Amazônia em chamas: do anúncio caro com erro de grafia ao avanço do espectro do boicote

Bolso fogo

O governo Bolsonaro parece ser mesmo composto por um bando de despreparados que a cada dia cuidam de afundar a imagem do Brasil em face das devastadoras queimadas que estão ocorrendo na Amazônia em 2019.  Essa é uma inferência lógica a partir de uma série de erros crassos que estão sendo cometidos não apenas na área da diplomacia com nossos principais parceiros comerciais, mas até na publicação de anúncios em revistas internacionais defendendo as indefensáveis posições do governo Bolsonaro.

Um exemplo das muitas gafes cometidas foi a publicação de um anúncio no site da revista Financial Times que continha dois erros de grafia na língua inglesa (ver abaixo, onde a palavra “”reafirm” foi grafada como “reaffirm” e “sovereign” foi escrita erroneamente como “sovereing“). Esse tipo de erro em um anúncio que deve ter custado uma fortuna ao tesouro nacional demonstra o estado de coisas que reina atualmente nos ministérios comandados pelos aliados do presidente Bolsonaro, e servem para piorar ainda mais a péssima imagem que o Brasil desfruta neste momento no resto do mundo.

brazil amazon

Mas não são só os erros crassos no uso da língua inglesa que estão comprometendo a situação da economia brasileira e do seu principal neste momento que é a exportação de commodities agrícolas e minerais.

É que segundo desde o dia 27 de Agosto (ou seja 10 dias) já se sabe, graças a matéria da agência Bloomberg, que os maiores investidores da Noruega, com ativos combinados sob sua administração de cerca de  R$ 680 bilhões, estão dizendo às empresas com quem fazem negócios para garantir que não estão contribuindo para os danos ambientais à Amazônia brasileira,  especialmente no que se referem aos devastadores incêndios que estão ocorrendo na região.

fundos

Ainda segundo a Bloomberg, a Storebrand ASA e o fundo de pensão, KLP informaram aos seus parceiros econômicos que estão intensificando suas pesquisas para mapear quem é responsável por qualquer dano potencial à região amazônica.  A Storebrand  também teria dito que os incêndios na Amazônia são os últimos sinais de como o desmatamento se tornou crítico, onde a limpeza de terras para o plantio de óleo de palma, soja, criação de gado e extração de madeira são as principais causas da degradação.

Além disso, a Bloomberg informou que a Storebrand ASA e o KLP estão planejando deixar de fazer negócios com empresas que contribuem para o desmatamento até 2025, caso o diálogo em curso em prol da adoção de medidas que contenham a destruição da Amazônia não atinja as mudanças desejadas.  No caso específico do fundo de pensão KLP, os seus diretores já teriam cobrado informações de empresas como Cargill Inc., Bunge Ltd. e Archer-Daniels-Midland Co. , as quais realizam negócios no Brasil.

Como se vê, a previsão do ex-ministro da Agricultura e um dos maiores figurões do agronegócio nacional, Blairo Maggi, de que o governo Bolsonaro acabaria retroagindo a capacidade brasileira de vender as suas commodities agrícolas à estaca zero está se tornando cada vez mais provável. 

Enquanto isso dentro do Congresso Nacional, com o apoio entusiasmado do presidente Jair Bolsonaro, crescem as ações para desmantelar o sistema de governança ambiental visando virtualmente acabar com licenciamento ambiental e abrir as áreas indígenas para a mineração. Com isso tudo acontecendo, o Brasil está muito próximo de severas punições e de um forte embargo contra seus produtos agrícolas e minerais. É que quando fundos de pensão e uma grande financeira sinalizam que vão fazer isso se o governo Bolsonaro não reverter curso, as chances disso se materializar são bem reais.

Desastre em barragem no Brasil leva a investidores a demandar dados de segurança

Tragédia na mineração provoca demanda por mais divulgação de riscos

brumadinho

© AFP

Por Chris Flood para o Financial Times

A morte de cerca de 300 pessoas em mais um grande acidente em uma represa de rejeitos no Brasil reabriu o debate sobre o papel dos investidores nos padrões de policiamento em todo o setor de mineração.

A barragem de resíduos de mineração pertence e é administrada pela Vale, a maior produtora mundial de minério de ferro.  O rompimento da barragem em janeiro, no município de Brumadinho, no sudeste do país, também foi o segundo maior acidente em uma barragem de propriedade da Vale em menos de quatro anos.

A tragédia provocou demandas de melhor divulgação sobre práticas de segurança em barragens de resíduos de empresas de mineração em todo o mundo.

A Iniciativa Investor Mining & Tailings Safety, liderada por um investidor institucional, o Church of England Pensions Board e pelo Conselho de Ética da Suécia, que assessora os fundos de pensão do país, atraiu o apoio de um total de 96 investidores institucionais. O grupo pediu a 683 empresas de mineração para que forneçam informações detalhadas sobre o tamanho e os registros de segurança de suas barragens de resíduos.

ft 1

Nenhum registro global oficial existe, mas as estimativas sugerem que cerca de 18.000 barragens de mineração existentes em todo o mundo, aproximadamente 3.500 delas estão atualmente ativas. “Precisamos saber onde estão essas instalações. . . estão localizadas, como elas são gerenciadas e o potencial para o seu rompimento ”, diz Adam Matthews, diretor de ética e engajamento da Church of England Pensions Board.

Os investidores pediram às mineradoras para que divulguem seus dados, verificados pelo presidente da empresa ou pelo seu diretor executivo, até 7 de junho de 2019.

“A intenção é garantir que não haja recorrência dos desastres [como os] envolvendo a Vale”, diz Henrik Pontzen, diretor de ESG da Union Investment, gerente de ativos de 323 bilhões de euros em Frankfurt, que assinou a iniciativa. .

Ao mesmo tempo, espera-se que a demanda por recursos como cobre e cobalto aumente à medida que governos de todo o mundo promovam tecnologias limpas, como carros elétricos, em um esforço para combater a mudança climática.

“A mineração é parte integrante da tarefa de tirar centenas de milhões de pessoas no mundo em desenvolvimento da pobreza e ajudar a economia global a alcançar a transição para um futuro mais eficiente em energia”, diz Meryam Omi, chefe de sustentabilidade da  Legal & General Investment Management.

No entanto, a crescente demanda dos investidores por estratégias que incorporam métricas robustas de ESG levou a esforços mais determinados para avaliar os riscos em todo o setor de mineração.

O Macquarie, um banco australiano, construiu recentemente uma estrutura que classifica a Vale como a segunda pior performante de ESG dentre as mineradoras diversificadas listadas. A Vale teve um mau desempenho em mortes, relato de multas ambientais e a baixa porcentagem de mulheres em sua força de trabalho.  A empresa não respondeu a um pedido de comentário.

Por seu lado, no mês passado, a Vale criou um conselho executivo especial para coordenar os esforços de recuperação humanitária e ambiental em Brumadinho e arredores. Até agora, a empresa pagou cerca de  R$ 100 mil a 274 famílias das vítimas. A Vale também concordou em fazer pagamentos de emergência a todos os moradores de Brumadinho.

Grant Sporre, analista do Macquarie em Londres, diz que espera que a estrutura evolua à medida que os padrões de divulgação melhorem. “Mesmo com essa ferramenta imperfeita, há uma correlação razoável entre o nosso ranking ESG, o desempenho do preço da ação e a avaliação”.

Em abril, a S & P Global Ratings, o fornecedor da pesquisa, publicou o que chamou de um atlas de risco ESG para comparar diferentes setores.

ft 2

A ferramenta, que, segundo ela, acabará contribuindo para as classificações de crédito da empresa, inclui uma métrica de “preparação” que avalia a capacidade de uma empresa antecipar e adaptar-se a uma série de interrupções, incluindo desastres naturais.

A boa governança corporativa inclui a capacidade de uma empresa responder ao “espectro total de riscos”, diz Michael Ferguson, analista da S & P Global em Nova York.

Algumas empresas de mineração, incluindo a Rio Tinto, a BHP Billiton e a Anglo American, tentaram acalmar as preocupações dos investidores ao vincular o pagamento dos executivos às métricas de saúde e segurança. Mas a Sra. Omi diz que mais precisa ser feito para vincular os incentivos pagos ao desempenho em sustentabilidade.

“Se as empresas de mineração não tomarem mais medidas para melhorar sua cultura, e as ligações entre remuneração de executivos e padrões ESG, então fica claro que os investidores agirão proativamente ao pressionar por mudanças”, diz ela.

_____________________

Este artigo foi publicado inicialmente em inglês pelo “Financial Times” [Aqui!]

Investidores “com consciência socioambinetal” e não governos são o pior pesadelo das mineradoras

brumadinho 1

Uma matéria assinada pelos jornalistas Henry Sanderson e Neil Hume e publicada pelo Financial Times sinaliza que as grandes mineradoras estão tendo que se defrontar com uma situação inédita e que as pressiona para que saiam do seu histórico padrão “sujo” de atividades para um que seja mais sustentável e menos agressivo ao ambiente e aos povos que estejam tradicionalmente nos territórios onde a mineração ocorre.

ft

Essa novidade é que não são governos que repentinamente tenham decidido afrontar as mineradoras em vez de lavar as mãos em relação às consequências negativas que a mineração traz.  O que a matéria de  Sanderson e Hume traz de novidade é que a pressão sobre as mineradoras está vindo de grupos de investidores que priorizam empresas com melhor gestão ambiental para investir.  Assim, quanto pior for o passivo socioambiental das empresas, menor será a atratibilidade que terão para este tipo de investidor.

A matéria aponta ainda que o Tsulama da Vale em Brumadinho acabou piorando ainda o ambiente para a operação da empresa nas bolsas mundiais. Segundo Anderson e Hume, após o colapso das barragens no Córrego do Feijão, a Vale foi imediatamente rebaixada pela Sustainalytics, uma influente agência de classificação focada em métricas de ESG e removida de um importante índice de sustentabilidade no Brasil. Com isso, mais de US $ 13 bilhões foram eliminados pelo valor de mercado da Vale desde o desastre.

Na figura abaixo, o gráfico da extrema esquerda mostra um particularmente revelador do “padrão Vale” de fazer negócios (que é mostrado abaixo) é muito pior em termos de emissões, efluentes e rejeitos do que os praticados pela Anglo American e pela Glencore.

poluir lucra

Esse padrão “sujo” até agora compensava, mas com o crescimento exponencial no número de fundos socialmente conscientes está colocando em risco a performance das ações.

A matéria traz uma série de declarações de investidores que refletem as péssimas consequências que os Tsulamas de Mariana e Brumadinho tiveram sobre a imagem da Vale junto a este tipo de investidores. Segundo um deles “eu não me importo com o quão barato isso fica, a Vale agora é ininvestível, “o fato de haver prédios de escritórios e uma cantina de funcionários nas proximidades da represa é simplesmente imperdoável. É como se nada tivesse sido aprendido com o desastre anterior “.

Como se vê, a Vale como reincidente de Tsulamas agora terá de repensar suas práticas não por causa da “autoregulação” que o governo Bolsonaro quer adotar, mas por causa de uma mudança no perfil de uma parcela diferenciada dos que se interessam por investir em ações.  Por isso, qualquer propensão a apoiar a liberação total da poluição no Brasil acabará tendo consequências bem diferentes das pretendidas.

Quem desejar ler a matéria do Financial Times na íntegra, basta clicar [Aqui!].

Financial Times produz matéria exemplar sobre o Tsulama da Vale em Brumadinho

brumadinho

Vale, dona da mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, “não vê responsabilidade” sobre o rompimento da barragem (Washington Alves/Reuters)

Dando continuidade ao que eu considero mais um baile de jornalismo na cobertura da maioria dos veículos de mídia brasileiros, o jornal britânico Financial Times publicou um artigo assinado pelo jornalista Andres Schipani que considero correto, ponderado, mais incisivamente direto ao ponto (ver imagens abaixo).

ft 1ft 2

E qual é o direto ao ponto de que falo? Trata-se do espaço dado à fala do dirigente do Greenpeace Brasil, Nilo D´Ávila, que afirmou que “casos como este (o de Brumadinho) são crimes ambientais que devem ser investigados, punidos e reparados.

Essa fala deveria ser trivial e o lugar comum da cobertura da mídia brasileira, mas lamentavelmente não é.  Essa falta de matérias jornalísticas que ecoem o mínimo de bom senso frente a uma situação de clara irresponsabilidade dos operadores de uma das maiores mineradoras do mundo frente não apenas ao meio ambiente, a população da região de Brumadinho e, principalmente e acima de tudo, seus próprios empregados.

Note-se que o Financial Times é um veículo de mídia que mormente expressa preocupações antenadas com os interesses das grandes corporações financeiras.  Isto na prática significa que o chamado “mercado” expressa por meio da Financial Times uma preocupação de qualidade jornalística que os proprietários da mídia brasileira optam por ignorar. 

E, isso entre tantas outras coisas, explica muito bem o estado de coisas que está estabelecido no Brasil neste momento. É que se nem o que está ocorrendo em Brumadinho serve para acionar algum tipo de limite para com a barbárie, fica dificíl saber o que irá.

Financial Times informa: o Brasil está em liquidação, e os chineses estão comprando tudo

bandeirabrasilred

Um dos lemas preferidos das multidões que acorreram as ruas para demandar o impeachment da presidente Dilma Rousseff era o “nossa bandeira jamais será vermelha”. Deposta a presidente eleita,  os manifestantes voltaram para suas vidas tranquilas e o Brasil foi colocado na pior recessão de sua história de Nação independente.

Agora, o insuspeito jornal inglês “Financial Times” está enviando um interessante alerta de que a bandeira brasileira pode até continuar dominada pelo verde e amarelo, mas é cada vez a bandeira vermelha da República Popular da China que estará sendo içada numa ampla gama de empresas brasileiras, incluindo, surpresa das surpresas, o Porto do Açu. 

Abaixo posto a versão digital da reportagem pelos jornalistas Joe Leahy, Andres Schipani, Lucy Hornby and Archie Zhang que pode ser traduzida como “De repente tudo está à venda”, onde são apontados os principais ramos onde empresas chinesas já estão presentes no Brasil, incluindo áreas estratégicas como eletricidade, energia e portos, mas alcançando até o transporte de passageiros [1].

ft china brasil

Mais relevante ainda é a informação de que o número de aquisições não só está alto, mas como os chineses poderão se beneficiar do processo de privatização da Eletrobras, passando a ter um domínio que deveria criar preocupações no tocante ao controle externo de uma área tão fundamental para o desenvolvimento econômico brasileiro (ver figura abaixo).

china brasil

Há que se ressaltar que o domínio estratégico chinês sobre a economia brasileira já vem ocorrendo em função da dependência criada pelas políticas Neodesenvolvimentistas do governo Lula que priorizaram a exportação de commodities agrícolas e minerais que tinham como  destino principal a China.

Agora com a crise extremada, o que estamos presenciando é a captura de ativos econômicos importantes pelas empresas chinesas que estão deixando a posição de consumidoras remotas de commodities brasileiras para controlar diretas de setores da economia nacional.

Mas enquanto isso nenhum sinal daquelas multidões raivosas vociferando contra a possibilidade do verde-amarelo ser trocado pelo vermelho. A minha hipótese para isso é que em se tratando dos segmentos das classes médias e altas até o vermelho chinês é mais tolerável do que ver os segmentos mais pobres da população brasileira sentindo um leve cheiro de cidadania como o que foi oferecido pelas políticas sociais precárias criadas nos anos dos governos controlados pelo PT.


[1] https://www.ft.com/content/1d803686-c48e-11e7-b2bb-322b2cb39656

Florestas amazônicas sob grave risco: Financial Times sugere que Michel Temer troca árvores por votos da bancada ruralista

Deforestation-Amazon

O “Financial Times”, um dos mais respeitados  veículos da mídia mundial na área de negócios e notícias econômicas, publicou nesta 3a. feira (18/07) um artigo de autoria do jornalista Joseph Leahy que deve causar mais dor de cabeça para o presidente “de facto” Michel Temer nas suas já conturbadas relações com outros líderes mundiais.

Sob o título de “Temer pushes Amazon deforestation bill in Brazil” (o que pode ser traduzido literalmente para o português como “Temer empurra lei de desmatamento da Amazônia no Brasil”) [Aqui!], Joseph Leahy sugere que o presidente “de facto” do Brasil está trocando a proteção das florestas amazônicas por votos da bancada ruralista no seu esforço de se manter no poder.

ft amazon

Um dado oferecido pela matéria, e que demonstra a real necessidade de Michel Temer de adular os apoiadores do latifúndio agro-exportador, é de que a bancada ruralista contaria neste momento com 230 membros dentro de um total de 513 deputados.  E como a bancada ruralista não é de brincar em serviço quando se trata de defender os latifundiários, esse controle quase total da Câmara de Deputados explica bem uma série de votações que retroagiram uma série de direitos, começando pela contra-reforma trabalhista.

Partindo do Financial Times,  a afirmação de que Michel Temer está realizando uma troca crua das florestas amazônicas por votos que o mantenham no poder pode ter efeitos diretos nos interesses dos grandes capitalistas do agronegócio que operam no Brasil, visto que já existe um claro desconforto entre governos europeus de receber commodities produzidas em áreas de desmatamento novo.

Eu chamaria ainda atenção para os dados apresentados na matéria sobre o ritmo de desmatamento na Amazônia brasileira que foram produzidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (INPE) (ver figura abaixo).

deforestation 1

É que estes dados são referentes apenas às taxas de desmatamento de corte raso, que seria aquele que ocorre quando todo uma área é desprovida de sua floresta. O problema é que atualmente na Amazônia existem outras formas graves de degradação florestal que podem facilitar o avanço da mancha de desmatamento, incluindo a extração ilegal de madeira e incêndios.  Assim se somarmos, o desmatamento de corte raso aos danos causados pela extração ilegal de madeira e os incêndios, a ameaça sobre a Amazônia é ainda maior do que apontado pela matéria.

Um detalhe importante que foi mostrado por Joseph Leahy é que a principal ameaça neste momento que paira neste momento é a diminuição das áreas protegidas (um risco que eu e o um conjunto de colegas já havíamos antecipado em um artigo publicado em 2005 na revista “Environmental Conservation” [Aqui!]). 

Entretanto, ao conversar com o meu parceiro de pesquisas Eraldo Matricardi, do Departamento de Engenharia Florestal da UNB, ele ponderou que um aspecto particularmente desestabilizador para os esforços de conservação é a perda que está ocorrendo nas estruturas de comando e controle que foram implantadas a duras penas nas últimas quatro décadas na região.  É que com os drásticos cortes que estão sendo feitos no orçamento do Ministério do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia, haverá uma inevitável degradação nas atividades de monitoramento via sensoriamento remoto e da ações coibitivas no solo.  E nessa perda de comando e controle, os muitos inimigos e saqueadores da floresta vão ficar livres para agir.

Em suma, o que está ruim poderá ainda piorar. É que pelo andar da carruagem, Michel Temer ainda vai precisar muito dos votos da bancada ruralista para escapar de seu processo impeachment.

 

 

 

Quando os escravos somos nós. Salários de trabalhadores chineses já ultrapassam os dos brasileiros

Em geral o brasileiro tende a se comparar com países onde se pode tirar algum tipo de senso de superioridade. Essa é uma daquelas características que um povo que ainda se mantém aferrado às estruturas herdadas de sua origem colonial tende a manter em que pese a irracionalidade disto. Por isso, até bem recentemente toda vez que era necessária uma comparação para nos sentirmos superiores a bola da vez era a China e seus salários tidos como de escravos. 

Pois bem, agora para alcançarmos essa sensação ilusória de superioridade será preciso procurar outra “vítima”. É que como mostra o insuspeito “Financial Times” em uma matéria assinada pelo jornalista Steve Johnson e que foi publicada no último dia 26 de Fevereiro, os salários pagos aos trabalhadores chineses já supera a dos brasileiros e se aproxima do que recebem portugueses e gregos (Aqui!).

china-1

Como mostra a figura abaixo, enquanto o valor da hora trabalhada nas indústrias chinesas passou de 1,20 para 3,60 Euros entre 2005 e 2016, no caso brasileiro no mesmo período houve uma queda de 2,90 para 2,70 Euros no mesmo período. Aliás, interessante notar que na América Latina apenas o Chile paga melhores salários do que a China.

china

Mas a melhora nos salários não se resumiu apenas ao ramo industrial, pois como mostra Steve Johnson, os ganhos salariais chineses estão disseminados em todos os ramos de trabalho, já que o valor médio da hora trabalhada passou de 1,50 para 3,30 Euros entre 2005 e 2016 (ver figura abaixo).

china-2

Entretanto, provavelmente para choque dos neoliberais brasileiros que leem o Financial Times, as corporações multinacionais que atuam na China continuam lucrando bastante já que os aumentos salariais foram acompanhados em aumentos de produtividade por parte dos trabalhadores, no que pode ser rotulado de um jogo de “win-win“, ou seja, um jogo onde todos ganham.

Agora, vamos ver como reagem os sindicatos que paulatinamente vem aceitando acordos que precarizam as condições de trabalho e os salários dos trabalhadores brasileiros. Uma coisa é certa: não vão poder mais olhar para a China como um exemplo de país onde os trabalhadores são tratados como escravos. É que está cada vez mais claro que os escravos mesmos somos nós.