Do Blog do Mário Magalhães: Governo do RJ atrasa pagamento de bolsas a cientistas e pesquisadores

Por Mário Magalhães

A cara de Pezão ao ouvir em 2014 pergunta sobre o desaparecido Amarildo – Reprodução TV Globo

O governador Pezão ao ouvir em 2014 pergunta sobre o pedreiro Amarildo – Reprodução TV Globo

 “A FAPERJ informa que, em razão de dificuldades do fluxo orçamentário do Tesouro Estadual, o pagamento de bolsas referentes ao mês de janeiro será realizado no próximo dia 24 de fevereiro.

A FAPERJ tem zelado para manter a pontualidade e regularidade no pagamento de seus bolsistas. Lamentamos o transtorno causado por esse atraso.”

*

Os dois parágrafos acima constituem o comunicado enviado a bolsistas pela Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, a Faperj.

Como informa o site da fundação, a Faperj “é a agência de fomento à ciência, à tecnologia e à inovação do Estado do Rio de Janeiro. Vinculada à Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia, a agência visa estimular atividades nas áreas científica e tecnológica e apoiar de maneira ampla projetos e programas de instituições acadêmicas e de pesquisa sediadas no Estado do Rio de Janeiro”.

As bolsas aos cientistas e pesquisadores, relativas a janeiro, deveriam ter sido pagas em 10 de fevereiro. Ficaram, como se lê, para o dia 24.

São prejudicados estudantes universitários, professores visitantes, professores pesquisadores, professores pós-doutorandos. Há bolsistas de pesquisa e docência, de iniciação científica. E mais.

Como muita gente sabe, costuma ser dura a vida dos pesquisadores acadêmicos no Brasil. Paixão muita pela transmissão e produção de conhecimento, dinheiro pouco no bolso.

Muitos cientistas tiveram que atrasar o pagamento de contas e outros compromissos. Pagarão multas e juros.

A atitude do governo Luiz Fernando Pezão, sufocando a Faperj, expressa prioridades: pelo visto, ensino e pesquisa não estão entre elas.

FONTE: http://blogdomariomagalhaes.blogosfera.uol.com.br/2015/02/12/governo-do-rj-atrasa-pagamento-de-bolsas-a-cientistas-e-pesquisadores/

Bolsistas de pós-graduação da UENF sofrem prejuízos com atraso de pagamentos, e reitoria anuncia que novos projetos estão suspensos de forma indefinida

Hoje me foi chamada a atenção para o atraso no pagamento também das bolsas de pós graduação que são fornecidas pela FAPERJ a um parcela significativa dos pós-graduandos da UENF (seja por descentralização orçamentária ou pagamento, problema que em alguns casos já ocorre desde dezembro de 2014.

Ao entrar em contato com a FAPERJ, alguns pós-graduandos foram informados “que não há previsão de pagamento das bolsas atrasadas, e que novos atrasos poderão ser recorrentes ao longo de 2015“.

Um fato que deixou os bolsistas muito constrangidos foi que não foram dadas maiores explicações, o que agrava o clima de tensão já que as consequências dos atrasos são graves, visto que as bolsas são a fonte de renda única, e que muitos dependem do pagamento regular para permanecerem nas cidades de Campos dos Goytacazes e Macaé, onde os programas de pós-graduação strictu sensu da UENF são oferecidos.  

Em alguns programas, os pós-graduandos estão se mobilizando para cobrar posicionamento das coordenações de curso e de outras instâncias da UENF que possam participar da resolução deste problema gravíssimo. 

Ao que tudo indica, as mobilizações que já vinham ocorrendo entre os discentes da graduação também vão atingir os estudantes de pós-graduação, com resultados imprevisíveis no andamento das pesquisas em andamento na UENF. 

Aliás, nesse sentido o G1 Norte Fluminense trouxe hoje uma matéria com uma declaração do vice-reitor que os cortes feitos pelo (des) governo Pezão vão comprometer o funcionamento da UENF de forma substancial, impedindo, inclusive, o início de novas pesquisas por tempo indefinido (Aqui!).

O interessante é notar que o orçamento da UENF que já vinha encolhendo ao longo dos dois mandatos dos dois mandatos do ex(des) governador Sérgio Cabral, agora chegou a uma situação de precariedade financeira nunca vista em seus 21 anos de existência.

Finalmente, espero que isto sirva para  a comunidade universitária da UENF reagir de forma unificada para combater os efeitos nefastos da hecatombe financeira que está sendo imposta pelo (des) governador Luiz Fernando, o Pezão.

 

DCE da UENF use redes sociais para convocar ato “Bom dia, Reitor” para exigir cumprimento de compromissos firmados durante a greve

O 2º ato de muitos que ainda estão por vir.

Que tal agraciarmos nosso “magnífico” reitor com um belíssimo café da manhã? Amanhã, sexta-feira (30), à partir das 07:00 da manhã, contamos com sua presença!

Em nota liberada nesta quinta-feira (29), a reitoria disse lamentar “o comportamento de um “pequeno” grupo de estudantes que, na última quarta-feira, dia 28, adentrou a reitoria desordenadamente”, de maneira perturbadora e desordeira.

Pois estão vamos recebê-los como realmente merecem e querem, da mesma forma como o estudante é tratado, com todo carinho.

Relembrando as principais pautas:

– Padronização (regularização) nas datas de depósito das bolsas;
– Cumprimento da promessa de aumento das bolsas (equiparação com a UERJ – R$400,00);
– Criação do auxílio-moradia.

Ponto de encontro: E1 (Prédio da reitoria).

PARA FORTALECER O ATO, CONTAMOS COM A DOAÇÃO DE TODOS QUE PUDEREM. CAFÉ, PÃO, MANTEIGA, BISCOITOS… ALÉM DA PRESENÇA DE CADA ESTUDANTE!

Essa luta é de todos! Participem, Uenfianos! Até amanhã!

FONTE: https://www.facebook.com/events/1038428209507614/

No dia em que professores descobrem descontos em seus salários, estudantes da UENF mostram que direitos se conquistam pela luta

reitoria 1

A tarde desta 4a. feira (28/1) foi bastante movimentada no campus da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) por causa da mobilização de estudantes liderados pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) para protestar contra o atraso no pagamento de bolsas estudantis, mas também pelo descumprimento do acordo feito pela reitoria durante a greve ocorrida em 2014 de equiparação do valor das bolsas com o que é praticado na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Essa mobilização é uma demonstração de que novamente os estudantes da UENF entendem o seu papel de protagonistas na luta por seus direitos que estão sob grave risco por conta da política de sucateamento da instituição sob a batuta do (des) governador Luiz Fernando, o Pezão.

É interessante notar que no dia de hoje se tornou público que a reitoria da UENF está descontado valores de auxílio de alimentação dos servidores (professores e técnicos), o qual já se encontra com valores congelados desde 2009! 

Agora, o mínimo que os professores vão precisar fazer é seguir o exemplo dos estudantes, e demandar o retorno dos valores descontados e também a equiparação com a UERJ!

Diretório Central dos Estudantes convoca ato de protesto contra atraso de bolsas na UENF

Nesta quarta-feira (28/01) a partir das 13:00, concentração no Restaurante Universitário Cícero Guedes para confecção de cartazes e faixas e em seguida manifestação pelo campus + RUA!

PARALISAÇÃO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS A PARTIR DAS 12 HORAS!

Essa luta é de todos! Participem, Uenfianos!

FONTE: https://www.facebook.com/events/334093573446231/?ref_newsfeed_story_type=regular&source=1

Reitoria quebra silêncio e lança nota “oca” sobre o atraso no pagamento das bolsas dos estudantes

Após um longo e inexplicável silêncio, a reitoria da UENF acaba de ver a público para oferecer um arremedo de explicação sobre o inaceitável atraso no pagamento das bolsas de milhares de estudantes. O texto da nota é um simulacro de explicação, e não oferece qualquer garantia objetiva de que o pagamento das bolsas referentes ao mês de Dezembro de 2014 ocorrerão em breve.

Eu diria que esse texto da reitoria da UENF é um belo exemplo do que acontece com dirigentes acadêmicos que abandonam a defesa das comunidades universitárias que os elegeram para abraçar os governantes de plantão.

Mas é preciso lembrar que em Dezembro passado houve apoiador da reitoria da UENF criticou a decisão drástica do reitor da UERJ de fechar os portões da sua universidade por causa da absoluta falta de orçamento. Naquele momento, esses apoiadores saudaram uma suposta capacidade do reitor Silvério Freitas de negociar com Pezão a quitação dos débitos da UENF. 

Pois bem, essa é uma ótima hora do reitor da UENF mostrar suas habilidades de negociador, já que os estudantes que dependem das bolsas para saldar seus compromissos não podem ser deixados à mercê da própria sorte! Vamos lá, magnífico, negocia!

Eis a nota assinada pelo reitor Silvério Freitas

Nota do Reitor sobre o pagamento das bolsas UENF de dezembro

A atual conjuntura orçamentária do estado do Rio de Janeiro já foi bastante publicizada e, até mesmo, explicada pelo governador eleito que já anunciou cortes preocupantes.
A UENF tomou as medidas cabíveis para o pagamento das bolsas desde a segunda metade do mês de dezembro, todavia,o Tesouro não executou os desembolsos solicitados.
A Reitoria fez gestões junto a SEFAZ, SECT e a SEPLAG, além do próprio gabinete do Governo para que o pagamento de cada bolsista ocorra o mais rápido possível. Obtivemos a informação de que tal pagamento deverá ocorrer até meados da próxima semana.

Reitor Silvério de Paiva Freitas

FONTE: http://www.uenf.br/dic/ascom/2015/01/20/ascom-informa-20-01-15/

Estudantes convocam assembléia e ato para organizar luta pelo pagamento de bolsas e salários atrasados na UERJ

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro vem sofrendo com o descaso do governo do estado e da REItoria durante muito tempo. A precarização da infraestrutura, o abandono do Hospital Universitário Pedro Ernesto, a falta de concursos públicos e a desvalorização do corpo docente são alguns exemplos que deixam a situação de nossa Universidade cada vez mais crítica.

O cenário piora quando os funcionários terceirizados da UERJ são obrigados a trabalhar sem ter seus direitos e salários pagos e os estudantes bolsistas sofrem com os atrasos da bolsa no mês de janeiro. Vale lembrar que o valor da bolsa é insuficiente para que o estudante se mantenha, de forma confortável, em um estado como o Rio de Janeiro e a falta de pagamento faz com que muitos alunos deixem de comparecer à Universidade, o que agrava sua situação acadêmica em risco.

O panorama atual de nossa Universidade é gravíssimo e o Movimento Estudantil não pode, e não virará as costas para o caso.

Convidamos toda a comunidade acadêmica para uma Assembleia Estudantil e para o ato, que acontecerá em seguida, em prol da regularização das bolsas e da situação dos funcionários terceirizados.

PAGAMENTO IMEDIATO DAS BOLSAS ATRASADAS

PAGAMENTO IMEDIATO DOS SALÁRIOS ATRASADOS DOS TERCEIRIZADOS

PAGAMENTO IMEDIATO DOS SALÁRIOS DOS RESIDENTES DO HUPE

CONTRA A PRECARIZAÇÃO DA UERJ

LIBERDADE AOS PRESOS POLÍTICOS

Dia: 22/01/15
Horário Assembleia: 18h00min
Local: Hall do Queijo
Horário do Ato: 19h00min

FONTE: https://www.facebook.com/events/638190869620115/

Estresse acadêmico: estudantes da UENF ainda não viram a cor do dinheiro em 2015!

A situação financeira do tesouro fluminense é preocupante, como já anunciou o (des) governador Luiz Fernando, o Pezão. Essa realidade ocasionou, inclusive, o encerramento precoce do ano acadêmico da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) em dezembro passado pela absoluta incapacidade de honrar compromissos financeiros, inclusive com trabalhadores terceirizados das áreas de segurança e limpeza.

Essa situação parece que vai piorar, antes que comece a melhorar. Esta constatação não serve de qualquer forma de consolo para centenas de estudantes (ou seriam milhares) da Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) que até esta sexta-feira (16/01) ainda não viram a cor do dinheiro relativo ao mês passado.

O que mais aumenta a tensão entre os bolsistas da UENF é que a reitoria da instituição sequer se deu ao trabalho de informar qual é a data esperada para que o pagamento ocorra.

Como as aulas devem retornar na segunda-feira (19/01), o que os estudantes estão esperando é que os valores devidos pela UENF sejam depositados imediatamente, já que as despesas continuam ocorrendo, especialmente no que se refere aos aluguéis! 

UENF: dinheiro para equiparar valor de bolsas não tem, mas para comprar máquinas de costura industriais tem!

A UENF teve negada recentemente a verba necessária para a equiparação do valor de bolsas estudantis ao que é praticado na UERJ. Mas hoje o Diário Oficial trouxe a publicação da homologação de uma licitação de uma aquisição de máquinas de costura industriais para atender as necessidades da UENF
 
SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO
DESPACHOS DO REITOR, DE 03.09.2014
PROCESSO Nº E-26/009/829/2014 – HOMOLOGO a licitação na modalidade Pregão Eletrônico nº 015/2014, referente à aquisição de máquinas  de costura industriais para atender as necessidades da UENF, cujo objeto foi adjudicado pelo valor de R$ 7.000,00 (sete mil reais), à empresa VIP COMÉRCIO DE MÁQUINAS DE COSTURA LTDA. pelo Lote 01.
Vão costurar o que? A fantasia de que está tudo bem e que o (des) governo Pezão tem sido sensacional para a nossa universidade? Só pode!
Enquanto isso, as bolsas estudantis continuam congeladas e o cheiro de comida no bandejão… esse então nem se fale!

Diretoria da ADUENF emite declaração pública sobre protesto dos estudantes da UENF

Fomos surpreendidos na manhã e ao longo de todo o dia de ontem (11/08/2014) pela manifestação dos estudantes, organizada pelo DCE/UENF, que fechou as entradas do campus.

 Infelizmente, não causou a mesma surpresa a noticia de que este governo do Sr Luiz Fernando Pezão não honrou compromisso assumido pelo próprio Governador. Há muito tempo, ‘honra’ deixou de ser um adjetivo adequado a descrever esse grupo que se instalou no governo do Estado do Rio de Janeiro. 

Infelizmente, não causa a mesma surpresa, as reiteradas notícias de cortes e contingenciamentos por parte de um governo que não honra sequer o orçamento da UENF enviado polo próprio governo à, e aprovado pela, ALERJ. Orçamento que já nasce mutilado frente ao solicitado pelo CONSUNI e que vem diminuindo em números absolutos ano a ano.

 O problema do reajuste no valor das bolsas, não para valores nababescos mas para deixá-las iguais aos valores praticados pela UERJ!, é parte de um problema maior, que atinge a todos nós em todos os níveis. É o problema do próprio estrangulamento por que passa a UENF, que está inserido num contexto que envolve toda a dinâmica das forças políticas que disputam corações e mentes mundo afora. Como alertou o próprio Darcy Ribeiro “a crise na educação não é uma crise, mas um projeto”. Um projeto de sociedade neoliberal que vê nos serviços, educação inclusive, uma fonte de lucro e não alavanca do progresso e desenvolvimento. Por isso deve ser destruída uma Universidade que, pública e gratuita, apesar deste governo, consegue se projetar como alavanca do desenvolvimento social ao oferecer ensino de qualidade.

 O caminho para a destruição da Universidade pública já é conhecido, e foi aplicado com esmero e grande êxito, do ponto de vista neoliberal, no ensino médio: aviltamento dos salários e verbas insuficientes para a manutenção das condições mínimas de trabalho, como telefone, água, luz entre outras tantas contas atrasadas.

 Em paralelo, temos a criminalização dos movimentos sociais e a tentativa do governo do estado de introduzir o aparato repressivo estatal dentro da UENF, via o Programa Estadual de Integração na Segurança (PROEIS). Ora, senhoras e senhores abram os olhos! Se existe algum problema de segurança no campus é o problema de o orçamento da Universidade, que previa verbas para pagar aos terceirizados, não ser cumprido. Por um lado, o Estado corta a verba para a segurança e, por outro, oferece verba para contratar o aparelho repressor do próprio estado

O pior nessa história toda é notar que alguns colegas nossos não conseguem enxergar além das barricadas e veem nelas o problema. A manifestação dos Estudantes, por mais que possa ter causado transtornos momentâneos, faz parte da solução e não do problema. Se nós estamos cansados e desgastados depois de três meses de dura greve contra um governo que não está nem um pouco interessado em resolver os problemas da UENF, ao contrário, age para ampliá-los, isso é compreensível. Mas que nós neguemos apoio, ou pior, ameaçemos usar das nossas aulas como instrumento de repressão ao movimento estudantil, isso é inadmissível.

Por isso a ADUENF conclama a todos os colegas a apoiar e incentivar a luta dos estudantes em defesa da Universidade Pública, Gratuita e de Qualidade.

DIRETORIA DA ADUENF

GESTÃO 2013-2015

FONTE: http://aduenf.blogspot.com.br/2014/08/diretoria-da-aduenf-faz-declaracao.html