Enquanto chineses fazem algodão crescer no lado escuro da Lua, o Brasil aposta no banho de sangue

patria armada

Duas notícias aparentemente díspares mostram a distância em que China e Brasil se encontram neste momento. A primeira é a sensacional novidade de que os chineses conseguiram o ineditismo de fazer uma semente de algodão germinar no lado escuro da Lua.

Como informou o jornal português Público, o sucesso da semente de algodão representa a primeira “mini-experiência” de cultivo bem-sucedida da missão chinesa (e de qualquer outra nação, já agora) em solo lunar [1]. Isto logo depois de a China ter sido também o primeiro país a pousar um módulo no lado oculto da Lua, a 3 de Janeiro.

semente

Imagem do recipiente especial onde estão as sementes levadas para solo lunar UNIVERSIDADE DE CHONGQING/EPA

O sucesso da missão chinesa na Lua é consequência do massivo a a  em ciência que a China vem empreendendo nas últimas décadas, a ponto de se estimar que a produção científica chinesa vá ultrapassar a dos EUA.  Tal feito aponta para uma realidade bastante promissora par a economia chinesa, pois os avanços científicos estão sendo orientados para livrar o país da dependência da produção de produtos industrializados de baixo valor agregado.

A segunda notícia foi a lamentável decisão do governo federal do Brasil de liberar a compra de até 4 armas de fogo por cidadãos acima de 25 anos. Ao lado do fato de que o Brasil já detém o recorde de ser o país onde mais se mata com arma de fogo no mundo (estimativas dão conta de 45 mil mortes anuais), a liberação de armas ocorre num momento de grave crise econômica e social.  Assim, a chance de que os números de assassinatos crescem ainda mais, pondo o Brasil na antessala de um banho de sangue inédito até para seus padrões altamente violentos.

Enquanto isso, a ciência brasileira está sob forte ataque ideológico já que vários dos novos dirigentes de importantes agências científicas brasileiras são discípulos de uma personagem que coloca em dúvida até o heliocentrismo!

O resultado do descompasso que essas notícias desvalam não é difícil de se antever: os chineses vão continuar produzindo suas proezas científicas, enquanto o Brasil continuará sendo o país detentor do maior recorde de mortes por armas de fogo.

Saída do Pacto do Migração aumentará rejeição a brasileiros vivendo no exterior

bolsonaro migraçãõ

Decisão do governo Bolsonaro de saír do Pacto Global da Migração deverá aumentar problemas dos brasileiros vivendo no exterior.

No dia 19 de Dezembro postei uma nota sobre os prejuizos que uma eventual saída do Brasil do Pacto Global para uma Migração Segura, Ordenada e Regular, da ONU, causaria aos brasileiros que hoje escolhem a via migratória para alcançar melhores condições de vida [1].

Ontem, a rede britância BBC confirmou que um documento do Ministério das Relações Exteriores está circulando nas embaixadas brasileiras um documento que confirma a saída do Brasil do Pacto Global da Migração [2]. O primeiro poblema com essa saída é que a mesma claramente visa agradar ao governo de Donald Trump que também se recusou a aderir ao Pacto. O segundo problema é que esta medida tem tudo para dificultar a vida dos brasileiros que estão hoje no exterior na condiçao de imigrantes. É que fora dos auspícios do Pacto Global para a Migração, o imigrante brasileiro passará por dificuldade ainda maiores do que já passa.

images_cms-image-000616516

Um elemento a mais é que, pelo menos na Europa, existe hoje a prevalência de manifestações de xenofobia contra os imigrantes em geral.  Imaginemos o que acontecerá com os imigrantes brasileiros quando os grupos anti-migração ficarem cientes de que o Brasil está se retirando de um acordo que visa normatizar o fluxo migratório no mundo.

Nunca é demais lembrar que em diversos países o agora presidente Jair Bolsonaro teve a imensa maioria dos votos. Assim, com essa medida que certamente prejudicará os seus eleitores, o governo Bolsonaro retribui com uma medida salgada a quem lhe a chance de governar o Brasil.

 

O significado e os riscos estratégicos da “Via Bolsonaro” para recolonizar o Brasil

bolso continencia

Na imagem acima dois momentos em que Jair Bolsonaro presta continência a símbolos estadunidenses, indicando de forma clara suas intenções de alinhamento político aos EUA que, por sua vez, trará a subordinação econômica aos interesses das corporações estadunidenses.

Apesar das muitas análises que vejo no sentido de tentar explicar a vitória de Jair Bolsonaro e as propostas objetivas de recolonização do Brasil que o seu governo buscará implenetar, creio que a maioria dos analistas continua preso a uma aproximação rasa da realidade. E isso não se dá por falta de instrumentos teóricos para oferecer uma reflexão mais aprofundada que explica a opção aparentemente suicida das elites brasileiras por um governo que abertamente flerta com a destruição do que resta da economia nacional.

Penso que não é nem necessário ir muito longe em termos de teoria para encontrar algumas pistas pela opção feita pelos ultrarricos brasileiros. Apesar de já ter lido há algum tempo o livro “O Mito do Desenvolvimento Econômico” que Celso Furtado publicou no exílio no ano de 1974 [1], lembro de uma passagem onde está dito que no modelo de desenvolvimento adotado no Brasil, o padrão consumo das elites locais tenderá a imitar a praticada pelas das suas congêneres nos países do capitalismo central. Isto, por sua vez, decorre de uma opção de instaurar a modernização da economia sem que haja qualquer intenção de se romper com os padrões existentes de concentração da riqueza.

Esta elaboração de Celso Furtado me parece perfeita para explicar a opção reacionária da quase totalidade dos ultrarricos por um governo que buscará erradicar as poucas formas de distribuição de renda, que nem chegaram perto de descontrar a riqueza nacional, e recolocar o Brasil na condição de uma colônia provedora de commodities agrícolas e minerais. É que nesse modelo não haverá espaço para indústria nacional ou, sequer, indústria.  Mas apesar de saberem disso, organizações patronais como a FIESP e a FIERJ se alinharam de forma entusiasmada às propostas de Jair Bolsonaro e seu “Posto Ipiringa”, o economista Paulo Guedes que sinaliza com um ataque virulento ao chamado Sistema “S” de onde a elite industrial tira muitas vantagens.

A explicação para esta adesão aparentemente suicida das elites nacionais, pois o ataque aos pouco de mecanismos de distribuição de renda via políticas sociais deverá destruir a frágil base de consumo de massas existente no Brasil, só se explica pela certeza de que não se modificará o sistema de parasistimo rentista do qual as elites retiram mais riqueza do que se estivessem investindo em atividades produtivas. As elites apostam nessa manutenção para mover seu capital ainda mais para a especulação, e pouco se importam com o destino trágico que espera milhões de brasileiros pobres que não possuem os mesmos canais de escape ao ajuste ultraneoliberal que se avizinha.

O problema que até aqui todos parecem preferir ignorar são os sinais de que a economia global está próxima de um novo e mais profundo surto de crise estrutural, justamente pelo sobrepeso representado pela especulação financeira. E que se note que esta ignorância das elites nacionais não se dá por falta de sinais claros vindos das bolsas mundiais, a começar por Wall Street, mas por uma decisão férrea de seguir apoiando um processo de recolonização da economia brasileira.  É por isto que  por ter feito esta opção por uma completa subordinação aos interesses do rentismo financeiro global, as elites se comportam como o capitão do Titanic depois que o navio foi atingido pelo iceberg e se comportam como a música não pudesse parar.

Nesse processo, a opção das elites por Bolsonaro e por um comportamento esquizóide de ignorar os alarmes que estão soando talvez resida a melhor oportunidade da classe trabalhadora brasileira de se restabelecer como o elemento dinâmico da realidade nacional.  É que não restará outro caminho para a sobrevivência de padrões mínimos de dignidade que o de combater de forma prática uma opção que só irá beneficiar as elites.


Quem desejar baixar o arquivo contendo o “Mito do Desenvolvimento Econômico” de Celso Furtado, basta clicar[Aqui!

Saída do Pacto Global para Migração deverá prejudicar duramente brasileiros vivendo no exterior

bolsonaro

O anúncio feito pelo presidente eleito de que irá “deixará o Pacto Global para uma Migração Segura, Ordenada e Regular, da ONU, aprovado no dia 10 em Marrakech, no Marrocos.  Segundo informal o jornal Valor Econômico, Jair Bolsonaro informou em uma transmissão ao vivo pela internet que “o Brasil deverá adotar critérios “bastante rigorosos” para aceitar imigrantes. Se não forem seguidos, disse o presidente eleito, os imigrantes não entrarão no Brasil” [1].  Segundo o Valor,  o presidente eleito adicionou ainda que “nós, via nosso ministro que assume agora em janeiro, vamos denunciar, vamos revogar esse pacto pela migração. Não podemos concordar com isso aí“, afirmou, sobre o acordo da ONU”.

O primeiro grande problema que está sendo esquecido nessa decisão de se retirar do chamado Pacto de Marrakech, é que o saldo migratório do Brasil é negativo. Em outras palavras, mais brasileiros estão saindo do nosso país do que estrangeiros estão entrando, mesmo se considerando a entrada supostamente massiva de imigrantes venezuelanos, segundo informou a jornalista Mônica Bergamos em sua coluna no jornal Folha de São Paulo [2].

E por que a decisão de Bolsonaro de sair do Pacto de Marrakech será ruim para os brasileiros que já imigram ou estão dispostos a fazer isso em breve? É que todo país que se retirar deste pacto global, perderá as facilidades que o mesmo cria para os países aderentes.  No caso dos EUA, não participar do acordo não chega a ser um problema porque o país é receptor de imigrantes. Mas já o Brasil é hoje um centro de impulsão de um fluxo migratório razoável, especialmente para a Europa e EUA.

Assim, ao mirar nos emigrantes venezuelanos e de outros países da América do Sul que desejem se mudar para o Brasil, o governo Bolsonaro deverá criar dificuldades significativas para os brasileiros que emigraram. Considerando que na maioria dos países, a comunidade brasileira votou em massa em Jair Bolsonaro, este tipo de atitude é um verdadeiro presente de grego para seus próprios eleitores.

Vivendo momentaneamente em Portugal, posso afiançar que as dificuldades vividas pelos brasileiros que estão aqui não são poucas, pois apesar da facilidade da língua, o acesso aos serviços públicos e empregos não é fácil, e as regras que devem ser obedecidas nem sempre são facilmente explicadas. 

Um exemplo recente foi de que tendo de viajar à Finlândia para uma visita à Universidade de Helsinki, tive que visitar um Centro Nacional de Apoio ao Imigrante (CNAIM) para me certificar sobre as regras de entrada e saída para o tipo de vista que foi me concedido para estar em Portugal como pesquisador. Após 7 longas horas na fila de espera, a única informação que me foi dada foi para ir verificar no Consulado da Finlândia sobre se haveria necessidade de um visto próprio para entrar naquele país.

Se uma informação simples como essa me custou tantas horas numa fila, imagine-se o que terão de passar os brasileiros (especialmente aqueles que estão aqui trabalhando em ocupações de menor requisito de formação) que decidiram abandonar o Brasil para viver em Portugal ou em outro país que seja, se o governo Bolsonaro realmente decidir se retirar do Pacto de Marrakech!

A pergunta que fica é a seguinte: o que farão o presidente eleito e o seu ministro de Relações Exteriores cético das mudanças climáticas quando brasileiros emigrados começarem a ser expulsos ou barrados dos países para onde decidirem fugir das políticas ultraneoliberais que pretendem aplicar no Brasil a partir de 2019?


[1] https://www.valor.com.br/politica/6032191/bolsonaro-diz-que-vai-romper-com-pacto-de-migracao-da-onu

[2] https://www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2018/12/fluxo-migratorio-do-brasil-sera-negativo-mesmo-com-a-entrada-de-venezuelanos.shtml

 

Enquanto Brasil afronta, EUA vendem soja para a China

As últimas semanas têm sido caracterizadas por uma série de ataques de membros da família Bolsonaro contra a China, percebida como um dos componentes de uma pretensa ameaça comunista ao Brasil [1]. Isto em que pese a China ser atualmente o primeiro parceiro comercial do Brasil, sendo inclusive o principal mercado para a soja, principal commodity da agricultura brasileira.

Pois bem, eis que hoje (13/12), o jornal China Daily publicou uma matéria informando que a China irá realizar uma grande aquisição de soja, só que dos EUA [2].  Esta compra será segundo o China Daily, uma espécie de porta voz extra oficial do governo chinês, uma demonstração de boa vontade da China para com os EUA no processo de retomada de negociações para resolver as pendências comerciais existentes entre os dois países.

china daily

Como se pode verificar de apenas esta única aquisição que beira o valor de US$ 180 milhões, o governo Trump pode até arreganhar os dentes para a China, mas não tem como desprezar o potencial de consumo do mercado chinês. E aí o que conta é a necessidade de vender produtos, e a ideologia que se dane.

A coisa é que a geopolítica da trocas capitalistas não tem mais (se algum dia já teve) espaço para amadores. E seria bom que o governo Bolsonaro entendesse isso logo na relação com a China. Do contrário, quem vai acabar sendo isolado do mercado chinês de soja será o Brasil. Aí eu gostaria de ver o que diriam os latifundiários que ajudaram a eleger Jair Bolsonaro.


[1] https://www.brasil247.com/pt/247/poder/376943/Chanceler-informal-Eduardo-Bolsonaro-amea%C3%A7a-rela%C3%A7%C3%A3o-Brasil-China.htm

[2] http://www.chinadaily.com.cn/a/201812/13/WS5c127dbaa310eff303290e56.html

Cantar o hino à la francesa: um possível caminho para os anos que se abrem no Brasil

gilet jaunes

Arco do Triunfo ocupado e pichado com a frase “Os coletes amarelos triunfarão”. De quebra, um lembrete para Emmanuel Macron do filósofo Michel de Montaigne (1533-1592): “Mesmo no mais alto trono do mundo, ainda estamos sentados sobre o nosso rabo”. 

Diga o que se dizer dos franceses, mas eles têm uma clara tradição de ligar patriotismo às lutas pelos seus direitos, em vez de tornar patriotismo em uma razão para aceitar comodamente a subtração daquilo que foi duramente conquistado.

Uma demonstração disso está no vídeo abaixo quando os chamados “gilets jaunes” ou “coletes amarelos” se preparavam para mais uma rodada de enfrentamentos nas proximidades do “Arco do Triunfo” com as forças policiais que tentam reprimir com violência os protestos contra os aumentos  abusivos nos combustíveis que foi determinado pelo governo de Emmanuel Macron.

Para quem não conhece o refrão do início francês que o “gilets jaunes” entoavam quando o “pau quebrou”, o mesmo diz “Às armas, cidadãos”. Pelo jeito, na França, os trabalhadores levam o seu hino à sério.

E o que isto nos diz? Que talvez seja a hora de se levar o hino nacional brasileiro à sério, especialmente e especificamente no que deveria representar para os direitos dos trabalhadores.

 

As regiões costeiras brasileiras estão sob ameaças múltiplas e sem gerenciamento

E a coisa pode piorar ainda mais com Jair Bolsonaro e seu chanceler cético!

moscatelli

Por uma das muitas obrigações que acompanham a vida de docente (que é o de autor como revisor de artigos em revistas reguladas pelo sistema de revisão por pares) acabei de ler um artigo sobre a necessidade de novos modelos de gestão integrada de regiões costeiras em face das mudanças climáticas globais.

A partir dessa leitura me pus a refletir sobre a condição frágil em que se encontra o Brasil, que possui em torno de 7.500 km de litoral, no processo de planejamento para enfrentar não apenas a ameaça global das mudanças climáticas globais, mas também as que ocorrem no plano local onde a inexistência de planos estaduais de gerenciamento costeiro para a maioria dos 17 estados que possuem áreas costeiras.  E isso mesmo levando em conta que pelo menos 23% da população brasileira vive em cidades costeiras, e uma porção ainda maior em regiões próximas ao mar como é o caso da cidade de São Paulo e sua região metropolitana.

No plano local, o que temos é o completo descontrole em termos de fontes de poluição pontuais e não pontuais e da ocupação de áreas pela especulação imobiliária que deveriam estar sendo resguardadas para a proteção da faixa mais próxima do oceano. A cidade do Rio de Janeiro e seu entorno são belos exemplos de como fragmentos de vegetação importantes como as de restinga e manguezais têm sido eliminados de forma imprevidente.

No plano regional temos ainda a ocorrência de danos graves em várias hidrográficas importantes como as do Paraíba do Sul e do Doce, onde seguidos incidentes industriais destruíram os ecossistemas existentes ao longo das calhas principais e também na região deltaica desses rios. 

Mas talvez seja na preparação para as mudanças globais que a carência de qualquer nível sério de preparação talvez venha a nos custar muito, tanto em termos econômicos como de vidas humanas.  Por exemplo, enquanto a União Europeia possui planos avançados de como se preparar para as inevitáveis mudanças que ocorrerão em função das alterações, o Brasil passou os últimos anos sem que fossem feitos os progressos necessários para nos preparar para situações climáticas que serão muito diferentes das que experimentamos hoje.

Para piorar o que já é ruim, temos agora uma grave indefinição em relação a quem será o futuro ministro do Meio Ambiente, ou sequer se haverá um Ministério do Meio Ambiente, do governo Bolsonaro.  A essa indefinição é acrescentada uma visão ideológica de que a proteção ambiental é ruim para os negócios, nos mesmos moldes de que vigiam no início do Século 19. Para piorar, ainda há o ceticismo climático que se torna evidente toda vez que o presidente eleito e seu futuro ministro das relações exteriores abrem a boca.

O problema é que se o cenário que se abre a partir de Jair Bolsonaro já traz preocupações óbvias sobre a condição e a integridade dos biomas florestais, o mesmo não pode ser detido sobre o gerenciamento das nossas regiões costeiras.  Ironicamente será nas cidades costeiras que os problemas dessa negação da proteção ambiental se manifestarão na forma de aparentes catástrofes , de naturais não terão nada.

Felizmente não nos faltam bons pesquisadores com conhecimento suficiente sobre o que precisa ser feito para se minimizar as mudanças que estão vindo.  Agora, se não houver mobilização dentro e fora das universidades e institutos de pesquisa, todo esse conhecimento será sufocado por falta de verbas e perseguições políticas. 

Então,  aproveitando e ajustando o que está no hino francês…. às ruas, cidadãos!