Norsk Hydro causou poluição por metais pesados nas águas dos rios e igarapés de Barcarena

barcarena hydro

A reportagem abaixo assinada pela jornalista  Pryscila Soares para o Diário do Pará mostra as primeiras evidências sobre a contaminação das águas dos rios e igarapés que recebem despejos da Norsk Hydro no município de Barcarena no Pará. 

De forma não surpreendente as análises feitas pelo Instituto Evandro Chagas (IEC) mostram um forte elevação da concentração de alumínio nas águas, mas também do chumbo. Ambos são metais pesados, que são metais individuais e compostos metálicos, que podem impactar a fortemente saúde humana, de forma direta e indireta.

O mais absurdo na contaminação causada pelas operações da Norsk Hydro é que a própria empresa reconhece em seu site oficial que o alumínio causa danos à saúde humana [1], mas, mesmo assim, continuou operando um duto clandestino que despejou sabe-se lá quanto de rejeitos contaminados nos rios e igarapés de Barcarena. Em suma, um belo exemplo do “para inglês ver”. Ou  mehor, do “para norueguês ver”. 

 

Há 35 vezes mais alumínio na água de Barcarena que o permitido

Há 35 vezes mais alumínio na água de Barcarena que o permitido (Foto: Divulgação)

Vazamento na barragem teria contaminado rios e igarapés da região. (Foto: Divulgação)

Após a análise de amostras de água coletadas na comunidade Vila Nova, no município de Barcarena, o Instituto Evandro Chagas (IEC) constatou que, naquela área, o nível de alumínio chegou a uma quantidade 35 vezes maior do que a considerada normal, permitida pela legislação ambiental. A quantidade aceitável é de 0,1 mg/l. A água na localidade, próxima da barragem da empresa Hydro Alunorte, apresenta 3,6 mg/l. 

A equipe do instituto continua coletando amostras de água no Rio Murucupi e de outras áreas , de onde surgiram novas denúncias de contaminação por rejeitos químicos da Hydro Alunorte, além de coletar os resíduos dentro da própria empresa. A equipe coordenada pelo doutor em Química e pesquisador em Saúde Pública da Seção de Meio Ambiente do IEC, Marcelo de Oliveira Lima, esteve na última quarta-feira (28) no município, auxiliando os trabalhos realizados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e também da perícia ambiental do Estado. 

Mais uma nota técnica deve ser emitida pelo instituto na próxima semana, com novos resultados sobre os impactos da contaminação por rejeitos químicos, oriundos do processamento de bauxita pela empresa Hydro. Segundo Lima, a origem do chumbo é uma das questões que estão sendo analisadas nas novas amostragens. Ele diz que, mesmo em pequenas quantidades, o chumbo pode causar danos à saúde humana. “ Existem suspeitas e os testes vão tentar mostrar qual seria a origem. Mas só poderemos afirmar realmente quando tivermos os primeiros resultados”, pontua o pesquisador.

Ele explica que as imagens de helicóptero mostraram que houve transbordamento nas duas bacias que recebem os rejeitos químicos da empresa, a DRS1 e DRS2, no último dia 17 de fevereiro, quando surgiram as primeiras denúncias de transbordamentos, que afetaram as localidades ao redor do Rio Murucupi. 

Porém, o estudioso afirma que serão investigadas novas denúncias. “Compreendemos que o problema é maior do que apontamos no momento de crise. A gente descobriu que pela tubulação clandestina passam quatro tubulações. Efluentes não tratados da DRS1 e DRS2 passam ali”, disse o pesquisador.

DESPOLUIÇÃO 

De acordo com o pesquisador, existe a possibilidade de descontaminar o solo e os igarapés afetados pelos rejeitos químicos do processamento da bauxita. Mas, segundo ele, é um processo demorado que requer execuções de diversas ações da empresa, juntamente com a comunidade local e poder público. Uma das ações é afastamento da população do uso da água local.

Ele afirma que, convivendo com tudo isso, a população da cidade precisa de um acompanhamento toxicológico de longo prazo e acompanhamento médico frequente. “Se o funcionário que está lá dentro está em risco, a população toda ao redor também está”, complementa.

Fiscalização localizou encanamento para despejo ilegal. (Foto: divulgação)

OUTRA PERÍCIA

O Centro de Perícias Científicas Renato Chaves também informou que uma equipe de peritos criminais do setor de Engenharia Legal do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves se deslocou até a empresa Hydro para realização da perícia de constatação de transbordo da bacia. Durante a perícia, eles analisaram todo o sistema e depósito de resíduos da empresa e a parte florestal, englobando as perícias de danos ambiental e civil que é a estrutura do depósito. No dia 03 de março, a equipe retornará junto com o Instituto Evandro Chagas. Durante estas visitas à empresa, os peritos estão coletando evidências e solicitando documentos específicos para os responsáveis, que serão analisados e anexados aos laudos. No momento, não há previsão para a conclusão do laudo.

Marcelo Lima diz que outras perícias estão sendo feitas para determinar níveis de contaminação. (Foto: divulgação)

SITE DA MINERADORA DIZ QUE EXCESSO DE ALUMÍNIO NO ORGANISMO “TEM EFEITOS TÓXICOS”

O problema da contaminação por alumínio é tão sério que a própria Hydro Alunorte, no seu site, informa que há riscos para a saúde. Na publicação, disponível no link: https://www.hydro.com/pt-BR/a-hydro-no-brasil/sobre-o-aluminio/aluminio-e-saude/, a empresa informa que a maior parte do alumínio que ingerimos por alimentos, bebidas e medicamentos passa pelo sistema digestivo sem ser absorvido. “Ao parecer, não há claras evidências de uma correlação entre a quantidade de alumínio ingerida e a quantidade absorvida em pessoas ‘normais’”, diz. “No entanto, essas evidências não levam em consideração casos em que os limites tenham sido ultrapassados. Na verdade, há estudos que parecem indicar que ingestão e absorção de alumínio em alto grau têm efeitos tóxicos.”

O texto diz ainda que, ao ser absorvido, o alumínio é levado pelo sangue até os rins, onde é rapidamente eliminado. “Pacientes com insuficiência renal, porém, não conseguem eliminar o alumínio, que pode se acumular e causar efeitos tóxicos. Por isso, é importante que as pessoas que sofrem de insuficiência renal usem somente água livre de alumínio, ao fazer diálise”. A matéria mostra que a presença de altos níveis de alumínio no organismo demonstra causar efeitos neurotóxicos, afetar os ossos e, possivelmente, desregular o sistema reprodutor. “Quando o alumínio consumido excede a capacidade do organismo de eliminá-lo, o alumínio fica depositado em nosso corpo e pode causar problemas”, reitera.

(Pryscila Soares/Diário do Pará)

FONTE: http://m.diarioonline.com.br/noticias/para/noticia-490673-ha-35-vezes-mais-aluminio-na-agua-de-barcarena-que-o-permitido.html


[1] https://www.hydro.com/pt-BR/a-hydro-no-brasil/sobre-o-aluminio/aluminio-e-saude/

Um pensamento sobre “Norsk Hydro causou poluição por metais pesados nas águas dos rios e igarapés de Barcarena

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s