E se Putin cortar o gás? Um cenário de pesadelo está se formando na Europa

Os líderes da União Européia estão se preparando para uma crise de abastecimento de gás que pode congelar setores inteiros das economias dos países do bloco. Há uma preocupação crescente de que o Nord Stream, o principal gasoduto que transporta gás russo para a Europa, seja fechado de forma permanente porque Moscou simplesmente não o reiniciará após o período anual de manutenção do sistema.

gas russo

Por América Hernandez & Victor Jack para a Onet

O cenário em que países europeus ricos teriam que racionar seu consumo de energia – e optar por excluir grandes indústrias – tornou-se mais realista na segunda-feira, quando o fluxo de gás natural que flui para a Europa através do gasoduto Nord Stream despencou para zero.

Faz parte de uma queda de energia planejada de 10 dias, mas analistas e autoridades estão preocupados que a Gazprom da Rússia, que já cortou ou limitou o fornecimento de gás a 12 países da União Europeia (UE), possa decidir não reativar o Nord Stream assim que a manutenção terminar.

Tal movimento empurraria uma economia como a alemã para a crise, e  as autoridades em Berlim alertam que indústrias de uso intensivo de energia podem ser forçadas a cortar o consumo, o que o vice-chanceler alemão Robert Habeck chamou no domingo passado de “um cenário político de pesadelo”.

Todos os olhos no Nord Stream

– O que acontece após a manutenção? A que voltaremos mais tarde? Todos estarão assistindo, disse Ed Cox, chefe de GNL da ICIS, uma empresa de análise que lida com matérias-primas.

Alguns analistas dizem que é improvável que a Rússia reabra o oleoduto e encontrará desculpas para fechá-lo por mais tempo do que o anunciado desligamento de manutenção de 10 dias.

De acordo com Alexander Gabuev do Carnegie Endowment for International Peace em Washington, este cenário é “bastante provável”. Ele argumenta que cortar completamente o fornecimento de gás para a Europa é uma ferramenta básica no arsenal do presidente russo, Vladimir Putin. Na sua opinião, esta ferramenta é necessária para disputar a Europa pela Ucrânia. Especialmente antes do período de inverno, quando os efeitos da falta de gás começarão a ser mais sentidos.

“O gás é a carta óbvia no baralho do Kremlin”, diz Gabuev.

O ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, expressou essas preocupações no domingo, dizendo que um corte completo do gás russo para a Europa era “o cenário mais provável” e que os países devem “estar prontos para lutar”.

Em 20 de julho, funcionários da UE em Bruxelas divulgarão um plano de preparação para o inverno na tentativa de fornecer aos países gás suficiente para sobreviver ao inverno. Mas os detalhes do plano não são claros por enquanto.

– A situação é sem dúvida grave e devemos estar devidamente preparados para qualquer eventualidade – disse o porta-voz da Comissão Europeia nesta segunda-feira.

Outras opções consideradas incluem resgatar as empresas de energia, assumir o controle do governo sobre as usinas de energia e racionar o gás para a indústria.

Lambidas de gás

Os ânimos em Paris e Berlim estão longe do otimismo de Bruxelas que prevaleceu apenas três meses atrás, quando autoridades da UE anunciaram uma retirada coordenada do gás russo e a intenção de reduzir radicalmente a dependência da Rússia ainda este ano.

“Não é fácil, mas é viável”, disse o vice-presidente da Comissão Europeia Frans Timmermans na época.

Mas a UE já desperdiçou essa meta ambiciosa – até 16 de junho havia importado mais gás russo do que havia orçado para este ano. Mesmo considerando que Moscou cortou o fornecimento para alguns países da UE e desacelerou o fornecimento para outros.

Até agora, com o Nord Stream passando por sua inspeção anual, o setor de gás europeu está prendendo a respiração.

O pânico eclodiu brevemente na segunda-feira, quando a empresa italiana de energia Eni disse que seus suprimentos da Gazprom caíram de 32 milhões de metros cúbicos por dia para 21 milhões. Os suprimentos reduzidos, no entanto, estavam relacionados ao desligamento do Nord Stream e não, como alguns temiam, ao corte adicional de fluxos russos através de outros oleodutos através da Ucrânia ou da filial de Turkstream que passa pela Bulgária.

Em anos anteriores, a Rússia compensou o fornecimento reduzido durante a manutenção do Nord Stream redirecionando mais gás por outras rotas. Ela não fez isso este ano – pelo menos até agora.

Mas com a invasão da Ucrânia, a Rússia já está usando o fornecimento de energia como moeda de troca para tentar quebrar a unidade ocidental e suspender as sanções contra Moscou.

Na sexta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, sugeriu a possibilidade de “aumentar” o fornecimento de gás através do Nord Stream a partir de 21 de julho, mas somente se o Canadá permitir a restauração de uma turbina a gás, crítica para a operação do Nord Stream, que está atualmente em reparo em Montreal. Em um e-mail para POLITICO, o Ministério de Recursos Naturais do Canadá confirmou que o Canadá disponibilizará um total de seis turbinas para Nord Stream como parte de uma exceção de sanção única.

Berlim e Washington ficaram felizes com esta solução. Mas Kyiv guarda rancor contra Ottawa porque fez lobby nos bastidores para não devolver as turbinas.

– A decisão de isentar as sanções será percebida em Moscou apenas como um sinal de fraqueza – disse o presidente Volodymyr Zelensky na segunda-feira. – Não há dúvida de que a Rússia tentará não apenas limitar o máximo possível, mas também fechar completamente o fornecimento de gás para a Europa no momento mais conveniente. Devemos agora nos preparar para provocações semelhantes, disse ele.

Banhos mais curtos, aquecimento apertado

A menos que Moscou reinicie o Nord Stream, as opções da Europa para um fornecimento alternativo de gás são limitadas.

No início deste ano, o volume de gás natural liquefeito offshore que chega à UE – principalmente dos EUA – atingiu níveis recordes. No entanto, a explosão de junho e o tempo de inatividade em uma importante instalação de exportação do Texas frustraram a intenção da UE de depender apenas dos americanos pelo menos até o final deste ano.

Os países do Golfo Pérsico se ofereceram para aumentar a produção, mas essas propostas estão sujeitas a condições políticas, como foi o caso do pedido de Omã de isenção de visto da UE para seus cidadãos.

“Estamos em uma situação em que há limitações no tamanho de outras fontes de gás que podem ser entregues à Europa e há limitações nas capacidades do GNL”, disse Tom Marzec-Manser, chefe de análise de gás da ICIS.

– Estamos claramente no topo desses limites.

A quantidade de gás transportada por gasodutos de vizinhos regionais como Azerbaijão e Noruega aumentou, e neste mês Oslo aprovou um aumento na produção para apoiar as exportações. No entanto, o governo norueguês alertou que “as empresas norueguesas estão produzindo hoje em seu nível máximo ou muito próximo”.

A Holanda anunciou que conseguiu reduzir seu consumo de energia em um terço este ano, potencialmente permitindo que parte do gás adicional seja desviado para seus vizinhos. No entanto, o ministro holandês do clima, Rob Jetten, alertou que o aumento da energia no campo de Groningen, o maior da Europa, seria o “último recurso”.

Fatih Birol, diretor da Agência Internacional de Energia, descreveu a situação em termos contundentes no início deste ano: “Ou os governos ou as concessionárias terão que racionalizar, ou cortar a energia dos consumidores, ou nós o faremos”.

E se eles desligarem?

De acordo com uma análise do think tank Bruegel, os países da UE terão que reduzir a demanda em 15% nos próximos 10 meses. se a Rússia fechar todos os fornecimentos de gás. Nos estados bálticos e na Finlândia, os governos podem ser forçados a reduzir em até 54%.

À medida que o sentimento piora, chefes de estado e CEOs de empresas estão pedindo publicamente o racionamento, o que seria impensável apenas alguns meses atrás. Por exemplo, na França, os CEOs das três maiores empresas de energia do país, em um discurso conjunto, pediram que as pessoas economizassem energia.

Por sua vez, os políticos holandeses pedem aos cidadãos que tomem banhos mais curtos e limitem o aquecimento.

Em contraste, as autoridades locais na Alemanha estão recorrendo a medidas como a diminuição das luzes da rua e a redução da temperatura em piscinas abertas depois que o país desencadeou o segundo estágio de risco de crise no mês passado.

Enquanto os legisladores da UE estão entusiasmados com o progresso no novo regulamento obrigatório de fornecimento de gás que encheria até 80% das instalações de armazenamento. até novembro, os negociadores ainda discutiam ferozmente sobre quem pagaria pelo gás e quem teria acesso prioritário em uma crise.

Mas de acordo com dados em tempo real, o nível atual de enchimento dos locais de armazenagem é de 61,6%.

E quando os armazéns estão cheios, eles podem conter cerca de um quinto do consumo anual, mas as instalações não são projetadas para serem esgotadas a zero, e estão distribuídas de forma desigual pelo continente, tornando o acesso igual em caso de emergência de forma alguma claro.

A preocupação nº 1

Até agora, pelo menos 10 países da UE ativaram a primeira fase de “alerta precoce” como parte de seus planos de contingência, que Bruxelas se comprometeu a ter desde 2017.

Fortemente dependente do gás russo, a Alemanha é o único país que já lançou a segunda fase. Ativar o terceiro permitiria a Berlim intervir no mercado e se tornar o coordenador nacional de fornecimento de energia. Em seguida, poderia determinar quais setores seriam cortados primeiro.

Nesse cenário, os políticos provavelmente começariam cortando setores não essenciais, como a indústria automotiva. Outras indústrias, serviços públicos e, finalmente, aquecimento doméstico seriam os próximos, diz Simone Tagliapietra, analista de energia do think tank Bruegel.

A Alemanha e a República Checa comprometeram-se conjuntamente na segunda-feira a “unir forças para garantir a cooperação e coordenação operacional no caso de uma interrupção total do fornecimento de gás que possa ocorrer nas próximas semanas”.

Mas muitos temem o cenário “cada país em si”, em que os países mantêm o gás dentro de suas próprias fronteiras. É por isso que a Comissão Europeia está incentivando os países a criar “acordos de solidariedade” transfronteiriços voluntários para compartilhar gás quando necessário.

Até agora, existem apenas seis desses acordos, e “o problema é que isso pode não ser suficiente”, diz Tagliapietra. Por quê? “Porque esses acordos bilaterais não têm um mecanismo de fiscalização.”

Edição: Michael Broniatowski


compass black

Este texto foi escrito originalmente em polonês e publicado pela Onet [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s