Chove veneno no Brasil

chuvas 1

Uma lei auspiciosa aprovada no estado do Ceará deveria ter sido mais amplamente divulgada por causa da sua alta pertinência para a saúde humana e ambiental. Falo aqui da Lei  16.820/19 que proibiu a pulverização aérea de agrotóxicos em todo o território cearense.  Segundo informa a Assessoria de Comunicação da Assembleia  Legislativa do Ceará, a iniciativa foi proposta por meio do projeto de lei nº 18/15, de autoria dos deputados Renato Roseno (Psol), Elmano Freitas (PT) e Joaquim Noronha (PRP), e terminou por ser aprovada em dezembro de 2018.

Lamentavelmente o Ceará ainda o único estado brasileiro onde algum legislador se deu ao trabalho de estudar os efeitos dramáticos da aspersão aérea de agrotóxicos, em que pese já terem ocorrido incidentes gravíssimos quando agrotóxicos lançados por via aérea atingiram áreas populadas, como foi o caso ocorrido no município matogrossense de Lucas de Rio Verde em 2013, quando centenas de moradores foram atingidos pelo altamente tóxico Paraquate.

chuvas de veneno

Aspersão aérea de agrotóxicos se tornou um problema de saúde coletiva no Brasil.

Mas a verdade é que a ação praticamente descontrolada de centenas de aviões que fazem a aspersão de agrotóxicos todos os dias nas áreas dominadas pelo latifúndio agroexportador acabam passando praticamente despercebidas pela maioria da população (inclusive a que é diretamente atingida pela chuva de venenos), e isso contribuiu para que esse tipo de atividade continue a passos largos.  Assim, a falta de exemplos visíveis contribui para que os grandes proprietários rurais continuem no ritmo  do “Laissez-faire, laissez-aller, laissez-passer”  (que em bom português significa  literalmente “deixai fazer, deixai ir, deixai passar”).

Pois bem, para mostrar a gravidade desse problema posto abaixo um vídeo mostrando a realização de pulverização aérea próximo ao Rio Pardo, mais objetivamente entre os municípios de Jardinópolis e Ribeirão Preto, onde predomina a monocultura de cana de açúcar.

A figura abaixo mostra a exata posição da área recebendo os agrotóxicos que são despejados pelo avião, com detalhes da proximidade do Rio Pardo e de áreas habitadas.

area pulverizada

A verdade é que mesmo que os habitantes das áreas vizinhas não sejam atingidas diretamente há uma chance nada desprezível que sua principal fonte de água (o Rio Pardo) esteja sendo contaminada, com efeitos deletérios para a saúde. Além disso, os impactos locais não ficam restritos aos seres humanos, como bem mostra o vídeo acima.

Como sempre observo quando abordo as pesquisas que realizo há mais de 15  anos com assentados de reforma agrária que utilizam agrotóxicos, a agricultura familiar é uma espécie de canário na mina de carvão, na medida em que esse setor usa normalmente uma quantidade insignificante de agrotóxicos quando comparado com o que é usado pelo latifúndio agroexportador.  Assim, se em estudos com agricultores familiares aparecem sinais concretos de contaminação, o que podemos esperar de áreas ocupadas por grandes monoculturas? Ora, muito mais contaminação!

A coisa fica ainda mais grave com a política de aprovação “fast track” que está sendo adotado pelo governo Bolsonaro que já aprovou 74 novos compostos, a maioria altamente tóxica, para comercialização no Brasil apenas em 2 meses de governo. Como esses produtos se destinam a suprir o latifúndio agro-exportador, não fica difícil imaginar que chuvas de venenos ainda mais tóxicas estão começando a cair sobre a cabeça de milhões de brasileiros neste momento.

info veneno

A saída para impedir o aprofundamento desta hecatombe química já foi mostrada pelo estado do Ceará. Pressionar para que outros estados sigam o exemplo cearense se tornou uma obrigação para todos os que discordam desse processo de envenenamento coletivo a que estamos submetidos por um modelo de agricultura que está viciado em veneno. Quanto mais cedo começar a pressão, menos envenenados teremos. Simples assim!

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s