na Índia, removeu 4.305 revistas espúrias de uma lista de cerca de 30.000 publicações usadas para avaliar o desempenho acadêmico no país. O Comitê Permanente de Notificação de Periódicos da UGC avaliou o subconjunto de periódicos originalmente enviados para inclusão pelas universidades ou listados no Indian Citation Index, e os considerou de baixa qualidade ou para conter informações incorretas ou insuficientes.

O Comitê avaliou as revistas em resposta à reclamações sobre credibilidade. Em março, pesquisadores na Índia e no Canadá publicaram um artigo na Current Science, que descobriu que a grande maioria do subconjunto recomendado pela universidade era de baixa qualidade [1]. As instituições acadêmicas devem consultar a lista ao indicar o corpo docente, avaliar o desempenho do pessoal e conceder o doutorado.

O UGC anunciou as mudanças em seu site esta semana e está revisando mais 191 periódicos no Indian Citation Index. “Este é um processo dinâmico”, diz Virander Chauhan, presidente do comitê de UGC. “Não é uma lista congelada.”

Bhushan Patwardhan, primeiro autor do artigo da Current Science e biólogo da Universidade Savitribai Phule Pune, diz que a decisão de remover os periódicos ilusórios “é boa, embora um pouco atrasada”.

 Tolerância zero

A UGC criou a lista de periódicos aprovados em abril de 2017 como uma forma de ajudar os pesquisadores a distinguir entre periódicos legítimos e predatórios. A lista de cerca de 30.000 títulos foi selecionada a partir de vários índices de citação, como o Web of Science e o Scopus, além de recomendações de comitês de especialistas e universidades. Mas muitos acadêmicos criticaram por dar licença às próprias publicações que procuravam proteger. Em particular, eles questionaram a qualidade de um subconjunto de cerca de 5.500 periódicos apresentados por universidades. Patwardhan queria verificar quantitativamente essas alegações.

Para conduzir a análise, ele se juntou ao epidemiologista clínico David Moher, do Ottawa Hospital Research Institute. Moher já havia analisado 1.907 artigos em mais de 200 supostos periódicos predatórios nas ciências biomédicas e descobriu que a maioria dos artigos vinha da Índia (os Estados Unidos eram o segundo maior contribuinte).

Os pesquisadores avaliaram 1.009 dos periódicos submetidos à universidade, dos quais apenas 112 (11,1%) preencheram os critérios básicos para boas práticas de publicação. Um terço dos periódicos foi desclassificado por não fornecer informações essenciais (ou apresentar detalhes incorretos), tais como endereço, site e editor da revista. Os demais periódicos que não ultrapassaram o limite de qualidade fizeram declarações incorretas ou enganosas sobre sua indexação, detalhes de contato e afiliação de editores, ou processo de revisão por pares. “Nós aplicamos tolerância zero para informações falsas”, diz Patwardhan. Uma análise inédita de todo o subconjunto de periódicos recomendados por universidades corresponde a esses resultados, diz ele.

Subhash Lakhotia, coautor e zoólogo da Universidade Hindu de Banaras, diz que o CGU deveria dispensar inteiramente a lista, concentrando-se em “emitir diretrizes gerais sobre como avaliar a qualidade do trabalho de um pesquisador”.

“As universidades não podem escapar de sua responsabilidade”, diz Lakhotia. “Criamos as condições, participamos e promovemos.”

Integridade da pesquisa

Alguns culpam a crescente prevalência de periódicos duvidosos na Índia sobre regulamentações institucionais que determinam a publicação para o sucesso na carreira. Em 2010, a UGC introduziu Indicadores de Desempenho Acadêmico baseados em pontos para o recrutamento e promoção de professores e professores acadêmicos em faculdades e universidades, o que incluiu uma categoria para trabalhos de pesquisadores. Em 2013, também exigiu que os candidatos ao doutorado publicassem dois trabalhos antes de apresentar sua tese. Isso criou um “desespero” para publicar, diz Patwardhan, que é um convidado especial do comitê de CGU.

O UGC planeja eliminar a exigência de publicação obrigatória para professores universitários.

Outros argumentam que o acesso à tecnologia digital e o modelo pay-to-publish adotado por muitas publicações de acesso aberto criaram condições favoráveis para aqueles que querem ganhar dinheiro rapidamente. “Por que isso acontece? Porque tem dinheiro”, diz Chauhan.

Patwardhan planeja estabelecer um Centro Internacional de Ética na Publicação na Universidade Savitribhai Phule Pune, que manterá uma lista independente de periódicos confiáveis, além de conscientizar sobre boas práticas de publicação. “Pesquisadores publicam hoje em revistas duvidosas por desespero”, diz ele. “Precisamos construir integridade acadêmica em nossa comunidade.”

“A trajetória desse problema é acentuada”, diz Moher no Canadá. “Não vai desaparecer a menos que alguma ação seja tomada.”

“A trajetória desse problema é acentuada”, diz Moher no Canadá. “Não vai desaparecer a menos que alguma ação seja tomada.”

*Smriti Mallapaty é Senior Editor da Nature Index da Nature Publishing Group. Artigo originalmente publicado em inglês pela Nature.index [2]


[1] https://www.researchgate.net/publication/323942993_A_Critical_Analysis_of_the_%27UGC-Approved_List_of_Journals%27

[2] https://www.natureindex.com/news-blog/india-culls-four-thousand-three-hundred-dubious-journals-from-approved-list

Nature publica duas cartas que lamentam o fim da Lista de Jeffrey Beall

beall´s

A respeitada revista Nature publicou na sua edição do último dia 27 de Abril duas cartas de lamento sobre o encerramento da lista de revistas predatórias (trash science) do professor Jeffrey Beall (ver abaixo).

Beall Naure

De forma geral as cartas assinadas pelos professores Vinicius Giglio e Osmar Luiz e a do professor Wadim Strielkowski apontam na mesma direção: a Beall´s List cumpria um papel inestimável na identificação de editores e revistas predatórias, e seu desaparecimento deixou muita gente perdida na selva formada pelas publicações “trash”.

Mas ambas as cartas vão além do lamento e cobram que editoras e instituições de pesquisa estabeleçam critérios que contribuam para a identificação de revistas científicas meritórias de publicação, bem como a necessidade de que sejam estabelecidos bancos de dados que permitam a rápida identificação destes reprodutores de lixo científico, de modo a que a comunidade científica os evite. 

Por fim, a carta assinada por Strielkowski aponta para a necessidade de que sejam estabelecidos comitês de ética cientifica para que estes estabeleçam diretrizes que possam facilitar a identificação das revistas e editoras predatórias.

Ainda que eu considere todas essas considerações mais do que necessárias, tendo a ficar cético quanto à disposição da comunidade cientifica mundial,  e a brasileira em particular, de atacar frontalmente o problema representado pelas revistas reprodutoras de “trash science“.  É que as revistas predatórias apenas suprem um nicho de mercado que está diretamente associado à aceitação explícita do dogma do “publicar ou perecer” que guia premiações individuais e alocação de verbas estatais e privadas para a pesquisa científica em todo o mundo. A verdade é que enquanto a cultura do produtivismo, que premia quantidade em vez de qualidade, não for revista como critério de alocação de verbas e estabelecimento de padrões salariais, o mais provável é que as revistas predatórias continuem a florescer como cogumelos em pastagens em dias de chuva.

Assim, até que se mudem os padrões de premiação, o mais provável é que cada vez mais tenhamos lixo acadêmico sendo apresentado como ciência genuína.  E de lá da sua trincheira na Universidade do Colorado, é bem provável que Jeffrey Beall ainda seja quem mais saiba os caminhos que deveriam ser trilhados para que se evite essa verdadeira hecatombe que ronda a ciência mundial. Resta saber se alguém vai procurá-lo para ouvir o que ele tem a dizer. A ver!

Revista da Fapesp mostra os rumos e riscos da difusão das revistas “trash science”: até personagem fictício pode ser membro de corpo editorial

“Dra. Fraude” se candidata para vaga de editora

Quarenta e oito publicações predatórias aceitaram uma personagem fictícia em seu corpo editorial

anna 1

© VERIDIANA SCARPELLI

 

Representantes de conselhos editoriais de 360 revistas científicas de acesso aberto receberam em 2015 um e-mail de uma certa Anna Olga Szust, jovem professora do Instituto de Filosofia da Universidade Adam Mickiewicz, na Polônia. Na mensagem, ela se dispunha a atuar como editora das publicações, embora oferecesse escassas credenciais acadêmicas: no currículo, havia apenas alguns trabalhos apresentados em conferências e um capítulo de livro, cujo título sugeria que jovens mulheres nascidas na primavera seriam mais atraentes fisicamente do que as outras. Em pouco tempo, vieram respostas. Anna foi aceita como editora por 48 periódicos e quatro chegaram a convidá-la para assumir o posto de editora-chefe “sem responsabilidades”, como escreveu um dos interlocutores. Houve também uma oferta para ela ajudar a criar uma nova revista.

A facilidade com que a inexperiente e desconhecida professora foi atendida já seria grave. O caso, porém, revela algo muito pior: Anna Olga Szust não existe. A inicial do nome do meio e o sobrenome, juntos, formam a palavra polonesa oszust, que pode ser traduzida como fraudador ou trapaceiro. A personagem foi criada por pesquisadores de universidades da Polônia, da Alemanha e do Reino Unido, que a apelidaram de “Dra. Fraude”, numa investigação sobre o modo de operar das chamadas revistas predatórias, como são conhecidas as publicações que divulgam papers sem submetê-los a uma genuína revisão por pares – basta pagar para ver o artigo publicado.

“Anna foi criada justamente para ser uma péssima opção como editora”, disse à revista The New Yorker Katarzyna Pisanski, professora da Escola de Psicologia da Universidade de Sussex, no Reino Unido, uma das organizadoras do teste, coordenado por Piotr Sorokowski, pesquisador da Universidade de Wroclaw, na Polônia. O grupo publicou um artigo em março na Nature narrando a experiência – sem, contudo, revelar o nome das revistas. A frequência com que pesquisadores recebem convites por e-mail para integrarem o corpo editorial até mesmo de periódicos fora de sua área de especialização motivou o grupo a investigar o que havia de errado na forma de recrutamento. Os e-mails assinados pela “Dra. Fraude” foram enviados a 360 periódicos escolhidos aleatoriamente, parte deles indexados no Journal of Citation Reports (JCR), ligado ao Web of Knowledge, e parte no Diretório de Revistas de Acesso Aberto (Doaj, em inglês). Também serviu como base uma lista de revistas de acesso aberto suspeitas compilada por pesquisadores da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos.

Nenhuma revista indexada no JCR respondeu ao e-mail. O estudo mostra que, dos periódicos que responderam à mensagem, poucos questionaram Anna O. Szust sobre sua experiência. E nenhum fez qualquer tentativa de entrar em contato com a instituição com a qual a falsa pesquisadora manteria vínculo. O currículo da“Dra. Fraude” foi cuidadosamente construído pelos autores do estudo. O e-mail continha seus interesses acadêmicos, dentre os quais história da ciência e ciências cognitivas, endereço eletrônico, uma fotografia e link para sua página hospedada no site da Universidade Adam Mickiewicz. Também foram criadas contas em redes sociais, como o Google+, o Twitter e o Academia.edu. Pelo menos uma dúzia de revistas condicionaram a indicação de Anna como editora a alguma forma de pagamento ou doação. Em alguns casos, foi exigido pagamento de uma taxa. Um periódico chegou a cobrar US$ 750, depois reduziu o valor para “apenas US$ 650”.

anna 2

© VERIDIANA SCARPELLI

 

Outros periódicos pediram à personagem que organizasse uma conferência e informaram que os trabalhos submetidos ao evento seriam publicados desde que os autores pagassem uma taxa. Um editor chegou a sugerir a partilha dos lucros: 60% para a revista e 40% para Anna. De acordo com a pesquisa, das oito revistas do Doaj que aceitaram Anna como editora, seis permanecem no diretório.

Publicar em uma revista de acesso aberto de prestígio não custa barato. Revistas da Public Library of Science (PLOS), por exemplo, podem cobrar de US$ 1.495 a US$ 2.900 para publicar um artigo. “Já as revistas predatórias cobram muito menos, entre US$ 100 e US$ 400”, disse em entrevista a The New York Times Jeffrey Beall, bibliotecário da Universidade do Colorado, criador de uma lista de publicações predatórias utilizadas no estudo. Na avaliação de Beall, a responsabilidade não deve recair apenas sobre os editores predatórios, pois a maioria dos pesquisadores que paga para publicar em revistas de baixo nível sabe exatamente o que está fazendo. “Acredito que há inúmeros pesquisadores que conseguiram emprego ou promoções valendo-se de artigos que publicam nesse tipo de revista, atribuindo essa produção científica como parte de suas credenciais acadêmicas”, criticou.

David Crotty, diretor da editora Oxford University Press, concorda que as revistas predatórias se tornaram mais presentes porque satisfazem uma necessidade de mercado. “Os editores predatórios de fato agem de maneira desonesta e enganosa, mas, ao mesmo tempo, atendem ao desejo de alguns autores de enganar os responsáveis pela avaliação de seu desempenho”, escreveu Crotty em artigo publicado em fevereiro no portal The Scholarly Kitchen. Enquanto os periódicos considerados legítimos, que se baseiam na revisão por pares, costumam demorar meses ou até mais de um ano para analisar e aceitar ou rejeitar um artigo para publicação, as revistas predatórias reduzem esse tempo a poucas semanas, ao adotarem um sistema de seleção frouxo ou inexistente.

Algumas instituições começam a propor ações para coibir o avanço das revistas predatórias. A Associação Mundial de Editores Médicos (Wame) divulgou no dia 18 de fevereiro um alerta no qual afirma que instituições científicas e centros de pesquisa precisam começar a monitorar pesquisadores que atuem como editores ou membros de conselhos editoriais de publicações suspeitas. Como medida punitiva, sugere às instituições o afastamento deles.

Um estudo recentemente publicado na revista BMC Medicine também destacou a necessidade de organizações científicas e de ensino serem mais rígidas com pesquisadores que corroboram as práticas das publicações predatórias. No estudo, os autores, entre eles Virginia Barbour, presidente do Committee on Publication Ethics (Cope), chama a atenção para os perigos da ação dessas revistas na área médica. “Quando não submetida ao escrutínio rigoroso da revisão por pares, a pesquisa clínica de baixa qualidade pode ter seus resultados incluídos, por exemplo, em um trabalho de revisão, poluindo o registro científico. Em biomedicina, isso pode resultar em danos aos pacientes”, conclui o estudo.

FONTE: http://revistapesquisa.fapesp.br/2017/04/19/dra-fraude-se-candidata-para-vaga-de-editora/

“Trash science” surfa na crise da ciência brasileira

Por forças das circunstâncias tenho deixado de falar do grave representado pela disseminação de editoras predatórias que publicam o que chamo de “trash science“. Mas volto e meia me deparo com evidências cristalinas que o problema está cada vez maior, especialmente num contexto de encurtamento de verbas para a realização de pesquisas científicas como é o caso do Brasil sob o governo “de facto” de Michel Temer.

É que a diminuição marcante no aporte de verbas para a pesquisa científica até agora não produziu nenhuma mudança nos critérios produtivistas de avaliação da produção acadêmica de programas de Pós-Graduação que é feita pela CAPES ou no plano individual pelo CNPq. Essas duas agências que há muito deveriam estar repensando seus métodos de avaliação continuam apertando os botões de avaliação como se tudo estivesse como dantes no quartel de Abrantes.  Mas o problema é que não está nem perto disso.

Uma prova de que o “trash science” está ocupando cada vez mais espaço nas publicações feitas no Brasil me foi confirmada recentemente quando fui chamado a avaliar uma tese de doutoramento onde o candidato havia cumprido uma dessas normas estapafúrdias de publicar como pré-condição para defender sua tese e me deparei com um daqueles periódicos que já constavam na defunta lista do Professor Jeffrey Beall como sendo “predatório”.  O pior é que ao notar minha menção de que deveria ter procurado publicar em uma revista qualificada, o candidato me afiançou que havia verificado no horroroso “Qualis Capes” e a mesma estava bem qualificada.  O candidato ficou ainda mais surpreso quando o informei que o “Qualis Capes” não serve para medir nada além do que a frequência de publicações feitas por brasileiros em uma determinada revista, e que efetivamente ele havia publicado seu artigo numa revista disseminadora de “trash science“. Mas meus encontros com o “trash science” não têm ocorrido apenas em bancas examinadoras, pois tenho visitado instituições que mostram até com orgulho a publicação de suas pesquisas em revistas que já foram caracterizadas como predatórias.

O problema disso tudo é que estamos entrando num ciclo vicioso que deverá trazer efeitos mais catastróficos para a ciência brasileira mais do que a própria falta de verbas.  É que falta de verbas até se resolve com estratégias de otimização de gastos, mas não há nada que resolva a instalação deu ma lógica que legitima a manutenção de altos níveis de publicações, nem que para isso se precise recorrer a revistas que somente existem para, por um lado, enriquecer alguns espertos e, por outro, dar um verniz de produtividade científica.

Também não posso deixar de notar que o desaparecimento do blog do Professor Jeffrey Beall, sabe-se lá por quais razões,  serviu como um alívio para centenas de editores de revistas científicas brasileiras que não mais precisam se importar com a lebre que Beall levantou sobre a falta de impacto na comunidade científica internacional do que é publicado no Brasil.  Agora que o mensageiro partiu, os que se incomodavam com sua mensagem estão podendo levar seus negócios à frente sem maiores incômodos com questões relacionadas à robustez da produção científica nacional. Já os editores e usuários das revistas predatórias estão livres, leves e soltos para continuarem disseminando lixo como se ciência fosse.

Uma coisa é certa: se a própria comunidade científica não se organizar para cobrar a produção de novos critérios de avaliação pela Capes e pelo CNPq, corremos o risco de experimentar um retrocesso histórico gravíssimo, tanto pela inundação de caráter bíblico de produções “trash science” como pela partida de jovens pesquisadores que sairão do Brasil em busca não apenas de melhores condições de financiamento mas também de ambientes mais sérios de avaliação de seu trabalho.

Jeffrey Beall publica lista de 2017 e mostra o trash science em franco crescimento

beall

Graças ao trabalho voluntário do professor Jeffrey Beall, da Universidade do Colorado-Denver, que lança desde 2011 a sua lista de editoras e revistas predatórias, pesquisadores de todo o mundo vem gradativamente sendo municiados com as informações necessárias para que evitem contribuir para a expansão do que eu rotulei como “trash science”.  Esse trabalho é particularmente importante para países como o Brasil que vivem sobre a pressão crescente para que seus cientistas publiquem mais, mesmo que o ambiente de financiamento de suas pesquisas enfrentem cenários de completa incerteza como o que é atualmente oferecido pelo governo “de facto” de Michel Temer.

Pois bem, o professor Beall acaba de liberar a sua lista anual de editoras e revistas predatórias, e ainda acrescentou dados relativos a métricas fajutas e revistas legítimas que foram sequestradas por editoras predatórias (Aqui!).   Uma rápida olhada nas tabelas abaixo vai mostrar que a invasão do “trash science” está se tornando um problema crucial para a ciência mundial, pois o avanço em todos os indicadores escolhidos é impressionante.

Esse crescimento exponencial na produção de “trash science” se deve a uma combinação de variáveis que estão invariavelmente ligadas à s da produção científica em mais uma commodity. Mas obviamente sobram os aspectos relacionados à distribuição de verbas públicas e privadas para pesquisadores, bem como benefícios funcionais, seja no aumento de salários ou na obtenção da almejada estabilidade empregatícia dentro de universidades e instituições de pesquisa.

No caso brasileiro, todas as evidências apontam para a penetração irrestrita das editoras e e revistas predatórias dentro da nossa comunidade científica. Um fato que vem contribuindo para isso é a adoção de uma opção quantativa (no caso o número de publicações alcançadas por um determinado pesquisador) para se definir todo tipo de premiação, seja no plano individual ou dos programas de pós-graduação. 

E, pior, a única manifestação pública que ouvi nos últimos anos sobre a lista preparada pelo professor Beall foi um repúdio coletivo por parte de editores de revistas científicas brasileiras contra uma postagem que ele publicou acerca do alcance limitado da plataforma Scielo  (Aqui!).

Mas como nunca é tarde para se aprender, espero que os pesquisadores e instituições de pesquisa brasileiros comecem a prestar mais atenção no trabalho de Jeffrey Beall. É que se isso não acontecer, corremos o risco de virarmos uma espécie de mais um paraíso do “trash science” ao modo do que já ocorre em muitos países da periferia capitalista.   A verdade é que continuar fingindo que o problema não existe vai atrasar ainda mais a evolução do nosso sistema nacional de ciência.

Nunca é demais lembrar que os próximos anos serão marcados por uma forte contenção de verbas para a pesquisa científica no Brasil.  Isto nos obriga a cobrar critérios mais claros para o que vai ser distribuído. Do contrário, acabaremos vendo o grosso dos recursos indo para as mãos dos que não hesitam recorrer ao trash science para turbinar seus currículos.

Por ora, resta-me saudar o incansável trabalho de Jeffrey Beall. É que sem ele não teríamos a menor ideia do tamanho do problema ou de como evitar cair nas milhares de arapucas que vendem gato por lebre.