“Cadeia Velha” expõe relações umbilicais entre Gustavo Tutuca e Jorge Picciani

convenção

 

A operação “Cadeia Velha” que faz balançar as estruturas de controle do PMDB dentro da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) trouxe revelações que não ganharam o mesmo tipo de exposição que as denúncias em torno do suposto pagamento de propinas à tróika formada pelos deputados Jorge Picciani,  Paulo Melo e Edson Albertassi.

Graças às apurações da Polícia Federal também pudemos verificar como se deu a operacionalização da natimorta Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que foi criada pelo deputado estadual e atual (des) secretário de Ciência e Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social, Gustavo Tutuca (PMDB).

É que em diálogo tornado público pelo Ministério Público Federal, o escopo da natimorta CPI das universidades estaduais foi acertado entre Jorge Picciani e Gustavo Tutuca para evitar que a mesma se voltasse contra o (des) governo Pezão que não vem cumprindo as determinações constitucionais relacionadas ao financiamento da Educação e impondo um severo torniquete financeiro que vem inviabilizando o funcionamento das universidades estaduais e escolas da rede Faetec.

Vejamos abaixo a íntegra do diálogo entre Jorge Picciani e Gustavo Tutuca sobre a CPI das universidades estaduais.

tutuca picciani

Vivêssemos numa sociedade onde os políticos tivessem um mínimo de pudor, o dublê de secretário e deputado estadual Gustavo Tutuca já teria pegado suas trouxas na secretaria que não comanda e voltado para o conforto do seu gabinete na Alerj. É que, convenhamos, depois da liberação desse diálogo ele perdeu o pouco de trânsito que possuía nas universidades, mesmo nas reitorias onde a capacidade de flexão na coluna vertebral é maior.

Mas não, como vivemos no Rio de Janeiro dominado pelo PMDB, Gustavo Tutuca vai continuar fazendo cara de paisagem na Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social (SECTIDS), enquanto as universidades estaduais e escolas da rede Faetec afundam no caos.

Pelo menos agora sabemos um pouco mais de como Gustavo Tutuca opera, razão pela qual ele é indispensável ao grupo que tomou de assalto o Palácio Guanabara e que segundo o Ministério Público Federal não parou por ali.

Notícias da Aduenf: Em debate na UENF, deputados indicam que a aprovação da PEC 47 demandará mobilização nas ruas

Em debate realizado na UENF, deputados apontam para necessidade de mobilizar nas ruas o apoio à PEC 47


Em um debate realizado no mini auditório do Centro de Ciências do Homem da UENF, e que contou com a presença dos deputados do PT/RJ, Waldeck Carneiro (estadual)  e Wadih Damous (federal), de representantes da ADUENF, SINTUPERJ/UENF e do DCE/UENF, e do reitor Luís Passoni, a maioria das falas girou em torno da necessidade de se garantir a aprovação da PEC 47 que poderá permitir que as universidades estaduais possam efetivamente utilizar os recursos aprovados pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Em suas falas os deputados Waldeck Carneiro e Wadih Damous fizeram questão de enfatizar a necessidade de que sejam realizadas mobilizações de rua para garantir a aprovação desta e outras questões fundamentais para sobrevivência do serviço público em todos os níveis de governo.

A fala dos dois deputados mostraram uma grave preocupação acerca do ataque em curso contra uma série de garantias constitucionais, a começar pelo financiamento da educação pública superior. Para o deputado estadual Waldeck Carneiro, a ausência de qualquer tipo de ação para garantir novas receitas para o tesouro fluminense irá exacerbar as graves dificuldades pelo qual o serviço público e a população já sentem neste momento.  Já o deputado federal Wadih Damous apontou para o fato de que no Rio de Janeiro se encontram as expressões mais avançadas das políticas ultraneoliberais que estão gestadas pelo governo do presidente Michel Temer.

Ambos os deputados enfatizaram a necessidade de que haja forte mobilização para impedir o processo de destruição do serviço público, em especial das universidades públicas, especialmente as do Rio de Janeiro.

A ADUENF aproveitou o evento para entregar um ofício ao deputado Wadih Damous solicitando a imediata retirada de pauta da PEC 366/2017 apresentada pelo deputado Andrés Sanchez do PT/SP que visa estabelecer a cobrança de mensalidades nas universidades públicas brasileiras.

FONTE: http://aduenf.blogspot.com.br/2017/11/em-debate-realizado-na-uenf-deputados.html

Notícias da Aduenf: Bispo da Diocese de Campos se compromete com a luta em defesa da UENF

Em uma reunião realizada em sua residência oficial, o Bispo da Diocese de Campos dos Goytacazes, Dom Roberto Francisco Ferrería Paz, se comprometeu a participar da luta em defesa da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf). Segundo Dom Roberto Ferrería, a importância social da Uenf deve transcender diferenças ideológicas e englobar todos os que desejam que a instituição continue cumprindo seu importante papel na região Norte Fluminense.

 

Uma das consequências concretas dessa reunião será o apoio de Dom Roberto Ferrería Paz à aprovação da PEC 47 que garante o repasse dos duodécimos às universidades estaduais.  Nesse sentido, o bispo diocesano de Campos solicitou que lhes sejam encaminhados documentos que possam ser utilizados no esforço de esclarecimento para que apoie o processo de mobilização que já está sendo realizado pela Uenf.

Na reunião com Dom Roberto Ferrería Paz estiveram presentes representantes da ADUENF (os professores Carlos Eduardo Rezende e Marcos Pedlowski), o reitor Luís Passoni, e a senhora Maria Valéria Pires que vem se mobilizando para organizar o apoio de pais e alunos da Uenf à luta em defesa da universidade.

FONTE: https://aduenf.blogspot.com.br/2017/11/bispo-da-diocese-de-campos-se.html

Pais e alunos iniciam movimento em defesa da UENF

Resultado de imagem para SOS UENF

MOVIMENTO EM DEFESA DA UENF:  APROVAÇÃO DA  PEC 47

Senhores Pais de Alunos , Alunos, Professores,  servidores e toda a sociedade Campista e  Região.

Diante da atual situação em que a UENF se encontra, mesmo depois de tanto empenho de todos que lá trabalham, nós como Pais não poderíamos deixar de manifestar o nosso apoio .

Somos parte interessada em que tudo se resolva o mais breve possível.

Em função dos transtornos, frustações, inquietação, causadas em nós Pais, filhos e em toda a comunidade que indiretamente também sofre com as paralisações, resolvemos nos unir à essa luta.

Todos nós sabemos o quanto a UENF impacta diretamente no município, por ser uma Universidade  que acolhe alunos de  cidades vizinhas e de  outros Estados.

E isso se dá por ser uma Universidade  a nível nacional de grande representatividade nos cursos que lá existem e considerada um ensino público de qualidade que é direito de todos.

Acreditamos que  esse documento ainda não foi assinado porque a Educação e a Pesquisa não são prioridade desse Governo.

Mas temos que ser fortes e lutar pela realização dos nossos planos e sonhos dos nossos filhos.

Não podemos ficar omissos….

Através desse abaixo assinado demonstramos a nossa força. É através da assinatura  que demonstramos aos governantes  o que realmente queremos e porque os elegemos.

Sabemos que a situação do País nos deixa  apáticos e sem ação, mas nós temos nesse momento o que eles mais precisam que é o nosso VOTO.

Essa PEC 47/2017 pode salvar a universidade, e agradecemos a quem idealizou esse projeto, porque no momento é o que nos impulsiona  e nos  motiva .

Estamos dando início a outras ações e temos certeza que estamos no caminho certo.

Em anexo esta  uma mobilização paralela que pressiona individualmente cada deputado e abre  um espaço para expressar sua reivindicação, liderada por alunos.

Pelo que estamos sabendo, o Estado do Rio de Janeiro está sendo o piloto desse processo de extinção do ensino público de qualidade,  e que posteriormente se estenderá  para todo País.

Não podemos deixar que  essse Governo frágil e corrupto tome decisões  tão importantes, provocando esse retrocesso .

Esse Governo não nos representa!

Pedimos a vocês alunos que encaminhem esse e-mail  a seus Pais e os comuniquem  que estamos aqui para representá-los.

 Contamos com apoio de todos vocês!!!

Vamos Votar!!!

 https://www.change.org/p/governo-do-estado-do-rio-de-janeiro-uenf-pela-pec-47

  Sign the Petition

www.change.org

Governo do estado do Rio de Janeiro: UENF PELA PEC 47

 

 INTEGRANTES DA COMISSÃO LIDERADAS POR PAIS DE ALUNOS EM DEFESA DA UENF

–  MARIA VALERIA PIRES – email: mvp123_@hotmail.com  

– MARIA RITA  COUTINHO CARVALHO – email: mariaritacarvalho@outlook.com

– MARTA PATRICIA ISAAC VIEIRA – email: marthinhaisaac@hotmail.com

–  GUSTAVO JOSE MENDES  – email : gustavojm123@hotmail.com

– SOLANGE APARECIDA  FLAUSINO –  email: solange.flausino10@gmail.com

– WILSON CÉSAR  ARAÚJO – Wilson_cesar_araujo@hotmail.com

– MARTA PATRICIA ISAAC VIEIRA – email: marthinhaisaac@hotmail.com

– BENEDITO FRANCISCO OLIVEIRA JR. –email : marthinhaisaac@hotmail.com  

– FABIO HIDEO SAKAI – email: fabiosakai@tecmag.com.br

– MARIA LUZIA FERNANDES SAKAI – fabiosakai@tecmaq.com.br

– SANDRA REGINA DE LIMA MACIEL – sandrasartori2008@hotmail.com

– ELISANGELA MELO FERANDES – thaismfernandes18@gmail.com

-LUIS CARLOS PEREIRA FERNANDES – thaismfernandes18@gmail.com

Notícias da Aduenf: roda de conversa discutirá questão do financiamento das universidades públicas

ADUENF convida para roda de conversa sobre financiamento das universidades públicas

A ADUENF realizará nesta 3a. feira (07/10) mais uma “roda de conversa” com o tema ” O financiamento das universidades públicas e a falácia do modelo americano”.

A atividade terá início com uma apresentação inicial sobre o tema do professor Marcos Pedlowski do Centro de Ciências de Homem, o que deverá ocorrer a partir das 10 horas.

A atividade é aberta a todos os interessados e faz parte do conjunto de atividades que estão sendo realizadas durante a greve dos professores da Universidade Estadual do Norte Fluminense que ainda não tiveram os seus salários de Agosto quitados pelo governo Pezão.

FONTE: https://aduenf.blogspot.com.br/2017/11/aduenf-convida-para-roda-de-conversa.html

Trocando em miúdos o engodo do Regime de Recuperação Fiscal

Resultado de imagem para pezão meirelles

O chamado “Regime de Recuperação Fiscal”  (RRF) foi alardeando como a salvação do Rio de Janeiro e de seus servidores.  Agora, passada a etapa da propaganda enganosa, está ficando cada vez mais claro que o RRF é  apenas mais um engodo que objetiva apenas aumentar o grau de precarização dos serviços públicos e da condição laboral e financeira dos servidores públicos estaduais.

Mas como muita gente ainda não conseguiu entender o conjunto da obra, posto abaixo um vídeo produzido pelo mandato do vereador Reimont  (PT) onde ele esmiuça todas as maldades contidas no conjunto de acordos que formam o que se convencionou chamar de RRF.

O vídeo feito logo após a assinatura do RRF é bastante pedagógico na explicação dos graves impactos que serão impostos sobre o Rio de Janeiro, a começar pela extinção das três universidades estaduais (Uenf, Uerj e Uezo), mas alcançando todos os servidores estaduais de forma extremamente perversa.

Mais do que assistir a este vídeo, o importante disseminá-lo de forma ampla, como sugiro o próprio vereador Reimont. É que não há como vencer a campanha midiática criada pelo (des) governo Pezão para impedir a clara compreensão do tamanho do prejuízo causado pela sua forma acovardada de tratar uma crise que ele mesmo ajudou a produzir.

As ameaças sobre a Uenf vão muito além dos que seus inimigos querem que vejamos

uenf

A Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) passa hoje por um sufoco inédito em sua história de 24 anos, fruto da política de asfixia financeira que vem sendo deliberadamente imposta pelo (des) governo Pezão. Os efeitos desse sufoco que já dura mais de 2 anos são os mais variados possíveis, mas permanecem invisíveis para a maioria das pessoas que não vivenciam o seu cotidiano. Aliás, arrisco a dizer que nem para um número significativo de pessoas que experimentam os efeitos da política de extermínio impetrada por Luiz Fernando Pezão, as condições críticas que estão afetando o funcionamento da Uenf ficam suficientemente claras.

Apenas à guisa de rápidos exemplos, posso mencionar o fato de que se alguém quiser se comunicar via telefone dentro do campus Leonel Brizola, essa pessoa terá que usar seu próprio aparelho. É que após um defeito catastrófico, a central telefônica parou de funcionar e depois de mais um mês, não há qualquer sinal de que será consertada.  Mas se não há telefone, há sempre a via da comunicação via internet, certo? Errado! É que também a rede interna está funcionando a passo de tartaruga (de pata quebrada, grifo meu) e usar a internet se tornou um exercício de completa paciência. Já está ruim o suficiente? Tentemos verificar como andam o processo de manutenção de aparelhos milionários que seguram pesquisas de ponta. Aí se verificará que a cada dia que passa, uma dessas máquinas é desligada porque foi atingida por algum defeito banal, mas que inviabiliza a sua operação e, por consequência, o andamento de alguma pesquisa importante. Não bastasse essas dificuldades operacionais, quase todos os dias se detectam roubos de equipamentos e atos de vandalismo que comprometem a infraestrutura. Nem as tampas de bueiro escapam disso, visto que os ladrões já verificaram que é só entrar e pegar o que quiserem, já que inexiste qualquer tipo de estrutura de segurança que possa proteger o patrimônio público da Uenf.

Em suma, se somarmos os três exemplos básicos acima, podemos dizer sem medo de errar que a Uenf está sendo lentamente levada à insolvência. E isso, friso, faz parte de um projeto deliberado de destruição da condição de instituição pública e gratuita voltada para a formação de capital social e criadora de conhecimento estratégica que sintetiza a existência da Uenf desde a sua fundação em 1993.

Então por que toda a narrativa oficial que envolve a Uenf reduz os seus problemas se reduz à culpar a greve dos professores pela alteração da normalidade institucional? Isso se deve por uma combinação de esforços dos inimigos internos e externos da Uenf que espertamente isolam a greve dos professores (esquecendo, inclusive, que os servidores técnicos também estão realizando o mesmo tipo de movimento) do contexto em que ela se dá, de forma a pressionar os docentes para que continuem trabalhando sem que seus salários sejam pagos. Essa é uma tática esperta que tenta colocar a culpa em quem resiste contra o desmanche em curso.  De quebra, se paralisa toda a reação que deveria estar sendo feita para pressionar o (des) governo Pezão para que encerre o cerco financeiro que tem feito contra a Uenf.

Em meio a essa conjuntura, outro elemento que complica toda a situação é o inevitável sentimento de desânimo que se abate sobre quem está acumulando dívidas pessoais, enquanto tenta manter algum tipo de normalidade nas atividades que vão além do oferecimento de aulas. É que até recentemente eram os salários dos docentes que estavam suprindo a ausência das verbas negadas pelo (des) governo Pezão. Agora com o confisco salarial que já alcança novamente quase 4 meses, muito professores estão tendo que se preocupar com coisas mais essenciais como o pagamento da escola de seus filhos, o plano de saúde e a mensalidades de seus empréstimos da casa própria e por ai vai.  Arrisco-me ainda a dizer que brevemente assistiremos ao início de um êxodo de profissionais de determinadas áreas em direção ao exterior. Essa fuga de cérebros está se tornando quase inevitável a cada dia que passa frente ao cerco montado por uma combinação de ações entre os (des) governos de Michel Temer e Luiz Fernando Pezão e deverá atingir áreas estratégicas dentro da Uenf e de muitas outras universidades brasileiras.

Se alguém me perguntar se há uma fórmula que possa impedir o assassinato de uma jovem instituição como a Uenf, eu responderia que na vida só não há saída para a morte. Entretanto, não me parece que haja uma saída fácil que possa magicamente nos retornar rapidamente a uma situação de conforto. É que os inimigos das universidades públicas são numerosos e, neste momento, estão com as rédeas do processo nas mãos.  Dito isso, para que seja possível começar a formular estratégias de saída, há primeiro que se reconhecer a complexidade do problema e suas múltiplas facetas. Passada esta fase de reconhecimento nos restará continuar o processo de resistência em curso, de preferência com o uso de ferramentas de arregimentação de aliados que extrapolem os limites conhecidos. É que numa condição tão precária, a primeira coisa que precisaremos fazer é vencer preconceitos e buscar aliados onde eles estiverem.

Finalmente, há que ficar claro o papel que a Uenf ocupa e deve continuar ocupando para colocar o Norte Fluminense no rumo de saídas estratégicas para a dependência econômica dos royalties do petróleo.  Sem a Uenf e as demais instituições públicas de ensino superior que existem na região, o futuro continuará sendo uma mera reprodução do presente e do passado que precisamos superar.