EUA pressionam o Brasil a apresentar medidas concretas para reduzir desmatamento da Amazônia

Especialistas divergem: o Brasil conseguirá apresentar um cronograma de redução do desmatamento?

Área desmatada na Amazônia.

Os Estados Unidos estão pressionando o Brasil a apresentar medidas concretas na redução do desmatamento da Amazônia na Cúpula dos Líderes sobre o Clima, que será iniciada nesta quinta-feira (22) e reunirá 40 chefes de Estado.

O presidente Jair Bolsonaro, que estará no evento, enviou uma carta a Joe Biden onde promete zerar o desmatamento ilegal no Brasil até o ano de 2030. A Casa Branca espera que o Brasil apresente um cronograma de redução gradual da derrubada das florestas e uma meta mais ambiciosa do que a atual para redução de emissões de carbono.

Especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil têm opiniões diferentes sobre a capacidade do Brasil em atingir a meta anunciada de zerar o desmatamento nos próximos nove anos e de apresentar o cronograma solicitado pelos Estados Unidos.

‘Não dá para acreditar que o Brasil vai fazer qualquer ato diferente’

Para o geógrafo e ambientalista Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da ONG SOS Mata Atlântica, o compromisso do Brasil em zerar o desmatamento ilegal até o ano de 2030 “não passa de uma mentira deslavada”.

“Não dá para acreditar que o Brasil vai fazer qualquer ato diferente. […] O Brasil deveria dizer que o país já faz isso, tem uma matriz energética limpa, nós podemos fazer muito mais porque já tivemos um controle sobre a Amazônia, as metas do Brasil podem ser muito maiores, e com isso nós teríamos mais apoio, mas o que a gente vê é o contrário”, afirmou à Sputnik Brasil.

De acordo com um levantamento do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) divulgado nesta segunda-feira (19), o desmatamento na floresta amazônica atingiu em março o pior índice para o mês nos últimos dez anos.

Segundo Mantovani, os dados apresentados pelo Imazon fazem com que o Brasil tenha muita dificuldade em apresentar um cronograma como o que é exigido pelos EUA.

“O que o Brasil apresentou agora como meta foi abaixo daquilo que ele já tinha se comprometido em Paris e apresentado na última conferência em Madri. O Brasil deu um vexame. Claro que, com isso, não vai ter cronograma que vai resistir”, declarou.

sput mourão

​O vice-presidente Hamilton Mourão, que também é presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal, negou os dados de desmatamento apresentados pelo Imazon e defendeu a transparência e confiabilidade nas estatísticas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), e disse que “há ONGs que utilizam dados sem a devida fundamentação para divulgar informações sobre a Amazônia”.

Mario Mantovani criticou a gestão de Mourão no conselho e que entende que o Brasil chega enfraquecido na Cúpula dos Líderes sobre o Clima.

“Nem o general Mourão conseguiu reduzir [o desmatamento]. A Polícia Federal fez uma denúncia muito grave de que o ministro [do Meio Ambiente, Ricardo Salles] está liberando os madeireiros que fizeram os desmatamentos. Nós temos sinais trocados dentro do governo, e isso mostra um desarranjo, um jeito ruim de fazer gestão do desmatamento na Amazônia. O Brasil vai para essa conferência muito mais enfraquecido”, completou.

‘Brasil possui capacidade de fazer cronograma exigido pelos EUA’

O economista e advogado, Alessandro Azzoni, especialista em Direito Ambiental, disse que a carta enviada por Bolsonaro a Joe Biden é um ponto positivo e mostra uma motivação do presidente brasileiro em mudar o cenário do desmatamento no país.

“Eu acredito que exista a capacidade de se fazer um cronograma. A operação comandada pelo vice-presidente Mourão conseguiu fazer um mapeamento dos garimpos ilegais, e dos maiores municípios e estados que sofrem com o desmatamento. Esse diagnóstico existe, e a meta pode ser colocada sim”, afirmou à Sputnik Brasil.

No entanto, segundo Azzoni, o cronograma precisa ser anunciado de maneira oficial e assinado pelo governo brasileiro.

“Penso que isso deve ser retificado de uma forma mais formal. Eu acredito que o governo brasileiro tenha um cronograma para reduzir isso, basta intensificar as ações da Polícia Federal junto com exército combatendo essa rede criminosa que invade as áreas desmatando”, comentou.

sput madeira

​Na semana passada, o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, disse que a Cúpula de Líderes sobre o Clima é a última chance de o Brasil mostrar que se preocupa com o desmatamento na Amazônia.

Chapman ainda afirmou que há uma percepção que o desmatamento ilegal na Amazônia cresceu e que não é decorrente de “um problema de comunicação”, como justificam integrantes do governo federal brasileiro.

Para Alessandro Azzoni, o Brasil teria a capacidade, inclusive, de zerar o desmatamento ilegal antes de 2030, mas é preciso que o país contrate mais servidores nos órgãos de fiscalização ambiental.

“Acredito que possa ser factível acabar com o desmatamento ilegal. Acho que nem para 2030, dá para acabar até antes, nós estamos em 2021. […] O que falta é realmente aumentar o número de servidores de fiscalização”, declarou.

Azzoni defende ainda que, mais do que reduzir o desmatamento, o Brasil deveria apresentar também uma política de reflorestamento das áreas desmatadas.

“Nós vemos muitas áreas que foram desmatadas desde governos passados até hoje e muito poucas são reflorestadas. Ter ações mais efetivas no reflorestamento também seria muito interessante. Eu acredito que isso daria uma resposta muito maior ao nível nacional e internacional do que simplesmente só combater o desmatamento”, completou.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela Sputnik Brasil [Aqui!].

Catástrofe huminatária: Médicos Sem Fronteira criticam duramente resposta do governo Bolsonaro à COVID-19

A ONG médica afirma que a negligência do governo Bolsonaro está custando vidas, já que o número de mortos ultrapassa 362.000, perdendo apenas para os EUA

cepa bolsonaroPessoas seguram faixas mostrando o presidente Jair Bolsonado lendo ‘A cepa Bolsonaro, perigo mundial’ durante um protesto na embaixada brasileira em Buenos Aires na quarta-feira. Fotografia: Juan Mabromata / AFP / Getty Images

Por Tom Phillips, do Rio de Janeiro, para o “The Guardian

A resposta negligente do governo brasileiro à COVID-19 mergulhou o país sul-americano em uma “catástrofe humanitária” como uma bola de neve que deve se intensificar nas próximas semanas, alertou a ONG Médecins Sans Frontières.

“Tenho que ser muito claro: a negligência das autoridades brasileiras está custando vidas”, disse o presidente internacional do grupo, Christos Christou, a jornalistas na quinta-feira, depois que o número oficial de mortos no Brasil aumentou para mais de 362 mil, perdendo apenas para os EUA.

Meinie Nicolai, diretora-geral de MSF, disse que as ações do governo brasileiro – que sob seu líder de extrema direita, Jair Bolsonaro , minimizou a epidemia, evitou medidas de contenção e promoveu tratamentos sem base científica – o tornaram “uma ameaça aos seus própria população ”.

“Não há coordenação na resposta. Não há um reconhecimento real da gravidade da doença. A ciência é posta de lado. Notícias falsas estão sendo distribuídas e os profissionais de saúde são deixados por conta própria ”, disse Nicolai.

“O governo está falhando com o povo brasileiro. Todos os brasileiros podem dizer que há pessoas ao seu redor que foram enterradas ou intubadas [em lugares] onde não há remédios e nem oxigênio. Isso é inaceitável ”, acrescentou Nicolai.

Questionado se o governo de Bolsonaro havia respondido pior do que qualquer outro na Terra, Nicolai concordou com base no fracasso do Brasil em aprender com mais de um ano de experiência global na luta contra  a COVID-19 usando técnicas como distanciamento físico, teste e rastreamento e promoção de face máscaras. “É o pior não implementar o que se conhece? Eu diria que sim ”, disse o chefe de MSF.

Há uma crescente preocupação internacional com o surto descontrolado no Brasil e a disseminação da variante P1 mais contagiosa ligada à Amazônia brasileira. Esta semana, os temores sobre essa variante levaram a França a suspender voos do maior país da América do Sul , com o primeiro-ministro, Jean Castex, lamentando a “situação absolutamente dramática” do Brasil. O Ministério das Relações Exteriores britânico desaconselha todas as viagens ao Brasil, exceto as essenciais, onde um surto de infecções causou um colapso histórico no sistema de saúde em todo o país.

A situação deverá piorar nos próximos meses

Mas Nicolai disse que o comportamento do governo brasileiro é acima de tudo um perigo para os brasileiros, 80% dos quais permanecem suscetíveis ao COVID-19. Isso significa que o Brasil provavelmente verá “uma situação ainda mais catastrófica” nos próximos meses, ela alertou.

Christou disse que os profissionais de saúde brasileiros estão “fisicamente, mentalmente e emocionalmente exaustos” e foram “deixados sozinhos para juntar os pedaços de uma resposta falha do governo”.

“Todos com quem falei no Brasil pediram a mesma coisa: essa doença precisa ser levada a sério pelas autoridades, dizem. As pessoas estão desesperadas, estão de luto e precisam de ajuda.”

Bolsonaro e seus apoiadores defendem a resposta do governo, alegando que sua resistência às medidas de contenção visa proteger a economia. Na segunda-feira, o filho político de Bolsonaro, Eduardo, afirmou falsamente no Twitter que o bloqueio ajudou o coronavírus a se espalhar. A empresa de mídia social disse mais tarde que a mensagem violou suas regras sobre a divulgação de informações enganosas e potencialmente prejudiciais sobre a pandemia.

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian”  [Aqui!].

Washington Post rotula Brasil como um “super spreader event” de COVID-19 que ameaça toda a América do Sul

Em um artigo publicado nesta segunda-feira (05/04), o jornal “The Washington Post” classificou o Brasil como um “super spreader event (ou em um bom português, um super evento de disseminação) da COVID-19 para toda a América do Sul. Assim, o papel de pária global que o Brasil passou o ocupar por outras ações desastradas do governo Bolsonaro ganha agora o reforço do papel cumprido pelo nosso país no agravamento da pandemia da COVID-19 em toda a América do Sul.

superspreader

A matéria assinada pelos jornalistas Lucien Chauvin, Anthony Faiola e Terrence McCoy mostra, por exemplo, a situação dramática instalada no Paraguai pela rápida penetração da variante P1 surgida em Manaus em território paraguaio já que é quase impossível impedir a circulação de pessoas contaminadas na fronteira de mais de 1.000 km que separa os dois países. O mesmo problema se repete em todos os países que possuem fronteiras com o Brasil.

superspreader 1

As pessoas passaram pela Praça Internacional no mês passado na divisa entre Santana do Livramento, no Brasil, e Rivera, no Uruguai. (Diego Vara / Reuters)

A situação no Peru, que também possui uma fronteira considerável com o Brasil, também é dramática com o sistema hospitalar peruano chegando ao ponto de colapso por causa da virulência da variante P1.  César Salomé, um médico peruano que atua na linha de frente do combate à COVID-19 em um hospital localizado em Lima, o caos que está sendo disseminado a partir do Brasil deixou de ser um problema só dos brasileiros, para se tornar um problema global. 

A reportagem aponta ainda que a variante P1 está se espalhando rapidamente por todos os países da América do Sul, apesar dos crescentes esforços para fechar as fronteiras com o Brasil.  O aumento dramático dos casos de contaminação pela P1 certamente é apenas um dos muitos elementos decorrentes da política negacionista adotada pelo governo Bolsonaro desde o início da pandemia.  O problema agora é saber como nossos vizinhos reagirão ao fato de que seus sistemas de saúde irão colapsar por causa do descaso do governo brasileiro com o controle da pandemia.

Enquanto isso, aqui no Brasil ainda temos que assistir à disputas incríveis por parte daqueles que querem templos e escolas de frequentadores. Do jeito que a coisa vai, os brasileiros vão ficar isolados dentro do território nacional por muito tempo.

No Brasil, 8 milhões de contas foram afetadas por novo vazamento de dados do Facebook

facebook leaking

Em um obscuro fórum de hackers, um usuário postou os números de telefone e informações pessoais de centenas de milhões de usuários do Facebook, incluindo nomes, aniversários e, em alguns casos, endereços de e-mail. A lista de dados vazados inclui quase 8,06 milhões de usuários do Brasil.  

  • Os dados pessoais de mais de 533 milhões de usuários do Facebook foram postados online em um fórum de hackers impopular
  • Isso inclui números de telefone, nomes, locais, endereços de e-mail e informações biográficas
  • Especialistas em segurança alertam que eles podem ser usados ​​por hackers para se passar por outras pessoas e golpes

Os dados divulgados por um desconhecido dizem respeito a mais de 533 milhões de usuários do Facebook de 106 países, 32 milhões deles são usuários dos EUA, 11 milhões da Grã-Bretanha e 6 milhões da Índia. Vazou: nomes, números de telefone, ID do Facebook (uma ID que o Facebook atribui a cada usuário ), locais, aniversários, biografias e endereços de e-mail.

Como Alon Gal, da empresa de crimes cibernéticos Hudson Rock, que foi a primeira a descobrir um vazamento de dados, aponta, que eles podem fornecer informações valiosas para os cibercriminosos que se passarem por outras pessoas ou fraudar credenciais de login.

vazamento facebook
Foto: Alon Gal / Twitter / materiais de imprensa.O vazamento também afeta usuários do Brasil – como indica a lista publicada no Twitter por Alon Gal

Alon Gal percebeu que o Facebook vazou dados pessoais em janeiro, quando um usuário do mesmo fórum onde os dados apareceram no sábado promoveu um bot que forneceria os números de telefone de centenas de milhões de usuários do Facebook pela quantidade certa. O caso foi então descrito pelo site Motherboard.

“Um banco de dados desse tamanho contendo informações privadas, como os números de telefone de muitos usuários do Facebook, certamente levaria pessoas mal-intencionadas a usar esses dados para realizar ataques de engenharia social ou tentativas de invasão”, advertiu Gal em entrevista ao American Insider.

Agora, todo o conjunto de dados foi carregado para o fórum de hackers gratuitamente, tornando-o acessível a qualquer pessoa com conhecimentos básicos no assunto.

Brasil liderou perda global de florestas tropicais em 2020

perda-florestas-tropicais-810x566

Mesmo com a pandemia desacelerando o mundo em 2020, o mundo registrou um aumento substancial na perda de floresta tropical. Dados revelados nesta 4ª feira (31/3) pela plataforma Global Forest Watch, do WRI, apontam que o ritmo de destruição cresceu 12% no ano passado, com uma perda de 4,2 milhões de hectares de floresta primária tropical – uma área equivalente ao território dos Países Baixos. Esse desmatamento também foi responsável pela liberação de 2,6 bilhões de toneladas de dióxido de carbono, um volume de poluição igual àquela emitida em um ano por uma frota de 570 milhões de automóveis, dez vezes maior do que a frota brasileira.

Falando em nosso país, o Brasil encabeçou a lista de nações com as maiores perdas florestais em 2020, com alta de 25% na comparação com o ano anterior, o que resultou na perda de 1,7 milhão de hectares de floresta tropical – três vezes mais que o 2º colocado nesse ranking, a República Democrática do Congo. A maior parte da área de floresta perdida no Brasil se deu na Amazônia, com a derrubada de 1,5 milhão de hectares de vegetação nativa no ano passado. De acordo com o WRI, a abertura de novas áreas para a produção de commodities foi a principal causa da perda de cobertura arbórea (em florestas primárias e secundárias) na América Latina e no Sudeste Asiático, enquanto a agricultura de rotação é o fator mais relevante na África tropical. O levantamento destacou também o impacto de grandes incêndios registrados no ano passado, como os que consumiram boa parte do Pantanal brasileiro.

Os dados do Global Forest Watch foram repercutidos por AFPBloombergGuardianReutersValor e Washington Post, entre outros.

ClimaInfo, 1º de abril de 2021.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pelo ClimaInfo [Aqui].

“Haverá mais mutações (do coronavírus) no Brasil”

Primeiro Manaus, agora todo o Brasil: por trás do aumento maciço de pessoas mortas e infectadas por corona no Brasil estão provavelmente outras variantes do Sars-CoV-2

nzz 1Um coveiro cava sepulturas para vítimas de COVID-19 em Manaus. Bruno Kelly / Reuters

Por Alexander Busch, em Salvador, para o Neue Zürcher Zeitung

Primeiro, foi a metrópole amazônica de Manaus que registrou um aumento maciço de pessoas infectadas e mortas em janeiro. Exatamente como há um ano. Mas agora todo o Brasil se tornou uma área de desastre da COVID-19. Com mais de 12 milhões de infectados, o Brasil é o país com o maior número de portadores de COVID-19 no mundo, depois dos EUA. Com 354 infectados por milhão de habitantes, menos pessoas estão infectadas atualmente no Brasil do que na Itália. Mas o sistema de saúde do país amazônico está chegando ao limite. As unidades de terapia intensiva estão sobrecarregadas em quase todo o Brasil. Mais de 3.200 pessoas morrem atualmente de Covid-19 todos os dias. A estimativa do Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Estado do Rio de Janeiro, não pode ser descartada entre 4 mil e 5 mil mortes por dia.

“A capacidade de mutação e a velocidade do coronavírus são extremamente altas”, disse em entrevista Marilda Mendonça Siqueira, chefe do laboratório de vírus respiratórios e sarampo da Fiocruz. Em uma sociedade como a brasileira, que desenvolveu poucos anticorpos fora dos hot spots como Manaus e quase não é vacinada, o vírus se espalha mais rápido e inevitavelmente desenvolve novas mutações. “Isso significa que o clima no Brasil para o desenvolvimento de novas variantes do Sars CoV-2 continua favorável”, diz ela.

Novas variantes com defesa imunológica mais fraca?

A nova variante Sars-CoV-2 chamada P.1, que só foi descoberta em novembro, agora dominaria em muitos estados brasileiros. Mas também uma nova variante P.2 agora pode ser comprovada com cada vez mais frequência. Uma nova variante foi descoberta na semana passada, até agora denominada provisoriamente de N9 no instituto. É uma mutação da mutação E484K, que também ocorre na variante do vírus britânico (B.1.1.7) e no P.1, que foi descoberto pela primeira vez em Manaus. Esta mutação E484K provavelmente enfraquece o sistema imunológico humano porque torna os anticorpos menos responsivos.

nzz2Técnico de laboratório se prepara para fabricar a vacina AstraZeneca no Brasil.  Wagner Meier / Getty

O instituto de pesquisas com sede no Rio tem grande reputação internacional e uma longa tradição no combate a vírus e no desenvolvimento de vacinas nos trópicos: foi fundado em 1900 para combater a epidemia de peste. Em sua história, o instituto desenvolveu vacinas próprias contra febre amarela e varíola. A Fiocruz agora também está produzindo uma vacina para brasileiros em colaboração com a Oxford /AstraZeneca. Junto com o Instituto Butantan de São Paulo, que também produz suas próprias vacinas em conjunto com a chinesa Sinopharm, o Brasil é um dos pouco menos de uma dezena de países do mundo que podem produzir eles próprios vacinas contra o coronavírus.

O Brasil já podia vacinar muito mais há muito tempo. Mas no ano passado o presidente Jair Bolsonaro boicotou tanto a compra de soros quanto as ofertas de empresas farmacêuticas internacionais para trabalhar com os dois laboratórios. Só depois que o número de casos explodiu novamente é que o governo Bolsonaro cedeu no final de janeiro e não mais obstruiu ativamente a produção de vacinas no Brasil.

O farmacologista e bioquímico Siqueira hesita em explicar o aumento explosivo do número de infecções no Brasil com as novas mutações. “Ainda não temos séries de números homogêneas e confiáveis ​​para que possamos estabelecer uma relação causal entre P.1 ou P.2 e o curso da infecção.”

Um grupo de pesquisa brasileiro-britânico (Cadde) afirmou recentemente que o P.1 de Manaus é transmitido mais facilmente por um fator de 1,4 a 2,2 do que as variantes convencionais do vírus. Por isso, apesar da suspeita de imunidade de rebanho ali, após o alto número de infecções há um ano, houve novamente um aumento maciço de infecções em Manaus. De acordo com um estudo de anticorpos, dois terços das pessoas na metrópole isolada de Manaus foram infectadas em abril e maio do ano passado e, portanto, devem estar imunes.

Siqueira, por outro lado, explica o alto número de infecções e mortes em Manaus dizendo que o governo cortou as capacidades adicionais de tratamento e análise lá em um estágio inicial. Além disso, grande parte da população negligenciou quase completamente o distanciamento social mêses atrás. Essa combinação é fatídica e se aplica a todo o Brasil.

nzz3Apesar da pandemia, as pessoas estão se divertindo na praia do Rio de Janeiro.  Pilar Olivares / Reuters

Siqueira também não quer confirmar a suposição de que as novas variantes do vírus estão infectando mais jovens. É difícil comparar a primeira fase da infecção com a atual: “Há um ano tivemos um bloqueio extremamente difícil por mais de três meses”, explica Siqueira. Agora as pessoas voltariam a viajar, as escolas estavam parcialmente abertas. “Aqui no Rio de Janeiro os bares ficam lotados até as seis da tarde.” Portanto, todas as informações sobre maiores taxas de infecção e transferibilidade com imunidade anterior são bastante especulativas, diz Siqueira. “As condições são completamente diferentes hoje.” Mesmo que se possa presumir uma taxa de infecção mais alta, isso é difícil de provar. “Simplesmente não temos uma série homogênea e confiável de números sobre o curso das várias mutações do vírus.”

Na verdade, comparativamente poucas amostras de pessoas infectadas são sequenciadas no Brasil. Isso deixa uma imagem incompleta de quantas novas variantes do vírus estão se espalhando. As amostras foram enviadas para sequenciamento em apenas 0,03% dos casos da COVID-19, de acordo com a Gisaid, uma plataforma com dados sobre genomas de coronavírus. Em outros países, como o Reino Unido, essa taxa chega a 5%. A variante P.1 circulando na Amazônia também foi detectada pela primeira vez no Japão.

No entanto, Siqueira rejeita as críticas à insuficiência de pesquisas no Brasil – mesmo que ela mesma aponte para a falta de séries de dados. No Brasil, por exemplo, a variante do vírus P.2 foi descoberta pela primeira vez e agora o N9. Além disso, poucos países são tão transparentes em suas pesquisas quanto o Instituto Fiocruz estadual, que atualiza constantemente seus dados e os torna públicos.

Vacina chinesa eficaz contra o vírus de Manaus

Por exemplo, a Fiocruz publicou dados de pesquisa no site no final da semana passada indicando que a vacina AstraZeneca/Oxford protege contra a variante brasileira P.1 do novo coronavírus, semelhante à cepa britânica (B.1.1.7). Em outro estudo, a Fiocruz já havia verificado que a vacina Coronavac da China, amplamente utilizada no Brasil, é eficaz contra a variante P.1.

A eficácia das vacinas para as variantes brasileiras também dá esperança: embora o presidente Jair Bolsonaro tenha negado a pandemia como uma “gripe inofensiva” por meses e boicotado o trabalho das autoridades de saúde, o Brasil agora foi capaz de aumentar as vacinações com uma rapidez surpreendente. As campanhas de vacinação só começaram em meados de janeiro. Apesar disso, já foram distribuídas cerca de 16 milhões de doses de vacinas. Isso corresponde a cerca de 7% da população adulta. Siqueira destaca que as vacinações que já foram concluídas para os brasileiros mais velhos (acima de 70 anos) podem ter levado a um aumento comparativamente maior nos infectados mais jovens.

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Neue Zürcher Zeitung [Aqui!].

Dualidade das máscaras desvela a natureza do governo Bolsonaro: no Brasil sem, em Israel com

Uma comitiva representando o governo do Brasil, composta por membros de ministérios e parlamentares saiu em direção a Israel com missão pouco clara. Entretanto, as imagens deixam claríssima a situação esdrúxula que o nosso país vive nesse momento.

brasil e israel

Como pode ser ver, enquanto no Brasil nenhum dos membros da comitiva portava uma máscara facial, ao chegar em Israel todos a portavam, obviamente sob demanda das autoridades israelenses que colocaram aquele país na condição de primeiro lugar em termos de vacinação contra a COVID-19 entre todas as nações do planeta.

Mas vexame mesmo passou o ministro das Relações Exteriores do governo Bolsonaro, Ernesto Araújo, que foi obrigado a colocar uma máscara ao se aproximar do chanceler israelense Gabi Ashkenazi, em Jerusalém, no momento das fotografias protocolares.

Por essas e outras é que o Brasil está nesse momento em completo descrédito internacional, e cada vez mais isolado em um momento crucial da nossa história. E, pior, os que não portam máscaras e incentivam outras a não usá-las em território brasileiro são os mesmos que mansamente fazem isso no exterior.

Finalmente, não é coincidência nenhuma que Israel já esteja próximo de debelar a pandemia da COVID-19, enquanto o Brasil acumula novos casos de infecção e empilha cadáveres em containers nas portas de seus hospitais colapsados.

Pesquisa IBOPE: brasileiros se preocupam muito com a questão ambiental

 Levantamento mostra ainda que consumidores e eleitores já fazem escolhas cada vez mais coerentes com seus valores ambientais

ibope 0

Quatro em cada cinco brasileiros acham que as queimadas na Amazônia prejudicam a imagem do Brasil no exterior e 78% entendem que elas podem prejudicar também as relações comerciais com outros países. Para 77% dos brasileiros, proteger o meio ambiente é mais importante, ainda que isso signifique menos crescimento econômico. Entre os brasileiros, é praticamente uma unanimidade que o aquecimento global está acontecendo (92%) e já pode prejudicar – e muito – a atual geração (72%). E a relação entre queimadas e clima é percebida por quase todos os brasileiros: 90% concordam que as queimadas na Amazônia são uma ameaça para o clima e o meio ambiente do planeta e 92% acreditam que elas prejudicam a qualidade de vida da população.

ibope 1

Essas são algumas conclusões da pesquisa IBOPE Inteligência encomendada pelo Instituto de Tecnologia e Sociedade – ITS Rio em parceria com o Programa de Comunicação de Mudança Climática da Universidade de Yale (Yale Program on Climate Change Communication) com brasileiros de todas as regiões, classes e níveis de escolaridade, refletindo o perfil da população brasileira acima dos 18 anos. Ela mostrou percepções e opiniões da sociedade, que de forma geral vão no sentido contrário a algumas das políticas ambientais do país.

A pesquisa traz também um recado importante para políticos e empresários: quase metade dos brasileiros (42%) declarou já ter votado em algum político em razão de suas propostas para defesa do meio ambiente e mais da metade (59%) deixou de comprar ou usar algum produto que prejudique o meio ambiente.

“A atual política ambiental do Brasil nos isola no cenário internacional e pode nos custar empregos e atrasar nossa recuperação pós-COVID. O Brasil caminha na direção contrária do que esperam os investidores e líderes internacionais, bem no momento em que o mundo se realinha para combater o problema das mudanças climáticas”, analisa Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima.

Quando perguntados sobre quem pode contribuir para resolver o problema das mudanças climáticas, os governos e as empresas foram os mais citados, por 35% e 32% dos entrevistados, respectivamente. “O entendimento dos brasileiros reflete o que desejam consumidores e investidores. As empresas devem buscar desempenhar um papel mais estratégico no desenvolvimento sustentável. Várias corporações já se uniram nesse esforço, mas precisamos avançar mais se quisermos permanecer relevantes nas cadeias econômicas globais”, completa Marcello Brito, representante da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, movimento que reúne mais de 270 organizações do setor privado, financeiro, sociedade civil e academia.

A ação humana é vista como a principal causa das queimadas na Amazônia para 77% dos brasileiros. Na questão sobre quem causa as queimadas, os entrevistados podiam apontar mais que um responsável. Os mais citados foram madeireiros (76%), agricultores (49%), pecuaristas (48%) e garimpeiros (41%). Mesmo quando se considera apenas o indicado em primeiro lugar, estes atores continuam sendo os mais citados. Perguntados sobre de quem é a responsabilidade em contribuir para resolver o problema, mais da metade da população (54%) entende que a responsabilidade é do governo.

Segundo Anthony Leiserowitz, diretor do Yale Program on Climate Change Communication, há semelhanças e diferenças entre o Brasil e os Estados Unidos: “Os resultados são fascinantes – eles nos ajudam a entender a opinião pública brasileira e fornecem um contraste muito interessante com a opinião pública nos Estados Unidos. Por exemplo, 92% dos brasileiros entendem que o aquecimento global está acontecendo. Nos Estados Unidos, esse percentual é de apenas 73%. Da mesma forma, 78% dos brasileiros dizem que o aquecimento global é uma questão muito importante, em comparação com apenas 37% dos americanos. Ao mesmo tempo, também vemos padrões semelhantes entre os dois países. Tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, os jovens, aqueles que se declaram mais à esquerda no espectro político, com ensino superior e as mulheres, afirmam conhecer mais e estar mais preocupados com as mudanças climáticas, o desmatamento e o meio ambiente do que os entrevistados mais velhos, que se declaram mais à direita politicamente, com menor grau de instrução e homens. Esperamos que esses resultados sejam úteis para muitos atores no Brasil, como funcionários do governo, líderes empresariais e organizações da sociedade civil.”

Para Rosi Rosendo, diretora de contas na área de Opinião Pública, Política e Comunicação do IBOPE Inteligência, “Os resultados da pesquisa apontam para uma grande preocupação da população brasileira em relação ao meio ambiente, pauta que tem tomado conta dos noticiários nos últimos anos, principalmente em função das queimadas que ocorreram na Amazônia em 2019 e no Pantanal e no Cerrado no segundo semestre de 2020, ambos acontecimentos tiveram forte repercussão internacional. As queimadas foram percebidas pelos brasileiros como acontecimentos que prejudicam a imagem do Brasil no exterior e que podem até impactar negativamente a relação comercial com outros países. No entanto, ainda que a população considere importante a preservação do meio ambiente, há muito que se avançar em termos de educação e disseminação de conhecimento sobre as mudanças climáticas e o aquecimento global, já que apenas um em cada cinco brasileiros declarou saber muito sobre o assunto, resultados que devem ser levados em conta tanto pelo governo quanto pelas empresas em ações de preservação do meio ambiente”, acrescenta Rosendo.

Fabro Steibel, diretor do ITS, explica que novas rodadas da pesquisa serão realizadas e que o objetivo é medir a percepção do brasileiro sobre o clima ao longo dos anos. “Nós percebemos que há pesquisas sobre a percepção de clima, mas elas não têm continuidade. Dando continuidade, poderemos acompanhar se haverá evolução da preocupação”.

“Mudanças Climáticas: a Percepção dos Brasileiros” é uma pesquisa quantitativa realizada pelo IBOPE Inteligência com uma amostra de 2.600 entrevistas, representativa da população brasileira com 18 anos ou mais em todas as regiões do Brasil. O período de campo foi de 24 de setembro a 16 de outubro de 2020, após o qual o ITS se dedicou à análise dos dados em conjunto com os seus parceiros. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para o total da amostra, considerando-se um nível de confiança de 95%. Saiba mais em: https://www.percepcaoclimatica.com.br/

Sobre o Instituto Tecnologia e Sociedade (ITS Rio)

O ITS Rio é uma associação civil sem fins lucrativos dedicada ao desenvolvimento de pesquisas e projetos sobre o impacto social, jurídico, cultural e político das tecnologias de informação e comunicação. Com ampla atuação internacional, derivada da experiência e trabalho em sua área específica acumulada por mais de 10 anos por parte dos seus fundadores, o ITS é organizado no modelo de think tank independente. O ITS realiza pesquisas orientadas ao atendimento do interesse público e que gerem reflexões e propostas que avancem o diálogo democrático, a proteção dos direitos humanos e proporcionem impactos relevantes na formação e execução de políticas públicas e práticas privadas. Formado por professores e pesquisadores de diversas instituições como UERJ, PUC-Rio, FGV, IBMEC, ESPM, MIT Media Lab, dentre outras, o ITS conta com uma rede de parceiros nacionais e internacionais. Mais informações: https://itsrio.org

Yale Program on Climate Change Communication

Pesquisa conhecimento, atitudes, preferências políticas e comportamentos públicos em todo o mundo e desenvolve estratégias de comunicação para engajar diferentes públicos na ciência e nas soluções de mudanças climáticas.

Mais informações: https://climatecommunication.yale.edu/

Webinar discute meios de frear extinção em massa de animais

Evento debaterá formas de recuperação de espécie em risco de extinção para manutenção da riqueza e equilíbrio dos ecossistemas

unnamed

No dia 26 de janeiro, às 10h, a CEO do Parque das Aves, Carmel Croukamp, participará do webinar Changing the outcome for threatened species (“Mudando o resultado para espécies ameaçadas”, em português) juntamente com Bruno Oberle, diretor geral da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), e Jon Paul Rodriguez, presidente da Comissão de Sobrevivência de Espécies da UICN (UICN CSE). 

A União Internacional para a Conservação da Natureza é a maior organização internacional e intergovernamental de conservação de biodiversidade mundial, aliada às Nações Unidas (ONU) e reconhecida como a autoridade global sobre a situação do mundo natural e as medidas necessárias para sua conservação.

O objetivo do evento é promover uma discussão entre as principais autoridades sobre o processo de extinção em massa de espécies. Para entender as implicações disso e formas de reverter esse processo de degradação ambiental, o webinar visa apontar meios efetivos de inverter o processo de extinção.

A Dra. Carmel Croukamp foi convidada para participar como representante da Associação Mundial de Zoológicos e Aquários, e como cofundadora do Centro de Sobrevivência de Espécies Brasil, cujo lançamento será abordado no evento.

O evento será online via Zoom com limite de 500 participantes e em inglês. E será aberto ao público interessado, jornalistas, empresários, pesquisadores, tomadores de decisão e formadores de opinião. As inscrições são gratuitas e serão realizadas pelo link https://smithsonian.zoom.us/webinar/register/WN_Xe0DJkWjSjuQrkYPssu-rQ.

Carmel acredita que o webinar servirá como uma troca de experiências que deram certo de autoridades de instituições renomadas no mundo e que muitas delas podem ser replicadas em território nacional. A executiva lembra que o ano de 2020 será lembrado pela pandemia da Covid-19, mas também como de grandes catástrofes ambientais que afetam diretamente as espécies.

“O Brasil é um país megadiverso e possui um patrimônio genético incomparável nos seus mais ricos ecossistemas. Uma de suas principais características é estar relacionado aos expressivos níveis de endemismos e à grande diversidade de habitats e à extensão territorial do país. No entanto, nos últimos anos tivemos muitas perdas na área ambiental e é preciso debater formas efetivas de reverter isso”.

Brasil no centro das atenções

Durante sua fala, Carmel pretende tratar especificamente da recuperação ambiental de aves da Mata Atlântica a partir da divulgação e conscientização pública, conservação de remanescentes da fauna e da flora, proteção da biodiversidade e recuperação ambiental de áreas degradadas.

Ela abordará com os participantes sobre o Centro de Sobrevivência de Espécies Brasil, cuja sede fica no Parque das Aves. Esse hub permanente da UICN CSE foi fundado em 2019 e trabalha para apoiar avaliações, planejamentos estratégicos e ações para salvar espécies nativas brasileiras da extinção, em aliança e no apoio multidisciplinar de profissionais brasileiros que já fazem um excelente trabalho para esse fim.

“Precisamos desacelerar a pressão sobre os ecossistemas. Uma das formas é compartilhando essa nossa experiência positiva vivenciada no Centro de Sobrevivência de Espécies Brasil e também conhecendo outros métodos e vivências positivas que acontecem em vários lugares do mundo”, afirma.

O UICN CSE Centro de Sobrevivência de Espécies Brasil é uma parceria entre a Comissão de Sobrevivência de Espécies, o Grupo Especialista em Planejamento para Conservação (CPSG) e o Parque das Aves.

Serviço

O quê: webinar Changing the outcome for threatened species (“Mudando o resultado para espécies ameaçadas”, em português)

Quando: dia 26 de janeiro, às 10h, via Zoom

Inscrições em: https://smithsonian.zoom.us/webinar/register/WN_Xe0DJkWjSjuQrkYPssu-rQ

OBS: Interessados também poderão acompanhar diretamente do Facebook em https://www.facebook.com/events/1054242941720904/

Vontade de ferro: pesquisador finlandês publica livro sobre resistências às políticas extrativistas no Brasil e na Índia

iron will

Vontade de ferro expõe o papel das políticas extrativistas e esforços para resistir a essas políticas por meio de uma profunda exploração etnográfica da mineração de minério de ferro de importância global no Brasil e na Índia.  Nesta obra, o professor da Universidade Helsinki, Markus Kröger, aborda estratégias de resistência ao extrativismo e rastreia seu sucesso, ou a falta dele, por meio de uma comparação de conflitos de recursos pacíficos e armados, explicando como surgem diferentes meios de resistência.

Kröger usa os contextos e sistemas políticos distintos do Brasil e da Índia para destacar a importância do contexto local para que ocorra o processo de resistência. Por exemplo, se houver um conflito armado em um local planejado de mineração, como isso influencia a possibilidade de usar estratégias de resistência pacíficas? Para responder a tais questões, Kröger avaliou as inter-relações de contencioso, eleitoral, institucional e judicial.

Com base em uma pesquisa de campo detalhada e outras fontes, a obra de Kröger explica precisamente quais estratégias de resistência são capazes de influenciar os resultados políticos e econômicos. Kröger expande ainda o foco da pesquisa extrativista tradicionalmente latino-americana para outros contextos, como a Índia e o crescente movimento extrativista no chamado Norte Global.

Além disso, como o livro é uma etnografia política multilocalizada, é quase certo que a mesma atrairá sociólogos, cientistas políticos, antropólogos, geógrafos e outros que usam pesquisa de campo, entre outros métodos, para compreender a globalização e as interações políticas globais.

Sem dúvida alguma, este livro é o mais completo que já se escreveu sobre a Economia Política e a Ecologia Política do minério de ferro e do aço.  Há que se lembrar que o minério de ferro é a segunda commodity mais importante do mundo depois do petróleo.

Quem desejar baixar gratuitamente o livro de Markus Kröger, basta clicar [Aqui!].