Instituto Alana lança série de vídeos sobre infância e tecnologia em tempos de quarentena

Especialistas analisam como é possível que os pequenos tenham uma relação saudável com a tecnologia diante do cenário atual

alana

A rotina familiar mudou desde o início da quarentena causada pelo COVID-19 no Brasil e no mundo. Com as crianças em isolamento social, pais, mães e responsáveis se veem imersos nas diversas demandas do dia a dia. Nesse contexto, o ambiente digital aparece como um recurso que oferece oportunidades de conexão, socialização com os amigos e familiares e aparece como um novo espaço para aprender e brincar. Para contribuir e auxiliar famílias nas relações das crianças com as telas, o Instituto Alana desenvolveu uma série de vídeos com depoimentos de especialistas, que apresentam conteúdos sobre como as famílias podem ajudar os pequenos a terem relações éticas, saudáveis e criativas com as tecnologias.

Pesquisadores e especialistas, bem como as recomendações de organizações como sociedades de pediatras, UNICEF e Organização Mundial da Saúde defendem que em uma relação saudável com a tecnologia devem prevalecer boas experiências e o respeito à privacidade e a capacidade de desconectar das crianças, reconhecendo que o universo digital também apresenta desafios que precisam ser conhecidos e cuidados. Por isso, a série busca proporcionar reflexões sobre temas relacionados à tecnologia e infância como os benefícios da tecnologia durante a quarentena, a qualidade de conteúdo, o equilíbrio entre as experiências digitais e atividades sem telas, a publicidade infantil, entre outras.

Ao todo, a série é composta por nove vídeos, que contam com a participação de especialistas do Instituto Alana: Maria Isabel Barros, pesquisadora do programa Criança e Natureza; Laís Fleury, coordenadora do programa Criança e Natureza; Livia Cattaruzzi, advogada do programa Criança e Consumo; Pedro Hartung, coordenador dos programas Criança e Consumo e Prioridade Absoluta e Raquel Franzim, coordenadora da área de Educação. A relação completa dos vídeos poderá ser vista no link .

Sobre o Instituto Alana

O Instituto Alana é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que aposta em programas que buscam a garantia de condições para a vivência plena da infância. Criado em 1994, é mantido pelos rendimentos de um fundo patrimonial desde 2013. Tem como missão “honrar a criança”.

O sinal de Bolsonaro alcança nossas crianças e compromete o nosso futuro

bolsonaro-opovoonline

O candidato Jair Bolsonaro já foi fotografado em diversas ocasiões ensinando crianças a fazer o seu sinal característica da arma nas mãos. Seus apoiadores e a mídia corporativa tendem a descaracterizar a gravidade dessa ação de incitação à violência como uma “excentricidade” ou uma “brincadeira” de Bolsonaro.

Acontece que não nada de excentricidade ou brincadeira num gesto dentro de um país que possui um dos maiores índices de assassinatos por armas de fogo no planeta. Essa “brincadeira” sinaliza que o caminho para se resolver a violência que assola nossa sociedade é na bala, preferencialmente usada contra os mais pobres.

Pois bem, como a atual campanha eleitoral está fortemente ancorada nas redes sociais, não faltam imagens que nos mostram o alcance e a capilarização da mensagem de extermínio que a “brincadeira” de Jair Bolsonaro, inclusive em crianças que já o assistiram outras crianças a fazê-la.  

Vejamos a imagem abaixo, por exemplo!

crianças dedo

Como a formação intelectual e moral das pessoas se inicia nos níveis iniciais de educação formal, não há como deixar de se preocupar com o impacto que essa ode à violência trará sobre este grupo de crianças que fazem um gesto coletivo que também está ocorrendo em templos e outros locais de convivência social.

Os brasileiros precisam recusar este caminho, pois, do contrário, as décadas que virão serão marcadas por um nível de conflagração social que manterá o Brasil como um dos países mais atrasados do mundo.

Enquanto isso em Portugal, meu filho está tendo aulas em museus e espaços verdes para aumentar sua capacidade de interagir e sociabilizar de forma tolerante e democrática. Isto tudo num sistema público de ensino que ainda precisa evoluir bastante, mas já nos deixa muito para trás.

As jaulas da política de “tolerância zero” contra imigrantes e exilados do governo Trump convulsionam os EUA

Morei nos EUA por quase 7 anos, e posso dizer como José Marti que “vivi no monstro e conheço suas entranhas”. Mas não posso dizer que minhas memórias da vida em terras estadunidenses são trágicas ou infelizes, apesar dos momentos difíceis que passei, muitos deles pela minha própria incapacidade cultural de entender como aquela sociedade funcionava.  Todavia, aprendi ao viver nas entranhas do monstro que sua gente não se ajusta necessariamente aos estereótipos que são formulados por quem desdenha, mas quer comprar os valores que dominam um modo de vida anconrado no consumo pleno e, claro, numa quantidade gigantesca de desperdícios.

A verdade é que por onde passei encontrei sempre pessoas que me trataram de forma gentil e compreensiva me deram uma mão amiga, muitas vezes indo além do que teria sido feito em situações semelhantes no Brasil, onde abunda uma forma de relacionamento que eu chamo de “falsa gentileza”, onde o tapinha nas costas pode ser a antevéspera da facada numa dialética que já foi imortalizada pelo poeta Augusto dos Anjos no seu “Versos íntimos”.

Por conhecer um pouco as complexidades da sociedade estadunindense é que não me surpreendo com toda a repercussão negativa que está acontecendo dentro dos EUA em reação à política de separação de país e filhos de pessoas que estão chegando e se entregando às autoridades na fronteira com o México. Essa política desenvolvida pelo governo de Donald Trump como mais uma das táticas de coação em assuntos que envolvem estratégias multilaterais (basta ver as disputas em curso com a China e a União Européia) acabou se mostrando um tremendo tiro no pé, pois as reações contrárias vieram de todos os lados do espectro político.

trump children

O gráfico acima mostra os resultados de uma pesquisa recente feita pela Universidade Quinnipiac, mostra de forma inequivoca que  66% dos eleitores americanos é contra as medidas drásticas de separar país e filhos e, pior, de colocar crianças e adolescentes em espaços que se assemelham a campos de concentração. Basta lembrar que apenas em seis semanas,  no período de abril a maio de 2018, 2.000 crianças foram separadas de seus pais e colocadas em celas que se assemelham a jaulas.

Mesmo tendo cedido sobre o efeito da pressão pública, o presidente Trump certamente ainda terá que conviver com as consequências negativas de sua política imigratória baseada na teoria de que campos de concentração são mais eficientes do que oferecer mecanismos mais humanos para estancar a onda migratória que continuará batendo às portas dos EUA, especialmente em sua fronteira sul. 

E não há como traçar um paralelo deste caso com o que se tem visto no Brasil nos últimos anos. Enquanto nos EUA milhares de pessoas e lideranças políticas saíram às ruas para denunciar o tratamento desumano sendo dado à crianças pobres que estavam sendo vítimas de uma forma explícita de terrorismo de estado,  aqui no Brasil o que tem se visto são massas de privilegiados que só ocupam espaços públicos para demandar a regressão da frágil melhoria nas condições de vida que as políticas sociais formuladas a partir da Constituição Federal de 1988 ofereceram aos segmentos mais miseráveis da nossa população.

Consumo de orgânicos reduz nível de pesticidas em crianças

Thinckstock

Criança comendo morango

Comida: estudo, realizado nos Estados Unidos, envolveu 40 crianças, com idades de 3 a 6 anos.

Vanessa BarbosaVanessa Barbosa
 

São Paulo – Uma nova pesquisa, publicada na revista científica Environmental Health Perspectives, sugere que a adoção de uma dieta orgânica reduz, significativamente, as concentrações de certos defensivos agrícolas sintéticos no organismo infantil.

O estudo, realizado nos Estados Unidos, envolveu 40 crianças, com idades de 3 a 6 anos, de duas localidades diferentes, um bairro urbano em Oakland e uma região agrícola do Vale do Salinas, na Califórnia.

Ao longo de 16 dias, os cientistas trocaram os alimentos convencionais da dieta das crianças por produtos orgânicos e mediram as concentrações de pesticidas na urina dos pesquenos durante esse período.

Nos quatro primeiros dias, as crianças comeram produtos convencionais, nos setes dias seguintes, a dieta era orgânica, e nos últimos 5 dias, elas voltaram aos alimentos convencionais.

Segundo a pesquisa, os níveis de vários pesticidas que apareciam no teste diário da dieta convencional caíram de 25 a 50 por cento durante a período de alimentação orgânica.

A dieta orgânica foi associada a reduzidas concentrações de compostos formados (metabolitos) quando o corpo tenta eliminar pesticidas.

Conforme o estudo, os metabolitos de dois pesticidas organofosforados neurotóxicos caíram de 40 a 49 por cento. Já os níveis do herbicida 2,4-D (um dos mais comuns e antigos do mundo e um possível agente cancerígeno) caiu 25 por cento.

No entanto, os pesquisadores ressaltam que o estudo não sugere que todos os legumes e frutas não-orgânicos devem ser evitados. “Eles são alimentos saudáveis” disse Asa Bradman, autor da pesquisa, ao  The New York Times.

“Mas há evidências de que a dieta é uma via de exposição a pesticidas, e você pode reduzir a sua exposição ao escolher alimentos orgânicos”, acrescentou.

FONTE: http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/consumo-de-organicos-por-criancas-reduz-pesticidas-no-corpo

Psicanalista afirma que o fim do limite é o pano de fundo para a deslegitimação de pais e educadores

SPOILED

“O fim da necessidade de perda, de proibição e de limite deslegitima todos que têm a tarefa de prescrever a necessidade da subtração do gozo para poder crescer. Isso deslegitima o pai, que então se pergunta por que deve dizer não. Deslegitima o professor, que se sente mal quando deve avaliar negativamente o trabalho de um aluno. E isso, através do processo da educação, da maneira como os pais lidam com a criança, se sentem incompetentes para poderem intervir.”

Por  Jean-Pierre Lebrun 

Uma coisa que até então pouco se via: nos primeiros dias em que os pais vão levar seu filho à escola, observa-se cada vez mais que não são as crianças que choram, como antes, mas sim os pais. Esses pequenos sinais parecem nos dizer que alguma coisa se passa. E podemos, é claro, nos perguntar do que se trata. Na realidade, também os governos estão se perguntando do que se trata e de que maneira ajudar o que eles chamam de parentalidade. 

A palavra parentalidade vem substituir outras mais habitualmente utilizadas, como paternidade ou maternidade. E, como podem perceber, no termo parentalidade não se sabe muito bem quem é o pai e quem é a mãe. Haveria uma função parental assexuada que estaria em jogo. Pode parecer um pouco banal, pode parecer insignificante.

Mas, se refletirmos um pouco, podemos nos perguntar: como se explica que uma coisa que durante séculos se transmitiu de geração a geração sem nunca precisar de estudo ou de escola para ser transmitida – ou seja, que para ser pai era preciso de vez em quando dizer não aos filhos –, como se explica que, de repente, tenhamos de inventar algo para o que parece ter se rompido?

Hoje, há cada vez mais a ideia de que esse lugar de poder, de exceção, diferente dos outros lugares – que era o de Deus, do rei, do chefe, do mestre – é um lugar que não tem mais necessidade de existir. Esse lugar não tem mais importância, não tem mais necessidade de ser. Está caduco, de certo modo. Todos os lugares dão agora impressão de se equivaler pelo simples fato de que um lugar diferente dos outros não é mais reconhecido como natural. Agora somos autônomos.

Hoje, o objeto de consumo que nos é proposto cada vez mais rapidamente quer nos dar a ilusão, nos fazer pensar que justamente não se deve mais consentir nessa perda de limite, de gozo. Pelo contrário, diz que hoje devemos aproveitar o que se apresenta. Portanto, deveríamos banir de nosso trajeto a necessidade da perda. E eis aí algo que faz virar a cabeça de todo o mundo. É algo que nos atormenta profundamente e que me parece ser a mutação do vínculo social que enfrentamos hoje com uma série de consequências.

Se há ruptura quanto à necessidade da perda, então a noção de proibição se revela também completamente caduca. Por que proibir? Para que servem as proibições? Não há mais razão de proibir. Nada de proibição. E é o que constatamos hoje. Nada de regulação necessária.

O fim da necessidade de perda, de proibição e de limite deslegitima todos que têm a tarefa de prescrever a necessidade da subtração do gozo para poder crescer. Isso deslegitima o pai, que então se pergunta por que deve dizer não. Deslegitima o professor, que se sente mal quando deve avaliar negativamente o trabalho de um aluno. E isso, através do processo da educação, da maneira como os pais lidam com a criança, se sentem incompetentes para poderem intervir. Como hoje essa diferença de lugar não é mais reconhecida no discurso social, não temos outra saída senão querer a todo momento evitar o conflito. O que nos organiza hoje é o evitamento do conflito.

Na Bélgica e na França, 60% das crianças têm televisão em seu quarto. Ter uma televisão no quarto, para cada um dos filhos, é um modo extremamente eficaz de evitar o conflito no seio da família, de dia, de noite, para saber qual programa se vai escolher. Assim, cada um pode gozar tranquilo, sozinho.

Deixamos as crianças assim, durante todo esse período dos 2 aos 15 anos. Durante 15 anos, elas são deixadas em seu gozo privado, ou seja, podendo sempre evitar ter de se confrontar com o outro para saber como, afinal, vão deixá-las seguir seu caminho. Notem que isso ocorre justamente durante a infância e a adolescência, um momento em que alguém deveria vir ajudá-las a organizar a regulação de sua pulsão mortífera, destruidora, que surge quando se deparam com o outro.

Onde seria mais necessário um trabalho para aprender a renunciar, nem que seja um pouco, a essa realização mortífera, geralmente a criança se vê hoje entregue a si mesma, abandonada. Literalmente abandonada ao seu universo pessoal. De tal modo que, quando tiver 16, 17, 18 anos, o que acontecerá por ocasião de um desgosto amoroso, um desgosto de estudante ou de profissão? Um desgosto, alerto, que os pais com certeza não poderão evitar. 

Portanto, se há uma coisa que os pais devem transmitir a seus filhos, é a como falhar.

*Jean-Pierre Lebrun , diretor da Associação Freudiana da Bélgica e um dos fundadores da Associação Lacaniana Internacional fala sobre aquela que considera a causa da mutação do vínculo social contemporâneo: o fim da necessidade de aprender a perder, a renunciar, a entrar em conflito com o outro. O fim do limite.

FONTE: http://www.fronteiras.com/artigos/geracao-rede-o-sujeito-sem-limite

Meninas de Guarus: além de se preocupar com os eventuais inocentes, há que se lembrar das duas crianças assassinadas

Venho acompanhando com atenção os desdobramentos das prisões que ocorreram ontem na cidade de Campos dos Goytacazes em função do caso conhecido como “Meninas de Guarus”.  Acabo de ler no blog “Opiniões” que é mantido por Aluysio Abreu Barbosa e José Renato no site do jornal Folha da Manhã, uma série de opiniões com as quais concordo no que tange a não apontar precocemente nomes de pessoas que poderão ainda ser inocentadas (Aqui!). 

Concordo que todo cuidado é pouco na hora de acusar alguém pela prática de um crime hediondo como o da pedofilia, já que temos vários casos de pessoas que foram acusadas e depois puderam provar sua inocência.

Até ai, tudo muito justo. Agora, o que me parece igualmente importante lembrar é que, além das crianças sobreviventes terem tido suas vidas alteradas para pior pelo resto de suas vidas, o que ocorrerá para a maioria delas se dará num ambiente de pobreza e dificuldades sociais profundas, duas das vítimas foram, ao que consta dos fatos informados de forma exaustiva ao longo dos últimos cinco anos, friamente assassinadas. Essas são as duas maiores vítimas desse caso escandaloso, pois já pagaram o custo mais alto possível que foi ter suas vidas ceifadas para que um grupo de pessoas pudesse dar vazão aos seus desejos sexuais. Assim, que a justiça puna com o máximo rigor quem for efetivamente culpado e inocente que tiver que inocentar. Mas que não se esqueça das vítimas inocentes do esquema que foi desbaratado.

Já para nós, resta contribuir para a criação de um ambiente social em que nossas crianças nunca mais sejam arrastadas para uma situação tão vil e abjeta como foi o caso das Meninas de Guarus.

Muito além do peso, o filme

Pela primeira vez na história da raça humana, crianças apresentam sintomas de doenças de adultos. Problemas de coração, respiração, depressão e diabetes tipo 2.

Todos têm em sua base a obesidade.

O documentário discute por que 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam. As respostas envolvem a indústria, o governo, os pais, as escolas e a publicidade. Com histórias reais e alarmantes, o filme promove uma discussão sobre a obesidade infantil no Brasil e no mundo.

Gaza: Os Meninos Sem Rosto

Por Antonio Ateu

 Um corpo pequeno pode-se mostrar, mas a sua cara – a própria imagem da sua alma, sobretudo se não tem as feridas que causaram a morte do corpo – deve ser cruelmente esborratada por um borrão, e assim matamos o menino uma segunda vez. Por Robert Fisk.

A Al Jazeera mostrou a um pai palestiniano em prantos levando o seu bebé recém morto para um cemitério de Gaza. A maioria dos canais de televisão do Reino Unido destruíram o seu rosto com uma mancha cinzenta.

A Al Jazeera mostrou um pai palestiniano em prantos levando o seu bebé recém morto para um cemitério de Gaza. A maioria dos canais de televisão do Reino Unido destruíram o seu rosto com uma mancha cinzenta.

Morrer é uma coisa, que o convertam num borrão, é outra coisa. O borrão é a estranha “nuvem” mística que os produtores pusilânimes de televisão põem sobre a imagem de um rosto humano morto. A preocupação deles não é que os israelitas se queixem de que o rosto de um palestiniano morto demonstra a brutalidade israelita. Nem que o rosto de um israelita morto converterá em besta o palestiniano que o matou. Não. Estão preocupados com o Gabinete de Comunicações [do governo britânico]. Estão preocupados com as regras. Estão preocupados com o bom gosto – algo que estes tipos da TV conhecem bem –, porque têm medo de que alguém proteste se vir nas notícias um verdadeiro humano morto.

Em primeiro lugar, vamos deixar de lado todas as desculpas habituais. Sim, aceito que há uma pornografia do mórbido. Chega uma altura – apesar de, que eu saiba, isto nunca ter sido demonstrado –, em que a repetida imagem de talho humano pode levar outros a cometer atos de grande crueldade. E chega um ponto em que filmar um cadáver terrivelmente mutilado mostra – vamos usar a palavra, só uma vez – uma falta de respeito pelos mortos. Do mesmo modo que quando fechamos a tampa de um caixão, chega um ponto em que devemos baixar a câmara.

Mas não acho que seja por isso que se esborratam os rostos dos mortos. Acho que uma cultura rasteira e cobarde de evitar a morte na televisão está a tomar conta dos jovens insípidos que decidem o que devemos e não devemos ver da guerra, uma prática que tem contornos políticos muito graves.

Porque estamos agora a chegar a um ponto em que os meninos mortos de Gaza – esqueçamos as mulheres e os homens, por um momento – não têm rostos. Um corpo pequeno pode-se mostrar, mas a sua cara – a própria imagem da sua alma, sobretudo se não tem as feridas que causaram a morte do corpo – deve ser cruelmente esborratada por uma bolha científica, e assim matamos o menino uma segunda vez. Permitam-me que explique.

Quando estão vivos, os meninos podem ser filmados. Podem-se mostrar na televisão. Se estão feridos – desde que as lesões não sejam demasiado terríveis – permitem-nos ver o seu sofrimento. Nós como nações, não nos importamos muito, evidentemente. Daí a nossa recusa, por exemplo, de intervir no banho de sangue de Gaza. Podemos sentir piedade por eles – podemos chorar por eles – mas não os respeitamos. Se o fizéssemos, estaríamos indignados com as suas mortes. Mas quando estiverem mortos, devemos mostrar-lhes um respeito que nunca demonstrámos quando estavam vivos. Deve-se manter a privacidade do seu assassinato, protegendo os seus rostos.

Na semana passada, a Al Jazeera mostrou um pai palestiniano em prantos levando o seu bebé recém morto para um cemitério de Gaza. Tinha o cabelo negro e encaracolado e a cara de uma menina gentil, morta como se estivesse a dormir, a inocência feita carne, um anjo que – todos nós – tínhamos assassinado. Mas a maioria dos canais de televisão do Reino Unido – e a BBC ganhou experiência nesta censura – destruíram o seu rosto com uma mancha cinzenta. Os nossos professores de televisão permitiram-nos ver o seu cabelo encaracolado negro. Mas abaixo do cabelo estava esse asqueroso borrão. E à medida que a menina era transportada, o borrão movia-se com a sua cara. Era um insulto ao pai e à menina.

Não a tinha levado ele nos seus braços – em público, até o cemitério – para nos mostrar o grau da sua perda? Acaso não queria que víssemos a cara do anjo que acabava de morrer? É claro que queria. Mas os poltrões da televisão britânica – cobardes, com medo dos seus próprios chefes – decidiram que não se deve permitir a este pai mostrar a magnitude da sua perda. Tiveram que desfigurar a sua filha com essa mancha repugnante. Converteram uma menina numa boneca sem rosto.

Isto não tem nada a ver com o pedido oh-tão-moral do Gabinete de Comunicações de que o público nunca veja o “ponto da morte” – apesar de terem mostrado uma palestiniana de Gaza a morrer na sala de operações num documentário de televisão de 1992 e constantemente exibirem imagens de jornalistas de televisão em Bagdade a ser alvo de disparos mortais a partir de um helicóptero dos Estados Unidos. E não tem nada a ver com o “bom gosto”, seja o que for. Pessoalmente, acho que a visão das armas israelitas ou dos rockets do Hamas é de um mau gosto repugnante – são, no fim das contas, os dealers da morte, não é assim? –, mas não, a televisão absorve estas cenas terríveis. Devemos vê-las. Não há problema. As armas são boas. Os corpos são maus. Oh, que guerra encantadora.

Sei que muitos dos meus colegas de televisão estão furiosos por causa desta censura da morte. “Ridículo, absurdo e cada vez pior”, foi como o meu velho parceiro Alex Thomson, do Canal 4, reagiu quando lhe pedi para falar deste caso de autocensura da semana passada. Recordou como os telespectadores britânicos puderam ver o pessoal médico a recolher partes de corpos da estação de autocarros de Oxford Street em Belfast na Sexta-feira Sangrenta da Irlanda do Norte. Isto, é claro, sublinhou a maldade do IRA.

E historicamente, não temos qualquer acanhamento a respeito de mostrar os mortos. Documentários ainda exibem as escavadoras do exército britânico carregadas de milhares de cadáveres de judeus nus em fossas comuns no campo de concentração de Belsen em 1945. Estes últimos seis meses emitimos pela televisão milhares de imagens de soldados mortos – desfigurados, mutilados, apodrecendo – em documentários de grande alcance da guerra de 1914-18. Há um limite de tempo para a morte, como há a respeito dos crimes de guerra?

Jornalista do The Independent da Grã-Bretanha. Especial para o Página/12.

Tradução para castelhano de Celita Doyhambéhère.

FONTE: http://jornalggn.com.br/blog/antonio-ateu/gaza-os-meninos-sem-rosto

Tradução de Luis Leiria para o Esquerda.net

Mário Magalhães: Escolha e emprego do verbo mudam a história: ‘morreu’ difere de ‘foi morto’

Por Mário Magalhães

 

Muitas vezes, trata-se de ignorância ou desleixo, noutras é caso pensado.

Quando se diz que determinado número de crianças “morreram” em Gaza, omite-se ou relativiza-se que elas “foram mortas”.

Os verbos matar e morrer têm, é óbvio, significados diferentes.

A forma do particípio passado (nesse exemplo, do verbo matar), ao contrário do tempo verbal passado perfeito (verbo morrer), carrega consigo a pergunta: mortas por quem?

Talvez pareça frescura gramatical ou capricho histórico, mas a escolha do verbo e o seu emprego podem mudar ou influenciar o que se conta.

Até a notícia mais recente, 251 crianças palestinas haviam sido mortas na ofensiva militar israelense em curso.

Vai ver eram todas terroristas, e os bebês se distinguiam como os mais cruéis.

FONTE: http://blogdomariomagalhaes.blogosfera.uol.com.br/2014/07/31/escolha-e-emprego-do-verbo-mudam-a-historia-morreu-difere-de-foi-morto/