Câmara de Deputados derrota Temer empurra pepino gigantesco de volta para o (des) governador Pezão

governador-do-rio-luiz-fernando-pezao-comeca

O (des) governo Pezão decidiu se fazer de morto enquanto a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) sitiada pelos servidores resolveu (por certo em comum acordo com o executivo) retornar a parte substancial do pacote de Maldades para o Palácio Guanabara. 

Lá do Palácio, o (des) secretário de Fazenda e ex-presidente do RioPrevidência, Gustavo Barbosa, declarou que entendia e respeitaba a posição soberana da Alerj, e de lá foi-se para a Sefaz parcelar em nove vezes os salários de Novembro de mais da metade dos servidores do executivo.

Essa posição de aparente calma e entendimento se baseava em algo simples: distrair os servidores, enquanto se ia a Brasília para negociar um mega pacote de Maldades muito pior do que se havia proposto no Rio de Janeiro. A chancela do Senado Federal deu a entender que tudo parecia que ia dar certo.

Parecia que ia, mas não deu. É que hoje a Câmara de Deputados rejeitou todas as condicionantes que puniam os servidores como condição para um alongamento das dívidas estaduais.  

O resultado dessa decisão da Câmara dos Deputados é que agora serão as assembleias legislativas que terão que aprovar medidas punitivas para os servidores caso queiram garantir que seus estados possam ter o tal alongamento da dívida.

Em suma, quando terminar o recesso na Alerj e os trabalhos recomeçarem lá no Palácio Tiradentes, o (des) governo Pezão e sua base parlamentar vão tentar empurrar medidas ainda piores contra os servidores estaduais do que tentaram ao longo deste mês.

Com os salários atrasados e parcelados e com a perspectiva de reberem míseros R$ 370,00 até o Natal é de se imaginar que os servidores estaduais do Rio de Janeiro vão estar com pouquíssima paciência para aceitar reduções salariais, aumentos de recolhimento da previdência, extinção do triênio, e outras cositas más.

Diante disso, é de se esperar que cresce o movimento pró-impeachment do (des) governador Pezão. É que está mais do que evidente que nem mesmos os deputados mais submissos vão estar dispostos a enfrentar a fúria dos servidores para servir um (des) governador que já se mostrou bastante incompetente. E, pior, com toda chance de entrar 2017 enrolado no enredo da Lava Jato.

De toda forma uma coisa é certa: o pepino está de volta  nas mãos do (des) governador Pezão. Vamos ver como ele se sair dessa enrascada toda.

O golpe das estatais não dependentes no aumento da dívida pública. O RJ tem a sua!

dinheiro-indo-p-o-ralo-375x204

No dia 15 de Outubro de 2016 postei um material relativo  à Companhia Fluminense de Securitização (CFSEC), uma estatal não dependente, que foi  criada pelo (des) governador Luiz Fernando Pezão,  por meio do Decreto 45.408 de 15 de Outubro de 2015,  com uma série de atribuições bastante específicas  (Aqui!).

Aquela postagem tinha como base uma apresentação de Powerpoint da da auditora fiscal Maria Lúcia Fatorelli, da ONG Auditoria Cidadã da Dívida (Aqui!), que é uma das principais experts no processo de aumento da dívida pública no Brasil.

Agora acabo de receber uma matéria onde Maria Lúcia Fatorelli explica o papel pernicioso das chamadas estatais não-dependentes no crescimento da dívida pública, e de como a chamada PEC 241 deixa brechas para que essa empresas continuem operando livremente. O resultado final disso será o crescimento da dívida pública, enquanto os gastos sociais ficarão congelados por 20 anos.

Rio de Janeiro e sua curiosa estatal “não dependente” que opera na área da securitização

secu

Um lema que deveria servir para a sobrevivência de blogs é a sentença de “quem tem leitor não deixa de informar”.  É que um leitor deste blog que já leu a apresentação de Powerpoint da auditora fiscal Maria Lúcia Fatorelli (Aqui!) ficou particularmente impressionado com o papel cumprido pelas chamadas “estatais não dependentes” no aumento da dívida pública e pôs-se rapidamente a pesquisar sobre a existência delas no âmbito da administração estadual comandada pelo PMDB no Rio de Janeiro e, Eureka!, ele descobriu uma bastante interessante, a Companhia Fluminense de Securitização (CFSEC).

A CFSEC foi criada pelo (des) governador Luiz Fernando Pezão por meio do Decreto 45.408 de 15 de Outubro de 2015 (ver reprodução do ato de criação publicado no DOERJ logo abaixo) com uma série de atribuições bastante específicas.

cfs

Mas antes de me ater às especificidades do ato de criação de CFSEC, creio que seria importante tentar explicar o que vem a ser uma “estatal não dependente”.  Após procurar na legislação disponível, acabei encontrando referências diretas ao que seria uma “estatal dependente”, e que vem a ser uma ” empresa eque recebe do ente controlador (União, Estado ou Município) recursos financeiros para pagamento de despesas com pessoal ou de custeio em geral ou de capital, excluídos, no último caso, aqueles provenientes de aumento de participação acionária – Art. 30, inciso III, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000 – (LRF)”. Em contraposição a isto, a empresa estatal não dependente não recebe recursos financeiros para pagamentos semelhantes, mas apenas para aqueles destinados ao aumento da participação acionária. E isto, aliás, está previsto nos artigos 3 e 4 do decreto que criou a CFSEC.

Mas vamos ao que interessa! O fato é que s empresas estatais não dependentes operam fora dos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), apesar do estado deter o controle acionária das mesmas. 

Entretanto, mais importante ainda é a finalidade deste tipo de empresas de estatal não dependente, especialmente quando atuam no campo da securitização. Como o Artigo 2 do Decreto 45.408/2015 bem explica, no caso da CFSEC a finalidade é a “estruturação e implementação de operações que envolvam a emissão e distribuição de valores mobiliários ou outra forma de obtenção de recursos junto ao mercado de capitais..“!

Mais interessante ainda é o fato de que as operações da CFSEC são lastreadas em “cobranças de créditos inadimplidos, dos tributos administrados pela Secretaria Estadual de Fazenda e de créditos de qualquer natureza inscritos em dívida pública”. Em outras palavras, o lastro para operar no mercado de capitais resulta do uso de recursos obtidos pela cobrança de tributos. Uma beleza, não? É que ao invés de investir em saúde e educação o dinheiro cobrado sob a forma de impostos são aplicados na especulação financeira, com todos os riscos que esse tipo de operação acarreta.

Outro aspecto ainda mais expressivo é o fato de que a CFSEC (parágrafo único do Artigo 2) também poderá estender sua atuação junto aos municípios cujas prefeituras também desejarem participar da ciranda financeira com o dinheiro recolhido por impostos municipais! Mais amplo ainda é o mandato colocado no Art. 7 que permite a interação não apenas com municípios, mas com a União e até orgãos internacionais. E o melhor de tudo: fora dos limites da LRF!

E eu inocente achando que a operação realizada pelo RioPrevidência no paraíso fiscal corporativo de Delaware era o único caso em que o (des) governo do Rio de Janeiro tinha enveredado pelo campo da especulação financeira. E, pior, a CFSEC foi criada exatamente no mesmo período em que a captação bilionária de recursos via o chamado “Rio Oil Finance Trust” já tinha começado a fazer água (Aqui! Aqui!).

Pois é, depois os representantes do (des) governo do Rio de Janeiro ficam tentando vender a versão de que os salários dos servidores e aposentadorias são a causa básica da falência financeira do tesouro estadual. Só que não!

Palestra na UERJ quebra mitos sobre as raízes da crise no Brasil

maria

A auditora fiscal Maria Lúcia Fatorelli, da Auditoria Cidadã da Dívida, que contribuiu com a auditoria das dívidas públicas da Grécia e do Equador proferiu nesta sexta-feira (14/10) uma palestra no Programa de Pós-Graduação em Relacões Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro sobre o processo de montagem da dívida pública brasileira e os riscos que são trazidos pela PEC 241 (também conhecida como PEC da Morte).

auditoria-fiscal

Um dos muitos aspectos relevantes abordados por Maria Lúcia Fatorelli se referiu à criação de mecanismos ilegais de aumento da dívida pública a partir das chamadas “empresas estatais não dependentes” que não passam de canais de transferência de recursos estatais para a especulação financeira, sendo assim mecanismos de geração de dívida pública. 

Quem desejar acessar o conteúdo da palestra proferida por Maria Lúcia Fatorelli na UERJ, basta clicar Aqui!

Financiamento privado dos Jogos Olímpicos: mais retórica do que fato

A edição de Agosto do “Jornal dos Economistas” que é publicado pelo Conselho Regional de Economia do Rio de Janeiro (Corecon/RJ) traz uma série de artigos que esmiuçam diferentes aspectos envolvendo a realização dos Jogos Olímpicos de 2016 (Aqui!).

A maioria dos artigos de coletânea é assinada por pesquisadores que acompanham a realização deste megaevento sob um olhar crítico e que aborda diferentes aspectos de suas repercussões presentes e futuras. 

Um dos artigos que mais me parece apropriado para o debate é o assinado pela professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), Nelma Gusmão de Oliveira, que destrincha um dos principais mitos envolvendo este megaevento: o de que o mesmo seria basicamente financiado pela iniciativa privada. 

Após demonstrar que há muito mais participação pública em termos de investimento e comprometimentos futuros em termos de dívida acumulada pelo Estado brasileiro, a professora Nelma Gusmão conclui dizendo que:

Os dados apresentados põem ao chão o argumento de 57% de financiamento privado dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro e reafirmam a ideia de que formas diversas de organização dos números podem conduzir a diferentes representações do real. A retórica do financiamento privado converte em ganho o que de fato é custo e, além de legitimar custos sociais injusti cáveis, retira da esfera política a discussão da prioridade de investimentos realizados com rrecursos públicos.

Em outras palavras, o lucro com a realização do megaevento esportivo será essencialmente privado e às custas dos interesses públicos!

Abaixo posto o artigo completo para quem desejar lê-lo sem ter que acessar o site do Corecon/RJ.

retorica 1retorica 2

Copa e Olimpíada deixarão Rio endividado por 10 anos, diz estudo

BBvgsoi

© Fornecido por New adVentures, Lda.

Qual o legado que a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos deixarão para a cidade do Rio de Janeiro?

 O pesquisador suíço Christopher Gaffney, da Universidade de Zurique, levantou esse questionamento em um novo estudo, entitulado “Transforming Rio – for the benefit of whom?”, em que revela que a dívida deixada por esses grandes eventos demorará 10 anos para ser paga pela cidade.

Segundo o pesquisador, o modelo de negócios desses grandes eventos precisa mudar para se adequar à realidade da população local, que acaba sofrendo com a dívida deixada.

Gaffney conta que o Comitê Olímpico Internacional e a FIFA oferecem às elites locais grandes promessas ao sediar tais eventos, no entanto, ao contrário do que parece, não conseguem entregar infraestruturas úteis aos moradores desses países.

FONTE: http://www.msn.com/pt-br/esportes/olimpiadas/copa-e-olimp%C3%ADada-deixar%C3%A3o-rio-endividado-por-10-anos-diz-estudo/ar-BBvgwlH?li=AAggXC1

Auditoria pública da dívida: uma necessidade urgente

Por um desses acasos interessantes ontem assisti num canal alternativo de TV fechada uma entrevista com Maria Lúcia Fatorelli que é auditora da Receita Federal e membro da coordenação da coordenação  da Auditoria Cidadã da Dívida (Aqui!) sobre a grave situação financeira que assola estados como Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Em um tom bem didática, Maria Lúcia Fatorelli começou a descrever parte dos mecanismos que estão sendo utilizados no Brasil por estados e municípios para realizar captações que implicam num aumento exponencial da dívida pública, a qual tem seus beneficiários bancos e fundos privados que, por sua vez, possuem relações diretas com os primeiros.

Para Fatorelli, que participou das auditorias das contas públicas feitas pelo Equador e pela Grécia, existem exemplos abundantes de como fundos privados e as chamadas “sociedades de propósito especifico” (SPE) tem atuado para que sejam realizadas operações de captação cujo resultado objetivo é aumentar a dívida pública.

Ouvindo as explanações de Maria Lúcia Fatorelli, eu fiquei me perguntando se ela já ouviu falar da operação realizada pelo (des) governo do Rio de Janeiro, sob autorização da Alerj, de captar US$ 3,1 bilhões no paraíso fiscal de Delaware usando as exatas estratégias que ela destacou como tendo causado o colapso da economia grega. É que eu tenho quase certeza que se ela ouvir falar da operação envolvendo o RioPrevidência e a criação do “Rio Oil Finance Trust” ela poderá acrescentar mais um exemplo lapidar de como a gigantesca dívida dos estados brasileiros está sendo montada.

Mas eu fiquei com um certeza após ouvir essa entrevista: demandar a realização de uma rigorosa dívida pública no Rio de Janeiro tem que se tornar uma bandeira não apenas dos sindicatos de servidores públicos, mas de toda a sociedade fluminense. E antes disso que se congele novos pagamentos da dívida pública, pois, do contrário, o colapso dos serviços públicos se tornará inevitável.

 

Custo da Linha 4 do Metrô como amostra do jeito “PMDB de endividar”

Confesso que ainda não tinha visto nenhuma análise da matemática financeira envolvendo a construção da Linha 4 do Metrô e de seu impacto na criação de uma dívida pública bilionária no Rio de Janeiro.

Mas agora o deputado estadual Eliomar Coelho (PSOL) resolveu nos dar uma análise sintética do tamanho do custo presente e futuro da construção da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro. 

E só posso dizer que se a construção da Linha 4 do Metrô reflete outras obras em andamento para abrigar os Jogos Olímpicos, precisamos de um urgente auditoria independente sobre os custos de todas elas. Caso contrário, o Rio de Janeiro continuará financeiramente inviável por várias décadas.

LINHA 4 PODE CUSTAR 550% A MAIS DO QUE O PREVISTO

Por Eliomar Coelho*

custos metro

Fizemos um levantamento em cima de todos os empréstimos relativos à fajuta Linha 4 do Metrô, e concluímos que, se o estado pagar todos até o final dos contratos, a dívida total (somados os valores dos empréstimos mais o pagamento de juros) será de R$ 32 BILHÕES. UM ESCÂNDALO!

Isso tudo para uma Linha 4 que foi feita contra todas as associações de moradores da cidade e exclusivamente para que não houvesse uma nova licitação. Já está claro, através de vários depoimentos, que muita propina rolou para os governantes.

Os empréstimos que terão valores aplicados na Linha 4 são:
BNDES – LINHA 4
BANCO DO BRASIL – PRÓ CIDADES
AGÊNCIA FRANCESA DE DESENVOLVIMENTO – PMU

*Eliomar Coelho é engenheiro e deputado estadual pelo PSOL

FONTE: https://www.facebook.com/eliomarcoelho/photos/a.458709430830745.92883.442179582483730/1048866951814987/?type=3&theater

 

A farra continua: Alerj aprova novo empréstimo de R$ 1 bilhão para a Linha 4 do metrô

Faz tempo que eu acho que o sistema partidário do Rio de Janeiro adotou uma inflexão para o cada vez pior, sempre às custas do dinheiro do contribuinte e do sacrifício dos servidores estaduais.

Uma prova cabal disso é a aprovação do empréstimo  R$ 1 bilhão que foi solicitado pelo ainda (des) governador Luiz Fernando Pezão . Com mais este empréstimo, o valor da obra já supera os R$19 BILHÕES (!!) contra um valor inicial de R$5,3 BILHÕES!

O pior  é que o próprio governo estima que a obra da Linha 4 não será concluída a tempo para ser usada nos Jogos Olímpicos que ocorrerão na cidade do Rio de Janeiro. Em outras palavras, todo esse endividamento de um estado que já beira a falência não resultará na conclusão desta obra bilionária.

Nunca é demais lembrar que participam do consórcio encarregado de construir a Linha 4 várias empreiteiras implicadas no escândalo da Lava Jato, a começar pela Odebrecht. 

Enquanto isso, o (des) governo do Rio de Janeiro ainda não sabe quando conseguirá pagar os salários de Março de quase 600 mil servidores (incluindo os da ativa e os aposentados), o que deverá gerar um caos social sem precedentes.

Mas nada disso parece intranquilizar os deputados da base governista. Vamos ver até quando durará tamanha tranquilidade. Uma coisa é certa: estão brincando com fogo, e podem acabar tostados. 

 

A dívida do Rio de Janeiro é quase 3 bilhões, mas sobre isso ninguém por aqui parece quer falar

half

Eu não sou nem de perto um apoiador das políticas e práticas do grupo político comandado pelo Sr. Anthony Garotinho. No plano da Prefeitura de Campos, vejo a ação dos Garotinho como, no mínimo, paroquial e atrelada a uma visão de mundo que os torna prisioneiros de interesseiros políticos que ocupam cargos relevantes sem ter muito o que propor. 

Mas o espaço deste blog tem sido pouco usado para criticar Anthony Garotinho e a forma de governar do seu grupo político. É que já existem tantos blogs fazendo isso que eu me arriscaria a ser apenas mais um na multidão se centrasse o que publico na arte de jogar pedra e tudo o que vier na mão contra Garotinho e seu modus operandi. Para isso há gente mais ressentida e magoada que possui uma sede insaciável de sangue. Mas para ser justo, Garotinho também não leva desaforo para casa e sempre parece conseguir revidar com mais pontaria e intensidade nos seus muitos adversários locais. Tampouco é raro ver mudanças incríveis de lado, onde quem odeia hoje é o que ama Garotinho amanhã, e vice-versa.

Nada disso para dizer a verdade me importa, pois considero isso como um resultado inevitável da política paroquial, onde não raro há parentes e contraparentes envolvidos, o que sempre traz uma pitadinha a mais de novo. Algo que deixaria os Borgia roxos de inveja.

Na verdade o que me motiva aqui é notar, mais uma vez, como a crítica furibunda contra Anthony Garotinho não chega nem perto de ser aplicada ao Sr. Luiz Fernando Pezão e seu Sancho Pança, o ex-(des) governador Sérgio Cabral. Por exemplo, fala-se muito da crise financeira que a Prefeitura de Campos está passando ,mas a omissão é quase completa quando se trata do mega rombo de quase R$ 3 bilhões em que foram afundados os cofres estaduais. As evidências são de casos incríveis de, pelo menos, descuido no uso do dinheiro público. Mas aqui na planície dos Goytacazes, essa situação parece nem existir, a despeito dos graves problemas que afetam, por exemplo, a Universidade Estadual do Norte Fluminense que hoje amarga todo  tipo de débitos que colocam em risco o seu funcionamento ao longo de 2015.

Para mim esse tratamento desequilibrado evidencia que precisamos tomar cuidado com certas gritarias sobre corrupção e incompetência, pois para terem um mínimo de credibilidade teríamos que ter exibido um mínimo de equilíbrio no tratamento dos problemas rondando não apenas a Prefeitura de Campos, mas também o Palácio Guanabara. Até lá, eu que não estou do lado de qualquer dessas facções, vou apenas me restringir a apontar esse paradoxo.