O impulso para o acesso aberto está tornando a ciência menos inclusiva

Pesquisadores em países em desenvolvimento poderão ser paralisados ​​por altas taxas de artigos, a menos que uma reforma editorial mais ampla seja realizada, afirmam quatro pesquisadores brasileiros

wall_4
Fonte: Getty (editado)
Por Alicia Kowaltowski , Marcus Oliveira , Ariel Silber Hernan Chaimovich para a “Times of Higher Education”

É difícil argumentar contra a visão de que a pesquisa desenvolvida predominantemente por meio de financiamento público deve ser abertamente acessível a todos.

Claro, sempre era possível solicitar uma cópia de um artigo aos autores, mas enquanto isso facilitava o contato entre leitores e autores, era inconveniente. Nem são os preprints um substituto adequado. Sua qualidade é altamente variável, e sua quantidade absoluta é tal que mesmo um trabalho sólido normalmente atrai a atenção somente depois de ser revisado por pares e publicado em um periódico reconhecido.

Mas a remoção de paywalls tem um custo para cientistas e instituições – e, em países em desenvolvimento, esse custo ameaça ser proibitivo. À medida que os mandatos de acesso aberto proliferam, fica cada vez mais claro que nós, cientistas do mundo em desenvolvimento, provavelmente seremos cada vez mais excluídos da publicação em um grande subconjunto de periódicos.

Os custos de processamento de artigos (APCs) têm subido bem acima da inflação e bem acima dos custos estimados de serviços de acesso aberto – que variam entre US$ 200 (R$ 1.034,03) e US$ 1.000 (R$ 5.170,18) por artigo. Existem provedores de acesso aberto que operam nessa faixa de preço, como o SciELO: Scientific Electronic Library Online, biblioteca digital latino-americana com mais de 1.000 periódicos. No entanto, as revistas disciplinares nas quais pretendemos publicar cobram pelo menos US$ 2.500 (R$ 12.931,96), enquanto APCs de US$ 4.000 (R$ 20.689,79) são considerados dentro da faixa normal. A Springer Nature anunciou recentemente que cobrará U$11.390  (R$ 58.914,20) por mais de 30 de seus prestigiosos periódicos Nature .

No Brasil, as bolsas federais de dois anos para apoio à pesquisa são limitadas entre US$ 5.640 (R$ 29.163,22) e US$ 22.560 (R$ 116.682,61) , dependendo da experiência do pesquisador. Até mesmo nossa agência de fomento à pesquisa mais generosa, a FAPESP do Estado de São Paulo, limita suas bolsas regulares de pesquisa em pouco menos de US$ 30.000 (R$ 155.163,04 ) por ano. Esta soma é usada para cobrir todos os equipamentos, consumíveis e serviços, incluindo APCs.

Quando mencionamos essas barreiras econômicas para colegas internacionais, muitas vezes ouvimos que a solução é um sistema de isenção para economias em dificuldades. Na verdade, Plano S, que lidera a pressão pelo acesso aberto, estipula que “o periódico / plataforma deve fornecer isenções de APC para autores de economias de baixa renda e descontos para autores de economias de renda média-baixa”. Mas a maioria dos países latino-americanos com produção científica significativa, como Brasil, Argentina e México, bem como países grandes como China e Federação Russa, são classificados pelo Banco Mundial como economias de renda média-alta. Cientistas nessas nações devem, portanto, pedir isenções individuais (com base, como diz o Plano S, em “necessidades demonstráveis”) após a aceitação do manuscrito. Se a dispensa for negada ou o desconto for insuficiente, o único direito do autor é levar o manuscrito para outro lugar, reiniciando o já demorado processo de revisão.

É claro que, uma vez que todas as publicações estão em formato de acesso aberto, os investimentos atualmente feitos em assinaturas de periódicos podem ser transferidos para cobrir APCs. Mas, no Brasil, as assinaturas de periódicos são negociadas pelo consórcio de bibliotecas da CAPES Periódicos, que fornece acesso a livros, periódicos e bases de dados científicas para instituições de pesquisa de todo o país. Seu orçamento para 2021 é de cerca de US $ 75 milhões, dos quais cerca de 70%  provavelmente serão gastos no acesso de texto completo – ou seja, cerca de US$ 50 milhões. O Brasil publica cerca de 56.000 artigos de periódicos acadêmicos anualmente, portanto, mesmo que todo esse valor fosse destinado a artigos científicos (em detrimento de outros acessos de texto completo que o portal oferece atualmente, como livros), o valor médio disponível por artigo seria menor do que U$ 1.000 (R$ 5.170,18).

Para evitar que a publicação se torne economicamente proibitiva, a pressão pelo acesso aberto acima de todas as outras prioridades de publicação deve ser substituída por uma pressão pela verdadeira inclusão. As medidas necessárias incluem, no mínimo, a extensão de isenções totais para países de renda média-baixa e a extensão de descontos automáticos substanciais para países de renda média-alta como o nosso.

A comunidade científica também deve garantir práticas justas e preços na publicação acadêmica. Consórcios de agências de financiamento nacionais poderiam coletar e analisar os orçamentos dos editores, comparando-os com os custos de publicação estimados e decidindo sobre um preço justo máximo que estão dispostos a pagar.

Em um nível individual, os cientistas devem priorizar periódicos apoiados por sociedades científicas e cientistas ativos em suas áreas, garantindo que pelo menos parte dos lucros dos periódicos retorne à comunidade científica. Idealmente, coletivos de pesquisadores deveriam criar seus próprios periódicos não comerciais “diamantes”, que são gratuitos para autores e leitores, como um grupo de pesquisadores em nossa área, a bioenergética, fez recentemente. Mas os pesquisadores precisarão apoiá-lo; para esse fim, elogiamos o plano francês de apoiar especificamente as lojas de diamantes, em uma tentativa de quebrar o superfaturado “glamour” das revistas.

Como professores bem estabelecidos na América Latina, somos resilientes e capazes de produzir ciência de qualidade em condições desafiadoras. No entanto, se a tendência atual continuar, seremos limitados em nossas opções de publicação pelo preço que podemos pagar. Tememos, em particular, que esse estado de coisas faça com que os resultados de nossos alunos sejam avaliados desfavoravelmente, diminuindo suas chances de obter posições competitivas em todo o mundo, nas quais possam se destacar.

O impulso para o acesso aberto primeiro, sem uma reforma mais abrangente na publicação acadêmica, tornará a ciência um pouco mais acessível. Mas também será muito menos inclusivo.

Alicia Kowaltowski é professora de bioquímica da Universidade de São Paulo . Marcus Oliveira é professor associado de bioquímica médica da Universidade Federal do Rio de Janeiro . Ariel Silber é professor titular de parasitologia e Hernan Chaimovich é professor emérito de química da Universidade de São Paulo .

compass

Este artigo foi inicialmente escrito em inglês e publicado pela Times of Higher Education [Aqui!  ].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s