Negacionismo científico de Donald Trump colocou os EUA no centro da pandemia da COVID-19

Donald Trump,Jair Bolsonaro,TrumpDonald Trump e Jair Bolsonaro: dois negacionistas do conhecimento científico que agora precisam que os cientistas gerem respostas rápidas e eficazes para uma pandemia que eles ignoraram propositalmente.

O presidente Donald Trump, como seu congênere brasileiro Jair Bolsonaro, é um negacionista da importância do conhecimento científico. Como Bolsonaro, Trump negou os imensos riscos que estavam sendo criados sobre o povo dos Estados Unidos da América (EUA) pela rápida e letal expansão do COVID-19 em diferentes partes do planeta (ver vídeo abaixo).

Agora, os EUA estão no olho do furacão e já possuem mais cidadãos contaminados do que a China. A rede hospitalar estadunidense, majoritariamente controlada por grandes corporações, já chegou rapidamente à beira do colapso e, como em outros países, é provável que também os serviços funerários cheguem ao limite de sua capacidade em um momento muito distante.

Como já previsto pelo economista israelense Nouriel Roubini, o mesmo que previu o crash das bolsas em 2008,  já disse que Trump deverá perder as próximas eleições presidenciais por sua insistência por negar as evidências robustas que estavam sendo apresentadas pela comunidade científica acerca dos perigos postos pelo COVID-19.

Mas pior do que perder uma eleição, é provável que Donald Trump passe aos livros de história como aquele governante que permitiu que a maior potência econômica e militar do mundo sofra uma hecatombe sanitária por sua arrogância em relação ao conhecimento científico.

Entretanto, as semelhanças entre os presidentes do Brasil e o dos EUA nos ensinam importantes lições sobre a necessidade de se valorizar o conhecimento científico como a base de superação dos grandes desafios que estão postos neste momento, a começar pela pandemia do coronavírus.

Finalmente, lembro que morei nos EUA por mais de 7 anos, contando desde a minha chegada no Oak Ridge National Laboratory onde participei de uma equipe incrível por 1 ano e meio, o meu doutoramento na Virginia Tech onde fiquei quase 5 anos, e finalmente o meu pós-doutorado na Fairfield University onde atuei como bolsista da Comissão Fulbright por 11 meses. Em todo esse tempo, acumulei amizades que perduram até hoje, e hoje me preocupo com o destino de todas as amigas e amigos que como nós estão expostos aos riscos do COVID-19. 

As elites brasileiras e seu infame chamado à normalidade

Os que clamam pela volta a um suposto normal vão fazer o quê pelos milhões de brasileiros que hoje vagam pelas ruas sem nenhum tipo de apoio ou um teto sobre suas cabeças? O Brasil vive várias tragédias simultâneas, muito em parte por causa da insensibilidade de suas elites.

moradores de rua campos

Moradores de rua em Campos dos Goytacazes em plena pandemia do coronavírus.

Soja, milho e algodão tornam o Brasil líder mundial em consumo de agrotóxicos altamente perigosos

Investigação revela quase dois terços das vendas de agrotóxicos altamente perigosos no Brasil foram impulsionadas pela soja usada para alimentação animal, em meio a temores de problemas saúde e mortes em massa de abelhas

silosUm silo de soja no “Anel da Soja”, um trecho de plantações, instalações de processamento e centros de distribuição no estado da Bahia, na região do Cerrado no Brasil. Foto: Victor Moriyama / Greenpeace

Por Crispin Dowler

As vastas monoculturas de soja, milho e algodão do Brasil o transformaram no mercado mais importante do mundo para agrotóxicos altamente perigosos, (HHPs) segundo uma investigação conjunta da Unearthed e da ONG suíça Public Eye.

Essa foi uma das principais conclusões de uma análise de mais de US $ 20 bilhões em dados de vendas de agroquímicos, cobrindo compras em mais de 40 países de produtos líderes nos mercados de pesticidas mais valiosos.

A análise das vendas de 2018 constatou que o Brasil – lar de até 20% da biodiversidade restante do mundoé o maior consumidor de agrotóxicos classificados como seriamente perigosos para a saúde ou o meio ambiente. Esses riscos incluíam toxicidade aguda para seres humanos, riscos de exposição crônica, como câncer ou falha reprodutiva, alta persistência no ambiente e alta toxicidade para as abelhas.

Quase dois terços desses gastos brasileiros com HHPs foram para as vastas monoculturas de soja do país, cultivadas para atender à demanda global de ração animal para galinhas, porcos, vacas e peixes.

“Onda catastrófica”

As descobertas foram feitas após a recente visita do relator especial da ONU ao Brasil, alertando para uma “epidemia de envenenamento por agrotóxicos” no país e acusando seu governo de desencadear “uma onda catastrófica de agrotóxicos, desmatamento e mineração tóxicos que envenenarão gerações”.

Em seu primeiro ano no cargo, o presidente brasileiro de extrema direita e aliado do agronegócio, Jair Bolsonaro, avançou medidas para relaxar seus já fracos controles sobre agrotóxicos e permitiu um aumento acentuado no desmatamento da floresta amazônica.

No início deste mês, o candidato ao Prêmio Nobel e o líder indígena brasileiro de renome mundial, Raoni Metuktire, pediu ao governo do Reino Unido que imponha duras regras comerciais sobre as importações de soja para alimentação animal.

Em uma reunião com o ministro internacional do meio ambiente e florestas, Zac Goldsmith, o chefe Raoni alertou que o cultivo de soja no Brasil havia se expandido rapidamente no ano passado com o incentivo do governo Bolsonaro – tudo usando “enormes quantidades de agrotóxicos” e uma “grande parte “em reservas indígenas”“.

Um documento informativo para a reunião visto pela Unearthed pedia ao Reino Unido que “aplicasse tarifas e regras comerciais fortes sobre agrotóxicos na soja da região amazônica” e “proibisse a soja cultivada ilegalmente em territórios indígenas”.

Em 2018, o Reino Unido importou 449.867 toneladas de soja do Brasil e 59.104 toneladas de farelo de soja triturado, de acordo com a Mesa Redonda sobre Soja Sustentável.

Brazilian Indigenous Groups Lobby British PM To Condemn BolsonaroDavi Kopenawa Yanomami, Raoni Metuktire e Megaron Txucarramae conversam com a mídia do lado de fora da Número 10 Downing Street depois de entregar uma petição no início de fevereiro deste ano, pedindo ao primeiro-ministro Boris Johnson que condene as “tentativas do presidente Jair Bolsonaro de destruir nossas terras e vidas”. Foto: Peter Summers / Getty

CropLife no Brasil

A Public Eye, uma ONG que investiga violações de direitos humanos por empresas suíças, e a Unearthed trabalharam juntas para vasculhar um enorme conjunto de dados de US $ 23,3 bilhões em vendas de agroquímicos para vendas de HHPs.

A análise, dos dados obtidos da principal empresa de inteligência do agronegócio Phillips McDougall, identificou vendas de US $ 9,9 bilhões em pesticidas listados na lista de HHPs de 2019 da Pesticide Action Network.

Mais de um quinto dessas vendas de HHPs – US $ 2,2 bilhões – ocorreram apenas no Brasil, tornando-o o maior consumidor de agrotóxicos altamente perigosos do mundo. Os dados de Phillips McDougall cobrem menos da metade do mercado total de agroquímicos no Brasil, portanto o valor em dólar real do comércio de HHPs no Brasil provavelmente deve ser mais do que o dobro desse valor.

As cinco maiores empresas de agroquímicos do mundo – Syngenta, Bayer, BASF, Corteva e FMC – responderam por quatro quintos de todas as vendas de agrotóxicos do Brasil no banco de dados e três quartos das vendas de HHPs no país.

Muitos dos HHPs mais vendidos por essas empresas no Brasil são proibidos em seus países de origem.

Eles incluem os inseticidas neonicotinóides da Bayer e da Syngenta, proibidos permanentemente para uso ao ar livre na União Europeia em 2018 devido à sua toxicidade para as abelhas.

Eles também incluem o Paraquat da Syngenta, um dos agrotóxicos mais perigosos do mundo e suspeito de causar o Mal de Parkinson.

Esses gigantes agroquímicos compõem a maior parte dos membros da Croplife International, um grupo de lobby poderoso e bem financiado. A organização argumenta que seus membros só deixam HHPs no mercado em locais onde o risco pode ser gerenciado.

Mas o relator especial das Nações Unidas sobre produtos tóxicos, Baskut Tuncak, rejeitou a ideia de que era possível usar agrotóxicos perigosos com segurança no Brasil.

“A dura realidade é que o Brasil não possui nem os sistemas de governança nem a capacidade financeira e técnica no momento para fornecer uma garantia razoável de que eles serão usados com segurança”, disse ele à Unearthed e à Public Eye.

“O governo simplesmente não pode monitorar o que acontece em centenas de milhares de propriedades agrícolas existentes no Brasil”.

“Em vez de elevar os padrões de governança para impedir a exposição humana e o colapso da biodiversidade, o governo tornou a situação mais difícil com mudanças recentes e propostas recorrentes a tornariam ainda pior.”

Soya Production in the Cerrado Region, Brazil Cerrado Brasileiro e Produção de SojaPlantações de soja se alastram no município de Riachão das Neves, na região do Cerrado. A área faz parte do “Anel de Soja” do Brasil. Foto: Marizilda Cruppe / Greenpeace

Tuncak, um especialista independente da ONU em direitos humanos e substâncias perigosas, divulgou resultados preliminares de sua visita ao Brasil em dezembro.

Ele disse à Unearthed e Public Eye que os impactos à saúde do uso de agrotóxicos no Brasil eram “predominantes”. “Por exemplo, as comunidades estão sendo expostas regularmente a agrotóxicos por pulverização aérea, incluindo casas e escolas, sofrendo sintomas de envenenamento agudo e, sem dúvida, efeitos crônicos para muitos também”.

Ele acrescentou que “um grande número de afetados” parecia ser “comunidades afro-brasileiras e indígenas minoritárias”.

Larissa Bombardi, professora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo, disse à Unearthed que a enorme quantidade gasta em pesticidas e HHPs para soja foi parcialmente impulsionada pela enorme quantidade de terra destinada a essa monocultura.

O Brasil agora tem mais terras transformadas em soja do que a superfície da Alemanha. No ano passado, as plantações de soja no Brasil se espalharam em um milhão de hectares, para um recorde de 36,9 milhões de hectares, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. O Brasil deve ultrapassar os EUA este ano como o principal produtor mundial de soja.

Além disso, a professora Bombardi disse que mais de 90% da soja cultivada foi geneticamente modificada para ser resistente a herbicidas como o glifosato, permitindo que eles sejam pulverizados com mais intensidade sem danificar a colheita.

O glifosato, que foi rotulado como “provável cancerígeno para seres humanos” pela Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC) em 2015, foi de longe o HHP mais vendido pelo grupo CropLife no Brasil, com as vendas da Bayer e da Syngenta representando cerca de 24% dos produtos da CropLife. HHP liderando as vendas de produtos.

A Bayer Crop Science, que dominou o mercado global de glifosato com a aquisição da Monsanto em 2018, nega que o produto químico seja cancerígeno.

Beehives in the Cerrado Biome, Brazil Comunidades e cultura do CerradoColméias pertencentes a uma comunidade que vive no bioma Cerrado. Nossa investigação encontrou pelo menos 19 produtos químicos vendidos pelas empresas CropLife no Brasil que são classificados como altamente tóxicos para as abelhas pela EPA dos EUA. Foto: Marizilda Cruppe / Greenpeace

O segundo agrotóxico altamente tóxicos (HHPs) vendido pelas empresas CropLife no Brasil foi o tiametoxam, da Syngenta, com sede na Suíça, um inseticida neonicotinóide que foi permanentemente banido do uso externo na UE em 2018.

Uma publicação de 2019 da Organização Mundial da Saúde e da Organização para a Agricultura e Alimentação sobre HHPs alertou que havia um “corpo de evidências que cresce rapidamente” de que “os níveis existentes de contaminação ambiental” por neonicotinóides “estão causando efeitos adversos em larga escala nas abelhas e outros insetos benéficos”.

A professora Bombardi disse que era “muito preocupante” o governo Bolsonaro ter autorizado novos produtos neonicotinóides, mesmo quando proibidos em outros lugares. Segundo ela, as abelhas agem como um “termômetro” para medir a saúde de outras populações de insetos, porque a “atividade econômica” da produção de mel significava que mantivemos um melhor controle das mortes de abelhas.

“A biodiversidade depende da existência de insetos. Portanto, se as abelhas estão morrendo, o mesmo ocorre com os outros insetos polinizadores. Portanto, há um risco tremendo para a diminuição da biodiversidade.”

Cerca de três quartos das culturas alimentares do mundo dependem pelo menos em parte da polinização por insetos. Os cientistas alertam que um número crescente de espécies de polinizadores está sendo levado à extinção.

No ano passado, as mortes em massa de abelhas no Brasil chegaram às manchetes mundiais, com os apicultores relatando a morte de mais de meio bilhão de abelhas em três meses.

Além dos neonicotinóides tiamethoxam e imidaclopride, fabricados pela Syngenta e Bayer, respectivamente, a investigação encontrou pelo menos 17 outros produtos químicos vendidos pelas empresas CropLife no Brasil que são classificados como altamente tóxicos para as abelhas pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

Entre eles estavam o clorfenapir e o fipronil – outro produto químico que está associado a mortes em massa de abelhas – agrotóxicos que são fabricados pela gigante alemã de produtos químicos BASF.

 US $ 10 bilhões por ano

O mercado global total de agrotóxicos agrícolas em 2018 é estimado em torno de US$ 57,6 bilhões.

Os dados da Phillips McDougall obtidos pela Public Eye e Unearthed cobrem US$ 23,3 bilhões em vendas globais, ou cerca de 40% do total. A parcela dessas vendas atribuíveis ao Brasil é de US $ 4,2 bilhões, o que novamente representa cerca de 40% do mercado real do país. Estima-se que as vendas totais de agrotóxicos no Brasil estejam bem acima de US $ 10 bilhões por ano, tornando-se o maior gastador do mundo em agroquímicos.

Os dados são coletados dividindo o mercado de agrotóxicos do Brasil por culturas e tipos de pragas e identificando todos os “segmentos” do mercado que valem mais de US $ 10 milhões. Pesquisadores de mercado da Phillips McDougall, em seguida, coletam dados de vendas dos produtos mais vendidos nesses segmentos.

Isso significa que os dados não cobrem culturas menores – como frutas cítricas – e não cobrem o total de gastos com agrotóxicos em qualquer cultura. No entanto, mostra em detalhes os principais agroquímicos para as culturas que são os maiores mercados de pesticidas.

A análise desses dados nos principais agrotóxicos do Brasil revelou que mais da metade dos gastos (US $ 2,2 bilhões) foram destinados a HHPs.

As plantações de soja foram o destino da grande maioria desses agrotóxicos altamente tóxicos ou prejudiciais ao meio ambiente, representando quase dois terços (US $ 1,3 bilhão) dos gastos em HHPs. Os próximos maiores mercados brasileiros de HHPs foram o milho, a US $ 372 milhões (17%), seguido pelo algodão, a US $ 223 milhões (10%).

Praticamente nenhum desses agrotóxicos perigosos intensivos usa alimentos produzidos diretamente para os brasileiros. Globalmente, cerca de três quartos da soja são usados ​​como ração animal. Da mesma forma, apenas cerca de 2% do milho do Brasil é usado para consumo humano, com a grande maioria usada como alimento animal doméstico ou exportada.

Soya Transport Trucks in Bahia State, Brazil Cerrado Brasileiro e Produção de SojaNas margens da rodovia federal BR-242, no município de Luís Eduardo Magalhães, dezenas de caminhões de transporte aguardam o carregamento de soja. Foto: Marizilda Cruppe / Greenpeace

Três quartos de todos os gastos com HHPs no Brasil que foram identificados na investigação – US $ 1,6 bilhão – se destinaram para as cinco principais empresas da CropLife International.

Identificamos 38 HHPs diferentes vendidos no Brasil por essas empresas – todos sediados na Europa ou nos EUA – em 2018. Entre os principais produtos vendidos pelo grupo, estava a atrazina da Syngenta – um herbicida banido há muito tempo na União Europeia que “causou estragos no mercado. vidas sexuais de sapos“- e o ciproconazol, classificado pela UE como uma toxina reprodutiva da categoria 1b, presume-se capaz de causar defeitos congênitos em nascituros”.

Um porta-voz da Bayer Crop Science, agora um importante fornecedor de glifosato no Brasil e no mundo, disse que o herbicida não deve ser classificado como um pesticida altamente perigoso, simplesmente devido à sua classificação na IARC como um “provável carcinogênico humano”.

Ele acrescentou que “os principais reguladores de saúde em todo o mundo” – incluindo a Agência de Proteção Ambiental dos EUA e a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar – “concluíram repetidamente que nossos produtos à base de glifosato podem ser usados com segurança conforme as instruções e que o glifosato não é cancerígeno”.

Questionado sobre como a Bayer poderia justificar ganhar tanto com a venda de produtos químicos proibidos ou restritos na UE, ele respondeu que “a agricultura é muito diferente de região para região devido a diferentes climas, pragas, doenças e culturas”.

“No Brasil, por exemplo, os agricultores precisam gerenciar pragas, como ferrugem asiática da soja ou pressão de insetos que não existem na Europa”, continuou ele. “Como empresa de inovação, a Bayer está comprometida em desenvolver produtos específicos que atendam aos nossos altos padrões de segurança e às necessidades dos agricultores”.

O diretor de assuntos regulatórios internacionais da CropLife International, Christoph Neumann, disse à Unearthed que alguns dos ingredientes ativos da lista de pesticidas altamente perigosos da PAN International foram incluídos com base em critérios que não atendem às diretrizes da FAO e da OMS. “Os critérios citados pelo PAN geralmente são critérios ambientais que não foram acordados ou ainda endossados pela Reunião Conjunta da FAO / OMS sobre Gerenciamento de Pesticidas (JMPM)”, disse ele. “Os membros da CropLife International reconhecem o risco ambiental na avaliação de todos os pesticidas.”

Ele acrescentou que entre os 19 HHPs da CropLife mais vendidos, identificados na investigação da Unearthed e da Public Eye, todos foram registrados para uso em “pelo menos um país da OCDE” e 12 foram registrados para uso na UE.

Reportagem adicional de Lucy Jordan

_____________________________________________

Esta reportagem foi originalmente publicada em inglês pela Unearthed/Greenpeace [Aqui!].

‘A grande mentira verde’: como a destruição da Amazônia vai além do desmatamento

bbc 13

O tamanho da destruição atual da Amazônia é bem maior do que se acredita.

Atualmente, o bioma contém a maior e mais diversa floresta tropical do mundo, ocupa mais de 6,8 milhões de km2 e abriga 33 milhões de pessoas em nove países.

Em 2018, Brasil Bolívia estiveram entre os cinco países que mais perderam florestas primárias, as matas virgens, no mundo, de acordo com a organização internacional Global Forest Watch.

A grilagem de terras, a expansão de fronteiras agropecuárias, a mineração e a exploração econômica descontrolada, entre outros fatores, são consideradas as principais atividades responsáveis pela perda de floresta.

Mas o desmatamento é só uma parte do problema.

Mapa de localização do bioma amazônico

“Falar só de desmatamento quando falamos da destruição da Amazônia é o que eu chamo de a grande mentira verde”, diz à BBC News Brasil o climatologista Antonio Donato Nobre, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

“A perda de floresta amazônica até hoje é muito maior do que os quase 20% de desmatamento dos quais se fala nos meios de comunicação.

Nobre e outros pesquisadores acreditam que, para ter um panorama mais completo da destruição da floresta, é preciso considerar também a degradação.

Degradação é o fenômeno que acontece quando o acúmulo de perturbações em um trecho de floresta (incêndios, extração de madeira e caça descontrolada, por exemplo) retira daquele ecossistema sua capacidade de funcionar normalmente.

Em 2019, por exemplo, Brasil e Bolívia também viram aumentar dramaticamente o número de incêndios na região amazônica.

“A questão é que a degradação tem um papel importante na maneira como a floresta muda, e nós não estamos vendo. Não há nenhum tipo de política para evitar a degradação”, diz à BBC News Brasil o botânico Jos Barlow, professor da Universidade de Lancaster, no Reino Unido, e pesquisador da Rede Amazônia Sustentável (RAS).

“Assim como uma pessoa saudável tem menos chances de pegar uma gripe, uma floresta saudável tem menos chance de queimar e de sucumbir às mudanças climáticas. O que a degradação faz é deixar a floresta cada vez mais vulnerável”, explica.

Entre as muitas funções da Amazônia está ajudar a América do Sul — e todo o planeta — a equilibrar o clima, distribuir as chuvas pela região e capturar quantidades enormes de dióxido de carbono (CO2), um dos principais gases causadores do efeito estufa.

São papéis fundamentais para mitigar os efeitos da mudança climática. “Podemos ver essas árvores nas fotos de satélite, mas para a função climática essas florestas degradadas já não existem mais”, diz Antonio Nobre.

bbc 12Os dados de destruição da floresta costumam mostrar o corte raso de árvores, mas não a degradação. Getty

O avanço da degradação e o desmatamento estão empurrando o ecossistema para um “ponto de não retorno” no qual ele perderia sua capacidade de funcionar, de acordo com os cientistas Carlos Nobre e Thomas Lovejoy, dois dos principais especialistas em Amazônia no mundo.

Se a situação não for revertida, dizem eles, os impactos dessas mudanças poderiam se acelerar, com consequências catastróficas.

Nem toda perda de floresta é igual

Quando falamos em dados de desmatamento, nem sempre falamos da mesma coisa.

Uma maneira de medir o desmatamento é levando em conta todas as áreas da floresta em que a vegetação foi completamente eliminada. É o que se chama perda de cobertura florestal.

Só em 2018, a perda de cobertura florestal em toda a Amazônia chegou a 4 milhões de hectares (40 mil km2), segundo dados da Global Forest Watch.

loss

Mas algumas destas áreas desmatadas são de florestas primárias, aquelas que se encontram em seu estado original — não afetadas, ou afetadas o mínimo possível, pela ação humana. Por serem mais antigas, elas têm mais diversidade de espécies e guardam mais carbono.

As florestas secundárias, por sua vez, são todas as que estão em recuperação de processos de desmatamento ou de degradação grave. Mas elas podem levar décadas e, em alguns casos, séculos, para voltarem a ter as características que tinham quando primárias se forem mantidas intocadas, o que também é raro.

Em 2018, a Pan-Amazônia, como é chamado o conjunto do bioma em todos os países, perdeu cerca de 1,7 milhão de hectares de floresta primária, segundo os dados produzidos pelo sistema de monitoramento da Universidade de Maryland, nos EUA, e publicados pelo Global Forest Watch.

Isso significa que pouco mais de  de mata virgem foram desmatados a cada minuto em 2018.

A perda pode parecer insignificante perto da imensidão da floresta (representa cerca de 0,32% do total), mas não é uma questão só quantitativa e, sim, qualitativa.

“Essa forma de medir o desmatamento é importante porque as florestas primárias são muito mais ricas e diversas em biodiversidade”, explica Jos Barlow, da Universidade de Lancaster.

bbc 11

Uma floresta é muito mais do que suas árvores. É o produto de todos os processos e interações entre milhares de espécies de plantas e animais que coexistem ali. Por isso a floresta amazônica é insubstituível.

Muitas pessoas acham que para compensar o que perdemos na Amazônia basta plantar árvores em outros lugares. Mas isso está errado.”Erika Berenguer, Universidade de Oxford

“Cada hectare desmatado significa que uma parte do ecossistema deixa de funcionar, e isso afeta todo o resto”, diz à BBC News Brasil a pesquisadora Erika Berenguer, especialista em florestas tropicais da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e da RAS.

Nos últimos dez anos, as taxas de perda de florestas primárias se mantiveram altas ou voltaram a aumentar na maioria dos países amazônico

bbc 10

Nas florestas primárias vivem árvores que podem ter centenas ou até mesmo milhares de anos de idade. Elas cumprem um papel essencial na batalha contra as mudanças climáticas, já que agem como um enorme armazém de dióxido de carbono.

Uma pequena parte do CO2 que as árvores absorvem no processo de fotossíntese é emitida de volta para a atmosfera durante sua respiração. A outra parte é transformada em carbono e usada na produção dos açúcares que a planta necessita para seu metabolismo.

“Medimos a quantidade de carbono em uma árvore pela espessura do tronco. O carbono é armazenado ali, em forma de biomassa”, explica Erika Berenguer.

Por isso, quanto maior e mais antiga a árvore, mais carbono ela costuma armazenar.

bbc 9As queimadas e o corte de madeira fazem com que o carbono armazenado nas árvores se transforme em CO2 e volte à atmosfera. Getty

Segundo Berenguer, uma árvore grande (com pelo menos três metros de circunferência) pode armazenar cerca de 3 a 4 toneladas de carbono.

Isso equivaleria a cerca de 10 a 12 toneladas de dióxido de carbono — ou a média que um carro de passeio emite durante quatro anos.

Um dos efeitos do desmatamento é liberar o CO2 guardado na floresta de volta na atmosfera — seja pela queimada ou pela decomposição da madeira cortada, processos que transformam o carbono das árvores novamente em gás.

Por este motivo, os cientistas temem que a região deixe de ser um armazém de carbono e se transforme em um importante emissor de CO2, acelerando os efeitos da mudança climática. Um estudo recente mostra que cerca de 20% do total da Amazônia já emite mais dióxido de carbono do que absorve.

A destruição (in)visível da floresta

bbc 8Quando a floresta está degradada, fica mais vulnerável a incêndios e a mudanças climáticas. Alexander Leer/RAS

Os sistemas que produzem imagens do desmatamento consideram geralmente o corte raso de árvores, ou seja, áreas em que a vegetação original foi totalmente removida.

No entanto, cientistas como Antonio Nobre acreditam que só o desmatamento não dá corretamente a dimensão da perda. Para isso, seria preciso ter também dados sobre a degradação.

Esse fenômeno é um produto dos eventos climáticos — como as secas — e da ação humana que deixam a floresta mais pobre e vulnerável. Mesmo quando, vista de cima, ela ainda parece seguir em pé.

Atividades como o corte de madeira ilegal e eventos recentes como os incêndios de 2019 fazem parte do problema.

“O solo fica mais frágil e mais seco por causa da remoção da vegetação, ainda que não seja total. Isso muda o microclima da floresta. Fica mais fácil incêndios se espalharem, por exemplo, porque o chão esquenta mais rápido”, explica Alexander Lees, professor de Ecologia Tropical na Universidade Metropolitana de Manchester, no Reino Unido.

No Brasil, entre os meses de janeiro e novembro, o fogo arrasou 70.698 km² (mais de 7 milhões de hectares) de Amazônia. Na Bolívia, o incêndio atingiu mais de 2 milhões de hectares do bioma.

Uma área de floresta degradada também perde, por exemplo, a capacidade de reciclar água da chuva.

“Somando o corte raso e a degradação, mais da metade da Amazônia já tem seus  ao clima da região comprometidos”, afirma Antonio Nobre.

Nenhuma árvore mais pode tombar na Pan-Amazônia.”Antonio Nobre, Inpe

 

bbc 7Poucos países amazônicos divulgam dados anuais de degradação em suas florestas.

Segundo o climatologista, as áreas degradadas da Amazônia chegam a ser até duas vezes maiores que as desmatadas.

Para fazer essa afirmação, ele se baseia no fato de que, só no Brasil, entre 2007 e 2016, foram contabilizados 14,6 milhões de hectares (146 mil km2) degradados na Amazônia brasileira.

Isso é quase o dobro da área desmatada no mesmo período, que foi de 7,5 milhões de hectares (75 mil km2), de acordo com dados do Inpe.

Um relatório recente do governo da Colômbia afirma que entre 2012 e 2015, a região amazônica no país perdeu 187.955 hectares por desmatamento e 414.605 hectares por degradação ​​— mais que o dobro.

Os dados disponíveis, segundo Antonio Nobre, fazem pensar que a área da Amazônia destruída pela ação humana é muito maior do que se acredita.

Jos Barlow, da Universidad de Lancaster, concorda.

“Sabemos que até os números oficiais que temos são subestimados, porque geralmente só se mede a degradação mais grave.”

bbc 6

Mas por que não se fala mais a respeito disso?

“É um fenômeno mais difícil de medir. Mesmo quando é possível enxergar a degradação por imagens de satélite, você precisa ter dados sobre o que está acontecendo no solo para entender se aquela área está mais ou menos degradada, se está se recuperando”, explica o pesquisador Alexander Lees.

Entre os países amazônicos, só o Brasil publica sistematicamente dados anuais de degradação.

No entanto, cientistas de toda a região estão tentando medir o fenômeno, para fazer um retrato mais amplo do estado atual do bioma.

bbc 5O modelo que projeta um ponto de inflexão da Amazônia nos próximos 20 a 30 anos ainda não inclui dados de degradação. Getty

Se o desmatamento e a degradação continuarem nos ritmos atuais, a Amazônia pode deixar de funcionar como um ecossistema tropical em breve, mesmo que parte dela continue de pé.

Atualmente, pouco mais de 18% de toda a floresta original foi desmatada, de acordo com dados do projeto de monitoramento Mapbiomas, parceria entre universidades, ONGs, institutos de todos os territórios amazônicos e o Google.

O número é perigosamente próximo do que o biólogo americano Thomas Lovejoy e o climatologista brasileiro Carlos Nobre, do Instituto de Estudos Avançados da USP, chamam de tipping point (ponto de não retorno, em inglês).

Eles se referem ao momento em que o desmatamento, em conjunto com as mudanças climáticas e a vulnerabilidade a incêndios mudarão completamente a Amazônia.

Esse ponto ocorrerá, segundo eles, quando entre 20% e 25% da floresta original estiverem destruídos.

De acordo com os cálculos de Nobre e Lovejoy, o tipping point pode acontecer nos próximos 20 a 30 anos, mantida a taxa atual de cerca de 1,5 milhão de hectares (15 mil km2) desmatados em média por ano em toda a região.

“Se chegarmos a esse ponto, aumentará a duração da estação seca e a temperatura da floresta. A partir daí, as árvores começarão a morrer de maneira acelerada, e isso criará um ciclo vicioso. O que era floresta tropical ficará parecido com o cerrado brasileiro, mas como uma espécie de savana pobre, sem a rica biodiversidade do cerrado”, diz Carlos Nobre à BBC News Brasil.

bbc 4

No estudo, os cientistas projetam um cenário para 2050 (confira na imagem acima) no qual a Amazônia perdeu 20% de floresta e está mais vulnerável a incêndios, em que a temperatura da região aumentou 3°C e em que aumentou cerca de 30% a concentração de CO2 na atmosfera.

“Neste cenário, teríamos até 60% da floresta transformada nesta savana pobre”, afirma o pesquisador.

A projeção, no entanto, ainda não inclui detalhadamente a degradação, pela dificuldade de conseguir dados da Pan-Amazônia.

Isso significa que a floresta poderia estar ainda mais próxima do ponto de não retorno. Segundo Nobre, há planos de incluir o fenômeno em uma próxima análise.

Mas o que acontece após o ponto de não retorno?

Menos chuva

Os cientistas ainda não sabem com precisão todos os possíveis efeitos de uma transformação brusca da floresta amazônica.

Mas, segundo as estimativas de Carlos Nobre, a temperatura na região poderia aumentar de 1,5°C a 3°C nas regiões que se tornarem savanas pobres. Isso sem contar o aumento já esperado com o aquecimento global.

Em 2012, um estudo da Universidade de Leeds afirmou que o desmatamento pode fazer com que as chuvas na Amazônia diminuam cerca de 12% durante a estação chuvosa e 21% na estação seca até 2050.

bbc 3

Legenda:A transformação da Amazônia em savana pode ter um efeito catastrófico para a economia da América do Sul. Marizilde Crupe/RAS

Com menos  na floresta, diminuiríam também as chuvas na bacia do rio da Prata, e a temperatura no Centro-Oeste brasileiro poderia aumentar em até 2°C.

Isso teria um efeito catastrófico para a economia regional. Menos chuva e mais calor significaria menos água para a pecuária e para cultivos como a soja.

“Certamente, haveria diminuição da produtividade da agropecuária nas partes da região que são mais importantes para essas atividades”, diz Carlos Nobre.

Mais doenças

Estudos feitos na Amazônia brasileira e em outras florestas tropicais do mundo relacionam o desmatamento a um aumento na incidência de doenças transmitidas por mosquitos, como a malária e a leishmaniose.

“Em um ambiente rico em biodiversidade, a proliferação do vírus se dilui, porque há mais espécies que podem ser incubadoras.  como os mosquitos têm uma oferta de alimento grande”, disse a bióloga Márcia Chame, pesquisadora da Fiocruz, à BBC News Brasil.

O processo de queimadas e degradação faz com que os bichos busquem outras fontes alimentares, explica Chame. Isso normalmente aproxima o ciclo de algumas doenças das cidades.

A perda de áreas de floresta pode fazer com que mosquitos transmisores de vírus tenham maior contato com humanos. Getty

“Não sabemos ainda o que vai acontecer, mas temos elementos para dizer que, com menos floresta, há um risco alto de termos mais transmissão em humanos”, alerta a bióloga.

O aumento da temperatura causado pelas mudanças na floresta também pode provocar mais mortes e internações por doenças cardiovasculares e respiratórias relacionadas ao calor, segundo a pesquisadora Beatriz Oliveira, da Rede Brasileira de Pesquisas em Mudanças Climáticas.

“Mesmo mantendo as condições que temos hoje, a temperatura na região amazônica poderia aumentar até 8°C, somando o desmatamento e o aquecimento global, a partir de 2070. Com a substituição da floresta por outro ecossistema, esse incremento poderia ser maior ou acontecer bem antes”, adverte.

É possível evitar o ‘tipping point’?

De acordo com Carlos Nobre, há uma maneira de prevenir a transformação da floresta em savana:

“O que precisamos fazer imediatamente é adotar uma política de desmatamento zero na Pan-Amazônia e, junto com ela, um grande programa de restauração florestal no sul, no sudeste e no leste da Amazônia, que são os trechos mais vulneráveis”, afirma.

“Se conseguíssemos reflorestar 60 ou 70 mil km2 dessa grande área, onde a estação seca já está mais longa, poderíamos fazer a floresta voltar a funcionar melhor ali, ela ficaria mais resiliente.”

O objetivo não parece fácil de ser atingido no futuro próximo.

bbc 1Em toda a Amazônia há cerca de 100 tribos indígenas com as quais há pouco ou nenhum contato. Getty

Em setembro de 2019, representantes de sete países amazônicos — sem a presença de Venezuela e Guiana Francesa — se reuniram em Leticia, na Colômbia, com um objetivo de criar uma agenda de prevenção de crises ambientais como os incêndios recentes.

O resultado foi o Pacto pela Amazônia, um acordo de 16 medidas não obrigatórias, mas que indicam um compromisso dos países contra o avanço da destruição da floresta. No entanto, o texto não coloca metas específicas para a redução do desmatamento, nem para um plano de reflorestamento.

Todos os políticos falam a frase célebre: preservação sim, mas com desenvolvimento. Mas está escondido na palavra desenvolvimento um modelo que só consegue ver a atividade econômica sem a floresta. Isso precisa mudar, e precisa ser agora.”Carlos Nobre, USP

Créditos

Reportagem: Camilla Costa

Texto: Camilla Costa e Carol Olona

Design e gráficos: Cecilia Tombesi

Programação: Marta Martí e Marcos Gurgel

Estimativas do gráfico sobre espécies em 1 hectare de Amazônia: Jos Barlow y Alexander Lees, da Rede Amazônia Sustentável, com base em estudos científicos (https://doi.org/10.6084/m9.figshare.10104368).

Agradecimentos: Carlos Nobre, Antonio Nobre, Rede Amazônia Sustentável, Rede Amazônia de Informação Socioambiental Georreferenciada (Raisg), Júlia Jacomini, Gustavo Faleiros, Infoamazônia, Thiago Medaglia, Erika Berenguer, Rodrigo Botero, Mikaela Weisse, Global Forest Watch.

____________________________________________________

Esta reportagem foi originalmente publicada pela BBC News Brasil [Aqui!].

Brasil: relator da ONU denuncia impunidade por crimes ambientais

O governo Bolsonaro nega medidas mais rígidas de controle ambiental. Tuncak alerta para criminalização de ambientalistas

brumadinhoEm 25 de janeiro de 2019,  uma represa de uma bacia de retenção de rejeitos da mina Córrego do Feijão rompeu  próximo à pequena cidade de Brumadinho. FONTE:JESO CARNEIRO

Por Ulrike Bickel para o Amerika21

Genebra. O relator especial da ONU sobre toxinas e direitos humanos, Baskut Tuncak, reclamou da impunidade por crimes ambientais no Brasil . O país está em um “caminho trágico de desmantelar as instituições de proteção ambiental”, resume Tuncak após sua missão de investigação de duas semanas em dezembro de 2019.

Ele citou como exemplos o aumento das taxas de desmatamento e incêndios na região amazônica, o atual desastre de petróleo na costa, o uso intensivo de pesticidas e substâncias tóxicas altamente perigosas na indústria de mineração. O especialista da ONU manifestou grande preocupação, pois o governo do presidente Jair Bolsonaro não se comprometeu com medidas mais rígidas de controle ambiental.

Algumas autoridades chamariam certos casos de “crimes ambientais”, mas nenhum processo ou penalidade seria iniciada. O conhecimento da impunidade está incentivando os criminosos a envenenar cada vez mais inescrupulosamente as pessoas, tomar suas terras e destruir o meio ambiente. A não acusação de crimes ambientais por parte do judiciário causa mudanças ecologicamente fatais no uso da terra em favor da expansão da agricultura industrial e da mineração intensiva em áreas.

Ao mesmo tempo, Tuncak alertou para a crescente criminalização de ambientalistas e defensores dos direitos humanos. O atual governo está rompendo os canais estabelecidos de cooperação com os atores da sociedade civil e tentando intimidá-los e silenciá-los.

Tuncak pediu ao governo um convite oficial várias vezes antes de finalmente ser concedido. Nenhum ministro o recebeu durante sua visita. O governo havia dado feedback apenas cinco dias antes do início da missão após o envio de sua agenda de viagens. No Brasil, o relator recebeu apoio adequado em nível de trabalho do Ministério das Relações Exteriores e do Ministério dos Direitos Humanos, mas não estava entusiasmado com o Ministério do Meio Ambiente.

O Relator Especial também visitou as vítimas de duas barragens em Mariana e Brumadinho, no estado de Minas Gerais. No minério de ferro a céu aberto Córrego do Feijão teve em 25 de janeiro de 2019 da mineradora brasileira Vale do Rio Doce, um acidente de ruptura da barragem ocorreu . Cerca de doze milhões de metros cúbicos de lodo cheio de resíduos tóxicos se espalharam por uma área de aproximadamente 290 hectares e enterraram pessoas, casas e animais entre si. Pelo menos 270 pessoas morreram. No caso do colapso da barragem de Fundão, um dique de esclarecimento da produção de minério de ferro da empresa Samarco foi quebrado em 2015. Como resultado, uma avalanche de 60 milhões de metros cúbicos de lodo tóxico com mais de 663 quilômetros de extensão foi derramada nos rios Gualaxo do Norte, Carmo e Doce. O desastre matou 19 pessoas, afetou o abastecimento de água de 35 comunidades e cerca de 1.200 famílias perderam suas casas; as duas aldeias Bento Rodrigues e Paracatu foram completamente destruídas.

Segundo Tuncak, ele teve conversas “difíceis” com moradores e sobreviventes de ambos os desastres ambientais. O que mais o chocou foi a lenta resposta das autoridades e a dependência do governo das empresas responsáveis. Durante anos, eles se recusaram a reconhecer a situação ecologicamente contaminada. Por outro lado, os efeitos na saúde da exposição ao lodo tóxico se tornariam cada vez mais claros para a população quatro anos após o acidente em Mariana. As empresas continuaram abusando de seu poder, disse Tuncak, impedindo a publicação de informações sobre questões relativas à saúde e segurança.

O relator da ONU também problematizou o fato de que o governo Bolsonaro aprovou centenas de novos agrotóxicos.  Tuncak aponta que o Ministério da Agricultura subestimou este problema. Ele se reuniu com médicos e funcionários  que disseram que havia um problema com comunidades sendo envenenadas por agrotóxicos Mas funcionários do governo indicaram que não têm os recursos para garantir a vigilância necessária. O Brasil permite dezenas de agrotóxicos altamente perigosos que são proibidos na UE e em muitos outros países. A ação ou inação do governo Bolsonaro desencadeou uma onda catastrófica de aumento do uso de agrotóxicos tóxicos, desmatamento e mineração que  vão envenenar até as gerações futuras.

Segundo o currículo do especialista da ONU, o Brasil não cumpriu sua obrigação constitucional de proteger os direitos humanos da exposição a substâncias tóxicas e resíduos perigosos. Cortou ministérios e fundos importantes para programas ambientais e sociais, restringiu a participação dos cidadãos e falhou em aplicar as leis e decisões judiciais existentes para proteger contra toxinas.

O especialista apresentará seu relatório final ao Conselho de Direitos Humanos da ONU no segundo semestre de 2020.

___________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em alemão Amerika 21 [Aqui!].

Perspectivas sombrias para o Brasil

Quatro pesquisas de institutos renomados indicam crescimento lento da economia e perda de importância como destino de investimentos. Sem aumento da produtividade, desemprego não deve diminuir nos próximos anos.

desempregoBrasil ameaça ter mesmo destino de Espanha e Grécia quanto ao alto desemprego

Por Alexander Busch para a Deutsche Welle

A reunião anual do Fórum Econômico Mundial em Davos é sempre uma boa ocasião para um registro do momento econômico e para um prognóstico: como a economia global continuará a crescer, quais são os maiores problemas? Pois pontualmente para o encontro nos Alpes suíços, inúmeras organizações e empresas fornecem suas previsões para o desenvolvimento da economia global. 

Essas previsões podem, claro, estar erradas. Por exemplo, é surpreendente que o Fundo Monetário Internacional (FMI) preveja que a economia global cresça 3,3% este ano. Por outro lado, o Banco Mundial – a entidade “irmã” do FMI em Washington e responsável pelo financiamento de projetos de desenvolvimento – espera apenas 2,5%.

As análises da perspectiva brasileira levam a uma constatação chocante: as perspectivas para a maior economia da América Latina são sombrias. As únicas boas notícias vêm do FMI, que aumentou levemente a projeção de crescimento do Brasil para este e próximo ano: de 2% para 2,2% neste ano e para 2,3% em 2021.

Isso faz do Brasil um dos poucos países cuja perspectiva melhorou nos últimos meses. As previsões para a Índia, México ou África do Sul, por exemplo, foram revisadas significativamente para baixo.

Mas a melhora não é realmente um motivo de alegria para o país. Com 2,2% este ano, o Brasil deverá crescer muito mais lentamente do que a economia global como um todo (3,3%). 

Em comparação com os mercados emergentes, ou seja, com as outras economias em ascensão, a situação do Brasil é ainda pior: o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro será provavelmente apenas metade daquele registrado por esse grupo de países, que precisam de um crescimento particularmente alto para reduzir a pobreza em seus territórios.

A economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, disse que, por um lado, a reforma previdenciária e as baixas taxas de juros no Brasil melhoraram as perspectivas de crescimento. Mas isso está longe de ser o suficiente para permitir que o país cresça de forma duradoura. Segundo Gopinath, novas reformas no setor público são urgentemente necessárias.

A pesquisa realizada pela empresa de consultoria Pricewaterhouse Coopers (PwC) entre 1.581 líderes empresariais em todo o mundo também foi decepcionante: quando indagados sobre qual país desempenharia um papel importante nos negócios globais, o Brasil passou de 6º no ano passado para 9º lugar em 2020. 

Durante anos, o Brasil esteve no topo da lista, ao lado da China, dos EUA e da Alemanha, como um dos locais de investimento mais importantes do mundo. Agora, polos e mercados como Japão, Austrália ou França deixaram o Brasil para trás.

Os prognósticos são ainda mais pessimistas quando se analisam isoladamente as previsões dos líderes empresariais brasileiros na pesquisa: 78% dos CEOs disseram esperar que o faturamento aumente este ano. Mas a maioria dos chefes de empresas deseja alcançar esse aumento de receita através do crescimento orgânico. 

Em linguagem simples, isso significa que as empresas não estão planejando nenhum investimento para expandir suas capacidades este ano. Elas ainda se encontram subutilizadas após seis anos de recessão e estagnação.

As consequências sociais dessa baixa disposição para o investimento ficam evidentes na pesquisa da Organização Internacional do Trabalho (OIT), mostrando que o desemprego pouco diminuirá no Brasil nos próximos cinco anos. Em vez de 12% de taxa de desemprego, 11,4% dos brasileiros em idade ativa ​​ainda estarão sem trabalho em 2025. 

Ou seja, em vez dos 12,8 milhões de desempregados de 2019, haverá “apenas” 12,6 milhões de pessoas à procura de trabalho daqui a cinco anos. A OIT diz sucintamente: “Não vemos razão para supor que o desemprego caia abaixo do nível de 2014 nos próximos anos.”

No início da recessão, a taxa de desemprego de 6,7% no Brasil era pouco menos da metade do que vem sendo há três anos. No país, essa taxa é atualmente cerca de três vezes maior que a média global. O Brasil ameaça ter o mesmo destino da Espanha ou da Grécia, onde o desemprego ainda é extremamente alto, mesmo uma década depois da crise financeira global.

Para esclarecer o quadro sombrio: é impressionante que tanto o FMI quanto o Banco Mundial como a OIT vejam a quase paralisada produtividade da economia brasileira como o principal obstáculo para a criação de mais empregos e rápido crescimento: além da formação profissional, são as condições básicas da economia que precisam ser urgentemente melhoradas.

A implantação do 5G e da inteligência artificial, como também a digitalização do setor público e da economia devem agora ser promovidos o mais rápido possível.

Há mais de 25 anos, o jornalista Alexander Busch é correspondente de América do Sul do grupo editorial Handelsblatt (que publica o semanário Wirtschaftswoche e o diário Handelsblatt) e do jornal Neue Zürcher Zeitung. Nascido em 1963, cresceu na Venezuela e estudou economia e política em Colônia e em Buenos Aires. Busch vive e trabalha em São Paulo e Salvador. É autor de vários livros sobre o Brasil.

__________________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado pela Deutsche Welle [Aqui!].

Repressão a ativistas marca escalada autoritária no Brasil

No Dia dos Direitos Humanos, ONGs, artistas, cientistas e jornalistas assinam petição em defesa da democracia no país

cop 25Brasil ganha prêmio ‘Fóssil do Dia’ na COP 25 por ‘culpar a sociedade civil pelas queimadas na Amazônia’

Em 26 de novembro, menos de uma semana antes do início da COP25, uma ação policial sem precedentes na cidade de Santarém, na Amazônia brasileira, prendeu quatro bombeiros voluntários e invadiu o escritório de uma das ONGs mais respeitadas do Brasil, sob falsas acusações. Cinco dias depois, outra ação policial causou a morte de nove jovens em um bairro pobre de São Paulo. Hoje, no Dia dos Direitos Humanos, 124 organizações da sociedade civil e mais de 500 ativistas, artistas, cientistas, promotores públicos e jornalistas lançam um alerta na COP25: a democracia no Brasil está em risco e uma escalada autoritária está em andamento.

“Pela primeira vez, em mais de três décadas, vemos demonstrações de retrocesso em algumas liberdades fundamentais duramente conquistadas”, diz a carta que será lançada às 17h15 (horário local) no Centro de Ação Climática do Brasil (Zona Azul) , pavilhão 8). Entre seus signatários estão sete ex-ministros, como Marina Silva e Izabella Teixeira (Meio Ambiente), artistas como o cineasta Fernando Meirelles (Os Dois Papas, Cegos), e cientistas como o climatologista Carlos Nobre e o biólogo Braulio Dias (ex-secretário executivo da Convenção de Biodiversidade da ONU).

“Integrantes do Governo Federal declaram sua simpatia a instrumentos que restringiram a liberdade e direitos políticos e civis no período ditatorial; o governo envia ao Parlamento um projeto de lei que evita a punição de forças policiais que venham a matar manifestantes; ativistas ambientais são presos e têm suas casas invadidas e organizações da sociedade civil têm seus escritórios vasculhados por policiais com base em acusações e mandatos judiciais desprovidos de fundamentos fáticos”, continua a carta. “Passa da hora de toda a sociedade brasileira dizer claramente: não toleraremos afrontas a nossos princípios democráticos.”

O próprio local do evento de hoje fala muito sobre a relação entre governo e participação pública durante o governo Jair Bolsonaro: o Centro de Ação Climática do Brasil na COP25 foi organizado pela sociedade civil, uma vez que não apenas o Brasil não possui um espaço nacional na COP – pela primeira vez em uma década – mas também tentou manter distante a sociedade civil, negando o credenciamento a ambientalistas, povos indígenas, academia e (à maioria) das empresas.

________________________________________________________________

Esta nota foi produzida pela Assessoria do WWF-Brasil.