“Você sabe com quem está falando?” em tempos de pandemia

vacina

Coube ao antropólogo Roberto DaMatta sintetizar a lógica autoritária com que os poderosos e mais abastados exercem suas prioridades sobre o resto da população brasileira sob a frase “Você sabe com quem está falando”?  DaMatta, aliás, acaba de lançar um livro com este título, onde ele promete explicar aspectos complementares do autoritarismo vigente na sociedade brasileira pela editora Rocco.

Apesar de ainda não ter tido a oportunidade de adquirir o livro de DaMatta, eu já me antecipo e indico que uma forma especialmente arrogante de exercício do “Você sabe com quem está falando?” está ocorrendo na furação de filas para ser vacinado contra a COVID-19. Um primeiro exemplo veio justamente de Manaus, onde duas irmãs gêmeas, jovens médicas e milionárias, foram nomeadas para a Secretaria Municipal de Saúde, aparentemente para furarem a fila da vacina. A situação acabou oferecendo ainda mais combustível para a a situação socialmente que foi gerada pela incompetência dos diferentes níveis de governo de impedir dezenas de mortes por asfixia por falta de oxigênio na capital do estado do Amazonas.

Engana-se que a aplicação do “Você sabe com quem está falando?” se resumiu às gêmeas milionárias de Manaus, pois fui informado que um apadrinhado de um político local recebeu tratamento, digamos, especial em pleno Hospital Geral de Guarus, foi vacinado antes dos profissionais daquele unidade de saúde. Lamentavelmente não me foi fornecida nem a identidade do furador de fila ou imagens do momento em que a furação de fila ocorreu.  Entretanto, a fonte que me passou a informação é bastante confiável, e, por isso, não tenho dúvidas de que o fato ocorreu.

O que podemos dizer para indivíduos, a maioria bem educada e capaz de comprar uma passagem para se vacinar em países que estão fazendo isso com os turistas que desafiam o medo da pandemia para viajar, que não se hesitam em passar na frente e deixar aqueles que deveriam ser vacinados primeiro para trás? Provavelmente que eles expressam o que há de mais arcaico e autoritário em uma sociedade que prima por tratar os pobres como bucha de canhão, especialmente em um momento em que um vírus letal ameaça solapar toda o planeta.

Mas esses que exercem o “Você sabe com quem está falando?” em meio a uma pandemia estão pouco se importando com os seus semelhantes, especialmente os mais pobres. Por isso, é que nos cabe publicizar todos os casos comprovados de furadores de fila, pois esse comportamento não pode ser tolerado sob pena da instalação da mais completa forma de barbárie social.

Quem sabe faz, quem não sabe ensina!

Liquidar uma universidade é um crime inominável contra a juventude, contra o Brasil econtra o que nos torna humanos: a transmissão do saber

DAMTTA

Por Roberto DaMatta

Para Renato — biólogo, professor que honra a sua universidade, amado filho e amigo querido.

No dia 13 de março, eu tive a honra abrir o ano letivo da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) — Universidade Darcy Ribeiro, em Campos dos Goytacazes. O evento foi maquinado por Arno Vogel, colega e ex-aluno; pelo reitor Luis Passoni e pelo professor de Biologia Renato Augusto da Matta, um pioneiro da instituição que, por acaso e para orgulho de quem assina esta coluna, é meu filho e fazia 50 anos.

E assim eu falei da Antropologia que tenho tentado dignificar para o público mas também, eis a bênção recebida, para a família que constituí.

_______________

Na minha idade, é inevitável não pensar nos abalos das primeiras e últimas vezes. Na noite anterior, veio a mim por inteiro a minha primeira aula de Antropologia Social dada na então Faculdade Fluminense de Filosofia, em Niterói, nos anos 60. Foi quando eu vi o tamanho da minha ignorância. Já na aula magna, a angústia vinha do que falar quando o Brasil é tristemente coberto pelo manto corrupção como um valor: como uma dimensão que, vergonhosamente, permeia a política e o poder de nossa vida coletiva.

_______________

Aulas magnas ocorrem no início de anos letivos, mas nem todas acontecem em circunstâncias tão adversas, pois o projeto que eu tive o orgulho de inaugurar é parte de uma “resistência” contra a crise. Contra a possibilidade tenebrosa de fechamento da Uenf. Uma possibilidade à qual os seus alunos, administradores e professores resolveram resistir.

Liquidar uma universidade é um crime inominável contra a juventude, contra o Brasil e contra o que nos torna humanos: a transmissão do saber debaixo da égide da compreensão de nós mesmos como sujeitos da nossa própria salvação neste mar ondulado pelas maravilhas e sofrimentos chamado de “vida”.

_________________

Abri minha aula — intitulada “Toda a vida dando aula” — dizendo o seguinte: “A falta de recursos para as universidades é um sinal de como os administradores públicos (os quais, de fato, exprimem crenças, ideais e práticas nacionais) veem o papel dos professores na nossa sociedade”.

Depois, apoiei enfaticamente a resistência. Uma escola não é uma fábrica. Professores não são donos e alunos, empregados. No mundo do trabalho, essa oposição pode ter a marca da contradição. No universo do ensino, trata-se do justo oposto: o encontro de mestres e alunos promove reversões, e estes tornam-se mestres ainda mais sagazes e cultos do que aqueles. Ideias valem mais do que dinheiro, e a sua mais-valia é uma troca na qual quem não sabia acaba sabendo mais do que o mestre.

No caso, afirmei, o revolucionário é resistir — continuar a qualquer custo.

Em seguida lembrei um dos axiomas mais trágicos da vida social brasileira. Um princípio estruturante da nossa concepção de mundo que tento ouvido quando sou apresentado como professor.

O boçal olha para mim com um misto de pena e desprezo, enche a boca, e arrota: “Quem sabe faz! Quem não sabe, ensina!”

Fodam-se em escolas, colégios e universidades.

Como se ensinar não fosse, de fato e de direito, o maior e o mais englobante dos fazeres e como se o fazer fosse possível sem o balizamento da competência, do limite, do desperdício e da dignidade para com o todo ao qual pertencemos. Ora, ensinar é justamente a “teoria-com-a-prática” de fazer enxergar o conjunto. Ensinar é falar de como as coisas começam, onde elas estão, como funcionam e para onde podem ir ou devem seguir. É uma escada construída unindo diferente gerações. Nela, ninguém está parado, e quem está subindo acaba descendo e quem começa termina no alto. É essa movimentação que constitui o ensino, e é nela que se assenta a inovação.

Neste procossso, há balizamentos claros. Ninguém ensina o que não sabe. Ninguém pode essempenhar um papel sem um mínimo de sinceridade. Não há como mudar sem pensar na responsabilidade para com o conjunto: o país, a nossa contemporaneidade, o mundo em que vivemos. Sem essa consciência, verdade e beleza jamais se unem. Pelo contrário, elas são assassinadas, como parece estar ocorrendo neste nosso Brasil.

Roberto DaMatta é antropólogo

FONTE: http://oglobo.globo.com/opiniao/quem-sabe-faz-quem-nao-sabe-ensina-21093827#ixzz4cF4wINpb