Mais de 14 milhões de toneladas de plástico podem estar no fundo dos oceanos

Trinta vezes mais plástico no fundo do oceano do que na superfície, sugere a análise, mas mais preso na terra do que no mar

turtle‘Precisamos ter certeza de que o grande azul não é uma grande cova de lixo’, diz Denise Hardesty do CSIRO, cuja pesquisa sugere que pode haver 30 vezes mais plástico no fundo do oceano do que na superfície. Fotografia: Paulo Oliveira / Alamy Foto de stock

Por Graham Readfearn para o jornal “The Guardian”

Pelo menos 14 milhões de toneladas de peças de plástico com menos de 5 mm de largura provavelmente estão no fundo dos oceanos do mundo, de acordo com uma estimativa baseada em uma nova pesquisa.

A análise de sedimentos oceânicos em profundidades de até 3 km sugere que pode haver mais de 30 vezes mais plástico no fundo dos oceanos do que flutuando na superfície.

A agência científica do governo da Austrália, CSIRO, coletou e analisou núcleos do fundo do oceano tirados em seis locais remotos a cerca de 300 km da costa sul do país, na Grande Baía Australiana.

Os pesquisadores analisaram 51 amostras e descobriram que, após excluir o peso da água, cada grama de sedimento continha uma média de 1,26 pedaços de microplástico.

Os microplásticos têm 5 mm ou menos de diâmetro e são principalmente o resultado de itens maiores de plástico se quebrando em pedaços cada vez menores.

Reprimir a maré de plástico que entra nas hidrovias e nos oceanos do mundo surgiu como um grande desafio internacional.

A Dra. Denise Hardesty, pesquisadora principal do CSIRO e coautora da pesquisa publicada na revista Frontiers in Marine Science , disse ao The Guardian que encontrar microplásticos em um local tão remoto e em tais profundidades “aponta para a ubiqüidade dos plásticos, não importa onde você esteja no mundo ”.

“Isso significa que está em toda a coluna d’água. Isso nos dá uma pausa para pensar sobre o mundo em que vivemos e o impacto de nossos hábitos de consumo no que é considerado um lugar mais primitivo ”, disse ela.

“Precisamos ter certeza de que o grande azul não é uma grande cova de lixo. Esta é mais uma evidência de que precisamos parar com isso na fonte.”

Os testemunhos foram perfurados em março e abril de 2017 entre 288 km e 349 km da costa, em profundidades entre 1.655 metros e 3.016 metros.

Hardesty disse que não era possível saber a idade dos pedaços de plástico ou de que tipo de objeto um dia fizeram parte.

Mas ela disse que o formato das peças sob um microscópio sugere que já foram itens de consumo.

Para o estudo, os pesquisadores extrapolaram a quantidade de plástico encontrada em suas amostras centrais e de pesquisas de outras organizações para concluir que até 14,4 milhões de toneladas de microplástico estavam agora no fundo do oceano em todo o mundo.

Embora possa parecer um número grande, Hardesty disse que era pequeno em comparação com a quantidade de plásticos que provavelmente entram no oceano a cada ano.

Em setembro, um estudo estimou que, em 2016, entre 19 milhões e 23 milhões de toneladas de plástico chegaram aos rios e oceanos.

Um estudo anterior na revista Science estimou que cerca de 8,5 milhões de toneladas de plástico acabam nos oceanos todos os anos.

Outro estudo estimou que há 250.000 toneladas de plástico flutuando na superfície do oceano .

No último artigo, os autores observam que sua estimativa do peso dos microplásticos no fundo do oceano é entre 34 e 57 vezes o que pode ser na superfície.

Hardesty disse que havia imperfeições nas estimativas, mas elas foram baseadas nas melhores informações disponíveis.

“É útil dar às pessoas uma noção do escopo e da escala de que estamos falando”, disse ela.

Mas ela disse que a quantidade de plástico no fundo do oceano é relativamente pequena em comparação com todos os plásticos sendo liberados, sugerindo que os sedimentos do fundo do mar não são atualmente um grande local de descanso para os plásticos.

Ela disse acreditar que a grande maioria dos plásticos está realmente se acumulando no litoral. “Muito mais está preso na terra do que no mar”, disse ela.

Dr Julia Reisser, um biólogo marinho da Universidade da Austrália Ocidental Oceans Institute, vem pesquisando a poluição de plástico por 15 anos.

“A comunidade de ciência marinha tem estado realmente obcecada em descobrir onde está o plástico”, disse Reisser, que não esteve envolvido no estudo.

Vários métodos científicos foram necessários para entender o impacto potencial dos plásticos na vida selvagem do oceano. Plásticos maiores podem emaranhar a vida selvagem, enquanto microplásticos e peças ainda menores podem ser consumidos por uma variedade de espécies, desde o plâncton até as baleias.

Ela disse que o novo estudo foi uma contribuição importante para os esforços globais e espera que os dados do mar profundo da Austrália possam ser combinados com outros esforços em todo o mundo para estudos futuros para obter uma imagem mais precisa.

Reisser também fundou uma nova organização para investigar novos plásticos usando algas marinhas como material básico.

“Acho que o destino final [dos plásticos marinhos] é o fundo do mar, mas estamos longe de estar em equilíbrio”, disse ela.

“Se pudéssemos viajar mil anos no futuro, esse plástico teria se fragmentado lentamente e sido removido de nossa costa.”

Líderes de mais de 70 países assinaram um compromisso voluntário em setembro para reverter a perda de biodiversidade, que incluía a meta de impedir que o plástico entre no oceano até 2050.

Os principais países que não assinaram o compromisso incluem Estados Unidos, Brasil, China, Rússia, Índia e Austrália.

fecho

Este artigo foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

A poluição por plásticos pode ser reduzida em 80% com a adoção de medidas ambiciosas

Em um estudo publicado pela “Science”, os especialistas estimam que as liberações de plástico no meio ambiente podem quase triplicar até 2040 na ausência de mudanças nas políticas.

lixo plastico

Lixo plástico despejado em uma praia havaiana em 2016. MEGAN LAMSON / AP

Por Sylvie Burnouf para o Le Monde

O desperdício de plástico está sufocando nosso planeta. Mas quebrar a onda de poluição que está prestes a nos sobrecarregar ainda parece possível, de acordo com um estudo de modelagem publicado quinta-feira, 23 de julho, na revista Science , que examina o impacto que nossos esforços poderiam ter sobre os lançamentos de plástico para a atmosfera. escala global até 2040.

Em particular, revela que, na ausência de uma mudança de política, as quantidades de plástico liberadas no meio ambiente a cada ano podem quase triplicar até 2040. Mas também que elas podem ser reduzidas em quase 80% graças à implantação um conjunto de estratégias destinadas a limitar essa poluição. Os lançamentos anuais seriam 40% inferiores aos medidos em 2016.

Essas estratégias já existem e o desafio agora é que sejam implementadas por todos e em qualquer lugar. Eles combinam menor consumo de plástico, substituição com outros materiais, como papel, reutilização e melhor coleta e reciclagem.

Para Jean-François Ghiglione, diretor de pesquisa do CNRS no observatório oceanológico de Banyuls-sur-Mer (Pirineus Orientais), os resultados relatados neste estudo – do qual ele não participou – são “uma grande mensagem de ‘esperança’, uma ‘lufada de ar fresco’. “A poluição plástica é hoje uma grande poluição, considerada o marcador do Antropoceno: quando nossos filhos e netos olharem nosso tempo nas diferentes épocas geológicas, saberão que estávamos a era do plástico ”, lamenta.

No entanto, “este estudo é o primeiro a mostrar que é possível reduzir a poluição plástica em 80%, simplesmente com o nosso conhecimento atual” , diz ele. Se conseguíssemos, seria um verdadeiro desafio para a humanidade que seria aceito, porque hoje não enfrentamos nosso desperdício. “

Falta de uma verdadeira estratégia global e concreta

Este trabalho inovador, publicado em conjunto com um relatório destinado ao público em geral e aos tomadores de decisão e intitulado ”  Quebrando a Onda Plástica  “, foi realizado por um painel de dezessete especialistas internacionais com habilidades variadas no campo de plásticos e microplásticos. , que se reuniam em intervalos regulares em 2018 e 2019 em grupos de trabalho e sessões plenárias. O financiamento foi fornecido pela organização não governamental americana The Pew Charitable Trusts.

Esse esforço internacional partiu da constatação de que havia uma estratégia real, abrangente e concreta para reduzir o desperdício de plástico no mundo, apesar da crescente conscientização sobre a extensão do problema.

Os pesquisadores se propuseram a avaliar a relevância de várias estratégias destinadas a reduzir a poluição plástica em escala global até 2040. Para isso, desenvolveram um modelo que integra dados, para 2016, de estoques e fluxos de macroplásticos do lixo doméstico, bem como microplásticos gerados por têxteis sintéticos, desgaste de pneus, grânulos de plástico (usados ​​na fabricação de produtos de plástico) e produtos de higiene.

Em seguida, eles estudaram como o vazamento anual de plástico no ambiente evoluiria em cinco cenários diferentes, variando desde o status quo (“business as usual”) até uma combinação de intervenções.

Eles estimam que hoje, quase 40 milhões de toneladas de plástico são lançadas no meio ambiente a cada ano, das quais mais de 23 milhões estão em terra e quase 14 milhões estão em água. E se nada fosse feito para aumentar a luta contra essa poluição, a quantidade descarregada em ambientes terrestres e aquáticos a cada ano seria multiplicada, respectivamente, por 2,8 e 2,6 até 2040. Como resultado, o vazamento em 1,3 bilhão de toneladas de plástico no espaço de vinte anos.

O valor do lixo plástico está caindo

No entanto, os atuais compromissos políticos a favor da redução da poluição por plásticos, como a proibição européia de plásticos descartáveis ​​ou micro-esferas de plástico, reduziriam a extensão dessa poluição apenas 7 %, sublinha Julien Boucher, diretor de Ação Ambiental (EA), um centro suíço de design ecológico e co-autor do estudo. “A mensagem é que precisamos ser muito mais ambiciosos do que somos agora”, diz ele . Não basta agir sobre uma ou outra dessas medidas, é necessário agir em todas as frentes. “

Portanto, isso envolve ”  reduzir plásticos desnecessários” e implantar um ”  canal de reprocessamento real, que trabalha com a reciclagem e o uso de materiais reciclados” , mas também com a “coleta real” , explica Julien Boucher.

O valor dos resíduos de plástico vem caindo nos últimos anos, devido à queda no preço do barril, mas também porque a demanda é baixa: os plásticos reciclados não são usados ​​em recipientes de alimentos, pois estão potencialmente contaminados. No entanto, “deve haver valor suficiente no lixo plástico para que as pessoas possam viver com ele” , enfatiza Boucher, pedindo à indústria que “use mais plásticos reciclados” .

Ele também garante que a reciclagem, como praticada nos países desenvolvidos, é “claramente uma fonte importante de lixo plástico” , principalmente por causa de sua exportação para a Ásia ou a África, por exemplo. Cerca de 50% dos resíduos coletados na Europa são exportados. “Do ponto de vista ambiental, é um desastre , deplora o Sr. Boucher, denunciando as condições de reciclagem  absolutamente não controladas nesses países” , muitas vezes ao ar livre.

O estudo também destaca outro aspecto muito sombrio: mesmo assumindo que todas as medidas disponíveis até o momento para combater a poluição por plásticos sejam implementadas, não são menos de 710 milhões de toneladas de plástico que seriam lançado no meio ambiente no espaço de vinte anos, dos quais 250 milhões de toneladas contaminariam rios, mares e oceanos. E se a implantação dessas estratégias fosse adiada mesmo por cinco anos, 300 milhões de toneladas adicionais se acumulariam nos ecossistemas.

Acelere as alterações de política

Poderíamos, portanto, fazer melhor? Certas fontes de poluição são, nesta fase, difíceis de compactar, responde Julien Boucher. Por exemplo, enquanto os microplásticos gerados pelo desgaste dos pneus contribuem “de maneira importante” para a poluição de plásticos “, não identificamos uma solução possível para gerenciar esse problema” com as tecnologias atuais, explica. ele.

Há também um aspecto comportamental que deve ser levado em consideração: os usuários ainda liberam muito plástico no ambiente, seja intencional ou acidental. Isso pode ser limitado no futuro, graças ao design de produtos sem peças destacáveis, acredita Julien Boucher.

De qualquer forma, ele espera que o lançamento dos dados acelere as mudanças nas políticas, dizendo que “se não podemos fazer as coisas com isso, isso é um sinal muito ruim”. 

Jean-François Ghiglione, por sua vez, está otimista, acreditando que “as pessoas com visão nunca foram tão verdes” , seja por parte de consumidores, fabricantes ou governos. Mas, para que isso funcione, “todos os jogadores realmente precisam começar” .

fecho

Este artigo foi escrito originalmente em francês e publicado pelo jornal Le Monde [Aqui!].

Estudo revela que quantidade de plástico nos oceanos pode aumentar quatro vezes até 2040

A Fundação Ellen MacArthur pede ações urgentes de empresas e governos para avançar em soluções de economia circular

plásticoGarrafas vazias e outros resíduos de plástico cobrem uma praia em Ouzai, Líbano, nos arredores de Beirute, em 2019. Diego Ibarr a Sanchez The New York Times / Reduxv

Até 2040, o volume de plásticos no mercado dobrará, o volume anual de plásticos que entra no oceano quase triplicará (de 11 milhões de toneladas em 2016 para 29 milhões de toneladas em 2040) e a quantidade de plástico nos oceanos quadruplicará (atingindo mais de 600 milhões de toneladas) caso não sejam tomadas medidas urgentes.

unnamed (6)

É o que revela o estudo Breaking the Plastic Wave, um dos mais completos e analiticamente robustos já publicados sobre plásticos no oceano, publicado hoje pela Pew Charitable Trusts e a SYSTEMIQ – junto com a Fundação Ellen MacArthur, Universidade de Oxford, Universidade de Leeds e Common Seas, seus parceiros de conhecimento. Para saber mais, o documento anexo descreve o posicionamento da Fundação Ellen MacArthur, incluindo as principais descobertas do estudo e um chamado à ação para a indústria e os atores públicos.

Em seu posicionamento, a Fundação Ellen MacArthur estabelece ações claras e urgentes, que incluem:

• Eliminar os plásticos dos quais não precisamos – não só removendo os canudos e sacolas, mas também ampliando modelos de entrega inovadores que levem os produtos aos clientes sem embalagem ou utilizando embalagens retornáveis e estabelecendo metas ambiciosas para reduzir o uso de plástico virgem. O uso de plásticos deve ser reduzido em quase 50% até 2040 em comparação ao cenário atual. Isso equivale a um crescimento líquido nulo no uso de plásticos para o período.

• Projetar todos os itens plásticos para que sejam reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis. Também é crucial financiar a infraestrutura necessária a fim de ampliar a nossa capacidade de coletar e circular esseas itens. No melhor cenário, isso demandará cerca de US﹩ 30 bilhões em financiamento anual recorrente. Por isso, mecanismos que melhorem as condições econômicas da reciclagem e forneçam fluxos de financiamento recorrente estáveis com contribuições justas da indústria, tal como a Responsabilidade estendida do produtor (REP) ou outras iniciativas equivalentes lideradas pela indústria, deve ser implementadas globalmente com urgência.

• Inovar a uma velocidade e escala sem precedentes em direção a novos modelos de negócio, design de produtos, materiais, tecnologias e sistemas de coleta para acelerar a transição para uma economia circular. Se as indústrias do plástico e de gestão de resíduos intensificassem as suas atividades de pesquisa e desenvolvimento para alcançar um nível equivalente à da indústria de maquinário, por exemplo, isso criaria uma agenda de P&D de US﹩ 100 bilhões até 2040 – quadruplicando seu investimento em P&D em comparação aos níveis atuais.

Em comparação com o cenário atual, a abordagem abrangente de economia circular descrita neste estudo tem o potencial de gerar uma economia anual de US﹩ 200 bilhões, reduzir em 25% as emissões de gases de efeito estufa e criar um saldo líquido de 700 mil empregos adicionais até 2040.

unnamed (8)Ellen MacArthur, fundadora  da Fundação Ellen MacArthur

“O estudo Breaking the Plastic Wave traz um nível de detalhes sem precedentes sobre o sistema global de plásticos e confirma que, sem que haja uma mudança fundamental, até 2050 os oceanos podem conter mais plásticos do que peixes. Para combater o desperdício e a poluição por plástico, temos que intensificar os nossos esforços radicalmente e acelerar a transição para uma economia circular. Precisamos eliminar os plásticos dos quais não precisamos e reduzir significativamente o uso de plástico virgem. Precisamos inovar para criar novos materiais e modelos de reuso. E precisamos de melhor infraestrutura para garantir que todos os plásticos que nós usamos circulem na economia e nunca se tornem resíduo ou poluição. A questão não é se uma economia circular para o plástico é possível, mas sim o que faremos juntos para que se torne realidade”, afirma Ellen MacArthur, fundadora da Fundação Ellen MacArthur.

Sobre a Fundação Ellen Macarthur  

A Fundação Ellen MacArthur foi estabelecida em 2010 com a missão de acelerar a transição para uma economia circular. Desde a sua criação, a organização sem fins lucrativos emergiu como uma líder global de pensamento, estabelecendo a economia circular como agenda prioritária de tomadores de decisão em todo o mundo. Seu trabalho se concentra em sete áreas chave: pesquisa e análise, empresas, instituições governos e cidades, iniciativas sistêmicas, design circular, aprendizagem e comunicação.

Para mais informações: http://www.ellenmacarthurfoundation.org/pt / @FundacaoEllenMacArthur (Facebook)

Sobre a nova economia do plástico

Desde a sua criação em 2016, a iniciativa Nova Economia do Plástico, da Fundação Ellen MacArthur, mobiliza empresas e governos em torno de uma visão comum de uma nova economia do plástico. Seus relatórios de 2016 e 2017 se tornaram manchete em todo o mundo, revelando os custos financeiros e ambientais da poluição por plásticos. Em outubro de 2018, a Fundação Ellen MacArthur lançou o Compromisso Global, que hoje tem mais de 450 organizações signatárias comprometidas com eliminar embalagens plásticas desnecessárias ou problemáticas e inovar para que todas as embalagens plásticas sejam 100% reutilizáveis, recicláveis ou compostáveis e possam circular de maneira fácil e segura sem se que se tornem resíduo ou poluição.

A iniciativa é apoiada por Wendy Schmidt como Principal Parceira Filantrópica e pela Oak Foundation como Parceira Filantrópica. Além disso, Amcor, Borealis, The Coca-Cola Company, Danone, L’Oréal, MARS, Nestlé, PepsiCo, Unilever, Veolia e Walmart são Parceiros da iniciativa. Para mais informações: http://www.newplasticseconomy.org

Oceana lança concurso de fotografia

Imagens com o tema “Meu lar é o mar: retratos da vida nos oceanos” podem ser enviadas até o dia 30 de abril de 2020

oceana

Estão abertas até 30 de abril as inscrições para o I Concurso de Fotografia da Oceana Brasil. Com o tema “Meu lar é o mar: retratos da vida nos oceanos”, o concurso tem por objetivo incentivar a produção fotográfica sobre a costa brasileira, a proteção da biodiversidade marinha e fortalecer a importância da pesca sustentável.

O objetivo é chamar a atenção para a importância dos ecossistemas marinhos e para as pessoas que dependem deles para viver, como é o caso dos pescadores artesanais. A Oceana defende que somente com políticas públicas baseadas no conhecimento científico e com participação da sociedade poderemos trabalhar para que os recursos marinhos sejam utilizados de forma sustentável.

Podem participar fotógrafos profissionais ou amadores, desde que residentes no Brasil, com idade mínima de 18 anos. Cada participante pode enviar até três fotografias, em alta resolução, por e-mail (ver detalhes no regulamento). Todas as imagens devem ter data e local do registro, além de uma pequena descrição. Somente serão aceitos trabalhos originais do autor. Não serão aceitas montagens fotográficas, nem imagens manipuladas digitalmente.

Três fotografias serão premiadas. O vencedor do primeiro lugar receberá um Drone Dji Spark versão básica; o segundo colocado levará uma GoPro Hero 7 Black; e o terceiro colocado ganhará um estabilizador para filmagem em celular. Todos os três receberão, também, um kit completo da Oceana.

A Oceana é a maior Organização Não Governamental exclusivamente dedicada à proteção e recuperação dos oceanos em escala global. Trabalha para construir, melhorar e acompanhar os resultados de políticas públicas destinadas à proteção dos ecossistemas marinhos e aumentar a abundância de pescados a partir do fortalecimento da pesca sustentável.

SERVIÇO
I Concurso de Fotografia da Oceana Brasil
Inscrições: de 12 de março a 30 de abril de 2020
Informações: + 55 (61) 3247-1800
imprensa@oceana.org

Contato para imprensa:
Camilla Valadares – 61.3247.1888
Alethea Muniz – 61. 9 9665.1534

Greenpeace lança filme de animação sobre a situação dos oceanos com participação de ganhadoras do Oscar

journeyAnimação Jornada das Tartarugas – Estúdio Aardman Animations

São Paulo, 15 de janeiro de 2020 – Olivia Colman e Helen Mirren – atrizes ganhadoras do Oscar, juntamente com Bella Ramsey, de Game of Thrones, David Harbour, de Stranger Things, e a brasileira Giovanna Lancellotti estrelam uma nova animação que destaca a situação dos oceanos, divulgada, hoje, pelo premiado estúdio Aardman Animations e o Greenpeace do Reino Unido.

O poderoso curta-metragem mostra as ameaças que nossos oceanos estão enfrentando e a importância de protegê-los por meio da história comovente de uma família de tartarugas tentando chegar em casa em um oceano que está sob a crescente ameaça das mudanças climáticas, poluição por plásticos, perfuração de petróleo e pesca excessiva.

Olivia Colman, que dubla a tartaruga mãe, afirma que ficou muito feliz em ter participado. “Estou emocionada por ter trabalhado nesse comovente filme com o Greenpeace e a Aardman. Nossos oceanos enfrentam tantas ameaças, algumas das quais eu nem sabia antes de fazer esse curta… Espero que isto seja uma inspiração para que mais pessoas possam tomar medidas para proteger nossos mares”, afirma.

A atriz Giovanna Lancellotti, embaixadora dos Oceanos pelo Greenpeace Brasil, deu voz a estrela-do-mar. Ela já esteve com o Greenpeace no navio Esperanza e pôde entender todo o processo de pesquisa e proteção dos mares, por isto, faz um alerta: “Eu me sinto cada vez melhor em fazer parte de movimentos que pensem no nosso futuro, no futuro dos animais e, principalmente, do nosso planeta. O Greenpeace tem me abraçado muito nessa busca. E essa animação mostra, de forma simples e real, como os bichinhos são subestimados e sujeitos a situações horríveis graças às ações humanas. Espero que essa consciência global continue crescendo e que possamos, juntos, proteger os oceanos e respeitar os animais como eles merecem.”

“Os governos conversaram por muito tempo, sem oferecer o nível de proteção que nossos mares precisam para recuperar a saúde, após décadas de atividade humana destrutiva. O tempo de conversar acabou. Agora, precisamos de uma ação global urgente para proteger totalmente 30% dos oceanos do mundo – uma meta acordada pelos cientistas como o mínimo que a vida marinha precisa para se recuperar. Os governos têm a chance de transformar palavras retóricas e vazias em ação nas Nações Unidas este ano, quando se reunirem para acordar um novo Tratado Global dos Oceanos. Algo robusto fornecerá a estrutura de que nossos mares precisam para termos santuários marinhos totalmente protegidos”, alerta Will McCallum, diretor da campanha de oceanos do Greenpeace do Reino Unido.

Outras citações de apoio dos atores do filme:

Bella Ramsey, atriz de Game of Thrones e a voz da filha da família das tartarugas, disse:
“Quando eu for mais velha, como serão os oceanos? Quero que minha geração e todas as gerações futuras tenham oceanos saudáveis e prósperos, cheios de vida e que sejam um lar seguro para criaturas bonitas e importantes, como as tartarugas. Mas estou preocupada que isso não seja possível. Em minha curta vida, nosso oceano já foi danificado em uma escala que muitas pessoas não pensavam ser possível quando eu nasci. Precisamos agir ou será tarde demais! As gerações futuras viverão as consequências do que fizermos ou não fizermos agora. Os governos continuarão a fazer nada enquanto nossos oceanos são destruídos ou deixarão um legado de oceanos saudáveis e protegidos que podem ser admirados por todos, agora e no futuro? Os olhos do mundo e de todos os nossos descendentes estão em nossos governos. Cada um de nós precisa fazer nossa parte, mas eles, coletivamente, devem agir agora para criar mudanças positivas, duradouras e fortes. Não basta ouvir, façam algo sobre isso!”

Helen Mirren, atriz vencedora do Oscar e a voz da avó da família das tartarugas, disse:
“Durante a minha vida, vi a natureza sendo destruída em uma escala inimaginável pela atividade humana. Fico triste por nossa geração deixar para as futuras gerações um planeta danificado, que já perdeu muito da biodiversidade que o torna especial. No entanto, temos a chance de fazer algo agora e deixar um legado de oceanos adequadamente protegidos para todas as pessoas que vierem depois de nós. Não podemos trazer de volta o que já perdemos, mas podemos proteger o que ainda temos. Espero que este filme ajude a fazer com que mais pessoas percebam que vale a pena proteger os oceanos e nos inspire a agir antes que seja tarde demais.”

Jim Carter, de Downton Abbey, e a voz do avô da família das tartarugas disse:
“Essa história comovente de uma família de tartarugas tentando chegar em casa em um oceano em crise vai tocar a todos que a assistirem. Todos vivemos em um mundo que mudou enormemente com a atividade humana, e essa realidade é tão verdadeira para os animais marinhos, como as tartarugas marinhas de Jornada das Tartarugas, como para nós, humanos, que vivemos na terra.”

Relatório do Greenpeace International sobre os oceanos: 30×30: A Blueprint for protection

Clique aqui para ver a animação.

_________________________________

Fonte: Assessoria de Imprensa – Greenpeace Brasil
Vanusa Costa
Tel: 11 3035-1167 / 11 98245 2268
imprensa.br@greenpeace.org

Nível do mar sobe com velocidade 2,5 vezes maior do que a do século 20, aponta IPCC

geloFrequência e intensidade de eventos extremos costeiros, como inundações, devem aumentar até 2100, indica relatório especial do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (foto: Wikimedia Commons)

Elton Alisson | Agência FAPESP – O aquecimento global tem aumentado a temperatura dos oceanos e o derretimento das geleiras e dos mantos de gelo nas regiões polares e montanhosas do planeta. Essa combinação de fatores tem levado a um aumento do nível do mar e, consequentemente, da frequência e intensidade dos eventos extremos costeiros, como inundações.

As conclusões são de um relatório especial do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) sobre oceano e criosfera – as partes congeladas do planeta.

Um sumário para formuladores de políticas foi lançado quarta-feira (25/9), em Mônaco, dois dias após a abertura da Cúpula do Clima em Nova York, nos Estados Unidos, em que líderes mundiais foram pressionados a implementar medidas mais ambiciosas para combater o aquecimento global.

“O oceano e a criosfera estão ‘esquentando’ em decorrência das mudanças climáticas há décadas e as consequências para a natureza e a humanidade são amplas e severas”, declarou Ko Barret, vice-presidente do IPCC.

“As rápidas mudanças no oceano e nas partes congeladas do nosso planeta estão forçando tanto as pessoas das cidades costeiras como de comunidades remotas do Ártico a alterar fundamentalmente seu modo de vida”, afirmou.

De acordo com o documento, aprovado pelos 195 países membros do IPCC, o nível do mar subiu globalmente em torno de 15 centímetros (cm) durante todo o século 20 e, atualmente está subindo a uma velocidade duas vezes e meia maior – a 0,36 cm por ano. E esse ritmo está acelerando.

Mesmo que as emissões de gases de efeito estufa (GEE) fossem bastante reduzidas e o aquecimento global limitado a bem menos que 2 ºC dos níveis pré-industriais o nível do mar subiria entre 30 e 60 centímetros até 2100.

Se as emissões de GEE continuarem aumentando fortemente, o nível do mar pode subir entre 60 e 110 centímetros no mesmo período, de acordo com as projeções dos cientistas autores do documento.

“Nas últimas décadas, a taxa de aumento do nível mar se acelerou devido ao aumento crescente do aporte de água proveniente do derretimento das geleiras, principalmente na Groenlândia e na Antártica, e da expansão da água do mar pelo aumento da temperatura marinha”, disse Valérie Masson-Delmotte, diretora de pesquisa da Comissão de Energias Alternativas e Energia Atômica da França e copresidente do grupo de trabalho 1 do IPCC.

Eventos extremos

A elevação do nível do mar aumentará a frequência de eventos extremos que ocorrem, por exemplo, durante a maré alta e tempestades intensas. As indicações são de que, com qualquer grau de aquecimento adicional, eventos que ocorreram uma vez por século no passado acontecerão todos os anos em meados do século 21 em muitas regiões, aumentando os riscos para muitas cidades costeiras baixas e pequenas ilhas, prevê o relatório.

As ondas de calor marítimas também dobraram em frequência desde 1982 e estão aumentando em intensidade. A frequência desses eventos será 20 vezes mais alta em um cenário de 2 °C de aquecimento, em comparação com os níveis pré-industriais. Elas podem ocorrer 50 vezes mais frequentemente se as emissões continuarem a aumentar fortemente, aponta o relatório.

“Várias abordagens de adaptação já estão sendo implementadas, muitas vezes em resposta a inundações, e o relatório destaca a diversidade de opções disponíveis para cada contexto”, afirmou Masson-Delmotte.

Segundo a cientista, a nova avaliação também revisou para a cima a contribuição projetada da camada de gelo da Antártica para o aumento do nível do mar até 2100 em um cenário de altas emissões de GEE.

Declínio de geleiras

“As projeções da elevação do nível do mar para 2100 e além estão relacionadas a como os mantos de gelo reagirão ao aquecimento, especialmente na Antártica. Ainda há grandes incertezas”, ponderou.

Os 670 milhões de pessoas que vivem em regiões montanhosas estão cada vez mais expostos aos riscos de avalanches e inundações e mudanças na disponibilidade de água pelo declínio de geleiras, neve, gelo e permafrost – solo permanentemente congelado –, aponta o relatório.

Em cenários de alta emissão de GEE, estima-se que geleiras menores encontradas, por exemplo, na Europa, nos Andes e na Indonésia poderão perder mais de 80% de sua massa de gelo atual até 2100.

À medida que as geleiras das montanhas recuam, também são alteradas a disponibilidade e a qualidade de água para onde se dirige a corrente (a jusante), com implicações para setores como agricultura e energia hidrelétrica, ressaltam os cientistas.

No Ártico, a extensão do gelo marinho também está diminuindo gradativamente a cada mês do ano. Uma parte expressiva dos quatro milhões de pessoas que vivem permanentemente na região – especialmente povos indígenas – já ajustou suas atividades de caça, por exemplo, à sazonalidade das condições de terra, gelo e neve, e algumas comunidades costeiras já estão se deslocando.

“Limitar o aquecimento ajudaria essa população a se adaptar às mudanças no suprimento de água e aos riscos, como deslizamento de terra”, disse Panmao Zhai, co-presidente do grupo de trabalho I do IPCC.

Maior absorção de calor

O aquecimento global já atingiu 1 ºC acima do nível pré-industrial, devido ao aumento das emissões de gases de efeito estufa.

Até o momento, o oceano absorveu mais de 90% do excesso de calor no sistema climático e, em 2100, absorverá entre duas e quatro vezes mais calor do que nos últimos 40 anos se o aquecimento global for limitado a 2 °C e até cinco a sete vezes mais com emissões mais altas, estimam os cientistas.

O oceano também absorveu entre 20% e 30% das emissões de dióxido de carbono induzidas pelo homem desde 1980, causando a sua acidificação.

A captação contínua de carbono pelo oceano até 2100 exacerbará esse fenômeno provocado pelo aumento da concentração e da dissolução de dióxido de carbono, que diminui o pH da água superficial, elevando a acidez e causando a destruição de recifes de corais, por exemplo.

O aquecimento e a acidificação dos oceanos, a perda de oxigênio e as mudanças nos aportes de nutrientes já estão afetando a distribuição e a abundância da vida marinha em áreas costeiras, em mar aberto e no fundo do mar.

No futuro, algumas regiões, principalmente os oceanos tropicais, sofrerão reduções adicionais, alerta o relatório.

“Reduzir as emissões de gases de efeito estufa limitará os impactos nos ecossistemas oceânicos. Diminuir outras pressões, como a poluição, ajudará ainda mais a vida marinha a lidar com mudanças no ambiente”, disse Hans-Otto Pörtner, pesquisador da University of Bremen, na Alemanha, e copresidente do grupo de trabalho 2 do IPCC.

Década dos oceanos

O relatório se insere em uma série de ações voltadas a destacar o papel fundamental dos oceanos na regulação do clima do planeta, ao redistribuir o calor que chega em excesso à região tropical até as regiões polares, ao mesmo tempo em que leva o frio dos polos para os trópicos.

As ações foram intensificadas a partir da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável – a Rio+20 –, em 2012, no Rio de Janeiro. O evento culminou na realização da Conferência da ONU sobre os Oceanos em junho de 2017 em Nova York, nos Estados Unidos, e na proclamação, no mesmo ano, do período de 2021 a 2030 como a Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável – a Década do Oceano.

Esse período corresponde à última fase da Agenda 2030 – um plano de ação estabelecido pela ONU em 2015 para erradicar a pobreza e proteger o planeta, que contém 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs), um deles (14) especialmente dedicado aos oceanos.

A fim de fortalecer essa agenda de ações da ONU no Brasil, América Latina e Caribe, o professor do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IO-USP) Alexander Turra propôs à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) a criação de uma cátedra no Instituto de Estudos Avançados (IEA-USP) para o estudo da sustentabilidade dos ecossistemas marinhos e costeiros.

A proposta foi aceita e, no início de junho, foi inaugurada na USP a Cátedra Unesco para a Sustentabilidade dos Oceanos.

“A proposta da cátedra é canalizar e impulsionar ações voltadas a fortalecer a agenda sobre oceanos na academia e na sociedade”, disse Turra à Agência FAPESP.

Uma das funções da cátedra é fomentar e dinamizar a pesquisa oceanográfica integrada e interdisciplinar.

“É preciso integrar na pesquisa oceanográfica a visão das ciências naturais com as sociais, uma vez que o mar é um sistema socioecológico, e não só natural”, afirmou Turra.

Outras linhas de ação da cátedra são disseminar o conhecimento sobre oceanos – a chamada cultura oceânica –, fomentar o desenvolvimento de novas tecnologias e inovações a partir dos recursos marinhos e articular o conhecimento científico com a tomada de decisão pelos agentes públicos.

________________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado Agência Fapesp [Aqui!].

Contaminação por resíduos químicos chega ao fundo dos oceanos

anfipode

A contaminação produzida pelo ser humano alcança o fundo dos oceanos, revelou um estudo publicado nesta segunda-feira que detalha o achado de componentes químicos proibidos em amostras de anfípodes, pequenos crustáceos que residem nas zonas abissais.

“As zonas abissais são vistas ainda como reinos distantes e imaculados, preservadas da ação humana, mas nosso trabalho mostra que, infelizmente, essa ideia está longe de ser verdade”, destaca Alan Jamieson, pesquisador da Universidade de Newcastle, no Reino Unido, e coautor deste estudo, publicado na revista “Nature Ecology & Evolution”.

Para examinar os crustáceos, um dos poucos organismos capazes de sobreviver a tais profundidades e níveis de pressão, os pesquisadores usaram ferramentas especiais capazes de chegar a duas enormes fossas do Pacífico: a das Marianas, a mais profunda conhecida (cerca de 11 km), perto da ilha de Guam, e a fossa de Kermadec (mais de 10 km), ao Norte da Nova Zelândia.

O que descobriram foi que, inclusive no mais profundo da crosta terrestre, os anfípodes apresentam níveis “extraordinários” de contaminação química. Os cientistas puderam testar a presença de PCB (bifenilos policlorados), proibidos há 40 anos, e de PBDE (éteres difenílicos polibromados), utilizados durante muito tempo para tornar materiais têxteis e plásticos resistentes ao fogo. Ambos componentes estavam presentes em todas as amostras recolhidas nas zonas abissais em diferentes profundidades.

“Encontrar estas substâncias contaminantes em um dos locais mais escondidos e inacessíveis da Terra nos faz perceber o impacto devastador a longo prazo do ser humano sobre o planeta”, considera Jamieson.

Entre os anos 1930 e 1970 foram produzidas 1,3 milhão de toneladas de PCB no mundo. Desde então, em torno de 35% acabaram chegando ao oceano e aos sedimentos terrestres.

Fonte: O Globo, via AFP

FONTE: http://www.ecoguia.net/noticias/contaminacao-por-residuos-quimicos-chega-ao-fundo-dos-oceanos/

 

Estudo científico aponta para o papel antrópico numa onda de extinções em massa

whale

O jornal Folha de São Paulo publicou hoje uma matéria assinada pelo jornalista ´Reinaldo José Lopes sobre um estudo assinado por um grupo de pesquisadores ligados a quatro universidades estadunidenses sobre uma próxima grande onda de extinções em massa (Aqui!).

O interessante é notar que  segundo o estudo publicado revista Science pelo grupo liderado pelo professor Jonathan L. Payne, essa nova onda de extinções em massa difere das cinco anteriores por ser causada diretamente por padrões de consumo humano. Ainda segundo o que aponta o estudo, os principais alvos dessa onda de natureza antrópica seriam os grandes animais marinhos que estariam sob pressão não apenas pela pesca predatória, mas também pela contaminação dos oceanos por todo tipo de substância e pelo processo de acidificação das águas marinhas.

O maior problema é que o desaparecimento de animais marinhos como baleias e tubarões acaba causando um efeito cascata na cadeia trófica, na medida que a eliminação desses grandes predadores possibilita o aumento de outras populações que, por sua vez, pressionam as fontes primárias de alimentos, o que poderia gerar então essa onda de extinção em massa.

A primeira reação a esse estudo é de que há que ocorrer uma modificação nos padrões de pesca e também de consumo. Entretanto, o problema é mais complexo porque exigiria uma modificação mais ampla no funcionamento da sociedade capitalista, visto que a poluição é uma opção racional pela maximização dos lucros em detrimento da proteção da qualidade dos ecossistemas.

Desta forma, sem querer ser pessimista, avalio que se as estimativas apresentadas no trabalho assinado por Payne e seus colaboradores, não há muita razão para esperar que não assistamos não apenas a essa nova onda de extinções em massa, mas também a todos os efeitos catastróficos que ela trará para a população humana.

Quem desejar ler o artigo por Jonathan Payne e colaboradores, basta clicar  (Aqui!).

Painel da NASA indica que nível dos oceanos está se elevando mais rápido do que previsto

sea level

O jornal Inglês “The Guardian” publicou ontem (27/08) um artigo produzido pela Agência Reuters mostrando que segundo estudos recentes de um painel de pesquisadores ligados à NASA (National Air Space Agency dos EUA), o ritmo de elevação dos oceanos está se dando de forma mais rápida do que antes previsto, e que a situação poderá piorar ainda mais (Aqui!).

Deixando de lado aqueles céticos irredutíveis, o que a divulgação desses resultados mostra é que a maioria do mundo está atrasada em relação ao desenvolvimento de respostas a um problema que deverá atingir uma porção significativa da população mundial que vive nas regiões costeiras da Terra. E segundo os cálculos que foram feitos, determinadas partes do mundo vão sentir os efeitos dessa mudança nos próximos 20 anos.

Além disso, um dos detalhes apontados na matéria assinada pela Reuters é de que essa aceleração da elevação dos oceanos deverá implicar no uso das informações científicas disponíveis para, por exemplo, se estabelecer novas estruturas nas regiões costeiras (portos, por exemplo).

Para quem aquele que quiserem saber mais sobre o assunto, sugiro que assistam ao vídeo postado (Aqui!).

Pesca industrial gera ameaça de extinções na fauna marinha

F1.medium

Um artigo publicado na respeitada revista Science traz uma análise sobre a situação da diminuição da fauna marinha em função da exploração pela sociedade humana (Aqui!). A boa notícia é que, apesar de toda a exploração de um grande número de populações marinhas, existem ainda poucos casos de extinção causada pelo consumo humano.

Contudo, o artigo alerta para o fato de que a introdução da pesca industrial e o aumento da capacidade de captura podem sim resultar num grande número de extinções.

Os autores do artigo sugerem uma série de medidas para evitar o problema, incluindo a criação de áreas protegidas e o estabelecimento de medidas cuidadosas de gerenciamento dos recursos marinhos.

Ai é que mora o problema!