Mudanças climáticas: estudo diz que riscos do ‘efeito dominó’ dos pontos de inflexão são maiores do que tradicionalmente se acredita

Cientistas alertam os políticos para não ignorar os links, e enfatizam que “toda ação conta”

guardian 1

Quando o gelo ártico derrete, menos luz solar é refletida, o que aumenta a temperatura global e aumenta o risco de incêndios florestais. Foto: Mario Tama /Getty Images

Por Jonathan Watts para o jornal “The Guardian” [1]

Os formuladores de políticas subestimaram severamente os riscos dos pontos de inflexão ecológicos, de acordo com um estudo que mostra que 45% de todos os possíveis colapsos ambientais estão interrelacionados e podem se ampliar mutuamente.

Os autores disseram que seu artigo, publicado na revista Science, destaca como os sistemas naturais sobrecarregados e sobrepostos se combinam para gerar um número crescente de surpresas indesejáveis.

“Os riscos são maiores do que o suposto porque as interações são mais dinâmicas”, disse Juan Rocha, do Centro de Resiliência de Estocolmo. “A mensagem importante é reconhecer a gravidade do problema que a humanidade enfrenta.”

O estudo reuniu pesquisas existentes sobre transições de ecossistemas que podem irreversivelmente virar para outro estado, como o branqueamento de corais e a invasão de algas, as florestas se transformando em savanas e camadas de gelo derretendo nos oceanos. Em seguida, ele cruzou os 30 tipos de mudanças para examinar os impactos que elas poderiam ter um sobre o outro e sobre a sociedade humana.

Apenas 19% das mudanças verificadas foram totalmente isoladas. Outros 36% compartilharam uma causa comum, mas provavelmente não interagiram. Os 45% restantes tinham o potencial de criar um efeito dominó unidirecional ou feedbacks reforçados mutuamente.

guardian 2

A destruição de recifes de corais pode enfraquecer as defesas costeiras e expor as florestas de mangue a danos. Foto: Greg Torda / Centro de Excelência ARC para Estudos de Recifes de Coral

Entre os últimos casos de combinação entre efeitos das mudanças climáticas estão os lençóis de gelo do Ártico e as florestas boreais. Quando o primeiro derrete, há menos gelo para refletir o calor do sol, de modo que a temperatura do planeta aumenta. Isso aumenta os riscos de incêndios florestais, que descarregam carbono no ar que aumenta o efeito estufa, que derrete mais gelo. Embora geograficamente distantes, cada um amplifica o outro.

Por outro lado, um impacto unidirecional do tipo dominó é aquele entre recifes de corais e florestas de mangue. Quando os primeiros são destruídos, enfraquece as defesas costeiras e expõe mangues a tempestades e ondas oceânicas.

O desmatamento da Amazônia é responsável por múltiplos “efeitos em cascata” – enfraquecendo os sistemas de chuva, as florestas tornando-se savanas e reduzindo o suprimento de água para cidades como São Paulo e culturas no sopé dos Andes. Isso, por sua vez, aumenta a pressão por mais desmatamento.

Até recentemente, o estudo dos pontos de inflexão era controverso, mas é cada vez mais aceito como uma explicação para as mudanças climáticas que estão acontecendo com mais velocidade e ferocidade do que os modelos computacionais anteriores previam. A perda de recifes de corais e o gelo marinho do Ártico já pode estar além do ponto de não retorno. Há sinais de que a Antártica está seguindo o mesmo caminho mais rápido do que se pensava.

O co-autor Garry Peterson disse que o depósito de gelo na Antártica ocidental não estava no radar de muitos cientistas 10 anos atrás, mas agora havia provas contundentes dos riscos – incluindo perdas de pedaços de gelo do tamanho de Nova York – e alguns estudos agora sugerem que o ponto de inflexão já pode ter sido passado pelo manto de gelo do sul, que pode agora liberar carbono na atmosfera.

“Estamos surpresos com a taxa de mudança no sistema da Terra. Tanta coisa está acontecendo ao mesmo tempo e em uma velocidade maior do que poderíamos pensar 20 anos atrás. Isso é uma preocupação real”, disse Peterson. “Estamos indo cada vez mais rápido para a beira de um precipício.”

A quarta pesquisa acadêmica mais baixada de 2018 foi o artigo Hothouse Earth, que considerou como os pontos de inflexão poderiam se combinar para levar o clima global a um estado inabitável [2].

Os autores do novo artigo dizem que seu trabalho vai além dos estudos climáticos, mapeando uma ampla gama de pontos de estresse ecológico, como a perda de biodiversidade, a expansão agrícola, a urbanização e a erosão do solo. Também se concentra mais no que está acontecendo no nível local agora, ao invés de projetar tendências geo-planetárias no futuro.

“Estamos vendo coisas que afetam as pessoas em suas vidas diárias. São coisas que estão acontecendo hoje”, disse Peterson. “Há uma mensagem positiva, pois amplia o leque de opções de ação. Não é apenas a nível internacional. Os prefeitos também podem fazer a diferença, abordando a erosão do solo, ou implementando políticas sociais que causem menos estresse ao meio ambiente ou construindo defesas costeiras naturais”.

Rocha passou 10 anos construindo um banco de dados de pontos de inflexão, ou “mudanças de regime”, como ele os chama. Ele insta os formuladores de políticas a adotarem uma abordagem interdisciplinar semelhante para que possam entender melhor o que está acontecendo.

“Estamos tentando conectar os pontos entre diferentes comunidades de pesquisa”, disse Rocha. “Os governos também precisam olhar mais para as interações. Eles devem parar de compartimentar os ministérios como a agricultura, a pesca e as relações internacionais e tentar administrar os problemas ambientais abraçando a diversidade de causas e mecanismos subjacentes a eles. As políticas precisam corresponder à escala do problema.

“É um pouco deprimente saber que não estamos em uma trajetória para manter nosso ecossistema em um estado funcional, mas essas conexões também são motivo de esperança; uma boa gestão em um só lugar pode prevenir a degradação ambiental grave em outros lugares. Cada ação conta.

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pelo jornal “The Guardian” [1]


[2] https://www.pnas.org/content/115/33/8252

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s