Como a Monsanto manipula jornalistas e pesquisadores

Emails e documentos da Monsanto revelam uma campanha de desinformação para ocultar as ligações do herbicida Glifosato com o câncer

glifosatoO herbicida Roundup da Monsanto, um dos herbicidas mais populares do mundo, pode causar câncer. Foto: Mike Blake / Reuters

Por Carey Gillam para o jornal “The Guardian”

Durante o ano passado, evidências dos esforços enganosos da Monsanto para defender a segurança de seu herbicida Roundup, tido como um agrotóxicos dos mais vendidos no mundo, foram expostas para todos verem. Por meio de três julgamentos civis, a divulgação pública de comunicações corporativas internas revelou uma conduta que os três júris consideraram tão antiética que garante a concessão de indenizações vultosas por danos a serem punidos.

Muita atenção tem sido dada às conversas da Monsanto em que cientistas da empresa discutem casualmente a preparação de artigos científicos e a supressão de pesquisas científicas que entrem em conflito com as afirmações corporativas da segurança do Roundup. Também tem havido indignação pública em relação aos registros internos que ilustram as relações amistosas com oficiais de agências governamentais amigáveis, e que fazem fronteira – e possivelmente cruzam para um conluio.

Mas esses documentos da Monsanto, antes confidenciais, demonstram que o engano foi muito mais profundo. Além da manipulação da ciência e dos reguladores, o engano mais insidioso da empresa pode ser sua manipulação estratégica da mídia, de acordo com os registros.

Recentemente, ficamos sabendo que uma jovem que posava falsamente como repórter independente da BBC em um dos testes de câncer do Roundup era, na verdade, um consultor de “gerenciamento de reputação” da FTI Consulting, cujos clientes incluem a Monsanto. A mulher passou um tempo com jornalistas que cobriam o julgamento de Hardeman v Monsanto em São Francisco, fingindo fazer reportagens, enquanto também sugeria aos verdadeiros repórteres certos enredos ou pontos que favoreciam a Monsanto.

O advogado Tim Litzenburg, que representa vários indivíduos que estão processando a Monsanto pelas alegações de que o Roundup causa câncer, me disse que ele localizou o que ele chama de “projeto de dinheiro negro” da Monsanto, com o objetivo de conquistar a opinião pública favorável. O projeto inclui o plantio de artigos de notícias úteis em meios de comunicação tradicionais; desacreditando e assediando os jornalistas que se recusaram a papaguear a propaganda da empresa; e secretamente financiando grupos de fachada para ampliar o sistema de mensagens pró-Monsanto nas plataformas de mídia social.

“Agora sabemos que eles tinham jornalistas de estimação que pressionavam a propaganda da Monsanto sob o disfarce de ‘reportagem objetiva'”, disse-me Litzenburg, um parceiro da firma Kincheloe, Litzenburg & Pendleton. “Ao mesmo tempo, a Monsanto procurou reunir dossiês para desacreditar os jornalistas que eram corajosos o suficiente para falar contra eles”.

De acordo com os documentos internos da Monsanto que Litzenburg recebeu por meio da descoberta, as narrativas pró-Monsanto são disseminadas por indivíduos e grupos que promovem o trabalho de jornalistas que seguem as histórias desejadas pela Monsanto, procurando difamar e desacreditar jornalistas cujo trabalho ameaça a Monsanto.

Para mim, um jornalista de carreira que passou 17 anos cobrindo a Monsanto para a agência internacional de notícias Reuters, as revelações não são surpreendentes. Em 2014, uma organização chamada Academics Review publicou dois artigos contundentes sobre meu trabalho na Reuters escrevendo sobre as culturas geneticamente modificadas da Monsanto e seu negócio de herbicidas com o Roundup. A Monsanto tinha ficado insatisfeita com algumas das minhas histórias, reclamando que eu não deveria estar incluindo as opiniões dos críticos da empresa. Academics Review amplificou essas queixas sob o pretexto de ser uma associação independente.

Documentos internos da Monsanto revelaram, no entanto, que o Academics Review era e é tudo menos independente. A organização foi uma criação da Monsanto, projetada como um veículo para responder a “preocupações e alegações científicas” enquanto “mantinha a Monsanto em segundo plano para não prejudicar a credibilidade da informação”, como em um e-mail de novembro de 2010 do executivo da Monsanto, Eric Sachs. afirmou. De acordo com a cadeia de e-mails de 11 de março de 2010, a Academics Review foi criada com a ajuda de um ex-diretor de comunicações corporativas da Monsanto que montou sua própria loja de relações públicas e ex-vice-presidente de uma associação comercial da indústria de biotecnologia da qual a Monsanto era membro.

Outros documentos internos mostram o dinheiro e as ordens da Monsanto por trás do Conselho Americano de Ciência e Saúde (ACSH), uma organização que pretende ser independente da indústria enquanto publica artigos atacando jornalistas e cientistas cujo trabalho contradiz a agenda da Monsanto. Artigos escritos por associados da ACSH apareceram no USA Today, no Wall Street Journal e na Forbes.

A ACSH publicou vários artigos destinados a desacreditar não apenas a mim, mas também o repórter do New York Times, vencedor do Pulitzer, Eric Lipton, que a ACSH chama de “science birther“, e a ex-repórter do New York Times Stephanie Strom, acusada pelo ACSH de “jornalismo irresponsável“. ”Pouco antes de sair do papel. Ambos os repórteres escreveram artigos expondo preocupações sobre a Monsanto. Danny Hakim, do New York Times, também foi alvo da ACSH por escrever sobre a Monsanto. “Danny Hakim está mentindo para você”, diz um dos vários posts da ACSH sobre Hakim.

E-mails internos da Monsanto mostram o ACSH buscando e recebendo compromissos financeiros da Monsanto. Uma cadeia de e-mail de 2015 entre a empresa e o ACSH detalha o apoio financeiro “irrestrito” que a ACSH deseja enquanto estabelece os “impactos” nas mídias sociais que o ACSH está atingindo. “Todos os dias trabalhamos duro para provar o nosso valor para empresas como a Monsanto…” afirma o email da ACSH.  Outra cadeia de e-mails entre os executivos da Monsanto afirma que “VOCÊ NÃO TERÁ UM VALOR MELHOR PARA O SEU DÓLAR do que o ACSH”.

Tom Philpott, um jornalista de longa data da revista Mother Jones, que escreveu criticamente sobre as culturas geneticamente modificadas por vários anos, também sentiu a dor do assédio da indústria.

“Estes são ataques cruéis e totalmente infundados à credibilidade de um jornalista, bem planejados para minar o seu empregador”, ele me disse.

Enquanto assedia os repórteres cuja cobertura considera negativa, a Monsanto também encontrou maneiras de cultivar certos jornalistas para levar suas mensagens ao público. Os documentos internos da Monsanto mostram que quando a empresa quis desacreditar a Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC) depois que o grupo classificou o herbicida Glifosato da Monsanto como um provável agente cancerígeno, a Monsanto recorreu a um repórter da Reuters com sugestões específicas.

Os e-mails mostram que uma reportagem polêmica publicada em junho de 2017 pela Reuters, levantando questões sobre a integridade da revisão do glifosato feita pela IARC, foi alimentada secretamente para a agência de notícias por Sam Murphey, executivo da Monsanto. Murphey deu ao repórter documentos que ainda não tinham sido arquivados publicamente no tribunal, juntamente com uma narrativa de história desejada e um conjunto de slides de pontos sugeridos para fazer na história. A história, que não revelou a Monsanto como fonte inicial, seguiu de perto as sugestões da Monsanto, os emails mostram.

Outro e-mail recém-divulgado detalha como as impressões digitais da Monsanto estavam em pelo menos duas outras reportagens da Reuters sobre o IARC. Um email de 1º de março de 2016 fala do envolvimento da campanha “Red Flag” da Monsanto em uma reportagem da Reuters criticando o desejo da IARC e da Monsanto de influenciar uma segunda história similar que a Reuters estava planejando. A Red Flag é uma empresa de relações públicas e lobby baseada em Dublin. De acordo com o email, “após o envolvimento da Red Flag alguns meses atrás, a primeira parte foi bastante crítica da IARC”. O email continua: “Você também pode estar ciente de que a Red Flag está em contato com a Reuters em relação ao segundo relatório. nas séries…”

Pouco mais de um mês depois, a Reuters publicou uma reportagem com o título “Relatório Especial: Como a agência de câncer da Organização Mundial da Saúde confunde os consumidores”.

As histórias em questão foram compartilhadas pelo ACSH, pelo American Chemistry Council, pela Monsanto e outros atores.

Na Europa, promotores franceses estão investigando a campanha da Monsanto para manipular jornalistas e outros, incluindo arquivos secretos de pessoas influentes compiladas pela firma de relações públicas da Monsanto, a FleishmanHillard. A Bayer AG, a empresa alemã que adquiriu a Monsanto em junho passado, admitiu que a FleishmanHillard criou listas de pessoas na França, Alemanha, Itália, Holanda, Polônia, Espanha e Reino Unido em nome da Monsanto. A Bayer pediu desculpas pelos arquivos secretos e disse que está contratando um escritório de advocacia externo para investigar o assunto.

Nos Estados Unidos, Raymond Kerins, diretor de comunicações da Bayer, disse-me que a empresa “representa abertura e transações justas, com todos os nossos públicos, incluindo a mídia de notícias”.

O comentário soa vazio enquanto as peças de ataque sobre o caráter das pessoas contra mim e outros jornalistas continuam circulando, e a história de assédio e manipulação de mídia da Monsanto parece estar crescendo – assim como o número de demandantes alegando que o Roundup causa câncer também cresce.

É hora de a desonestidade terminar.

Carey Gillam é jornalista e autora e pesquisadora de interesse público do US Right to Know, um grupo de pesquisa da indústria de alimentos sem fins lucrativos.

________________________________________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Um aborto a cada quatro grávidas

A cidade em que o agrotóxico glifosato contamina o leite materno e mata até quem ainda nem nasceu

intercept 1

Por Nayara Felizardo para o “The Intercept”

O FILHO DE MARIA Félix, de 21 anos, resistiu pouco mais de seis meses de gestação. Morreu ainda no ventre, com apenas 322 gramas. A causa do aborto, que aconteceu com 25 semanas de gravidez, foi má formação: o bebê tinha o intestino para fora do abdômen e também problemas no coração. Não é incomum que as mães da região percam seus filhos precocemente. O bebê de Maria, ao que tudo indica, foi mais uma vítima precoce do agrotóxico glifosato, usado em grandes plantações de soja e de milho em Uruçuí, a 459 km de Teresina, no Piauí.

O mesmo veneno que garante a riqueza dos fazendeiros da cidade, no sul do estado, está provocando uma epidemia de intoxicação com reflexo severo em mães e bebês. Estima-se que uma em cada quatro grávidas da cidade tenha sofrido aborto, que 14% dos bebês nasçam com baixo peso (quase do dobro da média nacional) e que 83% das mães tenham o leite materno contaminado. Os dados são de um levantamento do sanitarista Inácio Pereira Lima, que investigou as intoxicações em Uruçuí na sua tese de mestrado em saúde da mulher pela Universidade Federal do Piauí.

Conheci a história de Maria Félix Costa Guimarães na maternidade do hospital regional Tibério Nunes, na cidade de Floriano. É para lá que as mulheres de Uruçuí são encaminhadas quando têm problemas na gravidez. Nos primeiros exames, feitos em julho, já havia sido identificada a má-formação no feto. Em setembro, no leito do hospital, encontrei a jovem, que lia a Bíblia e se recusava a comer. Carregava um olhar entristecido, meio envergonhado. Ela tinha sofrido o aborto no dia anterior e aguardava o médico para fazer uma ultrassom e se certificar de que não seria necessária a curetagem (cirurgia para retirada de restos da placenta).

Maria não tinha condições emocionais para conversar, por isso falei com a sua tia, a intercept 2funcionária pública Graça Barros Guimarães. Ela não sabia sobre a pesquisa realizada em Uruçuí, mas acredita nos resultados apontados por Lima. “Se a gente for avaliar, o agrotóxico causa problema respiratório e de alergia. Então é claro que se a mulher tiver grávida, o bebê pode se contaminar também”.

Graça me contou que a sobrinha sempre esteve rodeada de fazendas de soja. A casa onde vive, em Uruçuí, fica a cerca de 15 km de uma plantação. Antes, ela morava na zona rural do município de Mirador, no Maranhão, onde também há plantio de soja. “Os fazendeiros tomaram conta de tudo.”

 

Laudo do ultrassom que constatou a morte do bebê. ‘A principal consequência é a atrofia de alguns órgãos’, diz o médico.Imagem: Reprodução

 Em meados de agosto estive em Uruçuí para conversar com profissionais da saúde e com os trabalhadores agrícolas. Eu queria entender como viviam as pessoas no município contaminado pelo glifosato, e se elas tinham noção de que o problema existe. Também liguei para o pesquisador Inácio Pereira Lima, que culpa o agronegócio pelo adoecimento das pessoas. “Tudo isso é consequência do modelo de desenvolvimentoeconômico em que só o lucro está em foco, independente das consequências negativas para a população”, ele me disse.

Epidemia de glifosato

O glifosato é o agrotóxico mais usado no Brasil. É vendido principalmente pela Monsanto, da Bayer, com o nome comercial de Roundup. Seus impactos na saúde humana são tão conhecidos que o Ministério Público pediu que sua comercialização fosse suspensa no Brasil até que a Anvisa fizesse sua reavaliação toxicológica. Em agosto, a justiça aceitou e o glifosfato foi proibido. A suspensão foi classificada como um “desastre” pelo ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e foi duramente combatida por ruralistas e pela indústria.

A decisão, no entanto, foi derrubada pela justiça em segunda instância poucas semanas depois. Maggi – que também é conhecido como “rei da soja” – não escondeu o seu entusiasmo com a liberação do agrotóxico:

intercept 3

A Monsanto diz que o produto é seguro, mas e-mails da empresa divulgados no ano passado mostram que ela pressionou cientistas e órgãos de controle nos EUA para afirmarem que o glifosato não causa câncer. Isso não impediu a Monsanto de ser condenada a pagar mais de R$ 1 bilhão a um homem que está morrendo de câncer nos Estados Unidos. Cerca de 4 mil ações parecidas estão em curso naquele país.

O produto representa quase a metade de todos os agrotóxicos comercializados no Piauí. O pesquisador Lima explicou que a presença da substância no leite materno indica a contaminação direta ou que as quantidades utilizadas na atividade agrícola da região são tão elevadas, que o excesso não foi degradado pelo metabolismo da planta. As mulheres estudadas por ele sequer trabalham nas lavouras: elas estão intoxicadas porque fazem limpeza, cozinham nas fazendas ou porque comeram o herbicida nos alimentos. Lima, em sua tese, explica que o organismo é contaminado pela pele e vias respiratória e oral.

Mulheres, as maiores vítimas

Pelos registros do hospital regional de Uruçuí, os abortos ocorrem geralmente em mulheres entre 20 e 30 anos, que chegam até a 10ª semana de gestação. O número elevado de casos é citado por Iraídes Maria Saraiva, enfermeira plantonista. “São muitas as mulheres que chegam com sangramento ou já com o ultrassom mostrando que o feto não tem batimentos cardíacos. A maioria desses abortos são espontâneos”, me disse.

Muitas mulheres têm a gravidez interrompida logo nas primeiras semanas. Sem saber que estão grávidas, elas seguem trabalhando cercadas pelo glifosato. Quando descobrem, já não há mais o que fazer. “Dificilmente é a primeira gravidez e elas não têm doenças pré-existentes. Quer dizer, são mulheres jovens que aparentam ser saudáveis”, observou a enfermeira.

Há ainda as que sabem que estão esperando um filho mas não podem deixar o trabalho, simplesmente porque dependem do salário. As que passam da fase mais crítica e levam a gravidez até o fim correm alto risco de ter má formação do feto.

Na maternidade de Floriano, o coordenador do setor de obstetrícia Luiz Rosendo Alves da Silva já viu muitos casos de aborto e de má-formação. Ele acredita na culpa dos agrotóxicos. “É uma contaminação lenta, gradual e diária. A principal consequência é a atrofia de alguns órgãos, principalmente coração e pulmão”.

Alanne Pinheiro, enfermeira do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), observa que as mulheres estão expostas aos agrotóxicos de forma mais perigosa do que os homens que trabalham diretamente na aplicação do veneno. “Elas ficam na cozinha ou fazem a limpeza das fazendas e acabam inalando o agrotóxico de forma indireta. Como não usam roupas especiais, sofrem mais o efeito da intoxicação passiva.”

PIB alto, salário baixo

A cidade de 21 mil habitantes tem as características comuns do interior, onde a vida acontece sossegada e todo mundo se conhece. Quase um terço da população vive na zona rural. No percurso de 40 km do centro até o Assentamento Flores – onde moram muitos dos trabalhadores com quem eu pretendia conversar – quase não há árvores, exceto em pontos isolados ao redor da casa grande, a sede da fazenda. A sensação é de um enorme deserto e uma riqueza distribuída entre poucos.

intercept 4

Na pacata Uruçuí, mesmo quem não trabalha diretamente na agricultura está sendo contaminado. Foto: Divulgação/Prefeitura Municipal de Uruçuí

Uruçuí não é um município pobre. O PIB per capita, de R$ 49 mil, era o 2º maior do Piauí em 2015, último ano da pesquisa do IBGE. Perdia apenas para a cidade vizinha, a também agrícola Baixa Grande do Ribeiro. Mas na prática, o salário dos trabalhadores é de R$ 1.900 por mês, em média.

Quem enriquece de verdade são os fazendeiros. A maioria deles saiu do sul do Brasil para o cerrado piauiense em busca de terras e do clima ideal para o plantio de suas lavouras. Outros ocupam ou já ocuparam cargos na política como deputados ou vereadores. É o caso do ex-deputado estadual Leal Júnior, eleito três vezes para o mesmo cargo, e da vereadora de Uruçuí Tânia Fianco.

Joana* trabalhou como cozinheira na Fazenda Serra Branca há sete anos. Ela conta que o cheiro do agrotóxico chega até as trabalhadoras, mesmo quando elas não estão nos locais onde o veneno é aplicado. “Dependendo da posição do vento, a gente sentia. E se tivesse aplicando com o avião, era mais forte. Às vezes eu chegava em casa com dor de cabeça e sabia que era do veneno”, lembra ela, que prefere não se identificar. “Sabe como é, né? A gente depende das fazendas”, conforma-se. O marido ainda trabalha no agronegócio.

Se os males causados pelos agrotóxicos se limitassem às mães e aos seus bebês, o problema já seria grave o bastante, mas o sanitarista Inácio Pereira Lima faz um alerta. “Como minha pesquisa foi voltada para a mulher, coletei amostras biológicas exclusivas; por isso foi o leite. Mas, se a pesquisa fosse da população em geral, poderia optar por outro tipo de amostra como sangue ou urina. E talvez chegasse a esses mesmos resultados. Ou seja, toda a população está sob risco, e não só as mães que amamentam”, me explicou o pesquisador.

Ouvi de muitas pessoas da cidade que alguns fazendeiros não são simpáticos com quem os contraria. O conselho que todo mundo me deu foi: “Não fale com eles”. As fazendas têm seguranças armados.

Decidi ir ao escritório da Fazenda Canel, administrada pelas famílias Bortolozzo e Segnini, originárias de Araraquara, no interior de São Paulo. Eles se instalaram no Piauí há 30 anos e são os pioneiros no plantio de soja no estado. Eu queria entender a posição deles. Todos se negaram a conversar comigo. Funcionários justificaram que os responsáveis estavam “viajando para o exterior”.

Mais medo de demissão do que de doença

Na cidade onde quase todo mundo se conhece, o mesmo segredo é compartilhado. Ninguém fala para os profissionais de saúde quando sente os efeitos do agrotóxico no organismo, e dificilmente o hospital é procurado. Se a intoxicação for mais grave, os trabalhadores escondem dos médicos sua possível causa. É muito difícil detectar laboratorialmente doenças causadas por agrotóxico. Se o paciente não fala, muitas internações provocadas pelos químicos não caem na conta deles.

A enfermeira Alanne Pinheiro me disse que as pessoas têm medo de perder o emprego. “Se eles disserem que estão doentes por causa dos agrotóxicos, aquilo pode repercutir na cidade e ficar mal pro fazendeiro. Os trabalhadores têm mais medo de demissão do que de uma doença.”

Há ainda a falta de conhecimento sobre os riscos dos agrotóxicos. “Eles nem acreditam que possa acontecer algum problema grave porque os danos só aparecem a longo prazo. Não existe a percepção de que os males se acumulam e podem trazer doenças irreversíveis, como um câncer que já se descobre em metástase”, diz Alanne.

Um possível exemplo é João*, marido de Helena*. Conversei com ela porque João sai cedo para a Fazenda Nova Aliança e só chega à noite. Este ano, o trabalhador teve uma alergia nos braços, mas decidiu tratar em casa. Sem avaliação médica e sem exames, João se auto-medicou. “Acho que não foi agrotóxico, porque ele é pedreiro e não mexe com veneno. Deve ter sido por causa do cimento”, opina a mulher.

É comum que os moradores atribuam os sintomas da intoxicação a outras causas. “Os pacientes chegam com queixas vagas, como ardência nos olhos. Mas, quando a gente começa a investigar, eles não falam tudo”, comenta a enfermeira Iraídes. Nas raras vezes em que vão ao hospital, são levados por algum funcionário da fazenda. Com essa vigília, o medo de perder o emprego é maior e a saúde fica em segundo plano.

O Centro de Referência em Saúde do Trabalhador está tentando evitar o alto índice de subnotificação: eles treinam os enfermeiros e médicos para que notifiquem os casos de intoxicação quando perceberem os sintomas, independente do que afirmam os pacientes.

Tecnologia para o lucro

Geivan Borges da Silva é técnico em agropecuária e presta assessoria para muitos fazendeiros de Uruçuí. Ele defende que o uso de sementes transgênicas reduz a necessidade de agrotóxicos. “Quase 100% das áreas plantadas aqui são de variedades transgênicas, resistentes a muitos tipos de praga e ervas daninhas”, ameniza.

Na verdade, as provas científicas dizem o contrário. O dossiê sobre agrotóxicos da Abrasco, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva, mostra que o uso de transgênicos aumentou a necessidade de defensivos agrícolas. É só olhar para a soja, campeã no uso de agrotóxicos: 93% da safra é transgênica, e a quantidade de litros de produtos químicos aumentou mesmo assim.

Na região sul do Piauí, as sementes de milho, soja e algodão também são vendidas pela Monsanto, a mesma que fornece o glifosato, de acordo com o cadastro de junho de 2018 da Agência de Defesa Agropecuária do Piauí, a Adapi.

Outra tecnologia defendida por Silva é a que minimiza a disseminação do agrotóxico no ar: usa-se um produto que aumenta o peso da gota, fazendo com que ela desça diretamente na planta e não disperse com o vento. “Tudo é agricultura de precisão para reduzir os custos”, argumenta.

É certo que essas tecnologias otimizam a produção agrícola, mas elas foram incapazes de evitar a intoxicação de Emanuel*, que trabalha como operador de máquina de aplicação de agrotóxico na Fazenda Condomínio União 2000.

Após um ano trabalhando, Emanuel sentiu tontura, fraqueza, ardência nos olhos e chegou a vomitar. Quem conta essa história é a esposa dele, Rosa*. “Nós fomos pro hospital e quando saiu o resultado do exame, deu que tinha agrotóxico no sangue. A médica passou remédio, mandou ele se afastar do trabalho por um tempo e tomar muito leite”.

Emanuel melhorou, mas há três anos voltou para o mesmo ofício. “Ele já me disse que só fica até o final desse ano. Não vale a pena perder a saúde por causa de dois mil por mês”, diz Rosa. Eram 18h quando me despedi. O marido dela ainda não tinha chegado. Ele trabalha para a vereadora Tânia Fianco, do PSDB.

No Brasil, o Projeto de Lei conhecido como PL do Veneno pretende liberar mais rapidamente vários produtos, entre eles muitos que são à base de glifosato. O lobby da indústria é pesado, e ataca sobretudo a Anvisa, agência reguladora suscetível a todo tipo de pressão e que já mostrou que está disposta a fazer o jogo das grandes corporações.

*Os nomes dos trabalhadores foram alterados para preservar suas identidades.

Foto em destaque: ultrassom que constatou a má-formação no filho de Maria Félix. Ele morreu ainda no útero, com 25 semanas, por causa de má-formação no abdômen e no coração.


Esta reportagem foi inicialmente publicada pelo site jornalístico “The Intercept” [ Aqui!]

Bayer sofre queda acentuada nas bolsas após segunda condenação ligada ao uso de Roundup (Glifosato)

monsanto_4

Segunda condenação na Califórnia por causa da associação com o Linfoma de Non Hodgkin transforma o Round Up (Glifosato) em grande dor de cabeça para a multinacional alemã Bayer.

A segunda condenação imposta ao Glifosato por um tribunal do estado da Califórnia causou um terremoto para a multinacional alemã Bayer nas bolsas de valores. Como informou hoje o jornal Financial Times, uma corte federal de San Francisco acatou ontem os argumentos apresentados pelos advogados de Edwin Hardeman foi um “fator substancial” para causar-lhe um câncer do tipo Linfoma de Non Hodgkin.

bayer shares

Queda nos valor das ações da Bayer após condenação na Califórnia. Fonte: Financial Times.

O problema para a Bayer é que existem cerca de outros 11.000 casos em tramitação apenas em tribunais estadunidenses, e nos dois casos já julgados houve a condenação em função do reconhecimento de que o contato prolongado com o Glifosato pode ser um fator causal no desenvolvimento do Linfoma de Non Hodgkin.

Segundo analistas consultados pelo Financial Times apontaram que a recente queda no preço das ações da Bayer fez com que os mercados já tivessem um risco de litígios de mais de  R$ 110 bilhões apenas nos casos arrolados nos EUA.

Enquanto isso aqui no Brasil, o Glifosato ganhou sinal verde da ANVISA para continuar a ser um dos principais agrotóxicos sendo consumidos em território nacional.  Isso, no entanto, não deverá impedir que também aqui a Bayer venha a ter dores de cabeça (e perdas igualmente altas) por causa de processos de pessoas que eventualmente desenvolveram o Linfoma de Non Hodgkin. 

Mais de 11.000 pessoas estão processando a Bayer por causa do risco de câncer associado ao uso do Glifosato

round up

Por David Meyer para a revista Fortune

A Bayer está agora enfrentando cerca de 11.200  processos judiciais por causa das implicações negativas para a saúde do Roundup e do Ranger Pro, seus herbicidas à base de glifosato.

A gigante alemã revelou a figura na quarta-feira ao anunciar seus resultados para o ano fiscal de 2018. As vendas no ano subiram 13% e o EBITDA antes de itens especiais cresceu 2,8%, mas o lucro líquido do ano caiu mais de três quartos devido a um encargo de prejuízo de US $ 3,8 bilhões e outro encargo de US $ 2,3 bilhões em conexão com a aquisição da Monsanto, fabricante do Roundup.

“Nos últimos anos, temos sistematicamente desenvolvido em uma empresa de ciências da vida, claramente alinhado às megatendências em saúde e agricultura e unidos sob a forte marca guarda-chuva Bayer”, disse o presidente da Bayer, Werner Baumann. “A aquisição na área agrícola nos elevou à posição número um nesse mercado. A integração com a Monsanto teve um excelente começo ”.

As ações da Bayer, que tiveram grandes perdas no ano passado de julgamentos judiciais relacionados ao glifosato, subiram 4,7% no anúncio dos resultados. A empresa está atualmente apelando contra uma decisão que diz que seus produtos da Monsanto são responsáveis pelo câncer do jardineiro Dewayne Johnson. Mais sete casos estão previstos para ir a tribunal este ano – na verdade, um começou esta semana. No final de 2018, a Bayer disse que sabia de 9.300 demandantes. Isso significa um aumento de 20% nas reclamações em apenas três meses. “Temos a ciência do nosso lado e continuaremos a defender vigorosamente esse importante e seguro herbicida para uma agricultura moderna e sustentável”, disse Baumann.


Este artigo foi publicado originalmente em inglês pela revista Fortune [Aqui!]

Ação judicial contra a Monsanto aponta que Glifosato ataca bactérias instestinais saudáveis

Ação diz que herbicida é comercializado como atacando enzimas ausentes em seres humanos. Monsanto da Bayer, é processada por milhares de pessoas e enfrenta novo tipo de reivindicação

glifosaro 2

Galões do herbicida Roundup.  Por Jasper Juinen

Por Lydia Mulvany e Deena Shanker para a Bloomberg.

A Monsanto Co.  está sendo processada por milhares de agricultores e por outros clientes que culpam seus cânceres ao uso massivo do herbicida Roundup. Agora, a alemã Bayer AG, que comprou a gigante da agricultura no ano passado, enfrenta a alegação de que enganou os usuários sobre o impacto do Roundup em suas bactérias intestinais e sua saúde.

O processo, aberto na quarta-feira em um tribunal federal em Kansas City, Missouri, afirma que os rótulos de produtos como o Weed & Grass Killer da Roundup garantem falsamente aos consumidores que eles têm como alvo uma enzima não encontrada “em pessoas ou animais de estimação”.

De acordo com a ação – que nomeia três consumidores como demandantes que buscam indenização monetária não especificada e status de ação coletiva – o ingrediente ativo do Roundup, o glifosato, ataca uma enzima também encontrada nas bactérias intestinais benéficas de seres humanos e alguns animais.

“A Monsanto enganou os consumidores sobre os riscos do glifosato por décadas”, disse o advogado Robert F. Kennedy Jr. em um e-mail. “Apesar dos esforços da empresa para suprimir e distorcer a pesquisa sobre o glifosato, a ciência está em ação.”

Os produtos Roundup em questão são distribuídos pela Scotts Miracle-Gro, que também é nomeada como réu. Dois outros processos, em Wisconsin e Washington, D.C., baseiam-se em argumentos semelhantes, mas não são ações de classe. 

Daniel Childs, porta-voz da Bayer, disse em uma declaração por e-mail que a ação não tem mérito e que a empresa “aguarda com expectativa a defesa do mérito”. Um processo semelhante apresentado pelos mesmos advogados em Wisconsin foi negado a certificação de classe porque eles falharam em provar que os membros da classe pretendidos tinham visto os rótulos, disse Bayer. 

Scotts não respondeu aos pedidos de comentários por e-mail. James Hagedorn, diretor executivo da Scotts, disse em uma chamada de novembro com analistas que a empresa é “indenizada por qualquer litígio de glifosato em nosso papel como agente de marketing”. 

As vendas norte-americanas do Roundup na categoria de jardinagem totalizaram US $ 295 milhões em 2017, de acordo com os dados mais recentes disponibilizados pelo pesquisador de mercado Euromonitor. O produto químico também é uma espinha dorsal da agricultura moderna. O segmento de produtividade agrícola da Monsanto arrecadou US $ 3,7 bilhões em 2017, com as vendas da Roundup  sendo a parte principal.

A Bayer herdou a defesa do Roundup quando comprou a Monsanto, de St. Louis, e atualmente enfrenta ternos por mais de 8 mil pessoas que dizem que o herbicida foi um fator em seus cânceres. O glifosato é o herbicida mais comumente usado no mundo, aprovado para o controle de ervas daninhas em mais de 100 cultivos somente nos EUA, de acordo com a Bayer. 

Em agosto, um júri em um tribunal estadual da Califórnia concedeu US $ 289 milhões em danos, posteriormente reduzidos para US$ 78 milhões, a Dewayne Lee Johnson, ex-zelador da escola que alegou que Roundup contribuiu significativamente para o seu Linfoma Não-Hodgkin terminal. O preço das ações da empresa despencou, apagando US $ 16 bilhões em valor de mercado em uma semana. 

A Bayer disse que os tribunais americanos acabarão descobrindo que o glifosato não é responsável pelo câncer de Johnson. A Monsanto disse há décadas que o glifosato é seguro. 

A queixa de quarta-feira se concentra no alegado papel do glifosato nos intestinos. As bactérias intestinais tornaram-se um dos principais focos da pesquisa médica, com um microbioma prejudicial ligado a tudo, desde a obesidade até a depressão. 

“Este processo representa a mais recente frente na luta contínua pela transparência do glifosato”, disse o procurador Clark A. Binkley em um e-mail. “Ao entrar no Missouri, estamos levando essa briga para a Monsanto.” 

O caso é Jones et al. v. Monsanto Co. e outros, Tribunal Distrital dos EUA, Distrito Oeste do Missouri (Kansas City).


Artigo publicado originalmente em inglês pela Bloomberg New [Aqui!]

O mais novo fantasma da Monsanto

POR JEFF RITTERMAN, M.D.

140811-Monsanto

Estudo sugere: doença ainda inexplicada, que destrói rins e já matou milhares de agricultores, pode estar relacionada ao glifosato, herbicida-líder da transnacional

Por Jeff Ritterman, no Truthout | Tradução Maria Cristina Itokazu

O herbicida Roundup, da Monsanto, foi vinculado à epidemia de uma misteriosa doença renal fatal que apareceu na América Central, no Sri Lanka e na Índia.

Há anos, os cientistas vêm tentando desvendar o mistério de uma epidemia de doença renal crônica que atingiu a América Central, a Índia e o Sri Lanka. A doença ocorre em agricultores pobres que realizam trabalho braçal pesado em climas quentes. Em todas as ocasiões, os trabalhadores tinham sido expostos a herbicidas e metais pesados. A doença é conhecida como CKDu (Doença Renal Crônica de etiologia desconhecida). O “u” (de “unknown”, desconhecido) diferencia essa enfermidade de outras doenças renais crônicas cuja causa é conhecida. Poucos profissionais médicos estão cientes da CKDu, apesar das terríveis perdas impostas à saúde dos agricultores pobres, de El Salvador até o sul da Ásia.

Catharina Wesseling, diretora regional do Programa Saúde, Trabalho e Ambiente (Saltra) na América Central, pioneiro nos estudos iniciais sobre o surto ainda não esclarecido na região, diz o seguinte: “Os nefrologistas e os profissionais da saúde pública dos países ricos não estão familiarizados com o problema ou duvidam inclusive que ele exista”.Wesseling está sendo diplomática. Na cúpula da saúde de 2011, na cidade do México, os EUA rechaçaram uma proposta dos países da América Central que teria listado a CKDu como uma das prioridades para as Américas.

David McQueen, um delegado norte-americano do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, que posteriormente se desligou dessa agência, explicou a posição de seu país. “A ideia era manter o foco nos fatores de risco chave que poderíamos controlar e nas grandes causas de morte: doença cardíaca, câncer e diabetes. E sentíamos que a posição que assumimos incluía a CKD”.

Os norte-americanos estavam errados. Os delegados da América Central estavam certos. A CKDu é um novo tipo de doença. Essa afecção dos rins não resulta da diabetes, da hipertensão ou de outros fatores de risco relacionados com a dieta. Diferentemente do que acontece na doença renal ligada à diabetes ou à hipertensão, muitos dos danos da CKDu ocorrem nos túbulos renais, o que sugere uma etiologia tóxica.

Agricultor salvadorenho voltando dos campos. Palo Grande, El Salvador. Foto: cortesia de Vivien Feyer.

Agricultor salvadorenho voltando dos campos. Palo Grande, El Salvador. Foto: cortesia de Vivien Feyer.

Hoje, a CKDu é a segunda maior causa demortalidade entre os homens em El Salvador. Esse pequeno e densamente povoado país da América Central tem atualmente a maior taxa de mortalidadepor doença renal no mundo. Os vizinhos Honduras e Nicarágua também têm taxas extremamente altas de mortalidade por doença renal. Em El Salvador e Nicarágua, mais homens estão morrendo por CKDu do que por HIV/Aids, diabetes e leucemia juntas. Numa região rural da Nicarágua, tantos homens morreram que a comunidade é chamada “A Ilha das Viúvas“.

Além da América Central, a Índia e o Sri Lanka foram duramente atingidos pela epidemia. No Sri Lanka, mais de 20 mil pessoas morreram por CKDu nas últimas duas décadas. No estado indiano de Andhra Pradesh, mais de 1.500 pessoas receberam tratamento para a doença desde 2007. Como a diálise e o transplante de rim são raros nessas regiões, a maioria dos que sofrem de CKDu irão morrer da doença renal.

Numa investigação digna do grande Sherlock Holmes, um cientista-detetive do Sri Lanka, dr. Channa Jayasumana, e seus dois colegas, dr. Sarath Gunatilake e dr. Priyantha Senanayake, lançaram uma hipótese unificadora que poderia explicar a origem da doença. Eles argumentaram que o agente agressor deve ter sido introduzido no Sri Lanka nos últimos trinta anos, uma vez que os primeiros casos apareceram em meados da década de 1990. Essa substância química também devia ser capaz de, em água dura, formar complexos estáveis com os metais e agir como um escudo, impedindo que esses metais sejam metabolizados no fígado. O composto também precisaria agir como um mensageiro, levando os metais até o rim.

Mural celebrando a vida agrária tradicional. Juayua, El Salvador. Foto: cortesia de Vivien Feyer.

Mural celebrando a vida agrária tradicional. Juayua, El Salvador. Foto: cortesia de Vivien Feyer.

Sabemos que as mudanças políticas no Sri Lanka no final dos anos 1970 levaram à introdução dos agroquímicos, principalmente no cultivo do arroz. Os pesquisadores procuraram os prováveis suspeitos. Tudo apontava para o glifosato, um herbicida amplamente utilizado no Sri Lanka. Estudos anteriores tinham mostrado que o glifosato liga-se aos metais e o complexo glifosato-metal pode durar por décadas no solo.

O glifosato não foi originalmente criado para ser usado como herbicida. Patenteado pela Stauffer Chemical Company em 1964, foi introduzido como um agente quelante, porque se liga aos metais com avidez. O glifosato foi usado primeiramente na remoção de depósitos minerais da tubulação das caldeiras e de outros sistemas de água quente.

É essa propriedade quelante que permite que o glifosato forme complexos com o arsênio, o cádmio e outros metais pesados encontrados nas águas subterrâneas e no solo na América Central, na Índia e no Sri Lanka. O complexo glifosato-metal pesado pode entrar no corpo humano de diversas maneiras: pode ser ingerido, inalado ou absorvido através da pele. O glifosato age como um cavalo de Troia, permitindo que o metal pesado a ele ligado evite a detecção pelo fígado, uma vez que ele ocupa os locais de ligação que o fígado normalmente obteria. O complexo glifosato-metal pesado chega aos túbulos renais, onde a alta acidez permite que o metal se separe do glifosato. O cádmio ou o arsênio causam então danos aos túbulos renais e a outras partes dos rins, o que ao final resulta em falência renal e, com frequência, em morte.

Por enquanto, a elegante teoria proposta pelo dr. Jayasumana e seus colegas pode apenas ser considerada geradora de hipóteses. Outros estudos científicos serão necessários para confirmar a hipótese de que a CKDu realmente se deve à toxicidade do glifosato-metal pesado para os túbulos renais. Até agora, esta parece ser a melhor explicação para a epidemia.

Outra explicação é a de que o estresse por calor pode ser a causa, ou a combinaçãoentre estresse por calor e toxicidade química. A Monsanto, claro, tem defendido o glifosato e contestado a afirmação de que ele tenha qualquer coisa a ver com a origem da CKDu.

Ainda que não exista uma prova conclusiva a respeito da causa exata da CKDu, tanto o Sri Lanka quanto El Salvador invocaram o princípio da precaução. El Salvador baniu o glifosato em setembro de 2013 e atualmente está procurando alternativas mais seguras. O Sri Lanka baniu o glifosato em março deste ano por causa de preocupações a respeito da CKDu.

Mural celebrando a vida camponesa tradicional, Palo Grande, El Salvador. Foto: cortesia de Vivien Feyer.

O glifosato tem uma história interessante. Depois de seu uso inicial como agente descamador pela Stauffer Chemical, os cientistas da Monsanto descobriram suas qualidades herbicidas. A Monsanto patenteou o glifosato como herbicida na década de 1970 e tem usado a marca “Roundup” desde 1974. A empresa manteve os direitos exclusivos até o ano 2000, quando a patente expirou. Em 2005, os produtos com glifosato da Monsanto estavam registrados em mais de 130 países para uso em mais de cem tipos de cultivo. Em 2013, o glifosato era o herbicida com maior volume de vendas no mundo.

A popularidade o glifosato se deve, em parte, à percepção de que é extremamente seguro. O site da Monsanto afirma:

O glifosato se liga fortemente à maioria dos tipos de solo e por isso não permanece disponível para absorção pelas raízes das plantas próximas. Funciona pela perturbação de uma enzima vegetal envolvida na produção de aminoácidos que são essenciais para o crescimento da planta. A enzima, EPSP sintase, não está presente em pessoas ou animais, representando baixo risco para a saúde humana nos casos em que o glifosato é usado de acordo com as instruções do rótulo.

Por causa da reputação do glifosato em termos de segurança e de efetividade, John Franz, que descobriu a sua utilidade como um herbicida, recebeu a Medalha Nacional de Tecnologia em 1987. Franz também recebeu o Prêmio Carothers da Sociedade Americana de Química em 1989, e a Medalha Perkins da Seção Americana da Sociedade da Indústria Química em 1990. Em 2007, foi aceito no Hall da Fama dos Inventores dos EUA pelo seu trabalho com o herbicida. O Roundup foi nomeado um dos “Dez Produtos que Mudaram a Cara da Agricultura“ pela revista Farm Chemicals, em 1994.

Nem todo mundo concorda com essa percepção a respeito da segurança do glifosato. A primeira cultura de Organismo Geneticamente Modificado (OGM) resistente ao Roundup (soja) foi lançada pela Monsanto em 1996. Nesse mesmo ano, começaram a aparecer as primeiras ervas daninhas resistentes ao glifosato. Os fazendeiros responderam usando herbicidas cada vez mais tóxicos para lidar com as novas superpragas que haviam desenvolvido resistência ao glifosato.

Além da preocupação a respeito da emergência das superpragas, um estudo com ratos demonstrou que baixos níveis de glifosato induzem perturbações hormonal-dependentes graves nas mamas, no fígado e nos rins. Recentemente, dois grupos de ativistas, Moms Across America (Mães em toda a América) e Thinking Moms Revolution(Revolução das Mães Pensantes), pediram à Agência Americana de Proteção Ambiental (EPA) para pedir um recall do Roundup, citando um grande número de impactos adversos sobre a saúde das crianças, incluindo déficit de crescimento, síndrome do intestino solto, autismo e alergias alimentares.

O glifosato não é um produto comum. Além de ser um dos herbicidas mais usados no mundo, é também o pilar central do templo da Monsanto. A maior parte das sementes da empresa, incluindo soja, milho, canola, alfafa, algodão, beterraba e sorgo, são resistentes ao glifosato. Em 2009, os produtos da linha Roundup (glifosato), incluindo as sementes geneticamente modificadas, representavam cerca de metade da receita anual da Monsanto. Essa dependência em relação aos produtos com glifosato torna a Monsanto extremamente vulnerável à pesquisa que questiona a segurança do herbicida.

As sementes resistentes ao glifosato são desenhadas para permitir que o agricultor sature os seus campos com o herbicida para matar todas as ervas daninhas. A safra resistente ao glifosato pode então ser colhida. Mas se a combinação do glifosato com os metais pesados encontrados na água subterrânea ou no solo destroi os rins do agricultor no processo, o castelo de cartas desmorona. É isso que pode estar acontecendo agora.

Um confronto sério está tomando corpo em El Salvador. O governo norte-americano tempressionado El Salvador para que compre sementes geneticamente modificadas da Monsanto ao invés de sementes nativas dos seus próprios produtores. Os EUA têmameaçado não liberar quase US$ 300 milhões em empréstimos caso El Salvador não compre as sementes da Monsanto. As sementes geneticamente modificadas são mais caras e não foram adaptadas para o clima ou para o solo salvadorenho.

A única “vantagem” das sementes OGM da Monsanto é a sua resistência ao glifosato. Agora que ele se mostrou uma possível, e talvez provável, causa de CKDu, essa “vantagem” já não existe.

Mural, Concepción de Ataco, El Salvador. Foto: cortesia de Vivien Feyer.

Mural celebrando a vida camponesa tradicional, Palo Grande, El Salvador. Foto: cortesia de Vivien Feyer.

Qual a mensagem dos EUA para El Salvador, exatamente? Talvez a hipótese mais favorável seja a de que os EUA não têm ciência de que o glifosato pode ser a causa da epidemia de doença renal fatal em El Salvador e que o governo sinceramente acredita que as sementes OGM vão proporcionar um rendimento melhor. Se for assim, uma mistura de ignorância e arrogância está no coração desse tropeço na política externa norte-americana. Uma explicação menos amigável poderia sugerir que o governo coloca os lucros da Monsanto acima das preocupações acerca da economia, do meio ambiente e da saúde dos salvadorenhos. Essa visão poderia sugerir que uma mistura trágica de ganância, descaso e insensibilidade para com os salvadorenhos está por trás da política americana.

Infelizmente, existem evidências que corroboram a segunda visão. Os EUA parecem apoiar incondicionalmente a Monsanto, ignorando qualquer questionamento a respeito da segurança dos seus produtos. Telegramas divulgados pelo WikiLeaks mostram que diplomatas norte-americanos ao redor do mundo estão promovendo as culturas OGM como um impertativo estratégico governamental e comercial. Os telegramas também revelam instruções no sentido de punir quaisquer países estrangeiros que tentem banir as culturas OGM.

Qualquer que seja a explicação, pressionar El Salvador, ou qualquer país, para que compre sementes OGM da Monsanto é um erro trágico. Não é uma política externa digna dos EUA. Vamos mudar isso. Vamos basear nossa política externa, assim como a doméstica, nos direitos humanos, na vanguarda ambiental, na saúde e na equidade.

Pós-escrito: Depois que vários artigos a respeito da questão das sementes apareceram na mídia, o The New York Times informou que os EUA reverteram sua posição e devem parar de pressionar El Salvador para que compre as sementes da Monsanto. Até agora, os empréstimos ainda não foram liberados.

FONTE: http://outraspalavras.net/capa/o-mais-novo-fantasma-da-monsanto/