Colômbia é a nova parada da revolta contra o arrocho dos governos ultraneoliberais sul americanos

greve colombia

Greve geral paralisou principal cidades colombianas contra o pacote ultraneoliberal do presidente Iván Duque. Foto: Jaime Moreno

Enquanto  as forças de esquerda parecem adormecidas em berço esplêndido dentro  do Brasil, a revolta popular contra as políticas de recorte ultraneoliberal alcançou outro bastião da paz dos cemitérios que o Consenso de Washington tentou implantar na América do Sul. Falo aqui da Colômbia onde uma greve geral paralisou as principais cidades do país, forçando ainda a imposição de toques de recolher (em vão é preciso dizer) em algumas das principais cidades colombianas.

O estopim da revolta na Colômbia foi o mesmo que iniciou a ebulição que varre a América do Sul desde o Chile e o Equador. Esse estopim foi a decretação de um pacote  pelo presidente Iván Duque que inclui medidas anti-trabalhistas, reforma nos direitos previdenciários e a proposta de aumento de idade para aposentadoria. Pacote esse muito semelhante ao que está sendo imposto no Brasil pelo governo Bolsonaro.

A mobilização popular surpreende aos que explicam sua inação por uma suposta condição de apatia das classes populares, pois o que se viu antes no Chile e no Equador, agora se vê na Colômbia. Um detalhe a mais no caso colombiano é que um dos alvos da revolta popular é o ex-presidente Álvaro Uribe que até recentemente era um político praticamente intocável, e que agora se vê fortemente pressionado pela população que o vê como um símbolo de um estado neoliberal corrupto(ver vídeo abaixo como exemplo).

O caso da Colômbia é tão emblemático quanto o do Chile, na medida em que governos de direita controlam o país desde quase o processo de independência. Além disso, o país recebeu ao longo do Século XX forte apoio dos EUA no sentido de debelar as guerrilhas de esquerda que fustigaram os diferentes governos e representaram um grave risco à “Pax Americana” na América do Sul.

Por sua condição emblemática é que os acontecimentos na Colômbia devem estar gerando fortes doses de ansiedade em diversos governos que seguem o mesmo receituário anti-popular que Iván Duque está tentando empurrar garganta abaixo dos colombianos.

A minha dúvida em relação ao Brasil é sobre quando o vírus dessa revolta vai se manifestar abertamente. Aliás, essa deve ser também a dúvida tanto à direita quanto à esquerda do espectro político, ainda que por diferentes razões e motivos.

Lula está livre. E agora Jair?

lula livreCercado por correligionários, o ex-presidente Lula sai da prisão em Curitiba. Gibran Mendes / CUT Paraná

A saída da prisão (ao menos temporariamente) do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva certamente terá o dom de alterar o balanço político brasileiro que, neste momento, estava facilmente controlado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelas forças políticas que orbitam em torno dele, a começar pelos DEM que hoje detém as presidências das Câmaras de Deputados e do Senado Federal.

É que Lula, em que pesem todas as suas eventuais limitações políticas e judiciais, continua sendo o principal sustentáculo de um agrupamento de forças que em sua ausência demonstrou extrema debilidade (e eu diria indisposição) para organizar a necessária reação ao projeto ultraneoliberal desenhado pelo “Chicago Boy” Paulo Guedes e sua equipe.

Agora que Lula está solto após uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) é bem provável que grupos e partidos mais ao centro do espectro político se sintam ainda mais empoderados para pressionar o presidente Jair Bolsonaro a aplicar uma receita menos amarga do que a planejada por Paulo Guedes que, entre outras coisas, pode lhes custar muitas prefeituras em 2020.

O primeiro discurso de Lula, apesar de algumas pitadas mais duras contra Jair Bolsonaro e a Lava Jato, apresentou elementos que indicam que ele buscará retomar o amplo arco de alianças com conseguiu chegar ao poder em 2002.  Nada do que o ex-presidente disse apontou para um giro à esquerda que colocasse o PT em alianças com o PSOL, por exemplo.  E esse é um movimento provavelmente pensado para dialogar com segmentos que tendo apoiado o golpe parlamentar contra Dilma Rousseff já concluíram que fizeram uma aposta equivocada.

O principal problema que Lula enfrentará para se colocar como o principal porta-voz da oposição aos planos da dupla Bolsonaro/Paulo Guedes não será, em minha modesta opinião, com o presidente Jair Bolsonaro e seus eleitores mais aguerridos. Para mim, o principal problema do ex-presidente será colocar o PT e os movimentos sociais e sindicatos que orbitam em torno em uma postura menos prostrada frente à conjuntura política estabelecida.  

O fato é que enquanto Lula esteve preso em Curitiba, o PT e seus aliados não puderem (ou não quiseram) se apresentar como opções reais para os milhões de brasileiros que estão sofrendo as principais consequências do giro ultraneoliberal que está sendo executado pelo governo de Jair Bolsonaro. Mesmo no plano parlamentar, o PSOL que possui uma bancada bastante diminuta foi quem se colocou de forma mais resoluta para pressionar a base partidária do governo federal, rendendo os principais momentos de confronto em defesa de bandeiras populares dentro do congresso nacional.

Mas como Lula continua sendo o principal estrategista da política brasileira e líder inconteste do PT é possível que agora tenhamos o fim do estado de letargia que tem permitido o governo Bolsonaro avançar de forma muito tranquila a sua agenda de desmanche do Estado nacional. Para ampliar essa possibilidade há ainda a saída do ex-ministro José Dirceu da prisão. Se ele tiver condições mínimas de assessorar Lula, apesar dos seus problemas de saúde, é bem provável que muito rapidamente tenhamos movimento no que hoje é pura estagnação.

Tudo indica que o presidente Jair Bolsonaro já sentiu o tamanho do problema que lhe foi criado pela decisão do STF de restabelecer os ditames estabelecidos na Constituição Federal quanto à prisão após o chamado “trânsito em julgado“. É  que sua primeira medida após a notícia da decisão de libertação de Lula foi cancelar uma entrevista coletiva que daria em Goiânia, provavelmente para não ter que oferecer respostas sobre o novo momento que se abre no Brasil.

bolsonaroAo lado do ministro da Educação Abraham Weintraub, o presidente Jair Bolsonaro recebe a informação da libertação do ex-presidente Lula. Após isso, ele cancelou a entrevista que iria conceder em Goiânia. Imagem: GABRIELA BILÓ/ESTADÃO CONTEÚDO

O problema para Jair Bolsonaro é que ele não terá como fugir eternamente de entrevistas ou, muito menos, da sombra que Lula, agora livre, levanta sobre seu governo anti-nacional e anti-pobres.  Isso me permite levantar a seguinte questão ao presidente Bolsonaro: e agora, Jair?

Governo Bolsonaro se pretendia caçador, mas pode ter virado caça depois da eleição argentina

albertoAlberto Fernández foi eleito em primeiro turno na Argentina e no palanque da vitória defendeu a libertação do ex-presidente Lula cuja prisão ele considera injusta

Ao longo de 2019, o presidente Jair Bolsonaro conseguiu alguns feitos inéditos em termos do isolamento diplomático do Brasil ao abandonar a postura pragmática que caracterizava historicamente a ação da diplomacia brasileira ao se alinhar umbilicalmente ao governo dos EUA. Além disso, a postura anti-ambiental que ficou explícita na celebração do negacionismo climático pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, piorou ainda mais a péssima imagem que o nosso país passou a ostentar após a eleição de um político que propaga visões que fora do Brasil são consideradas como sendo de extrema-direita.

Agora, o isolamento que se configurava no plano internacional mais distante ganha contornos mais paroquiais com a vitória do candidato de oposição na Argentina que derrotou em primeiro turno a um parceiro ideológico, o neoliberal Maurício Macri. Entre as primeiras declarações dadas ainda no palanque da vitória, Alberto Fernández mandou uma mensagem explícita ao governo brasileira ao indicar que irá se envolver na campanha pela libertação do ex-presidente Lula (ver vídeo abaixo).

A declaração do novo presidente argentino em defesa de Lula tem um forte valor simbólico (e talvez apenas isso), pois indica que Fernández não parece disposto a esquecer as ofensas e provocações que fora proferidas pelo presidente Jair Bolsonaro logo após a sua vitória eleitoral nas primárias argentinas.

A coisa fica ainda mais complicada para o governo Bolsonaro se considerarmos a vitória eleitoral de Evo Morales que obteve novo mandato na Bolívia e a passagem para o segundo turno nas eleições presidenciais uruguaias do candidato da Frente Ampla, Daniel Martinez. 

Associado às vitórias de Fernández e Evo,  Jair Bolsonaro ainda tem que assistir o Chile, principal sustentáculo de suas políticas ultraneoliberais, solapado por um forte revolta popular justamente por causa da aplicação continuada de fórmulas que precarizaram direitos sociais e criaram uma das sociedades mais desiguais do planeta. O governo do presidente Sebastian Piñera que era como se fosse uma espécie de realização suprema da ordem agora se encontra sob forte pressão para rever três décadas de políticas neoliberais em meio a protestos gigantescos.

chile pinera

O grande medo que deve estar atravessando o governo Bolsonaro de cima até abaixo é o da contaminação da revolta popular. Como não há meio termo possível para Jair Bolsonaro e seus ministros ultraneoliberais o medo da contaminação não é infundado, mas depende ainda da disposição de sair da inércia de partidos ditos de esquerda (a começar pelo PT) e movimentos sociais a eles afiliados.

Agora uma coisa é certa: a fase dos encontros de presidentes ultraneoliberais para celebrar vitórias eleitorais está encerrada, e isto deverá criar graves dificuldades para a governabilidade brasileira.  E não possamos esquecer que um dos maiores vencedores das eleições argentinas é o presidente Nicolás Maduro que agora terá uma bota a menos no seu pescoço já que Fernández anunciou durante a campanha eleitoral que irá retirar a Argentina do chamado “Grupo de Lima”. 

Como se vê, os resultados das eleições argentinas terão efeitos de amplo espectro na situação política da América do Sul. E têm tudo para ampliar o clima de paranoia que já existe dentro do governo Bolsonaro. E, convenhamos, com justa razão. É que até bem pouco o sonho propalado pelo presidente Jair Bolsonaro e seus ministros era firmar uma hegemonia de direita no nosso continente. E agora o que se vê é uma espécie de cerco político do Brasil, onde os poucos governos amigos que sobraram estão enfrentando dificuldades enormes para se manterem em pé.

É a consumação da famosa máxima do “um dia da caça, outro do caçador”.  O problema para Jair Bolsonaro é que seu governo que se pretendia caçador pode estar passando rapidamente à condição de caça. A ver!

O vírus da revolta se espalha na América do Sul: depois do Equador, o Chile

Moreno-Piñera1

Depois do equatoriano Lênin Moreno (esquerda), agora é o chileno Sebastian Pinera que enfrenta a ira popular por causa da aplicação de políticas ultraneoliberais, 

Depois da acachapante revolta popular que forçou o presidente Lênin Moreno a retroceder e revogar o seu pacote de medidas ultraneoliberais que aprofundariam as dificuldades dos trabalhadores e da juventude do Equador, agora é o Chile que está enfrentando uma forte mobilização social contra aumentos nas tarifas di metrô de Santiago.

Em um sinal explícito que reconheceu a força da revolta popular, o presidente Sebastian Piñera fez valer uma legislação herdada da ditadura militar de Augusto Pinochet para tentar sufocar a insurgência popular, decretando o chamado “estado de emergência”  para colocar as forças militares no centro da tentativa de controlar a revolta popular.

fogo onibusÔnibus incendiado por manifestantes em Santiago de Chile. A revolta iniciada pelo aumento das tarifas de metrô reproduz os acontecimentos recentes no Equador. 

Curioso notar que a empresa de eletricidade italiana Enel também foi alvo das manifestações e teve sua sede como palco de um grande incêndio em meio às fortes mobilizações que ocorriam nas ruas de Santiago.

Curiosamente a mídia corporativa brasileira está dando uma cobertura minúscula à revolta popular no Chile, reproduzindo um modelo de mutismo midiático que já foi aplicado na cobertura da insurreição ocorrida no Equador.

Se levarmos em consideração que muito pouco está sendo mostrado sobre as eleições que estão ocorrendo em diversos países sul americanos onde os partidos que defendem políticas ultraneoliberais estão correndo o risco de derrotas acachapantes, a começar pelo presidente argentino Maurício Macri. 

Em minba opinião, a combinação de insurreições popular e derrotas de candidaturas com vieses ultraneoliberais estão sendo está sendo ocultada porque são uma espécie de mau exemplo para os trabalhadores e para a juventude do Brasil. É que aqui, apesar de todos os retrocessos e derrotas impostas contra os direitos sociais e trabalhistas, ainda permanecemos em um absoluto estado de inércia política.  Assim, qualquer cobertura mais correta do que estão ocorrendo em nosso entorno deve estar sendo vista como indesejável aos donos dos meios de comunicação que estão entre os poucos vencedores das políticas antipopulares que estão sendo aplicadas pelo governo comandado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Em outras palavras, estamos recebendo uma cobertura pífia por um aparente medo de que o vírus da revolta popular também se instale no Brasil, com os mesmos resultados que estão sendo vistos em toda a América Latina. O problema é saber se ocultar as fortes mobilizações contra as políticas ultraneoliberais será suficiente para impedir que a população brasileira saia da atual inércia para a ação política.

Finalmente, não deixa de ser curioso que o Chile que vem sem sendo apontado pelo presidente Jair Bolsonaro como um modelo de sucesso da direita latino americana esteja agora no olho do furacão político que engolfa a América do Sul neste momento. 

Servidor público apoiando Bolsonaro = frango fazendo propaganda para a Sadia

lequetreque-sadia

Tenho visto uma série de manifestações feitas por servidores públicos de apoio a Jair Bolsonaro.  Das duas uma: ou esses servidores não examinaram a cartilha ultraneoliberal que o fundador do BTG Pactual Paulo Guedes promete implementar para exterminar o serviço público ou leram e não se importaram com o futuro dos seus cargos e salários.

Essa movimentação de servidores públicos em prol de uma agenda ultraneoliberal com elementos de nazifascimo é mais uma prova de que desse segmento não se deve esperar sempre que haja consciência sobre a função social do cargo público. 

O interessante é que se formos olhar de perto quem dentro do serviço público apoia Jair Bolsonaro e suas ideias que expressam uma espécie de nazismo tropical, veremos que muitos dos que o apoiam não são exatamente servidores modelo ou, tampouco, são pessoas que respeitam o direito alheio fora da sua repartição ou órgão púiblico. Tomando pelo meu próprio local de trabalho, posso dizer que algumas das piores figuras são hoje bolsonaristas desde criancinhas. E isto não me surpreende nem um pouco.

Mas não deixo de ficar com a sensação que daqui a pouco estes serão os mesmos a dizer que foram enganados por um estelionato eleitoral caso Bolsonaro seja eleito e comece sua “revolução” exterminando o serviço público, dando continuidade ao trabalho que Michel Temer não irá concluir.

 

Paulo Guedes quer congresso a la Pinochet para impor sua agenda ultraneoliberal

Já disse que deveríamos esquecer por alguns minutos a propaganda ideológica do deputado federal Jair Bolsonaro e nos concentrar no que seu guru econômico, o misto de banqueiro e articulista das organizações Globo, anda propondo para viabilizar a implantação uma variante ainda mais radical das políticas neoliberais no Brasil. 

Vejamos, por exemplo, a informação postada nos principais veículos da mídia corporativa que nos dá conta que Paulo Guedes está articulando uma fórmula que sufocará o direito da divergência dentro das bancadas no congresso nacional. A fórmula proposta por Paulo Guedes é simples e brutal:  todos os votos de uma bancada seriam computados integralmente a favor de um projeto se mais da metade dos parlamentares daquele partido votarem a seu favor, conferindo assim uma espécie de superpoderes aos líderes partidários [1].

Na prática, como se sabe que certas mudanças, especialmente aquelas que afetam os princípios estabelecidos pela Constituição Federal de 1988, são difíceis de ser consensuais dentro das maiores bancadas, Paulo Guedes está se adiantando e propondo que se estabeleça uma medida que sufoca a posição das minorias, já que independente da diferença de votos dentro da bancada, prevaleceria artificialmente a vontade da maioria.

O raciocínio de Paulo Guedes é explicitado nas reportagens, pois segundo ele a ideia seria facilitar a aprovação de projetos de um presidente sem maioria parlamentar [2]. Em outras palavras, a ideia é impor o mesmo tipo de concordância que foi vista no Chile sob a ditadura de Augusto Pinochet que juntou seu profundo autoritarismo e um receituário neoliberal, o qual foi imposto por uma maioria parlamentar extremamente obediente.

Há que se frisar que Paulo Guedes está anunciando que já o apoio de Rodrigo Maia (DEM) para este parlamento manietado pelo desrespeito à opinião das minorias.  Apesar de Maia já ter negado, pelo “tracking record” dele não seria surpreendente se ele vier a aceitar a proposta no futuro.

Por isso, repito, paremos de nos preocupar com Jair Bolsonaro, mas com aqueles que vão dar realmente as cartas no seu governo, começando por Paulo Guedes e sua equipe de economistas ultraneoliberais.


[1] https://www1.folha.uol.com.br/poder/2018/09/paulo-guedes-guru-de-bolsonaro-defende-superpoderes-a-partidos-na-camara.shtml

[2] https://oglobo.globo.com/brasil/economista-de-bolsonaro-defende-superpoderes-partidos-na-camara-23090553?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=O%20Globo

Troubles in paradise: EUA vivem epidemia de ataques em locais de trabalho

Para quem acha que a forma de organizar a vida dos trabalhadores e seus salários vigente nos EUA é o modelo a ser adotado no Brasil deveria ficar atento ao fato que apenas nesta última semana ocorreram, pelo menos, cinco incidentes envolvendo assassinatos e ferimentos graves realizados por pessoas nos seus locais de trabalho ou em estabelecimentos públicos.

O último incidente ocorreu em uma creche na cidade de Nova York onde dois pais e três bebês foram esfaqueados por uma funcionária do estabelecimento [1].  Mas ainda ontem (20/09), uma empregada da rede de farmácias Rite Aid matou três colegas de trabalho usando uma pistola Glock 9mm, antes de tirar a própria vida num centro de distribuição localizado na cidade de Aberdeen, condado de Hartford no estado de Maryland [2].

O ataque em Aberdeen, a pouco menos de 50 km a nordeste de Baltimore, seguiu dois tiroteios no local de trabalho que ocorreram na quarta-feira (19/09). Um homem abriu fogo contra a empresa de software onde trabalhava em Middleton, Wisconsin, ferindo várias pessoas antes de ser morto pela polícia [3]. Mais tarde naquele mesmo dia, outro homem entrou em um prédio municipal ao sul de Pittsburgh e atirou em quatro pessoas antes de se matar [4].

O fato é que a ampla desregulamentação dos direitos dos trabalhadores e a imposição de fortes cargas de trabalho com baixa remuneração estão gerando uma epidemia deste tipo de incidente em todo os estados que compõe os EUA .  Um dos elementos que certamente agravam isso é o fácil acesso a todo tipo de armamento de forma legal, inclusive rifles de assalto.

Imaginemos o que pode acontecer no Brasil se o próximo presidente da república for um defensor das medidas ultraneoliberais e do fácil acesso à armas como ocorre nos EUA.  Com toda certeza, deveremos assistir a muitos casos semelhantes aos que hoje ocorrerem na Meca do capitalismo desregulado.

 


[1] https://www.news.com.au/world/north-america/babies-stabbed-by-crazed-knife-attacker-in-new-york-city/news-story/7465693482e41e34b3e03ebf8eb14a2e

[2] https://www.nytimes.com/2018/09/20/us/maryland-shooting-aberdeen.html

[3] https://apnews.com/fa51a13022b348e680c89e0a0b0b7ed3

[4] https://www.nytimes.com/2018/09/19/us/masontown-shooting-judges-office.html