A mudança climática atinge os celeiros agrícolas do mundo

De acordo com estudo, a agricultura no Sul Global está se tornando a principal perdedora. Organizações de pequenos produtores estão pedindo mais apoio em Glasgow

agricultorasAgricultores trabalhando nos campos em Nsanje, Malawi: muita coisa está mudando para a agricultura como resultado das mudanças climáticas. Foto: dpa / epa Hrusa

Por Haidy Damm para o Neues Deutschland

O setor agrícola é uma das maiores fontes de gases de efeito estufa prejudiciais ao clima. Quase metade das emissões do setor são liberadas quando as florestas são convertidas em terras aráveis ​​e pastagens, as turfeiras são drenadas e a biomassa é queimada. A outra metade vem da própria agricultura, que não é apenas parte do problema, mas também parte da solução, como enfatizam reiteradamente os representantes das organizações de agricultores.

Mas eles têm que se apressar para continuar a fazer justiça à tarefa de garantir alimentos para o mundo em face da crise climática. Em simulações de computador inovadoras, a NASA e o Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático (PIK) previram mudanças profundas nas condições de cultivo e na produção das safras mais importantes nos próximos dez anos – se as tendências atuais no aquecimento global continuarem. “Estamos descobrindo que as novas condições climáticas estão tendo um impacto significativo na produtividade das safras em mais e mais regiões”, explica o autor principal Jonas Jägermeyr, cientista climático do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA e do PIK.

Ao combinar uma série de novas projeções climáticas e vários modelos de safra atualizados, a equipe de pesquisadores calculou o que é atualmente o maior conjunto de projeções futuras de rendimentos agrícolas. As emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem levam a temperaturas mais altas, mudam os padrões de precipitação e mais dióxido de carbono no ar. “Isso tem consequências para o crescimento das plantas. Vemos que em muitos dos maiores celeiros do mundo, anos anormais tornam-se anos normais na próxima década ou logo depois. Para nós, este é o momento em que o sinal de mudança climática abafa claramente todo o ruído histórico ”, diz Jägermeyr. Entre os anos de 2070 e 2100, por exemplo, a safra de milho pode cair quase um quarto globalmente.

Isso significa que os agricultores têm que se adaptar muito mais rapidamente, por exemplo, alterando a época de semeadura ou usando diferentes tipos de plantas. “Desta forma, grandes perdas podem ser evitadas, mas lucros também podem ser obtidos, por exemplo, nas latitudes mais altas”, diz Jägermeyr. Porque, embora as safras de safras importantes como o milho estejam diminuindo, a produtividade do trigo pode aumentar em cerca de 17% em todo o mundo. O grão cresce melhor em climas temperados, como o norte dos Estados Unidos e Canadá, bem como na China. O milho, por outro lado, é cultivado em países subtropicais e tropicais, que serão mais severamente afetados pelo aumento das temperaturas do que regiões mais frias em altas latitudes. Na América do Norte e Central, África Ocidental,

“Nossos dados mostram claramente que os países mais pobres provavelmente verão os maiores declínios na produção de seus alimentos básicos mais importantes. Isso agrava as diferenças já existentes em segurança alimentar e prosperidade «, diz o coautor Christoph Müller, do Instituto Potsdam. Os países pobres e, é claro, os próprios pequenos proprietários afetados muitas vezes não tinham os meios para colocar seus alimentos no mercado mundial. “Embora alguns no norte global provavelmente se beneficiem da mudança fundamental prevista nos padrões de produção agrícola, isso pode se tornar um risco para a segurança alimentar no sul global”, disse Müller.

Representantes de organizações de pequenos produtores africanos e comunidades indígenas pediram, portanto, uma conversão sustentável e favorável ao clima da agricultura na conferência climática da ONU em Glasgow. Elizabeth Nsimadala, presidente da Federação de Agricultores da África Oriental e da Associação Pan-Africana de Agricultores, disse que falou em nome de 80 milhões de agricultores que alimentaram mais de 800 milhões de pessoas. Muitas vezes, porém, os agricultores dificilmente conseguem sobreviver – também porque as secas causadas pelas mudanças climáticas estão cada vez mais secando o solo ou os desastres naturais estão destruindo as colheitas. O sistema agrícola está à beira do colapso, alertou. Para se posicionar contra a agricultura industrializada e sobreviver à crise climática, eles precisariam de apoio internacional.

compass

Este texto foi escrito inicialmente em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui! ].

De volta para o futuro: ciclos de commodities e a concorrência da soja africana no mercado chinês

sojaA commodity da vez. Foto: Pixabay.

Por André Albuquerque Sant’Anna e Carlos Eduardo Frickmann Young

Todo país tem seus mitos fundadores. No nosso caso, o mito da abundância de recursos naturais se confunde com a própria identidade nacional. Afinal, somos os “brasileiros” – aqueles que extraíram o pau-brasil até o limite de sua quase extinção na Mata Atlântica¹.

Somos também a terra do “se plantando, tudo dá”. Diante da crença em tanta benevolência divina, não é de se estranhar que na literatura nacional desponte como herói o preguiçoso Macunaíma. Como se a complementar a extensão de terras, não houvesse o sangue e suor dos escravos, indígenas nativos e africanos sequestrados.

Voltando a “Macunaíma, o herói sem nenhum caráter”, o livro traz o lema “pouca saúde, muita saúva, os males do Brasil são”. Chama a atenção que Mario de Andrade, participante do movimento modernista, concordasse com a ideia de Brasil como celeiro. Afinal, bastaria nos livrar das saúvas para que nossa agricultura mostrasse toda sua pujança. Ora, esse diagnóstico não deve surpreender, uma vez que o escritor cresceu em São Paulo, no auge do café.

Àquela época, o Brasil – e, sobretudo, São Paulo – vivia um boom econômico com o café. No entanto, assim como já vivera com a borracha, o algodão e a cana, esse ciclo se esgotou. Como se não houvesse aprendizado, a cada ciclo, o país expandiu a produção agrícola utilizando mais terra, sem compromisso com inovações que aumentassem a produtividade. Deitados em berço esplêndido, agricultores aproveitavam o virtual monopólio na produção mundial para auferir renda.

No entanto, as leis da economia vigoram: se há lucro econômico excessivo, haverá entrada de concorrentes no mercado. Como ocorrido antes, com o declínio dos engenhos litorâneos pela concorrência das plantações de cana de açúcar no Caribe, e como sucedeu de forma concomitante à expansão do café, com os seringais do Sudeste Asiático interrompendo a “era de ouro” da borracha amazônica.

Isso tudo serve de algum aprendizado? Pelo visto, é como a lição difícil que o aluno prefere ignorar, torcendo para que não caia na prova. Mas a história sempre se repete, como tragédia, farsa ou mero enfado, e o problema sempre volta à tona.

Na última semana de outubro, uma notícia passou quase despercebida do noticiário econômico: a China fechou acordo para importar soja da Tanzânia. O Ministério da Economia se apressou para afirmar que a diversificação de compradores por parte da China não afetaria o Brasil. De fato, no curto prazo, as exportações de soja da Tanzânia não representam grande perigo para os produtores brasileiros. Mas, e no longo prazo? Uma análise adequada deve fugir da miopia de só olhar para apenas alguns poucos meses à frente.

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) produz informações sobre aptidão do solo para produção de soja. O Mapa 1 é baseado nas informações da FAO e considera a produtividade potencial na produção de soja pela aptidão do solo com alto nível de insumos (mecanização, aplicação de fertilizantes e agrotóxicos). As áreas mais claras representam as regiões com produtividade potencial mais alta para o cultivo da soja, incluindo as regiões Sul e Centro-Oeste do Brasil. Os principais países competidores do Brasil nesse mercado global também estão nessa condição: Estados Unidos e Argentina. Como no Brasil, esses países conjugam alta produtividade potencial, investimentos e grande extensão de terras.

Mapa 1 – Produtividade potencial de soja com mecanização e utilização de fertilizantes e agrotóxicos. Fonte: FAO-GAEZ.

Porém, outras partes do planeta também possuem elevado potencial, mas ainda não desenvolveram o cultivo. O Mapa 2 mostra as áreas com maior produção efetiva de soja, e fica evidente que a África é a principal parte do mundo com largas extensões de terra com alto potencial de produção, mas com baixo aproveitamento produtivo. E isso não passou despercebido pela China.

Mapa 2 – Produção efetiva de soja, em 2018. Fonte: Our World in Data.

Deve-se recordar que a China criou, em 2013, a iniciativa conhecida como Belt and Road, pela qual realiza investimentos em infraestrutura em diversos países do mundo, sobretudo na Ásia e África. Nesse sentido, deve-se compreender a recente demanda chinesa pela soja tanzaniana como um passo geopolítico com vistas a garantir o suprimento futuro de soja a partir da África, sem depender da produção sul-americana.

A crescente reticência do atual governo brasileiro em relação ao seu principal parceiro comercial possivelmente ratificou a motivação para a China diversificar seus fornecedores de matérias primas. Esse movimento não deve se restringir à soja, e tende a afetar outras commodities que hoje dinamizam a balança comercial brasileira.

Como em um filme de roteiro previsível, corremos o risco de rever o mesmo final dessa história: a concorrência de outros países derruba o preço das commodities, a atividade entra em estagnação, mas a vegetação nativa destruída nesse processo jamais se recupera. Alteram-se os protagonistas (borracha, café, soja), mas o final é sempre o mesmo: boom de crescimento associado à depleção de recursos naturais, com o mesmo triste fim de alta desigualdade.

Não custa lembrar, o agro é pop e o pop não poupa ninguém.

Nota

[1] Uma divertida discussão sobre as possíveis da origem do nome “Brasil”, incluindo a mítica ilha de Hy Brazil e a história da extração de pau-brasil, é apresentada por Eduardo Bueno em https://www.youtube.com/watch?v=XPnOYnxU7lw

Foto de destaque: Colheitadeira em plantação de soja. Crédito: Charles Echer/Pixabay.

Autores

*André Albuquerque Sant’Anna é Pesquisador do Centro de Estudos sobre Desigualdade e Desenvolvimento (CEDE/UFF ) e do Grupo de Economia do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (GEMA/UFRJ).

**Carlos Eduardo Frickmann Young é economista, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

fecho

Este texto foi originalmente pelo site ((o))eco [Aqui!].