Jeffrey Beall publica lista de 2017 e mostra o trash science em franco crescimento

beall

Graças ao trabalho voluntário do professor Jeffrey Beall, da Universidade do Colorado-Denver, que lança desde 2011 a sua lista de editoras e revistas predatórias, pesquisadores de todo o mundo vem gradativamente sendo municiados com as informações necessárias para que evitem contribuir para a expansão do que eu rotulei como “trash science”.  Esse trabalho é particularmente importante para países como o Brasil que vivem sobre a pressão crescente para que seus cientistas publiquem mais, mesmo que o ambiente de financiamento de suas pesquisas enfrentem cenários de completa incerteza como o que é atualmente oferecido pelo governo “de facto” de Michel Temer.

Pois bem, o professor Beall acaba de liberar a sua lista anual de editoras e revistas predatórias, e ainda acrescentou dados relativos a métricas fajutas e revistas legítimas que foram sequestradas por editoras predatórias (Aqui!).   Uma rápida olhada nas tabelas abaixo vai mostrar que a invasão do “trash science” está se tornando um problema crucial para a ciência mundial, pois o avanço em todos os indicadores escolhidos é impressionante.

Esse crescimento exponencial na produção de “trash science” se deve a uma combinação de variáveis que estão invariavelmente ligadas à s da produção científica em mais uma commodity. Mas obviamente sobram os aspectos relacionados à distribuição de verbas públicas e privadas para pesquisadores, bem como benefícios funcionais, seja no aumento de salários ou na obtenção da almejada estabilidade empregatícia dentro de universidades e instituições de pesquisa.

No caso brasileiro, todas as evidências apontam para a penetração irrestrita das editoras e e revistas predatórias dentro da nossa comunidade científica. Um fato que vem contribuindo para isso é a adoção de uma opção quantativa (no caso o número de publicações alcançadas por um determinado pesquisador) para se definir todo tipo de premiação, seja no plano individual ou dos programas de pós-graduação. 

E, pior, a única manifestação pública que ouvi nos últimos anos sobre a lista preparada pelo professor Beall foi um repúdio coletivo por parte de editores de revistas científicas brasileiras contra uma postagem que ele publicou acerca do alcance limitado da plataforma Scielo  (Aqui!).

Mas como nunca é tarde para se aprender, espero que os pesquisadores e instituições de pesquisa brasileiros comecem a prestar mais atenção no trabalho de Jeffrey Beall. É que se isso não acontecer, corremos o risco de virarmos uma espécie de mais um paraíso do “trash science” ao modo do que já ocorre em muitos países da periferia capitalista.   A verdade é que continuar fingindo que o problema não existe vai atrasar ainda mais a evolução do nosso sistema nacional de ciência.

Nunca é demais lembrar que os próximos anos serão marcados por uma forte contenção de verbas para a pesquisa científica no Brasil.  Isto nos obriga a cobrar critérios mais claros para o que vai ser distribuído. Do contrário, acabaremos vendo o grosso dos recursos indo para as mãos dos que não hesitam recorrer ao trash science para turbinar seus currículos.

Por ora, resta-me saudar o incansável trabalho de Jeffrey Beall. É que sem ele não teríamos a menor ideia do tamanho do problema ou de como evitar cair nas milhares de arapucas que vendem gato por lebre.

 

No Direto da Ciência, professor emérito da UNB coloca o dedo na ferida

com-o-dedo-na-ferida

Em um artigo publicado hoje no blog “Direto da Ciência” do jornalista Maurício Tuffani, o professor emérito da Universidade Nacional de Brasília (UnB) Nagib Nassar fala de suas expectativas sobre a nova presidência do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e aproveita para colocar o dedo na ferida da ciência nacional (Aqui!).

Apesar de não compartilhar da mesma expectativa positiva, pois penso que os elementos estruturais que o Prof. Nassar aponta corretamente em seu texto independem da pessoa do presidente do CNPq. Entretanto, não há como deixar de observar que as questões apontadas como problemáticas pelo Prof.  Nassar no processo de distribuição de recursos estão corretas. 

Aliás, como já venho observando faz algum tempo, a cultura de priveligiar quantidade versus qualidade na distribuição, por exemplo, das bolsas de produtividade do CNPq geraram uma série de vícios ao permitir, entre outras coisas, o avanço das publicações “trash science” como fontes legítimas de validação de produtividade científica (Aqui!Aqui! e Aqui!).  Esse avanço do “trash science” é inegavelmente um sub-produto da corrupção do processo de “revisão por pares” que é citado pelo Prof. Nassar como um dos sintomas do descontrole que estaria existindo dentro do CNPq no processo de avaliação de projetos de pesquisas submetidos para eventual recebimento de verbas públicas. 

Ainda no tocante à entrega de bolsas de produtividade, penso que se pode ir além nos questionamentos apresentados pelo Prof. Nassar. É que ele aponta a incapacidade de muitos pesquisadores de Nível 1 (A e B) de serem autores principais nos numerosos artigos que incluem em seus currículos na Base Lattes do CNPq. eu vou além e afirmo que muitos pesquisadores 1 que eu conheço não mostram a capacidade de sequer entender a responsabilidade que este tipo de outorga meritocrática implica no desenvolvimento de uma cultura científica dentro de suas instituições. Na verdade, muitos desses pesquisadores ditos do topo da cadeia alimentar da ciência brasileira não raramente se mostram incapazes de demonstrar um mínimo de erudição científica. Este é para mim um sinal ainda pior de que essas bolsas estão sendo distribuídas de acordo com critérios equivocados.

Mas concordo com o Prof. Nassar que um problema adicional grave que foi criado nos últimos anos é de que os que recebem as bolsas de produtividade acabam por concentrar o grosso dos recebimentos de recursos nas diferentes modalidades oferecidas pelo CNPq. Essa situação acaba implicando numa condição permanente de elitização de quadros científicos e inibe a possibilidade de que possamos ter avanços reais na produção científica nacional, o que acaba por reforçar o caráter periférico daquilo que é produzido pela ciência brasileira.

Tenho total concordância com o que o fato de que todo esse processo tem resultado na formação de uma geração de pós-graduados com baixíssima capacidade de liderar futuros cientistas. Como professor de Metodologia da Pesquisa por mais de 18 anos tenho notado a progressiva erosão de conhecimentos básicos acerca dos fundamentos que devem guiar uma pesquisa que possa posteriormente resistir a um processo mais rigoroso de revisão por pares (peer review).  E a causa disso é a pressão vinda do CNPq e também da Capes para que haja mais quantidade de produções, mesmo que sem a necessária qualidade.

Finalmente, voltando ao início deste texto, não possuo muita esperança de que as distorções atuais sejam corrigidas fácil ou rapidamente. Entretanto, a minha expectativa é que mais lideranças da comunidade científica façam como o Prof. Nassar para que comecemos a traçar estratégias que nos permitam sair desse atual estado de coisas, onde poucos têm disposição para tocar nas feridas que ele tão claramente tocou.

Jeffrey Beall e os “super achievers” da ciência salame

O Professor Jeffrey Beall, que costumeiramente traz análises e revelações sobre os efeitos da propagação exponencial de revistas predatórias sobre a qualidade das publicações científicas, acaba de produzir uma postagem lapidar sobre o irmão siamês do “Trash science“, o também pernicioso “Salami science” (Aqui!).

E Jeffrey Beall faz isto tratando do caso de dois “super achievers” (pesquisadores que se notabilizam por produzirem “solo” ou acompanhados um número acima da média de publicações anuais) da ciência mundial cuja produção combinada é de deixar a maioria dos que conhecem o caminho que um determinado artigo precisa percorrer para ser finalmente publicado se perguntando qual é o segredo de tamanha produtividade.   O próprio Jeffrey Beall desvenda parte do mistério ao destrinchar as publicações, e as claras repetições de conteúdos, dos professores Shahaboddin Shamshirband e Dalibor Petković em revistas científicas aparentemente sérias.

Eu mesmo já tratei neste blog do papel negativo que a prática do “Salami science” causa tanto na qualidade da ciência, como nos sistemas de premiação e distribuição de recursos para a pesquisa científica , e que é potencializada pela existência do mercado de “Trash science (Aqui! e Aqui!).

Uma coisa que é citada por Jeffrey Beall e com a qual eu concordo é sobre o risco de que a tolerância ao “Salami science” acarreta para a comunidade científica, na medida em que o sistema do “peer review” se funda no compromisso de que um dado experimento seja submetido apenas numa dada revista, impedindo a multiplicação de submissões e, consequentemente, de publicações de um mesmo resultado. Ao se romper com essa regra básica, tudo se torna possível. Até o rompimento dos padrões éticos que deveriam guiar a busca de publicar um artigo científico. É que se isto se tornar prática, não haverá muito o que se esperar em termos de qualidade e rigor.

Outro aspecto que Jeffrey Beall é a política de “hands off” que os chamados “super achievers” gozam em suas instituições. Eu mesmo já tenho presenciado a existência de pesquisadores extremamente prolíficos em seu número de publicações, mas que são claramente incapazes de contribuir minimamente para a qualidade intelectual dos programas de graduação e pós-graduação nos quais participam. A estes “super achievers” resta a desculpa de que são “ratos de laboratório”  que se ocupam apenas de suas pesquisas.  Mas até aí morreu o Neves. É que apesar de todas as suas omissões e incongruências, os “super achievers” são vendidos dentro de suas instituições como o exemplo a ser seguido, já que seriam eles os pilares da captação de recursos tão escassos quanto necessários.

Entretanto, o que pouco se fala é que ao se sobrevalorizar os supostos “super achievers“, o que se faz é contribuir para a privatização das pesquisas já que eles acabam por monopolizar espaços físicos dentro de suas instituições e a distribuição de verbas pelas agências de fomento.

Ainda que o aparecimento do “Salami science” e do “Trash science” seja parte de uma evolução da indústria das publicações científicas e da comodificação da ciência mundial, ignorar os seus efeitos deletérios por mais tempo poderá trazer danos irreparáveis para a produção e evolução do conhecimento científico, especialmente nos países localizados da periferia do Capitalismo.  O problema aqui é saber se haverá quem queira enfrentar os dois irmãos siameses de frente.  É que com raras exceções, como as do Professor Jeffrey Beall nos EUA (Aqui!) e do jornalista Maurício Tuffani (Aqui!) no Brasil, a maioria dos que conhecem o problema prefere olhar para  o outro lado.

Governo dos EUA move ação contra editor de “trash science”

Pay and Get Published_scaled

A partir da página pessoal do jornalista Maurício Tuffani na rede social Facebook tomeiconhecimento de um desdobramento bastante peculiar em relação ao OMICS Group Inc, um dos principais produtores mundiais de “trash science”.  É que a partir do blog “Retraction Watch”, pudemos tomar conhecimento de uma ação movida por úm órgão do governo dos EUA, o Federal Trade Commission, contra o OMICS Group por uma série de violações de códigos de conduta, começando pelo anúncio de que usaria o sistema de “avaliações por pares”, quando este não seria o caso (Aqui!).

FCT suit

Mas os problemas envolvendo as práticas comerciais do OMICS Group também envolveriam a ocultação dos altos custos associados à publicação de artigos em suas muitas revistas até que fosse dado o “aceite”. A partir começaria a ocorrer outra prática considerada prejudicial aos pesquisadores incautos que seria a dificuldade de retirar um dado determinado do processo de publicação. Ao fazer isto, o  OMICS Group impediria que o artigo pudesse ser resubmetido em outra revista. 

Outra parte da ação da FCT contra o OMICS Group envolve a realização de conferências (provavelmente caça-niqueis) com taxas de inscrição muito caras e que prometem a presença de pesquisadores renomados que acabam não comparecendo. Em outras palavras, o OMICS Group cobra caro e não entrega o prometido.

Essa ação de caráter pioneiro certamente não será a última que será movida contra editores predatórios. A novidade aqui é que está se inaugurando este novo momento na relação da comunidade científica com as editores predatórias se dá pela força da intervenção direta do governo dos EUA.  Mas é interessante notar que parte dos elementos utilizados para construir o caso contra o OMICS Group já eram de conhecimento de boa parte da comunidade científica,. Isto levanta a questão óbvia de porque tanta gente ainda se dispunha a enviar artigos científicos para serem analisados para possível (e quase certa) publicação por este editor de “trash science”.

Para quem quiser ler a íntegra da ação da FCT, basta clicar (Aqui!)

A expansão das revistas de”trash science”: por que devemos nos importar?

publication

Não sei se estou sendo alvo pessoal de uma campanha de marketing de diferentes “editoras” de revistas que disseminam “trash science”, mas minhas contas de correio eletrônico estão sendo especialmente bombardeadas nas últimas semanas com anúncios me convidando a publicar artigos em áreas que vão desde a pediatria até a engenharia de materiais (vejam abaixo três amostras destes convites)

A coisa é tão escancarada que nem é preciso visitar o blog do Prof. Jeffrey Beall (Aqui!) para verificar se editora e revista estão na sua lista de revistas predatórias.  E só esse fato explicita o fato de que o mercado de lixo científico está em processo de florescimento e não o contrário.

A pergunta que se sucede, por que o mundo do “trash science” para estar tão bem a despeito de esforços localizados para mostrar a verdadeira natureza dessa parte da indústria das publicações científicas? A primeira ideia que me ocorre é que seguindo as leis de mercado, oferta e demanda acabam se retroalimentando. Mas a coisa me parece ser mais complexa, pois se olharmos os custos envolvidos para que se publique nessas revistas caça-níqueis, há também que se introduzir análises sobre quais são os ganhos que os pesquisadores ou proto-pesquisadores acabam recebendo em troca pelos investimentos que fazem.

O mais crítico disso tudo é que ao se banalizar e incorporar como válidos artigos que não seriam publicados em revistas que sejam minimamente sérias no uso do processo de revisão por pares (ou peer-review), temos uma contaminação perigosa não apenas no que é tomado como sendo ciência, mas também nos processos de premiação e contratação. 

Outro aspecto que me preocupa com o caminho praticamente livre que essas revistas trash possuem é o processo anti-pedagógico que elas cumprem junto às novas gerações de pesquisadores. É que se tacitamente legitimar a publicação nesses veículos, e ainda por cima premiar quem faz isto, o que estamos dizendo a jovens pesquisadores é que o vale-tudo está oficializado na disseminação do conhecimento científico. Se isto já é um problema em países onde a comunidade científica já é robusta e bem consolidada, imaginemos o que isto causa nos países da periferia capitalista.

Finalmente, no caso brasileiro afora algumas tentativas de expor os malefícios do “trash science” (cito explicitamente os esforços do jornalista Maurício Tuffani (Aqui!)), o silêncio é quase total e as publicações de baixa qualidade em inglês canhestro abundam.  No caso brasileiro, o silêncio sepulcral do CNPq e da CAPES  sobre este problema, bem como a objetiva falta de ação para coibir  a premição do “trash science” são sinais de que temos um árduo desafio pela frente. Resta saber quem vai querer comprar esta briga, especialmente num tempo em que convivemos com um encurtamento brutal de verbas para a pesquisa.

A universidade do “Trash Science” como emblema de uma sociedade desigual no Brasil

meritocracia

Um dos meus interesses desde que comecei este blog em 2009 é a situação da universidade brasileira, mormente os aspectos degenerativos impostos pelo produtivismo acadêmico imposto pelas nossas principais agências de fomento, principalmente nas duas últimas décadas.  Num afã de colocar o nosso sistema científico (que depende quase 100% da produção vinda de universidades e institutos de pesquisa públicos), assistimos à erupção sem xeques do que eu alcunhei de “trash science“. 

Mas a produção de “trash science” (em português claro a produção de lixo científico como se ciência fosse) trouxe impactos que vão muito além da colocação de trabalhos em revistas científicas que ignoram a regra da “revisão por pares” e aceitam em publicar qualquer coisa que seja em troca de um punhado de dólares. É que ao se aceitar tacitamente que o “trash science” seja internalizado como legitimo, as agências de fomento como o CNPq e a Capes contribuem para um verdadeiro vale tudo atinja todos os aspectos da produção de ciência no Brasil, bem como os sistemas de premiação com bolsas e financiamentos de projeto de pesquisa e, por último, o sistema de contratação de docentes e pesquisadores via concursos públicos.

Em função dos amplos efeitos degenerativos que a cultura do “trash science” gera, eu não me surpreendo com a notícia trazida hoje pelo jornalista Maurício Tuffani em seu blog “Direto da Ciência” sobre um imbróglio envolvendo docentes da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) que participaram de bancas que aprovaram um sócio num concurso público para docente na Escola Polítécnica da USP, e na sua banca de doutoramento (Aqui!). A notícia pode ser surpreendente para a maioria dos leitores do  “Direto da Ciência“, visto que estamos falando de profissionais que atuam nas duas principais universidades brasileiras, mas não a mim.

É que eu já tomei ciência de coisas bem piores na minha própria instituição, envolvendo situações assemelhadas e que não apenas foram aprovadas pelos colegiados internos, mas também solenemente ignoradas pelo Ministério Público quando denunciadas. E novamente notemos que a Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) é também muito bem avaliada, inclusive no tocante à suposta qualidade de seu corpo docente.

Mas então diante de qual fenômeno estamos confrontados? Em minha opinião, de uma combinação perversa entre o patrimonialismo que reverbera historicamente na sociedade brasileira com um recobrimento cínico de meritocracia acadêmica que é fornecida pela difusão e legitimação do “trash science” como mecanismo artificial e fraudulento de melhorar o desempenho internacional da ciência brasileira.  Não é preciso dizer que considero essa combinação nefasta, visto que não apenas internalizamos o padrão conservador que prevalece historicamente na sociedade brasileira, mas como damos legitimidade a personagens que se especializam na produção de lixo científico que apenas serve para seus fins particulares, inclusive a de facilitar esquemas desvelados pelo “Direto da Ciência“. E o produto mais acabado disso é a formação de uma geração inteira de mestres e doutores sem qualquer condição para alavancar de forma sólida a evolução da ciência brasileira, visto que lhes falta a necessária preparação intelectual para tanto.

E tome “trash science” !

Jeffrey Beall desmonta um dos mitos do “trash science”: revistas predatórias e a transferência da propriedade intelectual

oact

Um dos mitos que cercam a rendição de muitos pesquisadores às revistas de “acesso aberto” é de que estas permitem, em troca de um taxa pela publicação de um dado artigo científico, que os autores mantenham seus direitos intelectuais sobre suas pesquisas. Essa “regra de ouro” das publicações de acesso aberto (muitas delas comprovadamente apenas esquemas de captação de dinheiro de pesquisadores incautos ou não) serve como desculpa para que muitos evitem as editoras tradicionais, onde o procedimento do “peer review” ainda é majoritariamente utilizado para que um artigo seja aceito.

Eu digo majoritariamente porque já existem evidências suficientes de que este não é necessariamente o caso, bastando para isso visitar sites como o “Retraction Watch” (Aqui!) para que se verifique que os problemas envolvendo a retirada de artigos publicados atingem tanto editores predatórios como as grandes corporações que dominan a publicação de documentos científicos.

Entretanto, voltando à questão do mito de que as revistas de “acesso aberto” não demandam a entrega de direitos intelectuais dos autores dos artigos que puiblicam, o professor Jeffrey Beall, responsável entre outras contribuições pela “Beall´s List” de editoras e revistas predatórias, acaba de demonstrar que isto não é verdade. Segundo o que o professor Beall apurou a maioria das revistas de acesso aberto mantidas por editoras predatórias demandam sim que os autores abram mão de seus direitos de propriedade intelectual, em que pese o pagamento de taxas nem sempre módicas para publicar artigos científicos (Aqui!).

A derrubada deste mito deveria levantar algumas questões preciosas sobre o que motiva muitos pesquisadores no Brasil, e fora dele, a recorrerem a revistas cujo padrão de controle sobre a qualidade do que publicam é, no mínimo, muito precário.  Como já observei aqui, na base desta ação está o fato de que agências de fomento e bancas examinadoras formadas para contratar docentes em instituições de ensino superior faz algum tempo optaram por premiar a quantidade em vez da qualidade. Como a maioria dos pesquisadores já sabe disso, a opção lógica para muitos deles foi de jogar na privada qualquer escrúpulo com o rigor científico para poderem multiplicar o número de artigos publicados, a maioria deles sem nenhuma contribuição real para o avanço do conhecimento.

Aliás, tudo estaria “tranquilo e dominado” se não fosse por indivíduos (dentro da comunidade científica e fora dela) que decidiram não se omitir em relação à naturalização de práticas de publicação que atentam contra o desenvolvimento da ciência. Dentre estes nomes eu sempre destaco os casos do Professor Jeffrey Beall (Aqui!)e do jornalista Maurício Tuffani (Aqui!) cujos trabalhos  em prol da qualidade científico venho acompanhando. Mas certamente existem muitos outros que hoje fazem um trabalho semelhante de defesa da integridade e do rigor que deveria acompanhar a ciência como é o caso do já citado Retraction Watch.

Lamentavelmente não vejo ainda uma reação mais coordenada e coerente para que o lixo científico produzido por editoras e revistas predatórias seja tratado de forma adequada em prol do desenvolvimento da ciência brasileira.  No caso brasileiro, o silêncio oficial das principais agências de fomento (CNPq e Capes) e das principais sociedades científicas (como a Academia Brasileira de Ciência (ABC) e a SBPC) contribui diretamente para que não haja um debate mais amplo sobre os malefícios da adesão ao “trash science“.

A minha expectativa é depois dessa contribuição do professor Jeffrey Beall sobre a questão da propriedade intelectual, alguma ação mais abrangente seja adotada para que se recoloque a qualidade sobre a quantidade do que se é publicado. A ver!

 

Trash science: as conferências caça-níqueis são apenas a ponta do iceberg

As atribulações dos últimos dias não me permitiram abordar de forma rápida ao material que o jornalista Maurício Tuffani publicou na plataforma “Direto da Ciência” acerca da volta com força total das conferências científicas caça-níqueis ao Brasil (Aqui!).

O fato das conferências caça-níqueis serem as irmãs gêmeas das revistas de “trash science” apenas reforça o caráter predatório das mesmas. É que como já mostrou o próprio Maurício Tuffani em determinados casos há uma espécie de ligação direta entre a conferência caça-níquel e uma revista predatória, a qual é normalmente publicada online pelos mesmos “empreendedores” da área da publicação científica.

Para mim a pergunta que realmente importa é de porque pesquisadores em diferentes níveis de desenvolvimento de sua carreira científica se submetem a este tipo de esquema de vulgarização da ciência. As respostas são muitas, mas a principal parece ser a preferência dada pelos órgãos de fomento por premiar a quantidade e não a qualidade do que é publicado como sendo produto de investigação científica.

Algo que chama a minha atenção toda vez que este assunto surge é o quase completo silêncio que se forma por parte da ampla maioria da comunidade científica, e não apenas da brasileira. Esse é definitivamente um fenômeno global e que responde a um processo de comodificação da ciência. A diferença é que no Brasil enquanto muitos participam ativamente dos eventos e revistas que produzem e disseminam lixo científico, poucos falam aberta e criticamente do problema.

Felizmente um núcleo de resistência a este processo de vulgarização do conhecimento científico está se formando, graças ao trabalho de indíviduos como Maurício Tuffani e Jeffrey Beall que vem apontando não apenas para a existência do problema, mas também para a necessidade urgente de que saiamos de uma posição de negação do óbvio para outra que recoloque a produção da ciência dentro dos marcos rigorosos que permitiram avanços impressionantes no entendimento de processos naturais e sociais nos últimos quatro séculos.

Finalmente, para os interessados em não cair nas malhas das conferências caça-níqueis, sugiro a leitura dos critérios propostos pelo professor Jeffrey Beall para identificar quando nos deparamos com esse tipo de pseudo evento científico, o qual pode ser acessado (Aqui!).

Em carta à editores da Nature, Jeffrey Beall conclama ação coletiva contra os jornais de trash science

beall

Em uma dura carta publicada nesta 5a. feira (16/06) (ver imagem abaixo) na seção “Letter to the editor” de uma das principais revistas do mundo, a Nature, o professor Jeffrey Beall da University of Colorado-Denver demanda uma ação clara contra as revistas que publicam “trash science” (que ele chama de predatórias) (Aqui!).

 beall

Em linhas gerais, o que Jeffrey Beall aponta é que as revistas predatórias estão ameaçando a credibilidade da ciência ao fingir ou negligenciar a realização de uma séria revisão de suas publicações por outros cientistas que não os autores (o chamado processo de peer review).   Beall aponta em sua carta que, ao ignorar a avaliação rigorosa por pares, as revistas predatórias estão poluindo a literatura científica com informações periféricas ou mesmo com simplesmente lixo científico.

Mas em sua carta aos editores da Nature, o prof. Beall vai além da mera denúncia quando insta as instituições de ensino superior a que parem de utilizar o número de artigos científicos publicados como uma medida de desempenho acadêmico. Além disso, Beall argumenta que pesquisadores e revistas científicas sérias não deveriam mais citar artigos oriundos de revistas envolvidas na publicação de “trash science“, e bibliotecas de universidades deveriam excluir as revistas científicas de suas bases de metadados. 

Entretanto, Jeffrey Beall também cobra ações claras de empresas que ofereçam serviços à editoras científicas no sentido de que parem de se relacionar com revistas de “trash science“.  As cobranças de Beall pela eliminação de editoras e revistas predatórias envolvidas na publicação de “trash science” atingem até gigantes do setor de referenciamento como a Scopus, a Web of Science da Thomson Reuters, e o US National Center for Biotechnology Information.

Uma cobrança final do prof. Beall é dirigida aos defensores das publicações de acesso aberto. Para Beall, esses defensores deveriam parar de fingir que o modelo de acesso aberto baseado na regra de ouro do “autor paga, revista publica” está totalmente livre de sérios problemas estruturais de longa duração.

Como alguém que vem acompanhando a questão dos impactos do “trash science“, penso que o prof. Jeffrey Beall está prestando um grande serviço à ciência mundial, e em especial à de países como o Brasil, onde a construção de uma vigorosa comunidade científica ainda está engatinhando. Particularmente ara mim, a ditadura oficializada da quantidade sobre a qualidade serve apenas para a criação de uma casta de tigres de papel cuja serventia ao avanço da ciência é basicamente nenhuma. Além disso, a negligência em rejeitar a premiação de autores “trash science” está criando sérias distorções não apenas na distribuição de verbas públicas para a pesquisa científica, mas também a realização de concursos públicos para professores nas universidades públicas. Com isso, o que temos é a possibilidade de um gigantesco salto para o passado que já está causando graves danos à ciência brasileira.

Lamentavelmente no caso brasileiro esse importante alerta do prof. Jeffrey Beall chega num momento de desarranjo da sistema científico nacional como resultado da dissolução do Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Em função disso, é bem provável que as medidas cirúrgicas que Beall sugere caiam em ouvidos completamente surdos.  Os pesquisadores brasileiros que vem turbinando seus CVs Lattes com lixo científico agradecem!

Marketing blogueiro: lançamento do “Direto da Ciência”

direto da ciencia

Em tempos de crise generalizada existem diferentes posturas para enfrentá-las. O jornalista Maurício Tuffani,  que é especializado em ciência, ensino superior e meio ambiente, adotou o caminho da “highway” e não da “downway”.  É que ele acaba de lançar um arrojado projeto editorial na forma de um blog que tratará dos diferentes aspectos que cercam a ciência e sua produção.  Estou falando do lançamento do “Direto da Ciência” que ele acaba de iniciar com um artigo sobre o envolvimento de professores da Universidade Estadual de Campinas numa situação pouco clara na reprodução do que eu venho chamando de “trash science” (Aqui!).

Dado o silêncio que normalmente cerca determinados imbróglios envolvendo pesquisadores, brasileiros ou não, o lançamento de um veículo como o “Direto da Ciência” me parece fundamental para que não continuemos desinformados sobre os caminhos e descaminhos pelos quais a comunidade científica vem trilhando em tempos de comodificação da ciência.

E a experiência acumulada pelo jornalista Maurício Tuffani o credencia a transformar este projeto em um instrumento sólido de disseminação de informação e debate de ideias sobre a ciência brasileira. Afinal como editor de ciência, blogueiro e repórter da Folha de S.Paulo, e editor-chefe das revistas Scientific American Brasil e Galileu (Editora Globo). e ainda como diretor editorial da revista Unesp Ciência,  ele demonstrou ter o necessário rigor e expertise para tratar de assuntos espinhosos que a maioria dos pesquisadores brasileiros prefere não se pronunciar publicamente.

Por isso, tudo é que recomendo que os leitores deste blog passem a também a acessar o “Direto da Ciência”.