Professores vão paralisar por 24 horas contra arrocho do (des) governo Pezão

Assembleia docente decide paralisar UENF por 24 horas contra arrocho imposto pelo governo Pezão

noticia urgente

A diretoria vem informar ao todos os associados que após examinar a grave conjuntura criada pelo governo Pezão, os professores presentes na assembleia da ADUENF decidiram por uma paralisação de 24 horas de todas as atividades docentes nesta 4a. feira (24/05), e  a participação no ato público que diversas categorias de servidores públicos estaduais irão realizar a partir das 15:00 horas na Rodoviária Jorge Roberto da Silveira no centro de Campos dos Goytacazes.

A diretoria informa ainda que haverá uma representação da ADUENF presente no ato público que ocorrerá na frente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro para pressionar contra a elevação da contribuição previdenciária dos servidores estaduais.

A diretoria da ADUENF convida a que todos (as) se engajem nas decisões da nossa assembleia de modo a fortalecer o processo de resistência contra o projeto de destruição do serviço público que está sendo implementado pelo governo Pezão.

DIRETORIA DA ADUENF

Gestão Resistência & Luta

Sintuperj-UENF pede doação de cestas básicas

O Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Públicas do Estado do Rio de Janeiro (Sintuperj-UENF) vem a público solicitar doações de cestas básicas para os funcionários técnico-administrativos, por ele representados.

O Governo do Estado do Rio de Janeiro não tem cumprido com o pagamento dos salários. O salário referente ao mês de fevereiro/2017, assim como o 13º referente a 2016, ainda não foram pagos, deixando os servidores sem condições de honrar seus compromissos financeiros e alimentar suas famílias.
A delegacia do Sintuperj-UENF está localizada no 2º andar do Prédio da Reitoria da UENF. Telefones: (22) 2739-7245 / (22)  999484533 / (21) 971496771

Primeiro privatiza, depois bloqueia os servidores e aposentados que se explodam

Tenho ouvido de colegas que existem servidores estaduais do Rio de Janeiro que ainda caem na conversa fiada de que a privatização da lucrativa Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE) tinha como causa prioritária a normalização do pagamento dos salários atrasados. 

Pois bem,  hoje, exatas 48 horas após a Assmebleia Legislativa do Rio de Janeiro aprovar em votação relâmpago a privatização da CEDAE, o governo “de facto” de Michel Temer bloqueou cerca de R$ 220 milhões pertencentes ao Rio de Janeiro, transformando em pó o calendário de parcelas estilo “Casas Bahia” com que os salários de janeiro seriam pagos (Aqui!).

Assim, os servidores da ativa e aposentados que já amargaram um final de ano melancólico em 2016 agora chegarão ao período do Carnaval sem qualquer noção de quando receberão o que lhes é devido do mês de Janeiro. Isso implicará em situações dramáticas para quem depende desses recursos, pois muitos estão doentes e endividados.

Espero que isto sirva de lição principalmente para as direções sindicais alojadas no Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (MUSPE) que parecem estar contemplando o precipício sem qualquer disposição de evitar a queda.

Enquanto isso, o (des) governador Pezão continua nomeando aliados políticas para ocupar cargos com altos salários como foi o caso de quatro ex-prefeitos no governo do estado  que foram aquinhoados com gordos vencimetnos só em fevereiro  (Aqui!).

Para ler e analisar: termo assinado pelo (des) governo Pezão com Temer/Meirelles para privatizar e confiscar salários

todos-eles

Acabo de receber o chamado “Termo de Compromisso” assinado pelo (des) governo Pezão com o presidente “de facto” Michel Temer para privatizar a CEDAE e confiscar os salários dos servidores estaduais do Rio de Janeiro.

Como essa é uma matéria de interesse público,  estou disponibilizado o meso para os interessados em ler e analisar os diversos dispositivos para provocar um arrocho sem precedentes nos salários dos servidores estaduais e, de quebra, aumentar de forma abrupta o custo da população com os serviços de água nos municípios servidos pela CEDAE, estou disponibilizando o arquivo em sua integralidade.

Um fato interessante  a ser adiantado é que notei no conteúdo da Cláusula 10a. que o referido termo será dissolvido se uma das chamadas estruturais ou programáticas não for implementada, ou ainda uma das vedações previstas não for cumprida.  

Pois bem,  parece que este termo de compromisso é mais frágil do que se apresentava. Aliás, a ausência de uma data acima das 4 assinaturas apensadas ao documento já mostra bem isso (ver abaixo).

Aos interessados em acessar o arquivo, basta clicar Aqui!

A delação do marqueteiro pode explicar pressa do (des) governo Pezão

O jornalista Lauro Jardim traz hoje a informação de que o marqueteiro Renato Pereira, responsável pelas campanhas eleitorias de Sérgio Cabral, Eduardo Paes, e Luiz Fernando Pezão está em processo de negociação de sua delação premiada com a chamada Operação Lava Jato (Aqui!).

delacao-pezao

Essa informação pode explicar toda a pressa com que o (des) governador Luiz Fernando Pezão vinha tratando o fechamento de um acordo de arrocho fiscal com o presidente “de facto” Michel Temer e seu ministro/banqueiro Henrique Meirelles.

É que se essa delação realmente ocorrer é bem provável que os dias do (des) governador Pezão no Palácio Guanbara estarão irremediavelmente contados. É que segundo o site “Btasil 247”, Renato Pereira iria entregar o número da conta usada pelo (des) governador Pezão no exterior (Aqui!).

De qualquer maneira, o simples vazamento desse suposto acordo já criará dificuldades para Luiz Fernando Pezão na Assmbleia Legislativa do Rio de Janeiro, na medida em que os deputados de sua própria base poderão adotar a posição pragmática de cortar laços políticos para minimizar as eventuais consequências dessa delação.

Agora, com a divulgação desta nota de Lauro Jardim, é provável que a pressa seja ainda maior. É que se não conseguir impor o arrocho nos servidores e a privatização da CEDAE, a utilidade do (des) governo Pezão será mínima. Dai que…..

Quem quebrou o Rio de Janeiro? Pergunte-se ao (des) governador Pezão

pezao

A situação financeira do estado do Rio de Janeiro é tida como desesperadora por algum tempo. Para em tese fazer frente à essa situação, o (des) governo Pezão apareceu agora com um plano que arrocha servidores públicos e remove programas sociais que serviam aos setores mais pobres da população. As contas apresentadas pelo (des) governador Pezão e seus auxiliares sobre a “economia” que o pacote de 28 medidas que se pretende adotar não apresentam nem em aparência a capacidade de resolver os problemas causados por anos de gastos perdulários, isenções fiscais bilionárias , as contratações milionárias das chamadas Organizações Sociais, e o inchaço da máquina pública com milhares padrinhados políticos causaram.

Mas quais são afinal as âncoras que puxam o barco do Rio de Janeiro para o fundo? A ordem é mais ou menos conhecida, ainda que não se tenha acesso aos números que dão dimensão ao real tamanho do problema. O fato é que as contas do tesouro fluminense estão sendo devastadas pelo processo de envididamento público e pelas isenções fiscais bilionárias, sendo que uma coisa pode estar diretamente associada à outra.

Se eu estou certo, por que então concentrar o fogo nos servidores públicos, aposentados, e  nos mais pobres? É que a crise em que estamos metidos gera a oportunidade de que setores ainda preservados da coisa pública sejam pilhados e entregues a preço de banana para a iniciativa privada. Como esse (des) governo sempre manteve relações pouco transparentes com grandes empreiteiras e bancos, não fica difícil entender a sanha privatista que acompanha as supostas soluções que estão sendo pensadas por figuras que, em alguns casos célebres, contribuíram diretamente para que o Rio de Janeiro perdesse muito dinheiro com suas operações financeiras via mercado.

O exemplo mais emblemático do que estou falando é o atual secretário de Fazenda, Gustavo, que durante sua presidência no RioPrevidência comandou a desastrosa operação de captação de recursos via o chamado “Rio Oil Finance Trust” no paraíso fiscal corporativo de Delaware. Ao i nvés de ter de explicar toda a operação que transformou o Rio de Janeiro numa presa dos chamados fundos abutres (Por exemplo, Alianz, Black Rock, Pimco), Gustavo Barbosa está no assento dianteiro comandando o arrocho a servidores e aposentados.

Outra figura que teria muita coisa a explicar é o próprio (des) governador Luiz Fernando Pezão que era o secretário estadual de Obras quando ocorreram graves problemas envolvendo a reconstrução das cidades da região Serrana que haviam sido devastadas por pesadas chuvas no início de 2011. Mas outras menções apareceram a Pezão no caso da multimilionária reforma do estádio do Maracanã (Aqui!).

A verdade é que se tivéssemos um mínimo de disposição por parte dos órgãos de controle a situação do (des) governo Pezão seria desesperadora. O fato é que o mandato de Dilma Rousseff foi cassado por muito menos do que ocorreu no Rio de Janeiro nos últimos anos, anos esses em que Pezão cumpriu um papel de destaque na maioria das tratativas que desembocaram na atual crise. Assim, em vez de estar tendo tanta liberdade para atacar direitos e programas sociais,  Pezão deveria estar preocupado com seu destino político e um potencial processo de impeachment. A minha expectativa é que com esse pacote de maldades contra servidores, aposentados e os mais pobres, Pezão tenha de forma inadvertida iniciado a contagem regressiva para que tenha de explicar tim tim por tim tim, como ajudou a colocar o Rio de Janeiro no buraco em que nos encontramos.

A crise de Pezão é seletiva: arrocha salários para conceder isenções fiscais milionárias para doadores de sua campanha eleitoral

pezão petropolis

Por Flávio Serafini*

No mesmo mês em que o governo atrasou o salário de funcionários públicos, uma empresa de cerveja foi beneficiada com incentivo de R$ 687 milhões!

A Cervejaria Petrópolis, fabricante da cerveja Itaipava que consta como inscrita na dívida ativa do Estado por não pagamento de ICMS, recebeu no mês de novembro de 2015 incentivos fiscais no valor de R$687,8 milhões de reais. O grupo também é o 5º maior doador para campanhas eleitorais de deputados estaduais no Rio, tendo doado mais de R$ 2 milhões para PMDB, PDT, PSD, PSDC e PTC. Só para a campanha de Pezão foi R$ 1 milhão.

E foi justamente no mês de novembro que o governo estadual atrasou o pagamento dos servidores, alegando falta de recursos. Esta isenção fiscal para uma empresa devedora e financiadora de campanhas eleitorais é um escândalo e mostra como a crise na saúde, nas universidades estaduais e em todo o serviço público no Rio não é algo decorrente exclusivamente da queda do preço de petróleo, mas sim, o resultado de um modelo de governo.

Segundo a reportagem de Luiz Gustavo Shmitt e Chico Otávio, publicada hoje no O Globo (leia em http://migre.me/sHMeY), a Coordenadoria de Combate à Sonegação do Ministério Público teve acesso à base de dados da receita estadual cortada após pedir informações sobre o grupo Petrópolis. Enquanto o salário dos servidores está parcelado, as empresas amigas do PMDB receberam milhões em incentivos.

*Flávio Serafini é deputado estadual pelo PSOL/RJ.

FONTE: https://www.facebook.com/groups/forcaeacaouerj/1748330982062292/?notif_t=group_activity