Depois dos protestos contra a Vale, BHP Billiton é denunciada na Austrália

Por 👤Manaira Medeiros

BHP

Desde o crime ambiental em Mariana (MG), a empresa anglo-australiana BHP Billiton, que divide o controle da Samarco Mineração com a Vale, mantém uma distância segura da repercussão do caso, já que os protestos no Brasil têm foco na acionista local. Nessa quinta-feira (19), porém, a empresa foi cobrada no exterior. O Greenpeace realizou ato em Perth, oeste da Austrália, durante o Encontro Anual dos Acionistas da BHP

Com a mensagem “BHP: lucro e lama #justicaparamariana” e “BHP tem sangue em suas ações”, vinte ativistas da entidade e membros da ONG australiana GetUp surpreenderam os participantes do evento. 

O protesto, segundo o Greenpeace, teve o objetivo de dar repercussão internacional à maior tragédia ambiental da história do Brasil, denunciando a omissão da BHP Billiton e da Vale tanto após o rompimento da barragem como antes. As empresas não tinham um plano de contingência apropriado e não avisaram os moradores dos distritos de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo a tempo de evitar a tragédia. Até agora, 19 mortes foram confirmadas e 630 desalojados. São dois mil afetados ao todo. 

Além disso, a entidade quer garantir visibilidade aos impactos sobre o rio Doce, maior curso de água do Sudeste, cuja recuperação, se possível, levará décadas e exigirá bilhões de reais em investimentos. 

O Greenpeace destaca que o protesto diante dos acionistas da BHP não se restringiu ao lado de fora da reunião. Dentro da conferência, Nikola Casule, representante do Greenpeace Austrália, questionou o conselho da BHP: “Se a companhia sabia que havia riscos de rompimento, porque as operações continuaram?”. 

O ativista se referiu ao relatório independente produzido em 2013, no qual especialistas afirmam que a barragem precisava ser monitorada regularmente, ter uma análise detalhada sobre riscos de ruptura (que já existiam) e, ainda, contar com um plano de contingência em caso de acidente. 

Uma equipe de documentação e pesquisa do Greenpeace no Brasil esteve na região do desastre nos últimos dias e acompanhou o drama da população. “O desastre da mineração da Vale e da BHP acabou com a vida de milhares de pessoas, de pequenos agricultores, moradores de cidades como Governador Valadares, pescadores e comunidades indígenas, como os Krenak”, diz Ricardo Baitelo, coordenador da Campanha de Clima e Energia do Greenpeace. “Fato é que a tragédia está longe de acabar, já que a lama segue descendo o rio, rumo ao litoral do Espírito Santo”.

A entidade exige que as mineradoras e o governo tomem providências cabíveis. “Isso inclui a promoção de uma investigação independente sobre as causas do desastre, o pagamento de valores condizentes com a proporção desta gigantesca tragédia, e a garantia de que as demais barragens não ofereçam nenhum risco às comunidades e ao meio ambiente”. 

Informações da BBC Brasil apontam que o episódio em Mariana (MG) está longe de ser o primeiro caso a manchar a imagem da anglo-australiana, que chegou ao Brasil em 1984. Considerada a maior mineradora do mundo em valor de mercado – em 2014 o lucro foi de 13,8 bilhões de dólares -, a empresa acumula tragédias em seu histórico. 

No País, a BHP detém ainda direitos de exploração de blocos de petróleo na bacia Foz do Amazonas; atua no setor de alumínio, com participação de 14,8% na mineradora de bauxita Mineração Rio do Norte (MRN), no Pará; e, no Maranhão tem participações no Consórcio de Alumínio do Maranhão (Alumar).

Após a tragédia, as ações da BHP chegaram a seu nível mais baixo em sete anos na bolsa australiana e as da Vale bateram queda de 8%.

Alemanha

A tragédia de Mariana (MG) também chegou a Hamburgo, na Alemanha, nessa quinta-feira, em ato organizado por brasileiros, entre eles dois capixabas. O foco foi a comunidade e imprensa alemãs, no sentido de cobrar ações do governo brasileiro e punição às empresas responsáveis. 

Os manifestantes também chamaram atenção para o fim do rio Doce e fizeram críticas à falta de informação sobre o caso no Brasil e no exterior. 

A mobilização começou em grupo nas redes sociais e já há articulação para que seja repetido por brasileiros que moram na Nova Zelândia, na próxima semana. 

FONTE: http://seculodiario.com.br/25956/10/depois-dos-protestos-contra-a-vale-bhp-billiton-e-denunciada-na-australia

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s