Inverno mais uma vez se prova um aliado inabalável da Rússia em mais um conflito militar

inverno russia

A recente decisão da Gazprom, estatal que é maior empresa de gás da Rússia e também do mundo, de suspender indefinidamente os seus suprimentos para a Europa gerou um efeito dominó em termos de forte alta de preços e depreciação do Euro e da libra esterlina. Esse movimento, baseado na mais básica noção de uso de uma commodity com finalidades estratégicas, promete transformar o próximo inverno europeu em um pesadelo para os povos do continente, mas também para os governantes que optaram por transformar o conflito entre Rússia e Ucrânia em um proxy de uma futura 3a. guerra mundial.

Gazprom corta gás natural para Europa em 31 de agosto | Plásticos em Revista

As elites europeias, pressionadas pelo governo de Joe Biden, deveriam ter feito um mínimo de lição de casa, pois tanto Napoleão Bonaparte como Adolf Hitler viram suas aspirações imperiais atolarem no território gelado da Rússia. E tudo indica que dessa vez os russos vão passar um inverno em meio às baixas temperaturas nas ruas, mas com temperaturas mais elevadas dentro de casa, ao contrário dos europeus que estão neste momento quebrando a cabeça para ver como vão se virar sem o gás russo.

Mas antes que se culpe o governo de Vladimir Putin por agir dentro de uma lógica fria e calculista, há que se lembrar que a ideia de impor uma articulação entre os mercados consumidores europeus e a Rússia foi dos governos neoliberais que comandam com mão de ferro o Conselho Europeu.  A questão é que quando impuseram atrasos pensados na adoção de energias alternativas ao gás russo, as elites europeias provavelmente desprezaram a ideia de que essa dependência poderia se voltar contra seus interesses na forma de uma arma de guerra.

Por outro lado, está ficando claro, e as manifestações populares já estão começando em diferentes países europeus, que não se pode declarar guerra contra um país que detém tamanho controle de uma commodity estratégica em um continente que, apesar e por causa das mudanças climáticas, pode ter invernos bem rigorosos.

Thousands Protest in Prague Over Energy Crisis - Bloomberg

Manifestação realizada em Praga no sábado (03/09), capital da República Tcheca, demanda neutralidade no conflito bélico na Ucrânia em troca de garantia de fornecimento de gás. Foto: Petr David Josek/AP

Como o gás fornecido pelos EUA é muito mais caro que o russo, a batata quente está cada vez mais nas mãos dos governantes que decidirar, na prática, declarar guerra à Rússia, ainda que usando a Ucrânia como anteparo.

Finalmente, não deixa de ser curioso que em pleno Século XXI, uma estação do ano possa estar se provando uma arma de guerra tão eficiente e devastadora, antes mesmo de ter sido acionada. Por isso mesmo, a lentidão que muitos analistas veem na ação das forças militares russas seja apenas um cálculo bem feito de que o principal reforço está pronto para entrar em ação  de forma brutal em pouco mais de 3 meses e vai estar claramente presente no campo de batalha até março de 2023. E isso certamente irá testar a disposição dos europeus em permanecer em guerra com a Rússia. 

Anistia internacional: Táticas de combate ucranianas colocam em risco a população civil

tropas ucranianas

Por Anistia Internacional
  • Bases militares são instaladas em áreas residenciais, incluindo escolas e hospitais
  • Ataques são lançados de áreas habitadas por civis
  • No entanto, essas violações não justificam os ataques indiscriminados das forças russas, que causaram inúmeras mortes e ferimentos de civis.

As forças ucranianas colocam em risco a população civil ao estabelecer bases e usar sistemas de armas em áreas residenciais povoadas, incluindo escolas e hospitais, durante as operações para repelir a invasão russa que começou em fevereiro, disse a Anistia Internacional em 4 de agosto.

Essas táticas de combate violam o direito internacional humanitário e colocam em sério risco a população civil, pois transformam objetos civis em alvos militares. Os ataques russos resultantes em áreas povoadas mataram civis e destruíram a infraestrutura civil.

“Documentamos vários casos em que as forças ucranianas colocaram civis em perigo e violaram as leis da guerra ao operar em áreas povoadas”, disse Agnès Callamard, secretária-geral da Anistia Internacional.

“Estar em uma posição defensiva não isenta o exército ucraniano da obrigação de respeitar o direito internacional humanitário. »

No entanto, nem todos os ataques russos documentados pela Anistia Internacional foram realizados em circunstâncias semelhantes. De fato, a Anistia Internacional em outros casos descobriu que a Rússia cometeu crimes de guerra, inclusive em certas áreas da cidade de Kharkiv, sem encontrar evidências de que as forças ucranianas haviam se deslocado para as áreas de civis ilegalmente visados ​​pelo exército russo.

Entre abril e julho, uma equipe de pesquisa da Anistia Internacional passou várias semanas investigando os ataques russos nas regiões de Kharkiv, Donbas e Mykolaiv. A organização inspecionou os locais de ataque, entrevistou vítimas, testemunhas e parentes das vítimas dos ataques, e usou sensoriamento remoto e armas analisadas.

Durante todas essas investigações, os pesquisadores encontraram evidências de que as forças ucranianas lançaram ataques de áreas residenciais povoadas e também estavam baseadas em edifícios civis em 19 cidades e vilarejos dessas regiões. O Laboratório de Evidências de Resposta a Crises da Anistia Internacional analisou imagens de satélite para verificar as informações coletadas no terreno.

A maioria das áreas residenciais onde os soldados se estabeleceram ficavam a quilômetros da linha de frente. No entanto, eles teriam a possibilidade de se estabelecer em outros locais que não colocassem em risco a população civil, como bases militares ou áreas densamente arborizadas nas proximidades, ou outras estruturas ainda localizadas longe de áreas residenciais. Nos casos documentados pela Anistia Internacional, até onde a organização sabe, quando os militares ucranianos se mudaram para estruturas civis em áreas residenciais, eles não pediram aos civis que evacuassem os prédios ao redor, nem ajudaram os civis a evacuá-los, deixando de tomar todas as precauções possíveis para proteger a população civil.

Ataques lançados de áreas civis povoadas

Vítimas e testemunhas de ataques russos nas regiões de Donbas, Kharkiv e Mykolaiv disseram a pesquisadores da Anistia Internacional que o exército ucraniano estava realizando operações perto de suas casas no momento dos ataques, expondo esses bairros a ataques de retaliação das forças russas. Pesquisadores da Anistia Internacional testemunharam esse comportamento em muitos lugares.

O Direito Internacional Humanitário prevê que todas as partes em um conflito devem evitar, na medida do possível, posicionar objetivos militares em ou perto de áreas densamente povoadas. Existem outras obrigações destinadas a proteger os civis das consequências dos ataques, como a obrigação de retirar os civis das proximidades dos objetivos militares e a obrigação de fornecer alertas efetivos sobre ataques que possam prejudicar a população civil.

A mãe de um homem de 50 anos morto em um ataque com foguete em 10 de junho em um vilarejo ao sul de Mykolaiv disse à Anistia Internacional: “Os soldados se mudaram para uma casa próxima à nossa e meu filho costumava ir ver os soldados para levar comida deles. Eu implorei várias vezes para ele ficar longe deste lugar, porque eu estava com medo de que algo acontecesse com ele. Naquela tarde, no momento da greve, meu filho estava no quintal de nossa casa e eu estava dentro de casa. Ele foi morto instantaneamente. Seu corpo foi esquartejado. Nossa casa foi parcialmente destruída. Pesquisadores da Anistia Internacional encontraram equipamentos militares e uniformes na casa ao lado.

Mykola, que mora em um prédio nos arredores de Lysytchansk (Donbas), que sofreu vários ataques russos que mataram pelo menos um idoso, disse à Anistia Internacional: “Não entendo por que nosso exército está atirando das cidades e não do campo. Outro morador, um homem de 50 anos, disse: “Definitivamente há atividade militar no bairro. Quando há tiros deste setor, então ouvimos tiros que desta vez visam este setor. Pesquisadores da Anistia Internacional viram soldados usando um prédio de apartamentos a cerca de 20 metros da entrada de um abrigo subterrâneo usado por moradores, onde o velho foi morto.

Em uma cidade no Donbas em 6 de maio, as forças russas usaram munições de fragmentação amplamente proibidas e indiscriminadas contra uma comunidade composta principalmente por casas de um e dois andares, das quais as forças ucranianas estavam procedendo ao fogo de artilharia. Os estilhaços danificaram as paredes da casa onde moram Anna, de 70 anos, seu filho e a mãe de 95 anos.

Anna explicou: “Os estilhaços voaram pelas portas. Eu estava na casa. A artilharia ucraniana estava perto do meu campo […] Havia soldados atrás do campo, atrás da casa […] Eu os vi entrando e saindo […] desde o início da guerra […] Minha mãe está […] paralisada então Eu não podia fugir. »

No início de julho, um camponês foi ferido quando as forças russas atacaram um galpão agrícola na área de Mykolaiv. Poucas horas após este ataque, pesquisadores da Anistia Internacional testemunharam a presença de militares e veículos ucranianos nas proximidades do galpão agrícola, e outras testemunhas confirmaram que os militares usaram o celeiro localizado do outro lado da estrada de uma fazenda onde moravam civis e trabalhou.

Enquanto pesquisadores da Anistia Internacional examinavam os danos em prédios de apartamentos e prédios públicos próximos, em Kharkiv e em vilarejos em Donbas e no leste de Mykolaiv, eles ouviram tiros vindos de posições militares ucranianas nas proximidades.

Em Bakhmout, vários moradores disseram à Anistia Internacional que o exército ucraniano usou um prédio a apenas 20 metros de um arranha-céu do outro lado da rua. Em 18 de maio, um míssil russo atingiu a fachada deste prédio, destruindo parcialmente cinco apartamentos e causando danos aos prédios vizinhos. Kateryna, uma moradora que sofreu o ataque, disse: “Eu não entendi o que estava acontecendo. [Ele tinha] janelas quebradas e muita poeira na minha casa […] Fiquei lá porque minha mãe não queria ir embora. Ela tem problemas de saúde. »

Três moradores disseram à Anistia Internacional que, antes do ataque, as forças ucranianas haviam usado um prédio do outro lado da rua do prédio afetado e que dois caminhões militares estavam estacionados em frente a outra casa que foi danificada quando o míssil atingiu. Pesquisadores da Anistia Internacional encontraram sinais de presença militar dentro e fora do prédio, incluindo sacos de areia e plástico preto cobrindo as janelas, bem como equipamentos de primeiros socorros novos feitos nos EUA.

“Nós não temos uma palavra a dizer sobre o que o exército faz, mas somos nós que pagamos o preço”, um morador cuja casa também foi danificada pela greve.

De bases militares a hospitais

Pesquisadores da Anistia Internacional testemunharam o uso de hospitais como bases militares de fato pelas forças ucranianas em cinco locais. Em duas cidades, dezenas de soldados descansaram, trabalharam e fizeram suas refeições em hospitais. Em outra cidade, soldados disparavam de posições próximas a um hospital.

Em 28 de abril, um ataque aéreo russo feriu dois funcionários de um laboratório médico nos arredores de Kharkiv, depois que as forças ucranianas estabeleceram uma base lá.

O uso de hospitais para fins militares é uma clara violação do direito internacional humanitário.

De bases militares a escolas

O exército ucraniano estabelece regularmente bases em escolas nas cidades e aldeias de Donbas e na região de Mykolaiv. As escolas foram temporariamente fechadas para os alunos desde o início do conflito, mas na maioria dos casos esses prédios ficavam próximos a áreas habitadas por civis.

Em 22 das 29 escolas que visitaram, pesquisadores da Anistia Internacional descobriram que soldados estavam usando esses prédios ou encontraram evidências de atividade militar passada ou presente – incluindo uniformes militares, munição abandonada, bolsas de rações militares e veículos militares.

As forças russas atacaram muitas das escolas usadas pelas forças ucranianas. Em pelo menos três cidades, após bombardeios russos a escolas, soldados ucranianos se mudaram para outras escolas próximas, colocando os bairros vizinhos em risco de ataques semelhantes.

Em uma cidade a leste de Odessa, a Anistia Internacional descobriu que os soldados ucranianos usavam amplamente os espaços civis para acomodação e outros fins, colocando veículos blindados sob árvores em áreas apenas residenciais, e usavam duas escolas localizadas em áreas residenciais densamente povoadas. Ataques russos perto dessas escolas mataram e feriram vários civis entre abril e o final de junho, incluindo uma criança e uma idosa que foram mortas em sua casa por um ataque com foguete em 28 de junho.

Em Bakhmout, as forças ucranianas estavam usando um prédio universitário como base militar quando um ataque russo o atingiu em 21 de maio; sete soldados teriam sido mortos. A universidade fica ao lado de um prédio de apartamentos alto que foi danificado no ataque, junto com outros prédios civis a cerca de 50 metros de distância. Pesquisadores da Anistia Internacional encontraram os restos de um veículo militar no pátio do prédio da universidade bombardeado.

O Direito Internacional Humanitário não proíbe especificamente as partes em conflito de se estabelecerem em escolas fora do horário escolar. No entanto, os militares têm a obrigação de evitar o uso de escolas localizadas perto de casas ou prédios de apartamentos cheios de civis, pois isso colocaria em risco suas vidas, exceto em casos de necessidade militar. Se necessário, os militares devem avisar os civis e, se necessário, ajudá-los a evacuar o local. Isso claramente não aconteceu nos casos examinados pela Anistia Internacional.

Os conflitos armados prejudicam seriamente o exercício do direito à educação das crianças, e o uso de instituições educacionais para fins militares pode levar à destruição que ainda priva as crianças desse direito após a guerra. A Ucrânia está entre os 114 países que endossaram a Declaração de Escolas Seguras , um acordo sobre a proteção da educação em conflitos armados que permite que as partes usem escolas abandonadas ou evacuadas somente se não houver outra solução viável.

Ataques indiscriminados por forças russas

Muitos dos ataques russos que a Anistia Internacional documentou nos últimos meses foram realizados com armas indiscriminadas, incluindo munições de fragmentação proibidas ou outras armas explosivas de área ampla. Outros ataques foram realizados usando armas guiadas com vários níveis de precisão; em alguns casos, essas armas eram precisas o suficiente para atingir alvos bem definidos.

A prática do exército ucraniano de colocar objetivos militares em áreas povoadas não justifica de forma alguma os ataques indiscriminados das forças russas. Todas as partes em conflito devem sempre distinguir entre objetivos militares e bens civis e tomar todas as precauções possíveis, inclusive no que diz respeito à escolha de armas, para minimizar os danos sofridos pela população civil. Ataques indiscriminados que matam ou ferem civis ou danificam bens civis são crimes de guerra.

“O governo ucraniano deve tomar imediatamente as medidas necessárias para afastar suas forças de áreas povoadas e evacuar civis em áreas onde o exército está realizando operações. Sob nenhuma circunstância os militares devem usar hospitais para fazer a guerra e só devem usar escolas ou prédios de apartamentos civis como último recurso, na ausência de qualquer outra solução viável”, disse Agnès Callamard.

A Anistia Internacional entrou em contato com o Ministério da Defesa ucraniano com os resultados de sua pesquisa em 29 de julho de 2022. No momento da publicação, a Anistia não recebeu resposta.


color compass

Este texto escrito originalmente em francês foi publicado pela Anistia Internacional [Aqui!].

E se Putin cortar o gás? Um cenário de pesadelo está se formando na Europa

Os líderes da União Européia estão se preparando para uma crise de abastecimento de gás que pode congelar setores inteiros das economias dos países do bloco. Há uma preocupação crescente de que o Nord Stream, o principal gasoduto que transporta gás russo para a Europa, seja fechado de forma permanente porque Moscou simplesmente não o reiniciará após o período anual de manutenção do sistema.

gas russo

Por América Hernandez & Victor Jack para a Onet

O cenário em que países europeus ricos teriam que racionar seu consumo de energia – e optar por excluir grandes indústrias – tornou-se mais realista na segunda-feira, quando o fluxo de gás natural que flui para a Europa através do gasoduto Nord Stream despencou para zero.

Faz parte de uma queda de energia planejada de 10 dias, mas analistas e autoridades estão preocupados que a Gazprom da Rússia, que já cortou ou limitou o fornecimento de gás a 12 países da União Europeia (UE), possa decidir não reativar o Nord Stream assim que a manutenção terminar.

Tal movimento empurraria uma economia como a alemã para a crise, e  as autoridades em Berlim alertam que indústrias de uso intensivo de energia podem ser forçadas a cortar o consumo, o que o vice-chanceler alemão Robert Habeck chamou no domingo passado de “um cenário político de pesadelo”.

Todos os olhos no Nord Stream

– O que acontece após a manutenção? A que voltaremos mais tarde? Todos estarão assistindo, disse Ed Cox, chefe de GNL da ICIS, uma empresa de análise que lida com matérias-primas.

Alguns analistas dizem que é improvável que a Rússia reabra o oleoduto e encontrará desculpas para fechá-lo por mais tempo do que o anunciado desligamento de manutenção de 10 dias.

De acordo com Alexander Gabuev do Carnegie Endowment for International Peace em Washington, este cenário é “bastante provável”. Ele argumenta que cortar completamente o fornecimento de gás para a Europa é uma ferramenta básica no arsenal do presidente russo, Vladimir Putin. Na sua opinião, esta ferramenta é necessária para disputar a Europa pela Ucrânia. Especialmente antes do período de inverno, quando os efeitos da falta de gás começarão a ser mais sentidos.

“O gás é a carta óbvia no baralho do Kremlin”, diz Gabuev.

O ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, expressou essas preocupações no domingo, dizendo que um corte completo do gás russo para a Europa era “o cenário mais provável” e que os países devem “estar prontos para lutar”.

Em 20 de julho, funcionários da UE em Bruxelas divulgarão um plano de preparação para o inverno na tentativa de fornecer aos países gás suficiente para sobreviver ao inverno. Mas os detalhes do plano não são claros por enquanto.

– A situação é sem dúvida grave e devemos estar devidamente preparados para qualquer eventualidade – disse o porta-voz da Comissão Europeia nesta segunda-feira.

Outras opções consideradas incluem resgatar as empresas de energia, assumir o controle do governo sobre as usinas de energia e racionar o gás para a indústria.

Lambidas de gás

Os ânimos em Paris e Berlim estão longe do otimismo de Bruxelas que prevaleceu apenas três meses atrás, quando autoridades da UE anunciaram uma retirada coordenada do gás russo e a intenção de reduzir radicalmente a dependência da Rússia ainda este ano.

“Não é fácil, mas é viável”, disse o vice-presidente da Comissão Europeia Frans Timmermans na época.

Mas a UE já desperdiçou essa meta ambiciosa – até 16 de junho havia importado mais gás russo do que havia orçado para este ano. Mesmo considerando que Moscou cortou o fornecimento para alguns países da UE e desacelerou o fornecimento para outros.

Até agora, com o Nord Stream passando por sua inspeção anual, o setor de gás europeu está prendendo a respiração.

O pânico eclodiu brevemente na segunda-feira, quando a empresa italiana de energia Eni disse que seus suprimentos da Gazprom caíram de 32 milhões de metros cúbicos por dia para 21 milhões. Os suprimentos reduzidos, no entanto, estavam relacionados ao desligamento do Nord Stream e não, como alguns temiam, ao corte adicional de fluxos russos através de outros oleodutos através da Ucrânia ou da filial de Turkstream que passa pela Bulgária.

Em anos anteriores, a Rússia compensou o fornecimento reduzido durante a manutenção do Nord Stream redirecionando mais gás por outras rotas. Ela não fez isso este ano – pelo menos até agora.

Mas com a invasão da Ucrânia, a Rússia já está usando o fornecimento de energia como moeda de troca para tentar quebrar a unidade ocidental e suspender as sanções contra Moscou.

Na sexta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, sugeriu a possibilidade de “aumentar” o fornecimento de gás através do Nord Stream a partir de 21 de julho, mas somente se o Canadá permitir a restauração de uma turbina a gás, crítica para a operação do Nord Stream, que está atualmente em reparo em Montreal. Em um e-mail para POLITICO, o Ministério de Recursos Naturais do Canadá confirmou que o Canadá disponibilizará um total de seis turbinas para Nord Stream como parte de uma exceção de sanção única.

Berlim e Washington ficaram felizes com esta solução. Mas Kyiv guarda rancor contra Ottawa porque fez lobby nos bastidores para não devolver as turbinas.

– A decisão de isentar as sanções será percebida em Moscou apenas como um sinal de fraqueza – disse o presidente Volodymyr Zelensky na segunda-feira. – Não há dúvida de que a Rússia tentará não apenas limitar o máximo possível, mas também fechar completamente o fornecimento de gás para a Europa no momento mais conveniente. Devemos agora nos preparar para provocações semelhantes, disse ele.

Banhos mais curtos, aquecimento apertado

A menos que Moscou reinicie o Nord Stream, as opções da Europa para um fornecimento alternativo de gás são limitadas.

No início deste ano, o volume de gás natural liquefeito offshore que chega à UE – principalmente dos EUA – atingiu níveis recordes. No entanto, a explosão de junho e o tempo de inatividade em uma importante instalação de exportação do Texas frustraram a intenção da UE de depender apenas dos americanos pelo menos até o final deste ano.

Os países do Golfo Pérsico se ofereceram para aumentar a produção, mas essas propostas estão sujeitas a condições políticas, como foi o caso do pedido de Omã de isenção de visto da UE para seus cidadãos.

“Estamos em uma situação em que há limitações no tamanho de outras fontes de gás que podem ser entregues à Europa e há limitações nas capacidades do GNL”, disse Tom Marzec-Manser, chefe de análise de gás da ICIS.

– Estamos claramente no topo desses limites.

A quantidade de gás transportada por gasodutos de vizinhos regionais como Azerbaijão e Noruega aumentou, e neste mês Oslo aprovou um aumento na produção para apoiar as exportações. No entanto, o governo norueguês alertou que “as empresas norueguesas estão produzindo hoje em seu nível máximo ou muito próximo”.

A Holanda anunciou que conseguiu reduzir seu consumo de energia em um terço este ano, potencialmente permitindo que parte do gás adicional seja desviado para seus vizinhos. No entanto, o ministro holandês do clima, Rob Jetten, alertou que o aumento da energia no campo de Groningen, o maior da Europa, seria o “último recurso”.

Fatih Birol, diretor da Agência Internacional de Energia, descreveu a situação em termos contundentes no início deste ano: “Ou os governos ou as concessionárias terão que racionalizar, ou cortar a energia dos consumidores, ou nós o faremos”.

E se eles desligarem?

De acordo com uma análise do think tank Bruegel, os países da UE terão que reduzir a demanda em 15% nos próximos 10 meses. se a Rússia fechar todos os fornecimentos de gás. Nos estados bálticos e na Finlândia, os governos podem ser forçados a reduzir em até 54%.

À medida que o sentimento piora, chefes de estado e CEOs de empresas estão pedindo publicamente o racionamento, o que seria impensável apenas alguns meses atrás. Por exemplo, na França, os CEOs das três maiores empresas de energia do país, em um discurso conjunto, pediram que as pessoas economizassem energia.

Por sua vez, os políticos holandeses pedem aos cidadãos que tomem banhos mais curtos e limitem o aquecimento.

Em contraste, as autoridades locais na Alemanha estão recorrendo a medidas como a diminuição das luzes da rua e a redução da temperatura em piscinas abertas depois que o país desencadeou o segundo estágio de risco de crise no mês passado.

Enquanto os legisladores da UE estão entusiasmados com o progresso no novo regulamento obrigatório de fornecimento de gás que encheria até 80% das instalações de armazenamento. até novembro, os negociadores ainda discutiam ferozmente sobre quem pagaria pelo gás e quem teria acesso prioritário em uma crise.

Mas de acordo com dados em tempo real, o nível atual de enchimento dos locais de armazenagem é de 61,6%.

E quando os armazéns estão cheios, eles podem conter cerca de um quinto do consumo anual, mas as instalações não são projetadas para serem esgotadas a zero, e estão distribuídas de forma desigual pelo continente, tornando o acesso igual em caso de emergência de forma alguma claro.

A preocupação nº 1

Até agora, pelo menos 10 países da UE ativaram a primeira fase de “alerta precoce” como parte de seus planos de contingência, que Bruxelas se comprometeu a ter desde 2017.

Fortemente dependente do gás russo, a Alemanha é o único país que já lançou a segunda fase. Ativar o terceiro permitiria a Berlim intervir no mercado e se tornar o coordenador nacional de fornecimento de energia. Em seguida, poderia determinar quais setores seriam cortados primeiro.

Nesse cenário, os políticos provavelmente começariam cortando setores não essenciais, como a indústria automotiva. Outras indústrias, serviços públicos e, finalmente, aquecimento doméstico seriam os próximos, diz Simone Tagliapietra, analista de energia do think tank Bruegel.

A Alemanha e a República Checa comprometeram-se conjuntamente na segunda-feira a “unir forças para garantir a cooperação e coordenação operacional no caso de uma interrupção total do fornecimento de gás que possa ocorrer nas próximas semanas”.

Mas muitos temem o cenário “cada país em si”, em que os países mantêm o gás dentro de suas próprias fronteiras. É por isso que a Comissão Europeia está incentivando os países a criar “acordos de solidariedade” transfronteiriços voluntários para compartilhar gás quando necessário.

Até agora, existem apenas seis desses acordos, e “o problema é que isso pode não ser suficiente”, diz Tagliapietra. Por quê? “Porque esses acordos bilaterais não têm um mecanismo de fiscalização.”

Edição: Michael Broniatowski


compass black

Este texto foi escrito originalmente em polonês e publicado pela Onet [Aqui!].

Derrota de Macron na França, greves contra Johnson na Inglaterra: os custos políticos e econômicos da guerra na Ucrânia começam a emergir

bojomacron

Dois fatos são notáveis nesse final de semana na Europa: a derrota de Emmanuel Macron no segundo turno das eleições legislativas francesas e a crescente pressão dos trabalhadores contra Bóris Johnson na Inglaterra.  Esses dois fatos parecem sinalizar que a paciência dos trabalhadores europeus está se esgotando, colocando em xeque as políticas neoliberais por um lado, e o custoso apoio à Ucrânia no conflito armado em que este país serve como “proxy” no enfrentamento geopolítico com a Rússia.

Os próximos meses deverão aumentar a impaciência da classe trabalhadora europeia em outros países, a começar pela Alemanha, onde dezenas de bilhões de euros estão sendo alocados para a ajudar militar para os ucranianos, o que tem sido acompanhado por retaliações russas no fornecimento de gás, combustível essencial para tocar a vida na Europa.

 

 Setor de petróleo e gás dos EUA usa Ucrânia para impulsionar expansão, diz relatório

Análise revela como indústria promoveu a “energia de fabricação americana” em resposta a choques globais

anuncio face

Anúncios pagos e veiculados na rede social Facebook divulgam energia (fóssil) made in the USA

Uma nova pesquisa do think tank climático InfluenceMap revela como o setor de petróleo e gás dos EUA utilizou a guerra na Ucrânia e os preços mais altos da energia para impulsionar a produção doméstica de combustíveis fósseis. No período que antecedeu a invasão e nas semanas seguintes, o setor utilizou várias estratégias para captar a narrativa pública sobre a causa da crise dos preços da energia por meio de informações falsas, diz a pesquisa revelada hoje (25).

Entre as mensagens analisadas estão declarações públicas de executivos da ConocoPhillips, Chevron, Associação Americana do Gás e outros, que procuraram culpar a política climática pelos altos preços da energia ou promoveram a energia fóssil produzida nos EUA como parte da solução. Muitas dessas reivindicações em torno da causa da crise foram desmascaradas pela equipe de checagem de fatos da agência de notícias AFP.

Um dos principais atores neste esforço de lobby – o American Petroleum Institute (API) – utilizou o Facebook para impulsionar sua mensagem de “energia de fabricação americana” e “gás natural e petróleo americanos”, utilizando reivindicações em torno da segurança energética e da independência energética dos EUA.

Entre 26 de janeiro (quando o API mencionou especificamente a crise da Ucrânia) e 1º de abril, a organização criou e veiculou 761 anúncios por meio de sua página ‘Energy Citizens’ (Cidadãos da Energia). Isto incluiu uma extensa campanha publicitária promovendo a energia produzida nos EUA e a independência energética, consistindo em 233 anúncios individuais, que receberam 19,6 milhões de impressões.

Em comparação, nos três meses finais de 2021, a página ‘Energy Citizens’ da API criou apenas 67 anúncios referentes a energia/segurança nacional ou independência energética, que foram vistos 6 milhões de vezes.

Em resposta às conclusões do relatório, o senador democrata dos EUA Sheldon Whitehouse disse: “A indústria não levou tempo nenhum para transformar a situação perigosa na Ucrânia em uma vantagem financeira para os executivos do petróleo e gás e seus acionistas. A implementação de informações errôneas para capitalizar uma crise internacional é típica do bem gasto e desagradável livro de jogadas da indústria de combustíveis fósseis”.

A co-fundadora da Clean Creatives, Christine Arena, disse: “Muita atenção tem sido dada à história demonstrável da indústria de combustíveis fósseis de negar a ciência climática. Mas como revela a análise do InfluenceMap, o tipo de desinformação climática que prolifera desde a invasão da Ucrânia é mais enganosa, generalizada e perigosa – com a participação direta dos CEOs da indústria e um impacto a curto prazo nas políticas públicas”.

Sucesso

Desde a invasão da Ucrânia, várias das políticas ‘pedidas’ pela indústria têm sido bem sucedidas. Por exemplo, a Comissão Federal de Regulamentação Energética (FERC) dos EUA recuou de um plano para considerar como os projetos de gás afetam a mudança climática e as comunidades locais. O setor também obteve sucesso em assegurar um compromisso para acelerar a aprovação de novos projetos de gás.

Enquanto Mike Wirth, CEO da Chevron, e Ryan Lance, CEO da ConocoPhillips, procuraram culpar as políticas climáticas pelos recentes picos de preços de energia, o setor se opôs às políticas estaduais que reduziriam a demanda por petróleo e gás. Por exemplo, proibições de gás em novos edifícios em Nova York, mandatos de etanol em Iowa e incentivos para veículos elétricos na Virgínia.

“O setor de petróleo e gás dos EUA tem defendido consistentemente políticas que permitem novas ou maiores explorações de combustíveis fósseis, e contra políticas que reduziriam a demanda. Mas o que mudou nos últimos meses é a intensidade dessa mensagem”, avalia Faye Holder, gerente de Projetos do InfluenceMap.

“A indústria se mobilizou rapidamente em torno da guerra na Ucrânia e dos altos preços do gás para promover a necessidade de mais “energia de fabricação americana”, muitas vezes confiando em reivindicações potencialmente enganosas ou questionáveis”, conclui.

Apocalipse Now? Os efeitos alarmantes da crise alimentar global

O governador do Banco da Inglaterra alertou na semana passada sobre aumentos ‘apocalípticos’ dos preços dos alimentos. No entanto, a guerra na Ucrânia, as mudanças climáticas e a inflação já estão cobrando seu preço em todo o mundo

fome global

Por Simon Tisdall para o “The Guardian”

Essa última façanha é exatamente o que Andrew Bailey, presidente do Banco da Inglaterra, conseguiu na semana passada, possivelmente inadvertidamente, quando sugeriu que a Grã-Bretanha estava enfrentando níveis “apocalípticos” de inflação de preços de alimentos. Os ministros conservadores se irritaram com o que viram como críticas implícitas à magistral gestão econômica do governo.

Na verdade, Bailey estava falando tanto sobre o impacto drástico dos aumentos relacionados à guerra na Ucrânia nos custos dos alimentos e na escassez de alimentos nas pessoas nos países mais pobres. “Há uma grande preocupação para o mundo em desenvolvimento também… Desculpe por ser apocalíptico por um momento, mas essa é uma grande preocupação”, disse ele .

Com a maior parte da atenção política e da mídia focada na emergente “crise do custo de vida” do Reino Unido, os comentários de alto perfil de Bailey foram oportunos – e reveladores. Meses de alertas sobre um maremoto global de fome, tornados mais urgentes pela Ucrânia , foram amplamente ignorados, principalmente pelo governo de corte de ajuda de Boris Johnson.

O custo de vida é um problema na Grã-Bretanha. Para agências da ONU e trabalhadores humanitários em todo o mundo, a maior preocupação é o custo de morrer.

Uma mulher segurando uma criança desnutrida em Kelafo, leste da Etiópia, no mês passadoUma mulher segurando uma criança desnutrida em Kelafo, leste da Etiópia, no mês passado. Fotografia: Eduardo Soteras/AFP/Getty Images

Soando o alarme novamente na semana passada, António Guterres, secretário-geral da ONU, disse que a escassez relacionada à Ucrânia pode ajudar a “induzir dezenas de milhões de pessoas ao limite da insegurança alimentar”. O resultado pode ser “desnutrição, fome em massa e fome em uma crise que pode durar anos” – e aumentar as chances de uma recessão global.

O Programa Mundial de Alimentos estima que cerca de 49 milhões de pessoas enfrentam níveis emergenciais de fome. Cerca de 811 milhões vão para a cama com fome todas as noites. O número de pessoas à beira da fome na região do Sahel da África, por exemplo, é pelo menos 10 vezes maior do que no pré-Covid 2019.

Distribuição de alimentos fora de uma padaria de Cabul no final do ano passado

Distribuição de alimentos do lado de fora de uma padaria de Cabul no final do ano passado. Fotografia: Petros Giannakouris/AP

O impacto adverso da invasão russa na disponibilidade e no preço de produtos básicos como trigo, milho, cevada e óleo de girassol – a Ucrânia e a Rússia normalmente produzem cerca de 30% das exportações globais de trigo – tem sido enorme.

A produção de trigo da Ucrânia este ano deve cair 35% , e exportar grande parte pode ser impossível devido ao bloqueio russo do Mar Negro. Em março, os preços globais das commodities, registrados pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação , atingiram um recorde histórico. Eles permanecem em níveis recordes.

A guerra da Rússia agravou ou acelerou déficits alimentares pré-existentes e tendências inflacionárias decorrentes de uma série de fatores relacionados: o impacto econômico negativo da pandemia; problemas resultantes da cadeia de abastecimento, emprego e transporte; quedas na produção relacionadas a condições meteorológicas extremas e crises climáticas; custos de energia em espiral; e vários outros conflitos em curso em todo o mundo.

Países de renda média, como Egito e Brasil, estão excepcionalmente mal posicionados para lidar com o aumento da insegurança alimentar, disseram os consultores internacionais de risco Verisk Maplecroft em um relatório na semana passada. Muitos governos esgotaram suas reservas financeiras e materiais lutando contra a Covid e contraíram grandes dívidas.

Agora o armário está vazio. “Ao contrário dos países de baixa renda, eles eram ricos o suficiente para oferecer proteção social durante a pandemia, mas agora lutam para manter altos gastos sociais que são vitais para os padrões de vida de grandes setores de suas populações”, disse o relatório.

Argentina, Tunísia, Paquistão e Filipinas, altamente dependentes das importações de alimentos e energia, estão entre muitos outros países de renda média ou média-baixa que enfrentam um risco elevado de agitação civil até o final de 2022, sugeriu.

Uma marcha de protesto estudantil no Sri Lanka na quinta-feira. Fotografia: Chamila Karunarathne/EPA

À medida que o “apocalipse” alimentar se aproxima, os povos mais pobres sofrerão, como sempre, enquanto os mais ricos poderão ficar isolados, até certo ponto. Mas teme-se que a dor suba rapidamente na cadeia alimentar global. Com isso, é provável que venha uma onda de turbulência política, crises humanitárias, instabilidade e rivalidades geoestratégicas em um mundo faminto.

Violência política e revolta

A escassez de alimentos, combinada com aumentos de preços, apagões de eletricidade e escassez de gasolina, gás de cozinha e remédios, provocou uma crise política no Sri Lanka nesta primavera que serve como um modelo desconcertante para países que enfrentam problemas semelhantes.

Meses de protestos culminaram na renúncia do primeiro-ministro Mahinda Rajapaksa, mas nem mesmo seu couro cabeludo impediu que a agitação se tornasse violenta. Desesperado, o Sri Lanka obteve um empréstimo-ponte do Banco Mundial na semana passada para ajudar a pagaras importações essenciais . Na quinta-feira, deu calote em sua dívida pela primeira vez.

A inflação de dois dígitos que deixou muitos paquistaneses incapazes de comprar alimentos básicos também foi um dos principais fatores que contribuíram para a queda do poder no início deste ano do primeiro-ministro Imran Khan. Sua tentativa de se apegar ao cargo criou uma crise de democracia com a qual o Paquistão ainda está lutando.

Fatores de longo prazo – governança repressiva, corrupção, incompetência, polarização – alimentaram a agitação em ambos os países. Mas a terrível escassez de alimentos e a inflação foram os catalisadores que tornaram intolerável o censurável. Essa é uma perspectiva que agora enfrenta regimes inseguros e impopulares do Peru , Filipinas e Cuba ao Líbano e Tunísia.

Um retrato vandalizado do ex-primeiro-ministro do Sri Lanka, Mahinda Rajapaksa

Um retrato vandalizado do ex-primeiro-ministro do Sri Lanka, Mahinda Rajapaksa. A escalada dos preços dos alimentos e os apagões de eletricidade estão causando agitação política no país. Fotografia: Eranga Jayawardena/AP

Analistas comparam o que está acontecendo hoje no Oriente Médio com as revoltas da primavera árabe. O Egito, cujo governo foi derrubado em 2011, é o maior importador de trigo do mundo. Cerca de 70 milhões de pessoas dependem de pão subsidiado pelo Estado . Rússia e Ucrânia responderam por 80% das importações de grãos do Egito no ano passado.

Os altos preços de hoje e a escassez de oferta, especialmente se piorarem, podem fazer pelo regime de Abdel Fatah al-Sisi o que queixas semelhantes fizeram por seu antecessor presidencial deposto, Hosni Mubarak.

Outro país a ser observado de perto é o Irã. Protestos violentos eclodiram na semana passada no Khuzistão depois que o governo aumentou o preço do pão, óleo de cozinha e laticínios. A situação dos iranianoé agravada pelas duras sanções dos EUA e um regime clerical tirânico e corrupto. Se os padrões de vida continuarem a cair, pode haver uma explosão semelhante à frustrada revolta nacional de 2017-18.

Fome e fome

Em muitas partes do mundo, especialmente na África , a insegurança alimentar é tudo menos um fenômeno novo. A fome é a norma e o risco de fome está sempre presente, muitas vezes exacerbado por conflitos e mudanças climáticas. Dito isso, a situação, em termos gerais, está se deteriorando.

O número total de pessoas que enfrentam insegurança alimentar aguda e que precisam de assistência alimentar urgente quase dobrou desde 2016, de acordo com a Rede Global Contra Crises Alimentares, um projeto conjunto da ONU e da UE. E a escala do desafio está se expandindo, chegando a 40 milhões de pessoas, ou 20%, no ano passado. O último relatório da rede identificou países de particular preocupação: Etiópia, Sudão do Sul, sul de Madagascar e Iêmen, onde disse que 570.000 pessoas – um aumento de 571% em seis anos atrás – estavam na fase mais grave ou “catástrofe” de insegurança alimentar, ameaçada por o colapso dos meios de subsistência, a fome e a morte.

Guterres, o chefe da ONU, alertou que a guerra de Vladimir Putin está afetando seriamente os esforços para combater a fome na África. Era imperativo, disse ele, “trazer de volta a produção agrícola da Ucrânia e a produção de alimentos e fertilizantes da Rússia e da Bielorrússia para os mercados mundiais”. Como a mídia estatal russa costuma observar, as sanções ocidentais aumentaram a volatilidade global dos preços.

A ONU está pedindo que os portos bloqueados do Mar Negro e do Mar de Azov da Ucrânia sejam reabertos para que as exportações de grãos possam ser retomadas, principalmente para os países africanos. Especialmente afetada é a região do Sahel, atingida pela seca. “Uma crise absoluta está se desenrolando diante de nossos olhos”, disse o diretor do Programa Mundial de Alimentos, David Beasley, após visitas a Benin, Níger e Chade. “Estamos ficando sem dinheiro, e essas pessoas estão ficando sem esperança .”

Isso ocorre em parte porque a ajuda agora custa mais. A ONU e as agências internacionais são obrigadas a pagar preços inflacionados, cerca de 30% acima das normas pré-COVID-19, para garantir ajuda alimentar vital. E é em parte porque a comida é mais cara em relação à renda. Uma família média do Reino Unido gasta 10% de sua renda em comida. No Quênia ou Paquistão, é superior a 40%. 

Soldados malianos dirigem pelas ruas de Bamako, Mali, em 19 de agosto de 2020, um dia depois que tropas rebeldes capturaram o presidente malinês Ibrahim Boubacar Keita e o primeiro-ministro Boubou Cisse em uma dramática escalada de uma crise de meses.

Soldados malianos dirigem pelas ruas de Bamako, Mali, em 19 de agosto de 2020, um dia depois que tropas rebeldes capturaram o presidente maliano Ibrahim Boubacar Keita e o primeiro-ministro Boubou Cisse. Fotografia: Annie Risemberg/AFP/Getty Images

Conflito e instabilidade

O conflito é o maior impulsionador da fome, sejam as depredações de jihadistas islâmicos no Mali, Nigéria e sul das Filipinas, as crassas rivalidades das potências regionais no Iêmen e na Líbia, ou uma guerra imperdoável em grande escala, como na Ucrânia.

A ONU estima que 60% dos famintos do mundo vivem em zonas de conflito. A Ucrânia mostrou novamente como a guerra, ao causar escassez de itens essenciais e tornar a vida normal insuportável, leva ao deslocamento interno, à dependência de ajuda, emergências de refugiados e migração em massa.

A guerra civil na Síria é um exemplo de advertência – embora existam muitos outros. Um país relativamente próspero foi reduzido por mais de uma década de conflito a algo próximo de um caso perdido. Cerca de 12,4 milhões de pessoas – 60% da população – sofrem de insegurança alimentar, número que mais que dobrou desde 2019.

A desastrosaguerra de escolha da Etiópia em Tigray, que foi invadida por tropas do governo em 2019, é outro caso de fome após loucura. A ONU estimou em janeiro que 2 milhões de pessoas sofriam de extrema falta de alimentos e dependiam de ajuda em uma província que antes era em grande parte autossuficiente.

Em contraste, o Sudão do Sul nunca foi totalmente capaz de se alimentar desde a independência em 2011. As rivalidades de origem étnica muitas vezes se combinam com a competição por terra e recursos alimentares com efeitos catastróficos.O farfalhar do gado é uma das principais fontes de violência, enquanto a seca é outro grande fator.

Mesmo quando um país em dificuldades está no centro das atenções internacionais – raramente é o caso do Sudão do Sul – e a guerra supostamente acabou, suas fortunas não necessariamente melhoram. A situação de muitos afegãos parece ter ido de mal a pior depois que a ocupação de 20 anos pelas forças dos EUA e da Otan terminou no ano passado e o Talibã assumiu o poder.

Os bilhões de dólares de ajuda investidos no país desde 2001 agora não contam para nada. A Save the Children disse este mês que 9,6 milhões de crianças afegãs estão passando fome devido ao aprofundamento dos problemas econômicos, à Ucrânia e à seca em curso. É a pior crise de fome já registrada no país, disse a instituição de caridade.

Crise climática e fome

Não é mais controverso afirmar que colheitas destruídas, meios de subsistência perdidos e comunidades empobrecidas – microingredientes-chave de emergências de fome em massa – estão intimamente ligados e afetados por mudanças climáticas e eventos climáticos extremos. Mas ainda é difícil encontrar uma ação internacional concertada e efetiva ou pressão pública para mudar a dinâmica.

Os países do Chifre da África, como a Somália, por exemplo, estão passando pela pior seca em 40 anos em meio a altas temperaturas sem precedentes. Como arevista Foreign Policyrelatou recentemente, quando as chuvas chegaram, elas foram extremas e de curta duração, causando inundações e criando enxames de gafanhotos.

Um agricultor indiano carrega trigo nos arredores de Jammu, Índia

Mas quando a instituição de caridade Christian Aid encomendou uma pesquisana região do Chifre da África para descobrir o que o público britânico achava que deveria ser feito, apenas 23% dos entrevistados sabiam que havia um problema. Em contraste, 91% estavam cientes da guerra de Putin.

A Índia demonstrou recentemente a falta de um pensamento internacional conjunto sobre clima, fome e guerra. Uma onda de calor recorde no noroeste da Índia prejudicou as colheitas deste ano. Isso levou o governo a suspender as exportações de trigo este mês. Os mercados globais dependiam da Índia, o segundo maior produtor mundial, para compensar o déficit na Ucrânia. Em vez de ajudar, o governo de Narendra Modi fez o contrário.

As ligações críticas entre as crises gêmeas do clima e da fome são amplamente reconhecidas por governos e analistas, mas agir para efetuar mudanças reais está se mostrando mais difícil, como sugerem os resultados nada estelares da cúpula da Cop26 do ano passado em Glasgow.

Enquanto isso, o Banco Mundial está investindo dinheiro no problema– na última contagem, US$ 30 bilhões para ajudar países de baixa renda envolvidos em crises climáticas e alimentares.

Comida e política

Quando a história da guerra na Ucrânia for escrita, a ação imprudente da Rússia em armar alimentos e interromper deliberadamente o abastecimento global, arriscando assim a vida de incontáveis ​​milhões, pode ser considerada um crime maior do que até mesmo seu ataque não provocado ao seu vizinho.

O papel da Rússia como exportador chave de grãos e energia provavelmente sobreviverá ao atual regime em Moscou. Mas sua posição e influência globais são diminuídas, provavelmente permanentemente.

Isso se deve em grande parte ao fracasso pessoal de Putin em reconhecer, ou aceitar, que a era do excepcionalismo soviético acabou – e que a Rússia, como outros países, habita um mundo de regras, direitos e leis recentemente interconectados, interdependentes e mutuamente responsáveis.

votação da Assembleia Geral da ONUem março, condenando esmagadoramente como ilegal a invasão da Ucrânia pela Rússia, reuniu muitos países em desenvolvimento antes amigos de Moscou chocados com o desrespeito de Putin pela soberania e fronteiras nacionais – e sua aparente indiferença ao bem-estar das nações mais pobres dependentes de alimentos e importação de combustível. Foi um momento divisor de águas.

A recusa da China em condenar a invasão e seu fracasso em mostrar liderança internacional no enfrentamento da resultante crise global de fome e abastecimento também pode prejudicar significativamente sua reputação e, com isso, suas esperanças de hegemonia. O contraste apresentado pelos EUA é impressionante.

Falando à ONU na semana passada, Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, disse que o mundo enfrenta “a maior crise global de segurança alimentar do nosso tempo”.Blinken anunciou mais US$ 215 milhões em assistência alimentar de emergência global, além dos US$ 2,3 bilhões já doados pelos EUA desde o início da invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro.

Se o iminente “apocalipse” global revelado ao parlamento por Andrew Bailey realmente se materializar neste inverno, será para os EUA, o Reino Unido, seus aliados e o sistema da ONU muito maltratado, não a China, a autodesignada superpotência do século XXI. que o mundo deve procurar a salvação terrena. O desafio à frente é verdadeiramente bíblico.


compass black

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

O conflito na Ucrânia já tem ganhadores: os especuladores financeiros

trigoColheita de trigo na Índia

Por JungeWelt

Em vista do aumento dos preços nos mercados agrícolas como resultado da guerra na Ucrânia, a organização de proteção ao consumidor Foodwatch está pedindo barreiras mais fortes às apostas financeiras que impulsionam os preços. Em vista da iminente crise de fome em alguns países, “apostar” nos preços das commodities agrícolas é insuportável, disse o diretor de estratégia do Foodwatch, Matthias Wolfschmidt. “É necessária transparência sobre quem tem quais reservas de grãos – esta é a única maneira de combater o medo da escassez.” Ele exige que a UE estabeleça limites efetivos de especulação e acabe com as apostas no aumento dos preços.

Os preços subiram porque empresas e governos temiam que não pudessem mais comprar trigo, óleo de girassol ou outros alimentos básicos, disse Wolfschmidt. Os especuladores financeiros alimentaram isso ainda mais apostando no aumento dos preços nas bolsas de commodities. O setor financeiro já é um vencedor do ataque russo, criticou o Foodwatch. Os reguladores da UE e dos EUA continuaram a carecer de ferramentas eficazes para limitar a especulação. (dpa/jW)


compass black

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “JungeWelt” [Aqui! ].

Por trás da conexão Azov-Brasil: como os neonazistas estão pressionando para “ucrainizar” o Brasil

Um pequeno número de bolsonaristas brasileiros se tornou celebridade nas redes sociais ao cruzar a fronteira da Ucrânia para lutar contra a Rússia, mas, como relata Brian Mier, grupos neonazistas ucranianos têm influência no Brasil há anos

mpn news cover

Por Brian Mier para a MPN News

Nas últimas duas semanas, um pequeno grupo de bolsonaristas brasileiros se tornou celebridade nas redes sociais ao cruzar a fronteira com a Ucrânia para lutar contra a Rússia – posando com fuzis no Instagram, recitando orações às forças especiais e compartilhando monólogos em vídeo elogiando a irmandade de pessoas de todo o mundo que se reuniram em uma base de treinamento perto da cidade ucraniana de Lviv para matar “comunistas” russos. A inexperiência do grupo foi demonstrada pelo fato de que a maioria de suas postagens nas mídias sociais incluíam informações de geolocalização.

Tudo isso mudou após um ataque com mísseis na base de treinamento perto de Lviv em 13 de março, após o qual uma série de fotos e vídeos mais humildes começaram a surgir em seus feeds do Twitter e Instagram.

Do outro lado da fronteira polonesa, Jefferson Kleidian postou uma selfie brandindo um dedo mindinho ferido e agradecendo a Deus por mais um dia na Terra.

Jefferson Kleidian Ucrânia

O ex-combatente Jefferson Kleidian agradece a Deus por mais um dia na Terra de um lugar seguro na Polônia

Andre Hack postou que havia perdido amigos na base. O instrutor de tiro ao alvo de 28 anos e fanático por Bolsonaro Tiago Rossi twittou um vídeo dizendo que ele havia fugido da base imediatamente antes do ataque com mísseis. “Nossa legião inteira foi destruída, a informação que tenho é que todos morreram. Você não entende como é ter um jato de combate disparando um míssil contra você. Não pensei que fosse uma guerra de verdade”, disse ele.

O que esses brasileiros estavam fazendo na Ucrânia em primeiro lugar? Para responder a essa pergunta, é preciso olhar para o ressurgimento da ideologia nazista no Brasil e o aprofundamento da relação entre os grupos neonazistas brasileiros, que cresceram impressionantes 270% desde que Jair Bolsonaro assumiu o cargo em 2019, e o neo-nazista ucraniano. -Organizações nazistas como Azov.

Durante a década de 1930, o Brasil foi sede do maior partido nazista alemão fora da Europa e teve um movimento fascista endógeno muito maior, chamado de integralistas , que tentou decretar um golpe em 1938. O golpe foi esmagado, mas a ideologia sobreviveu em um país que já sofria de severo racismo estrutural como o último lugar nas Américas para erradicar a escravidão negra.

O atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro – que chegou ao poder apenas após uma operação conjunta do DOJ dos EUA e do Ministério Público do Brasil prendeu o principal candidato presidencial de 2018 por falsas acusações – começou sua carreira como capitão do exército durante uma ditadura militar subfascista , que empregou Táticas da Gestapo como esquadrões da morte e tortura contra líderes sindicais, intelectuais e comunistas.

Como deputado em 2004, Bolsonaro escreveu uma série de cartas para sites neonazistas , dizendo coisas como “vocês são a razão de eu estar na política”. Apoiado em uma plataforma de discurso de ódio anticomunista, sua presidência desencadeou uma enxurrada de apoio público ao fascismo, que estava latente desde o fim da ditadura. De acordo com a lei brasileira, organizações nazistas são ilegais, mas segundo a professora de antropologia e pesquisadora nazista Adriana Dias, existem atualmente 530 células neonazistas operando no BrasilDesde 2012, essas organizações tiveram interações crescentes com organizações nazistas ucranianas, o que resultou em nazistas brasileiros ganhando experiência de combate com Azov em Donbass e uma campanha para “Ucrânia Brasil” liderada por uma facção extremista de direita de apoiadores de Bolsonaro.

O papel de uma FEMENazi

Sara Fernanda Giromini era uma adolescente envolvida em gangues de skinheads nazistas em São Paulo quando abriu uma conta VK e fez amizade com neonazistas russos e ucranianos e conheceu o  FEMEN depois de ler sobre isso no Facebook. VK é uma popular plataforma de mídia social administrada pela Rússia.

Giromini visitou a Ucrânia pela primeira vez em 2011, onde conheceu e treinou com líderes do FEMEN e outros atores da extrema-direita ucraniana. Após retornar ao Brasil em 2012, passou a se chamar Sarah Winter em homenagem ao fascista inglês da década de 1920.

Depois de uma série de protestos de topless que transformaram Giromini em uma celebridade, o FEMEN Brasil implodiu em menos de um ano. Bruna Themis, número dois da organização, pediu demissão e deu uma série de entrevistas de denúncia , dizendo que os ucranianos exigiam que expulsem qualquer brasileira que não atendesse a sua aparência física sexista e padrões de peso; que o verdadeiro líder do grupo era um político menor de extrema-direita chamado Andrey Cuia, que frequentemente viajava de ida e volta para a Ucrânia; e que Cuia e Giromini estavam roubando doadores e guardando o dinheiro para si.

Sara Giromoni

Depois de posar com armas enquanto ameaçava de violência contra ministros da Suprema Corte, Giromoni foi colocado em prisão domiciliar

Pouco depois, o FEMEN Ucrânia anunciou que o FEMEN Brasil não tinha nada a ver com eles, apesar de Giromini ter sido presa durante um protesto do FEMEN em Kiev em 2012. Giromini agora diz que durante seu tempo no FEMEN, eles pagaram US$ 2.000 por protesto .

De acordo com a professora Dias, após o fechamento do FEMEN, Giromini, que continua amiga de vários líderes do Azov e do Batalhão Phoenix em sua conta VK até hoje, começou a convidar neonazistas ucranianos para o Brasil.

Em 2016, a polícia civil do estado do Rio Grande do Sul, que abriga várias ondas de imigração alemã e italiana e uma longa tradição fascista própria, realizou uma investigação contra grupos neonazistas que planejavam ataques violentos contra afro-americanos. Brasileiros, judeus e LGBT+ e descobriu que a milícia neonazista ucraniana Divisão Misantrópica estava recrutando nazistas brasileiros em sete cidades do estado para servir como combatentes voluntários com Azov na região de Donbas. A investigação, batizada de “Operação Azov ”, recebeu ampla cobertura da imprensa brasileira e  israelense na época.

Depois que o principal candidato Luiz Inácio Lula da Silva foi preso arbitrariamente durante a campanha eleitoral de 2018, Bolsonaro foi levado ao cargo em uma onda de propaganda anticomunista influenciada pelos nazistas que o levou a rotular qualquer pessoa ou organização que o criticasse como comunista. A certa altura, ele até chamou a revista conservadora mais antiga do mundo, The Economist , de “ A Comunista ”.

Giromini, a essa altura um membro ativo do movimento antiaborto, fez campanha pesada por Bolsonaro. Depois que ele assumiu o cargo em 2019, ela iniciou uma chamada pública para “Ucranizar o Brasil”. Muitas das figuras públicas mais reacionárias associadas a Bolsonaro, como o deputado abertamente fascista do Rio de Janeiro Daniel Silveira , aderiram à campanha. O professor Dias diz: “A tática de Azov sempre foi trazer um grupo de 300 pessoas para uma cidade e, por meio de atividades de treinamento com os moradores, iniciar um movimento extremista de direita”. Giromini mudou-se para Brasília e iniciou uma organização chamada “grupo dos 300” para ajudar a construir apoio à ucranização do Brasil.

Em 2020, depois que o Supremo Tribunal Federal bloqueou uma das tentativas de Bolsonaro de contornar a Constituição, o grupo de 300 de Giromini acampou na esplanada nacional, realizou uma série de protestos com tochas em frente ao prédio do tribunal e disparou fogos de artifício nele. Posando para selfies com armas, ela citou violência contra ministros da Suprema Corte; em 15 de julho de 2020, o Supremo Tribunal ordenou sua prisão . Depois de duas semanas na prisão, ela recebeu uma tornozeleira, foi transferida para prisão domiciliar e ordenada a ficar longe das redes sociais. Ela está lá desde então.

Sara Giromini

Sara Giromini AKA Winter, liderando um protesto em frente ao Supremo Tribunal

Enquanto isso, bandeiras ucranianas e símbolos da extrema direita ucraniana se tornaram cada vez mais populares nos comícios pró-Bolsonaro. Em 2020, um ex-soldado e consultor de segurança chamado Alex Silva, que vive em Kiev desde 2014 e diz ser membro de uma “força policial voluntária auxiliar” lá, desencadeou uma polêmica na mídia que levou a um aviso oficial do ucraniano. Embaixada quando içou uma bandeira vermelha e preta do Pravyi Sektor em um caminhão de som em um comício de Bolsonaro e foi fotografado andando pela multidão usando-a como uma capa. Silva, agora de volta a Kiev, tornou-se outra celebridade da internet para a extrema-direita brasileira, postando vídeos de suas patrulhas voluntárias armadas de Kiev ainda esta semana .

Ucranizando o Brasil

Leonel Radde é um vereador de Porto Alegre que passa muito tempo investigando grupos neonazistas no Rio Grande do Sul. Questionado sobre as conexões entre grupos neonazistas brasileiros e ucranianos, ele disse:

Vemos claramente que a maioria dos grupos nazistas aqui usa elementos de design ucranianos. Estão usando os mesmos símbolos – principalmente o sol negro – e todos usam esse discurso de ucranizar o Brasil. Eles também conversam entre si sobre a adaptação das táticas ucranianas para montar acampamentos e ocupar praças públicas e coisas assim. Eles estão definitivamente tentando copiar o que aconteceu na Ucrânia em 2014. Estamos tentando descobrir o quanto eles estão apenas copiando coisas que veem na internet ou se estão sendo financiados pela Ucrânia, embora Sarah Winter tenha passado um tempo perto de Porto Alegre fazendo organizando o trabalho e ela começou tudo isso.”

O influenciador de extrema-direita Alex Silva, ex-soldado e “policial auxiliar voluntário” em Kiev, envolto em uma bandeira Pravyi Sektor em um protesto de 2020 em São Paulo

Enquanto isso, influenciadores de mídia social de extrema direita como Alex Silva ainda estão enviando relatórios da Ucrânia. Na semana passada, a Embaixada da Ucrânia em Brasília disse ter recebido 100 pedidos de brasileiros pedindo para se voluntariar para o exército ucraniano, e o UOL informa que análise de grupos bolsonaristas nas redes sociais mostra que outros 500 estão planejando ir.

Se o ataque com mísseis perto de Lviv e os relatos vindos de ex-combatentes brasileiros assustados que escaparam para a Polônia mudarão isso ainda não foi visto. Independentemente disso, está claro que a doutrinação política dos nazistas ucranianos tomou conta da crescente extrema-direita do Brasil e será um fator na temporada de eleições presidenciais deste ano.

Foto de destaque | MintPress Notícias | Imprensa associada

Brian Mier (@BrianMteleSUR) é correspondente no Brasil do telejornal da TeleSur em inglês From the South, coeditor do Brasil Wire e co-apresentador do programa de WebTV em português Globalistas no Brasil 247. Ele mora no Brasil há 26 anos. 

color compass

Este texto foi originalmente escrito em inglês e publicado pelo MPN News [Aqui!].

Volodymyr Zelensky, o presidente da Ucrânia que ama uma “tela verde”

Uma das ferramentas mais utilizadas para a produção de cenas que seriam impossíveis ou perigosas no mundo real é a chamada “tela verde”. Com o desenvolvimento da “tela verde” houve grandes avanços na produção de filmes e vídeos, mas o conflito armado em curso na Ucrânia parece ter dado um novo uso para esse efeito, pois tudo indica que está sendo abundantemente utilizado pelo presidente ucraniano Volodymyr Zelensky para exibir encontros com dirigentes da União Europeia e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) (ver imagens abaixo).

Ainda que Zelensky tenha toda a razão para ocultar a sua real localização, bem como de seus convidados estrangeiros que se aventuram ir (supostamente) a um país envolvido em um conflito armado sangrento, a pergunta que se coloca é a seguinte: afinal onde está o presidente da Ucrânia e quem realmente mantém a sua segurança pessoal?

E por que isso importa: é que com a tela verde envolvida de forma tão explícita, muita coisa que é vendida como verdade pela mídia ocidental pode não passar de mera ficção.

Finalmente, alguém pode ser perguntar como eu cheguei à conclusão de que Zelensky ama a tela verde, e eu respondo: bandeiras e luz de fundo.

 

Preços mundiais de alimentos sobem em ritmo recorde em meio ao conflito Rússia-Ucrânia

bélgicaUma cliente escolhe óleo de cozinha no supermercado Colruyt em Bruxelas, Bélgica, 29 de março de 2022. Devido ao aumento dos altos preços da energia, os mercados da Bélgica testemunharam o aumento dos preços da gasolina, diesel, óleo de cozinha, farinha, etc. [Foto/Xinhua]

ROMA – Os preços mundiais das commodities alimentares deram um salto significativo em março para atingir seus níveis mais altos, à medida que o conflito entre a Rússia e a Ucrânia continua aumentando os custos de energia e causando desacelerações na cadeia de suprimentos.

O índice mensal de preços dos alimentos, divulgado sexta-feira pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), subiu 12,6%, atingindo 159,3 pontos em março, em comparação com uma linha de base de 100 pontos para a média de 2014-2016 (ajustada pela inflação).

Este é de longe o maior total da história do índice, que foi lançado em sua forma atual em 1990.

Todas as cinco subcategorias do índice subiram, com os preços de grãos e cereais – o maior componente do índice – subindo impressionantes 17,1%.

A FAO disse que o principal fator por trás desse aumento é que a Rússia e a Ucrânia são grandes produtores de trigo e grãos grossos, e os preços deles dispararam devido ao conflito.

Preocupações com as condições das colheitas nos Estados Unidos também foram um fator, disse a FAO. Os preços do arroz, por sua vez, ficaram praticamente inalterados em relação a fevereiro.

Enquanto isso, os preços dos óleos vegetais subiram 23,2% devido ao aumento dos custos de transporte e à redução das exportações, novamente devido ao conflito Rússia-Ucrânia.

Os outros subíndices foram todos mais altos, mas subiram menos dramaticamente. Os preços dos lácteos foram 2,6% mais altos, os preços da carne subiram 4,8% e os preços do açúcar 6,7%. O conflito e questões relacionadas também foram fatores por trás desses aumentos de preços, disse a FAO.

O Índice de Preços de Alimentos da FAO é baseado nos preços mundiais de 23 categorias de produtos alimentícios, abrangendo os preços de 73 produtos diferentes em comparação com um ano de referência.


color compass

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado pelo jornal “China Daily” [Aqui!].