Sob a liderança de Bolsonaro, Brasil “renega” organizar conferência climática da ONU

E ruma para se tornar pária ambiental mundial.

Resultado de imagem para cop25

O fato era mais do que previsível, mas mesmo assim não deixa de demonstrar os riscos que o Brasil está correndo de se tornar um pária ambiental no planeta. Falo aqui do abandono do pleito de organizar a 25a. Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (a COP 25) que deverá ocorrer em 2019, agora em lugar ignorado.

É que com o presidente eleito e seu ministro das relações exteriores se alinhando ao presidente estadunidense Donald Trump na negação das mudanças climáticas iria ser mesmo estranho vê-los participando dos trabalhos da C0P25 e, ainda por cima, em solo brasileiro.

Apesar da coerência, essa decisão terá econômicos e políticos para o Brasil mesmo antes de Jair Bolsonaro assumir o poder. O jornal “The Guardian” foi rápido no gatilho e já publicou um artigo na madrugada desta 4a. feira (28/11) sob o título ” Brasil renega em hospedar as negociações climáticas da ONU sob a presidência de Bolsonaro” [1]. A matéria assinada por Jonathan Watts acrescenta, entre outras coisas, que  “a reversão vem dois meses depois que o país concordou em sediar a conferência COP25 em 2019 – e um mês depois que o cético climático de extrema direita ganhou a eleição presidencial brasileira“. 

reneges

O problema para a já combalida brasileira é que esse abandono da COP25 sinalizará para muitos de nossos parceiros comerciais preocupados com as mudanças climáticas que vem mais desmatamento e outras formas de degradação ambiental sob a batuta de Jair Bolsonaro. E, isto, queiram, ou não, Bolsonaro ou seu ministro de Relações Exteriores que optaram por seguir o rumo negacionista do governo Trump, deverá impactar decisões em curso sobre novos investimentos proodutivos no Brasil. É que ao contrário dos EUA, o Brasil não tem nem musculatura econômica nem militar para impor as teses negacionistas sobre as mudanças climáticas.

Aliás, importante nesse caso é ler a nota emitida pelo “Observatório do Clima” que é uma das organizações mais influente nos debates sobre as mudanças climáticas no Brasil [2] . A nota vai na mesma linha de constatar que a opção ideológica de negar as evidências científicas acerca do processo em curso de mudanças climáticas que, no caso do Brasil, deverá atingir a base produtiva agrícola e as populações mais social e economicamente frágeis.

Como bem afirma a nota do “Observatório do Clima”,  o futuro governo federal ao “ignorar a agenda climática, o governo federal também deixa de proteger a população, atingida por um número crescente de eventos climáticos extremos. Estes, infelizmente, não deixam de ocorrer só porque alguns duvidam de suas causas.

Ao latifúndio agro-exportador que tanto depende do comércio exterior, eu sugiro “já ir se acostumando” com a falta de mercados para seus produtos por causa das decisões tresloucados de quem o setor ajudou a colocar no poder.  A ver!


[1] https://www.theguardian.com/world/2018/nov/28/brazil-reneges-on-hosting-un-climate-talks-under-bolsonaro-presidency

[2] http://www.observatoriodoclima.eco.br/nota-oc-sobre-desistencia-brasil-de-sediar-cop25-da-conferencia-clima-da-onu/

 

 

Cientista revela projeto para salvar abelhas e enriquecer agricultores

Especialista informará ONU que o plantio urgente de flores silvestres atrai polinizadores e estimula as plantações de alimentos dos agricultores 

3500

Populações de abelhas despencaram em todo o mundo. A conferência da ONU debaterá formas de reduzir o uso de pesticidas nocivos. Foto: Michael Kooren / Reuters

Por Jonathan Watts para o “The Guardian” [1]

O colapso das populações de abelhas pode ser revertido se os países adotarem uma nova estratégia favorável aos agricultores, disse o arquiteto de um novo masterplan para polinizadores na conferência da biodiversidade da ONU nesta semana.

Stefanie Christmann, do Centro Internacional de Pesquisa Agrícola em Áreas Secas, apresentará os resultados de um novo estudo que mostra ganhos substanciais em renda e biodiversidade, desde a colheita de um quarto de terra cultivável até o florescimento de culturas econômicas, como especiarias, sementes oleaginosas, plantas medicinais e forrageiras.

A Conferência das Partes no âmbito do Convenção sobre a Diversidade Biológica da ONU já está debatendo novas diretrizes sobre polinizadores que recomendarão a redução gradual do uso de pesticidas existentes, mas a pesquisa de Christmann sugere que isso pode ser feito sem dor financeira ou perda de produção.

A necessidade de uma mudança é cada vez mais evidente. Mais de 80% das culturas alimentares requerem polinização, mas as populações de insetos que fazem a maior parte deste trabalho entraram em colapso. Na Alemanha, esta queda é de até 75% nos últimos 25 anos. Porto Rico tem visto um declínio ainda mais acentuado. Os números não estão disponíveis na maioria dos países, mas quase todos relatam um declínio alarmante.

As respostas dos governos nacionais variaram muito. No início deste ano, o Brasil, um dos maiores exportadores de alimentos do mundo, retrocedeu quando congressistas pró-agronegócio votaram pelo levantamento das restrições aos pesticidas proibidos em outros países.

Em contraste, a União Européia proibiu os inseticidas mais amplamente usados no mundo – conhecidos como neonicotinóides, e muitos países europeus estão plantando flores silvestres para atrair insetos.

Mas essa política é cara e traz pouca ou nenhuma renda para os agricultores. Christmann passou os últimos cinco anos trabalhando em uma abordagem diferente, que ela chama de “agricultura com polinizadores alternativos”, com testes de campo no Uzbequistão e no Marrocos. 

A essência da técnica é dedicar uma em cada quatro faixas de cultivo a cultivos de flores, como sementes oleaginosas e especiarias. Além disso, ela fornece aos polinizadores apoio aninhado barato, como madeira velha e solo batido que as abelhas que nidificam no solo podem se enterrar. Girassóis também foram plantados nas proximidades como abrigos de vento. 

“Há uma barreira muito baixa para que qualquer um, mesmo no país mais pobre, possa fazer isso. Não há equipamentos, nem tecnologia e apenas um pequeno investimento em sementes. Isso é muito fácil. Você pode demonstrar como fazer isso com fotos enviadas em um celular ”. Comparado com os campos de controle de monoculturas puras, foram encontrados benefícios “surpreendentes” para os agricultores e um aumento na abundância e diversidade de polinizadores. As culturas foram polinizadas de forma mais eficiente, houve menos pragas, como pulgões e pulgões, e os rendimentos aumentaram em quantidade e qualidade.

5018sóis foram plantados para atuar como um pára-brisa para áreas de apoio de nidificação de abelhas fotografia: Alamy

Em todas as quatro regiões climáticas diferentes que ela estudou, a renda total dos agricultores aumentou, embora os benefícios tenham sido mais marcantes em terras degradadas e fazendas sem abelhas. Os maiores ganhos foram em climas semi-áridos, onde a produção de abóbora subiu 561%, beringela 364%, favas 177% e melões 56%. Em áreas com chuva adequada, as colheitas de tomate duplicaram e a beringela subiu 250%. Nos campos de montanha, a produção de courgette triplicou e as abóboras duplicaram. 

Em outro estudo, financiado pelo Ministério do Meio Ambiente da Alemanha, Christmann testará um plano de cinco anos para passar do trabalho com pequenos projetos pilotos para produtores em grande escala, inserindo tiras floridas de canola e outras culturas comercializáveis para desmembrar as monoculturas.

Ela também espera ver mudanças nas políticas nacionais de paisagem. Trabalhando com os ministérios de turismo, agricultura e comunicação, ela visa aumentar a conscientização sobre os benefícios econômicos dos polinizadores silvestres e incentivar mais o plantio de flores silvestres, arbustos de bagas e árvores floridas.

“Todo o ambiente seria mais rico, mais bonito e mais resiliente às mudanças climáticas”, disse o evangelista de abelhas. “Teríamos muito mais insetos, flores e pássaros. E seria muito mais auto-sustentável. Até mesmo os países mais pobres do mundo poderiam fazer isso”.  

À medida que mais países apreciam as vantagens, ela espera que eles estejam dispostos a se unir à coalizão de países comprometidos em reverter o declínio dos polinizadores. Atualmente, existem apenas 24 países nesta “coalizão de vontade”, principalmente da Europa. Eventualmente, ela espera que haja apoio suficiente ao acordo ambiental multilateral sobre polinizadores, semelhante à convenção internacional sobre o comércio de espécies ameaçadas de extinção. “Espero que a conferência desta semana seja o primeiro passo para criar um acordo multilateral porque é disso que precisamos”, diz ela.  

Ela espera resistência de empresas agroquímicas. “Acho que a Monsanto não vai gostar disso porque quer vender seus pesticidas e essa abordagem reduz as pragas naturalmente”, diz ela.  

Christmann está acostumada com a adversidade. Quando ela sugeriu pela primeira vez um foco em polinizadores na conferência agrícola mundial em 2010, os delegados riram dela. Por muitos anos, ela lutou para obter fundos e por dois anos ela teve que usar suas economias para financiar seu trabalho em programas de polinização.  

Agora ela tem o apoio do governo alemão e uma voz no palco mundial, o único obstáculo é o tempo. “Isso não pode esperar. As abelhas, moscas e borboletas precisam de ação urgente. Tenho agora 59 anos e quero protegê-los globalmente antes de me aposentar, por isso tenho que me apressar”, diz ela.  

O declínio dos polinizadores será destacado em um novo relatório global sobre recursos genéticos para alimentos que será lançado no próximo ano. Com base em relatórios de governos de todo o mundo, o esboço mostrará que até os ministérios da agricultura – que há muito tempo resistem à ação de conservação – estão cientes da necessidade de mudança.  

“Os países estão dizendo que estamos usando muitos pesticidas e que o número de pássaros e abelhas está diminuindo. Precisamos fazer algo sobre isso ou nossos sistemas agrícolas não vão funcionar”, disse Irene Hoffmann, que lidera o estudo da Organização para Agricultura e Alimentação (FAO). “É frustrante e, às vezes, é assustador. A situação é terrível, mas há maneiras de resolvê-la”.


Texto publicado originalmente em inglês pelo jornal “The Guardian” [1]

Estudo afirma que políticas climáticas da China, Rússia e Canadá ameaçam uma mudança de 5°C

O ranking das metas dos países mostra que até mesmo a UE está em curso por mais que o dobro do nível seguro de aquecimento

china 1

Vendedores perto de uma usina movida a carvão na China. Foto: Kevin Frayer / Getty Images

Por Jonathan Watts, editor de questões do Clima Global do “The Guardian”, [1]
As atuais políticas climáticas de China,  Rússia e  Canadá poderão levar o mundo a um catastrófico aquecimento de 5°C até o final do século XXI, de acordo com um estudo que classifica as metas climáticas de diferentes países.

Os Estados Unidos ea Austrália estão apenas um pouco atrasados, com o aumento da temperatura global perigosamente acima dos 4°C acima dos níveis pré-industriais, diz o jornal, enquanto a União Europeia, que normalmente é vista como líder climática, está a caminho de mais que dobrar o 1,5 °C que os cientistas dizem que é um nível moderadamente seguro de aquecimento.

O estudo, publicado na sexta-feira na revista Nature Communications, avalia a relação entre a ambição de cada nação de reduzir as emissões e o aumento de temperatura que resultaria se o mundo seguisse seu exemplo.

O objetivo do artigo é informar os negociadores climáticos ao iniciarem um processo de dois anos de aumento dos compromissos climáticos, que atualmente estão muito aquém da meta de 1,5 a 2 anos estabelecida na França há três anos.

mapa clima

O site relacionado também serve como um guia de como as nações estão compartilhando o fardo de responder à maior ameaça ambiental que a humanidade já enfrentou.

Entre as principais economias, o estudo mostra que a Índia está liderando o caminho com uma meta que está apenas ligeiramente fora do curso para a 2 °C. Os países menos desenvolvidos são geralmente mais ambiciosos, em parte porque têm menos fábricas, usinas e carros, o que significa que eles têm menos emissões para controlar. 

No lado oposto do espectro estão a potência industrial chinesa e os principais exportadores de energia que não estão fazendo quase nada para limitar as emissões de dióxido de carbono. Estes incluem a Arábia Saudita (petróleo), a Rússia (gás) e o Canadá, que está atraindo grandes quantidades de óleo sujo das areias betuminosas. Os lobbies de combustíveis fósseis nesses países são tão poderosos que as promessas climáticas do governo são muito fracas, colocando o mundo em rota para mais de 5  ºC de aquecimento até o final do século. 

Apenas um pouco melhor é o grupo de países que está empurrando o planeta para além do 4°C. Entre eles estão os EUA, que têm enormes emissões de energia, indústria e agricultura, um pouco compensadas por promessas de cortes modestos e mais renováveis. A Austrália, que continua fortemente dependente das exportações de carvão, também está nessa categoria. 

As ricas sociedades de compras da Europa se saem ligeiramente melhor – em grande parte porque as emissões dos produtos são calculadas na fonte de manufatura e não no ponto de consumo – mas os autores do artigo dizem que suas ações estão aquém de suas promessas de dar um exemplo positivo.

O estudo provavelmente será controverso. Sob o acordo de Paris, não há um consenso de cima para baixo sobre o que é uma parcela justa de responsabilidade. Em vez disso, cada nação estabelece suas próprias metas de baixo para cima de acordo com vários fatores diferentes, incluindo vontade política, nível de industrialização, capacidade de pagamento, tamanho da população, responsabilidade histórica pelas emissões. Quase todos os governos, dizem os autores, selecionam uma interpretação da equidade que serve a seus próprios interesses e permite que eles obtenham um ganho relativo em outras nações. 

Para contornar esses conceitos diferentes de justiça, o jornal avalia cada nação pelos padrões menos rigorosos que eles mesmos definem e, em seguida, extrapola isso para o mundo. Ao fazê-lo, os autores dizem que podem “operacionalizar discordâncias”. 

Levando em conta as diferentes interpretações, eles dizem que o mundo precisa se comprometer com uma meta virtual de 1.4°C para atingir uma meta de 2°C. Eles esperam que sua métrica de patrimônio possa ser usada nas negociações climáticas da ONU no mês que vem, em Katowice, e em casos de litígio climático. 

Os autores disseram que o estudo poderia no futuro ser estendido para o nível subnacional, como estados individuais dos EUA. Eles também observam que alguns setores-chave estão atualmente omitidos, incluindo a mudança no uso da terra (que é fundamental em nações com rápido desmatamento, como Brasil, Argentina e Indonésia), transporte marítimo internacional e aviação.

desmatamento

O Brasil está perdendo grandes extensões de florestas naturais para atividades como mineração, extração de madeira e agricultura. Foto: Carl de Souza / AFP / Getty Images

Embora o estudo ressalte a enorme lacuna entre a vontade política e o alarme científico, Robiou du Pont disse que isso deve inspirar e não desestimular as pessoas. “O resultado positivo deste estudo é que temos uma métrica para avaliar o aumento da ambição. A sociedade civil, especialistas e tomadores de decisão podem usar isso para responsabilizar seus governos e, possivelmente, realizar casos de litígio climático, como aconteceu recentemente na Holanda ”, disse ele.

“Esta métrica traduz a falta de ambição em escala global em escala nacional. Se olharmos para o objetivo de tentar evitar danos à Terra, então estou pessimista, pois isso já está acontecendo. Mas isso deve ser uma motivação para aumentar a ambição e evitar o aquecimento global o mais rápido possível. Cada fração de um grau terá um grande impacto ”.

Comentando sobre o estudo, outros acadêmicos disseram que ele poderia ser usado por qualquer um para mostrar como a ação climática pode ser navegada em um mundo em que cada país se classifica baseado no que eles consideram justo.

“Este documento fornece um meio para os países verificarem como sua contribuição pode ser percebida por outros países e, assim, julgar se eles são percebidos como líderes climáticos ou retardatários”, disse Joeri Rogelj, do Imperial College London.


Artigo publicado originalmente em inglês [1]

The Guardian: Novo ministro das Relações Exteriores do Brasil acredita que mudança climática é uma trama marxista

Ernesto Araújo chamou o dogma da ciência do clima e lamentou a “criminalização” da carne vermelha, do petróleo e do sexo heterossexual

4000

Ernesto Araújo, à direita, foi indicado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro, à esquerda, para ser o principal diplomata do Brasil. Sua nomeação poderia minar o papel de liderança do Brasil na mudança climática. Foto: Sergio Lima / AFP /

Por Jonathan Watts, editor do Ambiente Global do “The Guardian” [1]

O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, escolheu um novo ministro das Relações Exteriores que acredita que as mudança climáticas são parte de uma trama de “marxistas culturais” para sufocar as economias ocidentais e promover o crescimento da China.

Ernesto Araújo – até agora um funcionário de nível médio que escreve sobre a “criminalização” da carne vermelha, petróleo e sexo heterossexual – se tornará o principal diplomata do maior país da América do Sul, representando 200 milhões de pessoas e a maior e mais biodiversa floresta da Terra. , a Amazônia.

A nomeação de Araújo, confirmada por Bolsonaro na quarta-feira, deve causar um arrepio no movimento climático global.

O Brasil foi onde a comunidade internacional se reuniu pela primeira vez em 1992 para discutir reduções nas emissões de gases de efeito estufa.  Os diplomatas brasileiros têm desempenhado um papel crucial na redução do fosso entre nações ricas e pobres, particularmente durante a construção do Acordo Climático de Paris em 2015.

Mas quando o novo governo tomar o poder em janeiro, o Ministério das Relações Exteriores que lidera esse trabalho será encabeçado por um homem que afirma que a ciência do clima é meramente um “dogma”.

Em seu blog, Araújo afirma que seu objetivo é “ajudar o Brasil e o mundo a se libertarem da ideologia globalista”, que ele considera anti-cristã.

O diplomata de 51 anos de idade – que nunca serviu como embaixador no exterior – afirma que políticos esquerdistas não identificados sequestraram o ambientalismo para servir como uma ferramenta para o domínio global.

“Este dogma tem sido usado para justificar o aumento do poder regulatório dos estados sobre a economia e o poder das instituições internacionais sobre os estados-nação e suas populações, assim como para sufocar o crescimento econômico nos países capitalistas democráticos e promover o crescimento da China. ”Ele escreveu em um post no mês passado.

Em outro post, Araújo afirmou que o Partido dos Trabalhadores, de centro-esquerda, estava “criminalizando o sexo e a reprodução, dizendo que todo sexo heterossexual é estupro e todo bebê é um risco para o planeta, pois aumentará as emissões de carbono”. Ele então passou a acusar o partido de criminalizar carne vermelha, óleo, ar condicionado e filmes da Disney. 

A retórica incendiária ecoa a de Bolsonaro, que venceu a eleição presidencial do mês passado com cerca de 57,7 milhões de votos. O ex-capitão do exército, desde então, mudou-se para colocar em prática uma das administrações de extrema-direita do mundo e prometeu alinhar o Brasil mais estreitamente com Trump e os EUA. 

Especialistas em negociações climáticas disseram que a nomeação foi triste para o Brasil e para o mundo – embora eles tenham esperança de que o novo ministro das Relações Exteriores seja mais pragmático quando ele representar seu país. 

“O Brasil desempenhou um papel muito significativo no acordo de Paris. Seria muito ruim para a imagem do país se ele trouxesse sua ideologia ”, disse Carlos Rittl, secretário executivo do Observatório do Clima Brasileiro.  Rittl afirma que o clima é a única área em que o Brasil pode se orgulhar de ser um líder global, e pediu ao novo ministro e presidente do exterior que não isole o país neste campo. 

“Bolsonaro não é Trump. O Brasil não é dos Estados Unidos. Nós não temos os mesmos cartões”, disse ele. “Se o Brasil se tornar um pária na agenda climática global seria extremamente ruim para nossos negócios, especialmente o agronegócio. Quando eles vão para a Europa para negociar um acordo, as salvaguardas climáticas estarão sobre a mesa.”

Acredita-se que o risco de perder as vê Acordo de Paris e fundir os ministérios da agricultura e do meio ambiente.

Mas ele continua decidido a abrir a Amazônia aos agricultores, garimpeiros e construtoras que apoiaram sua campanha. Sua escolha como ministro da agricultura é o chefe do lobby agrícola, Tereza Cristina Dias, que os conservacionistas apelidaram de “Musa do Veneno” devido ao seu apoio entusiasta ao relaxamento no controle de agrotóxicos.

Ela e seus colegas supostamente estão destruindo as responsabilidades do ministério do meio ambiente antes que seu novo chefe seja nomeado. A instituição do meio ambiente provavelmente será tão subserviente que os insiders brincam que em breve haverá dois ministérios da agricultura no Brasil.

A magra esperança agora para os defensores do clima é que o poderoso lobby do agronegócio venha a perceber que a chuva para suas plantações depende de uma Amazônia saudável e de um ambiente global estável. Mais de 80% dos municípios brasileiros sofreram secas nos últimos cinco anos, que os cientistas associaram ao desmatamento.

Mas os madeireiros não estão esperando. Os últimos números do desmatamento mostraram um forte aumento no desmatamento durante a campanha eleitoral, sugerindo que as proteções para a natureza e a terra indígena já estão enfraquecendo.


Artigo publicado originalmente em inglês [1]

The Guardian: nosso planeta não aguenta muito mais populistas como Jair Bolsonaro

Justamente quando a Terra precisa desesperadamente de líderes pró-meio ambiente, temos homens fortes pró grandes empresas. Há uma razão para essa ironia sombria

bolso 1

Jair Bolsonaro durante uma coletiva de imprensa no Rio de Janeiro. Foto: Mauro Pimentel / AFP / Getty Images

Por Jonathan Watts para o “The Guardian” [1]

A menos que todas as pesquisas eleitorais estejam totalmente erradas, o Brasil provavelmente elegerá um racista, sexista, homofóbico e defensor da tortura no final deste mês. O ex-capitão do Exército Jair Bolsonaro quase venceu na primeira rodada, garantindo os votos de quase 50 milhões de pessoas – apesar de suas visões extremas serem bem conhecidas.

O que é menos bem compreendido, no entanto, são as implicações catastróficas para o meio ambiente de sua ascensão à beira do poder. E, nesse sentido, Bolsonaro não é único: em todo o mundo, a diminuição dos recursos está alimentando um aumento global de líderes autoritários dedicados a cumprir a ordem de alguns dos interesses mais nocivos ao meio ambiente do mundo.

Os resultados das eleições brasileiras foram anunciados no dia 8 de outubro – assim como os cientistas do clima estão emitindo seu mais dramático aviso de que a humanidade tem apenas 12 anos para reduzir as emissões ou sofrer as consequências do perigoso aquecimento global. Se os países não começarem a plantar árvores e cortar os combustíveis fósseis agora, disseram, então será impossível evitar um aumento de mais de 0,5ºC, o que erradicará completamente todos os corais do mundo e perturbará irreversivelmente os sistemas climáticos, provocando secas e inundações. e calor extremo que empurrará centenas de milhões para a pobreza.

A história nos diz que, quando os ambientes se deterioram, as sociedades recorrem a supostos homens fortes e fanáticos religiosos, em vez de líderes inteligentes e pragmáticos. Isso está acontecendo agora. Além das ditaduras da China, Rússia e Arábia Saudita, um número crescente de jovens democracias recaíram no autoritarismo: as Filipinas sob Rodrigo Duterte, a Turquia sob Recep Tayyip Erdoğan, o Egito sob Abdel Fattah el-Sisi e, em seguida, parece , Brasil sob Bolsonaro. E subjacente a isso é o estresse ambiental, que tem sido construído há mais de dois séculos. 

Começando na Grã-Bretanha, o modelo industrial do capitalismo de carbono tem extraído há muito tempo minerais e recursos orgânicos, e descarregando os resíduos no ar, mar e terra. À medida que mais nações se desenvolviam, exportavam seu estresse ambiental para o próximo país, subindo a escada econômica. 

Agora que esse paradigma está sendo replicado pelo país mais populoso do mundo, a China, há muito poucos lugares para absorver o impacto. A competição pelo que resta está crescendo. Então é violência e extremismo. Políticos de centro-terreno que uma vez conversaram animadamente sobre “soluções em que todos ganham” foram levados à margem. Ninguém acredita mais nisso. Os eleitores podem não ver isso em termos ambientais, mas conscientemente ou inconscientemente, eles sabem que algo está quebrado, que os ajustes não são mais suficientes. 

soja 1

Uma plantação de soja na floresta amazônica perto de Santarém, no Pará, norte do Brasil. Foto: Ricardo Beliel / LightRocket / Getty Images

Nos EUA, com o apoio massivo da indústria de combustíveis fósseis, Donald Trump minou a Agência de Proteção Ambiental, abriu trechos de parques nacionais para a indústria, cortou o controle da poluição e prometeu se retirar do acordo de Paris. Na Austrália, Malcolm Turnbull foi expulso do poder por seus colegas porque tentou cumprir as promessas de reduzir as emissões de carbono.  E agora no Brasil, os eleitores estão apoiando um político que prometeu tirar seu país do Acordo de Paris, abolir a principal agência do governo que combate o desmatamento e acabar com a demarcação de terras indígenas. Bolsonaro tem o apoio de líderes do agronegócio e da mineração, que estão esfregando as mãos de alegria com a perspectiva de uma Amazônia desnudada de suas maiores proteções. Os mercados – que são fortemente impulsionados pelas indústrias extrativas – também o amam.

O principal índice de ações e a taxa de câmbio do real subiram após a vitória na primeira rodada. Um editorial do Wall Street Journal endossou-o como um “populista conservador”. Tais políticos neofascistas não devem ignorados de forma bem humorada. Eles são os pistoleiros das indústrias que trabalham contra o Acordo de Paris e outros acordos internacionais que visam evitar novas catástrofes ambientais, que atingem os mais duramente os mais pobres. Seu “anti-globalismo” é, antes de tudo, anti-natureza e anti-futuro.

Uma abordagem de extração primeiro pode trazer benefícios econômicos a curto prazo, já que os amigos e doadores de campanha limpam mais florestas, abrem plantações e extraem mais minas – mas os lucros são concentrados enquanto o estresse ambiental é compartilhado. O grande medo que os cientistas do clima têm é que um planeta em aquecimento poderia criar laços de feedback que tornariam tudo muito pior. Mas não houve estudo suficiente de ciclos de feedback econômico e político.

Como a seca na China pressiona a Amazônia para produzir mais alimentos e limpar mais florestas. Ou quão poderosos os interesses comerciais escolherão um ditador sobre um democrata, se isso significar facilitar os controles ambientais que ameaçam sua capacidade de cumprir metas de crescimento trimestrais. Já estamos vendo um fosso crescente entre políticos e cientistas. Enquanto os últimos pedem uma ação climática mais ambiciosa, os primeiros sabem que receberão mais fundos de campanha se se opuserem aos cortes de emissões, apoiarem as indústrias extrativas e enfraquecerem os regulamentos de poluição. Não são apenas ditaduras. A Grã-Bretanha está avançando com o fracking, a Alemanha com carvão e a Noruega com exploração de petróleo. 

Em algum momento, os eleitores perceberão que o estresse ecológico está no centro dos problemas atuais do mundo. O momento Eureka! O momento pode ser quando a água cresce proibitivamente cara, ou as safras fracassam devido a ondas de calor sucessivas, ou a crise de refugiados desencadeia a guerra, mas em algum momento a fraqueza dos homens fortes será aparente, e as pessoas buscarão mudanças.  O perigo é que, então, pode ser tarde demais. Tanto o clima quanto a política terão ultrapassado um ponto crítico, levando ao caos social e à transformação de populistas em ditadores para toda a vida. 

Isso ainda não é inevitável, mas os riscos estão aumentando. O que ficou mais claro do que nunca é que a melhor maneira de evitar o colapso climático e ecológico é votar em líderes que fazem disso uma prioridade. Será impossível consertar a economia a menos que você primeiro conserte o ambiente. O instinto global para mudanças radicais está certo, mas a menos que isso seja voltado para a reconstrução ecológica, as democracias do mundo podem ser extintas antes dos corais.


Jonathan Watts é o Editor para Assuntos ligados ao Ambiente Global do jornal “The Guardian” e este artigo foi publicado originalmente em inglês [1]

 

The Guardian mostra o lado B dos Jogos Olímpicos Rio 2016

maré

Ainda que com erros e exageros localizados, a cobertura que a mídia internacional está dando do chamado “Lado B” dos Jogos Olímpicos em vias de encerramento na cidade do Rio de Janeiro é muito reveladora de que nem tudo é dourado sob os arcos olímpicos do COI.

Um exemplo disso é a matéria que acaba de ser publicada online pelo jornal inglês “The Guardian” e que leva a assinatura de Jonathan Watts com um título em português que poderia ser lido como “O assassinato de residentes de favelas continuam enquanto os Jogos seguem em frente no Rio de Janeiro”  (Aqui!) (ver reprodução parcial abaixo).

watts

Além de dar voz de residentes da Vila do João que estão sofrendo um verdadeiro cerco, e que já resultou em várias mortes, após o incidente fatal que vitimou um militar da Força Nacional, Watts chama a atenção para o fato de que para proteger atletas e turistas, o Estado brasileiro recheou toda a região que leva até o aeroporto internacional do Galeão com tropas militares. Entretanto, como bem colocou um dos moradores entrevistados, para os moradores mesmo é que sobra é o terror de viver entre o fogo cruzado criado pelos confrontos das forças militares com narcotraficantes. numa condição que beira um estado de sítio não declarado.

Watts chama ainda a atenção de seus próprios colegas da mídia internacional que estão gastando rios de tinta para noticiar o falso assalto envolvendo membros da delegação dos EUA, enquanto pouco ou nada se fala sobre a militarização dos espaços ocupados pelos pobres.

A matéria é encerrada com uma comparação nada abonadora de um morador da Favela da Maré que declarou a Watts que “ao contrário das competições de tiros das Olimpíadas, os alvos na vida real são pessoas negras que estão mortas de medo”.

Enquanto isso na mídia corporativa brasileira o que se ouve são patriotadas e demonstrações contínuas de misoginia e desrespeito.