A loteria do carbono: A cegueira da Europa para a pegada de carbono da carne brasileira

carne 1

O excesso de dependência da Europa na carne bovina do estado de Mato Grosso em particular, e a ausência de due diligence por parte dos produtores e comerciantes de carne, deixa a Europa não apenas cegamente cúmplice na crescente crise de desmatamento do Brasil, mas também exposta a níveis significativos de emissões embutidas nas importações.

Até 20,8 milhões de toneladas de gases de efeito estufa (GEE) poderiam ter sido emitidos no Brasil para produzir carne bovina importada por apenas cinco países europeus em 2019, equivalente à pegada climática anual de 2,4 milhões de cidadãos da UE – o dobro da população de Bruxelas.

Estimativas ainda mais conservadoras sugerem que as emissões poderiam ter chegado a 2,6 a 4,9 milhões de toneladas de CO2e (tCO2e), equivalente à pegada anual de até 465.000 europeus.

As descobertas fazem parte de uma nova análise do Earthsight, A Loteria do Carbono: Estimativa das pegadas de carbono embutidas nas importações europeias de carne bovina brasileira , e destacam como os importadores devem tomar medidas concretas para obter carne bovina não ligada ao maior fator de contribuição na intensidade de carbono da produção de carne bovina – desmatamento.

Enquanto as emissões globais de GEE deverão cair este ano devido à desaceleração da atividade econômica após a pandemia de Covid-19, o Brasil deverá contradizer essa tendência e ver um aumento entre 10 e 20 por cento, principalmente por causa dos níveis crescentes de desmatamento.

O desmatamento na Amazônia brasileira tem aumentado a cada ano desde 2017, e 30% em 2019. As desmatamentos nos primeiros seis meses de 2020 aumentaram 24% em comparação com o mesmo período de 2019, atingindo 2.544 km², a segunda maior quantidade em qualquer semestre desde 2010. 2020 viu o pior início da temporada de incêndios no Brasil em uma década , com as queimadas no bioma Amazônia correndo o risco de ultrapassar as de 2019, que aumentaram 85% em 2018.

O desmatamento responde por quase metade do total de emissões de GEE do Brasil, com a agricultura e pecuária, atividades intimamente ligadas à perda de floresta, respondendo por mais um quarto. Em 2018, a pecuária foi responsável por quase um quinto de todas as emissões no Brasil – se o desmatamento para a pecuária for levado em conta, essa participação sobe para 45 por cento.

carne 2

Calculando o carbono

Quantificar a verdadeira escala das emissões de carbono atreladas às importações europeias de carne bovina brasileira é um grande desafio. Há poucas evidências de que produtores ou importadores verifiquem consistentemente se a carne que comercializam vem de gado vinculado ao desmatamento ou de pastagens degradadas e de alta emissão, enquanto o envolvimento de fornecedores indiretos desconhecidos permanece irrestrito na indústria frigorífica brasileira.

No cálculo da faixa de emissões possíveis, a pesquisa ilustra a falta de transparência do setor e os riscos que os importadores correm ao comprar carne bovina do Mato Grosso e de outros estados com alto índice de desmatamento.

Embora o Trase , uma plataforma de transparência da cadeia de suprimentos, e estudos anteriores tenham estimado a pegada de carbono embutida nas importações de carne bovina brasileira da Europa, a análise da Earthsight fornece estimativas sobre o comércio mais recente usando métodos diferentes. As estimativas da Earthsight não se limitam às emissões do desmatamento, mas também incluem as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) de todo o ciclo de produção de carne bovina, incluindo mudança no uso da terra, insumos agrícolas, pecuária, rebanho e emissões de solo, abate e transporte até o ponto de exportação.

A análise se baseia em estudo recente do Instituto Escolhas, que calculou a pegada média de emissões da carne bovina produzida em cada estado brasileiro ao longo de uma década, inclusive para diferentes tipos de sistemas representativos de manejo de rebanho e qualidades de pastagens.

O Instituto Escolhas estimou que a pegada de carbono média nacional da produção de carne bovina, entre 2008 e 2017, variou de 25kg a 78kg CO2e (emissões de carbono equivalente) por quilo de carne bovina, dependendo do desmatamento. Em contraste, o CO2e médio por quilo de carne bovina produzida na UE foi estimado em cerca de 22 kg.

A análise da Earthsight empregou amplamente as estimativas estaduais do Instituto Escolhas em uma variedade de manejo de rebanho e tipos de pastagem, incluindo médias estaduais e pastagens degradadas e estáveis.

A combinação das estimativas de emissões médias estaduais produzidas pelo Instituto Escolhas com os dados das exportações brasileiras possibilitou o cálculo das pegadas de carbono embutidas nas remessas recebidas pelos países selecionados e suas empresas importadoras.

carne 3As importações europeias de carne bovina brasileira estão expostas ao enorme desmatamento e ao risco de emissões de carbono da pecuária. Crédito: Shutterstock

Os cinco maiores países importadores da Europa

Quase toda a carne bovina (96 por cento) enviada para a Europa veio de instalações em apenas cinco estados: Mato Grosso, São Paulo, Rio Grande do Sul, Goiás e Mato Grosso do Sul.

Mato Grosso foi o maior fornecedor estadual para os cinco países, respondendo por 33% do total.

Os cinco principais países de destino da carne bovina desses cinco estados – Itália (29.650 toneladas), Reino Unido (28.030 toneladas), Holanda (22.084 toneladas), Espanha (9.466 toneladas) e Alemanha (8.060 toneladas) – não se classificam na mesma ordem ao avaliar as emissões de carbono que essas importações podem ter produzido.

As importações para a Itália tiveram a maior pegada de carbono incorporada média – sem ou com desmatamento – variando de 244.440 a 1,1 milhão de tCO2e ao usar estimativas de emissões médias baseadas no estado. A Itália foi seguida pela Holanda (162.407 a 633.124 tCO2e), Espanha (94.208 a 451.298 tCO2e), Alemanha (63.364 a 224.623 tCO2e) e o Reino Unido (50.031 a 152.294 tCO2e).

A estimativa mais alta combinada de 2,6 milhões de tCO2e é equivalente às emissões de carbono de 2018 de 298.148 europeus. As exportações de Mato Grosso, lar de áreas da Amazônia e do Cerrado e o estado mais desmatado que domina o comércio para a Europa, sozinhas respondem por 2,2 milhões de tCO2e, ou 85 por cento.

A pole position da Itália não se deve apenas a seus grandes volumes de importação, mas também – e principalmente – sua dependência da carne bovina de Mato Grosso, que tem estimativas de emissões médias consideravelmente mais altas por quilo de carne bovina do que os outros quatro estados fornecedores de importações europeias. Quase metade de todas as importações italianas (14.279 toneladas) vêm do estado.

Se toda a carne importada para a Europa fosse derivada exclusivamente de pastagens estáveis ​​(pastagens de baixa produtividade sem capacidade de remover carbono da atmosfera) em cada estado, a média superior de emissões embutidas totais (quando o desmatamento está envolvido) sobe para 4,9 milhões de tCO2e – quase o dobro ao aplicar as médias estaduais. Esta é a pegada climática de 465.000 europeus.

No entanto, se 35% da carne bovina dos frigoríficos mato-grossenses veio de gado criado em pastagens degradadas (pastagens de alta emissão devido à degradação do solo e que estão mais associadas a áreas recentemente desmatadas) e o restante de Mato Grosso e dos outros quatro estados foram estimados usando as médias estaduais, a pegada de carbono total embutida nas importações europeias de carne bovina brasileira pode chegar a 20,8 milhões de tCO2e. Isto é equivalente à pegada climática anual de 2,4 milhões de cidadãos da UE.

Esse aumento dramático ocorre porque um quilo de carne bovina produzida em Mato Grosso a partir de gado criado em pastagens degradadas associadas ao desmatamento gera a impressionante quantidade de 1.695 kg CO2e.

Os resultados mostram que o volume de comércio raramente determina as pegadas de carbono, mas que a origem do gado, as ligações com o desmatamento e os tipos de pastagem são os fatores mais importantes. Os importadores com menores volumes de comércio podem ter pegadas de carbono desproporcionalmente altas por causa de suas práticas de abastecimento.

Pegadas de carbono da empresa

Tal como acontece com a análise a nível de país, as emissões embutidas estimadas da Europa estão dramaticamente concentradas nas importações de relativamente poucas empresas.

Ao considerar as estimativas baseadas em médias estaduais, apenas duas empresas (Silca e JBS) respondem por quase um quarto das emissões estimadas, oito empresas são responsáveis ​​por mais da metade e 27 respondem por 80 por cento.

Algumas empresas europeias têm pegadas de carbono incorporadas mais altas do que alguns países destinatários.

Quando calculada usando as emissões médias superiores em nível estadual, a empresa italiana Silca tem uma pegada maior (375.000 tCO2e) do que a Alemanha (224.623 tCO2e) ou o Reino Unido (152.294 tCO2e). O grupo brasileiro JBS (221.538 tCO2e), o conglomerado alemão de alimentos Tonnies (199.411 tCO2e) e a empresa italiana Bervini Primo (181.660 tCO2e) também têm emissões embutidas mais altas do que o Reino Unido.

carne 4

Quando calculada com base em toda a carne importada proveniente de gado criado em pastagens estáveis ​​associadas ao desmatamento, a pegada de carbono estimada de empresas individuais aumenta consideravelmente. Com essa medida, as emissões de carbono embutido da JBS quase triplicam, colocando a empresa acima da Silca como a importadora com maior pegada embutida.

Da mesma forma, se as importações da JBS de Mato Grosso também fossem todas derivadas de pastagens degradadas ligadas ao desmatamento, suas importações para a Europa incorporariam emissões 22 vezes maiores (5 milhões de tCO2e) do que abaixo da média estadual superior nos cinco estados.

Alguns dos maiores importadores por peso estão fora do ranking das 10 pegadas de carbono médias. Os exemplos mais marcantes são a Marfrig (segundo maior importador por peso e entre os três maiores frigoríficos do Brasil), Princes (Reino Unido) e Bolton Group (Itália). Essas empresas, embora sejam grandes importadoras, podem ter uma classificação mais baixa em emissões de carbono incorporado porque quase toda a carne bovina é proveniente de frigoríficos de São Paulo e do Rio Grande do Sul.

Esses estados apresentam níveis significativamente mais baixos de desmatamento – e, portanto, menores emissões de carbono por perda florestal – em comparação com Mato Grosso e os estados do Cerrado de Goiás e Mato Grosso do Sul.

No entanto, é improvável que a carne embarcada dos estados do sul esteja livre de desmatamento, já que parte desse gado pode vir de estados do Cerrado ou bioma amazônico.

Além disso, Princes e Bolton são grandes compradores de carne enlatada e outros tipos de carne enlatada. As instalações de exportação no sul provavelmente fornecem parte da carne fresca que eles transformam nesses produtos altamente processados ​​de matadouros mais ao norte, que estão mais intimamente ligados a fazendas na Amazônia ou Cerrado.

carne 5

Além disso, embora as empresas que importam exclusiva ou predominantemente de São Paulo e do Rio Grande do Sul possam parecer expostas a emissões embutidas mais baixas, se as pastagens estáveis ​​ligadas ao desmatamento desempenharem um papel importante em suas cadeias de abastecimento, suas emissões podem aumentar dramaticamente. É exatamente isso que se observa com Marfrig, Princes e Bolton.

Gigantes do frigorífico brasileiro

A forte ligação entre o desmatamento e a quantidade de carbono embutido na produção de carne bovina é preocupante não só por causa de suas consequências ambientais, mas também por causa dos níveis de ilegalidade que provavelmente estão contaminando as cadeias de abastecimento de carne. Um relatório publicado no início deste ano pela MapBiomas mostrou que 99 por cento de todo o desmatamento ocorrido no Brasil em 2019 era ilegal.

As mesmas empresas brasileiras que abatem gado e exportam carne bovina também estão entre os maiores importadores da Europa. Isso poderia facilitar o cumprimento das leis de due diligence, uma vez que essas empresas já teriam dados relacionados, mas também poderia levantar questões sobre a confiabilidade de tais sistemas se as empresas fiscalizassem suas próprias práticas, especialmente considerando o histórico dessas empresas no Brasil.

JBS, Minerva e Marfrig , os três maiores exportadores e entre os principais importadores da Europa, há anos estão vinculados ao desmatamento ilegal na Amazônia e em outros lugares e são repetidamente criticados por não conseguirem monitorar seus fornecedores indiretos.

A Earthsight pediu às 10 empresas que importam os maiores volumes de carne bovina para a Europa, e a várias outras notáveis, que detalhem as descobertas do monitoramento das emissões de carbono que realizam. Apenas Marfrig respondeu. A empresa forneceu uma pegada de carbono estimada para sua carne bovina variando de 48 a 99kg CO2e / kg carne bovina. A aplicação dessas estimativas em relação às importações da Marfrig em 2019 (10.145 toneladas) revela uma gama de pegadas de carbono embutidas significativamente superior às estimativas calculadas para a empresa a partir dos valores do Instituto Escolhas.

A Marfrig disse que “busca estreitar a relação entre os produtores e a Marfrig, incentivando a adoção de boas práticas pecuárias, que contribuam para o desenvolvimento sustentável das fazendas e garantam uma produção mais segura e com menor impacto ambiental”. A empresa acrescentou que monitora a pegada de carbono de sua produção de carne bovina com base em métodos internacionalmente reconhecidos.

carne 6Abatedouro Mafrig em Mato Grosso, Brasil. Crédito: Alamy

A Europa vai agir?

Cerca de 25 por cento das  emissões de carbono embutidas nos produtos  consumidos na Europa são emitidas no exterior. À medida que a UE embarca em seu New Deal Verde e busca finalizar o acordo comercial Mercosul-UE que aumentará dramaticamente o comércio com o Brasil, garantir que as emissões associadas ao consumo europeu não sejam terceirizadas para outros países será crítico.

Até o momento, não há requisitos para que as empresas coloquem carne brasileira (ou qualquer produto agrícola de qualquer país) nos mercados europeus para realizar due diligence sobre o desmatamento ou impactos ambientais mais amplos desses produtos, muito menos para parar de fornecê-los onde os impactos e riscos envolvidos são compreendidos e considerados inaceitáveis.

Enquanto os compradores europeus não tiverem sistemas adequados de devida diligência, eles correm o risco de comprar de empresas ligadas ao desmatamento que geram enormes emissões climáticas.

A UE está emitindo sons positivos sobre a introdução de due diligence obrigatória para desvincular o desmatamento do consumo de commodities agrícolas e se afastar das  promessas corporativas voluntárias falhas  atualmente em jogo. 

Qualquer  lei deve ser robusta o suficiente  para garantir transparência e responsabilidade no setor.

O Reino Unido também anunciou recentemente sua intenção de aprovar leis exigindo que as empresas exerçam a devida diligência na pegada de desmatamento de produtos agrícolas usados ​​e comercializados no Reino Unido, incluindo carne bovina. No entanto, o modelo proposto parece lamentavelmente inadequado, pois se aplicaria apenas ao desmatamento ilegal, não se aplicaria a todas as empresas que importam commodities florestais de risco usadas no Reino Unido e enfraquece as iniciativas existentes e os compromissos governamentais já em vigor. 

Sistemas de rastreabilidade e dados relevantes sobre o uso da terra já existem no Brasil que poderiam fornecer uma due diligence abrangente, mas uma mistura de barreiras regulatórias e a falta de incentivos impediram que fossem usados ​​com efeito total para desvincular as cadeias de abastecimento de carne da destruição ambiental.

Nenhum sinal de mercado – seja dentro ou fora do Brasil – existe atualmente para incentivar a integração dos sistemas e capacidades de rastreabilidade existentes no Brasil. Até que isso aconteça, parece que a loteria do carbono e do desmatamento embutidos nas importações de carne bovina brasileira pela Europa persistirá.

Para ver os resultados completos da pesquisa, consulte o  relatório em PDF . 

fecho

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pela Earthsight [Aqui!].

Repórter Brasil revela relações de frigoríficos com “bois piratas” criados em unidades de conservação e terras indígenas na Amazônia

O ‘boi pirata’ criado em terra indígena e a conexão com os frigoríficos Marfrig, Frigol e Mercúrio

Abatedouros são proibidos de comprar animais criados em reservas ambientais, áreas desmatadas ou terras indígenas, mas pecuaristas que atuam de forma irregular dentro da TI Apyterewa, no Pará, usam intermediação de outras fazendas para driblar restrições

rb 1A cidade paraense de São Félix do Xingu, que faz divisa com a Terra Indígena Apyterewa, tem 17 cabeças de gado para cada habitante (Foto: Daniel Beltra/Greenpeace)

Por André Campos e Carlos Juliano Barros  para a Repórter Brasil

Com 10% de seu território já desmatado e quase 500 focos de incêndio somente no ano passado, parte da Terra Indígena (TI) Apyterewa, no Pará, está virando pasto. E grandes multinacionais da indústria da carne, como Marfrig, além de frigoríficos regionais – como Frigol e Mercúrio – têm entre seus fornecedores diretos ou indiretos pecuaristas que criam gado ilegalmente nessa área protegida da Amazônia. Essas empresas, por sua vez, abastecem as principais redes de supermercados do país.

Um acordo firmado em 2009 por companhias de proteína animal com o Ministério Público Federal (MPF) proíbe o abate de bois provenientes de fazendas desmatadas ilegalmente, reservas ambientais e áreas indígenas. Porém, uma investigação inédita da Repórter Brasil identificou as estratégias usadas por pecuaristas para driblar as restrições e dar uma aparência de legalidade ao rebanho engordado irregularmente na Apyterewa. Em geral,  eles contam com a intermediação de fazendas fora do território indígena para escoar o gado criado em área proibida.

“O pessoal da Funai tinha contabilizado em torno de 50 mil cabeças de gado dentro da terra indígena em março de 2016”, relembra Nilton Tubino, que trabalhava na Secretaria-Geral da Presidência da República e era um dos coordenadores do processo de “desintrusão” — termo técnico para a retirada dos ocupantes não-indígenas da TI.

Destinada ao povo Parakanã em 2007, por meio de um decreto presidencial, a TI Apyterewa sofre há anos problemas com invasores. “Agora, em tempo que o mundo enfrenta uma pandemia, muitos não indígenas, incentivados por discursos e atos de diversos políticos, aproveitam para adentrar ainda mais em nosso território na prática de crimes contra nosso povo e contra a nação brasileira. Queremos nosso território livre de invasores”, afirma uma nota emitida pelo povo Parakanã.

“Muita gente que tinha gado lá não era dona dos bois. Eles traziam os animais para engordar para outro”, explica Tubino. “A gente estava lá e via passar os caminhões boiadeiros. Alguém ‘esquentava’ o gado pra eles”, acrescenta.

A expressão “esquentar” se refere aos esquemas criados pelos pecuaristas para dar um verniz de legalidade ao gado criado irregularmente dentro da terra indígena. Os casos analisados pela Repórter Brasil mostram uma variedade de expedientes com esse objetivo. Também revelam como os sistemas de monitoramento usados pelos frigoríficos ainda têm lacunas, sobretudo quando se trata de fornecedores indiretos.

rb 2

Um exemplo é o da Fazenda Lucélia, com 1.427 hectares dentro da TI Apyterewa. Documentos obtidos pela investigação mostram que, em dezembro de 2019, um carregamento de bois foi encaminhado para uma propriedade rural fora da terra indígena — a Fazenda Carajás. Nos três primeiros meses deste ano, a Fazenda Carajás negociou animais com a planta frigorífica do Mercúrio no município de Xinguara (PA).

A reportagem tentou contato com Antônio da Silva Arruda e Geremias Rocha de Freitas, donos respectivamente das fazendas Lucélia e Carajás, mas não conseguiu localizá-los. O Mercúrio também foi questionado sobre a compra de gado proveniente da TI Apyterewa, porém, não respondeu até o fechamento desta matéria.

Boi pirata

O segundo caso é o do pecuarista Antônio Borges Belfort, candidato derrotado a vereador do município de São Félix do Xingu em 2016. Ele é dono da fazenda Sol Nascente, umas das maiores estâncias abertas na Apyterewa, com quase 2 mil hectares. Entre fevereiro de 2018 e julho de 2019, dezenas de animais foram transportadas da Sol Nascente para outra propriedade de Belfort localizada fora do perímetro da terra indígena — a fazenda Serra de Pedra. Os dois imóveis rurais constam da declaração de bens do então candidato enviada ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) O valor da fazenda localizada dentro da Apyterewa foi estimado em R$ 1,1 milhão.

No entanto, o índice de produtividade da fazenda Serra de Pedra levanta suspeitas. Segundo o programa Boi na Linha, criado pela ONG Imaflora em parceria com o MPF e ratificado pelos principais frigoríficos e varejistas do país com o objetivo de coibir fraudes no setor, a produtividade máxima de uma propriedade rural na Amazônia dificilmente vai além de três animais por hectare ao ano.

rb 3A Terra Indígena Apyterewa vem sendo alvo da ação ilegal não apenas de pecuaristas, mas também de garimpeiros, madeireiros e grileiros (Foto: Polícia Federal/Divulgação)

Isso quer dizer que a Serra de Pedra, com somente 20 hectares de pastagens de acordo com o Cadastro Ambiental Rural (CAR), conseguiria comercializar 60 bois por ano. Porém, ao longo de 2019, só o frigorífico da Marfrig no município de Tucumã (PA) abateu 135 animais encaminhados pela fazenda. A unidade do Frigol em São Félix do Xingu (PA) também recebeu centenas de animais da propriedade.

Os dados indicam que a fazenda Serra de Pedra não teria condições de fornecer um número tão elevado de cabeças de gado aos frigoríficos. A matemática reforça a suspeita de que os bois tenham sido, originalmente, criados na fazenda de Antônio Borges Belfort localizada dentro da terra indígena.

Procurada, a Marfrig reconhece que a fazenda Serra de Pedra tem uma “razão de 6,61 cabeças por hectare” — mais do que o dobro do estipulado pelo programa Boi na Linha. A nota diz ainda que os critérios para compra de gado serão atualizados a partir de julho de 2020. A íntegra da resposta pode ser lida aqui.

Já o Frigol afirma que a última compra de gado da propriedade aconteceu em agosto de 2019. Segundo a nota, somente em fevereiro deste ano é que a empresa tomou ciência sobre o índice de produtividade estabelecido pelo Boi na Linha, apesar de ainda não ter sido “oficiado pelo MPF sobre as novas regras que serão estabelecidas para o monitoramento”. A empresa também garante que já está “tomando providências para atender ao novo protocolo”.

O pecuarista Antônio Borges Belfort chegou a ser contatado pelo presidente de uma associação de produtores rurais a pedido da reportagem, mas afirmou que não se pronunciaria.

Fornecedor ‘dentro da margem de erro’

O frigorífico da Marfrig em Tucumã, que teve suas operações encerradas em março deste ano, também foi o destino dos bois de um terceiro caso investigado pela Repórter Brasil. Entre maio de 2018 e dezembro de 2019, o abatedouro recebeu animais da Fazenda JR. O imóvel tem 8% de sua área dentro da Apyterewa, segundo coordenadas do CAR, registro autodeclaratório, ou seja, realizado pelo próprio dono do imóvel.

Porém, segundo mapas e planilhas da Funai, o pecuarista José Roberto Alves Resende, dono da Fazenda JR, aparece na relação de produtores instalados no interior da Apyterewa. Ele pleiteava uma área de 100 hectares dentro da terra indígena, mas a posse foi considerada de má-fé pelo órgão federal. Resende não foi localizado para esclarecer as dúvidas sobre a exata localização de sua fazenda e sobre o fato de criar bois dentro do território indígena.

Sobre esse caso, a Marfrig afirma que as coordenadas da Fazenda JR que aparecem no CAR colocam o imóvel rural na margem de erro prevista em uma norma expedida pelas autoridades competentes em 2010. “Os equipamentos de demarcação de áreas existentes antigamente não tinham tanta precisão e nem a tecnologia hoje disponível”, afirma a nota. A empresa afirma que, para mitigar possíveis falhas cartográficas, a metodologia utilizada nas análises de sobreposições [de terras] considera uma tolerância de 10%. Para ler a resposta completa, clique aqui.

Parakanã: acossados em seu próprio território 

rb 4A área onde está localizada a Terra Indígena Apyterewa foi oficialmente destinada ao povo Parakanã por meio de um decreto presidencial de 2007 (Foto: Associação Tato’a Parakanã)

Localizada em São Félix do Xingu, município paraense que tem 17 cabeças de gado para cada habitante, a terra indígena Apyterewa vem sendo alvo da ação ilegal não apenas de pecuaristas, mas também de garimpeiros, madeireiros e grileiros. A situação é tão crítica que, em janeiro, o Ministério Público Federal pediu que a Funai (Fundação Nacional do Índio) retomasse as atividades do Grupo de Trabalho (GT) responsável pela desintrusão da Apyterewa.

“Hoje há uma resistência da Funai de levar adiante a desintrusão e nós estamos tentando vencer essa resistência”, explica Robert Lucht, procurador do MPF. Em março, o MPF entrou com uma ação na Justiça Federal pedindo que a União pague uma multa diária de R$ 5 mil enquanto não for cumprida a retirada dos não-indígenas. Procurada, a Funai não se manifestou até a publicação desta reportagem.

“Infelizmente, também tem acontecido aumento de infrações ambientais ali”, complementa o procurador. Foi por essa razão que o órgão determinou ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis) que realizasse fiscalizações na Apyterewa.

Em abril, depois de comandarem uma operação que apreendeu equipamentos de garimpos irregulares em três terras indígenas, incluindo a Apyterewa, dois chefes da fiscalização do Ibama foram exonerados do cargo. A destruição do maquinário desagradou o presidente Jair Bolsonaro. Ele já havia acenado a garimpeiros sobre a possibilidade de revogar um decreto que autoriza a inutilização de equipamentos para extração de minério em áreas sem permissão. Até o presente momento, a promessa não foi cumprida.

“Mesmo homologada e regularizada, a TI Apyterewa não está na posse plena do povo Parakanã, fazendo que suas comunidades estejam acossadas em seu próprio território, vivendo em permanente insegurança, física e cultural”, afirma Aluisio Azanha, membro da Comissão Especial de Defesa dos Direitos Indígenas do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Apesar de a homologação da Apyterewa como território indígena já ter sido reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro da corte Gilmar Mendes determinou em liminar (decisão provisória) do último dia 26 de maio que a União fosse intimada para uma proposta de “conciliação”. A medida animou os posseiros que se recusam a sair da terra indígena e preocupou os que atuam para preservar o território do povo Parakanã.

O procurador Robert Lucht contesta a decisão de Gilmar Mendes. “Não cabe mais conciliação a essa altura. Até porque há inúmeras ações judiciais propostas pelos invasores que tramitaram pela primeira instância, pela segunda instância, pelo STJ [Superior Tribunal de Justiça] e pelo STF. Em todas essas ações eles não têm nenhuma decisão que lhes seja favorável”, complementa.

Lideranças do povo Parakanã emitiram nota para criticar a decisão do ministro do Supremo. “Nós, Povo Parakanã, não aceitamos a tentativa de conciliação, pois no passado já foram feitos acordos e, mesmo assim, os posseiros continuam invadindo nosso território”, diz o documento. “O governo tem uma dívida com o nosso povo no trabalho de desocupação e retirada de todas as pessoas não indígenas de nossa terra”.

Problema antigo

Durante o processo de demarcação da TI Apyterewa, ao longo dos anos 2000, a Funai identificou 1.175 posseiros na área, segundo dados obtidos pela Repórter Brasil por meio da Lei de Acesso à Informação. Desse total, o órgão reconheceu 292 como ocupantes de boa-fé, com direito a compensações por benfeitorias. Já os 883 restantes foram considerados de má-fé, sem qualquer direito às terras onde estavam instalados. Ao todo, R$ 6,8 milhões já foram pagos pela União em indenizações para a retirada dos ocupantes.

rb 5Além de ser a campeã brasileira em número de cabeças de gado, São Felix do Xingu é o terceiro município com maior área desmatada na Amazônia entre 2013 e 2018 (Foto: João Laet/Repórter Brasil/The Guardian)

Cerca de 300 famílias chegaram a ser transferidas para o Projeto de Assentamento (PA) Belauto, em São Félix do Xingu. Porém, alguns ocupantes que haviam deixado a terra indígena acabaram retornando.

“Voltaram porque foram jogados dentro do assentamento sem condição nenhuma, indenização irrisória, que não dá para pagar a mudança daqui de dentro”, explica Vicente Paulo Lima, presidente da Associação Vale do Cedro, que contestou na Justiça a demarcação da Apyterewa.

Novos posseiros também se instalaram no território dos Parakanã. Pelas contas de Lima, atualmente há cerca de 2.500 famílias na área. Ele continua na mesma fazenda, dentro da área indígena, e defende que o laudo antropológico que embasou a demarcação da Apyterewa seja refeito.

A retirada dos ocupantes não-indígenas da Apyterewa está prevista em decisão judicial desde 2009. Duas operações com esse objetivo chegaram a ser realizadas pelo governo federal até 2016, sem sucesso. A remoção dos posseiros era inclusive uma das condicionantes socioambientais da construção da hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu.

“Com o atual cenário político, a tendência é piorar, aumentando as invasões, consolidando ocupações, acirrando conflitos e intensificando o assédio às lideranças Parakanã”, analisa Aluisio Azanha, da OAB.

______________________________

Esta reportagem foi originalmente produzida pela Repórter Brasil [Aqui!].

Motosserras e cadeias de suprimentos: Como grandes empresas de carne e soja podem parar o desmatamento na Amazônia

Eles não cortam árvores da Amazônia, mas seus fornecedores cortam

pasto queimando

As emissões mundiais de dióxido de carbono podem cair 7% este ano devido a bloqueios em resposta à pandemia, segundo a revista Nature Climate Change. O Brasil é uma exceção gritante. Suas emissões aumentarão de 10 a 20% a partir de 2018, quando foram medidas pela última vez, diz o Observatório do Clima, um consórcio de equipamentos de pesquisa. O culpado é o desmatamento. Nos primeiros quatro meses de 2020, foram estimados 1.202 quilômetros quadrados (464 milhas quadradas) na Amazônia brasileira, 55% a mais do que no mesmo período de 2019, que foi o pior ano de uma década. Em agosto, quando os fazendeiros atearam fogo em áreas limpas para prepará-los para pastar, as chamas fugitivas poderiam superar os que chocaram o mundo no ano passado. Os cientistas dizem que a perda de árvores está chegando a um “ponto de inflexão”, após o que as árvores secam e morrem, liberando bilhões de toneladas de carbono na atmosfera.

Ambientalistas culpam o presidente populista do Brasil, Jair Bolsonaro, pela catástrofe. Ele é favorável à desregulamentação para permitir a extração de madeira, mineração e agricultura na floresta e enfraqueceu a aplicação das leis ambientais. Menos atenção foi dada ao papel de grandes empresas como a JBS e a Cargill, intermediárias globais de carne bovina e soja, os produtos que impulsionam o desmatamento (veja Detalhes gráficos).

soja desmata

Grandes empresas do agronegócio compram a maior parte da produção de soja em municípios onde muitas árvores foram cortadas ilegalmente

As empresas não cortam árvores. Em vez disso, são intermediários em cadeias de suprimentos complexas que lidam com soja e carne bovina produzida em terras desmatadas. O processo começa quando os especuladores, que tendem a operar fora da lei, compram ou capturam terras, vendem a madeira, colocam gado para pastar por vários anos e depois a vendem para um produtor de soja. As terras na Amazônia são cinco a dez vezes mais valiosas quando desmatadas, diz  o pesquisador Daniel Nepstad. Não derrubar árvores teria um grande custo de oportunidade. Em 2009, Nepstad estimou que o custo (em termos de produção perdida de carne bovina e soja) seria de US $ 275 bilhões em 30 anos, cerca de 16% do PIB desse ano.

Sob pressão da opinião pública, as grandes empresas tentaram controlar o problema. Em 2009, um relatório contundente do Greenpeace levou JBS, Marfrig e Minerva, gigantes da carne que, juntos, controlam dois terços das exportações brasileiras, a se comprometer a parar de comprar de fornecedores que desmatam ilegalmente. (O código florestal permite que os proprietários limpem 20% de suas terras.) A JBS, que é originária de uma área na Amazônia maior que a Alemanha, diz que bloqueou 9.000 fornecedores, usando satélites para detectar a limpeza. Negociantes de soja como Cargill e Bunge usam esses sistemas para fazer cumprir um acordo de desmatamento zero para a região desde 2008, quando empresas de varejo como McDonald’s e Tesco disseram que não comprariam mais soja amazônica colhida em terras desmatadas.

the economist graph

Esses acordos contribuíram para um declínio acentuado na taxa de perda de árvores até 2012 (ver gráfico). Antes da “Moratória da Soja”, 30% dos novos campos na Amazônia envolviam a derrubada de florestas. Nos oito anos após a assinatura, 99% da expansão da soja ocorreu em terras já sem árvores. Mas, alerta André Vasconcelos, da Trase, uma organização de pesquisa que acompanha as cadeias de suprimentos de commodities, o frenesi do desmatamento sob Bolsonaro pode reverter essa tendência.

A onda de desmatamento mostra que os acordos têm um calcanhar de Aquiles, diz Nepstad. As grandes empresas ainda não estão exercendo o controle que poderiam sobre todos os seus fornecedores. E mesmo se o fizessem, grandes quantidades de soja e, principalmente, carne bovina, são comercializadas por empresas menores, com incentivos mais fracos para convencer os agricultores a mudar o comportamento.

O problema é especialmente grave na pecuária, responsável por aproximadamente 80% do desmatamento na Amazônia, quase todo ilegal. “As vacas se movimentam”, explica Paulo Pianez, da Marfrig. Todas as fazendas de engorda compradas pelos grandes frigoríficos têm, em média, 23 de seus próprios fornecedores, diz Holly Gibbs, da Universidade de Wisconsin. O monitoramento atual não abrange os pecuaristas que criam e pastam gado, por isso perdem 85 a 90% do desmatamento. Fazendas de engorda desonestas também podem “lavar” o gado, movendo-o para fazendas legais – talvez próprias – antes de vendê-las. Um novo relatório do Greenpeace alega que, por meio desse mecanismo, a Marfrig e a Minerva acabaram vendendo carne bovina de fazendas que desmataram uma reserva protegida da Amazônia na fronteira entre o Brasil e a Bolívia. Eles disseram que não sabiam de nenhuma ilegalidade.

O desmatamento causado pela soja afeta mais diretamente o Cerrado, a savana tropical que fica localizada a sudeste da floresta tropical. No Mato Grosso, estado que atravessa a Amazônia e o cerrado, 27% do desmatamento entre 2012 e 2017 ocorreu em fazendas de soja, de acordo com um novo relatório da Imaflora e do Instituto Centro de Vida (ICV), institutos de pesquisa brasileiros e Trase . O estado fornece um terço das importações de soja da UE do Brasil. Noventa e cinco por cento da clareira nas fazendas de soja eram ilegais. Um terço ocorreu na Amazônia, revelando uma lacuna na moratória da soja. Como abrange apenas as terras onde a soja é plantada, um agricultor que ilegalmente limpa outra parte de sua fazenda – digamos, para gado – pode continuar vendendo para comerciantes, que esmagam e exportam a soja.

André Nassar, da Abiove, um órgão de lobby da indústria da soja, destaca que a área de novos campos de soja plantados em áreas desmatadas no cerrado caiu: de 215.000 hectares por ano em 2000-06 para 79.000 hectares em 2013-18 . O setor deve distinguir o desmatamento legal do ilegal, diz ele – não faz monitoramento anual no Cerrado -, mas fazendas em embarque são de responsabilidade do governo. No entanto, a Bunge e a Cargill prometeram obter somente terras que não foram desmatadas, legal ou ilegalmente. Eles perderam o prazo de 2020, mas planejam ter sucesso em 2025 e 2030, respectivamente.

Talvez as empresas se moveriam mais rápido se sentissem mais pressão de clientes e investidores. Uma das razões pelas quais os gigantes da soja parecem mais sérios do que os produtores de carne para reduzir o desmatamento, diz Maria Lettini, da FAIRR, uma rede de investidores preocupados com a sustentabilidade, é que a maior parte da soja é exportada. A União Europeia é o segundo destino depois da China. Mas as empresas lutam para que as pessoas paguem mais por uma “mercadoria oculta”, diz Juliana Lopes, da Amaggi, uma gigante brasileira da soja. “Você sabe que suas roupas são feitas de algodão e seu chocolate é de cacau”, diz ela. Mas poucas pessoas pagam mais por frango feito com soja sustentável, o que explica por que apenas 2-3% é certificado como livre de desmatamento. Rotular melhor poderia ajudar, diz ela.

Em contrapartida, quatro quintos da carne brasileira são consumidos no Brasil. As exportações vão principalmente para a China, Rússia e Oriente Médio, onde alimentar pessoas é uma prioridade mais alta do que salvar árvores. Os investidores, por sua vez, vêem as empresas de carne bovina como negócios não-sexy, com margens finas. Eles não exigiram grandes esforços para reduzir o desmatamento, diz João Paulo Dibo, da Rio Bravo Investimentos, gerente de ativos em São Paulo. Sexy ou não, os produtores de carne estão indo bem. Enquanto os preços das ações no Brasil caíram 18% este ano, a Marfrig viu seu preço subir 27% e o Minerva recuperou o que perdeu no início da pandemia. A jbs, a maior frigorífica do mundo, disse que 2019 foi o ano mais lucrativo de todos os tempos.

Morgan Stanley, Itaú e Santander se recusaram a discutir empresas de soja e carne com o The Economist. Um novo relatório de 58 páginas do Itaú recomenda investir na JBS, Marfrig e Minerva. (Ele não contém a palavra “desmatamento”.) Isso reflete “miopia” no momento em que o investimento em indústria sustentável está se expandindo rapidamente, diz Fabio Alperowitch, da Fama Investimentos. É um dos 230 fundos com mais de US$ 16 trilhões em ativos que assinaram uma carta após os incêndios do ano passado pedindo às empresas que parem o desmatamento. A BlackRock, um dos dez principais acionistas da JBS, não assinou, apesar de estar desinvestindo do carvão.

A turbulência econômica torna improvável que as empresas gastem muito no combate ao desmatamento, diz Marcello Brito, da Associação Brasileira do Agronegócio. “Os acionistas não querem isso”, diz ele.

Apesar desse desânimo, as empresas dizem que estão progredindo. Os frigoríficos afirmam que estão trabalhando para cumprir sua promessa, feita em 2009, de expandir o rastreamento para fornecedores indiretos. Uma idéia é usar licenças de trânsito de animais, que rastreiam as vacinas à medida que o gado é passado entre fazendeiros, para sinalizar o desmatamento. Mas o Ministério da Agricultura ainda não concordou. o Frigorífico Minerva está considerando usar uma ferramenta desenvolvida pela Universidade de Wisconsin, chamada Visipec, para mapear fornecedores, identificar regiões com alto desmatamento e priorizar fornecedores em outras áreas. O Minerva obtém 30% de sua carne bovina através da criação de ciclo completo, o que pode garantir que é livre de desmatamento. As restrições comerciais podem realmente beneficiar as principais empresas, diz seu diretor de sustentabilidade, Taciano Custodio. “Estamos melhor posicionados para nos adaptarmos.”

Mas a mudança dos três principais frigoríficos não garante uma redução no desmatamento, porque eles representam menos da metade do mercado. “Quando bloqueamos um fornecedor, ele pode atravessar a rua e vender para outro matadouro”, diz Márcio Nappo, da JBS. O progresso de toda a indústria exigirá melhor aplicação e incentivos para os pecuaristas. “Temos que tornar a produção sustentável como um todo”, diz Pianez.

Esse sentimento é ecoado na indústria da soja, onde reprimir o desmatamento é logisticamente simples, mas politicamente difícil. Segundo o estudo de Mato Grosso, 80% do desmatamento ilegal ocorreu em 400 fazendas, 2% do total. Eles são “frutos baixos” para a ação, diz Vasconcelos. Mas dois anos de negociações sobre a expansão da moratória para o cerrado pararam. De acordo com os produtores de soja, as empresas multinacionais falharam em arrecadar US$ 250 milhões para lançar um fundo para compensar os agricultores que retêm florestas. “Eles exigem, exigem, exigem, mas não oferecem nada em troca”, reclama Ricardo Arioli.

A Cargill diz que gastará US$ 30 milhões em maneiras de parar o desmatamento em todo o setor. Marfrig e Amaggi estão apoiando uma iniciativa lançada pelo governo de Mato Grosso em 2015 para reduzir o desmatamento por meio de uma “abordagem da paisagem”. Fernando Sampaio, diretor do comitê, que inclui ONGs e empresas, diz que os municípios que reduzem o desmatamento receberão assistência técnica e crédito e mais negócios das grandes empresas, incentivando outras a seguir. Mas embora a taxa de desmatamento no estado entre agosto de 2018 e julho de 2019 tenha diminuído 4% em relação ao ano anterior, a iniciativa parece estar muito aquém de sua meta de acabar com o desmatamento ilegal até 2020: 85% dos 1.685 km2 desmatados foram feitos de forma ilegal.

Entre os maiores obstáculos ao progresso está a falta de cooperação do governo federal. Em um vídeo de uma reunião de gabinete divulgada em abril pelo Supremo Tribunal Federal, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, pediu ao governo que “empurre” a desregulamentação enquanto as pessoas se distraem com a pandemia. Uma mudança de regra na Fundação Nacional do Indio permite que os proprietários reivindiquem pedaços de territórios indígenas que aguardam demarcação oficial. Até a moratória da soja na Amazônia parece instável. Aprosoja, um lobby dos produtores, ameaçou abandoná-lo (porque proíbe o desmatamento legal). A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, chamou isso de “absurdo”.

Reduzir o desmatamento exigirá consenso sobre questões complicadas, como o destino de dezenas de milhares de colonos pobres em terras públicas na Amazônia, onde metade do desmatamento ocorre. No entanto, ambientalistas dizem que o projeto de “regularização fundiária” atualmente no Congresso também concederia títulos para grandes áreas desmatadas a “grileiros”, enviando a mensagem de que uma nova limpeza também pode ser aprovada. Uma versão anterior do projeto foi rejeitada em 20 de maio, depois que os supermercados britânicos ameaçaram boicotar produtos brasileiros.

Embora ainda fracos, esses ruídos estão ficando mais altos. Eles acrescentam ao argumento de que as empresas devem fazer mudanças não apenas por razões éticas, mas também por razões comerciais. Os supermercados podem acelerar as coisas dizendo aos consumidores de onde vêm a carne e a soja. A integração de agricultores e pecuaristas exigirá o equilíbrio certo de pressão e incentivos. As empresas têm alavancagem, insiste Gibbs. Há uma década, depois da JBS, a Marfrig e a Minerva se comprometeram a eliminar os fornecedores que desmataram, mais de 30 outras empresas de carne bovina assinaram acordos semelhantes. “Se você conseguisse que uma grande empresa desse o primeiro passo, outras seguiriam”,  ela prevê. ■

______________________

Este artigo foi originalmente escrito em inglês e publicado pela revista “The Economist” [Aqui!].

Revelado: Bancos e investidores britânicos investiram R$ 10 bilhões em frigoríficos brasileiros ligados ao desmatamento na Amazônia

Investigação revela laços entre instituições financeiras e três empresas brasileiras ligadas à destruição ambiental

desmatamento

Os incêndios florestais na Amazônia atingiram um recorde em 2019. Fotografia: Carl de Souza / AFP

Bancos e instituições financeiras britânicos forneceram mais de US$ 2 bilhões (em torno de R$ 10 bilhões) em apoio financeiro nos últimos anos a empresas brasileiras que atuam na produção de carne bovina que foram ligadas ao desmatamento na Amazônia,  uma nova pesquisa de pesquisa acaba de revelar

 Milhares de hectares da Amazônia estão sendo derrubados todos os anos para o plantio de pastagens e para garantir o fornecimento de carne bovina para os mercados mundiais.

Além de fornecer apoio financeiro ao Frigorífico Minerva, a segunda maior exportadora de carne bovina do Brasil, e à Marfrig, a segunda maior empresa  brasileira de processamento de carne, as instituições financeiras com sede no Reino Unido detém dezenas de milhões de dólares em ações da JBS, a maior empresa de carne do mundo.

Todas as três empresas envolvidas na produção de carne bovina foram ligadas ao desmatamento em suas cadeias de suprimentos, embora digam que estão trabalhando para monitorar seus fornecedores e mitigar riscos.

A Marfrig, uma empresa brasileira de carnes que fornece cadeias de fast-food em todo o mundo, foi flagrada comprando gado de uma fazenda que usava terra desmatada no ano passado.

A JBS continua incapaz de monitorar uma proporção significativa de seus fornecedores, apesar de operar pesadamente na Amazônia, enquanto no ano passado a Marfrig admitiu que mais da metade dos bovinos que abatia eram originários de fornecedores indiretos, os quais não  a empresa não tinha como monitorar.

De acordo com uma investigação conjunta do  “The Guardian”, pela Unearthed e  pelo Bureau of Investigative Journalism, dados financeiros entre janeiro de 2013 e maio de 2019 mostram que o HSBC subscreveu US $ 1,1 bilhão em títulos da Marfrig e US $ 917 milhões do Minerva, e também possuíam quase US $ 3 milhões em ações da JBS.

A Schroders possuía US $ 14 milhões em títulos da Marfrig e US $ 12 milhões em títulos da Minerva, enquanto a Standard Life Aberdeen possuía US $ 10 milhões em títulos da Marfrig e US $ 3 milhões em ações da JBS. A Prudential UK possuía US $ 23 milhões em ações da JBS e US $ 5 milhões em títulos da Minerva.

Os bancos freqüentemente detêm títulos e ações em nome de clientes que investem através de seus fundos de gerenciamento de ativos.

Outras instituições europeias forneceram US $ 2,1 bilhões adicionais em apoio. O Santander subscreveu US $ 1,4 bilhão em títulos nas três empresas. O Deutsche Bank subscreveu US $ 69 milhões em títulos da Marfrig e emprestou à JBS US $ 57 milhões.

As instituições européias também detinham participações significativas na JBS: Crédit Agricole, Deutsche Bank e Santander investiram US $ 37 milhões, US $ 12 milhões e US $ 7 milhões, respectivamente. Todos os dados estavam corretos em maio de 2019.

A Comissão Europeia está considerando novas regras de relatórios financeiros à luz da crise do coronavírus que exigiria que bancos, seguradoras e empresas listadas divulgassem sua exposição à perda de biodiversidade e ao risco de pandemia. Os cientistas já alertaram que o desmatamento está aumentando o risco de novas doenças emergirem.

Algumas das instituições financeiras disseram ao “The Guardian” que estavam se engajando com as três empresas por causa do desmatamento e poderiam reconsiderar seu apoio se vissem progresso insuficiente.

As três empresas envolvidas na produção de carne afirmam estar confiantes de que as fazendas onde as compras de gado abatido em suas plantas não estão envolvidas no desmatamento, mas também aceitam que não podem saber a origem de alguns animais que passaram por outras fazendas anteriormente.

Em um comunicado, a JBS afirmou ter bloqueado milhares de fornecedores diretos por violar regras relativas ao desmatamento, e que estava trabalhando com o governo federal e com a indústria brasileira para desenvolver soluções para monitorar fornecedores indiretos.

O Frigorífico Minerva afirmou que “não existem dados e estatísticas acessíveis e confiáveis ​​sobre toda a cadeia de rastreabilidade de gado” no Brasil e que está avaliando uma nova ferramenta desenvolvida pela Federação Nacional da Vida Selvagem e pela Universidade de Wisconsin para monitorar fornecedores indiretos. A Marfrig disse que estava desenvolvendo uma ferramenta para combater o risco de comprar de fornecedores indiretos que não pode monitorar.

“Nenhuma instituição financeira do Reino Unido deve lucrar com a destruição de florestas tropicais ou outros habitats preciosos no Brasil ou em qualquer outro lugar. Se o governo alega que a liderança global no clima tem algum significado, deve parar de fechar os olhos para os vínculos entre os bancos britânicos e o desmatamento na Amazônia, introduzindo uma regulamentação forte, penalidades severas e disposições rigorosas sobre a transparência pública total de questões ambientais e sociais. impactos de todas as carteiras de investimentos ”, disse Caroline Lucas,  parlamentar verde do Brighton Pavilion.

stopA Extinction Rebellion UK se reúne em frente à empresa de investimentos BlackRock para desafiá-la por suas responsabilidades com a crise climática. Foto: Guy Bell / Alamy

Em resposta às descobertas, um porta-voz da Aberdeen Standard Investments disse que: “definitivamente, existem deficiências no monitoramento da cadeia de suprimentos para toda a indústria de carne bovina no Brasil, mas essas práticas estão melhorando em toda a indústria e o ativismo dos investidores desempenha um papel importante nesse desenvolvimento. No momento, continuamos investindo, mas isso pode mudar dependendo de vários fatores. ”

Schroders disse que estava em diálogo com a Minerva e a Marfrig e que “se não víssemos esses sinais de progresso, certamente consideraríamos mudar nossas recomendações para essas empresas”.

O Deutsche Bank disse que não financia atividades onde há evidências claras e conhecidas sobre o desmatamento de florestas primárias, áreas de alto valor de conservação ou turfeiras, extração ilegal de madeira ou uso não controlado e / ou ilegal de fogo. O Crédit Agricole disse que não financia projetos em terras desmatadas com alto valor de biodiversidade.

A Prudential UK afirmou estar se envolvendo ativamente com empresas que operam na região amazônica para encontrar soluções. O HSBC disse que conduzia análises de clientes por seu compromisso com práticas de negócios sustentáveis. O Santander disse que conduz revisões anuais de mais de 2.000 clientes no Brasil, incluindo aqueles que são grandes produtores de soja, comerciantes de soja e frigoríficos, especialmente sobre sua cadeia de suprimentos.

______________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Reportagem aponta para possível envolvimento da JBS e da Marfrig em “lavagem de gado” feita por mandante de chacina

Acusado por chacina de Colniza cria gado em fazenda irregular e vende a fornecedores da JBS e Marfrig

Proprietário de fazenda desmatada em Rondônia e foragido da Justiça desde 2017, Valdelir Souza pode ter recorrido à “lavagem de gado” para conseguir vender animais à JBS

gadoA “lavagem de gado” envolve a venda de vacas criadas ilegalmente em terras desmatadas para fazendas “limpas”. Foto: Bruno Kelly / Greenpeace

Por Por André Campos*, da Repórter Brasil, e Dom Phillips, do The Guardian 

Apontado como o mandante de uma das maiores chacinas já registradas na Amazônia, que em abril de 2017 deixou nove mortos em Colniza, no Mato Grosso, Valdelir João de Souza está foragido da Justiça há mais de dois anos, mas continua criando gado em uma área ocupada ilegalmente em um assentamento da reforma agrária em Rondônia. Ao longo de 2018, Souza vendeu gado a pecuaristas da região que, por sua vez, forneceram animais a dois dos maiores frigoríficos brasileiros: a JBS e a Marfrig, segundo documentos sanitários obtidos pela Repórter Brasil.

Em 9 de maio de 2018, quando já estava foragido, a fazenda Três Lagoas, de propriedade de Souza, repassou ao sítio Erança de Meu Pai (sic), de Maurício Narde, 143 animais fêmeas. Onze minutos depois, o sítio de Narde transferiu 143 animais, com as mesmas características de sexo e idade, para abate no frigorífico da JBS. 

Poucos meses depois, em 25 de junho de 2018, Souza também negociou 153 bovinos com a fazenda Morro Alto, de José Carlos de Albuquerque, que naquele ano constava na lista de fornecedores da JBS e que abasteceu uma unidade de abate da Marfrig em Rondônia. 

Ilustração de Samuel BonoEm 19 de abril de 2017, nove camponeses foram brutalmente assassinados em Taquaruçu do Norte (MT), em massacre que ficou conhecido como a chacina de Colniza (Ilustração: Samuel Bono/Repórter Brasil) 

Especialistas ouvidos pela Repórter Brasil afirmam haver indícios de que Souza fez uso de uma prática recorrente entre fazendas com problemas ambientais, conhecida como “lavagem de gado”, para conseguir vender animais à JBS. 

A prática consiste em transferir o gado de uma fazenda com desmatamento ilegal para uma propriedade “ficha-limpa” com o objetivo de encobrir a origem dos animais para os compradores. A “lavagem de gado” tem como objetivo driblar o compromisso de “desmatamento zero” na Amazônia, assumido pelos maiores frigoríficos brasileiros, e o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) da Carne, um pacto firmado em 2009 pelas produtoras brasileiras de carne para monitorarem seus fornecedores e suspenderem a compra de fazendas com problemas socioambientais, entre eles desmatamento ilegal ou trabalho escravo.

Imagens de satélite mostram que grande parte de fazenda Três Lagoas, do pecuarista foragido, foi desmatada em 2015. Souza não poderia, portanto, fornecer diretamente à JBS, já que a empresa se comprometeu a não fazer negócios com fazendas amazônicas que tenham desmatamento registrado após 2009.  

“Não faz nenhum sentido um animal ficar 11 minutos em uma fazenda para depois ir para o frigorífico. Essa história tem todos os componentes de um processo de triangulação para lavagem de gado”, analisa Mauro Armelin, diretor da Amigos da Terra, organização que estuda a cadeia produtiva da pecuária desde 2009, após analisar os documentos enviados pela Repórter Brasil. “Provavelmente foi uma triangulação apenas no papel, ou seja, tudo indica que os animais foram enviados diretamente ao frigorífico sem passar por uma segunda propriedade”, completa.

Em entrevista ao The Guardian, Maurício Narde confirmou a transação comercial, mas não explicou porque vendeu à JBS esses 143 animais poucos minutos depois de tê-los comprado de Valdelir Souza. “A gente compra e vende. É só para girar mesmo”, afirmou, antes de decidir não responder mais aos questionamentos da reportagem ao telefone. Além de comprador de gado, Narde já foi funcionário de uma das serrarias de Souza, a Madeireira Cedroarana – que entre 2007 e 2017 foi multada em R$ 902 mil pelo Ibama por crimes ambientais. A legislação não proíbe que frigoríficos comprem gado de fazendas e fazendeiros envolvidos em crimes comuns ou em problemas fundiários – há apenas a proibição da aquisição de animais criados em áreas embargadas por desmatamento ilegal. 

O procurador Daniel Azeredo, um dos principais responsáveis pela assinatura do  TAC da Carne, afirma que o acordo também proíbe a compra de gado de pessoas condenadas por assassinatos que estejam relacionados a conflitos por terra. Além disso, a JBS firmou um compromisso com o Greenpeace em 2009 para excluir de sua lista de fornecedores as fazendas que desmataram a floresta amazônica após outubro daquele ano.

Fazenda irregular 

Além dos problemas com o fornecimento de gado, a fazenda de Souza é irregular por estar localizada dentro do Projeto de Assentamento Lajes (PA Lajes), em Machadinho D’Oeste (RO) – município vizinho a Colniza – apesar de ele não constar na lista oficial de beneficiados pela reforma agrária. Ele declarou no Cadastro Ambiental Rural (CAR), em 2018, ser o proprietário de duas áreas dentro do assentamento, totalizando 1.052 hectares – tamanho superior ao permitido pela legislação dentro de um assentamento. O Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) informou que os lotes citados pela reportagem estão em nome de outros beneficiários, não no nome do pecuarista foragido.

Já no envolvimento com a chacina, Souza foi denunciado pelo Ministério Público do Mato Grosso por homicídio triplamente qualificado. De acordo com o inquérito, ele contratou, há cerca de três anos, um grupo conhecido como “encapuzados” para matar os trabalhadores. Um mês após o crime, ele teve sua prisão preventiva decretada pela Justiça, mas nunca se entregou e continua com paradeiro incerto. O caso ainda não foi julgado. 

O juiz responsável pelo processo determinou a pronúncia de Souza – ou seja, que ele deverá ser julgado por um tribunal de jurados. O advogado do acusado recorreu, e a decisão está sendo analisada em segunda instância do Tribunal de Justiça do Mato Grosso. As mortes em Colniza, segundo investigação policial, estavam relacionadas a disputas por terras e à extração ilegal de madeira – Souza, além de criar gado, também foi proprietário de serralherias na região.

Procurada pela Repórter Brasil, a JBS classificou como “irresponsável” qualquer tentativa de vinculação do nome da companhia a Valdelir João de Souza. A empresa afirma que ele nunca figurou em sua lista de fornecedores. Além disso, diz não “adquirir animais de fazendas envolvidas com desmatamento de florestas nativas, invasão de terras indígenas ou áreas de conservação ambiental, violência rural, conflitos agrários e que utilizam trabalho forçado ou infantil”.

“A companhia vem trabalhando em parceria com o Ministério Público Federal e a sociedade civil para aprimorar ainda mais seus controles, contribuindo para o combate da entrada de animais provenientes de fazendas irregulares ou de triangulações de gado na sua cadeia produtiva”, afirma a JBS.

foto de Ahmad JarrahEnterro das vítimas da chacina, em 2017, da qual Valdelir João de Souza é acusado de ser o mandante; mesmo foragido da Justiça, ele continua criando e vendendo gado para fornecedores da JBS e da Marfrig (Foto: Ahmad Jarrah/Repórter Brasil)

Já a Marfrig informou que desde 2012 solicita de seus fornecedores diretos informações voluntárias sobre os pecuaristas e as fazendas dos quais eles possam ter adquirido animais. Em outubro, a empresa firmou parceria com a ONG ambiental WWF para aprimorar o uso dessas informações na verificação de problemas em fornecedores indiretos. Leia aqui íntegra da nota. 

Outra linha de trabalho da Marfrig é cruzar as informações comunicadas pelos fornecedores com mapas de áreas mais expostas ao risco de desmatamento, visando reduzir riscos. Segundo a empresa, mais da metade (53%) dos animais que ela abate no bioma amazônico são de fazendas de ciclo incompleto – ou seja, que adquirem animais de outras áreas durante a produção.

À Repórter Brasil, José Carlos de Albuquerque, o outro pecuarista que negociou com Souza gado do assentamento, afirmou à reportagem que o rebanho de Souza estava devidamente habilitado para venda, com documentação sanitária em dia, e que cabe aos órgãos de controle atestar a legalidade de bois e vacas disponíveis para negociações no mercado.

“É como comprar uma camiseta em uma loja de um shopping. Não posso levantar suspeição de que a loja não esteja com seu alvará de funcionamento em dia, ou taxas de bombeiros etc.”, diz o pecuarista proprietário Fazenda Morro Alto, em Monte Negro (RO). “Acredito nos órgãos de controle, de que aquela atividade ali estabelecida está sendo fiscalizada para tal.”

Apesar de registros sanitários apontarem a entrada de gado fornecido por Souza na Fazenda Morro Alto, Albuquerque afirma que a compra dos animais não foi consolidada por divergências comerciais. Os animais, segundo ele, foram “estornados” para o fornecedor. A reportagem pediu a ele o envio de documentos que comprovem o cancelamento do negócio, porém Albuquerque não respondeu.

A reportagem informou ao Incra sobre as irregularidades relativas à fazenda de Souza dentro do assentamento da reforma agrária. O órgão informou que, diante da denúncia feita pela reportagem, irá realizar uma vistoria na fazenda. 

Repórter Brasil e o the Guardian também tentaram ouvir Valdelir João de Souza, mas não houve retorno às tentativas de contato com o pecuarista, feitas por meio de seu escritório de advocacia. Em entrevista concedida ao Gazeta Digital em 19 de abril de 2019, Valdelir Souza negou ter encomendado a chacina e diz que não se entrega por medo de ser assassinado na cadeia.   

*colaborou Ana Magalhães

Esta reportagem foi realizada com o apoio da DGB Bildungswerk, no marco do projeto PN: 2017 2606 6/DGB 0014, sendo seu conteúdo de responsabilidade exclusiva da Repórter Brasil

___________________________________

Esta reportagem foi publicada originalmente pela Repórter Brasil [Aqui!].