Quando os escravos somos nós. Salários de trabalhadores chineses já ultrapassam os dos brasileiros

Em geral o brasileiro tende a se comparar com países onde se pode tirar algum tipo de senso de superioridade. Essa é uma daquelas características que um povo que ainda se mantém aferrado às estruturas herdadas de sua origem colonial tende a manter em que pese a irracionalidade disto. Por isso, até bem recentemente toda vez que era necessária uma comparação para nos sentirmos superiores a bola da vez era a China e seus salários tidos como de escravos. 

Pois bem, agora para alcançarmos essa sensação ilusória de superioridade será preciso procurar outra “vítima”. É que como mostra o insuspeito “Financial Times” em uma matéria assinada pelo jornalista Steve Johnson e que foi publicada no último dia 26 de Fevereiro, os salários pagos aos trabalhadores chineses já supera a dos brasileiros e se aproxima do que recebem portugueses e gregos (Aqui!).

china-1

Como mostra a figura abaixo, enquanto o valor da hora trabalhada nas indústrias chinesas passou de 1,20 para 3,60 Euros entre 2005 e 2016, no caso brasileiro no mesmo período houve uma queda de 2,90 para 2,70 Euros no mesmo período. Aliás, interessante notar que na América Latina apenas o Chile paga melhores salários do que a China.

china

Mas a melhora nos salários não se resumiu apenas ao ramo industrial, pois como mostra Steve Johnson, os ganhos salariais chineses estão disseminados em todos os ramos de trabalho, já que o valor médio da hora trabalhada passou de 1,50 para 3,30 Euros entre 2005 e 2016 (ver figura abaixo).

china-2

Entretanto, provavelmente para choque dos neoliberais brasileiros que leem o Financial Times, as corporações multinacionais que atuam na China continuam lucrando bastante já que os aumentos salariais foram acompanhados em aumentos de produtividade por parte dos trabalhadores, no que pode ser rotulado de um jogo de “win-win“, ou seja, um jogo onde todos ganham.

Agora, vamos ver como reagem os sindicatos que paulatinamente vem aceitando acordos que precarizam as condições de trabalho e os salários dos trabalhadores brasileiros. Uma coisa é certa: não vão poder mais olhar para a China como um exemplo de país onde os trabalhadores são tratados como escravos. É que está cada vez mais claro que os escravos mesmos somos nós.

 

Notícias de além mar: Anglo American sangra ao extremo com esfriamento da economia da China

crise

A matéria mostrada abaixo foi publicada pelo jornal Financial Times (Aqui!) e dá conta da erosão profunda do valor das ações da Anglo American, principalmente por causa da perda de apetite do mercado chinês por commodities minerais, incluindo o minério de ferro.

anglo american

Para quem não conseguir entender o linguajar economês em inglês, a situação da Anglo American é apontada pelo jornalista Bryce Elder como desesperadora, e que está suscitando sugestões para a adoção de medidas extremas para salvar a empresa.

Uma delas, e que toca aos interessados nas chances de sucesso do Porto do Açu em São João da Barra (RJ), seria a suspensão das atividades de mineração em Conceição do Mato Dentro até que os preços do minério de ferro voltem a patamares viáveis em termos da relação custo/benefício que praticamente inviabiliza a utilização do mineroduto Minas-Rio. E como todas as previsões do mercado é de que nada vai melhorar em 2016, já se pode antever que a suspensão não seria por pouco tempo.

Outra sugestão que também diz diretamente à situação da empresa do Brasil seria o apartamento das operações na América do Sul do restante do grupo com a criação de uma espécie de “Anglo American da América do Sul’.

Essas medidas seriam todas voltadas para impedir um rebaixamento ainda maior do valor da empresa, o qual já se encontra fortemente deteriorado em função do cenário estabelecido com a crise das bolsas chinesas por um lado e, de outro, pelo afundamento do preço da tonelada do minério de ferro.

Mas voltando ao Porto do Açu, vamos ver como é que a Prumo Logística e seus áulicos inveterados reagem à situação crítica em que se encontra a Anglo American, efetivamente a principal parceira do empreendimento. É que não é preciso ser nenhum Einstein para intuir que se a Anglo American optar por colocar suas atividades em estado de congelamento em Conceição do Mato Dentro, a coisa que já não anda boa vai piorar ainda mais. A ver!

Financial Times: corrupção no Brasil inclui PSDB

Financial Times: a extrema-esquerda está certa

Como nos anos 1930, algum tipo de ruptura é inevitável e se não for para a esquerda, pode ser na direção do fascismo ou do fundamentalismo

por Antonio Luiz M. C. Costa
AFP PHOTO/BEN STANSALL
000_DV1911868.jpg

Loja da Starbucks pichada após manifestação de estudantes em Londres no último dia 19 de novembro

Quando um editor e colunista de primeira linha de um jornal financeiro mundialmente respeitado escreve dá razão à extrema-esquerda, é hora de parar, ler e pensar. Referimo-nos a Wolfgang Münchau, editor associado do Financial Times, no qual mantém uma coluna semanal sobre a economia europeia. O título desta, na edição do domingo, 23 de novembro foi: “a esquerda radical está certa sobre a dívida europeia”.

Refere-se, em especial, ao partido espanhol Podemos, ao grego Syriza e ao alemão Die Linke (“A Esquerda”), as duas primeiras formações novas criadas a partir de núcleos de origem no trotskismo e no movimento “antiglobalização” e o terceiro um descendente direto do Partido Comunista da antiga Alemanha Oriental. E explica: o consenso internacional dos analistas econômicos, não necessariamente de esquerda, é que a Zona do Euro precisa de reestruturação da dívida e investimentos no setor público, mas partidos como esses são os únicos nos quais se pode votar para defender esse programa. Social-democratas e socialistas, uma vez no governo, aceitaram a agenda conservadora de Angela Merkel em todos os seus pontos essenciais.

A coluna analisa com mais detalhe o Podemos, o mais jovem desses partidos e “o que chega mais perto de oferecer um enfoque consistente para uma política econômica pós-crise”. O programa exposto pelo economista Nacho Álvarez, um dos membros da cúpula do partido, baseia-se em renegociação das taxas de juros, períodos de graça, reescalonamento e anulação parcial da dívida, à maneira de alguns países sul-americanos. Ao contrário do “Movimento 5 Estrelas italiano”, cujo objetivo declarado é tirar o país do euro, o Podemos “não é a favor de sair do euro, nem de fazer mais sacrifícios por ele”.

000_DV1909301.jpg
Encontro do Podemos, partido político recém-criado na Espanha, realizado em Madri no último dia 15 de novembro

Para Münchau, é uma posição equilibrada, por mais que se queira tachá-la de bolivariana. “A tragédia da Zona do Euro é o senso de resignação com que os partidos do centro-esquerda e centro-direita estão deixando a Europa deslizar para o equivalente econômico de um inverno nuclear. É uma tragédia particular que partidos da ultra-esquerda sejam os únicos a apoiar políticas sensatas como a reestruturação da dívida”.

No atual estado de coisas, o absurdo está em pensar que a dívida é sustentável e o problema se resolverá por si só, como se fosse possível ignorar que o continente caminha para uma longa estagnação que, mais cedo ou mais tarde, tornará impossível cumprir esses compromissos financeiros e pode levar à desintegração política e econômica.

A começar dos anos 1980, se não desde o maio de 1968, tornou-se uma obsessão por parte dos agentes do poder financeiro e político não permitir que movimentos políticos e sociais proponham alternativas reais sem serem ridicularizados. Qualquer tentativa de mudar o mundo deve ser percebida como fantasia ociosa. TINA, “There is no alternative”, era o lema favorito de Margaret Thatcher e desde então o consenso dominante da mídia e da política não fazem mais do que repeti-lo em diferentes formulações.

Acontece que o rumo ao qual conduz o pensamento único no qual se embutiu a ideia de que os interesses do sistema financeiro são supremos e sagrados começa a se tornar visivelmente inviável. É evidentemente insustentável a longo prazo por razões ecológicas, mas antes disso cai na pura impossibilidade de contábil e política de pagar as dívidas públicas e privadas e poupar as instituições financeiras das consequências de seus próprios erros, enquanto se mantém uma grande parte da população desempregada e ameaçada de perder suas moradias e os serviços sociais dos quais depende para sobreviver com dignidade. Como nos anos 1930, algum tipo de ruptura é inevitável e se não for para a esquerda, pode ser na direção do fascismo ou do fundamentalismo.

FONTE: http://www.cartacapital.com.br/internacional/financial-times-a-extrema-esquerda-esta-certa-2993.html?utm_content=buffer8bf9f&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_campaign=buffer