Tragédia em Manaus

Os hospitais da metrópole amazônica de Manaus estão sem oxigênio

tubos oxigenioFamiliares de pacientes internados com o coronavírus fazem fila com garrafas vazias de oxigênio em frente à empresa Nitron da Amazônia para reabastecê-las. Foto: PictureAlliance /dpa/AP

De Niklas Franzen para o Neues Deutschland

A jornalista brasileira Natuza Nery estava assistindo ao vivo na maior estação de TV do país quando foi tomada por seus sentimentos. O motivo: Manaus, metrópole de floresta tropical do norte do Brasil, se tornou o cenário de um dos episódios mais dramáticos da pandemia da COVID-19.

Na quinta-feira passada, os hospitais locais informaram que ficaram sem oxigênio. As enfermeiras tiveram que ventilar os pacientes manualmente, e vídeos de pessoas carregando garrafas de oxigênio adquiridas de forma privada para hospitais para seus parentes infectados viralizaram nas redes sociais.

Mais de 200.000 pessoas morreram de COVID-19 no Brasil até agora – esse é o segundo maior número depois dos EUA. Manaus já foi gravemente afetada pela crise de saúde no início da pandemia, agora voltou com força total: só nos primeiros doze dias de 2021, mais de 2.000 novos pacientes foram internados nos hospitais. Centenas estão em listas de espera por leitos de terapia intensiva e muitas pessoas estão sufocando em casa sem nem mesmo ver um médico. Enfermeiras desesperadas relatam injetar morfina em pessoas doentes para, pelo menos, aliviar a dor. As agências funerárias locais não conseguem suprir a demanda por funerais.

O rápido aumento de novas infecções pode ser devido a uma mutação viral recentemente descoberta no estado do Amazonas. Mas as medidas negligentes de isolamento e a negligência da população também são apontadas como motivos. Houve festas com milhares de convidados, as pessoas saíram às ruas sem máscaras, as lojas e os bares lotaram. Muitas comemorações de Natal e Ano Novo aconteceram sem restrições.

O governador Wilson Lima ordenou agora um toque de recolher entre 19h e 6h. As vítimas de COVID-19 foram transportadas de avião para outros estados, assim como 61 bebês prematuros de hospitais locais. A localização remota de Manaus provavelmente contribuiu para a escassez de oxigênio. Ironicamente, o país vizinho e em crise, a Venezuela, agora está ajudando. E celebridades arrecadam doações online para enviar garrafas de oxigênio para Manaus.

Foi apenas no final de dezembro que o governador de direita Wilson Lima retirou um decreto para um novo bloqueio. Políticos aliados do presidente Jair Bolsonaro, incluindo o seu filho e deputado federal Eduardo Bolsonaro,  celebraramo recuo do governador amazonense. O governo federal enviou oxigênio em aeronaves militares na sexta-feira – de acordo com reportagens da mídia, a quantidade cobriu apenas 11% da necessidade diária de Manaus.

“Fizemos nossa parte”, defendeu o presidente Jair Bolsonaro, que culpa as autoridades locais pelo caos. O governo federal havia sido avisado sobre o colapso uma semana antes. Em vez de criar um plano de emergência, o ministro da Saúde de Bolsonaro, Eduardo Pazuello, recomendou que os hospitais dessem aos seus pacientes hidroxicloroquina – um medicamento contra a malária cujos estudos não mostraram eficácia contra a COVID-19. 

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo jornal Neues Deutschland [Aqui!].

Sob intensa pressão, Bolsonaro recua de decreto para privatização da UBS. Mas a pauta continua posta

bolsonaro 1Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto. Por ADRIANO MACHADO

Os veículos da mídia corporativa estão noticiando que o presidente Jair Bolsonaro acaba de anunciar que irá revogar o Decreto No.10.530 de 26 de outubro de 2020 em função da repercussão altamente negativa que o anúncio do início da privatização do Sistema Único de Saúde causou em diversos segmentos da sociedade brasileira.

Essa tática de recuar rapidamente após jogar um mega bomba em meio a uma pandemia letal em que a necessidade de uma sistema público de saúde ficou clara no mundo inteiro não deve servir para enganar ninguém.

bolso pazuello

General Pazuello toma posse no ministério da Saúde ao lado do presidente Jair Bolsonaro.  Por Marcelo Camargo/Agência Brasil

A verdade é que ainda esta tarde o ministro da Fazenda, Paulo Guedes, havia jogado sobre as costas do general Eduardo Pazuello o custo político de haver demandado a implantação de uma medida de que se provou altamente impopular.

Mas a verdade é que o objetivo básico do decreto já foi alcançado pelo governo Bolsonaro. Esse objetivo era simplesmente colocar na pauta política a privatização de um sistema de saúde que está garantido pela Constituição Federal de 1988 como sendo universalmente gratuito.

Essa bomba semiótica se combina com outra lançada pelo indescritível Ricardo Barros (PP/PR), líder do governo Bolsonaro na Câmara de Deputados que na última segunda-feira (26/10) havia proposto a realização de uma assembleia nacional constituinte para escrever uma nova constituição federal, visto que a de 1988 seria uma “que só tem direitos” e que  “torna o Brasil ingovernável”. 

O centro de toda essas manobras aparentemente despropositadas é sedimentar a ideia de que precisamos ter uma profunda reforma do Estado que remova todos os direitos que estão garantidos na Constituição de 1988. Esse, aliás, é o projeto com o qual Jair Bolsonaro foi acolhido pelas elites financeiras e pelos latifundiários como o candidato que defenderia um processo de destruição das garantias sociais existentes no Brasil.

Por isso, antes de que alguém queira celebrar o último recuo de Jair Bolsonaro, é bom lembrar que todas essas aparentes sandices irão emergir com força logo após as eleições municipais. A profundidade e a ferocidade dos ataques que virão dependerão dos resultados das eleições, mas não apenas deles.

Brasil ultrapassa 120 mil mortos pela COVID-19

corona

Com mais 858 óbitos nas últimas 24 horas, o Brasil atingiu 120.452 mortos pela COVID-19. No tocante à infecção pelo coronavírus, o valor de infectados nas últimas 24 horas, o Brasil teve mais 32.202 casos, totalizando 3.844.807 infectados.

Em meio a essa catástrofe humanitária, o país continua com um general, Eduardo Pazuello, que não possui nenhum conhecimento na área médica, mas que está ministro da Saúde. 

Está evidente que todas essas mortes não teriam ocorrido se o governo Bolsonaro, a começar pelo presidente, não tivesse optado por desmobilizar todos os esforços em prol do confinamento social e da adoção de regras que impedissem a rápida disseminação do coronavírus.

A verdade é que o que está acontecendo no Brasil neste momento terá fortes repercussões sociais, econômicas e políticas.  O ano de 2021 não será nada fácil, mesmo porque a pandemia da COVID-19 não deverá se encerrar em 2020.

General Pazuello, o otimista, encontra sua aurora no frango rejeitado pela China

fogo

O general e ministro interino da Saúde do governo Bolsonaro, Eduardo Pazuello, vivenciou um daqueles momentos que em tempos normais seria matéria prima para piadas (será que o Marcelo Adnet vai deixar passar essa oportunidade?). É que em uma reunião de prestação de contas junto à Organização Mundial da Saúde (OMS), o general Pazuello enfatizou o fato do Brasil ser o país com o maior número de recuperados da infecção do coronavírus, e auto congratulou o governo Bolsonaro por seus supostos êxitos no controle da pandemia da COVID-19. O detalhe que o general Pazuello esqueceu em seu relato otimista foram os mais de 100 mil mortos pela COVID-19, o que torna o Brasil o segundo país com mais óbitos nesta pandemia.

Fechemos o pano momentaneamente para o General Pazuello.

Quase que simultaneamente ao relato para lá de otimista do ministro interino da Saúde, o governo da cidade chinesa de Shenzen rejeitou um carregamento de asas de frango oriundo do Brasil pelo fato do mesmo estar contaminado por coronavírus segundo informou o jornal chinês publicado em inglês “Global Times”.

Mais do que um problema pontual com um carregamento, o que a descoberta desta carne contaminada levanta para os importadores de carne brasileira é de quais seriam as condições sanitárias em que os trabalhadores brasileiros estão trabalhando em meio à pandemia da COVID-19. 

E a coisa aqui é muito simples: existem informações vindas de diferentes partes do Brasil no sentido de que há um alto número de contaminações dentro das plantas industriais dos frigoríficos brasileiros.  A questão é que até agora não havia nenhum caso de rejeição de uma carga brasileira por causa da contaminação pelo coronavírus. Mas agora a partir do carregamento detectado em Shenzen é bem provável que a coisa mude de figura (para pior, obviamente) e os produtos brasileiros comecem a passar por crivos sanitários mais apertados. O risco aqui é de um fechamento completo dos mercados internacionais aos produtos brasileiros de origem animal até que se prove que não estamos exportando mais do que proteína em nossos carregamentos. 

Como tudo o que está ruim pode piorar, segundo uma das leis de Murphy, a mídia internacional está noticiando hoje que a Amazônia brasileira está iniciando o pior início da estação de queimadas desta última década.  Assim, não haverá como o general e dublê de ministro Eduardo Pazuello possa manter o elevado grau de otimismo que demonstrou na reunião com a OMS.