Apocalipse Now? Os efeitos alarmantes da crise alimentar global

O governador do Banco da Inglaterra alertou na semana passada sobre aumentos ‘apocalípticos’ dos preços dos alimentos. No entanto, a guerra na Ucrânia, as mudanças climáticas e a inflação já estão cobrando seu preço em todo o mundo

fome global

Por Simon Tisdall para o “The Guardian”

Essa última façanha é exatamente o que Andrew Bailey, presidente do Banco da Inglaterra, conseguiu na semana passada, possivelmente inadvertidamente, quando sugeriu que a Grã-Bretanha estava enfrentando níveis “apocalípticos” de inflação de preços de alimentos. Os ministros conservadores se irritaram com o que viram como críticas implícitas à magistral gestão econômica do governo.

Na verdade, Bailey estava falando tanto sobre o impacto drástico dos aumentos relacionados à guerra na Ucrânia nos custos dos alimentos e na escassez de alimentos nas pessoas nos países mais pobres. “Há uma grande preocupação para o mundo em desenvolvimento também… Desculpe por ser apocalíptico por um momento, mas essa é uma grande preocupação”, disse ele .

Com a maior parte da atenção política e da mídia focada na emergente “crise do custo de vida” do Reino Unido, os comentários de alto perfil de Bailey foram oportunos – e reveladores. Meses de alertas sobre um maremoto global de fome, tornados mais urgentes pela Ucrânia , foram amplamente ignorados, principalmente pelo governo de corte de ajuda de Boris Johnson.

O custo de vida é um problema na Grã-Bretanha. Para agências da ONU e trabalhadores humanitários em todo o mundo, a maior preocupação é o custo de morrer.

Uma mulher segurando uma criança desnutrida em Kelafo, leste da Etiópia, no mês passadoUma mulher segurando uma criança desnutrida em Kelafo, leste da Etiópia, no mês passado. Fotografia: Eduardo Soteras/AFP/Getty Images

Soando o alarme novamente na semana passada, António Guterres, secretário-geral da ONU, disse que a escassez relacionada à Ucrânia pode ajudar a “induzir dezenas de milhões de pessoas ao limite da insegurança alimentar”. O resultado pode ser “desnutrição, fome em massa e fome em uma crise que pode durar anos” – e aumentar as chances de uma recessão global.

O Programa Mundial de Alimentos estima que cerca de 49 milhões de pessoas enfrentam níveis emergenciais de fome. Cerca de 811 milhões vão para a cama com fome todas as noites. O número de pessoas à beira da fome na região do Sahel da África, por exemplo, é pelo menos 10 vezes maior do que no pré-Covid 2019.

Distribuição de alimentos fora de uma padaria de Cabul no final do ano passado

Distribuição de alimentos do lado de fora de uma padaria de Cabul no final do ano passado. Fotografia: Petros Giannakouris/AP

O impacto adverso da invasão russa na disponibilidade e no preço de produtos básicos como trigo, milho, cevada e óleo de girassol – a Ucrânia e a Rússia normalmente produzem cerca de 30% das exportações globais de trigo – tem sido enorme.

A produção de trigo da Ucrânia este ano deve cair 35% , e exportar grande parte pode ser impossível devido ao bloqueio russo do Mar Negro. Em março, os preços globais das commodities, registrados pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação , atingiram um recorde histórico. Eles permanecem em níveis recordes.

A guerra da Rússia agravou ou acelerou déficits alimentares pré-existentes e tendências inflacionárias decorrentes de uma série de fatores relacionados: o impacto econômico negativo da pandemia; problemas resultantes da cadeia de abastecimento, emprego e transporte; quedas na produção relacionadas a condições meteorológicas extremas e crises climáticas; custos de energia em espiral; e vários outros conflitos em curso em todo o mundo.

Países de renda média, como Egito e Brasil, estão excepcionalmente mal posicionados para lidar com o aumento da insegurança alimentar, disseram os consultores internacionais de risco Verisk Maplecroft em um relatório na semana passada. Muitos governos esgotaram suas reservas financeiras e materiais lutando contra a Covid e contraíram grandes dívidas.

Agora o armário está vazio. “Ao contrário dos países de baixa renda, eles eram ricos o suficiente para oferecer proteção social durante a pandemia, mas agora lutam para manter altos gastos sociais que são vitais para os padrões de vida de grandes setores de suas populações”, disse o relatório.

Argentina, Tunísia, Paquistão e Filipinas, altamente dependentes das importações de alimentos e energia, estão entre muitos outros países de renda média ou média-baixa que enfrentam um risco elevado de agitação civil até o final de 2022, sugeriu.

Uma marcha de protesto estudantil no Sri Lanka na quinta-feira. Fotografia: Chamila Karunarathne/EPA

À medida que o “apocalipse” alimentar se aproxima, os povos mais pobres sofrerão, como sempre, enquanto os mais ricos poderão ficar isolados, até certo ponto. Mas teme-se que a dor suba rapidamente na cadeia alimentar global. Com isso, é provável que venha uma onda de turbulência política, crises humanitárias, instabilidade e rivalidades geoestratégicas em um mundo faminto.

Violência política e revolta

A escassez de alimentos, combinada com aumentos de preços, apagões de eletricidade e escassez de gasolina, gás de cozinha e remédios, provocou uma crise política no Sri Lanka nesta primavera que serve como um modelo desconcertante para países que enfrentam problemas semelhantes.

Meses de protestos culminaram na renúncia do primeiro-ministro Mahinda Rajapaksa, mas nem mesmo seu couro cabeludo impediu que a agitação se tornasse violenta. Desesperado, o Sri Lanka obteve um empréstimo-ponte do Banco Mundial na semana passada para ajudar a pagaras importações essenciais . Na quinta-feira, deu calote em sua dívida pela primeira vez.

A inflação de dois dígitos que deixou muitos paquistaneses incapazes de comprar alimentos básicos também foi um dos principais fatores que contribuíram para a queda do poder no início deste ano do primeiro-ministro Imran Khan. Sua tentativa de se apegar ao cargo criou uma crise de democracia com a qual o Paquistão ainda está lutando.

Fatores de longo prazo – governança repressiva, corrupção, incompetência, polarização – alimentaram a agitação em ambos os países. Mas a terrível escassez de alimentos e a inflação foram os catalisadores que tornaram intolerável o censurável. Essa é uma perspectiva que agora enfrenta regimes inseguros e impopulares do Peru , Filipinas e Cuba ao Líbano e Tunísia.

Um retrato vandalizado do ex-primeiro-ministro do Sri Lanka, Mahinda Rajapaksa

Um retrato vandalizado do ex-primeiro-ministro do Sri Lanka, Mahinda Rajapaksa. A escalada dos preços dos alimentos e os apagões de eletricidade estão causando agitação política no país. Fotografia: Eranga Jayawardena/AP

Analistas comparam o que está acontecendo hoje no Oriente Médio com as revoltas da primavera árabe. O Egito, cujo governo foi derrubado em 2011, é o maior importador de trigo do mundo. Cerca de 70 milhões de pessoas dependem de pão subsidiado pelo Estado . Rússia e Ucrânia responderam por 80% das importações de grãos do Egito no ano passado.

Os altos preços de hoje e a escassez de oferta, especialmente se piorarem, podem fazer pelo regime de Abdel Fatah al-Sisi o que queixas semelhantes fizeram por seu antecessor presidencial deposto, Hosni Mubarak.

Outro país a ser observado de perto é o Irã. Protestos violentos eclodiram na semana passada no Khuzistão depois que o governo aumentou o preço do pão, óleo de cozinha e laticínios. A situação dos iranianoé agravada pelas duras sanções dos EUA e um regime clerical tirânico e corrupto. Se os padrões de vida continuarem a cair, pode haver uma explosão semelhante à frustrada revolta nacional de 2017-18.

Fome e fome

Em muitas partes do mundo, especialmente na África , a insegurança alimentar é tudo menos um fenômeno novo. A fome é a norma e o risco de fome está sempre presente, muitas vezes exacerbado por conflitos e mudanças climáticas. Dito isso, a situação, em termos gerais, está se deteriorando.

O número total de pessoas que enfrentam insegurança alimentar aguda e que precisam de assistência alimentar urgente quase dobrou desde 2016, de acordo com a Rede Global Contra Crises Alimentares, um projeto conjunto da ONU e da UE. E a escala do desafio está se expandindo, chegando a 40 milhões de pessoas, ou 20%, no ano passado. O último relatório da rede identificou países de particular preocupação: Etiópia, Sudão do Sul, sul de Madagascar e Iêmen, onde disse que 570.000 pessoas – um aumento de 571% em seis anos atrás – estavam na fase mais grave ou “catástrofe” de insegurança alimentar, ameaçada por o colapso dos meios de subsistência, a fome e a morte.

Guterres, o chefe da ONU, alertou que a guerra de Vladimir Putin está afetando seriamente os esforços para combater a fome na África. Era imperativo, disse ele, “trazer de volta a produção agrícola da Ucrânia e a produção de alimentos e fertilizantes da Rússia e da Bielorrússia para os mercados mundiais”. Como a mídia estatal russa costuma observar, as sanções ocidentais aumentaram a volatilidade global dos preços.

A ONU está pedindo que os portos bloqueados do Mar Negro e do Mar de Azov da Ucrânia sejam reabertos para que as exportações de grãos possam ser retomadas, principalmente para os países africanos. Especialmente afetada é a região do Sahel, atingida pela seca. “Uma crise absoluta está se desenrolando diante de nossos olhos”, disse o diretor do Programa Mundial de Alimentos, David Beasley, após visitas a Benin, Níger e Chade. “Estamos ficando sem dinheiro, e essas pessoas estão ficando sem esperança .”

Isso ocorre em parte porque a ajuda agora custa mais. A ONU e as agências internacionais são obrigadas a pagar preços inflacionados, cerca de 30% acima das normas pré-COVID-19, para garantir ajuda alimentar vital. E é em parte porque a comida é mais cara em relação à renda. Uma família média do Reino Unido gasta 10% de sua renda em comida. No Quênia ou Paquistão, é superior a 40%. 

Soldados malianos dirigem pelas ruas de Bamako, Mali, em 19 de agosto de 2020, um dia depois que tropas rebeldes capturaram o presidente malinês Ibrahim Boubacar Keita e o primeiro-ministro Boubou Cisse em uma dramática escalada de uma crise de meses.

Soldados malianos dirigem pelas ruas de Bamako, Mali, em 19 de agosto de 2020, um dia depois que tropas rebeldes capturaram o presidente maliano Ibrahim Boubacar Keita e o primeiro-ministro Boubou Cisse. Fotografia: Annie Risemberg/AFP/Getty Images

Conflito e instabilidade

O conflito é o maior impulsionador da fome, sejam as depredações de jihadistas islâmicos no Mali, Nigéria e sul das Filipinas, as crassas rivalidades das potências regionais no Iêmen e na Líbia, ou uma guerra imperdoável em grande escala, como na Ucrânia.

A ONU estima que 60% dos famintos do mundo vivem em zonas de conflito. A Ucrânia mostrou novamente como a guerra, ao causar escassez de itens essenciais e tornar a vida normal insuportável, leva ao deslocamento interno, à dependência de ajuda, emergências de refugiados e migração em massa.

A guerra civil na Síria é um exemplo de advertência – embora existam muitos outros. Um país relativamente próspero foi reduzido por mais de uma década de conflito a algo próximo de um caso perdido. Cerca de 12,4 milhões de pessoas – 60% da população – sofrem de insegurança alimentar, número que mais que dobrou desde 2019.

A desastrosaguerra de escolha da Etiópia em Tigray, que foi invadida por tropas do governo em 2019, é outro caso de fome após loucura. A ONU estimou em janeiro que 2 milhões de pessoas sofriam de extrema falta de alimentos e dependiam de ajuda em uma província que antes era em grande parte autossuficiente.

Em contraste, o Sudão do Sul nunca foi totalmente capaz de se alimentar desde a independência em 2011. As rivalidades de origem étnica muitas vezes se combinam com a competição por terra e recursos alimentares com efeitos catastróficos.O farfalhar do gado é uma das principais fontes de violência, enquanto a seca é outro grande fator.

Mesmo quando um país em dificuldades está no centro das atenções internacionais – raramente é o caso do Sudão do Sul – e a guerra supostamente acabou, suas fortunas não necessariamente melhoram. A situação de muitos afegãos parece ter ido de mal a pior depois que a ocupação de 20 anos pelas forças dos EUA e da Otan terminou no ano passado e o Talibã assumiu o poder.

Os bilhões de dólares de ajuda investidos no país desde 2001 agora não contam para nada. A Save the Children disse este mês que 9,6 milhões de crianças afegãs estão passando fome devido ao aprofundamento dos problemas econômicos, à Ucrânia e à seca em curso. É a pior crise de fome já registrada no país, disse a instituição de caridade.

Crise climática e fome

Não é mais controverso afirmar que colheitas destruídas, meios de subsistência perdidos e comunidades empobrecidas – microingredientes-chave de emergências de fome em massa – estão intimamente ligados e afetados por mudanças climáticas e eventos climáticos extremos. Mas ainda é difícil encontrar uma ação internacional concertada e efetiva ou pressão pública para mudar a dinâmica.

Os países do Chifre da África, como a Somália, por exemplo, estão passando pela pior seca em 40 anos em meio a altas temperaturas sem precedentes. Como arevista Foreign Policyrelatou recentemente, quando as chuvas chegaram, elas foram extremas e de curta duração, causando inundações e criando enxames de gafanhotos.

Um agricultor indiano carrega trigo nos arredores de Jammu, Índia

Mas quando a instituição de caridade Christian Aid encomendou uma pesquisana região do Chifre da África para descobrir o que o público britânico achava que deveria ser feito, apenas 23% dos entrevistados sabiam que havia um problema. Em contraste, 91% estavam cientes da guerra de Putin.

A Índia demonstrou recentemente a falta de um pensamento internacional conjunto sobre clima, fome e guerra. Uma onda de calor recorde no noroeste da Índia prejudicou as colheitas deste ano. Isso levou o governo a suspender as exportações de trigo este mês. Os mercados globais dependiam da Índia, o segundo maior produtor mundial, para compensar o déficit na Ucrânia. Em vez de ajudar, o governo de Narendra Modi fez o contrário.

As ligações críticas entre as crises gêmeas do clima e da fome são amplamente reconhecidas por governos e analistas, mas agir para efetuar mudanças reais está se mostrando mais difícil, como sugerem os resultados nada estelares da cúpula da Cop26 do ano passado em Glasgow.

Enquanto isso, o Banco Mundial está investindo dinheiro no problema– na última contagem, US$ 30 bilhões para ajudar países de baixa renda envolvidos em crises climáticas e alimentares.

Comida e política

Quando a história da guerra na Ucrânia for escrita, a ação imprudente da Rússia em armar alimentos e interromper deliberadamente o abastecimento global, arriscando assim a vida de incontáveis ​​milhões, pode ser considerada um crime maior do que até mesmo seu ataque não provocado ao seu vizinho.

O papel da Rússia como exportador chave de grãos e energia provavelmente sobreviverá ao atual regime em Moscou. Mas sua posição e influência globais são diminuídas, provavelmente permanentemente.

Isso se deve em grande parte ao fracasso pessoal de Putin em reconhecer, ou aceitar, que a era do excepcionalismo soviético acabou – e que a Rússia, como outros países, habita um mundo de regras, direitos e leis recentemente interconectados, interdependentes e mutuamente responsáveis.

votação da Assembleia Geral da ONUem março, condenando esmagadoramente como ilegal a invasão da Ucrânia pela Rússia, reuniu muitos países em desenvolvimento antes amigos de Moscou chocados com o desrespeito de Putin pela soberania e fronteiras nacionais – e sua aparente indiferença ao bem-estar das nações mais pobres dependentes de alimentos e importação de combustível. Foi um momento divisor de águas.

A recusa da China em condenar a invasão e seu fracasso em mostrar liderança internacional no enfrentamento da resultante crise global de fome e abastecimento também pode prejudicar significativamente sua reputação e, com isso, suas esperanças de hegemonia. O contraste apresentado pelos EUA é impressionante.

Falando à ONU na semana passada, Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, disse que o mundo enfrenta “a maior crise global de segurança alimentar do nosso tempo”.Blinken anunciou mais US$ 215 milhões em assistência alimentar de emergência global, além dos US$ 2,3 bilhões já doados pelos EUA desde o início da invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro.

Se o iminente “apocalipse” global revelado ao parlamento por Andrew Bailey realmente se materializar neste inverno, será para os EUA, o Reino Unido, seus aliados e o sistema da ONU muito maltratado, não a China, a autodesignada superpotência do século XXI. que o mundo deve procurar a salvação terrena. O desafio à frente é verdadeiramente bíblico.


compass black

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

“O Brasil de Bolsonaro não existe”, afirma Anistia Internacional Brasil após discurso do presidente na ONU

BOLSO ONU

O Brasil apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro na Assembleia Geral das Nações Unidas, realizada em Nova Iorque nesta terça-feira (21), é um país sem corrupção, que respeita a Constituição Federal, investe no barateamento da produção de alimentos e goza de grande credibilidade nacional e internacional. No Brasil de Bolsonaro, a legislação ambiental é uma das mais completas do mundo, o esforço em zerar o desmatamento ilegal é uma realidade e a Amazônia é exemplo de preservação. A pandemia, para o presidente, foi enfrentada de modo a combater o vírus e garantir os bons números na economia. 

No entanto, essa imagem nega o que fatos e dados revelam: o país atravessa um período estendido de instabilidade e crises política, econômica, sanitária e de direitos humanos. A Anistia Internacional Brasil afirma que o Brasil apresentado por Jair Bolsonaro não existe. Há graves ameaças aos direitos humanos e violações de direitos de povos indígenas, dos cerca de 19 milhões de brasileiros que passam fome neste momento no país e das famílias das quase 600 mil vidas perdidas para a COVID-19.

A gestão da pandemia de COVID-19 no Brasil tem sido marcada por descompromisso e omissões do Governo Federal, que até hoje insiste no chamado “tratamento precoce” em detrimento e/ou minimização da adoção de medidas contundentes e cientificamente comprovadas para a prevenção e recuperação da doença. Episódios de colapso do sistema de saúde, diversas dificuldades para que a vacinação em massa fosse uma realidade e denúncias de superfaturamento na compra de imunizantes são de conhecimento amplo e público e objetos de investigação da CPI da COVID, instaurada para apurar a atuação governamental frente à crise sanitária. É inadmissível que até hoje a população brasileira enfrente uma pandemia global agravada por uma administração política irresponsável.

Pessoas de grupos historicamente discriminados como a população indígena, negros e negras e as famílias mais pobres têm sido desproporcionalmente impactadas pela emergência sanitária, agravada por diversas camadas da crise social que torna cada vez mais precárias as condições de vida dos brasileiros e brasileiras. 

A pandemia contribuiu para que a quantidade de brasileiras e brasileiros com fome ou em insegurança alimentar aumentasse em 2020. Falta comida no prato de quase 9% das pessoas no Brasil, o equivalente à população do Chile. A relativa queda dos índices de pobreza no ano passado não se manteve em 2021, quando o repasse do auxílio emergencial foi interrompido por três meses e retomado em menor valor e para um menor público. No primeiro trimestre de 2021, o Brasil também alcançou a maior taxa de desemprego desde 2012, totalizando 14,7% milhões de pessoas desempregadas, segundo o IBGE.

Apesar deste cenário, o Presidente da República, Jair Bolsonaro, segue à frente de investidas contrárias às necessidades e urgências da população e às pautas prioritárias da agenda global, como o combate à pandemia da Covid-19, a defesa do meio ambiente e o enfrentamento às mudanças climáticas.

Não há política pública para combate ao desmatamento ilegal em andamento no Brasil. A situação da Amazônia é crítica. Órgãos ambientais estatais estão sucateados e foram enfraquecidos desde o primeiro dia do governo Bolsonaro e o próprio ex-ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, tem sido apontado como responsável por essas medidas, sendo investigado por esquema ilegal de extração de madeira. A cobertura florestal sofre pressões ao ponto em que no primeiro semestre de 2021, a Amazônia brasileira teve a maior área sob alerta de desmate em 6 anos, segundo dados do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE). O acumulado de alertas de desmatamento em 2021 na Amazônia foi de 8.712 km², o que equivale a cinco vezes a cidade de São Paulo, maior metrópole do Brasil.

Indígenas brasileiros não vivem “em liberdade”, conforme afirmou o presidente Jair Bolsonaro. A vida na floresta tem sido marcada por sérios riscos de violações de direitos humanos dessas populações por parte de grileiros, madeireiros e invasores de terras. O relatório Conflitos no Campo 2020, elaborado pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), registra que, em meio a pandemia, 39% das vítimas de assassinato em contextos de conflito no campo no Brasil eram indígenas, que também representam 34% das pessoas que sofreram tentativas de homicídio e 16% das que se encontram em situação de ameaça de morte.

Na agenda climática, o presidente afirmou o protagonismo que o país tem e de que deve alcançar a “neutralidade climática”, enquanto ignorou o imenso retrocesso realizado pelo atual governo em relação às metas de redução de emissões perante o Acordo de Paris. A última atualização de metas realizada em dezembro de 2020 autoriza que o país emita mais do que havia se comprometido inicialmente em 2015, em uma clara redução de ambição. Além dessa nítida discordância com os princípios do Acordo, a gestão Bolsonaro não apresentou informações suficientes para apontar como as reduções serão atingidas em médio e longo prazo. Tudo isso enquanto ativamente desmonta as políticas de proteção ambiental responsáveis por controlar as emissões do país. Por fim, alega ainda que o futuro dos empregos verdes está no Brasil, sem qualquer ação em nível nacional orientada à construção de capacidades profissionais nesse sentido.

O Brasil que Bolsonaro apresenta ao mundo não existe. Pelo contrário, o país vive graves ameaças aos direitos humanos fundamentais revelados por dados e fatos e que afetam o dia-a-dia de brasileiros e brasileiras. A Anistia Internacional Brasil reafirma seu compromisso de luta por uma sociedade mais justa e que garanta que nenhuma pessoa seja deixada para trás no acesso aos seus direitos humanos fundamentais. Essa busca pelo Brasil real deve ser perseguida pela sociedade civil organizada e também pelas autoridades públicas de todos os poderes constituídos no país.

Com gestos obscenos, ministro da Saúde sintetiza catástrofe do governo Bolsonaro em Nova York

bolso ny 1

Seja qual for o teor e efeitos práticos do discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia Geral da ONU que ocorre nesta 3a. feira (21/09), a sua passagem pela cidade de Nova York já se transformou em um verdadeiro desastre de propaganda, ou ainda, em um verdadeiro desastre diplomático. É que acossados por manifestações contrárias, os membros da trupe do presidente brasileiro se expôs publicamente ao oferecer várias cenas deprimentes, a começar pela protagonizada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que fez gestos obscenos para manifestantes que protestavam em uma calçada nova iorquina (ver vídeo abaixo).

O fato é que ao fortalecer uma imagem de negacionista científico, carregando junto consigo seus ministros, Jair Bolsonaro acabou se colocando em uma posição de extrema fragilidade, o que deverá aprofundar ainda mais a crise que envolve o seu governo.

Some-se a essa situação  o perigo iminente de que, a partir da China, haja em breve uma nova onda recessiva no funcionamento do capitalismo. aos modos do que ocorreu em 2008 quando a Lehman Brothers naufragou, causando um forte abalo no funcionamento da economia global. Se a crise chinesa se confirmar, o presidente Bolsonaro e seu governo terão diante de si uma situação que o então presidente Lula não enfrentou, qual seja, uma diminuição abrupta da demanda pelas commodities agrícolas e minerais brasileiras pelo seu principal parceiro comercial. Se isso acontecer, as consequências terão efeitos semelhantes a um poderoso cataclisma.

NY: Guterres cobra G20 em cúpula climática de Boris Johnson

Países-ilha dão ultimato a grandes poluidores por financiamento climático e metas de redução de emissões

Informal Leaders Round Table on Climate Change

O Secretário-Geral (na tela) fala a um grupo seleto de delegados do governo na Mesa Redonda Informal de Líderes sobre Ação Climática.

O Secretário Geral da ONU notadamente cobrou “várias economias emergentes” sobre seus objetivos climáticos – provavelmente foi o tom mais incisivo que um chefe da ONU pode usar de olho em China, Índia, Brasil, Rússia, Indonésia e África do Sul.

E sem líderes de EUA, China, Índia ou Brasil, os países-ilha e os estados africanos e latino-americanos dominaram a arena. O que emergiu como resultado foi um poderoso sentimento de raiva, frustração e ansiedade pela ameaça existencial que a COP26 representa para suas nações. Uma lista completa dos participantes deve ser publicada neste site em breve: https://www.un.org/en/climatechange/informal-climate-leaders-roundtable-climate-action

O enviado climático americano John Kerry deixou escapar uma dica de que veremos dos EUA esta semana – muito necessário, como ressalta a avaliação financeira de hoje da Oxfam International. Hoje, o governo italiano disse que também apresentará uma nova meta financeira nos próximos dias.

Abaixo algumas falas de líderes que participaram de mais esta cúpula  climática:

Secretário-Geral da ONU, António Guterres

“Entendo o princípio de responsabilidades comuns, mas diferenciadas. Os países desenvolvidos precisam assumir a liderança. Mas também é essencial que várias economias emergentes se esforcem mais e contribuam efetivamente para a redução de emissões. Precisamos especialmente da liderança de todos os membros do G20”. [Transcrição aqui]

Primeira-Ministra de Barbados, Mia Mottley

“Para nós é inexplicável que o mundo não esteja agindo, e isso sugere que nós, em pequenas ilhas, somos dispensáveis e devemos permanecer invisíveis. O G20 é responsável por 80% das emissões de gases de efeito estufa. O que significa que mais de 170 países são responsáveis por apenas 20%. Não estamos indo na direção certa e, no entanto, são poucos os que precisam ser colocados na direção certa”.

Presidente das Ilhas Marshall, David Kabua

“Como pode não ficar claro para todos nós que é hora de os grandes emissores mostrarem a mesma liderança? Em todo o mundo, vemos incêndios, enchentes, secas, marés reais que comem nossas costas. Àqueles entre vocês que ainda não entregaram NDCs ou ainda não aumentaram sua ambição: os olhos do mundo estão sobre vocês. O último relatório de Síntese da UNFCCC mostra a perigosa magnitude da lacuna global na liderança climática. Nosso destino está ligado à escala, qualidade e rapidez de suas ações. Eu os convido a entregar sua NDCs até a COP-26 e assegurar que esses planos estejam alinhados com um futuro de 1,5C. O penhasco é 2030, a 9 anos de distância.”

Presidente da Costa Rica, Carlos Alvarado Quesada

“Se os países fossem entidades privadas, todos os líderes seriam demitidos, pois não estamos no caminho certo. As coisas continuam as mesmas. É um absurdo. Esta não é uma reunião pública – se fosse, seria estranho usar esta linguagem. Mas temos que ser francos. Estamos construindo a fúria das gerações futuras. Boris escreveu um livro e eu já o li. É um livro muito bom. O Fator Churchill. Ele enfatiza como um indivíduo pode fazer a diferença. Agora precisamos de indivíduos. Precisamos de um fator Boris; precisamos de um fator António; precisamos de um fator Mia. Precisamos de um fator Vladimir e, em particular, um fator Biden”.

Primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson

“A COP26 será encenada no brilho total do holofote global. E quando a cúpula terminar, quando a maior parte do mundo tiver se comprometido com uma ação decisiva e que mude o jogo, ficará claro para todos aqueles de nós que não tiveram a coragem de subir ao palco. O mundo verá, e seu povo se lembrará, e a história julgará. Assim você pode desviar o olhar, pode fazer o mínimo, pode esperar que se você alimentar o crocodilo o suficiente, ele o devore por último. Ou você pode mostrar liderança.”

Primeira ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen

“Contribuíremos com pelo menos 1% da meta coletiva de 100 bilhões de dólares , e 60% de nosso financiamento público baseado em subsídios dedicados a ajudar os países em desenvolvimento a se adaptarem”.

Em Nova York, Bolsonaro e sua trupe comem a pizza amarga do negacionismo

O presidente Jair Bolsonaro resolveu peitar os padrões sanitários da cidade de Nova York e decidiu comparecer à Assembleia Geral da ONU  sem se preocupar em carregar o seu cartão de vacinação contra o SARS-Cov-2, provavelmente para agradar os setores mais reacionários do seu eleitorado.  Entretanto, o presidente do Brasil esqueceu-se que nos EUA, país que ele tanto idolatra, as regras não são para inglês ver. O resultado é que ele está impedido de frequentar restaurantes nova iorquinos, pois estes requerem o mesmo cartão de vacinação que ele diz não possuir.

O resultado é que o presidente do Brasil foi obrigado a comer pizza na rua na companhia de um trupe mal enjambrada composta por ministros, militares e ministros militares, mais precisamente na esquina da 3a. avenue com a 44th street, nas imediações da sede da mesma ONU em que ele diz irá discursar de “improviso” (ver imagem abaixo). Assim, mesmo que alguns digam (o jornalista Guga Chacra da Rede Globo, por exemplo) que Bolsonaro foi se saciar em uma esquina da 3a Avenida por opção, essa é uma explicação que não resolve o problema principal que é a postura negacionista que ele emana.

bolso slice pizza

Assim, é óbvio que haja quem possa dizer que Jair Bolsonaro esteja produzindo mais uma daquelas poses de “homem comum” para agradar a sua base. Mas o problema é que quem está neste momento comendo pizza em uma esquina nova iorquina não é o “homem comum” que atende pelo nome de Jair Bolsonaro, mas a autoridade máxima do poder executivo federal do Brasil. Assim, ao se expor em uma condição vexatória para um chefe de estado, o que Jair Bolsonaro faz é aprofundar a condição de pária do Brasil  em uma conjuntura internacional extremamente dura, pois mistura crise econômica continuada com uma pandemia que não dá sinais de que irá cessar sem um esforço concentrado das principais economias do planeta, nas quais o Brasil está incluso.

Essa incompreensão do próprio papel ainda resultará em momentos amargos para Jair Bolsonaro, o que se pode traduzir na ingestão de algum sabor bastante amargo, como, por exemplo, a de jiló. Enquanto isso não acontece, o mais provável é que o Brasil continue pagando um preço que não será o de uma fatia de pizza em uma loja de esquina em Nova York.

Dia da Amazônia: Como o desmatamento da maior floresta tropical do mundo interfere na saúde da população?

COVID-19 e outras doenças chegam até nós como consequência da degradação ambiental

unnamed (37)

Crédito: Tomáš Dohnal (Pixabay)

O Dia da Amazônia é celebrado em 5 de setembro por ser a data de criação da província do Amazonas, por Dom Pedro II em 1850. A data busca chamar atenção para o bioma que é a maior floresta tropical do mundo, reforçando a necessidade de sua preservação e do uso sustentável das matérias primas que a floresta propicia. O assunto é de extrema importância, não só pela vida dos seres vivos que ali habitam, mas também para a saúde ambiental do planeta e do ser humano.

A degradação ambiental ocorre há anos, e cada vez mais vemos de perto como esse descaso com as florestas interfere diretamente na vida da população. Estudos científicos já atestaram que o desmatamento gera uma cadeia de acontecimentos complexos, criando meios para que diferentes patógenos mortais se espalhem entre os humanos. Doença de Lyme e a malária, por exemplo, surgiram a partir daí.

São 40 mil espécies de plantas, milhões de insetos e 400 mamíferos que estima-se ter na Amazônia, floresta que ocupa sete milhões de quilômetros quadrados e faz parte de nove países da América do Sul. O especialista em Gestão de Resíduos Sólidos e fundador da Oceano Resíduos, Rafael Zarvos, alerta a necessidade das pessoas entenderem que desmatamento e doenças estão relacionados.

“Infelizmente, somos a única espécie capaz de destruir e de ameaçar a nossa própria sobrevivência. A forma como a sociedade está transformando o meio ambiente e reduzindo os habitats naturais, faz com que animais silvestres e seres humanos se aproximem. Isso potencializa o risco de transmissão de variados patógenos da espécie deles para a nossa”, explica Zarvos.

Doenças como a zika, que somada a dengue e chikungunya contabilizaram um aumento de 248% do número de casos no ano de 2019, é exemplo de enfermidade que veio da cena rural para a urbana pelo avanço do desmatamento em áreas florestais. “A destruição da natureza coloca em risco a nossa própria existência. O coronavírus, por exemplo, responsável pela pandemia que vivemos, é fruto do contato de humanos com morcegos”, destaca Rafael.

Em relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), é possível ver que a cada quatro meses o ser humano tem uma infecção originária de problemas relacionados ao meio ambiente, e que 75% das doenças são de origem animal. O consumo de carne crua de animais silvestres, o desmatamento, as mudanças climáticas e o tráfico ilegal de animais silvestres são fatores que contribuem para facilitar o contágio de seres humanos por patógenos que vivem na natureza e nas espécies que ali habitam.

“Cientistas especulam que o vírus que desencadeará a próxima pandemia já está em circulação, é só uma questão de tempo até sermos atingidos. Isso prova que está mais do que na hora de prestarmos atenção no consumo de produtos, além de pequenos hábitos do dia a dia que podem ser cruciais para ajudar o meio ambiente e a nós mesmos”, finaliza o especialista.

Sobre a Oceano

A Oceano é uma empresa de gestão de resíduos e coleta inteligente, responsável pela correta destinação do lixo produzido no nosso dia a dia. Nossa gestão é focada, principalmente nos chamados micropoluentes, substâncias de uso comum em nosso dia a dia que constituem uma ameaça emergente à qualidade de águas, rios, lagos, reservatórios, mares e oceanos, uma vez que inexiste tecnologia para remoção destas substâncias provenientes de esgotos sanitários e hospitais, com coleta domiciliar e planos adequados para cada necessidade.

‘A próxima pandemia’: a seca é uma crise global oculta, diz a ONU

Países instados a tomar medidas urgentes para gerenciar a água e a terra e enfrentar a emergência climática

seca

Recipientes são expostos quando as águas do lago Sun Moon em Nantou, Taiwan, recuam durante uma seca nacional, Fotografia: Annabelle Chih/Reuters

Por Fiona Harvey para o “The Guardian”

A seca é uma crise global oculta que corre o risco de se tornar “a próxima pandemia” se os países não tomarem medidas urgentes na gestão da água e da terra e no enfrentamento da emergência climática, afirmou a ONU.

Pelo menos 1,5 bilhão de pessoas foram afetadas diretamente pela seca neste século, e o custo econômico ao longo desse período foi estimado em US $ 124 bilhões (£ 89 bilhões). O verdadeiro custo provavelmente será muitas vezes maior porque essas estimativas não incluem muito do impacto nos países em desenvolvimento, de acordo com um relatório publicado na quinta-feira .

Mami Mizutori, representante especial do secretário-geral da ONU para redução do risco de desastres, disse: “A seca está prestes a se tornar a próxima pandemia e não há vacina para curá-la. A maior parte do mundo viverá com estresse hídrico nos próximos anos. A demanda superará a oferta durante certos períodos. A seca é um fator importante na degradação da terra e no declínio da produção das principais safras ”.

Ela disse que muitas pessoas imaginam que a seca está afetando as regiões desérticas da África, mas esse não é o caso. A seca agora é generalizada e, no final do século, todos, exceto um punhado de países, sofrerão de alguma forma, de acordo com o relatório.

“As pessoas vivem com a seca há 5.000 anos, mas o que estamos vendo agora é muito diferente”, disse Mizutori. “As atividades humanas estão exacerbando a seca e aumentando o impacto”, ameaçando inviabilizar o progresso na retirada das pessoas da pobreza.

Os países desenvolvidos não ficaram imunes . Os Estados Unidos, a Austrália e o sul da Europa sofreram secas nos últimos anos. A seca custa mais de US $ 6 bilhões por ano em impactos diretos nos Estados Unidos e cerca de € 9 bilhões (£ 7,7 bilhões) na UE, mas também é provável que sejam graves subestimações.

O crescimento populacional também está expondo mais pessoas em muitas regiões aos impactos da seca, diz o relatório.

A seca também vai além da agricultura, disse Roger Pulwarty, cientista sênior da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos e co-autor do relatório.

Ele citou o Danúbio na Europa, onde secas recorrentes nos últimos anos afetaram os transportes, o turismo, a indústria e a geração de energia. “Precisamos ter uma visão modernizada da seca”, disse ele. “Precisamos ver como gerenciar recursos como rios e grandes bacias hidrográficas.”

Mudar os padrões de chuva como resultado da desagregação do clima é um fator-chave para a seca, mas o relatório também identifica o uso ineficiente dos recursos hídricos e a degradação da terra sob a agricultura intensiva e práticas agrícolas inadequadas. O desmatamento, o uso excessivo de fertilizantes e pesticidas, o sobrepastoreio e a extração excessiva de água para a agricultura também são grandes problemas, diz o relatório.

Mizutori pediu aos governos que tomem medidas para ajudar a prevenir a seca, reformando e regulamentando como a água é extraída, armazenada e usada, e como a terra é administrada. Ela disse que os sistemas de alerta precoce podem fazer muito para ajudar as pessoas em perigo, e que técnicas avançadas de previsão do tempo estão agora disponíveis.

Ela disse que trabalhar com a população local é essencial, porque o conhecimento local e indígena pode ajudar a informar onde e como armazenar água e como prever os impactos dos períodos de seca.

O relatório, intitulado Relatório de Avaliação Global sobre Redução de Risco de Desastres: Relatório Especial sobre a Seca 2021 , foi publicado na quinta-feira e alimentará as discussões em uma importante conferência climática da ONU conhecida como Cop26, que está programada para acontecer em Glasgow em novembro.

fecho

Este artigo foi inicialmente escrito em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui].

Sistemas alimentares são responsáveis por mais de um terço das emissões globais de gases de efeito estufa

sistema alimentarA base de dados EDGAR-FOOD representa um marco para a compreensão de como o sistema alimentar global se desenvolveu.  Foto | FAO

Os sistemas alimentares mundiais são responsáveis por mais de um terço das emissões antropogênicas globais de gases de efeito estufa, de acordo com um novo estudo pioneiro publicado na Nature Food.

O estudo, de co-autoria do estatístico sênior e especialista em mudanças climáticas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Francesco Tubiello, em colaboração com pesquisadores do Centro de Pesquisa Conjunta da Comissão Europeia em Ispra, Itália, oferece um tesouro de dados e, pelo menos em nível de importância, apresenta uma nova base de dados – EDGAR-FOOD – que remonta a 1990 e permite o rastreamento granular de tendências atuais e futuras. A nova ferramenta, baseada nos principais dados de uso da terra do FAOSTAT, fornece uma série de dados completa e consistente abrangendo vários setores que serão essenciais no projeto de ações de mitigação eficazes e caminhos de transformação para sistemas alimentares sustentáveis.

Abrangendo desde mudanças no uso da terra e produção agrícola até embalagem e gestão de resíduos, as emissões do sistema alimentar foram estimadas em 18 bilhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente em 2015. Isso representa 34% do total, uma parcela que está diminuindo gradualmente – era de 44% em 1990 – mesmo com as emissões dos sistemas alimentares aumentando em quantidades absolutas.

O estudo também oferece uma compreensão e estimativa mais precisa dos efeitos climáticos da produção, distribuição e consumo de alimentos antes da Cúpula dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas de 2021 no final deste ano. O Relatório Especial do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), sobre Mudanças Climáticas e Terras, recentemente atribuiu aos sistemas alimentares entre 11 e 19 bilhões de toneladas de emissões por ano, uma ampla gama que ressalta a necessidade de reduzir nossas lacunas de conhecimento.

A base de dados EDGAR-FOOD representa um marco para a compreensão de como o sistema alimentar global se desenvolveu. Ele permite avaliações de como as mudanças no comportamento do consumidor ou evolução tecnológica podem impactar as emissões de GHG (Gases de Efeito Estufa) do sistema alimentar e pode servir como uma ferramenta preciosa para pesquisadores com foco em setores específicos, bem como formuladores de políticas encarregados de projetar estratégias de mitigação que não apenas deslocam emissões para outros setores.

A FAO tem poderosos conjuntos de dados de emissões sobre a agricultura e o uso da terra e está construindo um novo para apoiar o trabalho da Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU.

Principais conclusões

Cerca de dois terços das emissões dos sistemas globais de alimentos vêm do setor baseado na terra, compreendendo agricultura, uso da terra e mudanças no uso da terra. Esse número é mais alto para os países em desenvolvimento, mas também está diminuindo significativamente com a redução do desmatamento e o aumento das atividades a jusante, como processamento de alimentos e refrigeração.

Em termos de sua participação em todas as emissões antropogênicas de GHG, os sistemas alimentares dos países industrializados são amplamente estáveis em cerca de 24%, enquanto nos países em desenvolvimento diminuíram notavelmente – em parte devido a aumentos muito elevados nas emissões não alimentares – para 39% em 2015 para 68% em 1990.

Os principais emissores são, pela ordem: China, Indonésia, Estados Unidos da América, Brasil, União Europeia e Índia.

Os estágios de produção que levam os alimentos para a fazenda – incluindo insumos como fertilizantes – são agora os principais contribuintes para as emissões gerais do sistema alimentar, constituindo 39% do total. O uso da terra e fatores relacionados contribuem com 38%, enquanto a distribuição é responsável por 29%, uma parcela que está crescendo e deve continuar crescendo.

EMISSÕES

Emissões de GEE do sistema alimentar. a, b, gráficos de pizza mostram a contribuição dos diferentes setores do sistema alimentar (baseado em terra, energia, indústria e  resíduos) às emissões de GEE provenientes de alimentos em 1990 (a) e 2015 (b). As cores no mapa mostram a parcela das emissões de GEE dos sistemas alimentares como uma fração do total de emissões de GEE (as participações detalhadas de GEE no sistema alimentar por país são relatadas na Tabela Suplementar 4). Emissões totais de GEE (incluindo CO2, CH4, N2O e gases F) são expressos como CO2  equivalente (CO2e) calculado usando os valores GWP100 usados no IPCC AR5, com um valor de 28 para CH4 e 265
para N2O. OCDE, Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico.

O metano (CH4) é responsável por cerca de 35% das emissões de GHG do sistema alimentar, praticamente o mesmo em países desenvolvidos e em desenvolvimento, e provém principalmente da pecuária e do cultivo de arroz.

A pesquisa destacou como os sistemas globais de alimentos estão se tornando mais intensivos em energia, refletindo tendências nos setores de varejo, embalagem, transporte e processamento, cujas emissões estão crescendo rapidamente em alguns países em desenvolvimento. Os países industrializados, por sua vez, aumentaram a emissão de gases fluorados com efeito estufa – que têm um efeito turboalimentador no aquecimento global – usados na refrigeração e em outras aplicações industriais. A refrigeração é responsável por quase metade do consumo de energia do setor de varejo e supermercado, cujas emissões aumentaram mais de quatro vezes na Europa desde 1990. As atividades da “cadeia de frio” mundial respondem por cerca de 5% das emissões globais do sistema alimentar, um número esperado para aumentar.

Ele também revelou que a embalagem agora contribui com cerca de 5,4% das emissões globais do sistema alimentar, mais do que qualquer outro fator da cadeia de abastecimento, incluindo transporte. No entanto, a intensidade das emissões varia notavelmente por produto, com o vinho e a cerveja sendo responsáveis por uma parcela significativa dos impactos das embalagens, enquanto as bananas e o açúcar de beterraba têm maiores emissões de transporte.

Em média, as emissões globais per capita anuais relacionadas aos alimentos diminuíram de 1990 a 2015 em cerca de um terço, para 2 toneladas de CO2 equivalente. Esse número não deve ser entendido como o mesmo que uma “pegada do consumidor”, pois variam de acordo com padrões dietéticos específicos, mas pode ser usado para avaliar os esforços nacionais de mitigação para reduzir as emissões de GHG do sistema alimentar como um todo.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pela seção brasileira da Organização das Nações Unidas [Aqui!].

Brasil terá que refazer suas metas no Acordo de Paris antes da COP26

ONU pede revisão de planos climáticos ruins; Brasil ficou fora de Cúpula em 2020 por submeter objetivos que reduzem esforço do país contra aquecimento global

emissions
 
Um relatório da ONU divulgado hoje (26/02) afirma que as metas atuais dos principais poluidores combinadas não chegam nem perto de mitigar as mudanças climáticas. Segundo o documento, as propostas atuais dos países que representam 30% das emissões de gases de efeito estufa conseguirão reduzir em apenas 1% as emissões até 2030 em relação aos níveis de 2010. Para garantir que o aquecimento global fique abaixo de 2ºC, esse percentual deveria ser de 25%, sendo 45% para a meta de 1,5ºC, segundo cálculos do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), maior autoridade científica sobre o assunto.

O relatório Síntese Inicial NDC foi solicitado pelas Partes do Acordo de Paris para medir o progresso dos planos nacionais de ação climática – Contribuições Nacionais Determinadas, conhecidos pela sigla NDC – antes da COP26 em novembro deste ano, que será realizada em Glasgow, na Escócia.

No ano passado, o Brasil ficou de fora da Cúpula de Ambição Climática da ONU exatamente porque os organizadores do evento não consideraram suficientes as metas climáticas divulgadas quatro dias antes do encontro pelo Ministério do Meio Ambiente. O Brasil é o 6º maior emissor do mundo, e a destruição das florestas responde pelo maior volume de emissões.

“No momento, é como se estivéssemos entrando em um campo minado de olhos vendados”, definiu Patrícia Espinosa, secretária executiva de Mudança Climática da ONU. Ela encorajou todas as nações a investigar outras áreas a fim de criar planos mais robustos. “O que precisamos é muito mais radical e transformador do que o que temos agora. Precisamos de planos concretos para eliminar gradualmente os combustíveis fósseis o mais rápido possível”.

“O relatório provisório de hoje é um alerta vermelho para nosso planeta”, lamenta o secretário geral das Nações Unidas Antonio Guterres. “Os principais emissores devem apresentar metas muito mais ambiciosas de redução de emissões para 2030 em suas Contribuições Nacionais Determinadas bem antes da Conferência Climática da ONU em Glasgow, em novembro. Agora é a hora.”

Laurence Tubiana, CEO da Fundação Europeia do Clima e uma das idealizadoras do Acordo de Paris afirma que os países do G20 deveriam liderar o processo de mitigação das mudanças climáticas. “Os governos que entregaram planos pouco ambiciosos devem — como sugere a ONU — reconsiderar e reapresentar os planos até a COP26”.

Entre pesquisadores e ambientalistas, os resultados do relatório geraram comoção. “É espantoso como os países estão longe de lidar com a crise climática”, afirma Mohamed Adow, diretor da Power Shift Africa, um think tank com sede no Quênia que estuda a transição energética no continente africano. “Alguns países fizeram bem em atualizar suas promessas do Acordo de Paris, mas muitos outros, como Brasil, Japão, Austrália, México e até mesmo a Nova Zelândia não fizeram nada, vergonhosamente. Este estado de coisas não pode continuar.”

Para Niklas Höhne, fundador do NewClimate Institute, organização especializada em políticas climáticas, o maior impacto positivo vem da União Europeia, seguida do Reino Unido e da Argentina. “Mas dez países apresentaram NDCs revisadas sem nenhuma melhoria na ambição ou mesmo retrocedendo: Austrália, Brasil, Japão, México, Nova Zelândia, Singapura, Coreia do Sul, Suíça e Vietnã”, destaca o pesquisador. Ele ressalta que dessa lista, ao menos o Japão já reconheceu a pouca ambição da meta submetida em 2020 e se comprometeu a melhorá-la este ano.

“O Brasil apresentou uma NDC que efetivamente enfraquece suas já insuficientes metas de ação climática para 2025 e 2030”, avalia Höhne. “Como resultado, as emissões do Brasil em 2030 sob a nova meta poderiam ser 27% maiores do que eram quando ratificou o Acordo de Paris em 2016.” Ele lembra que um recuo nas metas de redução de emissões desobedece a exigência do Acordo de Paris de que cada nova NDC seja mais ambiciosa que a anterior.

Esperança

Os resultados do relatório aumentam ainda mais as expectativas em relação a uma postura mais ambiciosa este ano por parte dos dois grandes poluidores do planeta: EUA e China.

“Espero que os EUA e a China possam igualar a União Europeia na entrega de estratégias que nos coloquem no caminho do zero líquido”, afirma Tubiana, que também é embaixadora da França para a Mudança Climática.

A diretora executiva do Greenpeace Internacional, Jennifer Morgan, também joga os holofotes sobre os dois países. “Estamos chamando os maiores emissores do mundo, os Estados Unidos e a China, para entregar NDCs no próximo mês que nos dêem motivos de esperança”, afirma. Ela ainda vê a possibilidade de países que estão indo no caminho contrário voltarem a cooperar pelo clima.

“A Austrália e o Brasil, arrasados por queimadas agravadas pela emergência climática, devem, respectivamente, controlar os interesses dos combustíveis fósseis e da agricultura industrial, enquanto trabalham para criar um futuro justo e seguro para seus cidadãos e proteger a preciosa biodiversidade”, disse a ambientalista.

 
“Com planos climáticos lamentavelmente fracos, grandes emissores como Japão, Austrália e Brasil estão pesando sobre a ambição global, quando na verdade deveriam estar liderando”, afirma Tasneem Essop, diretor executivo da Climate Action Network. Para ele, anúncios de metas líquidas zero em 2050 não podem ser o único sinal de ambição climática. “Os EUA e a China – que ainda vão apresentar suas NDCs – devem fazê-lo o mais rápido possível. É imperativo que os Estados Unidos forneçam sua parte justa, tanto sobre a redução de emissões, como em relação às finanças.”

O relatório está disponível  [Aqui!]

Observatório do Clima avisou em 2016 sobre “pedalada” na meta climática do Brasil

Pedido de ajuste na NDC para 57% à luz de novo inventário consta de análise do SEEG de quatro anos atrás

painel

Painel sobre os desafios do NDC no Brasil

DO OC – O governo (Bolsonaro) não pode alegar surpresa por ter sido excluído da Cúpula de Ambição Climática ao apresentar uma meta no Acordo de Paris que permitirá ao Brasil aumentar suas emissões. O Observatório do Clima já alertava para o problema contábil na chamada  Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) do Brasil desde 2016.

Na quarta edição do SEEG (Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa), que fez naquele ano a primeira análise da NDC (então INDC) brasileira, o OC notou que a meta de 37% e a meta indicativa de 43% precisariam ser ajustadas de forma a ficarem compatíveis com a contabilidade mais recente de emissões.

Isso porque em 2016 o Brasil publicou um novo inventário nacional de gases de efeito estufa, que elevou as emissões do país em 2005.

O alerta foi feito no seminário de lançamento do SEEG, em outubro de 2016, no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, com presença de técnicos do governo federal. Na síntese do relatório analítico do SEEG, publicado em 2017, o aviso foi repetido:

“A referência para a INDC foram os dados do Segundo Inventário. Quando foi publicada a Terceira Comunicação Nacional do Brasil à UNFCCC, com os dados do Terceiro inventário (abril de 2016), houve uma revisão dos dados de emissão em toda a série histórica; especificamente em 2005, as emissões subiram para 2,8 GtCO2e (GWP-100; IPCC AR5), 25% maiores que as emissões conforme o Segundo Inventário.”

“Essa alteração foi resultado da evolução na metodologia de cálculo das emissões e remoções por mudança de uso da terra e florestas. Como a meta da INDC estava expressa primeiro em redução percentual em relação às emissões de 2005 e depois eram expressas na nota explicativa (anexada à INDC ‘apenas para informação’) em valores absolutos de emissões em 2025 e 2030, o OC defendeu um ajuste na NDC à luz dos novos dados.”

“Ao tomar como base as emissões totais de 2005 contidas no Terceiro Inventário, a meta de redução de emissões expressa em porcentagem faria com que a emissão projetada para 2030 fosse 400 MtC2Oe maior que o indicado na INDC (1.617 milhões contra 1.216 milhões de toneladas), o que representa quase 1% das emissões globais. Caso sejam mantidos os limites absolutos das emissões em 1.216 MtCO2e, a porcentagem de redução em 2030 fica em 57%, o que é certamente mais ambicioso.”

O relatório-síntese, com todos os cálculos e todas as tabelas, pode ser baixado aqui.

fecho

Este texto foi originalmente publicado pelo Observatório do Clima [Aqui!].