Olavo, Trotsky e o General

Trotsky-exército-vermelho

Leon Trotsky, no centro da imagem, com soldados do Exército Vermelho durante a guerra contra o chamado “exército branco” apoiado pelas potências europeias.

Em meio ao tiroteio verbal que ocorre dentro de diferentes cliques do governo Bolsonaro, uma caracterização inusitada para o “jack-of-all-trades” Olavo Carvalho partiu do general reformado e ex-comandante do Exército, Eduardo Dias da Costa Villas Boas. Segundo ele, Olavo de Carvalho estaria se comportando como um “trótski de direita” ao criticar, até de forma xula, os generais que hoje estão alojados em diferentes postos do governo Bolsonaro (ver imagem do tweet em que o general senta o dedo em Olavo).

general villas boas

Como alguém que leu uma fração pequena da vasta obra de Leon Trotsky, eu me dou a liberdade de indicar que provavelmente o general Villas Boas não leu qualquer livro de um dos principais líderes da Revolução Russa, incluindo o clássico “História da Revolução Russa”. Nessa obra, que possui dois tomos, Trotsky apresenta em riqueza de detalhes a trajetória revolucionária não apenas dele, mas, principalmente, do Partido Bolchevique e do proletariado russo em direção à tomada do poder.

Mas Trotsky (ou melhor, Lev Davidovich Bronstein) não foi apenas um teórico brilhante e com uma obra literária que extrapola a formulação de um viés particular para a construção e consolidação da revolução proletária.  Entre outras coisas, como homem extremamente culto que era, Trotsky enveredou por searas distintas, a começar pela arte e pela literatura.

Entretanto, algo que o general Villas Boas não poderia esquecer é que, ao contrário de Olavo de Carvalho que brinca com seus mosquetes em fragmentos florestais no norte da Virginia, Leon Trotsky foi um gênio militar e criador do Exército Vermelho.  Aliás, ao contrário de muitos generais brasileiros, experimentou liderar suas tropas nas frentes de batalha da sangrenta contrarrevolução comandada pelos generais czaristas, e que acabou derrotada pelo exército que Trotsky construiu basicamente a partir do nada, usando inovações interessantes como a combinação entre forças regulares e de guerrilha. Um livro interessante para que se saiba mais sobre a atuação de Trotsky como “Comissário da Guerra” e fundador do Exército Vermelho é o ” Trotsky e a formação do Exército Vermelho” do historiador Saymon de Oliveira Justo.

trotsky-armee-rouge-1024x585

Leon Trotsky discursando em cima de um tanque durante a guerra civil.

Uma coisa parece saltar aos olhos  nessa pequena menção, mesmo que enviesada, a Leon Trotsky pelo general Villas Boas, e é o fato de que o revolucionário russo ainda assombra, ainda que seja lembrado para oferecer comparações incabíveis com eventuais adversários.  E certamente, lá do seu túmulo em Coyoacán, bairro da cidade do México, os ossos de Trotsky devem estar chacoalhando com a comparação indevida.  

 

Em Portugal é assim: mostra sobre contribuição da Revolução Russa na cultura científica não causa protestos nem pedidos de fechamento

Estive hoje no Museu Nacional da História Natural e da Ciência para assistir a uma peça de teatro que ocorria em um pátio interno, e ao passar por um dos corredores entrei por pouco tempo no interior da mostra “MARGEM ESQUERDA: A Revolução Russa e a Cultura Científica em Portugal no século XX.”  Lá pude ver alguns materiais relacionando a importância da Revolução Russa no desenvolvimento do pensamento científico, inclusive em Portugal.

pedlowski museu

Chegando em casa descobri que a mostra está sendo exposta desde o dia 07 de Novembro e foi aberta para marcar as celebrações dos 100 anos da Revolução Russa.  Segundo os organizadores da mostra, um fato que foi marcante na realização da revolução foi o seu impacto teórico na área das ciências a partir do uso do materialismo histórico dialético incluindo a História, a Filosofia e o conhecimento da Natureza.

Uma lembrança a mais sobre o impacto da Revolução Russa na cultura científica foi que “apesar de sujeito a uma ditadura de direita durante a maior parte da existência da URSS, Portugal não ficou alheio a este movimento.” [1].

Um detalhe a mais nessa visita: não vi sinais de protestos contra a realização da mostra , nem tive notícias de que houve qualquer protesto pedindo o seu fechamento. Coisa bem diferente do que aconteceria no Brasil se essa mostra tivesse sido organizada por algum museu que funcione com recursos públicos.  Esta diferença de comportamento apenas mostra como conseguimos regredir uma cultura política que já não era lá tão elevada. E deu no que deu, e estamos vendo os resultados disso na atual campanha eleitoral.


[1] https://www.museus.ulisboa.pt/pt-pt/margem-esquerda

Celebrando os 100 anos da Revolução Russa

rev 17

No dia 25 de Outubro se completam 100 anos do início da segunda fase da Revolução Russa, movimento que colocou firmemente a classe operária russa como a principal força motriz das transformações preconizadas por Karl Marx e Friederich Engels em seus exaustivos trabalhos acerca da necessidade de que o Capitalismo seja superado.  Apesar de todos os percalços que marcaram os 100 anos desde que se deu a tomada do Estado russo sob o comando do Partido Bolchevique, a Revolução Russa ainda cumpre o papel insubstituível de nos mostrar que é possível passar da utopia à ação política concreta, e de se lutar para que a riqueza gerada pelo trabalho humano não fique concentrado nas mãos de uns poucos, enquanto a maioria sobrevive em meio a privações cada vez mais profundas.

E o elemento que permanece atual é o fato de que a classe operária quando dotada de um partido com um programa claramente estabelecido sob as bases do materialismo histórico dialético e do internacionalismo é capaz de realizar proezas como a Revolução Russa. Nada do que aconteceu ao longo do Século XX, mesmo a degeneração do estado socialista que foi fundado pelos revolucionários russos, apaga o fato de que só apoiado por um programa explicitamente orientado para superar o Capitalismo é que a Humanidade poderá chegar a um estágio superior de organização social.

E nesse aniversário, a principal saudação que deixo é para aquela multidão de cidadãos comuns que sob as bandeiras levantadas pelo partido de Vladimir Lênin e Leon Trotsky ousaram mostrar ao mundo a sua capacidade de enfrentar os inimigos mais terríveis em nome de uma sociedade mais justa e fraterna. É graças às multidões de operários e camponeses insurretos que ainda podemos manter viva as utopias que eles colocaram em marcha.

Este slideshow necessita de JavaScript.

E como disse Leon Trotsky em seu testamento, “A vida é bela, que as gerações futuras a limpem de todo o mal, de toda opressão, de toda violência e possam gozá-la plenamente.”

Viva os 100 anos da Revolução Russa!

Marketing acadêmico: lançamento do livro “O Horizonte Vermelho” pela editora Sulina

horizonte

O livro O Horizonte Vermelho: o impacto da Revolução Russa no movimento operário do Rio Grande do Sul (1917-1920) vem a público em um momento em que o estudo e a reflexão sobre a história do movimento operário se tornam um exercício cada vez mais importante e necessário.

Neste ano, no qual se completam cem anos das greves de 1917 no Brasil e da Revolução Russa, Frederico Duarte Bartz disponibiliza este trabalho para contribuir com os debates acadêmicos sobre aquele período agitado da história da classe operária, e para difundir, entre o maior número de pessoas, o conhecimento sobre aqueles trabalhadores e trabalhadoras que se mobilizaram em prol da Revolução Social.

A memória e a história das lutas que se desenvolveram na década de 1910 surgem como um importante legado para todos aqueles que se interessam pelo processo de construção da classe trabalhadora e se solidarizam com suas reivindicações.

Quem desejar adquirir esta obra, basta clicar Aqui!

Seminário internacional “1917: o ano que abalou o mundo” e a conferência de Esteban Volkov sobre o papel de Trotsky na Revolução Russa

esteban leon

O químico aposentado, de 91 anos, abordará o papel de seu avô na história. Nascido em 1926, na Ucrânia, aos treze anos foi viver com o avô no México. Nesse período, sobreviveu a um fuzilamento, parte de um atentado orquestrado contra Trotski, na própria casa em que moravam, e assistiu à morte de seu avô. Único sobrevivente de uma das perseguições mais obsessivas da história, Volkov busca resgatar a memória da vida e da obra do intelectual bolchevique. Volkov preside hoje o Museu Leon Trotski, no México, na casa em que seu avô viveu e foi assassinado.

É um dos personagens do romance histórico  “O homem que amava os cachorros”, de Leonardo Padura (Boitempo, 2013). O autor está no Brasil até 26/8 em uma programação imperdível que você confere aqui: https://business.facebook.com/Boitempo/posts/1428051740576258:0

As inscrições para o seminário começam no dia 5/9 e é possível comprar ingresso para dias avulsos. Confira a programação completa, regras e valores em https://revolucaorussa.com.br/

A arte da insurreição e o gênio de Trotsky em 1917

trostsky

Por  André Augusto,  São Paulo| @AcierAnd

Estava amanhecendo o dia 24 de outubro. Eu ia de andar em andar, para não ficar quieto em um lugar, para ver se tudo estava em ordem e para levantar a moral de quem o necessitasse. Pelos intermináveis corredores ainda envoltos em sombras [do Smolny], ouvia-se rolarem as metralhadoras arrastadas valentemente pelos soldados, com um estrépito alegre e buliçoso. Era o novo destacamento que havia chamado. Pelas portas se assomavam, com cara de terror, os poucos socialistas revolucionários e mencheviques que haviam permanecido no Smolny. Aquela música não prenunciava nada bom para seus ouvidos. Pouco a pouco, um atrás do outro, se apressaram a deixar o Smolny. Ficávamos como donos absolutos daquele edifício que se dispunha a plantar a bandeira bolchevique na capital e em todo o país”.

Assim iniciava Trotsky um dos capítulos de sua autobiografia, Minha Vida, dedicado a recordar as noites decisivas em Outubro que antecederam a tomada do poder pelo proletariado russo em Petrogrado, em 1917.

Este episódio, que desencadeou sob diversos pontos de vista o evento mais importante da história universal, dando nascimento ao primeiro Estado operário da história – continuando a tradição da Comuna de Paris de 1871 que resistiu em Paris durante dois meses – e que provaria a validez da teoria e da estratégia marxista, muitas vezes se perde na rotina do dia que passa. Deve, em verdade, ser lembrado como motivo de nossa paixão histórica e o sentido de existência daqueles que militamos diariamente para por fim à sociedade de exploração e opressão capitalista.

A insurreição de Outubro não surgiu como desenlace automático da luta de classes, nem como uma resposta espontânea dos trabalhadores russos à tirania da guerra e da fome. Foi preparada e dirigida minuciosamente em seus mais sólidos detalhes como movimento revolucionário das massas.

Uma vez conquistada, com os testes de aço da revolução e da contrarrevolução, a imensa maioria dos trabalhadores organizados nos sovietes – ou conselhos operários e de soldados, principalmente dos dois mais importantes centros industriais do país, Petrogrado e Moscou – para a idéia da tomada do poder da classe operária como única forma de resolver os problemas imediatos impostos pela história, a tarefa dos bolcheviques passava a ser “desencadear os elementos ofensivos da defesa, transformar a defesa em ataque” e combinar a conspiração como parte integrante da insurreição de massas.

A estratégia revolucionária conduz à conclusão do momento insurrecional como necessidade, como condição para desobstruir o desenvolvimento humano e de suas forças criadoras interrompido pela burguesia. Isso não quer dizer que seja automático encontrar o ponto em que se deva passar “das palavras aos fatos” e transformar a energia e a vontade revolucionária de operários e soldados, temperadas por anos, numa força ofensiva para destruir o Estado burguês. A teoria e a estratégia dão a solidez de granito para a tarefa; mas esta capacidade de percepção é uma arte. O homem – poderíamos chamar de artífice da revolução – que arquitetou o plano de Outubro foi Leon Trotsky.

Segundo as palavras do estudioso militar norteamericano Harold Walter Nelson, Trotsky aproveitou brilhantemente uma combinação favorável das circunstâncias (a ira das massas contra a guerra e contra o Governo Provisório de Kerensky que a mantinha, a debilidade militar deste governo, a segregação no Exército russo e a crescente disposição dos camponeses em por fim à guerra, a recém conquistada hegemonia dos bolcheviques nos sovietes operários) para diminuir a quase zero a possibilidade de fracasso da insurreição.

Esta obra-prima de um verdadeiro gênio militar, que criaria anos depois das ruínas do exército czarista derrotado na Primeira Guerra o poderoso Exército Vermelho, mostra a importância de levantar um marxismo com predominância da estratégia e orientado a fazer a revolução no século XXI. A “arte da insurreição” constitui um elemento fundamental para a fusão da teoria marxista com as novas gerações de trabalhadores e jovens que despertam depois da crise mundial.

A arte da insurreição em 1917

A grande lição da revolução russa é que a tomada do poder, a insurreição das massas exploradas e oprimidas, libera uma enorme quantidade de energia social que deve ser canalizada e conduzida pelos trilhos que levam ao triunfo da revolução.

Cabe destacar que Petrogrado era uma cidade ocidentalizada. Com pouco mais de 1 milhão de habitantes, uma quarta parte correspondia a trabalhadores assalariados, em sua grande maioria industrial metalúrgicos – o complexo metalúrgico de Putilov tinha entre 15 e 20 mil trabalhadores. Os bairros operários de Ovukhovsky, Putilovsky, Baltiisky e Trubotchnyi, além do famoso bairro de Viborg, evidenciavam uma genuína cidade capitalista moderna. De fato, já em 1911, 54% dos trabalhadores russos trabalham em fábricas com mais de 500 assalariados, enquanto as cifras correspondentes nos Estados Unidos eram de 31%.

A insurreição de Petrogrado, através da ocupação de todos os pontos estratégicos de comunicação e abastecimento da capital e a posterior tomada do Palácio de Inverno, constituiu a prova da necessidade de planificar com clarividência a ofensiva para conseguir um objetivo determinado. A audácia de Trotsky residiu em sua capacidade de aproveitar o Segundo Congresso dos Sovietes como antesala preparatória da insurreição. Como afirmou Isaac Deutscher, a sutileza e a perspicácia tática de Trotsky impedia que seus inimigos soubessem com certeza o que sucederia nos dias seguintes.

Ante o possível ataque alemão à cidade imperial, a 9 de outubro de 1917 se constituiu o Comitê Militar Revolucionário, sob a iniciativa de um jovem socialista revolucionário de esquerda, Lizimir. Este Comitê ficou sob as ordens de Trotsky. A função deste organismo foi organizar a guarnição que tomaria conta da capital, estabelecendo contatos com as tropas do Báltico, da fortaleza de Kronstadt e a marinha finlandesa; contabilizar os recursos humanos disponíveis e as munições; e elaborar um plano de defesa. Imediatamente gozou da autoridade de ser um organismo do Soviete de Petrogrado.

Deste modo, de 10 a 17 de outubro, Trotsky se encarregou de transformar a tarefa de defesa da cidade na insurreição proletária. Ante a notícia de que o Governo Provisório queria abandonar a cidade, o Comitê se pronunciou contrário à decisão do governo e declarou a obrigação das tropas estacionadas na capital de defender a cidade até as últimas conseqüências, exortando o Comitê Executivo a convocar o II Congresso dos Sovietes. Trotsky fez um chamado a rádio a todos os sovietes da Rússia para que enviassem delegados a Petrogrado. Se Kerensky era impotente para garantir a realização do Congresso, isso seria feito pelo Comitê Militar Revolucionário.

O Comitê conquistou a confiança das guarnições de Petrogrado, incluindo os reticentes soldados da Fortaleza de Pedro e Paulo, cárcere dos revolucionários durante décadas. Finalmente, o Soviete deu instruções para que as guarnições obedecessem exclusivamente as decisões do Comitê Militar. Os regimentos e as guardas vermelhas ficaram sob a direção indiscutível de Trotsky.

Nas vésperas da realização do II Congresso, a 23 de outubro o Comitê Militar colocou em marcha o plano de defesa da cidade. Ocuparam-se na madrugada as posições estratégicas da cidade, como a Central de Correios e Telégrafos. De todos os distritos da cidade se lançam destacamentos armados, batendo às portas ou entrando sem bater e ocupando militarmente os edifícios públicos. Em quase toda a parte os trabalhadores os esperam ansiosos.

Nas estações de trem, o Comitê Militar Revolucionário enviou comissários nomeados especialmente para vigiar a chegada e partida de trens, principalmente os que transportam soldados.

Enquanto os periódicos burgueses clamavam furiosamente pela violência, os saques e rios de sangue que correriam com a insurreição, os soldados, marinheiros e operários das guardas vermelhas, executando as ordens vindas do Smolny, sem disparar um tiro e sem derramamento de sangue, iam ocupando todos os prédios públicos.

Trotsky propagandeou e “legalizou” o armamento das guardas vermelhas e da guarnição de Petrogrado para defender a cidade de um possível ataque alemão e garantir a realização do II Congresso dos Sovietes, a 24 de outubro de 1917. Com isso, preparou as condições para transformar uma tática defensiva em uma manobra ofensiva (um rápido golpe fulminante ao que restava do aparato estatal burguês) o que lhe permitiu tomar o poder na capital imperial sem disparar um único tiro. Dito de outra maneira, a insurreição de Petrogrado constituiu a expressão máxima da combinação de manobras de posição (defesa) com a guerra de movimento (ataque). Isto fez com que Harold Nelson definisse o plano de Trotsky como “praticamente inexpugnável: por trás de uma defensiva tática, ele escondia uma ofensiva estratégica”.

Entre 24 e 25 de outubro as guardas vermelhas e a guarnição de Petrogrado tomaram a cidade. O único edifício que ainda não fora tomado era o Palácio de Inverno. Enquanto os delegados debatiam e tomavam decisões no II Congresso, o cruzeiro Aurora bombardeou o Palácio com balas de festim. A rendição das últimas sombras políticas da burguesia encasteladas no velho prédio estava garantida. Os bolcheviques contaram com 2/3 dos delegados no Congresso, que somados aos socialistas revolucionários de esquerda resultavam 75% da representação soviética. A tomada do poder político estava consumada. Era o triunfo da revolução de Outubro. Seu maestro, Trotsky. Segundo Deutscher, em seu retorno da clandestinidade em Viborg, Lênin “reconheceu Trotsky, sem reservas, como um companheiro monumental numa ação também monumental”.

Uma contribuição chave para o marxismo na época imperialista

Uma das maiores contribuições de Trotsky ao marxismo foi ser o teórico (e prático) da insurreição proletária, ou seja, da tomada do poder político. Seus escritos enfatizaram como as posições conquistadas da classe operária devem servir ao combate que – dirigido por um partido revolucionário – concentre num ponto determinado a tensão de todas as forças para desferir um golpe mortal no Estado burguês. Trotsky analisou caso a caso distintos processos revolucionários e os momentos históricos de desagregação do poder burguês, definindo as situações precisas da articulação entre a preparação defensiva e a ofensiva da classe operária, para tomada do poder ou para conquistar novas posições preparatórias visando a batalha decisiva: a insurreição revolucionária de massas e a tomada do poder.

A não preparação e utilização das posições conquistadas para fortalecer a classe trabalhadora como sujeito político independente para a revolução é a base do fracasso de distintas correntes da esquerda que vislumbram posições na democracia burguesa como “fins em si mesmas”. Enquanto revolucionários, devemos pensar, pelo contrário, cada posição em função de sua utilidade para o combate e no fragor das lutas atuais, em meio à crise mundial, desenvolver a tarefa apaixonante de dotar os trabalhadores da ferramenta política que destruirá o capitalismo.

Como diz Trotsky, “O marxismo se considera como expressão consciente de um processo histórico inconsciente. Mas o processo ‘inconsciente’ em sentido histórico-filosófico só coincide com sua expressão consciente nos pontos culminantes, quando as massas, pelo impulso de suas forças elementares, arrebentam as comportas da rotina social e dão uma expressão vitoriosa às necessidades mais profundas da evolução histórica. A consciência teórica mais elevada que se tem de uma época, em um determinado momento, se funde com a ação direta das camadas mais profundas das massas oprimidas, afastadas de toda teoria. A fusão criadora do consciente com o inconsciente é o que se chama comumente inspiração. A revolução é um momento de impetuosa inspiração da história”.

Abaixo, um trecho do documentário sobre a Revolução Russa realizado pelo grupo Contraimagem, ligado ao PTS, organização irmã do MRT na Argentina.

FONTE: http://www.esquerdadiario.com.br/A-arte-da-insurreicao-e-o-genio-de-Trotsky-em-1917

Os desdém pelos pobres sempre aparece nos banquetes

A aprovação em primeiro turno da PEC 241 (ou PEC da Morte) representa um profundo ataque contra a maioria pobre da população brasileira e ao nosso futuro enquanto Nação livre e soberana. Afinal, está se cortando o investimento na educação e na saúde do povo brasileiro para que se continue financiando a riqueza e o fausto dos banqueiros, uma classe que enriquece ao custo da pobreza coletiva.

Mas não é sobre isso que eu quero falar. O que mais me impressionou nessa votação não foi a opção dos deputados em si, pois da maioria do congresso nacional eu só espero o pior. O que impressionou foi a realização de um banquete preparatório no final de semana, onde o presidente “de facto” Michel Temer convocou deputados e consortes para um banquete no Palácio da Alvorada ao custo estimado (por baixo) de 150 mil reais (ver imagem abaixo).

nenarakov-0

Esse banquete é um tapa na cara dos contribuintes que bancaram o regabofe e expressa bem como as elites políticas brasileiras se portam no momento em que vão atacar direitos sociais: custos para os pobres ,benesses para as elites.

Mas por uma dessas coisas que só a internet possibilita, encontrei a imagem abaixo numa página pessoal do Facebook e ela mostra que não é de hoje que as elites banqueteiam enquanto se preparam para aprovar medidas que implicarão em graves prejuízos aos pobres.

nenarakov

Essa foto  é de Maio de 1917 e mostra um banquete na casa de um dos príncipes do Império do Czar Nicolau II no mesmo período em a nobreza russa votava o regime de contenção de alimentos para a população (em virtude da Primeira Guerra Mundial).

Pois bem, o que aconteceu cinco meses depois que um fotógrafo imortalizou esse jantar suntuoso? Sim, isso mesmo, a Revolução Russa! Aliás, esta foto foi tirada do livro  de A’lbert P. Nenarokov intitulado “A revolução mês a mês” e que foi publicado no Brasil pela Editora Civilização.

Ainda que no Brasil nos falte um partido como o liderado por Lênin e seus camaradas, não posso deixar de pensar que também aqui o jantar suntuoso de hoje poderá ser sucedido por uma revolta do povo. A ver!