Hegemonia chinesa chega na produção científica e evidencia corrosão da hegemonia dos EUA e o aumento do atraso do Brasil

china eua produçãoChina superou pela primeira vez os EUA na publicação de artigos científicos

Graças ao jornal “Folha de São Paulo”, temos agora mais uma prova de que a hegemonia chinesa se consolida cada vez mais em plano global. É que a partir de um levantamento feito sobre a publicação de artigos científicos, a matéria mostra que a China ficou em primeiro lugar, deixando os EUA em segundo. Além disso, a matéria mostrou que a liderança chinesa se dá a partir de publicações nas áreas de de biologia molecular e a farmacologia, principalmente com pesquisas relacionadas diretamente à COVID-19.  Além disso, a China também está em primeiro lugar em assuntos como astronomia, agricultura, ciências da computação e engenharias.  Essa situação representa um verdadeiro rearranjo na “tectónica de placas” que controlam a dinâmica da ciência mundial.

Segundo os jornalistas Sabine Righetti e Estêvão Gamboa, os dados obtidos da  Plataforma Scimago incluem métricas de mais 20.000 periódicos científicos listados pela base Scopus, sendo artigos do tipo “revisados por pares”, o que reforça a noção de que estes artigos todos não refletem apenas uma dominância quantitativa, mas também qualitativa.

Como alguém que acompanha o debate em torno da dualidade “quantidade versus qualidade”, acrescento ainda que o governo chinês vem adotando medidas para conter a publicação de artigos de baixa qualidade científica e até mesmo o envolvimento de seus pesquisadores com revistas “predatórias”. Em função disso,  o governo chinês vem adotando uma série de sanções contra pesquisadores pegos adotando práticas impróprias, a quais incluem proibições temporárias de solicitação de financiamento ou perda de bolsas e promoções – seguem uma política introduzida em setembro do ano passado com o objetivo de eliminar as fábricas de artigos científicos e lidar com outras condutas impróprias. 

O Brasil no caminho inverso ao da China

Um caminho oposto está sendo adotado no Brasil onde não apenas temos os piores níveis de financiamento em ciência e tecnologia em mais de uma década, mas também a ação livre, leve e solta de revistas predatórias que ajudam um número indeterminado de pesquisadores a terem vantagens indevidas na obtenção de recursos estatais para o custeio de suas pesquisas.

O resultado da adoção desse caminho inverso ao chinês é que estamos perdendo tração na produção científica, seja em termos de quantidade, mas principalmente de qualidade. O resultado dessa perda de tração não deverá se dar no plano imediato, mas principalmente em médio e longo prazo, causando danos consideráveis à capacidade do Brasil de estabelecer novos padrões de competição nas próximas etapas da produção capitalista, as quais vão depender justamente da capacidade de investir e produzir ciência em áreas de ponta, tal qual os chineses estão fazendo neste momento.

O domínio chinês veio para ficar?

Uma pergunta que sempre pode aparecer é se esse sucesso chinês é do tipo “gigante de pés de barro”. A minha impressão é que não, pois o nível de investimento que está em curso dentro de um planejamento de fortalecimento em linha da ciência chinesa é uma garantia de que mesmo removido o peso das publicações de baixa qualidade, a China vai continuar se consolidando como principal potência científica do planeta.

Como ciência será a principal commodity das próximas décadas, a grande possibilidade é que a migração do centro da ciência mundial dos EUA para a China não apenas vá se manter, mas também irá se aprofundar, causando profundos impactos no desenho econômico da economia mundial. 

Já para o Brasil, mantidas a atual situação criada pelo chamado “teto de gastos”, o que nos espera é um aprofundamento do processo de dependência tecnológica e, consequentemente, de atraso em relação às potências científicas globais. Por isso, na campanha presidencial de 2022, a comunidade científica brasileira terá que se organizar para oferecer um conjunto de propostas que nos permitam superar a atual dinâmica que mistura pobreza de financiamento com ação livre de pesquisadores que abraçaram as revistas predatórias para inflar seus números.

COP-26: O Brasil no contexto das mudanças climáticas

cop-26 queimadas
Por Ivan Carneiro Castanheiro*
Combater as mudanças climáticas constitui-se em um dos principais desafios da humanidade neste século. Há reconhecida relevância da comunidade política e científica internacional quanto à importância em se efetuar o planejamento e a gestão ambiental em nível global, continental, por países, estados, municípios, bem como pelas empresas privadas, em especial as corporações de grande porte e as multinacionais (Políticas de ESG). Deve-se buscar a inovação e o desenvolvimento de novas tecnologias e serviços, com vistas a redução e adequação das várias atividades antrópicas, as quais vêm degradando a qualidade do ar, elevando temperatura e ameaça à biodiversidade e à vida e saúde humana no planeta.

Essas atividades intensificaram-se após a segunda guerra mundial, com a revolução industrial e a explosão demográfica, sendo urgente buscar um equilíbrio entre crescimento econômico desordenado, que difere de desenvolvimento econômico sustentável, e a necessidade de expansão de renda, emprego e alimentação, visando atender às necessidades humanas e da economia.

As atividades econômicas e as ações diárias das pessoas, de forma direta ou indireta, geram emissão de gases do efeito estufa (GEE), devendo elas serem adaptadas segundo a melhor tecnologia disponível e em alguns casos reduzidas, visando diminuir a concentração de gases do efeito estufa (GEE) na atmosfera. Este aquecimento global tem impactos profundos no planeta, contribuindo para o fenômeno da inversão térmica (camadas da atmosfera sofre inversão, ficando as mais frias próximas ao solo, com elevação das camadas mais quentes, gerando dificuldades na circulação do ar e maior concentração de poluentes).

Neste diapasão, de se consignar que a variação climática experimentada não é natural, extrapolando os parâmetros históricos. Segundo anotado pelos autores da cartilha produzida pela ABRAMPA (Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público), com base em informações do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais): “as consequências do aumento de temperatura são graves para todos os seres vivos, incluindo o homem. Vale elencar alguns efeitos do aquecimento global: extinção de espécies animais e vegetais, alteração na frequência e intensidade de chuvas (interferindo, por exemplo, na agricultura e na saúde), elevação do nível do mar e intensificação de fenômenos meteorológicos (por exemplo: tempestades severas, inundações, vendavais, ondas de calor, secas prolongadas), entre outros.”

Para tentar evitar este cenário catastrófico que se avizinha, por meio das ações da COP-26 (Conferência do Clima), instância máxima da Organização das Nações Unidas (ONU), vinham sendo negociadas ações efetivas de combate à elevação da temperatura da terra em no máximo 1,5 °C. Entendem muitos cientistas que este é o último momento que temos para agir, de forma eficaz, visando evitar os eventos climáticos extremos e seus devastadores efeitos sobre o planeta ou porções dele.

Entretanto, a COP-26, realizada em Glasgow, na Escócia, encerrada no último dia 13 de novembro, ainda que tenha reconhecido a importância de combater as causas das mudanças climáticas, obtido o consenso científico em torno da necessidade de redução dos gases de efeito estufa, bem como a redução ilegal dos desmatamento e as queimadas florestais, o que ocorre especialmente em função das atividades agropecuárias em extensas áreas florestais, como no Bioma Amazônico, deixou muito a desejar quanto aos acordos formalmente assumidos pelas nações desenvolvidas.

Os aportes financeiros anuais que se destinariam a combater os efeitos deletérios nos ecossistemas ainda preservados ou que necessitem de recuperação, nos 134 países do denominado G-77, não viera como era esperado. Assim, é de se concluir que as promessas e declarações favoráveis dos grandes líderes mundiais na defesa do Meio Ambiente ficaram mais nas intenções do que nas ações, nada obstante os positivos efeitos de manifestações da sociedade civil, incluindo os jovens.

Fazia-se necessário um efetivo comprometimento com a redução dos gases do efeito estufa, decorrentes do uso de combustíveis fósseis (carvão e petróleo). É bem verdade que a precificação do carbono, via crédito de carbono, alivia um pouco o balanço das emissões, mas por outro lado acaba se constituindo em uma espécie de salvaguarda para justificar as atividades poluentes, distorcendo o princípio do poluidor-pagador.

Países altamente poluentes, como a China (emissão de 5 bilhões de toneladas de carvão por ano), Índia e Estados Unidos (onde estão as grandes companhias de petróleo), os três principais emissores de combustíveis fósseis em ordem decrescente, pouco se comprometeram, até porque a China nem mesmo compareceu à conferência.

Por outro lado os conhecimentos científicos acabaram sendo relegados, adiando-se os compromissos com os direitos fundamentais e com a democracia participativa na área ambiental, promovendo-se uma injustiça climática contra a humanidade, que não foi ouvida nas tomadas de decisões, em nome de uma disputa pela hegemonia econômica entre China e EUA.

Perde-se, assim, a oportunidade de mitigar e adaptar as atividades econômicas aos efeitos das mudanças climáticas, bem como se estabelecer um modelo de governanças internacional quanto às políticas públicas ambientais. Entretanto, a poluição ambiental e seus efeitos deletérios à humanidade e à biodiversidade não respeita fronteiras geopolíticas e nem fica na dependência de posicionamentos ideológicos de governos, devendo ser política de cada um dos países.

No tocante ao Brasil, seu chefe maior nem mesmo compareceu pessoalmente à COP-26, preferindo outras agendas internacionais, perdendo uma oportunidade de demonstrar que o Brasil quer se habilitar a receber recursos financeiros de outros países e da atividade privada. Perde-se a oportunidade de se dar efetivo passo rumo à economia verde e mudar os paradigmas do agronegócio, em especial aos olhos do mundo. Prejudica-se, o mercado para exportação. Não se pode perder de vista que o Brasil é exportador de commodities e altamente vulnerável a boicotes internacionais, decorrente de sua política antiambiental praticada nos últimos tempos.

Em resumo, observamos que os resultados da COP-26 constituíram-se em pequenos avanços, como por exemplo a substituição da eliminação dos combustíveis fósseis por mera menção à redução dos níveis de sua emissão, o que não atende às necessidades do estado de emergências climáticas em que já entramos, segundo renomados cientistas.

Urgente que alteremos as matrizes energéticas do país, substituindo a energia hidrelétricas por energia solar e energia eólica, com incentivos fiscais e financiamentos subsidiado por órgãos governamentais. Importante a implantação de equipamentos veiculares redutores de emissão de gás carbônico, bem como de veículos elétricos, hoje 10% da frota europeia.

Apesar da conjuntura geopolítica não favorável, bem como dos prejuízos decorrentes da retomada econômica no pós-COVID, este ainda não encerrado e que continua a ameaçar a economia mundial, urge que as medidas ambientais sejam retomadas em prol da garantia do futuro da humidade e dos ecossistemas, pois a natureza não pode esperar e a Terra não é resiliente o suficiente, já estando no limite de sua capacidade ecológica.

Passa do momento de substituirmos as palavras por ações, com as adaptações nas atividades econômicas, visando minimizar os efeitos deletérios das emissões de GEE no aquecimento global, adaptando-se as atividades econômicas poluentes, com absorção das externalidades negativas ao preço dos produtos e serviços oferecidos no mercado.

Deve-se construir um consenso internacional para apoio financeiro dos países desenvolvidos aos países pobres e em desenvolvimento, e não apenas haver transferência de tecnologia.

Necessário que o governo brasileiro efetivamente aja para demonstrar à comunidade internacional que mudou seus parâmetros de política ambiental. Do contrário, não haverá disposição de líderes mundiais das grandes potências e nem dos conglomerados internacionais, em investirem em um país que não zela pela proteção de seus bens naturais, considerados o celeiro do mundo, constituindo-se em um risco ao planeta e para a economia, graças ao passivo ambiental que vem gerando ao longo do tempo, inclusive com riscos às instituições financeiras.

O Brasil é reconhecido como um país-chave no equilíbrio climático do planeta, mas precisa se comportar como tal na mesa de negociações, construindo, de maneira madura, consensos e não produzindo dissensos. Antes de fazermos exigências por investimentos a fundo perdido no país, precisamos transformar promessas vagas em planos detalhados de ações, com cronogramas factíveis e cumpri-los. Só assim poderemos passar a gozar de credibilidade internacional e termos condições de impor nossos legítimos anseios e objetivos de contarmos com ajuda internacional para nos auxiliar na proteção ambiental do planeta, sem sacrificarmos a população e nosso produto interno bruto.

O Brasil, alheio aos anseios mundiais por um meio ambiente provedor de dignidade humana, e na contramão da história, perde mais uma oportunidade de compatibilizar economia e desenvolvimento econômico sustentável, tal qual previsto no artigo 170, inciso VI e art. 225 da Constituição Federal. A defesa do meio ambiente na legislação brasileira está na Carta Magna, não se tratando de ideologia de ambientalista, como alguns querem fazer parecer. Até porque meio ambiente faz parte do sistema de direitos humanos, por se tratar de direito fundamental, com proteção garantida em tratados internacionais, dos quais o país é signatário.

Ivan Carneiro Castanheiro é promotor de Justiça (GAEMA – MPSP), mestre em Direito pela PUC-SP, membro do MPD, Prof. da ESMP-SP e da UNIP e vice-diretor ABRAMPA – Região Sudeste.
compass
Este texto foi originalmente publicado pelo jornal “O Estado de São Paulo” [Aqui!].

Brasil, o pária

pariah

Um dos elementos mais autodestrutivos que o governo Bolsonaro deixará como legado para o Brasil é o indisfarçável processo de isolamento internacional. Um processo que foi gerado por uma combinação de práticas negacionistas no tocante ao conhecimento científico (seja na área das mudanças climáticas ou da pandemia da COVID-19) e a adoção de um ideário que vê na conservação ambiental e na proteção dos povos originários uma negação das perspectivas de crescimento econômico. Há ainda uma adesão óbvia a agendas obscurantistas no tocante aos direitos das mulheres.

Como consequência dessa combinação de elementos que retroagem a política externa brasileira a uma espécie de  idade média da diplomacia internacional, o Brasil acabou se tornando algo que nem longos períodos de regimes militares conseguiram, qual seja, a sua transformação em uma espécie de pária global. 

O presidente Jair Bolsonaro, cada vez mais aferrado à sua agenda ideológica, agora decidiu que comparecerá à Assembleia Geral da ONU sem se vacinar ou, pelo menos, mostrar o seu cartão de vacinação. Ainda que Jair Bolsonaro não seja o único chefe de estado que comparecerá nessa condição (afinal de contas existem outros líderes mundiais que negam o conhecimento científico), essa negativa representará um tijolo a mais no muro de isolamento que seu governo construiu de forma relativamente veloz desde sua chegada ao poder.

Obviamente há que se reconhecer que existe um forte grau de cinismo nas relações internacionais, e nem sempre as reações são proporcionais às afrontas cometidas por este ou aquele líder. Mas o problema é que vivemos um tempo bastante complexo, já que se combina uma pandemia que não quer ceder com um cenário que combina crise econômica com os problemas gerados pelas mudanças climáticas, gerando uma espécie de feedback positivo de efeitos perversos que se retroalimenta, agudizando um processo de crise global. Com isso, a paciência com países (especialmente aqueles situados na periferia do Capitalismo) que insistem em se comportar de forma inexplicavelmente autosuficiente, como é o caso do Brasil sob a liderança de Jair Bolsonaro.

Certamente Jair Bolsonaro será levado a crer por aqueles segmentos que o apoiam (especialmente os membros de sua aliança que junta latifundiários, madeireiros, garimpeiros e pastores evangélicos) que nada do que for dito no exterior terá efeito prático sobre o que ocorre dentro do Brasil.  Entretanto, essa é uma crença infundada, pois isso não está nem um pouco próximo da verdade.  Isso, por exemplo, explica o aparente racha dentro do chamado “agronegócio” onde os agentes que operam “dentro da porteira” estão sendo isolados por aqueles segmentos que operam “fora da porteira”, pois as práticas anti-ambientais e as ações contra os povos originários comprometem a entrada em um número crescente de países das commodities brasileiras.

O fato é que Jair Bolsonaro e sua agenda ideológica colocaram o Brasil numa posição de pária internacional, o que, cedo ou tarde, poderá lhe custar a cadeira de presidente, seja por impeachment ou por derrota eleitoral. É que não interessa aos controladores de fato da economia brasileira que a condição de pária permaneça por muito tempo, pois claramente concorre contra os negócios que eles fazem.

Nova série do MapBiomas revela que quase 20% do território brasileiro pegou fogo ao menos uma vez entre 1985 e 2020

Iniciativa pioneira de mapeamento histórico das cicatrizes do fogo no Brasil gera o mais abrangente banco de dados sobre áreas queimadas e incêndios florestais do País, com dados inéditos – e preocupantes
mt fogo
Incêndio queima cerca de mil hectares no Parque Nacional de Chapada dos Guimarães | Mato Grosso
Uma casa que pega fogo todos os anos: esse é o retrato do Brasil obtido pelo MapBiomas após analisar imagens de satélite entre 1985 e 2020 para entender o impacto do fogo sobre o território nacional. Na média, em cada um desses 36 anos, o Brasil queimou uma área maior que a Inglaterra: foram 150.957 km² por ano, ou 1,8% do país. O acumulado do período chega a praticamente um quinto do território nacional: 1.672.142 km², ou 19,6% do Brasil.

“Analisar as cicatrizes do fogo ao longo do tempo permite entender as mudanças no regime de fogo e seu avanço sobre o território brasileiro”, destaca Ane Alencar, Coordenadora do MapBiomas Fogo.

Quase dois terços (65%) do fogo ocorreram em áreas de vegetação nativa, sendo que os biomas Cerrado e Amazônia concentram 85% de toda a área queimada pelo menos uma vez no país. No caso do Cerrado, a área queimada por ano desde 1985 equivale a 45 vezes a área do município de São Paulo.

“Um dado preocupante é que cerca de 61% das áreas afetadas pelo fogo entre 1985 e 2020 foram queimadas duas vezes ou mais, ou seja, não estamos falando de eventos isolados. No caso da Amazônia, 69% do bioma queimou mais de uma vez no período, sendo que 48% queimou mais de três vezes”, ressalta.

Os estados com maior ocorrência de fogo foram Mato Grosso, Pará e Tocantins. Formações savânicas foram o tipo de vegetação nativa com mais ocorrência de fogo; pastagens foram o tipo de uso antrópico com mais ocorrência de fogo.

Embora os grandes picos de área queimada no Brasil tenham ocorrido principalmente em anos impactados por eventos de seca extrema (1987, 1988, 1993, 1998, 1999, 2007, 2010, 2017), altas taxas de desmatamento principalmente na Amazônia e antes de 2005 e depois de 2019 tiveram um grande impacto no aumento da área queimada nesses períodos. A estação seca, entre julho e outubro, concentra 83% da ocorrência de queimadas e incêndios florestais.

A análise por bioma mostra que o Pantanal é o que mais queimou nos últimos 36 anos: 57% de seu território foi queimado pelo menos uma vez no período, ou 86.403 km². Ele é seguido pelo Cerrado (733.851 km², 36%) e pela Amazônia (690.028 km², 16,4%). “O caso da Amazônia é preocupante. Os dados do MapBiomas Fogo revelam que as florestas do bioma têm queimado em grandes proporções e alta frequência, o que não é esperado em um bioma que não é naturalmente adaptado ao fogo”, explica Ane Alencar.

Na média anual, o bioma Cerrado assume a liderança, com 67.833 km²/ano – mais que a Amazônia, cuja média ficou em 64.955 km²/ano. ” O Cerrado é um bioma com vegetação o nativa onde o fogo faz parte de sua ecologia”, explica Vera Arruda, da equipe do MapBiomas Fogo responsável pelo mapeamento do Cerrado. “Entretanto a extensão e frequência da área queimada no bioma nas últimas quase quatro décadas revela que algo está errado com o regime de fogo no bioma”, ressalta.

No bioma Pantanal é possível identificar os anos de 1999 e 2020 com os recordes de áreas queimadas. Foram anos secos e de grande acúmulo de biomassa. “O Pantanal tem uma vegetação adaptada ao fogo, mas em regime de frequência muito grande, ele torna-se prejudicial à biodiversidade de flora e fauna. O combate ao fogo no Pantanal é especialmente desafiador, portanto, ações de manejo integrado e preventivo do fogo, devem ser discutidas para proteção do bioma”, explica Eduardo Rosa, do MapBiomas.

No caso da Mata Atlântica, os meses de agosto, setembro e outubro constituem o período em que mais ocorrem queimadas, sendo que mais de 80% das queimadas ocorreram em áreas agropecuárias ou campestres, “É possível observar uma queda após 2004, quando começam a entrar em vigor leis para regulamentar a queimada em lavouras”, explica Marcos Rosa, Coordenador da equipe do MapBiomas Fogo responsável pelo mapeamento da Mata Atlântica.

Para chegar a esses números, inéditos, a equipe do MapBiomas processou mais de 150 mil imagens geradas pelos satélites Landsat 5, 7 e 8 de 1985 a 2020. Com a ajuda de inteligência artificial, foi analisada a área queimada em cada pixel de 30 m X 30 m dos mais de 8,5 milhões de quilômetros quadrados do território brasileiro ao longo dos 36 anos entre 1985 e 2020, em todos os tipos de uso e cobertura da terra. Ao todo, foram 108 terabytes de imagens processadas, revelando áreas, anos e meses de maior e menor incidência do fogo. O método também permite identificar a área queimada em cada mês em todo o período, bem como o tipo de uso e cobertura do solo que queimou.

Os dados de áreas queimadas e incêndios florestais estão disponibilizados em mapas e estatísticas anual, mensal e acumulada em para qualquer período entre 1985 e 2020 na plataforma https://mapbiomas.org/, aberta a todos. Ela também inclui dados de frequência de fogo, indicando as áreas mais afetadas nos últimos 36 anos. A resolução é de 30 m, com indicação do tipo de cobertura e uso do solo que queimou, permitindo recortes territoriais e fundiários por bioma, estado, município, bacia hidrográfica, unidade de conservação, terra indígena, assentamentos e áreas com CAR.

Sobre MapBiomas: iniciativa multi-institucional, que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia, focada em monitorar as transformações na cobertura e no uso da terra no Brasil. Esta plataforma é hoje a mais completa, atualizada e detalhada base de dados espaciais de uso da terra em um país disponível no mundo. Todos os dados, mapas, método e códigos do MapBiomas são disponibilizados de forma pública e gratuita no site da iniciativa: mapbiomas.org

Preço do glifosato aumenta 300% e deixa consumidores brasileiros com altos níveis de ansiedade

Nos últimos dez anos, o preço do glifosato atingiu um novo máximo devido a um desequilíbrio na estrutura de oferta e demanda e ao aumento do preço das matérias-primas upstream. 

Glyphosate-Crop-Dusting

No curto período, não se viu aumento na capacidade de produção do Glifosato. Portanto, um novo aumento de preço está previsto. Diante da situação, a AgroPages teve a oportunidade de convidar uma equipe de especialistas do Brasil e de outras regiões para realizar uma pesquisa de mercado detalhada no mercado de terminais de glifosato de grandes países como Brasil, Paraguai e Uruguai, para obter uma compreensão básica do fornecimento atual , estoque e status de preços do glifosato em diferentes mercados. 

O resultado da pesquisa mostra que o mercado de glifosato na América do Sul está muito apertado,  com estoques  insuficientes mesmo com o preço deste agrotóxico disparado. No Brasil, a safra de soja está prestes a começar em setembro. Nessas circunstâncias, há ansiedade no mercado e não sobra muito tempo para os agricultores.

Os preços de mercado das formulações convencionais aumentaram quase 300% no ano passado

A equipe de pesquisa da Agropages entrevistou cinco grandes distribuidores brasileiros nos principais estados agrícolas – Mato Grosso, Paraná, Goiás e Rio Grande do Sul, e recebeu respostas a 32 questionários. Foram entrevistados dois grandes distribuidores no Paraguai, além do presidente da associação de plantadores agrícolas da cidade de Santa Rita Cidade do Paraguai. No Uruguai, a equipe de pesquisa conheceu um negociante de material agrícola que realiza anualmente um grande número de negócios com cooperativas e empresas agrícolas.

A pesquisa revela um aumento significativo no preço das formulações de glifosato convencionais. Até agora, o preço do glifosato no mercado brasileiro subiu de 200% a 300% em relação ao mesmo período do ano passado. Tomando 480g /LAS, como exemplo, seu preço recente no Brasil atingiu US$ 6,20-7,30/L. De acordo com a Consultoria Congshan, em julho de 2020 o preço unitário do glifosato 480g/LAS no Brasil estava entre US $ 2,56-3,44 / L, que quase triplicou ano a ano, sendo calculado à taxa de câmbio de 0,19 entre o real brasileiro e os EUA dólar. O maior preço do glifosato 79,4% WSG atingiu US $ 12,70-13,80 / kg no Brasil.

Preços convencionais de formulação de glifosato ($) no Brasil, Paraguai e Uruguai em 2021

QQ 截图 20210721103853.png

O preço de mercado terminal do glifosato no Brasil em 2020 (real brasileiro)

QQ 截图 20210716155803.pngFonte de dados: Hills Consulting

Em comparação com o preço atual do glifosato no mercado chinês (à taxa de câmbio de 0,15 entre o Yuan e o dólar), o preço do glifosato a granel 480g / L AS é $ 3,1 /L; o preço do glifosato – 757 WSG é $ 5,77 / kg, e o preço do glifosato-500 WP é $ 4,35 / kg.

Os estoques do mercado estão prestes a se esgotar

Atualmente, o glifosato está em falta no mercado de terminais do Brasil. Inúmeras empresas de material agrícola já venderam grandes quantidades de glifosato e insumos agrícolas cotados em reais em 2020, esgotando o estoque. Além disso, considerando a escassez de oferta de glifosato na China neste momento, houve cancelamentos de pedidos de compra no Brasil, o que obrigou os produtores a aceitar preços mais altos.

Além disso, a pandemia causou congestionamento no transporte marítimo, levando a atrasos nos principais portos marítimos do mundo, o que resultou no aumento do frete marítimo a um nível histórico, tendo adicionado um custo ainda maior para o glifosato. Atualmente, o custo do frete de embarque para Paranaguá de Xangai é de cerca de US $ 10.000, o que pode variar um pouco em diferentes portos. No entanto, essa parte do custo costumava ser geralmente inferior a US $ 1.000 no passado, mas agora é 10 vezes maior. Para fazer um cálculo baseado no glifosato 480g / L AS, o custo do frete por tonelada é de aproximadamente $ 400, o que seria cerca de $ 40 dólares no passado.

O Brasil está prestes a iniciar uma nova rodada de plantio de soja em setembro. No momento, os usuários finais geralmente expressam preocupações sobre o futuro do glifosato. Para onde irá o mercado de glifosato?

fecho

Este texto foi escrito inicialmente em inglês e publicado pelo site especializado AgroNews [Aqui!].

Ciclo do veneno: frutas exportadas pelo Brasil levam agrotóxicos proibidos na Europa à mesa dos alemães

Teste realizado a pedido do Greenpeace com alimentos brasileiros vendidos em quatro cidades alemãs encontrou 35 substâncias, 11 delas proibidas na Europa. Brasil minimiza e diz que produção agrícola atende a regras internacionais

frutas alemas

Figo, mamão, manga, melão e limão brasileiros dentre as frutas analisadas pelos laboratórios alemães.BENTE STACHOWSKE / © BENTE STACHOWSKE / GREENPEACE

Por Marina Rossi para o jornal “El País”

A Alemanha está consumindo agrotóxicos que são proibidos ali por meio de alimentos importados do Brasil. Testes realizados por laboratórios independentes alemães, a pedido do Greenpeace, com 70 frutas brasileiras, detectaram ao menos 11 substâncias cujo uso é banido em toda a União Europeia. No total, foram encontrados 35 agrotóxicos diferentes em frutas brasileiras, como manga, mamão, limão e figo, comercializadas nas cidades alemãs de Hamburgo, Colônia, Leipzig e Stuttgart. Dessas, 21 pertencem ao grupo de Pesticidas Altamente Perigosos, uma classificação criada pela agência da ONU para a alimentação e agricultura (FAO) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Apesar da proibição do uso em solo europeu, muitos desses agrotóxicos são produzidos por empresas sediadas em países da Europa, como as alemãs BASF e Bayer, e depois exportados para o Brasil. Segundo o Greenpeace, no início de 2020 essas duas empresas detinham a produção de 12% dos pesticidas aprovados no Brasil. Marina Lacôrte, porta-voz da campanha de Agricultura e Alimentação do Greenpeace Brasil, defende, portanto, que não só o uso mas também a produção dessas substâncias sejam proibidas no território europeu. “Se o governo estabelece que os alemães não podem ingerir essa substância, por que não ter uma legislação proibindo a produção delas?”, questiona. “Por que uma criança europeia não pode consumir determinados agrotóxicos e as crianças brasileiras podem?.”

Os questionamentos de Lacôrte são levantados em um momento crucial tanto para o Brasil quanto para países europeus, já que a exportação agrícola é uma das peças-chave do acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul. O tratado ainda precisa ser ratificado por todos os países envolvidos, mas a França em especial tem se mostrado resistente, exigindo cláusulas de proteção aos seus produtos agrícolas e um compromisso do Governo brasileiro com o desmatamento, um dos pontos nevrálgicos do Governo Bolsonaro. Por outro lado, a mesma França encabeça o ranking dos países europeus exportadores de agrotóxicos para o Mercosul, seguida pela Grã-Bretanha, Alemanha, Bélgica e Espanha, segundo a ONG ambiental. Diante do impasse, os ambientalistas pedem que a União Europeia seja “consistente” e não ratifique o acordo, que pode deixar inclusive os agrotóxicos mais baratos, por meio de isenções fiscais, e “aumentar significativamente a venda e o uso de venenos agrícolas europeus.”

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, responsável por fazer o controle de resíduos de agrotóxicos acima do limite e nos alimentos para exportação, afirmou por meio de nota que “assim como o Brasil permite o uso de alguns pesticidas não registrados na Europa, o oposto também é verdadeiro. Há agrotóxicos registrados na Europa que não são permitidos em território brasileiro”, diz, sem mencionar quais. Segundo o órgão, “essa diferença decorre das diferenças de cultivos, clima e pragas que infestam as plantações em cada parte do globo”, afirma a pasta. “Os pesticidas são, portanto, registrados e utilizados conforme as necessidades nacionais.”

No estudo, foi detectado que 64% das frutas brasileiras estavam com algum resíduo de pesticida. O mamão foi campeão, chegando a apresentar até nove substâncias diferentes em uma única fruta, no que a ONG classifica como um “verdadeiro coquetel de pesticidas”. Entre 2017 e 2020, o Brasil foi responsável por 77% dos mamões importados pela Alemanha. O Greenpeace afirma ter comunicado o Governo alemão sobre os resultados.

O teste foi realizado entre a segunda quinzena de abril e início de maio deste ano. Segundo o laudo, apenas 11 das 70 amostras de frutas não continham agrotóxicos. O Ministério da Agricultura afirma que o fato desses alimentos terem ingressado em território estrangeiro “demonstra que os limites encontrados estão abaixo daqueles internacionalmente considerados como seguros pelas autoridades do país importador ou pelo CODEX Alimentarius [coletânea de padrões reconhecidos internacionalmente sobre segurança alimentar] (FAO/OMS)”. Ainda por meio de nota, o Governo brasileiro diz que “os produtos produzidos e comercializados pelo Brasil são seguros para consumo humano.

Frutas sendo examinadas durante o teste pelo laboratório alemão.

Frutas sendo examinadas durante o teste pelo laboratório alemão. BENTE STACHOWSKE / © BENTE STACHOWSKE / GREENPEACE

No ano passado, o Brasil bateu recorde na aprovação de novos agrotóxicos. Somente em 2020 foram aprovadas 321 substâncias, segundo o Ministério da Agricultura, 59% a mais que em 2019, quando foram liberados 202 pesticidas de acordo com o órgão. Esses registros vêm crescendo ano após ano, mas o Governo minimiza o aumento da aprovação e diz que “97% dos produtos registrados são genéricos, ou seja, já estavam disponíveis no mercado com outros nomes comerciais.”

Para ser registrado no Brasil, um pesticida precisa passar por três instâncias: a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) avalia e classifica toxicologicamente os agrotóxicos. A avaliação da agência considera tanto o impacto da exposição dos aplicadores quanto os riscos dos resíduos que eventualmente podem ser encontrados nos alimentos tratados. Em seguida, o Ibama realiza a avaliação ambiental das substâncias, estabelecendo suas classificações quanto ao potencial de periculosidade para o meio ambiente. E, então, o Ministério da Agricultura avalia a eficiência agronômica dos agrotóxicos. É também a pasta que concede o registro do químico, após receber os pareceres favoráveis dos órgãos de saúde e do meio ambiente.

O ministério, chefiado pela ministra Tereza Cristina, ainda esclareceu à reportagem que “há tendência de queda no volume médio de defensivos agrícolas aplicados por área tratada”. De acordo com a nota, em 2020 houve redução de 0,1% na quantidade de quilos por hectare. Em 2019 e 2018, sempre na comparação com os anos anteriores, também havia registro de queda, na média, de 1,1% e 0,5%, respectivamente.

Veneno no pacote

Os resíduos de agrotóxicos perigosos para a saúde não estão somente nos alimentos naturais, como frutas, verduras e legumes. O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) divulgou recentemente um estudo apontando para a presença dessas substâncias em alimentos ultraprocessados. Cereais, salgadinhos, biscoitos, bebidas de soja, pães e bolos de diferentes marcas apresentaram as substâncias em sua composição. Até mesmo o controverso glifosato, um dos herbicidas mais usados no Brasil ―e um dos proibidos na Europa― e classificado como “provavelmente carcinogênico” pela OMS, foi encontrado em alguns alimentos.

Ao todo, 27 produtos foram analisados pelo Idec, divididos em oito categorias. Dessas, seis apresentaram resíduos de agrotóxicos. Os alimentos onde foram identificados agrotóxicos são: a bebida de soja Naturis (Batavo); o cereal matinal Nesfit (Nestlé); os salgadinhos Baconzitos e Torcida (ambos da Pepsico); os pães bisnaguinha Pullman (Bimbo), Wickbold, Panco e Seven Boys (da Wickbold); os biscoitos de água e sal Marilan, Triunfo (Arcor), Vitarela e Zabet (ambos da M Dias Branco); as bolachas recheadas Bono e Negresco (Nestlé), Oreo e Trakinas (Mondeléz).

O Idec afirma que comunicou aos fabricantes sobre os resíduos encontrados em seus produtos. As empresas que responderam ao Instituto afirmaram que seguem boas práticas dos fornecedores de matéria-prima, ou que a quantidade de substâncias está dentro dos limites. Não há, no entanto, regulação sobre os limites máximos de agrotóxicos em alimentos ultraprocessados, já que a Anvisa monitora essas substâncias apenas nos alimentos naturais.

A Lactails, responsável pela Batavo, informou, após a publicação desta reportagem, que não foi comunicada sobre o estudo do Idec. Por meio de nota, a empresa também afirma que todos seus insumos “são controlados e monitorados através de laudos externos e atendem rigorosamente à legislação brasileira”, e que “a empresa tem uma política rígida na escolha de seus fornecedores de insumos, homologando apenas aqueles que cumprem com todas as exigências legais e de segurança alimentar”.

fecho

Este texto foi publicado originalmente pelo jornal “El País” [Aqui!].

Em editorial, revista Nature aponta Brasil e Índia como exemplos do custo humano de se marginalizar a ciência

Os governos que ignoram ou atrasam a ação de acordo com os pareceres científicos estão perdendo uma oportunidade crucial de controlar a pandemia

covid india

Um centro de atendimento COVID-10 em Nova Delhi. A Índia tem registrado 400.000 casos e mais de 3.500 mortes por dia de COVID-19. Crédito: Imtiyaz Khan / Agência Anadolu / Getty

Na semana passada, o número total de mortos no Brasil no COVID-19 ultrapassou 400.000. Na Índia, a pandemia está ceifando cerca de 3.500 vidas todos os dias e gerou uma resposta global, com ofertas de oxigênio, ventiladores, leitos de terapia intensiva e muito mais. Embora esses dois países estejam separados por milhares de quilômetros, as crises em ambos são o resultado de falhas políticas: seus líderes falharam ou demoraram a seguir os conselhos dos pesquisadores. Isso contribuiu para uma perda inescrupulosa de vidas.

A maior falha do Brasil é que seu presidente, Jair Bolsonaro, caracterizou erroneamente o COVID-19 como uma “gripezinha” e se recusou a seguir os conselhos científicos na definição de políticas , como impor o uso de máscaras e limitar o contato entre as pessoas.

Os líderes da Índia não agiram tão decisivamente quanto era necessário. Eles têm, por exemplo, permitido – e, em alguns casos, encorajado – grandes reuniões. Essa situação não é nova. Como vimos durante a administração do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, ignorar as evidências da necessidade de manter o distanciamento físico para combater o COVID-19 tem consequências catastróficas. Os Estados Unidos registraram mais de 570.000 mortes pela doença – ainda o maior número de mortes COVID-19 do mundo em termos absolutos.

Como relata a Nature em um artigo da World View , os líderes da Índia tornaram-se complacentes depois que os casos diários de COVID-19 atingiram um pico de quase 96.000 em setembro antes de diminuir lentamente – para cerca de 12.000 no início de março. Durante esse tempo, as empresas reabriram. Seguiram-se grandes reuniões, incluindo protestos contra as polêmicas novas leis agrícolas que trouxeram milhares de agricultores às fronteiras de Nova Delhi. Os comícios eleitorais e as reuniões religiosas também continuaram durante os meses de março e abril.

Dificuldades de acessar dados

E a Índia tem outros problemas. Uma é que não é fácil para os cientistas acessarem os dados da pesquisa do COVID-19. Isso, por sua vez, os impede de fornecer previsões precisas e conselhos baseados em evidências ao governo. Mesmo na ausência de tais dados, os pesquisadores alertaram o governo em setembro passado para ser cauteloso quanto ao relaxamento das restrições do COVID-19 ( Lancet 396 , 867; 2020 ). E no início de abril, eles avisaram que uma segunda onda poderia ver 100.000 casos COVID-19 por dia até o final do mês.

Em 29 de abril, mais de 700 cientistas escreveram ao primeiro-ministro Narendra Modi, pedindo melhor acesso a dados como resultados de testes COVID-19 e desfechos clínicos de pacientes em hospitais (consulte go.nature.com/3vc1svt ), bem como um programa de vigilância do genoma em grande escala para identificar novas variantes (consulte go.nature.com/3vd7fak ). No dia seguinte, Krishnaswamy Vijayraghavan, o principal assessor científico do governo, reconheceu essas preocupações e esclareceu as maneiras pelas quais pesquisadores de fora do governo podem acessar esses dados. Essa medida foi bem recebida pelos signatários da carta, mas eles disseram à Nature que alguns aspectos do acesso aos dados permanecem obscuros.

Uma carta de protesto não deveria ser necessária em primeiro lugar. Ao se identificar, os signatários correram um risco: no passado, o governo Modi não reagiu bem à organização de pesquisadores para questionar suas políticas. Dois anos atrás, uma carta de mais de 100 economistas e estatísticos instando o fim da interferência política nas estatísticas oficiais não foi bem recebida pelas autoridades. A carta foi escrita após a renúncia de altos funcionários da Comissão Nacional de Estatística da Índia sobre o que consideraram uma interferência no momento da divulgação dos dados do governo .

Nunca é bom quando as comunidades de pesquisa têm um relacionamento difícil com seus governos nacionais. Mas isso pode ser fatal no meio de uma pandemia – quando as decisões precisam ser rápidas e baseadas em evidências. Ao colocar seus cientistas de lado, os governos do Brasil e da Índia perderam uma oportunidade crucial de reduzir a perda de vidas.

Durante uma pandemia, todos nós precisamos que nossos governos tenham sucesso. No entanto, é difícil tomar boas decisões rapidamente, ainda mais com informações incompletas – é por isso que os dados de saúde precisam ser precisos e acessíveis a pesquisadores e médicos. Negar ou ocultar esse acesso corre o risco de prolongar a pandemia.

fecho

Este editorial foi escrito originalmente em inglês e publicado pela revista Nature [Aqui!].

Webinar sobre a exposição ocupacional a agrotóxicos e seus efeitos na saúde dos trabalhadores agrícolas: estudos epidemiológicos no Chile e no Brasil

exposição

12 de maio de 2021

Hora: 12:00h – 13:30h (EST, USA) (Washington DC)

Série de webinars ISEE LAC-OPAS: uma colaboração para a educação permanente em epidemiologia ambiental

Inscreva-se aqui

Organização:  Capítulo para América Latina e Caribe da Sociedade Internacional de Epidemiologia Ambiental (ISEE-LAC) em colaboração com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS / OMS)

Objetivos:  Apresentar os resultados de pesquisas recentes focadas na exposição ocupacional a agrotóxicos e gerar um espaço para discutir sua relevância e implicações para a saúde dos trabalhadores agrícolas dos países da América Latina e do Caribe.

Público-alvo:  Alunos inscritos no  Curso Online de Epidemiologia Ambiental do Campus Virtual de Saúde Pública ; alunos de graduação e pós-graduação, técnicos, profissionais e gestores de saúde ambiental e de saúde pública em geral e a população em geral com interesse no assunto.

Apresentações e palestrantes: 

1. introdução
A região da América Latina e do Caribe representa 14% da produção agrícola mundial e 23% das exportações mundiais de produtos agrícolas e pesqueiros. Embora a produção agrícola na região deva desacelerar nos próximos anos, seu rápido crescimento nas últimas décadas tem sido associado ao uso extensivo de pesticidas, uso limitado de equipamentos de proteção individual pelos trabalhadores agrícolas e à falta ou implementação inadequada de regulamentos relacionados a o uso de agrotóxicos. O uso intensivo de agrotóxicos na região, para fins agrícolas e de controle de vetores (por exemplo, para combater a dengue e a malária), resultou na exposição ocupacional crônica dos trabalhadores agrícolas aos agrotóxicos. Esses trabalhadores são expostos a misturas de pesticidas como inseticidas (por exemplo, organofosforados) e herbicidas (por exemplo, glifosato) por meio de sua aplicação direta ou de seu trabalho em campos agrícolas tratados com esses produtos químicos. Vários estudos epidemiológicos têm mostrado que a intoxicação aguda por pesticidas representa uma das principais causas de morbidade e mortalidade entre os trabalhadores agrícolas. Além disso, a exposição de longo prazo a pesticidas como organofosforados e carbamatos tem sido associada a uma ampla gama de efeitos crônicos na saúde, incluindo função neurocomportamental prejudicada, problemas respiratórios, obesidade e diabetes.

julieta-rodriguez

Apresentadora: Julieta Rodriguez, MD MScA SO

Bio:  Dra. Rodríguez é especialista em Saúde Ocupacional. Ela tem um Mestrado em Saúde Ocupacional e um Diploma em Epidemiologia Ocupacional. O Dr. Rodríguez atua como Assessor Regional de Saúde do Trabalhador na Unidade PS de Promoção da Saúde e Determinantes Sociais do Departamento de Família, Promoção e Curso de Vida FPL da Organização Pan-Americana da Saúde / Organização Mundial da Saúde (OPAS / OMS).
 

2. Exposição ocupacional e ambiental a agrotóxicos e efeitos na saúde dos agricultores familiares no Brasil

buralli

Palestrante: Dr. Rafael Buralli 

O Dr. Buralli apresentará os resultados de seu projeto de doutorado na Universidade de São Paulo. O projeto transversal avaliou a exposição a agrotóxicos e sintomas de intoxicação e efeitos na saúde respiratória e mental de agricultores familiares no Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Estava: Dr. Rafael Buralli é fisioterapeuta, mestre e doutor em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP / USP), com intercâmbio no Centro de Pesquisas em Meio Ambiente e Saúde da Criança (CERCH), da University of California (UC) em Berkeley e outro na University of Chile. Atualmente, o Dr. Buralli é consultor da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS / OMS) na Coordenação-Geral de Saúde Ocupacional do Ministério da Saúde do Brasil (CGSAT / DSASTE / SVS / MS), atuando em diversos temas de vigilância na saúde, saúde ambiental, emergências ocupacionais e de saúde pública. Ela tem um interesse especial em questões relacionadas à saúde ambiental e ocupacional, saúde materno-infantil e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

3. Plataforma de pesquisa para trabalhadores agrícolas para estabelecer danos à saúde no Chile 

cortes

Palestrante: Sandra Cortés, PhD

Bio:  Dra. Cortés é Médica Veterinária, Mestre em Ciências Biológicas e Doutora em Saúde Pública (Universidade do Chile). Ela trabalha como Professora Associada no Departamento de Saúde Pública da Pontificia Universidad Católica de Chile. Dr. Cortés é Pesquisador Associado do Centro Avançado de Doenças Crônicas e da Coorte Maule (MAUCO) e Pesquisador Associado do Centro de Desenvolvimento Urbano Sustentável. Ela também é a Diretora Acadêmica do Diploma de Saúde Ocupacional da Universidade Católica (http: //educacioncontinua.uc. Cl / 39087-tab-nuevo-diploma-em-saúde-ocup … ) e Pesquisadora-chefe da Rede Chilena de Pesquisadores em Trabalhadores na Agricultura.

4. Discussão

ana maria mora

Moderadora: Ana María Mora, PhD – representante de ISEE-LAC

Estava: Dra. Mora é pesquisadora do Centro de Pesquisa sobre Meio Ambiente e Saúde Infantil da UC Berkeley (CERCH). Ele obteve seu diploma de Medicina pela Universidade da Costa Rica em 2005 e seu Ph.D. em Epidemiologia pela Escola de Saúde Pública da UC Berkeley em 2014. Seus estudos estão focados principalmente nos efeitos sobre a saúde da exposição a substâncias tóxicas ambientais. como pesticidas, metais e ftalatos, em populações vulneráveis. Dr. Mora é um co-investigador de dois estudos de coorte de nascimento: o Programa ISA na Costa Rica e o Estudo do Centro de Avaliação da Saúde Materno-Infantil de Salinas (CHAMACOS) na Califórnia, Estados Unidos. Atualmente faz parte do Comitê Executivo do Capítulo LAC do ISEE.

Agenda

Hora Atividade Responsável
12:00 – 12:10 Boas-vindas, introdução, apresentação dos palestrantes
 
Julieta Rodriguez
12:10 – 12:30 Exposição ocupacional e ambiental a agrotóxicos e efeitos na saúde de agricultores familiares no Brasil Rafael Buralli
12:30 – 12:50 Plataforma de pesquisa para trabalhadores agrícolas para estabelecer danos à saúde no Chile Sandra Cortes
12:50 – 13:20 Discussão Ana maria Mora
13:20 – 13:30 Fechando Ana maria Mora

Epidemia de fome que afeta milhões de brasileiros é capa no “The New York Times”

Dezenas de milhões de brasileiros enfrentam fome ou insegurança alimentar à medida que a crise da COVID-19  se arrasta no país, matando milhares de pessoas todos os dias

ny1 hunger

Fazendo fila para almoçar fora de uma instituição de caridade católica em São Paulo. O número de pessoas que passam fome quase dobrou no Brasil recentemente

Ernesto Londoño e 

RIO DE JANEIRO – Adolescentes magricelas seguram cartazes em navios de cruzeiro com cartazes que dizem fome – fome – em letras grandes. As crianças, muitas delas sem ir à escola há mais de um ano, imploram por comida em supermercados e restaurantes. Famílias inteiras se espremem em acampamentos frágeis nas calçadas e pedem leite em pó para bebês, biscoitos ou qualquer outra coisa.

Um ano após a pandemia , milhões de brasileiros passam fome.

As cenas, que proliferaram nos últimos meses nas ruas do Brasil, são a prova cabal de que a tentativa do presidente Jair Bolsonaro – de proteger a economia do país evitando políticas públicas de saúde para controlar o vírus- falhou.

Desde o início do surto, o presidente brasileiro se mostra cético quanto ao impacto da doença e desdenha a orientação de especialistas em saúde, argumentando que os prejuízos econômicos dos fechamentos, a suspensão das atividades empresariais e as restrições de mobilidade que recomendaram ser uma ameaça maior do que a pandemia para a fraca economia do país.

Esse sacrifício causou uma das maiores taxas mortes no mundo, mas também falhou em seu objetivo: manter o país à tona

O vírus afeta o tecido social ao estabelecer recordes dolorosos, enquanto a crise da saúde se agrava e leva as empresas à falência, matando empregos e atrapalhando ainda mais o avanço de uma economia que há mais de seis anos praticamente não cresceu.

Daniela dos Santos prepara uma refeição no centro de São Paulo.  A pandemia exacerbou a crise econômica do Brasil e aumentou o número de desempregados e desabrigados.

Daniela dos Santos prepara uma refeição no centro de São Paulo. A pandemia exacerbou a crise econômica do Brasil e aumentou o número de desempregados e desabrigados

Os voluntários distribuem sopas e sanduíches.

Os voluntários distribuem sopas e sanduíches

No ano passado, as transferências emergenciais de dinheiro do governo ajudaram a colocar alimentos na mesa para milhões de brasileiros. Mas quando esse dinheiro foi reduzido este ano em face de uma crise de dúvida que se aproximava, muitos armários foram deixados vazios.

No ano passado, cerca de 19 milhões de pessoas passaram fome, quase o dobro dos 10 milhões que passaram por situação semelhante em 2018, o ano mais recente para o qual há dados, segundo o governo brasileiro e um estudo de privação durante a pandemia realizado por uma rede de pesquisadores brasileiros engajados no assunto.

E o estudo mostrou que cerca de 117 milhões de pessoas, ou cerca de 55 por cento da população do país, enfrentam insegurança alimentar com acesso incerto à nutrição em 2020, um salto enorme em relação aos 85 milhões que estavam nessa situação há dois anos.

“A forma como o governo lidou com o vírus agravou a pobreza e a desigualdade”, disse Douglas Belchior, fundador da UNEafro Brasil, uma das várias organizações que se uniram para arrecadar fundos para levar despensas a comunidades vulneráveis. “A fome é um problema sério e incurável no Brasil”.

Luana de Souza, 32, era uma das mães na fila do lado de fora de um banco de alimentos improvisado em uma tarde recente na esperança de conseguir um saco de feijão, arroz e óleo. Seu marido havia trabalhado em uma empresa de organização de eventos, mas ficou sem emprego no ano passado devido a oito milhões de pessoas que se juntaram ao desemprego no Brasil durante a pandemia e aumentaram a taxa de 14% ao vivo, de acordo com o Instituto de Geografia e Estatística. do Brasil.

No início, a família administrou cuidadosamente a ajuda do governo, disse De Souza, mas neste ano, quando cortaram os pagamentos, eles tiveram dificuldades.

“Não há trabalho”, disse ele. “E as contas continuam chegando.”

Ismael dos Santos pede moedas em semáforo

Ismael dos Santos pede moedas em semáforo

Membros de uma igreja evangélica distribuem cafés da manhã

Membros de uma igreja evangélica distribuem cafés da manhã

Em 2014, a economia brasileira entrou em recessão e não havia se recuperado quando a pandemia estourou. Bolsonaro costumava evocar a realidade de famílias como a de De Souza, que não podem ficar em casa sem trabalhar para argumentar que os bloqueios impostos pelos governos da Europa e de outros países ricos para impedir a disseminação do vírus eram insustentáveis ​​no Brasil.

No ano passado, governadores e prefeitos de todo o país decretaram a suspensão das atividades de negócios não essenciais e ordenaram restrições à mobilidade, medidas que Bolsonaro chamou de “extremas” e alertou que causariam desnutrição.

O presidente também descartou a ameaça do vírus, lançou dúvidas sobre as vacinas , que seu governo começou a obter tardiamente, e muitas vezes encorajou multidões de seus apoiadores em eventos políticos.

Uma segunda onda de casos este ano levou ao colapso do sistema de saúde em várias cidades, e as autoridades locais impuseram uma série de medidas duras e se viram em guerra com o Bolsonaro.

“As pessoas precisam de liberdade, de direito ao trabalho”, comentou no mês passado, dizendo que as novas medidas de quarentena impostas pelos governos locais equivaliam a viver em uma “ditadura”.

Este mês, quando o número de mortes diárias causadas pelo vírus ultrapassou 4.000, Bolsonaro reconheceu a gravidade da crise humanitária que seu país enfrenta. Mas ele não assumiu a responsabilidade e, em vez disso, culpou as autoridades locais.

“O Brasil está no limite”, disse ele, argumentando que a culpa foi de “quem fechou tudo”.

Mas economistas disseram ser “um falso dilema” dizer que as restrições ao controle do vírus agravariam a crise econômica do Brasil.

Em carta aberta às autoridades brasileiras no final de março, mais de 1.500 economistas e empresários pediram ao governo que imponha medidas mais rígidas, incluindo um bloqueio.

“Não é razoável esperar que a atividade econômica se recupere de uma epidemia descontrolada”, escreveram os especialistas.

A economista Laura Carvalho publicou um estudo que mostrou que as restrições podem ter um impacto negativo na saúde econômica de um país no curto prazo, mas que, no longo prazo, teria sido uma estratégia melhor.

“Se o Bolsonaro tivesse implementado medidas de confinamento, teríamos saído antes da crise econômica”, disse Carvalho, professor da Universidade de São Paulo.

A abordagem do Bolsonaro teve um amplo efeito desestabilizador, disse Thomas Conti, professor do Insper, uma escola de negócios.

“O real brasileiro foi a moeda mais desvalorizada entre todos os países em desenvolvimento”, disse Conti. “Estamos em um nível alarmante de desemprego, não há previsibilidade para o futuro do país, as regras orçamentárias são violadas e a inflação cresce sem parar”.

A comida é distribuída e batizados são realizados

A comida é distribuída e batizados são realizados

A deterioração da crise COVID-19 do país deixou Bolsonaro politicamente vulnerável. Este mês, o Senado lançou uma investigação sobre a forma como o governo está lidando com a pandemia. Espera-se que o inquérito documente erros, incluindo apoio governamental para medicamentos ineficazes para tratar COVID-19 e falta de suprimentos médicos básicos, como oxigênio. Algumas dessas falhas provavelmente serão responsabilizadas por causar mortes evitáveis.

Creomar de Souza, analista político e fundador da consultoria Dharma Politics em Brasília, disse que o presidente subestimou a ameaça que a pandemia representava para o país e não elaborou um plano abrangente para enfrentá-la.

“Eles acreditaram que não seria algo sério e presumiram que o sistema de saúde poderia cuidar disso”, disse ele.

De Souza disse que Bolsonaro sempre fez campanha e governou de forma combativa, apresentando-se aos eleitores como uma alternativa aos rivais perigosos. Sua resposta à pandemia foi consistente com aquele manual de operação, disse ele.

“A grande perda, além do aumento do número de vítimas nesta tragédia, é uma erosão da governança”, disse ele. “Estamos diante de um cenário altamente volátil, com muitos riscos políticos porque o governo não cumpriu as políticas públicas”.

Grupos de defesa e organizações de direitos começaram este ano uma campanha Tem Gente Com Fome , ou Pessoas com Fome, com a intenção de arrecadar fundos de empresas e indivíduos para entregar despensas às pessoas necessitadas em todo o país.

Belchior, um dos fundadores, disse que a campanha leva o nome de um poema do escritor e artista plástico Solano Trindade. Descreve cenas de miséria vividas no Rio de Janeiro, percorre bairros pobres dos quais o Estado esteve ausente por décadas.

“Mais e mais famílias estão pedindo comida para ser entregue mais cedo”, disse Belchior. “E dependem mais das ações da comunidade do que do governo”.

Uma fila de pessoas esperando a entrega da comida

Uma fila de pessoas esperando a entrega da comidaJoaquim Ribeiro procura material reciclável para vender.

Joaquim Ribeiro procura material reciclável para vender

Carine Lopes, 32, presidente de uma escola comunitária de balé em Manguinhos, um bairro da classe trabalhadora do Rio de Janeiro, respondeu à crise transformando sua organização em um centro de ajuda improvisado.

Desde o início da pandemia, o preço dos produtos básicos aumentou dramaticamente nas lojas próximas, disse ele. O custo do óleo de cozinha mais do que triplicou. Um quilo de arroz dobrou. À medida que a carne se tornou cada vez mais proibitiva, os churrascos aos domingos se tornaram uma raridade na vizinhança.

Por muito tempo, Lopes estava acostumado a receber ligações de pais que queriam desesperadamente uma vaga para seus filhos na escola de balé, mas agora ele se acostumou com algo muito diferente. Todos os dias, velhos conhecidos e desconhecidos lhe enviam mensagens de texto perguntando sobre as cestas básicas que a escola de balé distribui semanalmente.

“Essas mães e pais estão apenas pensando no básico agora”, disse ela. “Eles ligam e dizem: ‘Estou desempregado, não tenho mais nada para comer esta semana. Há algo que você possa nos dar? ‘

Quando o vírus finalmente desaparecer, as famílias mais pobres terão mais dificuldade para se recuperar, disse ele.

Lopes se desespera pensando em alunos que não conseguiram se conectar a aulas online de suas casas porque não têm conexão com a internet, ou onde o único aparelho com tela pertence a um pai / mãe que trabalha.

“Ninguém vai poder concorrer a uma bolsa com um aluno de classe média que conseguiu acompanhar as aulas com sua boa internet e seus tablets”, disse. “A desigualdade está se agravando.”

ny8 hungerEntrega de doações

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo “The New York Times” [Aqui!  ] .

EUA pressionam o Brasil a apresentar medidas concretas para reduzir desmatamento da Amazônia

Especialistas divergem: o Brasil conseguirá apresentar um cronograma de redução do desmatamento?

Área desmatada na Amazônia.

Os Estados Unidos estão pressionando o Brasil a apresentar medidas concretas na redução do desmatamento da Amazônia na Cúpula dos Líderes sobre o Clima, que será iniciada nesta quinta-feira (22) e reunirá 40 chefes de Estado.

O presidente Jair Bolsonaro, que estará no evento, enviou uma carta a Joe Biden onde promete zerar o desmatamento ilegal no Brasil até o ano de 2030. A Casa Branca espera que o Brasil apresente um cronograma de redução gradual da derrubada das florestas e uma meta mais ambiciosa do que a atual para redução de emissões de carbono.

Especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil têm opiniões diferentes sobre a capacidade do Brasil em atingir a meta anunciada de zerar o desmatamento nos próximos nove anos e de apresentar o cronograma solicitado pelos Estados Unidos.

‘Não dá para acreditar que o Brasil vai fazer qualquer ato diferente’

Para o geógrafo e ambientalista Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da ONG SOS Mata Atlântica, o compromisso do Brasil em zerar o desmatamento ilegal até o ano de 2030 “não passa de uma mentira deslavada”.

“Não dá para acreditar que o Brasil vai fazer qualquer ato diferente. […] O Brasil deveria dizer que o país já faz isso, tem uma matriz energética limpa, nós podemos fazer muito mais porque já tivemos um controle sobre a Amazônia, as metas do Brasil podem ser muito maiores, e com isso nós teríamos mais apoio, mas o que a gente vê é o contrário”, afirmou à Sputnik Brasil.

De acordo com um levantamento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) divulgado nesta segunda-feira (19), o desmatamento na floresta amazônica atingiu em março o pior índice para o mês nos últimos dez anos.

Segundo Mantovani, os dados apresentados pelo Imazon fazem com que o Brasil tenha muita dificuldade em apresentar um cronograma como o que é exigido pelos EUA.

“O que o Brasil apresentou agora como meta foi abaixo daquilo que ele já tinha se comprometido em Paris e apresentado na última conferência em Madri. O Brasil deu um vexame. Claro que, com isso, não vai ter cronograma que vai resistir”, declarou.

sput mourão

​O vice-presidente Hamilton Mourão, que também é presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal, negou os dados de desmatamento apresentados pelo Imazon e defendeu a transparência e confiabilidade nas estatísticas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), e disse que “há ONGs que utilizam dados sem a devida fundamentação para divulgar informações sobre a Amazônia”.

Mario Mantovani criticou a gestão de Mourão no conselho e que entende que o Brasil chega enfraquecido na Cúpula dos Líderes sobre o Clima.

“Nem o general Mourão conseguiu reduzir [o desmatamento]. A Polícia Federal fez uma denúncia muito grave de que o ministro [do Meio Ambiente, Ricardo Salles] está liberando os madeireiros que fizeram os desmatamentos. Nós temos sinais trocados dentro do governo, e isso mostra um desarranjo, um jeito ruim de fazer gestão do desmatamento na Amazônia. O Brasil vai para essa conferência muito mais enfraquecido”, completou.

‘Brasil possui capacidade de fazer cronograma exigido pelos EUA’

O economista e advogado, Alessandro Azzoni, especialista em Direito Ambiental, disse que a carta enviada por Bolsonaro a Joe Biden é um ponto positivo e mostra uma motivação do presidente brasileiro em mudar o cenário do desmatamento no país.

“Eu acredito que exista a capacidade de se fazer um cronograma. A operação comandada pelo vice-presidente Mourão conseguiu fazer um mapeamento dos garimpos ilegais, e dos maiores municípios e estados que sofrem com o desmatamento. Esse diagnóstico existe, e a meta pode ser colocada sim”, afirmou à Sputnik Brasil.

No entanto, segundo Azzoni, o cronograma precisa ser anunciado de maneira oficial e assinado pelo governo brasileiro.

“Penso que isso deve ser retificado de uma forma mais formal. Eu acredito que o governo brasileiro tenha um cronograma para reduzir isso, basta intensificar as ações da Polícia Federal junto com exército combatendo essa rede criminosa que invade as áreas desmatando”, comentou.

sput madeira

​Na semana passada, o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, disse que a Cúpula de Líderes sobre o Clima é a última chance de o Brasil mostrar que se preocupa com o desmatamento na Amazônia.

Chapman ainda afirmou que há uma percepção que o desmatamento ilegal na Amazônia cresceu e que não é decorrente de “um problema de comunicação”, como justificam integrantes do governo federal brasileiro.

Para Alessandro Azzoni, o Brasil teria a capacidade, inclusive, de zerar o desmatamento ilegal antes de 2030, mas é preciso que o país contrate mais servidores nos órgãos de fiscalização ambiental.

“Acredito que possa ser factível acabar com o desmatamento ilegal. Acho que nem para 2030, dá para acabar até antes, nós estamos em 2021. […] O que falta é realmente aumentar o número de servidores de fiscalização”, declarou.

Azzoni defende ainda que, mais do que reduzir o desmatamento, o Brasil deveria apresentar também uma política de reflorestamento das áreas desmatadas.

“Nós vemos muitas áreas que foram desmatadas desde governos passados até hoje e muito poucas são reflorestadas. Ter ações mais efetivas no reflorestamento também seria muito interessante. Eu acredito que isso daria uma resposta muito maior ao nível nacional e internacional do que simplesmente só combater o desmatamento”, completou.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela Sputnik Brasil [Aqui!].