Sob a liderança de Bolsonaro, Brasil “renega” organizar conferência climática da ONU

E ruma para se tornar pária ambiental mundial.

Resultado de imagem para cop25

O fato era mais do que previsível, mas mesmo assim não deixa de demonstrar os riscos que o Brasil está correndo de se tornar um pária ambiental no planeta. Falo aqui do abandono do pleito de organizar a 25a. Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (a COP 25) que deverá ocorrer em 2019, agora em lugar ignorado.

É que com o presidente eleito e seu ministro das relações exteriores se alinhando ao presidente estadunidense Donald Trump na negação das mudanças climáticas iria ser mesmo estranho vê-los participando dos trabalhos da C0P25 e, ainda por cima, em solo brasileiro.

Apesar da coerência, essa decisão terá econômicos e políticos para o Brasil mesmo antes de Jair Bolsonaro assumir o poder. O jornal “The Guardian” foi rápido no gatilho e já publicou um artigo na madrugada desta 4a. feira (28/11) sob o título ” Brasil renega em hospedar as negociações climáticas da ONU sob a presidência de Bolsonaro” [1]. A matéria assinada por Jonathan Watts acrescenta, entre outras coisas, que  “a reversão vem dois meses depois que o país concordou em sediar a conferência COP25 em 2019 – e um mês depois que o cético climático de extrema direita ganhou a eleição presidencial brasileira“. 

reneges

O problema para a já combalida brasileira é que esse abandono da COP25 sinalizará para muitos de nossos parceiros comerciais preocupados com as mudanças climáticas que vem mais desmatamento e outras formas de degradação ambiental sob a batuta de Jair Bolsonaro. E, isto, queiram, ou não, Bolsonaro ou seu ministro de Relações Exteriores que optaram por seguir o rumo negacionista do governo Trump, deverá impactar decisões em curso sobre novos investimentos proodutivos no Brasil. É que ao contrário dos EUA, o Brasil não tem nem musculatura econômica nem militar para impor as teses negacionistas sobre as mudanças climáticas.

Aliás, importante nesse caso é ler a nota emitida pelo “Observatório do Clima” que é uma das organizações mais influente nos debates sobre as mudanças climáticas no Brasil [2] . A nota vai na mesma linha de constatar que a opção ideológica de negar as evidências científicas acerca do processo em curso de mudanças climáticas que, no caso do Brasil, deverá atingir a base produtiva agrícola e as populações mais social e economicamente frágeis.

Como bem afirma a nota do “Observatório do Clima”,  o futuro governo federal ao “ignorar a agenda climática, o governo federal também deixa de proteger a população, atingida por um número crescente de eventos climáticos extremos. Estes, infelizmente, não deixam de ocorrer só porque alguns duvidam de suas causas.

Ao latifúndio agro-exportador que tanto depende do comércio exterior, eu sugiro “já ir se acostumando” com a falta de mercados para seus produtos por causa das decisões tresloucados de quem o setor ajudou a colocar no poder.  A ver!


[1] https://www.theguardian.com/world/2018/nov/28/brazil-reneges-on-hosting-un-climate-talks-under-bolsonaro-presidency

[2] http://www.observatoriodoclima.eco.br/nota-oc-sobre-desistencia-brasil-de-sediar-cop25-da-conferencia-clima-da-onu/

 

 

Um pensamento sobre “Sob a liderança de Bolsonaro, Brasil “renega” organizar conferência climática da ONU

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s