Aquecimento gera temor de desmanche rápido do Ártico

ARTICO DERRETENDO

Groenlândia este ano Credito Joe MacGregor / NASA IceBridge

*Por John Schwartz e Henry Fountain para o “The New York Times”

O aquecimento persistente no Ártico está empurrando a região para um “território não mapeado” e afetando cada vez mais os Estados Unidos continentais, disseram cientistas na terça-feira.

“Estamos vendo esse aumento contínuo de calor em todo o sistema ártico”, disse Emily Osborne, uma autoridade da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), que apresentou a avaliação anual da agência sobre o estado da região, o “Artic Report Card .

O Ártico tem estado mais quente nos últimos cinco anos do que em qualquer época desde que os registros começaram em 1900, segundo o relatório, e a região está aquecendo duas vezes mais que o resto do planeta.

Dr. Osborne, o principal editor do relatório e gerente do Programa de Pesquisa Ártica da NOAA, disse que o Ártico está passando por sua “transição sem precedentes na história da humanidade”.

Em 2018, “o aquecimento das temperaturas do ar e dos oceanos continuou a levar a mudanças de longo prazo em toda a região polar, empurrando o Ártico para um território inexplorado”, disse ela em uma reunião da União Geofísica Americana em Washington. 

O aumento da temperatura do ar está tendo efeitos profundos no gelo do mar e na vida terrestre e oceânica, disseram cientistas. Os impactos podem ser sentidos muito além da região, especialmente porque o clima em mudança no Ártico pode estar influenciando eventos climáticos extremos em todo o mundo. 

A nova edição do relatório não apresenta uma ruptura radical com as edições passadas, mas mostra que as tendências problemáticas provocadas pelas mudanças climáticas estão se intensificando. A temperatura do ar no Ártico em 2018 será a segunda mais quente já registrada, segundo o relatório, atrás apenas de 2016. 

Susan M. Natali, uma cientista do Ártico no Woods Hole Research Center, em Massachusetts, que não esteve envolvida na pesquisa, disse que o relatório foi outro aviso que não foi atendido. “Toda vez que você vê um relatório, as coisas pioram, e ainda não estamos tomando nenhuma ação”, disse ela. “Isso adiciona suporte para que essas mudanças estejam acontecendo, que sejam observáveis”. 

O ar mais quente do Ártico faz com que o jato se torne “lento e incomumente ondulado”, disseram os pesquisadores. Isso tem possíveis conexões com eventos climáticos extremos em outras partes do mundo, incluindo as tempestades severas do último inverno nos Estados Unidos e um frio intenso na Europa conhecido como a “Fera do Oriente”. 

A corrente de jato normalmente atua como uma espécie de laço giratório atmosférico que circunda e contém o ar frio perto do pólo; uma corrente de jato mais fraca e oscilante pode permitir que as explosões do Ártico viajem para o sul no inverno e possam paralisar os sistemas climáticos no verão, entre outros efeitos. 

“Na costa leste dos Estados Unidos, onde a outra parte da onda desce”, disse Osborne, “você tem essas temperaturas do ar do Ártico que estão surgindo nas latitudes mais baixas e causando essas tempestades de inverno malucas”. 

O rápido aquecimento no norte superior, conhecido como amplificação do Ártico, está ligado a muitos fatores, incluindo o simples fato de que a neve e o gelo refletem muita luz solar, enquanto a água aberta, que é mais escura, absorve mais calor. À medida que o gelo do mar derrete, menos gelo e mais água aberta criam um “ciclo de feedback” de mais derretimento que leva a gelo progressivamente menor e água mais aberta. 

E como as águas do Ártico se tornam cada vez mais livres de gelo, existem implicações comerciais e geopolíticas: novas rotas marítimas podem se abrir e as rivalidades com outros países, incluindo a Rússia, estão se intensificando.

O governo federal dos EUA publica o boletim desde 2006. Continua a fazê-lo sob o governo Trump, que aprovou outros relatórios científicos sobre o aquecimento global e as emissões humanas de gases causadores do efeito estufa, apesar da rejeição da ciência climática feita pelo presidente Trump

No geral, “os efeitos do persistente aquecimento do Ártico continuam aumentando”, diz o novo relatório. “O aquecimento contínuo da atmosfera ártica e do oceano está impulsionando uma ampla mudança no sistema ambiental de formas previstas e, também, inesperadas”. Algumas das descobertas da pesquisa, fornecidas por 81 cientistas em 12 países, incluíram:

  • A extensão máxima do gelo marinho no inverno na região, em março deste ano, foi a segunda mais baixa em 39 anos de manutenção de registros.
  •  Gelo que persiste ano após ano, formando camadas espessas, está desaparecendo do Ártico. Isso é importante porque o gelo muito antigo tende a resistir ao derretimento; sem isso, o derretimento acelera. O gelo antigo representou menos de 1% do gelo do Ártico este ano, um declínio de 95% nos últimos 33 anos. 
  • Donald K. Perovich, especialista em gelo marinho do Dartmouth College, que contribuiu para o relatório, disse que a “grande história” do gelo neste ano foi no Mar de Bering, no oeste do Alasca, onde a extensão do gelo marinho atingiu um recorde de baixa praticamente todo o inverno. Durante duas semanas em fevereiro, normalmente uma época em que o gelo do mar cresce, o Mar de Bering perdeu uma área de gelo do tamanho de Idaho, disse Perovich.
  • ·A falta de gelo e o aumento do calor coincidem com a rápida expansão das espécies de algas no Oceano Ártico, associadas a florações nocivas que podem envenenar a vida marinha e as pessoas que comem os frutos do mar contaminados. O deslocamento para o norte das algas “significa que o Ártico está agora vulnerável à introdução de espécies em comunidades locais e ecossistemas que têm pouca ou nenhuma exposição prévia a esse fenômeno”, disse o relatório. 
  • As populações de renas e caribus diminuíram 56% nas duas últimas décadas, caindo de 2,1 milhões para 4,7 milhões. Cientistas que monitoraram 22 rebanhos descobriram que dois deles estavam no pico sem declínios, mas cinco populações haviam caído mais de 90% “e não mostram sinais de recuperação”. 
  • Pequenos pedaços de plástico oceânico, que podem ser ingeridos pela vida marinha, estão se proliferando no topo do planeta. “As concentrações no remoto Oceano Ártico são mais altas que todas as outras bacias oceânicas do mundo”, diz o relatório. Os microplásticos também estão aparecendo no gelo marinho do Ártico. Os cientistas encontraram amostras de acetato de celulose, usadas na fabricação de filtros de cigarros, e partículas de plástico usadas em tampas de garrafas e material de embalagem. 

“O boletim continua a documentar um rápido desmoronamento do Ártico”, disse Rafe Pomerance, presidente do Arctic 21, uma rede de organizações focadas em educar formuladores de políticas e outros sobre as mudanças climáticas do Ártico. “Os sinais de declínio são tão poderosos e as consequências tão grandes que exigem muito mais urgência de todos os governos para reduzir as emissões.” 

O relatório foi divulgado quando delegados de quase 200 países se reuniram na Polônia para a última rodada de negociações sobre o clima, resultado do Acordo de Paris, o marco do acordo climático que foi projetado para reduzir as emissões de gases do efeito estufa. 

Trump prometeu se retirar do acordo. Nas conversações, os Estados Unidos se uniram à Arábia Saudita, Kuwait e Rússia, recusando-se a endossar um importante relatório para a conferência sobre os efeitos das mudanças climáticas em todo o mundo. 

Em uma coletiva de imprensa na terça-feira anunciando as descobertas do relatório do Ártico, Tim Gallaudet, um almirante aposentado da marinha que é o administrador da NOAA, foi perguntado se ele ou qualquer outro oficial sênior da NOAA havia informado a Trump sobre mudança climática ou as mudanças o Ártico. 

“A resposta simples é não”, disse ele.

*John Schwartz faz parte da equipe especializada em questões climáticas. Desde que se juntou ao The Times em 2000, ele cobriu ciência, direito, tecnologia, o programa espacial e muito mais, e escreveu para quase todas as seções. @jswatz • Facebook

Henry Fountain cobre a mudança climática, com foco nas inovações que serão necessárias para superá-la. Ele é o autor de “The Great Quake”, um livro sobre o terremoto de 1964 no Alasca. @henryfountain • Facebook


Este artigo foi publicado originalmente em inglês pelo “The New York Times” [Aqui!]

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s