No dia de hoje, o mote tem que ser “É o salário-mínimo, estúpido!”

guedes bolso 1

Reportagem da Folha de São Paulo revelou os planos sinistros de Paulo Guedes contra o salário-mínimo, aposentadorias e pensões, no que seria um brutal ataque à condição de vida dos pobres brasileiros

Em 1992 durante a campanha presidencial de Bill Clinton em que ele concorria contra George Bush pai, um dos seus principais estrategistas de campanha, James Carville, cunhou a frase que definiria a forma pela qual a mensagem de mudança se daria. Carville cunhou a famosa frase “It´s the economy, stupid” (ou em português; É a economia, estúpido!).

Pois bem, 30 anos depois temos uma eleição marcada por uma gigantesca compra de votos e uso do aparelho do Estado para dar uma mão gigantesca para que Jair Bolsonaro seja reeleito. O emprego de uma gigantesca fábrica de fake news empurrou o debate para o campo dos costumes até a penúltima semana de campanha quando uma matéria da Folha de São Paulo revelou os planos de arrocho econômico contra trabalhadores, aposentados e pensionistas que estavam sendo gestados na encolha pelo ministro Paulo Guedes.

Repentinamente, a campanha eleitoral saiu do campo dos costumes para o salarial, especialmente porque um dos alvos preferenciais de Paulo Guedes é o salário-mínimo, fonte de sustento de pelo menos 70 milhões de brasileiros que hoje se equilibram para não passar fome, como já ocorre com 31 milhões de nossos compatriotas.

Pois bem, essa mudança de pauta foi, provavelmente, o marco de uma mudança na tendência no aperto estatístico que o governo Bolsonaro estava conseguindo a partir de um derrame de recursos públicos na forma de distribuição de auxílios, mas que objetivamente era uma forma estatal de compra de votos.

Passando do campo dos costumes para o “É o salário-mínimo, estúpido”, o avanço de Jair Bolsonaro desacelerou e o ex-presidente Lula chega hoje com boas chances de vitória. Tanto isso é verdade que ontem o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre Moraes, teve que desarmar uma bomba preparada pelo ministro de Justiça na forma de operações de coerção de livre movimentação de eleitores, especialmente no Nordeste. Essa operação de última hora envolvendo a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Polícia Federal (PF) aparentemente se destinava a aumentar a abstenção na região onde Lula terá uma maioria expressiva de votos. O nome disso, sem tirar nem pôr, é repressão ao direito de voto dos brasileiros.

Agora é esperar que as manobras desesperadas do governo Bolsonaro não resultem no aumento da abstenção e que a maioria expressa nas pesquisas se transforma em realidade nas urnas.

Mas não esqueçam, caso Lula vença, de enviar um agradecimento às jornalistas que trouxeram à luz os planos macabros de Paulo Guedes contra os trabalhadores, aposentados e pensionistas brasileiros.

No domingo, precisamos votar para derrotar Jair Bolsonaro e Paulo Guedes e seus planos nefastos contra o povo brasileiro

guedes bolso

Figura de proa na campanha eleitoral de 2018, o ministro da Fazenda Paulo Guedes repentinamente se viu forçado a sair das sombras que se encontrava na atual campanha para oferecer sua visão de futuro para o Brasil, e eles não são nada bons para os pobres.  Forçado a isso pelas revelações trazidas à luz por reportagens da “Folha de São Paulo” e do “Estado de São Paulo”,  Paulo Guedes consegue a proeza de negar confirmando o que pretende fazer com a economia brasileiro, caso Jair Bolsonaro consiga se reeleger.

Além de desindexar o salário-mínimo, aposentadorias e pensões da inflação passada (o que objetivamente implicará em um confisco de renda de mais de 70 milhões de brasileiros pobres), Guedes também pretende acabar com as deduções no Imposto de Renda com gastos de saúde e educação, novamente prejudicando os segmentos mais pobres da população (veja o que Guedes pensa sobre aposentadorias no vídeo abaixo).

Mas esses confiscos são apenas perfumaria em relação aos planos de privatização do Banco do Brasil, da Petrobras e das universidades federais.  É o avanço dessas metas de desnacionalização completa e asfixia de qualquer possibilidade de o Brasil participar em condições minimamente competitivas da chamada Revolução Industrial 4.0 que realmente embala os planos de Paulo Guedes que aparentemente sonha com um país atolado em uma cultura neocolonial misturada com a especulação financeira globalizada.

Há que se dizer que economistas de amplas matizes (desde neoliberais até adeptos de maior participação direta do Estado na atividade econômica) consideram que Paulo Guedes é um ministro cujas políticas foram desastrosas para a economia brasileira, resultando em uma profunda regressão de todos os indicadores que são usados para medir a saúde da economia de um país.

Apesar disso, Jair Bolsonaro não dá nem uma sinalização de que pretenda mexer no posto ocupado por Paulo Guedes, mesmo porque a estas alturas ele teria dificuldade de encontrar qualquer pessoa disposta a sentar no lugar do seu “Posto Ipiranga”. É que o dano causado por Paulo Guedes é de tamanha monta que só outro presidente poderá ter a autoridade de implantar políticas que possam tirar o Brasil do atoleiro em que se encontra.

O Posto Ipiranga como o Waterloo de Bolsonaro

Por outro lado, há que se dizer que se Jair Bolsonaro perder as eleições no próximo domingo, isto se dará em grande parte pelo vazamento dos planos que Paulo Guedes tem para os próximos quatro anos. Curiosamente, o vazamento precoce de seus planos pode ter sido a centelha que deslocou o plano engenhosamente elaborado pela campanha de Bolsonaro.

O simples acesso a esses planos aparentemente causou uma paralisia no avanço que as pesquisas vinham notando nas intenções de votos de Jair Bolsonaro. Também, pudera, do pouco que vazou já se pôde visualizar o impacto que isto teria na vida dos brasileiros.

Assim, curiosamente, a pessoa que serviu como caução de  um claramente inepto Jair Bolsonaro em 2018, agora poderá ser a causa de sua derrota. E eu digo que ainda bem, pois o Brasil e a maioria pobre da sua população (mesmo aquela parcela que hoje vota em Jair Bolsonaro) não iriam sobreviver a mais quatro anos desta política de terra arrasada que só serve para aumentar uma concentração de renda que já era uma das maiores do mundo.