Situação tensa na Colômbia: Bogotá a caminho da guerra

O governo colombiano está cada vez mais angustiado com os massacres de civis por militares, enquanto os mortos são apresentados como guerrilheiros

colombia

Assumindo o controle do antigo território das FARC: soldados colombianos em sua cerimônia de formatura (Nilo, 17/02/2017)

Por  Frederic Schnatterer para o Neues Deutschland

É apenas um dos crimes mais recentes cometidos pelas forças armadas colombianas – e, no entanto, é um exemplo do esforço de guerra do governo de direita em Bogotá. Em 28 de março, 11 pessoas foram mortas em uma operação militar no município de Puerto Leguízamo, no sul do Departamento de Putumayo. Até hoje, o governo legitima a operação alegando que as vítimas eram “criminosos” e “dissidentes” dos ex-guerrilheiros de esquerda das FARC.

Grupos de direitos humanos e moradores locais, por outro lado, falam de um massacre da população civil. Há indícios de que uma mulher grávida, um menino de 16 anos e um líder da comunidade indígena estavam entre os mortos. De acordo com um comunicado da Rede de Direitos Humanos do Putumayo, as forças invadiram as instalações de um centro comunitário no início da manhã depois de uma festa, se passando por dissidentes das FARC. Em seguida, abriram fogo. Mais tarde, os militares acusaram os presentes, que os detiveram por várias horas, de serem membros da guerrilha.

A operação militar no Putumayo é uma reminiscência dos chamados falsos positivos. Oficialmente, 6.402 homens, a maioria jovens, foram sequestrados pelos militares durante o conflito armado, mortos e posteriormente apresentados como guerrilheiros caídos. Grupos de direitos humanos assumem significativamente mais vítimas. Eles também duvidam que a prática sistemática tenha terminado com a assinatura do tratado de paz entre o então governo colombiano e os guerrilheiros das FARC em Havana em 2016.

A ONU também sabe que o conflito armado não acabou, mas está se intensificando. Carlos Ruiz Massieu, chefe da missão da ONU na Colômbia, disse ao Conselho de Segurança das Nações Unidas na terça-feira que seu órgão reconheceu o progresso feito na implementação do acordo de paz. No entanto, os “obstáculos e riscos que ainda ameaçam a consolidação da paz no país” não devem ser “minimizados”. As comunidades indígenas e afro-colombianas, em particular, estão sofrendo com a recente onda de violência. Nos departamentos de Arauca e Putumayo, a ameaça de atores armados está aumentando, assim como o recrutamento de menores, segundo Ruiz Massieu.

Ele exigiu uma investigação sobre a operação militar em Putumayo por Bogotá – a Comissão Interamericana de Direitos Humanos fez o mesmo no mesmo dia. Um comunicado afirmou que as investigações devem ser realizadas “com a devida diligência” e “medidas preventivas concentradas junto a grupos étnicos e comunidades rurais” devem ser tomadas e “os compromissos assumidos no acordo de paz devem ser implementados de maneira prática e eficaz”.

O ministro da Defesa, Diego Molano, é o centro das críticas no cenário político de Bogotá. Na terça-feira, um grupo de deputados da oposição apresentou uma moção de desconfiança ao Parlamento sobre a operação no Departamento de Putumayo. O pedido provavelmente só será discutido após as férias da Páscoa. No entanto, o debate chega em um mau momento para a direita governista: o primeiro turno da eleição presidencial acontecerá no dia 29 de maio, em que a esquerda, na pessoa de Gustavo Petro, já está à frente.

color compass

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal “Neues Deutschland” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s