A aposta brasileira em medicamentos não comprovados para combater a COVID-19

Image result for How Brazil gambled on unproven drugs to fight Covid-19

Por Por Jose Brito e Shasta Darlington para a CNN

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, há muito é um campeão das drogas cloroquina e hidroxicloroquina para curar a Covid-19, apesar de vários estudos que mostram que elas não são eficazes . Agora, os documentos mostram que seu governo gastou fundos de emergência com os medicamentos e continuou a produzi-los e distribuí-los a taxas sem precedentes ao longo de 2020, enquanto rejeitava pelo menos uma oferta de compra de uma vacina já em estágio final de testes porque os termos eram “abusivos”.

Depois de promover repetidamente o potencial da cloroquina e da hidroxicloroquina para prevenir e mitigar os efeitos do COVID-19, o próprio Bolsonaro testou positivo em julho passado. “Se eu tivesse tomado hidroxicloroquina como medida preventiva, ainda estaria trabalhando”, disse ele, embora a droga, mais comumente usada contra a malária, não tivesse se mostrado eficaz contra o coronavírus e a Organização Mundial da Saúde (OMS) tivesse interrompeu um grande ensaio com hidroxicloroquina.

Durante a quarentena, ele postou um vídeo nas redes sociais mostrando-o tomando o que ele disse ser sua terceira dose de hidroxicloroquina.

Estou me sentindo muito bem. Estava me sentindo mais ou menos no domingo e mal na segunda. Hoje na terça, estou me sentindo muito melhor do que no sábado, então, sem dúvida”, disse ele enquanto segurava um comprimido e engolia. isto. “Está funcionando.”

Ainda na semana passada, Bolsonaro voltou a admitir que poderia ser provado que estava errado e que a droga poderia não ter nenhum impacto sobre o coronavírus, mas acrescentou “pelo menos não matei ninguém. Agora, se por acaso, prova ser eficaz no futuro, aqueles de vocês que criticaram, parte da mídia, vocês serão responsabilizados. “

De acordo com documentos exclusivos obtidos pela afiliada da CNN Brasil, Bolsonaro não estava apenas falando sobre as drogas no ano passado, seu governo estava usando ativamente fundos de emergência destinados a combater a pandemia de Covid-19 para comprá-los e distribuí-los mesmo depois de terem sido comprovados ineficaz.

Um vendedor exibindo comprimidos de hidroxicloroquina em uma farmácia.

Um vendedor exibindo comprimidos de hidroxicloroquina em uma farmácia.

Em maio , o Ministério da Saúde do Brasil recomendou oficialmente a cloroquina para o tratamento precoce da COVID-19 e, em junho, estendeu a recomendação para crianças e mulheres grávidas, no mesmo dia em que a Food and Drug Administration (FDA) dos EUA revogou sua autorização de uso emergencial de hidroxicloroquina e apesar evidências crescentes de que não foi eficaz na prevenção ou cura da COVID-19.

Dois dias depois, no dia 17 de junho, a Sociedade Brasileira de Doenças Infecciosas publicou carta aberta dizendo que era “urgente e necessário” suspender o uso da hidroxicloroquina no tratamento do COVID-19. O Ministério da Saúde, entretanto, não mudou suas recomendações nos meses seguintes e os médicos relataram ter sido pressionados a prescrevê-las.

Em setembro, o escritório estratégico de medicamentos do Ministério da Saúde confirmou à CNN Brasil que está em processo de aquisição de mais cloroquina com recursos destinados ao combate à COVID-19, pois seu estoque caiu para 375,5 mil doses. Não especificou quanto estava sendo pedido ou quanto custaria.

“Em 2020, o programa de malária teve um aumento no número de casos no Brasil e, como tem sido anunciado diariamente, o número de casos de COVID-19 no Brasil ainda é alto”, disse o departamento em resposta por escrito. “Com isso, a expectativa é que a demanda dos estados e municípios por esse medicamento continue alta no segundo semestre de 2020.”

Eles não especificaram qual parte foi usada para seu programa de malária e qual parte para combater a COVID-19, mas de acordo com dados obtidos pela CNN Brasil, um total de 3,23 milhões de comprimidos foram produzidos pela unidade farmacêutica do exército brasileiro em 2020. Isso se compara com 265.000 comprimidos produzidos em 2017 e nenhum produzido em 2018 ou 2019.

E de acordo com os próprios números do Ministério da Saúde, o número de casos de malária foi de 60.713 nos primeiros seis meses de 2020, 16% abaixo do primeiro semestre de 2019.

Documentos obtidos pela CNN Brasil por meio da Lei de Liberdade de Informação do Brasil mostram que, entre os meses de abril e agosto, a Coordenadoria de Medicamentos Estratégicos do Ministério da Saúde solicitou 1,5 milhão de comprimidos de cloroquina a serem distribuídos às secretarias estaduais de saúde pelo laboratório farmacêutico do Exército.

De acordo com os documentos, a distribuição teve como objetivo “combater a pandemia COVID-19” e as pílulas foram distribuídas com base no número de casos suspeitos em cada estado.

As distribuições continuaram na segunda metade do ano, mesmo depois que o FDA revogou sua autorização de uso de emergência e vários estudos concluíram que a cloroquina e a hidroxicloroquina não foram eficazes no tratamento de COVID-19. O Exército disse à CNN Brasil que entre setembro de 2020 e janeiro de 2021, foram distribuídas 420 mil doses.

Um contrato visto pela CNN Brasil mostra que, em setembro, o exército gastou US $ 144 mil com a matéria-prima necessária para a produção da cloroquina, pagando 167 por cento acima do valor de mercado – uma compra que foi sinalizada como suspeita pelo Escritório de Contabilidade Geral Federal. Em nota à CNN, o Exército disse que os preços subiram por causa das oscilações da taxa de câmbio e do aumento da demanda internacional.

No mesmo mês, o Brasil recebeu uma carta do CEO da Pfizer, Albert Bourla, instando o país a assinar um contrato para comprar 70 milhões de doses de sua vacina Covid-19 e se oferecendo para se reunir com o governo. A Pfizer já estava em fase final de testes com sua vacina neste momento. A CNN Brasil informou pela primeira vez sobre a existência da carta no mês passado. Foi enviado a Bolsonaro e a vários ministros em 12 de setembro, quando o número de mortos no Brasil já era o segundo maior do mundo, com 131 mil, e o número de casos confirmados foi de 4,3 milhões.

Mas as negociações com a Pfizer fracassaram e não terminaram em acordo. A notícia da carta gerou raiva quando surgiu no mês passado, enquanto o governo lutava para lançar um programa de vacinas.

O Ministério da Saúde do Brasil respondeu à CNN Brasil dizendo que os termos da oferta, que incluía um acordo para não responsabilizar a Pfizer por efeitos colaterais negativos, eram “abusivos”. O ministério disse estar preocupado também com o pequeno número de doses oferecidas no primeiro lote: 500 mil, mas acrescentou que as negociações ainda estão em andamento.

A Pfizer não quis comentar.

Um hospital em Manaus, no Estado do Amazonas, no mês passado.

Um hospital em Manaus, no Estado do Amazonas, no mês passado.

Quando o Brasil finalmente lançou seu programa nacional de vacinação em 18 de janeiro, após repetidos atrasos, ele começou com apenas seis milhões de doses para uma população de mais de 210 milhões.

O governo de Bolsonaro apostou na vacina Oxford /AstraZeneca como peça central de seu programa. Mas, devido aos atrasos, eles acabaram recorrendo à CoronaVac, a vacina desenvolvida pela chinesa Sinovac e testada no Brasil em parceria com o governador do estado de São Paulo, que também é inimigo político de Bolsonaro.

Até agora, 2,2 por cento da população recebeu a primeira dose do regime de duas doses exigido pelas vacinas CoronaVac e Oxford/AstraZeneca.

Mas mesmo quando as autoridades começaram a disponibilizar vacinas em janeiro, o governo federal continuou a promover a cloroquina como um tratamento em seus aplicativos e no protocolo que não tinha sido atualizado desde que foi publicado em maio passado e onde foi caracterizado como um componente chave da ‘tratamento precoce.

Quando questionado por que o ministério ainda recomendava o medicamento, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse a jornalistas no mês passado que nunca havia recomendado um medicamento específico. “Defendemos, incentivamos e orientamos os enfermos a irem imediatamente ao posto de saúde, ao médico, e o médico fará o diagnóstico clínico do paciente. Os remédios que o médico prescrever, isso é domínio privado do paciente”.

Bolsonaro nomeou Pazuello, general do exército, quando seu segundo ministro da Saúde se demitiu, após se recusar a emitir diretrizes federais para o uso de hidroxicloroquina e cloroquina no tratamento de COVID-19.

“Fui eleito para tomar decisões e a decisão sobre a cloroquina passa por mim”, declarou Bolsonaro em maio passado. No dia seguinte, Nelson Teich renunciou. Seu substituto, Pazuello, emitiu as diretrizes demandadas pelo presidente.

fecho

Este artigo foi originalmente escrito em inglês e publicado pela Rede CNN [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s