A minha 2a. dose de Astrazeneca e o direito que foi negado a 527 mil mortos por COVID-19 no Brasil

No início da tarde desta quarta-feira (07/07) tive acesso à segunda dose da vacina Astrazeneca/Oxford, completando o meu ciclo inicial de imunização contra uma possível infecção pelo coronavírus. Essa etapa me propicia continuar enfrentando os riscos da pandemia da COVID-19 com mais chances de sobreviver, visto que as vacinas (seja qual for a “marca”) nos propiciam melhores condições de defesa contra um vírus letal. Nesse sentido, me sinto aliviado porque poderei conviver com mais segurança com todos os que me relaciono no dia a dia.

2a dose

Entretanto, não posso me esquecer de que até ontem,  cerca de 527 mil brasileiros já tinham tido suas vidas ceifadas por terem contraído a COVID-19, muito em função da verdadeira sabotagem oficial por parte do governo Bolsonaro na aquisição de vacinas que pudessem ter propiciado um processo de imunização em massa dos brasileiros. Agora, graças à CPI da COVID-19, sabemos que muito dessa demora se deveu não ao negacionismo científico do presidente Jair Bolsonaro, mas a outros problemas de natureza pecuniária, incluindo a existência de um mercado paralelo de vacinas superfaturadas.

Assim, o fato de estar nos meros 13% de brasileiros que se encontram com sua imunização inicial concluída não apaga o fato de que não posso deixar de lembrar que poderíamos ter avançado muito mais se determinados interesses (e friso novamente, de natureza pecuniária) não tivessem sido sobrepostos ao direito de todo brasileiro de ter acesso à vacinas contra COVID-19 em um ritmo muito mais acelerado do que estamos tendo até agora.

Entretanto, lembrar os mortos pela COVID-19 em função do atraso proposital e interessado do processo de vacinação é pouco. Nós que fomos imunizados temos é que cobrar que a mão pesada da justiça seja colocada nos ombros dos que permitiram que a tragédia que presenciamos neste momento no Brasil pudesse ocorrer.  Se tiver que ser no Tribunal Penal Internacional, que seja.

Finalmente meus agradecimentos à Maria José que, curiosamente, foi quem aplicou as duas da vacina em mim. Na figura dela agradeço a todos os trabalhadores do SUS que estão na linha de frente do combate à pandemia da COVID-19 no Brasil. A todos essas pessoas singulares, o meu agradecimento. Viva o SUS!

Coronavirus: AstraZeneca suspende temporariamente testes de vacinas

Decidido após a reação negativa de um paciente, o intervalo afeta um dos projetos ocidentais mais avançados. Testes globais foram lançados em vários países, incluindo o Reino Unido e os Estados Unidos.

Virus Outbreak VaccinesPesquisadores do laboratório farmacêutico AstraZeneca trabalham em uma vacina contra o coronavírus, em Garin (Argentina), no dia 14 de agosto. NATACHA PISARENKO / AP

Por Arnaud Leparmentier para o Le Monde

Donald Trump sonha com uma vacina contra a COVID-19 que o salvaria um dia antes da eleição presidencial dos EUA em 3 de novembro. O caminho promete ser delicado: o laboratório britânico AstraZeneca anunciou, terça-feira, 8 de setembro, à noite, a suspensão do ensaio clínico de fase 3 de sua vacina, desenvolvido em conjunto com a Universidade de Oxford, por conta do reação negativa de um dos pacientes do Reino Unido.

“Iniciamos uma pausa na vacinação como parte de nosso processo para permitir a revisão dos dados de segurança” , disse um porta – voz da AstraZeneca ao Financial Times . “Este é um check-up de rotina que deve ocorrer sempre que houver uma condição potencialmente inexplicada em qualquer um dos testes, a fim de garantir que a integridade de nossos testes seja mantida. “ Os dados serão analisados ​​por um comitê independente. A pausa afeta um teste lançado com 30 mil pessoas nos Estados Unidos no final de agosto, com financiamento federal.

O anúncio, que fez com que as ações da AstraZeneca caíssem nas negociações não oficiais após o fechamento de Wall Street, veio quando os chefes de nove grupos farmacêuticos, incluindo a AstraZeneca, advertiram Donald Trump, sem citá-lo, contra uma autorização apressada de uma vacina. Em seu comunicado à imprensa, eles reafirmaram seu “compromisso de desenvolver e testar vacinas potenciais contra a Covid-19 com altos padrões éticos e princípios científicos sólidos” . Os laboratórios especificam, em particular, que não solicitarão “uma autorização para o uso de emergência de uma vacina até que esta tenha demonstrado a sua segurança e eficácia através de um estudo clínico de fase 3” .

Corrida contra o tempo político

Em questão, a corrida contra o relógio político que substituiu a corrida contra o relógio médico. “Vamos ter a vacina muito rápido, talvez antes de uma certa data. Você sabe de que data estou falando ”, disse Trump na segunda-feira, 7 de setembro, enquanto suas equipes de campanha, citadas pelo New York Times, acreditam que uma vacina pré-eleitoral seria o “ Santo Graal ”. Dos nove signatários (AstraZeneca, BioNTech, GlaxoSmithKline, Johnson & Johnson, Merck, Moderna, Novavax, Pfizer e Sanofi), três estavam em ensaios clínicos de fase 3 ( Moderna, Pfizer, em associação com BioNTech e AstraZeneca). Se o chefe da Pfizer avaliou que poderia ter resultados já em outubro, a Moderna mencionou o fim do ano, enquanto o anúncio do revés pela AstraZeneca mostra que nada é certo.

Autoridades federais apelidaram o plano de uma vacina de “operação ultrarrápida “, mas seu cientista-chefe, Moncef Slaoui, disse na semana passada que as chances de obter uma vacina até no final de outubro eram “muito, muito baixas” . Desde o início da pandemia, 189.000 morreram de Covid-19 nos Estados Unidos.

Na semana passada, as autoridades federais dos Centros de Controle de Doenças convidaram os governadores e autoridades de saúde dos cinquenta estados federados a se prepararem para uma possível distribuição da vacina já neste outono, para pessoal médico e estratégico e para pessoas em risco (mais de 65 anos, população indiana, em particular): os produtos se chamam “vacina A” e “vacina B”, mas, segundo a imprensa americana, são vacinas desenvolvidas pela Pfizer-BioNTech e Moderna.

Desconfiança pública

O caso, de fato, merece preparação, essas vacinas potenciais devem ser armazenadas em temperatura muito baixa (menos 20 graus Celsius, menos 70 para a Pfizer-BioNTech). O governo se comprometeu a disponibilizar 300 milhões de doses até janeiro de 2021, o que significa solicitar injeções com antecedência, das quais não sabemos a eficácia. Essa estratégia tem sua lógica: é melhor correr o risco financeiro de perder as doses se os testes não forem conclusivos do que de um atraso na fabricação, que é custoso em termos humanos e financeiros, em caso de resultado favorável. Mas pode despertar desconfiança.

As empresas farmacêuticas estão, porém, preocupadas com a politização da ciência, o que pode levar à comercialização de uma vacina que não atenda aos padrões habituais da Food and Drug Administration (FDA) e acentuar a desconfiança da população americana. . Isso costumava ser reduzido a poderosos movimentos antivacinas – os Estados Unidos também foram atingidos pelo ressurgimento global do sarampo em 2019 – mas agora é mais amplo, devido ao temor de manipulação política. De acordo com o New Yorker , entre um terço e metade dos americanos poderiam recusar a vacina contra a Covid-19. O Ministério da Saúde pretende lançar até novembro uma campanha publicitária a favor da vacinação, com o apoio de personalidades americanas.

O FDA anunciou que não permitirá uma vacina que não seja mais de 50% eficaz, em comparação com um placebo. Mas a atitude do presidente Trump afetou sua credibilidade. Este último defendeu com unhas e dentes a suposta eficácia da hidroxicloroquina, autorizada com urgência pelo FDA no final de março, antes de ser revogada em meados de junho. O FDA também autorizou o uso de plasma coletado de pacientes que desenvolveram anticorpos contra a COVID-19, mas essa decisão foi criticada, na ausência de um estudo com um grupo de placebo.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em francês e publicado pelo Le Monde [Aqui!].